Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



...

por falcao, em 24.12.06
PRENDA - Se eu desse prendas de Natal oferecia à Ministra da Cultura um bilhete para a Tasmânia, só ida, sem volta – palpita-me que lá ela pode encontrar com alguma facilidade uma alma gémea.

COMUNICAÇÃO - As agências de comunicação são instrumentos necessários na sociedade contemporânea. Num tempo em que a informação necessita cada vez mais de ser intermediada, as agências são o motor dessa intermediação e contribuem para a transparência dos processos. Esta semana fiquei muito contente porque, no meio de uma bem calendarizada operação de intrigalhada que o pretendia atingir, Luis Paixão Martins conquistou por mérito próprio uma das mais cobiçadas contas do mercado, a do BES. As agências de comunicação são supostas desenhar estratégias e não explorar favores ou alavancar pressões. Imagino que terá sido isso a pesar a favor da LPM na decisão que o BES tomou.

VER - Hoje, dia 22, 23, 28, 29 e 30, sempre pelas 21h00, podem ir ao Teatro Camões, na Expo, assistir à nova produção do «Lago dos Cisnes», com uma curiosa coreografia de Mehmet Balkan e fantásticos cenários e guarda-roupa de António Lagarto - esta dupla funciona bem. Nestes dias a Orquestra Filarmónica das Beiras interpreta o bailado de Tchaikovsky ao vivo e nos dias 4, 5 e 6 de Jasneiro a Companhia Nacional de Bailado dançará com música gravada. Destaque para o trabalho de Carlos Acosta, Barbora Hruskova, Roman Vassiliev e Filipa de Castro. Teatro Camões 21 892 34 77.

OUVIR - Quase todos os discos transportam, passado algum tempo, impressões subliminares – desde a estação do ano até alguém em quem a música nos fez pensar. Há uns anos que não tinha tão forte impressão como com esta colectânea de áreas de intérpretes russos, cantadas pela soprano Anne Netrebko, de São Petesburgo. A voz, a interpretação e a técnica de Netrebko são já dado conhecido, mas a afectividade que coloca a cantar esta música composta por compatriotas seus é verdadeiramente impressionante. Aqui estão árias de Tchaikovsky, Rachmaninov, Rimsy-Korsakov, Glinka e Prokofiev. Só as grandes paixões proporcionam momentos assim. «The Russian Álbum», Anne Netrebko, CD Deustche Grammophon, distribuído por Universal Music.

LER – A «Egoísta» é a revista português mais premiada internacionalmente. Não é demais elogiar o investimento continuado da Sociedade Estoril Sol neste projecto, o envolvimento de Mário Assis Ferreira e o trabalho da equipa coordenada por Patrícia Reis. Fazem falta revistas assim – a «Egoísta» é um oásis no panorama da imprensa portuguesa, cada vez mais cinzenta e sem rasgo. Vem tudo isto a propósito da edição especial deste Dezembro, na verdade uma especialíssima edição de capa dura, com 330 páginas, dedicada à Paz. Dedicações à parte, a revista oferece excelentes textos (destaco os de Luísa Costa Gomes, Hélia Correia e de Richard Zimler), excelentes portfolios de fotografia (destaco sobretudo os de Pedro Cláudio e de Rachel Papo), e reproduções de desenhos, quadros e ilustrações (e aqui destaco as de Hugo Neves). Se anda à procura de uma prenda de Natal inesperada esta edição especial da «Egoísta» pode bem ser o que precisa.

COMER - O velho espírito do restaurante «São Jerónimo» está de volta no renovado «Número Um». A ementa é muito semelhante à que se praticava em Belém, muitos dos móveis são os mesmos – peças Philippe Stark, e sobretudo a direcção é de João Bordalo, que continua a saber mostrar como se recebe num restaurante e como se confecciona boa e honesta comida a preços razoáveis. Experimente passar por lá num destes dias. Ementas diferentes ao almoço e ao jantar. O «Número Um» fica por trás da Marquês da Fronteira, na Rua D. Francisco Manuel de Mello 44ª, telef. 21 383 14 71.

BACK TO BASICS – Pensem como os sábios, mas comuniquem como os mais simples , William Butler Yeats

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:08

...

por falcao, em 17.12.06
A 2: - Saí por vontade própria da Direcção de Programas da 2: há um ano e tinha para mim que seria esse o período em que guardaria silêncio sobre a evolução do canal. Num primeiro balanço saliento que diminuíu o espaço de antena feito com os parceiros do canal, que a informação continua a ser insatisfatória, que diminuíu a produção nacional (geral e a de matriz documental) feita por produtores independentes e, finalmente, que diminuíu a informação disponível em antena sobre um leque alargado de áreas criativas, de entretenimento e de cultura.

INFORMAÇÃO – Desde o início do projecto da 2: a Direcção de Informação da RTP sempre foi hostil ao modelo que se propunha – um telejornal curto, de síntese, com atenção ao noticiário internacional, com maior atenção a áreas como a esfera das políticas sociais, da ciência, da educação e da cultura que são muito subalternizadas nos outros telejornais. Anteriormente existia um modelo de telejornal de cerca de uma hora, metade do qual era preenchido basicamente com entrevistas aos suspeitos do costume da política portuguesa. Para a 2: as várias Direcções de Informação sempre optaram por fazer um compacto do Telejornal da RTP , em vez de desenvolver um produto autónomo, que era o objectivo inicial.

PROPOSTA - Vou aqui contar publicamente uma sugestão que fiz nas reuniões preparatórias do projecto, em 2003: face à irredutibilidade da posição da Direcção de Informação da RTP cheguei a propor que se estudasse a contratação de um jornal de meia hora, com a formatação bem definida, à SIC Notícias. A proposta nunca foi levada a sério, mas estou absolutamente convencido de que o resultado seria melhor do que o que tem estado no ar – e ainda por cima seria um sinal de abertura evidente do projecto para fora do estrito âmbito da RTP. Para que conste a ideia não é original. A France 5, um dos canais públicos franceses, que em muitas coisas foi modelo inspirador da 2: e que tem um espírito de abertura à sociedade semelhante, subcontrata a uma estação privada o seu principal bloco de informação. Aqui, a ideia foi uma heresia. Uma das razões porque entendo que não devia ser alterado o estatuto de concessão autónoma da 2: tem a ver com o facto de a sua integração na concessão geral de serviço público provocar que o sentido de desenvolvimento passe a ser de fecho dentro da RTP, em vez de abertura ao exterior. No futuro, uma vez aprovada a nova legislação, a 2: será um misto de boa consciência do operador público e de canal de recepção de conteúdos que por diversas razões não convém passar no primeiro canal. Inevitavelmente, a prazo, perderá formatação e identidade.

ÉTICA – Um dos pontos que mais me surpreendeu foi a forma como se encerrou a experiência do «Magazine», com todos os seus defeitos e limitações, que apesar de tudo era o espaço mais aberto e plural de informação cultural de qualquer estação – cinco vezes por semana - e que na escolha dos seus entrevistados diários e sobretudo nas áreas de artes cénicas e artes plásticas tinha uma abertura, uma contemporaneidade e uma dinâmica inéditas. Até admitia que se pudesse evoluir para um formato semanal, eventualmente dois, e decorriam estudos nesse sentido. Surpreendi-me quando acabou (também me surpreendi quando acabou o «Pop Up», outra experiência criativa bem sucedida com produtores independentes que entretanto foi eliminada), mais me surpreendi quando vi que o formato semanal foi reduzido a um talk show supostamente de debate, apresentado por uma pessoa da nova Direcção do canal e que, curiosamente, o projecto era um dos mais elevados custos/hora regulares de toda a programação da 2:. A presença de responsáveis operacionais de um canal em ecrã admite-se como excepção, em momentos especiais, como formato semanal é coisa que roça, na minha opinião, a falta de ética e releva de um total provincianismo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:25

...

por falcao, em 12.12.06
FISCALIZAR O REGULADOR
Já agora talvez não fosse má ideia que os senhores deputados da Assembleia da República opinassem sobre os termos em que a Entidade Reguladora da Comunicação faz juízos de valor no meio das suas deliberações. Em comentário publicado no seu site, a Entidade opinativa tem esta pérola, a propósito de comentários do Director do «Público» sobre aquele organismo:«Pode, no entanto, o Director do jornal "Público" ficar descansado». Pois eu gostaria de saber se entre as atribuições da Entidade cabem a apologia do descanso, a recomendação da moderação no linguajar e até conselhos de comportamento: «no que lhe toca, o Conselho Regulador dá por encerrado este "diálogo", tão picaresco como pouco edificante.»
A mim quer-me parecer que a Entidade precisa de ser regulada, controlada, na minha modesta opinião até repreendida: por grossa incompetência, por subserviência política e por manifesta exorbitância de funções. Espero que os senhores deputados, se é que servem para alguma coisa, convoquem as sumidades da Entidade e lhes perguntem se são assim por feitio ou apenas por ignorância e falta de bom senso.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:02

...

por falcao, em 08.12.06
A VERGONHA
A deliberação - e a subsequente recomendação - da Entidade Reguladora da Comunicação Social sobre o caso do artigo de Eduardo Cintra Torres e sobre a posição do jornal «Público» a propòsito das acusações de ingerências governamentais nos noticiários da RTP é uma vergonha, um insulto à liberdade de expressão. Os referidos textos revelam uma mentalidade persecutória, um espírito tacanho e mesquinho, uma subserviência ao poder e ao politicamente correcto. Esses textos marcam a verdadeira natureza daquele orgão, desnecessário, arrogante, presunçoso e, acima de tudo, profundamente manipulável e obediente. Era difícil fazer pior. Os quatro conselheiros que votaram favoravelmente o texto revelaram a sua verdadeira face - e não é bonita de se ver.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:07

...

por falcao, em 08.12.06
CINEMA
Outro dia ouvi um pobre de espírito a congratular-se, em público e num debate, sobre o facto de em portugal se poderem fazer filmes que «não são já bem cinema». Pois eu acho péssimo. Da mesma maneira que acho o resultado do concurso actual do ICAM um manual da asneira, do politicamente correcto e da cobardia intelectual. Uma pouca vergonha.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:43

...

por falcao, em 08.12.06
MISTÉRIO – O novo projecto de Lei da Televisão prevê, pela primeira vez, a existência de canais regionais e locais e ninguém surge a falar do tema, que há uns anos ocupava as preocupações de muita gente. Anda tudo distraído ou é para ver se ninguém dá pelo assunto?

CURIOSO – A China é o mercado onde o investimento publicitário está a crescer mais rapidamente e em 2006, em valores absolutos, o aumento verificado no investimento publicitário no mercado chinês foi maior que o aumento verificado no mercado norte-americano.

REGISTAR – O Vereador da Cultura da Câmara Municipal de Lisboa deu uma muito umbilical uma entrevista ao site www.artecapital.net que merece ser arquivada. Explico: daqui a um ano valerá a pena ver se as poucas coisas concretas que disse no meio de um rosário de lugares comuns e promessas generalistas se concretizam ou não – até porque quando foi eleito desfiou largo rol de ideias que têm persistido em ficar guardadas dentro de si próprio. Uma nota curiosa é o facto de o Vereador sublinhar num ponto da entrevista que projectos que tenham capacidade de fazer formação de públicos implicam uma certa «regularidade e previsibilidade» e, pouco depois, admitir acabar com a Lisboa Photo, que é dos poucos projectos precisamente com essas características. Enfim, estratégias do paradoxo…

VER – Dia 9, sábado, o documentário «Bénard da Costa – O Tempo do Cinema», pelas 20h45 na 2:, com produção da Panavideo e realização de José Carlos Santos, com base num guião de Cristina L. Duarte.

OUVIR – O que é que acontece quando a música cubana e o talento de Ibrahim Ferrer e Omara Portuondo são revisitados e utilizados como ponto de partida para recriações de standards, por nomes como Coldplay, Jack Johnson, Franz Ferdinand, Radiohead, Sting ou Arctic Monkeys? Acontece uma festa, uma festa de ritmos e entusiasmos, apesar dos riscos evidentes que o projecto encerrava. «Rhythms Del Mundo», assim se chama o disco, é uma iniciativa do APE – Artists’ Project Earth, uma iniciativa que visa chamar a atenção para as mudanças climatéricas. CD distribuído por Universal Music.

PETISCO – Visitar a Deli Delux (um depósito de delícias e iguarias, com uma pequena cafetaria que fica na fiada de armazéns da Bica do Sapato, a Santa Apolónia), é uma boa maneira de acabar o dia – encontra-se sempre uma boa sugestão para fazer um jantar inesperado ou matar o desejo de uma gulodice. Ali se descobre o que é mais ou menos raro encontrar, desde massas a produtos de charcutaria, passando por doces e chás. A garrafeira é vasta, atenta, mais cara que um supermercado mas com preços dentro do aceitável para uma garrafeira especializada que tem em stock algumas boas raridades portuguesas e estrangeiras. No balcão do frio encontra-se, de há uns tempos a esta parte, uma excelente gama de massas frescas, confeccionadas em Portugal sob a marca «Pasta do Dia». Para além das propostas mais habituais, encontram-se algumas boas surpresas como sorrentinos pretos recheados de alho francês e salmão e atrevimentos como raviolis de bacalhau com broa e raviolis de farinheira. Pode descobrir tudo sobre estas massas em www.casadapasta.com . E pode saber mais sobre a Deli Delux visitando www.delidelux.pt ou indo lá todos os dias entre as 12h00 e as 22h00 (fecha à segunda, ao fim de semana abre às 10h00 e no Domingo encerra às 20h00).

PERGUNTA – Será a Ópera essencialmente feminina ? - perguntei-me depois de relatos que dão conta da predominância de mulheres nos primeiros dias do «Cosi Fan Tutte» de Mozart no S. Carlos?

BACK TO BASICS – Um homem é o que ele come, Ludwig Feuerbach.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:41

...

por falcao, em 02.12.06
ANÚNCIOS – Esta semana o Governo começou a época das reprises. Pegou nos acessos rodoviários a Lisboa e voltou a anunciar projectos que já foram anunciados vezes sem conta, prometeu concluir o que já estava prometido, divulgou investimentos que já estavam consignados e previstos, tudo com ar de novidade absoluta.

IMPRESCINDÍVEL – Enquanto não regressa aqui às páginas do «Jornal de Negócios», o convalescente «Pulo do Gato» adquiriu a forma de blog (www.pular-do-gato.blogspot.com) e Fernando Sobral volta a brindar com a sua lucidez, como neste post: «Os ministros do Governo de José Sócrates estão reféns da matemática. Numa mão têm uma tabuada, noutra um papel pardo e, na orelha um lápis mal afiado como o que se usavam nas antigas mercearias. Têm um único problema: não sabem somar, apenas aprenderam a subtrair. A sua única actividade é o corte. Porque ainda estão a ter aulas de costura.»

SEGMENTAÇÃO – A MTV vai iniciar criar uma série de cerca de 20 canais de estrutura verticalizada na net, dirigidos cada um a públicos bem específicos. Será nesses canais que vão aparecer programas retirados das grelhas abertas, como «Headbangers Ball», um programa para fãs de heavy metal. Estes canais dirigem-se a públicos que gostam de determinados tipos de música, moda e cinema ou se interessam por homosexualidade e jogos electrónicos. A maior parte destes canais estará já disponível no final do segundo semestre de 2007.

CURIOSO – Cerca de 43 por cento dos utilizadores britânicos de video na internet ou em dispositivos móveis admitem que em função dos seus novos hábitos vêem substancialmente menos tempo de televisão convencional. Três quartos dos utilizadores de televisão online e mobile sublinham que têm vindo a aumentar a sua utilização destas plataformas ao longo do último ano.

LER – Na edição de Dezembro da revista «Wired» o artigo «The Secret Life Of Lonelygirl», a história que o YouTube tornou famosa, baseada numa experiência de uma jovem actriz de 19 anos e de uma equipa de estudantes de vídeo e comunicação que criaram a primeira novela de ficção no YouTube, com episódios regulares e um fio condutor. Já não é só a televisão a mudar, é também a forma de pensar e fazer ficção.

OUVIR – A banda sonora do filme «Marie Antoinette», que a par de composições de Vivaldi ou Scarlatti, agrupa canções de Siouxsie And The Banshees, Bow Wow Wow, New Order, The Srokes e The Cure, entre outros. Para além das polémicas que o filme levantou, a banda sonora é simplesmente extraordinária. Duplo CD Verve, distribuído por Universal Music.

DESCOBRIR – Todos os sábados até 13 de Janeiro, entre as 17h00 e as 19h00, na Galeria Luís Serpa Projectos, o galerista revisita a sua colecção e propõe os seus «Cabinet d’Amateur», ou «A Arte Como Modo de Vida». Pintura, desenho, fotografia escultura e projectos futuros para serem vistoriados ao sabor de um gin tónico perfeito (base Bombay Saphire) e com música escolhida por Miguel Nava como pano de fundo. Na boa companhia, é um belo momento em qualquer destes fins de semana. (Galeria Luís Serpa Projectos, Rua Tenente Luís Cascais 1B (a São Mamede).

CURIOSO – O ambiente do bar do Hotel Ritz num dia qualquer, ao fim da tarde. Provavelmente é o local com maior concentração de personalidades influentes em Lisboa.

PERGUNTA – A chamada de Santos Silva à cúpula socialista é o prémio pela forma como está a moldar a comunicação social?

BACK TO BASICS – Um homem honesto não sente nenhum prazer quando utiliza o poder sobre os seus cidadãos, Thomas Jefferson.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:36


Mais sobre mim

foto do autor



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2005
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2004
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2003
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D