Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



...

por falcao, em 30.08.06
FOGOS – O Director de Informação da RTP escandalizou-se com a opinião de um jornalista, crítico e estudioso de TV, sobre a cobertura feita pelo canal do Estado aos incêndios, que acusou de ser manipulada para benefício da imagem do Governo. Ameaçou o autor das críticas de processos judiciais e garantiu ir recorrer à Entidade Reguladora, que agora pelos vistos é a depositária de queixinhas do concessionário de Serviço Público. Acho extraordinária a reacção: as pressões existem, conheço muita gente que as reconhece, conheço quem lhes resista e vejo quem lhes cede. Pensar que o Governo não interfere no Serviço Público é uma ficção perigosa, não é apenas uma ingenuidade própria de lolitas em busca da inocência perdida. A situação é antiga e está sempre presente ao longo dos anos – com o correr dos tempos foi-se refinando: hoje são sugestões transmitidas, cumplicidades sopradas, desabafos deixados cair – no sítio certo, na circunstância certa, com um objectivo preciso. Eduardo Cintra Torres, o crítico em questão, fez bem em recolher dados, mostrá-los, tornar evidente quais os serviços noticiosos que subalternizaram o noticiário relativo a incêndios; à RTP fica mal a maneira como reage, recorrendo a ameaças para justificar um alinhamento editorial mais próprio do Burkina Faso do que de Portugal.

AUDIOVISUAL – Na semana passada o Governo aprovou o Decreto-Lei que regulamenta medidas relativas ao fomento, ao desenvolvimento e à protecção das artes e actividades cinematográficas e audiovisuais. O comunicado do Conselho de Ministros sobre este assunto salienta que o objectivo do diploma é reforçar as «políticas públicas na área do cinema e do audiovisual, tanto através dos apoios ao desenvolvimento da criatividade e inovação artística no âmbito do ICAM, como através das parceiras com o sector privado e dos incentivos no âmbito do fundo de investimento agora criado, visando o desenvolvimento sustentado do tecido empresarial do sector, constituído nomeadamente por pequenas e médias empresas de produção independente». Palavras, lindas palavras. Assim que li isto perguntei logo à Associação de Produtores Independentes de Televisão (APIT) se conheciam o diploma e o que achavam. Resposta: em 3 de Novembro passado enviaram ao Secretário de Estado da Cultura a sua resposta aos projectos de diploma agora aprovados, mas nunca ninguém depois reagiu nem às sugestões, nem às críticas. Ignoravam o que ficou na versão final. Fui à procura do Diploma aprovado e não encontrei nada. Terei que esperar pela sua publicação em «Diário da República». Do documento enviado pela APIT ao Secretário de Estado destacam-se duas ideias-chave: as propostas mantinham uma situação de privilégio nos apoios ao cinema, área que nos últimos cinco anos recebeu 50 milhões de euros para apoios à produção, traduzidos em obras, na generalidade, de pouco valor criativo, artístico e muito menos económico; e o Governo não fazia um esforço sério para fomentar a consolidação do tecido industrial do audiovisual, uma coisa paradoxal num executivo que olha para plataformas digitais e para a convergência de meios como um dos caminhos do futuro. Este Governo volta pois a acarinhar o mito do artesanatozito pretensamente criativo do cinema português, uma fantasia caríssima e que, com raras excepções, não existe. Vou esperar por ler o texto final, mas o que estava nos projectos era mau, era um retrocesso, era a manutenção de um status quo que é responsável pelo nosso atraso na matéria.

VER – A edição de Setembro da revista «Wallpaper», em pleno processo de celebração dos seus dez anos de vida. A «Wallpaper» tornou-se numa das melhores revistas do final dos anos 90, partindo de um posicionamento centrado no design e na arquitectura. Nesta edição destaque precisamente para a consolidação do design no coleccionismo de arte contemporânea, e para os artigos sobre os novos trabalhos do arquitecto Jean Nouvel em Paris e Minneapolis, um museu em Aomori, no Japão e para o novo projecto de Rem Koolhas (Casa da Música, Porto), desta vez um museu em Seul, Coreia. A finalizar, já que esta semana estamos no audiovisual, uma boa lição para muitos dos que pensam cenários em Portugal, imagens das obras cenográficas para televisão da francesa Marina Gadonneix.

OUVIR – Jazz na Europa FM, 90.4 Lisboa.

CURIOSIDADE – O Café Império, renovado, que abre hoje em Lisboa.

BACK TO BASICS – Negar a evidência dá sempre mau resultado.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:15

...

por falcao, em 30.08.06
SÓ PODE SER ANEDOTA


Antes de mais nada deixem-me esclarecer que sou completamente a favor de um apertado controlo de uso de armas de fogo, quer por civis, quer por forças policiais. Manifesta e factualmente Portugal é neste domínio um país descontrolado – em parte por causa dos caçadores, em parte pela forma como as forças policiais têm tradicionalmente utilizado armas de fogo, quer em serviço, quer os seus agentes enquanto civis.

Mas até dou de barato que convém regulamentar bem e limitar a utilização de armas de fogo por civis – e sempre achei que a forma como em época de caça se passeiam, exibem e utilizam armas é uma coisa absolutamente inaceitável – e que objectivamente cria a existência de um número elevado de espingardas, algumas das quais são depois utilizadas noutras actividades.

Regulamente-se, portanto. Mas para manter alguma seriedade na coisa, convirá que se regulamente com lógica.

A nova lei prevê, e bem, que as licenças de utilização de armas, estejam dependentes da frequência de um curso de formação técnica e cívica. Ora aqui é que começa a parte anedótica da legislação: é que a Lei prevê que estes cursos sejam ministrados pela PSP ou por entidades que ela credencie. O ponto é precisamente este: alguém em seu perfeito juízo acha que a PSP pode ser referência em formação cívica? Uma força policial que abusa da autoridade, da força, e das armas de que dispõe, que ora foge do crime organizado, ora faz uso desproporcionado da força em conflitos controlados, que referências cívicas tem? O legislador deveria reconverter-se para escritor de anedotas: acreditar que a PSP seja uma referência cívica é um erro fatal – tanto mais que o historial de uso indevido de armas de fogo pelos seus agentes, em serviço e fora dele, é manifestamente uma prova precisamente do contrário. A PSP na prática é a força que decide quem pode e não pode usar arma – é isso que está na letra da Lei e isso é uma garantia de insegurança certa, uma porta aberta para o arbítrio, e tendo em conta casos recentes, mais uma possibilidade de corruptelas variadas.

Outro ponto que esta Lei mantém, inexplicavelmente, é a concessão automática de licenças de uso e porte de arma a deputados e governantes – deve ser alguma herança do jacobinismo do início da República, mas nos dias de hoje é inexplicável.

De boas intenções está o inferno cheio – e esta Lei parece ser apenas um somatório de boas intenções para tranquilizar os simples de espírito

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:13

...

por falcao, em 24.08.06
O MISTÉRIO


O Ministro António Costa teve a coragem de tocar no ponto crucial da questão dos incêndios: a prevenção não funcionou. Para isto ter chegado a este ponto há um conjunto de razões e essas é que todos gostávamos de ver resolvidas.

Em primeiro lugar há incêndios porque eles servem aos interesses económicos de muita gente. O terreno dos interesses é vasto, suspeita-se que acidentado, e embora isto possa parecer uma heresia, provavelmente junta quem lucra com a madeira ardida e quem lucra com o combate aos incêndios. Os incêndios, em si, a triste verdade é esta, transformaram-se numa indústria macabra. É o mistério mais mal escondido de Portugal.

Mas António Costa tocou noutro ponto: o dos fundamentalismos ambientais. Provavelmente sabe do que fala e tem carradas de razão. Portugal anda desde há uns anos a ser governado por um lobby que faz do ambiente uma bandeira para facturar – o Primeiro Ministro deve saber bem disso, de quando ocupou a pasta do ambiente. Alguns ambientalistas estão ao nível dos piores patos bravos, apenas que em sentido contrário. Têm escritório montado, operação de realções públicas em funcionamento e fazem lucrativas consultorias ao Estado. António Costa teve coragem em os denunciar, esperamos que tenha força para resolver o problema. Os ambientalistas bloqueiam os interesses públicos e raramente o fazem nos interesses privados, já repararam?

E em terceiro lugar há o eterno e omnipresente Ministério das Finanças. Está dito e redito que uma parte imensa da floresta portuguesa é um imbróglio jurídico de heranças mal resolvidas – mas é também um caso social grave. Muita gente que herdou pequenas parcelas não tem dinheiro para as manter e limpar. Um Mistério das Finanças que fosse próximo dos cidadãos e do país (e não dos diktat de Bruxelas) podia pensar em fazer deduções à colecta dos gastos incorridos na limpeza de matas, na base de um custo determinado por área definida – ou temos ilusões de que no interior das zonas florestais não se conhece o que são facturas nem IVA, por mais que Bruxelas urre e espernei?. Será que ninguém pode explicar aos burocratas que melhor é deduzir x por metro quadrado limpo que deixar arder hectares por falta de factura legalmente aceitável?

O país profundo vive longe da Europa, de Bruxelas e mesmo do simplex. Experimentem estar numa aldeia do interior e pedir a um trabalhador rural para passar um recibo verde respeitante à limpeza de uma mata. Alguém acredita na seriedade de um Estado que não reconhece a realidade do que administra?

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:52

...

por falcao, em 24.08.06
GALOPANTE - O montante total de «product placement» pago em programas de televisão, filmes e outros media vai aumentar 38,8% para 3,07 mil milhões de dólares em 2006, revela um estudo desenvolvido pela empresa norte-americana PQ. Segundo o mesmo estudo já em 2005 se tinha verificado um aumento de 42,2%, para um valor total de 2,21 mil milhões de dólares. « O Product Placement evoluiu de ser apenas uma nova táctica de marketing para se tornar numa peça fundamental das estratégias de marketing a nível global e isso tem a ver com a procura de formas de estabelecer ligações emocionais fortes com os consumidores», sublinhou o presidente da empresa. Segundo o mesmo estudo o país onde existem maiores investimentos em product placement é os Estados Unidos, seguidos pelo Brasil, Austrália, França e Japão. Segundo a PQ Media em 2010 o mercado global de Product Placement deve atingir os 7,55 mil milhões de dólares com um ritmo de crescimento médio anual de 27,9%.

IRRA - Um novo media está a nascer nos Estados Unidos, dirigido aos jogadores de golfe. A ideia é aproveitar os ecrãs dos sistemas de GPS que já existem nos buggys de alguns clubes de golfe (no Algarve já existem vários assim equipados). Para além da localização da bola, distância ao buraco e conselhos para o shot a efectuar, os ecrãs veiculariam mensagens publicitárias seleccionadas dirigidas a clientes com elevado poder de compra. O sistema está a ser desenvolvido nos Estados Unidos pela ProLink Solutions. Já nem no golfe se poderá estar descansado?

FOFOCA - Um site norte-americano dedicado a jornalistas, que funciona como bolsa de emprego, mas também como fonte de notícias sobre media, fofoca de redacções e seus profissionais, está a tornar-se num êxito de tal maneira grande que já surgiram diversos interessados na sua aquisição, desde companhias de media até empresas de colocação e emprego. Vale a pena visitar www.mediabistro.com para ver como ele é de facto muito bem conseguido.

LER – O mais recente livro de Vasco Pulido Valente lê-se de um fôlego e é arrebatador como um bom thriller. Não se trata de um romance, mas sim da biografia de Henrique Paiva Couceiro, titulada «Um Heróis Português». Paiva Couceiro viveu entre 1861 e 1944 e nesta obra, a pretexto da vida do militar, aventureiro, político, percorre-se também a História de Portugal desse período. Vasco Pulido Valente diz que Paiva Couceiro viveu a vida de um D.Quixote, e é a sensação de aventura que percorre todo o livro. Vasco Pulido Valente é provavelmente quem melhor escreve sobre a História recente de Portugal e uma das cabeças que melhor e mais lucidamente reflecte sobre o país. Este livro reafirma isso exactamente.

OUVIR – Gosto de comprar compilações – gosto de as ouvir, de sentir a conjugação de estilos, o encadeamento de sons. A Deutsche Grammophon tem uma série de compilações a que chamou «Weekend Classics». Antes de vir de férias comprei na FNAC o «Baroque Guitar Weekend» e a verdade é que tem funcionado como banda sonora de grande parte do meu verão – a guitarra transmite-me uma sensação que supera as ausências, que evoca os bons momentos e que me ajuda a ler. Na compilação estão peças de Vivaldi, Bach, Weiss, Handel e as inevitáveis «Suite Española» de Gaspar Sanz e o clássico «Greensleeves», um tradicional do século XVI. Instrumento importante da música barroca, mas muito desprezado depois e apenas retomado pelas músicas populares do século XX, a guitarra tem em si uma particularidade que não pára de seduzir – pode estar sozinha que a riqueza do seu som é sempre surpreendente.

PETISCO – Numa destas tardes, mão amiga fez-me provar uma das delícias da gastronomia portuguesa: a utilização de molho vilão como base para acolher carne de caça desfiada, uma ideia ribatejana. No caso foi uma perdiz, simplesmente cozida e depois desossada e desfiada em bocados pequenos. O molho vilão tem uma receita simples: duas partes de bom azeite para um pouco menos que uma parte de bom vinagre de vinho, sal, pimenta, tudo bem mexido. A esta vinagreta junta-se uma cebola picadinha muito fina, salsa picada e um ou dois dentes de alho também picados. Há quem lhe junte colorau. O molho assim preparado aparece um pouco por toda a parte, desde Trás-os montes (com coelho), aos Açores para realçar chicharros ou à Madeira, para dar mais vida às cavalas. Assim, com a perdiz desfiada bem misturada e ensopada no molho, faz uma pasta que fica uma delícia a barrar fatias de bom pão cortado fininho. Dizem que feito de véspera ainda fica melhor. Preparado por quem sabe e na boa companhia isto é mesmo um petisco.

BACK TO BASICS – Parte do segredo de uma vida de sucesso é comer aquilo de que se gosta e deixar que os alimentos se degladiem depois dentro do nosso corpo (Mark Twain).

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:51

...

por falcao, em 13.08.06
PREVER – Um recente estudo da McKinsey prevê que a televisão, enquanto veículo catalisador de vendas através da publicidade, continuará a perder relevância de forma ainda mais acelerada nos próximos anos. O estudo, divulgado esta semana nos Estados Unidos, prevê que em 2010 a televisão terá um terço da eficácia que tinha em 1990. O estudo aponta para uma quebra de 23% na audiência dos blocos publicitários devida a mudança de canal, uma quebra de 9% proveniente do aumento de utilização simultânea de vários media e uma quebra de eficácia de 37% das mensagens publicitárias devido a saturação. Na última década, nos Estados Unidos, o investimento publicitário em prime time aumentou 40%, apesar de as respectivas audiências terem caído 50% - o que efectivamente quer dizer que os anunciantes têm vindo a pagar mais, aumentando bastante o custo por contacto – aliás o mesmo se tem vindo a passar na rádio e na imprensa.. Nos Estados Unidos os teenagers passam frente à TV menos de metade do tempo gasto por um adulto. Entre os 18 e os 26 anos o tempo dedicado a utilizações online já supera o consagrado à televisão. O resultado é evidente – no ano passado os investimentos publicitários na net atingiram 12,5 mil milhões de dólares, no final de 2007 devem atingir entre 18 a 25 mil milhões nos Estados Unidos, enquanto o mercado da televisão vale actualmente 68 mil milhões. O estudo sugere que seja desenvolvida um novo critério de análise, que não se basei exclusivamente no número de espectadores, mas que tenha em conta aspectos qualitativos, como a atenção prestada e a capacidade de retenção das mensagens.

INOVAR – Um estudo de mercado recente efectuado nos Estados Unidos mostrou que cerca de 30% das pessoas não tomam nada para aliviar as dores de cabeça, única e exclusivamente porque não dá jeito ir à procura de um copo de água para tomar o comprimido. Qual a solução para isto, interrogou-se o laboratório McNeil, responsável pelo Tylenol, um dos anlgésicos mais vendidos? Pois então o melhor será prescindir da água e introduzir no mercado um Tylenol pastilha elástica, que possa ser chupado e mastigado, em vez de ingerido com o auxílio de líquidos. O novo produto c hama-se Tylenol Go, terá o apoio de uma campanha de publicidade de 30 milhões de dólares no seu lançamento.

OUVIR – O ritmo é envolvente, a voz é arrebatadora, o ambiente criado é sedutor. No conjunto trata-se de uma das melhores surpresas musicais saídas de França nos últimos tempos. Dajla é filha de mãe francesa e de pai tunisino. O disco decorre entre os universos da spoken word, o jazz e os blues, com uma produção e execução a cargo de um hip-hopper, Benjamim Bouton , um multi-instrumentista talentoso que baseia boa parte dos arranjos na sonoridade inconfundível de um órgão Hammond. Dajla começou por tocar piano, andou a tocar baixo nalgumas bandas e terminou a explorar as enormes potencialidades da sua voz, que ora é tímida, ora se revela exuberante e sensual. Mão amiga deu-mo a ouvir, nada melhor para acompanhar uma noite de verão que há-de ficar gravada na memória… Dajla, «Soul Poetry», CD Undercover, disponível na FNAC.

VER – Eu sei que é um bocadinho longe, mas vale a pena pelo menos explorar a informação que está na NET. Trata-se de uma iniciativa única, que decorre em San José, Califórnia, no coração de Silicon Valley, «AboutZeroOne, Global Festival of Art on the Edge». 200 artistas de todo o mundo concentram-se ali durante sete dias neste verão, entre 7 e 13 de Agosto. A ideia é explorar a crescente interacção entre a arte e a cultura digital. Do programa constam exposições, filmes, performances, workshops , concertos e outras actividades. A iniciativa é apoiada em parte pela cidade de San José, mas maioritariamente pela iniciativa privada – e é fascinante ver a forma como tudo está planeado e organizado – na net, pelo menos. Uma das participantes, que descobri por acaso, é uma artista de origem portuguiesa, Beatriz da Costa, que se dedica a trabalhar formas de intervenção artística no cruzamento com a defesa do meio ambiente

COMER – Passar o mês de Agosto em Lisboa tem as suas vantagens - a cidade fica mais fácil. O ideal é encontrar um restaurante simpático, com bom ar condicionado, que tenha na ementa pratos frescos, bons para a época. Uma casa que se enquadra que nem uma luva nesta descrição é o Latino, nas Avenidas Novas. Sala espaçosa, bom serviço, muito boa cozinha – sem imaginações delirantes mas cuidada e baseada em boa matéria prima. Nesta altura do ano tem uns jaquinzinhos deliciosos, muito bem fritos, acompanhados de salada; se não gostar da ideia, deixe-se tentar por uns filetes de linguado acompanhados de salada russa; quer os filetes quer a salada estavam do melhor. A imperial é honesta, a carta de vinhos é boa, o preço é comedido. Latino, RuaLatino Coelho 18, Tel.213 141 897.

BACK TO BASICS – A melhor forma de prever o futuro, é inventá-lo (Alan Kay).

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:24

...

por falcao, em 13.08.06
ISTO ESTÁ A FICAR CHATO…


Uma das coisas mais desagradáveis do clima político que se anda a viver é o sentimento da imposição de medidas muito politicamente correctas – todas elas traduzidas num reforço da interferência do Estado na vida dos cidadãos. Na verdade, isto não é uma novidade – quer dizer, não é bem uma surpresa vinda de José Sócrates.

Há uns anos atrás, quando era responsável no Governo Guterres pela pasta do Ambiente, José Sócrates fez um programa baseado num manual do que era politicamente correcto em matéria ambiental, impondo o que quis, baseado exclusivamente na autoridade que lhe vinha do cargo que exercia.

Desde essa altura que reparo que José Sócrates tem uma característica muito peculiar: gosta de ter poder, de o exercer, e o mais das vezes exerce-o impondo medidas em nome do Estado e invocando sempre o bem colectivo. Intrinsecamente – até eventualmente pelas melhores razões – ele está convencido das suas opções, acha que tem razão numa série de coisas que quer fazer, e não quer perder tempo. José Sócrates gosta demais da autoridade quando ela está nas suas mãos e não sei se isso é uma boa característica para um Primeiro-Ministro – este apego ao Poder e à autoridade é sempre o justificativo para interferir nas liberdades individuais, para condicionar a vida dos cidadãos. O bem colectivo é sempre o pretexto invocado pelos apóstolos do politicamente correcto e do peso do Estado, mas quando a definição do bem colectivo está nas mãos de uma pessoa, a coisa tem tendência a complicar-se

Confesso que não gosto do Estado, muito menos de um Estado quem está cada vez mais autoritário, cada vez mais regulamentador. Inevitavelmente este Estado cobra cada vez mais e retribui cada vez menos – começa a caminhar para viver para si próprio.

A concentração de poderes, a concentração das fontes de informação sensíveis (polícias, secretas, fiscais, judiciais) está cada vez mais num círculo muito apertado do poder político, fisicamente próximo do Primeiro Ministro. Esta concentração de poder e as informações recolhidas são demasiado pouco controladas pelos cidadãos. A realidade é esta: o controlo que o Estado quer exercer sobre todos os aspectos da vida dos cidadãos é o mesmo que o Estado não aceita na verificação das informações que recolhe. Num cenário de concentração de poder num círculo estreito – como hoje acontece – estes factos são muito preocupantes tanto mais que existe sempre a possibilidade de alguém aproveitar informações do Estado para a luta política. É uma tentação - e não sei bem se aqueles que amam demasiado o poder e a autoridade lhe saberão resistir.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:23

...

por falcao, em 06.08.06
AS LISTAS


Nunca gostei muito da ideia de fazer listas com nomes de pessoas. Alguns maus momentos da História da Humanidade estão associados à mania de listar pessoas. A nossa própria História de Portugal tem a sua boa parte de maus momentos nesta matéria.

Afixar publicamente listas de pessoas, englobando-as dentro de determinado grupo ou categoria, ou sob determinada acusação, sem possibilidade de defesa, sem qualquer espécie de julgamento, parece-me o mais perigoso de todos os procedimentos, o mais totalitário e anti-democrático sinal do autoritarismo do Estado e da imposição do seu poder.

Pretende-se com a afixação de listas evidenciar transparência, sugerir vigilância – mas o efeito prático é sobretudo o de procurar descriminar, apontar e humilhar publicamente pretensos faltosos ou incupridores.

Uma das piores coisas desta afixação de listas reside no facto de o Estado se assumir como o vigilante todo poderoso, omnipresente, que não tem dúvidas nem se engana, e que expõe os seus súbditos como bem entende. O Estado é dono de tudo e dono de todos e faz o que quiser, como quiser, a quem quiser – é nisto que esta prática se baseia.

Não é certamente por acaso que esta medida é tomada pelo Ministério das Finanças, que neste Governo tem sido o mais acabado exemplo de perseguição e punição dos cidadãos. Incapaz de fazer uma política fiscal mais justa, que conceda vantagens a quem as merece, que seja dinâmico a criar mecanismos de estímulo de poupança e captação de investimento, incapaz de fazer pagar quem pode e deve, o Ministro Teixeira dos Santos ficará na memória por ser o obreiro dos mais brutais impostos directos e indirectos que atingem em primeiro lugar os trabalhadores por conta de outrem, por reduzir a esperança de poupança das famílias, por penalizar a simples existência de uma pessoa neste país. Com Teixeira dos Santos cada cidadão paga mais ao Estado e o Estado garante-lhe menos. A verdade é esta e não há volta a dar-lhe. Ele é o bastião ideológico do socialismo absolutista e despesista, o arauto da perseguição ao trabalho, o carrasco da punição do justo rendimento.

É muito mau sinal quando um Primeiro Ministro permite – e se calhar até estimula – que o Estado se arme em justiceiro à margem dos tribunais e aponte a dedo na praça pública quem os serviços bem entendem. Abrem-se com esta medida precedentes gravíssimos, cria-se uma brecha nos Direitos individuais. Esta é uma daquelas medidas que não honra quem a tomou, que mancha quem a permitiu.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:09

...

por falcao, em 06.08.06
TRAPALHADAS – Hoje proponho um exercício de imaginação: ora agora
pensem lá que estavam há dois anos atrás e que sucediam, em poucas
semanas, estes casos: um Ministro faz publicar listas culpabilizando
cidadãos não julgados; outro é repreendido na praça pública pelo
Provedor de Justiça; um terceiro, ao sair do Governo, publica um
louvor ao motorista do Estado que acompanhava os seus familiares. Há
dois anos chamava-se a isto, em muitos media, uma sucessão de grandes trapalhadas. Agora não se diz nada: esta diferença mostra a forma como muitos jornalistas ainda se comportam, deixando as suas preferências ideológicas influenciar o seu trabalho. Chama-se a isto informação tendenciosa.

JORNAIS – Os grandes jornais do mundo fazem-se à volta das Cidades
onde existem e das histórias das suas pessoas. Procuram uma ligação
humana, procuram satisfazer a curiosidade e não cumprir vontades ou
sugestões. Os grandes jornais falam do Mundo, mas vivem a vida das cidades onde são feitos, e essa vida é o seu principal alimento noticioso. Por isso alguns jornais conseguem reinventar-se e outros caminham para o abismo. A mim, que nasci profissionalmente nos
jornais, custa-me muito assistir a este autismo descontrolado que hoje
existe, a este afastamento dos públicos, das histórias, dos
sentimentos – sem ser de uma forma barata e mesquinha. O jornalismo é
feito de histórias e de casos humanos. Quando isto fica para trás,
tudo desaparece. Olho à minha volta e vejo que não existe nenhum jornal de Lisboa, desta metrópole onde coexistem portugueses de todas as paragens,
brasileiros, emigrantes do Leste, de África e da Ásia.


LER – O romance policial é um dos meus géneros preferidos. Cresci a ler a
colecção «Vampiro», fui descobrindo novos autores ao longo dos anos.
Faz falta hoje uma boa colecção de policiais contemporâneos, de saída
regular como a «Vampiro» era. Na sua falta temos de ir descobrindo
autores, sobretudo numa das boas séries do mercado, «O Fio da
Navalha», da Editorial Presença. Por pura sorte, em vésperas de ir de
férias, aterrei em «Apenas Um Olhar», de Harlan Coben. Andava à
procura de uma boa história e este é um policial
rebuscado, cativante, daqueles que não nos deixa dormir, tal é a
vontade de chegar ao fim. Na narrativa cruzam-se personagens,
disfarces, tempos e razões. Em cada capítulo surgem surpresas e
novidades, em cada página há um estímulo para continuar a ler. Não é por acaso que Coben é um dos grandes autores contemporâneos, elogiado, premiado e aclamado.

OUVIR – Daniel Johnston é um autor maldito, um músico encantado que
vive num universo muito peculiar, estranho, recatado. Há pouco tempo
passou em Lisboa um documentário sobre a sua vida e obra intitulado
«The Devil And Daniel Johnston», premiado no Festival de Sundance, uma
mostra da cinematografia independente que se faz nos Estados Unidos e
que tem sido o palco de algumas das grandes surpresas que depois
viraram «mainstream». Johnston dificilmente virará maistream algum
dia, no seu mundo tão peculiar. Mas as palavras que canta – e a forma
como as diz – perturbam e enternecem em simultâneo. « Welcome To My
World- The Music Of Daniel Johnston» é uma boa introdução ao mundo de
um artista que foi diagnosticado como sendo maníaco-depressivo desde a
adolescência até aos seus actuais 45 anos. Além de músico, Daniel
desenha e pinta e foi uma T-Shirt pintada por ele e usada por Kurt
Cobain, dos Nirvana, num vídeo da MTV em 1992, que acabou com a
conspiração de silêncio à sua volta. Hoje reconhecem-se as suas marcas
nos Sonic Youth, David Bowie cita-o e Beck, os grandes e únicos Eels,
Flaming Lips ou Tom Waits reconhecem a sua influência. O disco não é
fácil mas é elucidativo de uma forma de fazer canções, do desenrolar
de um processo criativo que não tem muitos paralelos na música popular
contemporânea. Importação via Amazon, que é o que nos resta para estas músicas.


ESPREITAR – Se fôr a Coimbra passe pelo Pavilhão Centro de Portugal onde poderá ver trabalhos de Leonor Antunes e de Didier Fiúza Faustino, um luso descendente que estudou, vive e trabalha em Paris e cujo trabalho cruza diversas áreas experimentais entre arquitectura, artes visuais, publicações e exposições. É uma boa oportunidade para avaliar novos caminhos da criatividade. O Pavilhão fica no Parque Verde e a exposição está até Outubro. Bem mais activo do que o homólogo lisboeta, este Pavilhão de Portugal em Coimbra…

BACK TO BASICS – Contigo, uma noite de Verão é como um pensamento perfeito - Wallace Stevens.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:09


Mais sobre mim

foto do autor



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2005
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2004
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2003
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D