Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



...

por falcao, em 29.06.07
SOCRATE'S PORTUGAL

The portuguese Prime Minister presides over a Government which persecutes people who criticize the way the country is ruled or who make jokes about the Prime Minister himself. In the last months high ranking civil servants have been punished either because they joked about Mr. Socrates university degree (altough the alleged joke was made in a private conversation) or because they allowed public criticism over the health policy and its Minister, Mr. Correa de Campos.
In these last weeks important industrialists said that some of the sponsors of a technical report about the placement of a new international airport - which contradicts Mr. Socrates decision - wished to remain incognito because they feared retaliation from the government in contracts with their companies.
In general there are worrying signs of political harassment by over zealous officials, but until now none of the ministers or the prime minister himself have condemned what happened.
Instead, the Prime Minister decided to persecute in Court the author of a Blog that led and first hand released an investigation about the academic degree of Mr. Socrates and the way it was obtained. All the national press followed the leads in that blog, and some of the newspapers digged deeper than the blogger. It was clear there were contradictions between Mr. Socrates official CV and the University archives. Following the investigation, the private University where Mr. Socrates obtained his degree was shut down by Government decision, in the middle of an unexpected turmoil.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:28

...

por falcao, em 29.06.07
QUE FAZER COM O ARRUINADO
PAVILHÃO DOS DESPORTOS?

No meio destas eleições lisboetas há uma série de tópicos que parecem esquecidos, depois de nos últimos anos terem sido motivo de polémica. Um deles é a (boa) ideia de ter em Lisboa uma construção assinada pelo arquitecto Frank Gehry. Eu acho que as cidades vivem de emblemas, sou dos que pensam que a obra dos arquitectos contemporâneos é uma mais valia para a imagem das cidades e para a sua capacidade de atracção de visitantes.
Por isso sempre me agradou que Gehry deixasse a sua assinatura em Lisboa, de forma bem evidente, da mesma forma que nunca achei grande ideia que ele o fizesse num recanto escondido por detrás de uns prédios da Avenida da Liberdade – que é o que o Parque Mayer é de facto.
Acontece no entanto que existe um edifício, propriedade do Município, num local central, muito visível, bem servido de transportes, que está no sítio certo para fazer um desafio aos arquitectos – e talvez se pudesse renegociar com Gehry, para que nem tudo o que já lhe foi pago em estudos seja investimento perdido.
Falo do Pavilhão dos Desportos, Pavilhão Carlos Lopes, no alto do Parque Eduardo VII. Para quem não sabe, o estado da construção é mau, tem sérias limitações de utilização por razões de segurança, e hoje em dia a sala é perfeitamente desadequada para o que quer que seja – desde desporto a música. Dizem-me (e parece-me evidente) que nada daquilo tem interesse arquitectónico a preservar e, com a excepção de uns painéis de azulejos, não há muito para guardar.
Ora acontece que Lisboa tem falta de uma boa sala de música com capacidade para uns 2500 a 3000 lugares, o que viabilizaria, do ponto de vista comercial, muitos e bons concertos dos mais variados géneros. E já que Gehry tem construído alguns dos mais espantosos (e eficazes) auditórios modernos ao longo da sua carreira, porque não propor-lhe uma reconversão da sua intervenção em Lisboa e colocar, no alto daquela colina, dominando o parque Eduardo VII, uma obra que marque Lisboa de forma bem evidente?
E não venham com o deficit, esta é daquelas obras que pode ser paga com as contrapartidas do Casino de Lisboa. É só uma questão de vontade.

(publicado na edição de dia 27 de Junho do diário gratuito «Meia Hora»

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:21

...

por falcao, em 25.06.07
DESERTO – As candidaturas à Câmara de Lisboa têm desgraçadamente três pontos em comum: a completa ausência de posicionamento estratégico para a cidade; a obsessão pelo défice que cega qualquer rasgo de visão e desenvolvimento; e políticas culturais mais preocupadas em servir clientelas do que em contribuir para o desenvolvimento e reconhecimento da cidade. Cada vez mais me inclino para a abstenção nestas eleições.


OUVIR – O novo disco da norte-americana Jane Monheit vem confirmá-la como uma das grandes vocalistas de jazz da actualidade. «Surrender», o seu terceiro disco, é um exemplo de produção clássica e eficaz, com orquestrações envolventes. O disco inclui um dueto com Ivan Lins num tema do próprio cantor brasileiro, «Rio de Maio», uma bela interpretação de «Só Tinha de Ser Com Você» de Aloysio de Oliveira e Tom Carlos Jobim, e uma inesperada forma de abordar «Moon River», de Henry Mancini. «Caminhos Cruzados», outro original de Jobim, recebe uma ajuda preciosa da harmónica de Toots Thielemans e completa um leque invulgar de selecções. CD Concord, Universal Music.


LER - «Na Praia de Chesil», o novo romance do britânico Ian McEwan, é mais uma incursão num dos domínios que ele mais gosta de explorar, a dissecação das relações entre pessoas. Passado no início dos anos 60, o romance conta a história de duas personagens, da sua maneira de estar e dos seus fantasmas, a partir do relato da noite de núpcias não consumada, passada num hotel à beira mar. Essa noite muda a vida das personagens, cada uma partindo em direcções opostas daquela praia onde finalmente se descobriram. Ewan gosta de dizer que, quando escreve, gosta de pensar nas suas novelas em termos de projecto arquitectónico: tem que se entrar por um portão e aceder a um hall que seja suficientemente aliciante para o leitor querer descobrir o resto do edifício. Foi o que mais uma vez conseguiu, com êxito, neste novo romance, com edição portuguesa da Gradiva (128 páginas).


VER – Por estes dias, para a semana, de 28 a 30 de Junho, a Torre de Belém acolhe a terceira edição do Africa Festival, um dos poucos momentos em que Lisboa é uma plataforma de relacionamento cultural multi-disciplinar com o continente africano. Depois dos dias à beira Tejo, o Cinema S. Jorge acolhe de 2 a 8 de Julho uma série de iniciativas, desde apresentações de livros, a um ciclo de cinema, passando por música e dança. Permito-me destacar a 7 de Julho às 22h00 os filmes «Muxima» de Alfredo Jaar e o belíssimo «Mãe Ju» de Kiluanje Liberdade e Inês Gonçalves. Outro destaque vai para o filme «Bamako», de um realizador do Mali, que tem sido elogiado internacionalmente e que aqui surge em estreia nacional. Por uns poucos dias o Africa Festival recorda-nos do continente a que temos mais fortes ligações e mostra o que devia ser um dos eixos da política cultural da cidade e do país.


SUBLINHAR – O Biography Channel está a produzir e exibir uma série de documentários sobre figuras portuguesas, da música à moda, passando pela literatura e artes plásticas, de uma forma exemplar e que devia servir de modelo para o serviço público de televisão, que deixou de se interessar por esta área, nomeadamente na 2:, onde uma série de parcerias conseguiram em dois anos (2004 e 2005) produzir mais uma dezena de documentários, infelizmente sem seguimento desde que Santos Silva resolveu acabar com a autonomia do canal.


DESCOBRIR – O novo site de um dos melhores jornais do mundo, o britânico The Guardin (www.guardian.co.uk) , muitoi fácil de navegar, mais «limpo» e muito mais elegante que a maioria dos sites de jornais. Quem fez o absurdo novo site do «Público» bem podia vir aqui aprender como se pode fazer um trabalho asseado. E vale a pena assinar a newsletter diária «Guardian Unlimited Today», uma forma inteligente de acompanhar o que se passa no mundo.


PROVAR – Nadas melhor que uma Água das Pedras – passe a publicidade. Numa edição recente da revista «Time», a marca portuguesa era elogiada por ser uma das poucas águas minerais a ter uma gaseificação natural que, dizia a revista, a tornam num bom acompanhamento para propostas gastronómicas com sabores subtis.


BACK TO BASICS – O betão, na forma terrestre e aeronáutica, está a tornar-se no símbolo nacional do país.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:44

...

por falcao, em 21.06.07
UMA OPORTUNIDADE PERDIDA
(publicado no diário «Meia Hora»

No início do próximo mês Lisboa vai ser invadida por milhares de jornalistas e opinion-makers de todos os cantos do mundo, que regularmente visitarão a cidade, até final do ano, durante o semestre que durar a Presidência portuguesa da Comunidade Europeia. Como sempre acontece nestas alturas serão numerosos os artigos sobre a cidade e o país que acolhem a Presidência.

Pois aqui é exactamente onde a porca começa a torcer o rabito: mandava a boa lógica que face a uma ocasião de exposição mediática desta natureza tivesse havido cuidado e seriedade na preparação das coisas. Para além do lado patrimonial que merecia ser evocado, esta era uma oportunidade única de dar a conhecer a criatividade portuguesa, os novos artistas, o que existe de novo em Portugal, a nossa vocação multicultural. Há poucos dias o crítico de arte Alexandre Melo, assessor para a Cultura de José Sócrates, dizia numa entrevista que um dos problemas maiores para a visibilidade dos criadores portugueses no exterior era «nunca se terem organizado, de forma sistemática, visitas de críticos e comissários internacionais a Portugal». A afirmação é certeira, claro que qualquer pessoa se interrogará sobre a razão que leva a senhora Ministra da Cultura a não reparar no que diz um assessor do Primeiro Ministro. O artista plástico Pedro Cabrita Reis, que tem uma rara lucidez a olhar para o país, dizia numa entrevista recente que a causa de todo o imobilismo nestas matérias era a total falta «de visão e de vontade estratégica de afirmação no exterior». Nada é mais verdade e o que está prestes a acontecer é a demonstração de uma oportunidade desperdiçada.

Ao longo do semestre da Presidência, Lisboa acolhe 300 eventos que receberão 50.000 participantes. Num tempo de afirmação do multiculturalismo esta podia ser a oportunidade de mostrar a nossa vocação de plataforma de relacionamento com África, projectando cruzamentos entre artistas contemporâneos portugueses e de países africanos. Mas isto, claro, é uma ilusão – na realidade nada se passa. Mais uma vez.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:43

...

por falcao, em 19.06.07
AEROPORTO – O Governo diz agora estar disposto a estudar alternativas à Ota – a abertura de espírito surge em altura oportuna – descomprime as relações com a Presidência da República e pretende aliviar a pressão que esta questão estava a causar na candidatura de António Costa. Mas como de boas intenções está o inferno cheio, cá para mim continua a valer a pena, no âmbito da campanha autárquica de Lisboa, debater de facto qual a melhor localização para o Aeroporto de Lisboa, o aeroporto que serve a capital – e é neste domínio que vale a pena debater: não estamos a falar de um aeroporto nacional, mas sim do aeroporto que serve a capital de um país, as empresas que lá estão, os turistas que vêm à cidade - porque os que quiserem ir descobrir os encantos do Douro aterrarão no Porto e os que querem ir a banhos para o Algarve escolhem Faro. É bom ter isto em conta, e é bom que cada candidato diga claramente que solução prefere e que assuma o compromisso de a defender: se a Ota, se Alcochete, ou se a extensão da Portela, que são as três alternativas em cima da mesa. A maior parte dos candidatos já se pronunciou. António Costa quer agora evitar ter posição sobre a matéria – o que é inaceitável para quem aspira ser Presidente da Câmara de Lisboa. Que quer Costa? Defender o Governo ou os interesses da cidade que aspira dirigir?


VER/LER – Há livros que são objectos visuais, que ultrapassam os textos que publicam e que vivem baseado nas imagens, na forma como elas estão organizadas. Em Portugal não há muitos ensaios fotográficos editados, vale a pena destacar a excelência fotográfica do mais recente trabalho de Inês Gonçalves, aqui com Kiluanje Liberdade. O livro chama-se «Agora Luanda», tem 188 páginas e foi editado pela Almedina. É de uma rara intensidade e é dos melhores livros de fotografia portugueses.


OUVIR – O novo disco de Mário Laginha tem uma história curiosa: parte de um desafio lançado por José Mateus, o Comissário da Trienal de Arquitectura de Lisboa, actualmente em curso. Laginha conta nas notas de capa do disco que Mateus o levou a ver algumas das obras mais significativas da arquitectura portuguesa e que confirmou, nessas visitas, o que já pensava – que existe uma relação entre a arquitectura e a música, assumindo assim de onde veio a inspiração para este disco, a que significativamente deu o nome de «Espaço». Contada a história, passemos ao disco: tem oito composições originais de Laginha, interpretadas por ele próprio ao piano, por Alexandre Frazão na bateria e por Bernardo Moreira no contrabaixo – para mim o trio de piano, bateria e baixo é a formação preferida do jazz, reabilitada nos últimos anos muito por força dos primeiros discos de Brad Mehldau. Este «Espaço» do Trio de Mário Laginha é uma das boas surpresas da edição nacional na área do jazz, mais uma vez da responsabilidade da editora Clean Feed/Trem Azul.



REGISTO – Francisco Amaral é o responsável por um dos melhores programas de rádio, na área musical, alguma vez feitos em Portugal. O programa chama-se «Íntima Fracção» e já passou por algumas frequências. Há uns anos esteve na TSF, depois perdeu-se numa qualquer reestruturação de grelha e nos últimos tempos vivia exclusivamente, mas organizadamente, na Internet no blog que o seu autor criou para o efeito, http://intima.blogspot.com/ . No meio das recentes alterações que o Rádio Clube Português tem vindo a fazer, eis que o «Íntima Fracção» regressou ao formato rádio e volta a estar disponível para todos os que quiserem ouvir uma das mais perfeitas seleccções musicais que é possível descobrir nas ondas hertzianas. O «Intima Fracção» vai para o ar nas noites de Domingo para Segunda, à meia noite. Obrigado, Rádio Clube Português.


PETISCO – Tenho a mania de provar salgadinhos nos cafés, gosto de experimentar como são os croquetes, as empadas, os rissóis, as merendinhas que tão boas memórias me trazem. Um dos salgadinhos que tento sempre provar, em havendo, dá pelo nome bem português de pastel de massa tenra. São célebres os do restaurante Papa-Açorda em Lisboa, há tempos descobri uns num café do largo de Marvila que eram bem bons, mas por estes dias dei com uns outros que merecem referência. A massa é perfeita, nem muito grossa, nem muito fina, o recheio é bem temperado, o tamanho é honesto. Podem ser provados na Pastelaria Sá, esquina da Conde de Valbom com a Miguel Bombarda, às avenidas novas, em Lisboa.



BACK TO BASICS - A simplicidade é o auge da civilização, Jessie Sampter.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 07:27

...

por falcao, em 11.06.07
ALVO – O Partido Popular anunciou que vai trazer da Madeira o actor que andou na campanha eleitoral regional a serrazinar a cabeça de Alberto João Jardim cada vez que ele aparecia em público. Na minha ingenuidade julguei que iria colar o homem ao candidato António Costa, pensei eu que para o PP o alvo principal seria o PS, que o actor iria andar á procura do caminho para a Ota. Parece que me enganei, Costa vai ser deixado em paz pelo PP, Telmo Correia está mais interessado em combater outros candidatos – por estas e por outras é que o PP, nestas eleições de Lisboa, tem um ar tão pouco credível como o medonho cartaz que andou a espalhar, réplica perfeita da estética dos cartazes dos filmes indianos produzidos em Bollywood.



INÚTIL – O único voto útil nas próximas autárquicas é qualquer voto contra António Costa: votar nele é inútil, é concordar com o silêncio do Governo no caso da perseguição a um cidadão por delito de opinião na Direcção Geral de Educação Norte; votar nele é concordar com Mário Lino na questão da Ota; votar nele é concordar com as diatribes do Ministro das Finanças contra os contribuintes, do Ministro da Saúde contra os doentes e da Ministra da Educação contra o ensino do Português. Qualquer voto em António Costa será politicamente aproveitado como um voto referendário a favor do Governo. Se Costa ganhar, o Governo, que se finge arredado do processo eleitoral, aparecerá a dizer que a população apoia a sua acção. Costa não é um candidato, é um putativo embaixador do Governo de José Sócrates em Lisboa.


NOVIDADE – Continuamente preocupado com a desertificação de grandes zonas do país, o Ministro das Obras Públicas está a estudar a construção de uma maternidade rodoviária, na A 14. Depois do encerramento da maternidade da Figueira da Foz já nasceram três bebes no transporte de ambulância entre aquela cidade e Coimbra.


OUVIR – São norte-americanos, do Oregon, parecem europeus, um pouco parisienses até, existem desde 1994 e chamam-se Pink Martini, têm uma diva plástica por vocalista, China Forbes, que estudou pintura em Harvard. Cada um dos seus álbuns parece uma colectânea de propostas de hinos para uma imaginária Sociedade das Nações onde seja a música a mandar. O disco mais recente chama-se «Hey Eugene!» e não foge à regra. Revelaram-se com uma canção que fez êxito em França, «Je Ne Veux Pas Travailler», e a este novo álbum traz sons do cabaret francês, misturado com a época de ouro de Hollywood. O disco percorre sonoridades que vão da Europa de Leste até ritmos latinos e um dos temas, «Mar Desconocido» podia bem figurar num filme de Almodôvar. A faixa que dá o nome ao disco é um velho êxito da banda em concertos, mas nunca havia sido gravada. E é impossível não ficar arrebatado com o dueto entre Forbes e Jimmy Scott, um histórico do jazz, na faixa que encerra o disco, «Tea For Two». («Hey Eugene!» - CD Heinz Records, Naive, disponível na FNAC).


LER – Nestes últimos tempos uma arreliadora tendinite tem-me impedido de jogar golfe, uma masoquista rotina de fim-de-semana já com alguns anos. Nestas semanas as voltas ao campo têm sido substituídas pela leitura de um dos mais fascinantes livros sobre o jogo que já tive ocasião de ler – e confesso que li imensos. Como quem de nós gosta nos quer aliviar o sofrimento, este livro foi-me oferecido para eu reflectir sobre o golfe e sobre algumas coisas que, vindas do jogo, se podem aplicar na vida em geral. «The Inner Game Of Golf» faz parte de uma série de livros de W. Thimothy Gallwey sob a designação genérica «The Inner Game», dos quais o mais célebre é o «The Inner Game Of Tennis». Gallway concentra-se nos princíoios de formação do «coaching», utilizados nos quadros de grandes empresas. A sua aproximação ao desporto parte destes princípios, trabalhando no desenvolvimento do que ele chama «concentração descontraída». A leitura é entusiasmante e só posso agradecer a quem me fez descobrir este livro - espero que quando recomeçar a jogar se vejam os efeitos desta leitura. «The Inner Game Of Golf», de W. Timothy Gallwey, edição Random House, 211 páginas. Disponível na Amazon.


BACK TO BASICS - «As ideias são mais poderosas do que armas, se não deixamos os nossos inimigos terem armas, porque razão os deixaremos falar das suas ideias?» - José Estaline, dedicado à Directora-Geral de Educação do Norte, a Hugo Chávez, a Augusto Santos Silva e a Mário Lino.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:42

...

por falcao, em 08.06.07
ISTO ANDA TUDO LIGADO
(publicado na edição nº1 do jornal «Meia Hora»

Os principais candidatos à Câmara de Lisboa andam legitimamente inquietos com as contas da autarquia. Falam muito do passado e pensam muito pouco sobre o futuro. Do muito que têm dito, pouco tenho ouvido sobre qual a sua estratégia para o posicionamento da cidade, nenhum se arrisca a dizer como tenciona fazer outras coisas além da limpeza das ruas e da reparação dos buracos do pavimento.

Isto é capaz de ser uma injustiça – o Dr. António Costa provou este fim-de-semana que quer pistas para bicicletas, certamente uma justíssima preocupação para um posicionamento de Lisboa como a cidade do pedal…Será que vai construir uma ciclovia daqui até à Ota?

Adiante: nesta nossa Europa há um número crescente de turistas que prefere as cidades às praias ou a possibilidade de visitar uma exposição a dormir debaixo de um coqueiro. Todos os indicadores mostram que o turismo de «short-break», de fim de semana, é o que mais tem aumentado em Lisboa, criando um fluxo regular ao longo de todo o ano. Há duas coisas que podem destruir esta tendência: colocar o aeroporto a caminho de Coimbra e desinvestir na área da criatividade e do investimento cultural. No último ano Lisboa já perdeu a Experimenta Design e a Lisboa Photo, e a Moda Lisboa foi reduzida em dimensão. Qualquer destes eventos, em conjunto com o África Festival, gerava mais páginas sobre Lisboa na imprensa internacional que todas as outras iniciativas autárquicas juntas. Se Lisboa sair do mapa das cidades onde se passam coisas diferentes, morre para este novo turismo urbano e não há sol nem clima que nos salve.

Em todo o mundo, cada vez mais, o posicionamento internacional e a imagem das grandes cidades passa pela definição de políticas culturais e de uma estratégia de criatividade, assumidas como um motor de desenvolvimento, e não como um mero serviço social de atribuição de subsídios. A política cultural de uma cidade pode ser encarada como uma fonte de receitas, e não apenas como um centro de custos. Que pensam os candidatos sobre este assunto? E que se propõem fazer, para além de cultivar o silêncio?

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:05

...

por falcao, em 04.06.07
COINCIDÊNCIA – Nas últimas eleições na Venezuela Hugo Chávez usou um cartaz de propaganda onde aparecia ao lado de José Sócrates; O Ministro português Santos Silva criou uma Lei de Televisão que restringe a liberdade de actuação dos operadores e condiciona fortemente a actividade; Hugo Chavez ordenou esta semana o encerramento do canal RCTV, que se opunha ao seu Governo; Hugo Chavez- José Sócrates: a mesma luta! (ou como o Governo de Lisboa começa a ficar estranhamente parecido com o de Caracas no que ao exercício das liberdades diz respeito).


NAVEGAR – Há um ano, por iniciativa do coleccionador e galerista Victor Pinto da Fonseca (VPF Creamarte e Plataforma Revólver), nascia a única publicação portuguesa exclusivamente dedicada às artes plásticas, nomeadamente à arte contemporânea. É um revista on-line, disponível em www.artecapital.net e proporciona extensa informação sobre exposições em Portugal e no estrangeiro, noticiário actualizado permanentemente, links para museus e galerias. Sem apoios oficiais, apenas com o apoio mecenático da Alcatel e de alguns, poucos, anunciantes, a Artecapital tornou-se indispensável para os milhares de visitantes que mensalmente navegam por este site. Estranha-se, é claro, como a Gulbenkian, o CCB, a Culturgest e o Insituto das Artes, que bastante investem em publicidade, não se esforçam por também utilizar este canal – mas há razões que a razão desconhece. Ontem mesmo a Artecapital festejou o seu primeiro aniversário com uma bela festa nos Jardins do Museu do Chiado, ponto de arranque para o segundo ano de publicação. Naveguem na arte, é uma boa experiência.

OUVIR – Hoje em dia existe na música clássica uma geração de novos intérpretes que se assumem como verdadeiras estrelas pop. O pianista chinês Lang Lang é um dos exemplos mais marcantes dessa geração, o seu talento é reconhecido, e a sua carreira tem evoluído perante alguma surpresa dos críticos mais conservadores e menos dados a atitudes e vestes pouco ortodoxas num intérprete de música erudita. O seu novo disco regista os concertos para piano nºos 1 e 4 de Beethoven, acompanhado pela Orquestra de Paris, dirigida por Christoph Eschenbach. Trata-se da primeira incursão de Lang Lang na obra de Beethoven e o resultado é de uma intensidade pouco comum. Esta edição da Deustch Grammophon inclui o CD com a gravação das peças referidas e um DVD que inclui imagens do trabalho em estúdio, uma entrevista com o pianista e o registo do encontro entre Lang Lang e Eschenbach.

LER – Um livro de cozinha que vale bem a pena ler é «Cozinha Divina», de um dos cozinheiros, digamos, informais, da nova vaga – Chakall, um argentino radicado há muitos anos em Portugal, criador do restaurante «Afreudite» de cozinha afrodisíaca, responsável da empresa de catering homónima do livro, Cozinha Divina, e animador habitual de cursos de cozinha com boas ideias - mesmo para os cozinheiros mais desajeitados. Chakall é um personagem, as suas criações culinárias, sobretudo na área do catering, são muito interessantes e este livro é um manancial de ideias para jantares diferentes que cada um pode preparar em casa. Só o grafismo e as fotografias fazem água na boca, os géneros abordados são diversos, das massas às sopas, passando pelas saladas e sobremesas e especialidades de várias proveniências, bem temperadas de especiarias. Edição Oficina do Livro, 204 páginas.

BIFE – Bifes há muitos, uns mais sofisticados que outros. Mas um bife como deve ser é suposto ter tradição e mistério. É o que se passa no Café Império – o molho tem um ar suspeito mas revela qualidades inesperadas quando misturado com umas honestas batatas fritas e um pão quente que se deixa comer bem. E, espante-se, a carne é de boa qualidade, melhor que a maioria que surge em algumas cadeias de cervejarias. O Café Império foi integralmente renovado há quase um ano, mantendo no entanto as características principais do projecto de Cassiano Branco, datado de 1955, nomeadamente o mural de Luís Dourdil e o painel de azulejos de Jorge Barradas. Destaque para a qualidade, rapidez e simpatia do serviço. As atracções são diversas, o restaurante do piso inferior vira bar a partir das onze da noite, os ecrãs mostram música, espectáculos e desporto, volta e meia há música ao vivo. Tel. 91 902 90 12, www.cafeimperio.com, Av. Almirante Reis 205.


BACK TO BASICS - «Todos os dias os ministros dizem ao povo como é difícil governar. Sem os ministros o trigo cresceria para baixo em vez de crescer para cima» - Bertolt Brecht.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:56


Mais sobre mim

foto do autor



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2005
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2004
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2003
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D