Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



...

por falcao, em 14.07.04
O ESTADO DA NAÇÃO I

Primeiro disseram que iam votar contra só porque sim;

Depois gritaram contra os primeiros nomes porque a escolha os surpreendeu;

A seguir clamaram por originalidade sem olharem para si próprios.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:49

...

por falcao, em 13.07.04
AS ENTREVISTAS - COMENTÁRIO

O post sobre as entrevistas dadas pelo ingitado Primeiro Ministro motivaram um bem articulado comentário de LF, autor do largo do rato, cuja leitura se recomenda.

Aqui vão excertos so comentário:

Ao contrário de muitos comentadores - quase todos pró

dissolução, diga-se - acho que PSL fez muito bem em

conceder as duas entrevistas referidas e no "timing"

que o fez.

Foram aliás entrevistas notáveis no seu conteúdo

politico.

A primeira a Judite de Sousa, Santana Lopes afirmou-se

como líder do PPD/PSD declarando:

- As razões dos sociais democratas para a manutenção

da estabilidade governativa, nomeadamente nos aspectos

sensíveis definidos por Durão Barroso e Jorge Sampaio

(a coerencia e continuidade das politicas

economico-financeira, externa e de defesa) e

demonstrando que pela sua parte nada havia a temer

sobre a governabilidade do país.

- Estar preparado para uma campanha eleitoral e para

ver o sua liderança consolidada nas urnas através duma

vitória se fosse essa a decisão de Jorge Sampaio.



e mostrando uma serenidade, liderança e contenção

assinaláveis.



Marcou pontos ao:

-clarificar a posição contrária a eleições do PPD/PSD

-não excluir nem temer a outra solução assumindo-se

como líder desse combate eleitoral para vencer.

-mostrar aos cépticos internos do PSD que os vai

contradizer e á esmagadora maioria do partido que o

seu apoio se justifica.

- mostrar-se tal como é retirando aos críticos a

satisfação de o dizerem com "low profile" táctico para

obter o cargo de PM.



A entrevista a Ricardo Costa permitiu-lhe:

- Justificar-se ao eleitorado de Lisboa pela sua

saída, reforçando a sua obra a acabar pelo executivo

camarário com uma palavrinha ás autarquias e autarcas

da maioria.

- Mostrar ao PR e ao país, que considera Jorge Sampaio

e que se compromete a uma relação institucional

impecável. Mostrando-se desde já não disponível a

tratar temas objecto de conversa com Sampaio.

- Reforçar a imagem de Estado que já tinha deixado

transparecer na primeira entrevista. Sendo tolerante -

desvalorizando - com as críticas pessoais que lhe

fazem e enfocando o seu discurso para a

responsabilidade do seu governo, a continuidade das

políticas e o muito trabalho que espera os portugueses

mesmo quando a retoma já espreita.

- Reforçar, e bem, o discurso social.

- Mostrar lealdade e liderança em relação ao parceiro

de coligação.



Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:21

...

por falcao, em 13.07.04
DICOTOMIA II

Um sempre atento leitor destes posts, o N.F., mandou-me, a propósito do post «Dicotomia», uma citação de Anthony Burgess que não resisto a reproduzir:

Readers are plentiful: thinkers are rare.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:18

...

por falcao, em 13.07.04
JÁ?

Ainda nem o Governo apresentou equipa nem programa e a Frente Popular já decidiu que vota contra. Vota contra por votar. Vota contra porque sim. Vota contra porque não lhe interessa aquilo em que vota, interessa apenas o efeito que produz. É com coisas destas que se vai destruindo a capacidade de os cidadãos acreditarem na utilidade dos parlamentos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:48

...

por falcao, em 12.07.04
AS ENTREVISTAS

O facto de Pedro Santana Lopes ter dado duas entrevistas a estações de televisão deixou muito comentador enervado: que a coisa não se devia fazer, dizem. Talvez preferissem o método mais habitual na política portuguesa, que é mandar recados anónimos para os jornais, sobretudo entre quinta e sexta-feira. manias... Ainda bem que as entrevistas foram dadas: assim foi ao vivo e em directo, em vez de ter sido por interposta pessoa.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:35

...

por falcao, em 12.07.04
DICOTOMIA

Uma das coisas que contribui para a confusão nacional é a estimulação de uma permanente dicotomia entre pensar e fazer. Quem se posiciona como grande pensador raramente consegue concretizar, alimenta aliás algum desprezo pelo assunto; e tem tendência a considerar que quem faz pouco pensa. Assim não se vai a lado algum. Pensar é preciso, decidir e fazer também. Não chega ficar só a pensar, embora seja fundamental que continue a existir quem fique apenas a observar, a reflectir, a criticar. É isso que ajuda a fazer melhor.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:08

...

por falcao, em 09.07.04
O PROBLEMA DOS DIRECTOS

O grande problema dos directos é que se tornam insuportàveis quando não há nada a dizer. Vinha no carro a ouvir a TSF e no fim da reunião do Conselho de Estado o repórter de serviço queria à viva força tirar palavras dos conselheiros que saíam. Como era de esperar ninguém disse nada - é isso que se espera de conselheiros do Presidente da República. Pretender impôr o contrário é ir contra os princípios da ética da cidadania. O que engloba, acho eu, a ética dos jornalistas. Este folclore dos directos é demais.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:58

...

por falcao, em 09.07.04
A ESQUINA IMPRESSA

Aqui vão uns excertos de «A Esquina do Rio», hoje dada à estampa no «Jornal de Negócios».



A SEMANA FOI MARCADA pelo nascimento da Frente Popular. Francisco Louçã disse alto o que alguns pensaram baixinho: o Bloco de Esquerda e o PC estão dispostos a viabilizar um Governo PS, já se sabe que com algumas garantias e exigências, mas isso é fogo de vista retórico. Vamos ao essencial: no mesmo dia em que a CGTP promoveu manifestações pela dissolução do Parlamento, a Frente Popular nasceu em declarações à saída do palácio de Belém. De repente parece que não houve queda do Muro de Berlim, nem perestroike, nem alargamento europeu a Leste. Numa só semana, em Portugal, andámos politicamente 20 anos para trás: instabilidade, governos precários, oscilação, falta de clarificação. O baile está armado.



O QUEIJO LIMIANO de que o PS precisa para poder pensar em governar vai ser desta vez fornecido em bandejas pelo PCP e o Bloco de Esquerda – caso exista, apesar de tudo uma maioria nesse sentido. O problema é que, se num cenário pós-eleições não fôr clara nenhuma maioria, ainda mais se acentua a crise. Ou seja, é evidente, no ponto a que se chegou, que o cenário de dissolução comporta riscos sérios de aumentar a rotatividade de governos, a instabilidade política e económica e de contribuir não para a clarificação mas para a confusão. Digamos, de um ponto de vista prudente, que de facto não se sabe se convocar eleições antecipadas não será correr um risco incontrolável.



NA «ECONOMIST» desta semana há um belo artigo sobre o preço da euforia, que começa assim: « Na Europa Medieval os dirigentes que queriam deixar uma marca no seu tempo construíam uma Catedral. Na Europa moderna constróiem-se estádios desportivos», tal como aconteceu em Portugal e na Grécia, por sinal dois pequenos países em busca de afirmação e de um lugar na nova Europa, sublinha a revista.







Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:56

...

por falcao, em 08.07.04
FRASE DO DIA

«Pode V.Exa. tirar o equídeo da pluviosidade» - Deputado Telmo Correia (PP), respondendo ao Deputado Medeiros Ferreira (PS), a propósito do à vontade com que o PS se considera vencedor de eventuais eleições antecipadas.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:53

...

por falcao, em 07.07.04
IMPERDÍVEL

Um dos blogs de que mais gosto é A Formiga de Langton. Não resisto a citar um excerto de um recente post: Daniel Dennett, provávelmente o mais conceituado dos filósofos da Inteligência Artificial, estará dia 8 na Faculdade de Ciências às 15h00 (sala 3.2.14 no edifício C3).Tema? Rational Avoidance in a Deterministic World. Segundo ele, parece-me, o elo determinismo-inevitabilidade parece possivel de ser quebrado. Eu espero bem que sim. Até porque neste mesmo dia, o Presidente da Républica vai falar a todos os Portugueses. E a bolsa de Lisboa, uma vez mais, vais estar praticamente imune a isso. E todas as instituições do Estado estarão? Tem estado nestes últimos dias? Que rebuliço deve por lá andar. Logo agora, que Francis Fukuyama, o arauto-mor, parece viver uma nova vida. Para quem rezava que era o fim da história, a história tem dado muitas voltas. Que será dos Neo-Cons daqui por 5-10 anos ??! Que será do PP se se realizar eleições ??! É bom viajar à boleia, qualquer viajante do mundo que se preze o sabe, mas todas as boleias transportam em si mesmas o seu fim. Entre a necessidade do espaço individual e do colectivo a boleia nasce, deambula e morre. É a natureza da própria viagem que a faz assim. O país não é psicadélico, o som está é demasiado alto.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:18

Pág. 1/2



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2005
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2004
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2003
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D