Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



...

por falcao, em 27.12.05
A 2:
Estou a dias de sair da Direcção de Programas da 2:. Saio com a sensação de que cumpri objectivos e consegui que o canal fosse de facto complementar e alternativo. Sensibilizaram-me muito as pavras de Emídio Rangel que hoje, na «TV Guia», considera a Dois como a melhor estação do ano. Também por isto valeu a pena.
A Dois fechou 2004 com um share de 4,4%, e tudo indica que fechará 2005 nos 5%. De facto o nosso share de audiência aumentou 13,6% do ano passado para este.
Para o ano abrem-se boas perspectivas – até porque ao que parece a 2: será o único canal hertziano com programaçãoi infantil nas manhãs dos dias úteis.
Exibimos, produzimos, assegurámos documentários sobre nomes como Agustina Bessa Luis, Luiz Pacheco, Glicínia Quartim, Paula Rego, João Vieira, Luis Serpa, João Pedro Croft, Vieira da Silva, Paula Rego, Helena Almeida, Fernanda Botelho e Júlio Pomar.
«Gosto de Ti Como És», de Sílvia Firmino, sobre a Marcha da Bica, ganhou o prémio doclisboa Tóbis, para o melhor documentário português exibido em televisão, obviamente na 2:.
Acaba aqui uma etapa, sem falsas modéstias estou satisfeito com os objectivos atingidos. E recomendo a todos que em 2006 vejam na Dois a série «Rome», co-produzida pela HBO e a BBC. a série mais nomeada para os Globos de Ouro norte-americanos de 2005 e que a 2: assegurou em exclusivo para Portugal há três meses.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:07

...

por falcao, em 25.12.05
PRENDAS DE NATAL

Com o Natal à porta, lembrei-me de escolher algumas prendas, dar-lhes destinatário e ver o que pode acontecer. Aqui vai.

Nada melhor que um clássico para uma figura como o Presidente da República, ainda por cima em fim de mandato. A mais recente edição em português de «Crime e Castigo» de Dostoievsky vem mesmo a calhar para alturas destas.

Para o Primeiro-Ministro tenho uma prendinha singela, muito afeiçoada ao choque tecnológico, que ninguém consegue perceber. Como o assunto passou depois de muitas peripécias para a sua tutela directa, e como não consigo compreender se ele próprio percebe o tal choque, seleccionei um didáctico livrinho para crianças, que me parece muito adequado ao senhor engenheiro: «Um Rapaz Invulgar, O Pequeno Einstein», de Don Brown.

Para o candidato Cavaco Silva encontrei a prenda adequada em «A República», de Platão. Cheira-me que, a ser eleito, lhe pode vir a ser bem útil, sobretudo o diálogo entre Sócrates e Glauco no início da «Alegoria da Caverna».

Para o candidato Mário Soares, em homenagem à rábula que tem desempenhado, proponho a colecção completa dos DVD’s dos Gatos Fedorentos. Nonsense com nonsense se paga. E sinceramente Soares deve ter sido o inspirador do célebre «eles falam, falam, mas não fazem nada».

Para Marques Mendes encontrei um livro que lhe pode ser muito útil, o mais recente lançamento de Marcelo Rebelo de Sousa, as «Crónicas da Revolução». Pode ser que assim Marques Mendes possa começar a ficar com uma ideia do que se tem passado no país e como se chegou aqui. Andei à procura de algum livro sobre «Como Fazer Oposição», mas depois pareceu-me que qualquer coisa feita pelo Professor Marcelo tem sempre alguma utilidade nessa matéria.

Para Marcelo Rebelo de Sousa juntei um pacotinho de bilhetes de cinema para ele poder ver dez vezes seguidas «O Fatalista», de Diderot, versão João Botelho. Assim sempre pode comparar um filme português sobre a obra do enciclopedista francês com as suas próprias crónicas e ver as semelhanças (que são maiores que as diferenças…)

Para o Ministro da Economia, Manuel de Pinho, não posso encontrar melhor sugestão do que «Portugal Genial», a compilação das crónicas de Carlos Coelho, publicadas no «Diário Económico», para ver se ele consegue ter alguma imagem positiva e construtiva sobre o país. A bem dizer, se pudesse, enviava o dito livrinho a todos os membros do Governo e a todos os líderes partidários – a ver se percebem que estão em Portugal e se vêem o que por cá existe.

Para o Ministro das Obras Públicas ofereço uma caixa gigante do sistema de montagens Meccano, para ver se ele se entretém a fazer as construções que quer sem chatear ninguém nem levar o país à desgraça. Complemento a coisa com uma construção da linha tecnológica da Lego para ver se ele se começa a adequar às modernices.

Para o Ministro das Finanças ofereço uma calculadora e um livro sobre os resultados do choque fiscal na Irlanda, assim como uma cópia do Orçamento de Estado daquele país para ele comparar as taxas dos impostos lá e cá, e confrontar resultados.

Para o Ministro da Justiça acho que a prenda mais adequada seria a sua participação num «reality-show» que o fizesse passar por todo o processo de uma acusação e de um julgamento. Nalguns casos ele não há nada como a experiência para se poder saber bem como as coisas são na realidade.

Para o Ministro da Administração Interna uma inscrição com lugar assegurado na próxima série da «Primeira Companhia». Ele é sempre bom poder sentir o que é o dia a dia do treino militar e um Ministro deve estar preparado para isso. E depois, sempre ganhava alguma notoriedade, que perdeu desde que está naquele lugar.

Para os Directores Gerais do Ministério da Cultura ofereço, a cada um, uma lupa para ver se descobrem a Ministra, ou sinais dos seus actos ou pensamentos. Ainda pensei em oferecer uma caixa com a primeira série do «CSI», mas depois pareceu-me que era capaz de fazer pensar demais.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:21

...

por falcao, em 25.12.05
A GRANDE ILUSÃO

Tornou-se lugar comum dizer que o Presidente da República não tem poderes. Um dos candidatos, Mário Soares, especializou-se em tocar nessa tecla contra um dos seus adversários, argumentando que o Presidente não governa e não pode prometer nada. Ora a questão não é bem essa: na verdade, não governando, o Presidente pode facilitar ou dificultar a governação. Mário Soares foi especialista na matéria: dissolveu uma vez o Parlamento e, depois, inventou as Presidências Abertas que foram acções de guerrilha contra o executivo na maior parte dos casos. Correram tão bem que Soares conseguiu, há dez anos, deixar Belém com o seu objectivo cumprido: colocar o PS em S. Bento. Não é coisa pouca – e o que está a fazer agora, forçando a sua candidatura sabendo que divide o PS, é a cobrança dos actos passados.
Quando se fizer o balanço do consulado Sampaio verificar-se-à como ele privilegiou determinados sectores contra outros, como não foi imparcial.
Na realidade o Presidente tem mais poder do que aquilo que se faz crer hoje em dia, mesmo que os seus poderes concretos sejam discretos. Os Presidentes têm influenciado, forçado decisões, promovido até nomeações.
Um aspecto curioso da questão é que na esmagadora maioria dos casos, nos consulados Soares e Sampaio, os Presidentes têm usado as suas prerrogativas para, sobretudo, mostrarem o que está mal e não funciona. Estão evidentemente no seu direito. Mas não deixaria de ser curioso que, para variar, pudessem também sugerir formas de progredir, apresentassem propostas para o país, trabalhassem com os Governos para melhorar o estado geral das coisas e não para o piorar. Será isto utópico?

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:21

...

por falcao, em 17.12.05
O ACIDENTAL
Queridos e queridas leitores e leitoras: tenho a honra e o prazer de anunciar que a partir desta data passei a colaborar na mais maravilhosa obra da blogosfera lusitana, O Acidental, uma criação do Paulo Pinto de Mascarenhas, que com a sua generosidade abriu as portas do seu esopaço a alguns convidados, nos quais, a partir de agora, abusivamente me incluo. Aqui, na Esquina, continuarão a ler os artigos publicados na imprensa e alguns posts mais pessoais. Mas cedo os direitos da obra bloguístuica inédita para O ACIDENTAL.Façam o favor de visitar o local.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:25

...

por falcao, em 17.12.05
SOBRE OS JORNAIS

BOAS PERGUNTAS – O editorial da edição de Novembro/Dezembro da «Columbia Journalism Review» («CJR») debruça-se sobre as razões do declínio da imprensa e deixa algumas perguntas no ar, que não resisto a citar: «Na primeira página do vosso jornal quantos títulos são novidade para o leitor? A secção de noticiário local é viva, atraente e criativa? O jornal publica opiniões fortes e controversas? Consegue contextualizar o noticiário para que o leitor vá para além do nevoeiro das aparências? É divertido? A fotografia é atraente e inesperada? O site do jornal na web é mais do que a transcrição das notícias e permite que o leitor interpele os jornalistas? Será que você quer mesmo ler um jornal como esse?».

SERVIÇO PÚBLICO – Não certamente por acaso na mesma edição da «Columbia Journalism Review» (http://www.cjr.org ) está um belo artigo sobre um jornal local norte-americano do Estado do Colorado, que conseguiu vencer a crise e está em expansão. Trata-se do «Greeley Tribune», que no último ano promoveu uma série de grandes reportagens cuja publicação se arrastou, em cada caso, por muitas edições. Reportagens longas, profundas, escritas quase como uma novela, sobre temas sociais, defendendo causas, tomando partido, revelando o que estava escondido ou esquecido. O jornal não usa a fórmula do «escândalo das estrelas, notícias curtas, agarrem os jovens» que os consultores de formatação de jornais estandardizaram e em vez disso prefere seguir os seus instintos, sublinha a «CJR». Séries sobre crianças pobres e desprotegidas, as relações com as minorias étnicas, a situação dos deficientes e uma colecção de histórias publicada ao longo de oito meses sobre o aumento do fosso entre ricos e pobres levaram a que o jornal seja este ano a publicação local com maior crescimento, segundo o U.S. Census Bureau. Na realidade o «Tribune» está a mostrar que histórias longas e profundas sobre temas sociais podem fazer vender jornais, e a realidade é que ao longo dos últimos dez anos este é um dos raros jornais do Colorado cuja circulação tem sempre vindo a subir. O editor do «Tribune», Chris Cobler, escreve um blog pessoal onde relata o que se passa à sua volta e criou um painel de aconselhamento de 850 leitores. Sem arriscar não se ganha, diz ele.

PRIORIDADES – A intervenção de Belmiro de Azevedo no almoço do Clube Português de Imprensa desta semana foi exemplar, ao sublinhar que Portugal continua sem uma orientação estratégica clara e ao criticar a prioridade dada aos investimentos na OTA e no TGV. Para Belmiro mais valia pôr a funcionar e rentabilizar ao máximo o que existe, em vez de embarcar em aventuras de rentabilidade duvidosa. E deixou uma boa piada no ar, que dá que pensar: se o TGV se vai construir para satisfazer compromissos estabelecidos com Espanha, a quem interessa um acesso fácil e rápido ao mercado português, porque não se deixa serem os espanhóis a construí-lo?

DESABAFO I - Ele há coincidências terríveis: o slogan «Sempre Presente», utilizado pela candidatura de Mário Soares, já tinha sido a palavra de ordem da campanha de Fátima Felgueiras nas recentes eleições autárquicas, depois do seu apressado regresso do Brasil.

DESABAFO II - Toda a história em volta do processo da Casa Pia é escandalosa e vergonhosa demais. Pelo andar da carruagem os miúdos que foram abusados vão ser os únicos a serem apontados a dedo na praça pública.

OUVIR – A banda sonora do elogiado e aclamado filme de Ang Lee, «Brokeback Mountain», a história do amor proibido entre dois cowboys ao longo de 30 anos, é um épico de «country music» incontornável. Esta banda sonora, em cuja concepção o próprio Ang Lee participou, foi dirigida por Gustavo Santaolalla e tem participações inéditas de nomes como Steve Earle, Willie Nelson, Emmylou Harris, Rufus Wainwright, Teddy Thompson, Jackie Green e Linda Ronstadt. Primam o botão repeat e fiquem a ouvir o disco horas a fio. CD Verve, distribuído por Universal Music.

Back To Basics –«Perdoem sempre aos vossos inimigos, nada os irrita tanto», Óscar Wilde.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:22

...

por falcao, em 17.12.05
SONDADOR PROPAGANDISTA
Qualquer jornalista que trabalhe na área da política nacional sabe quem é o porta-voz de uma empresa de sondagens que gosta de confidenciar os pré resultados dos seus trabalhos de campo quer a líderes partidários, quer a directores de campanhas, quer aos próprios jornalistas.
Acresce que nestas questões devia - como em tudo na política - existir um primado de ética: quem é parte interessada não devia ser responsável de sondagens. Para chamar as coisas pelo nome, nunca se sabe se Rui Oliveira e Costa fala como dirigente partdário ou «talking head» de uma empresa de sondagens. Nunca me esquecerei que esse senhor foi quem, há uns anos atrás, era eu editor de política nacional de uma agência de notícias, me ameaçou de represálias por não publicar um comunicado, sem interesse noticioso, de uma tendência sindical a que ele estava ligado. Para mim ficou ali definido o carácter da pessoa.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:11

...

por falcao, em 16.12.05
A POLÍTICA À SOARES
O candidato Soares critica aqueles que criticam os políticos. É fácil perceber porquê: ele foi um dos fundadores desta forma de fazer política, foi ele quem formatou os políticos que andam por aí.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:12

...

por falcao, em 16.12.05
VIGILÂNCIA!
Pelos vistou houve lucidez na votação camarária sobre o bacoco projecto de um filme sobre o fado feito por Carlos Saura, uma obra de encomenda propagandística que iria tornar a CML em mais um produtor de cinema à custa de dinheiros públicos.
A mesma reunião aprovou a compra de uns duvidosos arquivos de gravações de fado nas mãos de um negociante inglês que fez fortuna a editar discos de blues e de world music, sem pagar nada aos artistas já que as gravações tinham caído em domínio público. O negócio tem contornos estranhos por isso nunca é demais apontar a dedo a situação e exigir total transparência.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:34

...

por falcao, em 09.12.05
O NELSON
Fracisco Louçã ganhou destacado o prémio DEMAGOGIA 2005 quando evocou o jovem Nelson, de 9 anos, no debate com Cavaco Silva na TVI. Grandioso, Populismo do melhor. E de esquerda, para não sermos sectários.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:21

...

por falcao, em 07.12.05
UM FADO ESPANHOL?

Não tenho nada, mas mesmo nada, contra a intensificação das relações com Espanha e até acho que todos teríamos a ganhar se elas fossem alargadas. Mas entendo que esse alargamento, desejável, deve ser alicerçado na defesa das respectivas identidades culturais e não num pot-pourri ibérico. Em Espanha, aliás, cada uma das regiões soube bem impôr a savaguarda das suas culturas. O caminho para uma união livre passa por estabelecer princípios claros.

Vem isto a propósito de o novo vereador da Cultura de Lisboa ter feito uma inesperada apologia de um velho projecto de encomendar ao realizador espanhol Carlos Saura um filme sobre o Fado. A história é antiga: Carlos do Carmo teria ficado seduzido pela forma como Saura conseguiu filmar o flamenco e achou, enquanto membro da Comissão para a classificação do fado Como Património Artístico da Humanidade, que devia ser ele a fazer o filme promocional da candidatura. Eu sempre achei que isto era uma daquelas ideias pacóvias, falsamente cosmopolitas, e que falhava no básico: Saura filmou bem o flamenco porque o sente; pela mesmíssima razão devia procurar-se um realizador português que sentisse o Fado – sem ser nostálgico, capaz de uma visão universal, capaz de dar alma ao filme. As escolhas possíveis são muitas e tenho na cabeça meia dúzia de nomes que garantidamente fariam muito bom serviço. O facto de a Câmara Municipal de Lisboa se propôr ser co-produtora de um filme (na realidade pouco mais que um curto documentário...) sobre o fado, realizado por Carlos Saura não augura nada de bom. E é um insulto aos realizadores portugueses.

Na mesma entrevista onde se revela apologista de Saura, o mesmo vereador diz muito contente que vai comprar a célebre colecção de discos de fado de um editor britânico especialista em fazer edições de registos que já caíram em domínio público, o senhor Bruce Bastin. Estive ligado em tempos a este processo e fiquei com três certezas: a colecção não é nem de perto tão boa como os seus vendedores apregoam; o preço que pediam era exageradíssimo e fora dos valores do mercado internacional para estas operações (o que se está a comprar é apenas um suporte físico, parte dele degradado, e todo ele arcaico e analógico que nada garante não esteja já duplicado digitalmente algures); e existiam contornos estranhos no negócio, que levavam a que o dinheiro dos contribuintes eventualmente usado na compra do espólio viesse a servir para financiar actividades privadas, pior ainda fora do controlo de entidades oficiais. Aguardemos para ver o que acontece: se tudo é claro, transparente, e na defesa do interesse público.

Finalmente não resisto a comentar uma outra intenção da mesma entrevista, à «Actual», do Expresso. Ficámos a saber que o Vereador da Cultura, José Manuel Amaral Lopes, aposta numa rêde de salas de cinema digitais e até na produção de cinema. Estou mesmo a ver mais um saco de subsídios a nascer, mais um desbaratar improdutivo de dinheiros públicos. Não é com mais subsídios que se resolvem os problemas, é procurando novos investimentos. Se em vez destas medidas avançasse com uma Film Commission para Lisboa, à semelhança do que existe em Madrid ou Paris? Por outro lado, antes de começar a fazer coisas novas – e de prioridade duvidosa – mais valia garantir que as que existem possam funcionar: esse é o maior problema que existe na área de Cultura da autarquia lisboeta.

E agora uma coisa boa: uma grande companhia para as noites deste Dezembro é o DVD «The Ultimate Collection» da grande Billie Holiday. Nesta época em que abundam vozes delico-doces e desinteressantes no chamado soft-vocal jazz, vale a pena ir direito à origem das coisas e ouvir a grande senhora dos Blues, Billie Holiday, desaparecida há 45 anos. Estas gravações, extraídas de programas de televisão e de filmes de finais dos anos 50, incluem grandes interpretações de temas como «Saddest Tale» (no filme homónimo com Duke Ellington), «I Cover The Waterfront», «Fine And Mellow» (com Lester Young) e «My Man». O DVD inclui ainda gravações feitas para programas de rádio, assim como algumas raras entrevistas radiofónicas da grande senhora dos Blues. Um DVD Verve, distribuído pela Universal.

Back To Basics – É melhor copiar o que é bom, do que inventar mal.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:07

Pág. 1/2



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2005
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2004
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2003
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D