Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



...

por falcao, em 28.11.04
O TÚNEL



ACÇÃO CÍVICA – Não me cansarei de dizer como acho que a participação cívica dos cidadãos não se esgota nos partidos e, muito provavelmente, é mais importante fora deles do que dentro. Mas tal como dentro dos partidos, na sociedade civil, volta e meia aparecem uns «chico espertos» a querer ganhar fama à custa dos outros. O caso do túnel do Marquês é um bom exemplo disto e deve fazer-nos reflectir. Se o advogado José Sá Fernandes pretendesse de facto contribuir para melhorar alguma coisa tinha mais formas de actuar possíveis do que ter encravado a vida a milhares de pessoas durante mais de seis meses. A sua apetência de se travestir de Robin Hood dos dias de hoje incorre num erro básico: trabalha para si próprio e para a comunicação, não pensa um segundo que seja como as suas acções podem afectar os outros. Ele argumentará que faz isto a bem da sociedade, mas os efeitos práticos são o que são. O preconceito político é mau conselheiro e aparentemente é isso, junto com o impacto mediático que muito preza, que faz mover o advogado.



IMAGINAÇÃO - Com aquela maneira desprendida que tinha de falar das coisas, Albert Einstein dizia que «a imaginação é mais importante do que o conhecimento». Fora do contexto a frase parece deslocada, mas de facto é a imaginação que pode levar à descoberta e à criação de novo conhecimento. O processo de criação vive da imaginação, da capacidade de ver para além do que se sabe, de surpreender. Uma sociedade que aposta sobretudo na conservação e que vai desprezando a criação está a desproteger o futuro, está a comprometer o património das próximas gerações. Nestes tempos que correm vivemos demasiado de coisas efémeras e corriqueiras, e mesmo as políticas culturais, nacionais ou locais, têm uma estranha tendência a privilegiar o previsível e o desinteressante – alguma razão há-de haver para que em tantos domínios se esteja a reduzir a existência de coisas novas e interessantes. Quando a imaginação não é fomentada, estimulada, vai definhando. Acaba congelada.



DAR – Um interessante artigo na «Spectator» desta semana apela ao Governo inglês que introduza benefícios fiscais que permitam voltar a tornar interessante contribuir para a sociedade, financiar instituições culturais, benefícios que estimulem o simples acto de dar. O artigo tem origem na constatação de que muitas obras de arte importantes estão a fugir do país, em grande parte por falta de estimulos para que as pessoas possam contibuir para a sua aquisição e sejam recompesadas por isso. O que o artigo defende é que através das contribuições individuais ou colectivas instituições como os museus poderão adquirir novas peças, desenvolver colecções: «A criação e a manutenção de colecções públicas de arte deve ser um motivo de orgulho nacional, já para não falar de uma fonte de entretenimento e de prazer para os cidadãos», sublinha a revista, conhecida pelo seu posicionamento liberal e a favor da economia de mercado.



JULGAMENTO – A avaliar pelos primeiros momentos teme-se o pior da forma como os media vão seguir o julgamento do processo Casa Pia. Os directos intermináveis, os comentários a encher o tempo, a procura das reacções populares, a falta de rigôr, de síntese, de distanciamento marcaram a primeira manhã. É certo que o que se vai passar no Tribunal da Boa-Hora é um teste ao sistema judicial português e ao funcionamento da justiça; mas é também um sério teste para os media e para os jornalistas.





BACK TO BASICS – Citando Otto Von Bismarck: «A política é a arte do possível»



O MELHOR DA SEMANA – A decisão judicial que permite reiniciar as obras do Túnel das Amoreiras;



O PIOR DA SEMANA – A reacção do advogado José Sá Fernandes à referida decisão, considerando que fez «bom trabalho» ao provocar a paragem da obra durante meses.



A PERGUNTA DA SEMANA – Quem paga os prejuízos causados pela paragem da obra ? Ninguém é responsabilizado por todos os enormes transtornos causados?



RESTAURANTE – Café Três, Tivoli Fórum



LEITURA – O livro «Cruz das Almas», de Patrícia Reis.



TENTAÇÃO – A galeria VPF Cream Arte, na Rua da Boavista 84, 2º, ao Cais do Sodré, em

Lisboa. Um novo conceito na arte contemporânea.



SUGESTÃO – Festival Super 8, uma projecção de curtas metragens em Super 8, dia 27 às 21h30 no Fórum Roma.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:45

...

por falcao, em 22.11.04
UMA VIDA A DOIS



Os três discursos de Pedro Santana Lopes foram o melhor do Congresso do PSD mas também foram, quase, a única coisa. De facto Pedro Santana Lopes aproveitou o Congresso para falar ao país e pelo meio resolveu pormenores internos de organização do pessoal político. Não conseguiu, no entanto, evitar que a imagem que saíu do Congresso fosse a das reticências à continuação da coligação com o PP.

A força dos discursos de Pedro Santana Lopes mostrou, em contraste, as fraquezas do Congresso e, também, do partido. A única divergência palpável centra-se na política de alianças do PSD, ou seja, na coligação com o PP. Na realidade, neste congresso, ficou-se com a sensação de que uma parte audível do PSD preferiria soluções tipo «queijo limiano», do que alianças estáveis e negociadas que permitam traçar estratégias de médio-longo prazo.

Tenho para mim que esta dificuldade de aceitação de coligações tem origem no vazio ideológico em que o PSD foi mergulhando ao longo dos anos (e que no caso do PP, por exemplo, é muito menos sensível). Na inexistência de referências ideológicas claras, na ausência de inovação e discussão políticas, sem noção clara do lugar que quer ocupar no espectro político (centro? centro-esquerda? centro-direita?) o PSD teme, inconscientemente, ser subalternizado, perder espaço próprio.

Habituado desde há décadas a gerir conjunturas, o PSD tem enorme sentido táctico mas dificuldade em encontrar rumo estratégico e em inovar. Daí nascem muitos dos seus incómodos actuais. Viver a dois é um exercício de permanente imaginação e um desafio constante. Acontece que, se a direita quiser cumprir o seu programa e concretizar reformas, é forçoso manter esta união de facto. Sob pena de a pensão de alimentos ser caríssima.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:34

...

por falcao, em 22.11.04
SEM ILUSÕES



MUDANÇAS – Olhando para o que se passa à nossa volta sou levado a seguir este pensamento, que me chegou por mão amiga: nenhuma sociedade ou civilização se esgota e morre, sobretudo de morte total, por um ataque de dúvida; é mais fácil que o definhar venha pela razão inversa, isto é, por causa da petrificação ou arterioesclerose das crenças. Talvez valha a pena estender este raciocínio e levá-lo mais além. Começa a ser evidente que o sistema político e partidário tem uma lógica interna que não permite que surjam verdadeiras mudanças, que evita transformações. Por isso, provavelmente, faz sentido pensar em novas formas de intervenção, faz sentido colocar dúvidas, debater novas formulações que só surgirão de rupturas e, muito provavelmente, nunca de evoluções a partir do modelo actual. Na verdade os apelos à democratização interna dos partidos e a uma maior preocupação dos políticos pelos cidadãos significaria a subversão total do esquema que está instalado. Não me parece que os políticos vão cometer suicídio colectivo e iniciar um processo de auto-destruição do sistema que lhes assegura o poder.



INVENÇÃO – Uma das maiores multinacionais, a Unilever decidiu há uns anos impulsionar a criatividade como factor de mudança da cultura da empresa. De facto o objectivo inicial era procurar um toque mágico na maneira como se imagina a produto, como se pensa no consumidor,

como se comunica, como se faz publciidade. Em 1999, na sede de Londres da companhia, iniciou-se o programa Catalyst, baseado no princípio de trazer para dentro da lógica empresarial o sistema de inovação da criação artística. Instrumentalmente o programa Catalyst começou por intervir na decoração da empresa e, depois, em fórmulas de entretenimento para os funcionários. Mas rapidamente se estabeleceu como um processo estratégico de transformação pessoal e organizacional. Do teatro ao cinema, passando pela poesia, a música ou as artes plásticas o Catalyst tem intervido na transformação da cultura da empresa, em estimular o surgimento do potencial criativo dos quadros, em aumentar a partilha de descobertas com os colegas. De facto, ao apostar na arte contemporânea, o Catalyst estimulou a descoberta, a dúvida, o pensamento e as interrogações sobre uma visão mais ampla da sociedade. Tudo isto foi relatado na semana passada em Serralves numa interessante conferência intitulada «Arte e Empresa, uma aliança criativa». O Presidente da Fundação, António Gomes de Pinho, na sua intervenção inicial, deixou um desafio aos gestores portugueses: « sejam criativos, imaginativos, intuitivos, visionários». É um apelo que devia percorrer toda a sociedade, e não apenas as empresas.



LUCIDEZ – O ex-Presidente da República do Brasil, Fernando Henriques Cardoso, passou esta semana por Lisboa e no meio da intervenção que proferiu a convite da Fundação Luso-Brasileira, fez uma afirmação de uma enorme actualidade: «A lucidez, em política, só aumenta a angústia».



BACK TO BASICS – Citando Charles De Gaulle, «a política é um assunto demasiado sério para ser deixado só aos políticos».



RESTAURANTE – Xanti, comida indiana, na Casa de Goa, Calçada do Livramento 17, junto ao Palácio das Necessidades. Tel. 21 393 01 71. Um grande espaço, uma cozinha surpreendente.

LEITURA – O artigo sobre a tecnologia e o método utilizados pelo arquitecto Frank Gehry no seu processo criativo, na revista «Wired», edição de Novembro, também disponível em www.wired.com

TENTAÇÃO – A mostra Mundo Mix, Tivoli Forum, Avenida da Liberdade, dias 20, 21,27 e 28 de Novembro.

SUGESTÃO – A Arte Lisboa no Pavilhão 4 da FIL do Parque das Nações, até às 20h00 de segunda-feira.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:32

...

por falcao, em 15.11.04
SOBRE A POLÍTICA

PROFISSIONAIS – Pela primeira vez desde 1974 temos os partidos entregues a uma geração de políticos profissionais, criada em democracia. Em quase todos os países isto é assim há muito – existe um núcleo duro de políticos profissionais que assegura o funcionamento dos partidos, de algumas instituições (como o Parlamento), que se vai treinando para o exercício do poder. É claro que há falhas- à excepção do Primeiro-Ministro, que foi militante e dirigente partidário, deputado, membro do Governo e autarca, a esta geração de políticos falta uma verdadeira carreira política e profissional fora do estrito círculo partidário. O percurso do dirigente partidário (juvenil, concelhio, distrital, nacional), normalmente é seguido de eleição parlamentar e daí, eventualmente, o salto para o Governo. Faltam os degraus do efectivo exercício executivo do poder a muitos destes políticos e também ao círculo que lhes é próximo. E isso nota-se. Muito.

SENSIBILIDADE – Um dos problemas de termos uma classe política com demasiados políticos profissionais é que corre-se o risco, grande, de eles perderem contacto com a realidade. Ver o país e os cidadãos através dos filtros dos aparelhos partidários é garantia de ter uma noção distorcida. Na política fazem sempre falta profissionais de outras áreas, cidadãos comuns que estejam empenhados no progresso e na participação cívica e os não alinhados são os que mais falta fazem para que ideias novas possam surgir. Uma das razões porque a reforma dos sistema tarda e porque ninguém quer mexer nas remunerações dos cargos políticos é que, se isso acontecesse, mais gente se poderia interessar e a cotação do tráfico de influências arriscava-se a descer. Seria o suicídio dos que vêem o exercício do poder apenas como um trampolim para outros vôos ou para a viabilização de outros interesses. Seria o fim dos assessores desqualificados, dos moços de recados, dos seguidistas.

PARTIDOS – Não é preciso fazer uma sondagem para perceber que os cidadãos desconfiam dos partidos, dos seus dirigentes e não se revêem no funcionamento actual do sistema político. Basta olhar para o aumento continuado da abstenção; basta ver a forma como ao longo destes trinta anos os partidos se foram enquistando; basta ver a falta de novidade ideológica e teórica que sai dos vários Congressos; basta ver como eles se foram progressivamente transformando apenas em rituais mediáticos da consagração do poder; basta ver a reduzida renovação da própria classe política. Se os partidos mantivessem laços estreitos com o pulsar dos vários grupos sociais não estariam sempre tão atrás do senso comum, seriam mais criativos. A forma de organização leninista dos partidos políticos – que a todos contaminou no leque partidário – acabou com os iconoclastas, estabeleceu a obediência cega às hierarquias, marginalizou os divergentes e aniquilou o desenvolvimento de pensamentos alternativos. Ou seja, matou a participação política, o debate, a criação teórica, o pensamento estratégico alternativo. Era bom os Congressos voltassem a servir para separar as águas, para clarificar, para romper e não para consagrar.



BACK TO BASICS – Só da discussão nasce a luz.

O MELHOR DA SEMANA – O plano de trabalho para os próximos dois anos apresentado pela UMIC.

O PIOR DA SEMANA – As informações contraditórias sobre as mudanças no IRS.

A PERGUNTA – No fim de semana, no Congresso do PSD, vai haver clarificação? Surgirá alguma novidade?

SUGESTÃO – O livro «Abrigos», de António Pinto Ribeiro, sobre a influência crescente das cidades e da sua política cultural no mundo em que vivemos.





Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:15

...

por falcao, em 07.11.04
SER DO CONTRA



BLOGS – Estas foram as primeiras eleições que viveram sob o constante foco dos blogs. Desde a angariação de fundos até à organização de voluntários para as campanhas, de tudo se passou nos blogs. Penso não ser exagero dizer que os democratas e Kerry eram maioritários na blogosfera. Mas, como se vai comprovando, os Blogs são um novo e extraordinário meio de expressão, mas são ainda um instrumento de minorias e de elites. Não se pode ver o mundo através dos seus olhos, senão começa a haver uma distorção. A multiplicação de vozes pró-Kerry na blogosfera ajudou a dar a ideia de que a opinião pública queria maioritariamente afastar Bush. Afinal não foi nada disso que se verificiou. Há coisas para aprender aqui. Continuando a ver e fazer blogs, claro.



NEGATIVO – Uma campanha eleitoral toda feita contra alguma coisa não é o suficiente para acabar com ela. A prova está aí: provavelmente o maior erro de Kerry foi ser tão obsessivamente do contra, ter dado mais realce às suas opiniões contra Bush do que em mostrar aquilo em que acreditava, em falar das suas propostas e de como as queria concretizar. Como tudo o resto, a política tem que ser feita pela positiva. Falar só pela negativa é uma perca de capacidade de comunicação e de mobilização. As eleições ganham-se a anunciar o que se quer fazer, não o que se quer desfazer.



FLOP – Michael Moore deve estar à beira de um ataque de nervos. O autor de «Fahrenheit-911» bem se esforçou por manipular a opinião pública, mas o efeito prático da forma apalhaçada com que faz uns filmes (que quer fazer passar por documentários) foi afinal bem reduzido – o objectivo confesso do filme (derrubar Bush) – não foi afinal conseguido. Quando se quer mascarar a propaganda como arte, as pessoas acabam por perceber. Pode demorar tempo, mas percebe-se.



POR CÁ – O sindroma do contra é endémico na sociedade portuguesa - e alimentou a figura do Velho do Restelo. Por cá fica sempre bem ser do contra, é sempre mais difícil ser a favor de alguma coisa. A oposição só gosta de dizer aquilo em que está contra o que o Governo faz. Os media gostam sempre de publicar temas contra o Governo e os seus membros. Na Assembleia os deputados falam mais frequentemente das coisas contra as quais entendem manifestar-se, do que daquilo de que são a favor. As opiniões do contra são melhor acolhidas que as opiniões a favor. Ser do contra é bom, ser a favor é mau.



ABSTRACÇÃO – Vamos por um instante imaginar que o Primeiro Ministro não era Pedro Santana Lopes e que o Governo tinha tomado exactamente as mesmas medidas que já tomou. Acham que se assim fosse o número de vozes contra seria maior ou menor? Exercício curioso, não é? – dá que pensar sobre os efeitos de uma coisa que varre a sociedade portuguesa: preconceito.



TABUS – Citado, com a devida vénia, do artigo de capa da edição desta semana da revista britânica «The Spectator»: « Os tabus existem não somente porque são um reflexo de coisas que a opinião geral considera serem más, mas existem também porque contribuem para dar um sentido de unidade e coerência, real ou imaginário, à sociedade. É certo que os tabus não necessitam de ser sujeitos a um mecanismo de avaliação democrática da maioria que os suporta. Geralmente basta que um número suficiente de fazedores de opinião,as grandes organisações de meios de comunicação e a classe política os definam e logo toga a gente se lhes submete.»



BACK TO BASICS – Nunca tomar os desejos por realidades.



O MELHOR DA SEMANA – A maneira como correram as eleições americanas.



O PIOR DA SEMANA – O atraso de Kerry no reconhecimento da derrota.



A PERGUNTA – Que se passará na cabeça de George Soros depois de ter investido mais de 20 milhões de dolares numa campanha anti-Bush?



SUGESTÃO – A edição norte-americana da revista «Esquire» de Novembro, o clássico «The Women We Love Issue», com Angelina Jolie na capa e, lá dentro, a lista dos melhores novos restaurantes dos Estados Unidos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:43

...

por falcao, em 05.11.04
Manual da Manipulação

(In «Independências»)



Ingredientes: uma ideia para transmitir, uma fonte minimamente credível (um assessor, um deputado, um dirigente partidário, um membro do Governo), uma boa lista telefónica.

O conceito funciona desta forma: a ideia a transmitir não deve ser uma notícia, mas deve conter a sugestão de que se está por dentro de uma coisa que poderá vir a ser notícia. A fonte escolhe o difusor da ideia, e aqui há duas opções possíveis: ou um influente semanário que nunca investigue os dados que lhe são soprados ao telefone ou à mesa do restaurante, ou então um jornal de segunda linha. No primeiro caso a «dica» poderá ser apenas uma entre muitas «inconfidências», o destaque que tiver depende da competição entre as várias pistas largadas na tarde de sexta-feira para os diligentes transmissores e analistas; no segundo caso, pode ser encarada de forma suficientemente relevante para ser paginada com destaque.

O passo seguinte é sempre o mesmo: o que interessa é conseguir publicar a primeira «dica», a partir daí o processo gira sózinho – essa «dica» vai entrar na agenda das outras redacções e a partir daí os outros media vão trabalhá-la. Isto quer dizer que vão procurar reacções – essa terrível forma de manipular a informação que se tornou uma rotina. A «dica» passa a ter estatuto de verdade incontestada e desde os seus hipotéticos apoiantes até aos seus eventuais opositores todos falam dela como se de facto consumado se tratasse. Com sorte até um «opinio-maker» escreve sobre o assunto. A isto chama-se «fazer a agenda».. Em muitos mais casos do que se imagina criam-se factos artificiais a partir de um simples rumor. Às vezes, assim, impede-se que alguma coisa aconteça. Ou faz-se acontecer o que antes era improvável.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:03


Mais sobre mim

foto do autor



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2005
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2004
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2003
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D