Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



...

por falcao, em 31.07.07
EXPORTADOR – Portugal está a tornar-se num país exportador de comissários artísticos. Depois de Sérgio Mah ter sido nomeado comissário geral da PhotoEspaña para os próximos três anos, é a vez de Guta Moura Guedes ser escolhida para comissariar uma das três áreas da mostra Turim Capital Mundial do Design. Como curiosidade regista-se que ambos estavam envolvidos em projectos na cidade de Lisboa que o anterior vereador da Cultura, José Amaral Lopes, deitou para o lixo: as bienais Lisboa Photo e Experimenta Design. Resta esperar que o novo Presidente da Câmara possa rectificar alguns disparates que nesta área foram feitos em anos recentes.


LIMPEZA – Os abstencionistas lisboetas, entre os quais me incluo com gosto, gostariam que os candidatos, todos os candidatos, retirassem das ruas a sua propaganda, os seus cartazes, que desde o dia 15 são apenas poluição visual. É certo que a esta distância parecem momentos de humor: confrontar as frases de campanha de Roseta, Telmo Correia, Fernando Negrão e José Sá Fernandes com a realidade dos votos é das melhores anedotas dos últimos tempos.


LISBOA – Enquanto escrevo reparo como, à noite, gosto de ficar a olhar para o Aqueduto das Águas Livres, que é das mais belas imagens de Lisboa. Esta cidade podia ser muito visual e no entanto parece acantonada nas filas de trânsito, espartilhada por permanentes obras do Metropolitano, que incomodam quem vive na cidade, que prejudicam os habitantes. Há casos – como o das obras do Metropolitano perto do Corte Inglês - em que vale a pena questionar se o que se passa é em nome do bem comum. Eu duvido e acho que António Costa precisa de pôr mão na maneira como o Metropolitano esventra e trata Lisboa e os seus habitantes.


OUVIR – Armando Anthony Corea nasceu em 1941 e começou a estudar piano com quatro anos de idade. Em 1962 estava a entrar no mundo do jazz e começou a ser conhecido como Chick Corea. Bela Fleck nasceu em Nova York em 1958 e é considerado um dos maiores intérpretes de banjo – o seu grupo chama-se The Flecktones. Pois Corea e Fleck juntaram-se para gravar um disco, um dueto entre um piano e um banjo. O resultado é surpreendente, a sonoridade é arrebatadora, o resultado é uma das mais curiosas gravações de jazz dos últimos tempos, com Corea a surpreender nas respostas rápidas e pontuadas ao banjo de Fleck. O disco inclui onze temas, seis de Fleck, quatro de Corea e uma versão muito curiosa de «Brazil», de Ary Barroso. CD Concorde, distribuído por Universal Music.


DESCOBRIR – Recomendo vivamente que descubram a «Blah», a revista-programa da discoteca Lux em Lisboa, inesperada, maravilhosa, com artigos que não se encontram em mais nenhum lado sobre a música das noites, os dj’s e temas conexos. É, digamos, a mais invulgar e melhor publicação gratuita que se distribui em Portugal.


LER – A edição de Julho da revista norte-americana «Wired» dedica a capa e um dos seus artigos de fundo ao filme «Transformers», baseado numa série de culto japonesa, um desenho animado para televisão com 25 anos, que agora passou a filme. Mais à frente vale a pena ler e reter um artigo cheio de informação sobre a forma como os mapas do Google e o Google Earth estão a transformar o modo como vemos o nosso mundo. A «Wired» continua a mapear o nosso futuro e a ser um guia para o que está a acontecer.


PROVAR – Uma das coisas que me irrita nos restaurantes modernos é o ar desprendido dos seus funcionários, para quem o cliente parece ser apenas um objecto decorativo. Os empregados ficam ali, de olhar perdido no horizonte, bem pode uma pessoa esbracejar e chamar que eles quedam-se imperturbáveis e majestáticos. Quando se deslocam, fazem-no devagar e, de preferência, trazem apenas uma coisa de cada vez. Assim multiplicam as viagens no interior do espaço entre mesas que lhes está destinado e dão uma ideia de apreciável, embora inútil, azáfama. Ainda por cima estes locais, de design a pretender ser moderno, têm sofisticados sistemas de registo de pedidos, que fazem com que uma imperial demore uns dez minutos a ser servida e que fazem os pratos ficar a esfriar quando estão prontos – porque nenhum dos empregados mostra interesse por ir vendo o que pode estar pronto para os aborrecidos clientes que vêm ali perturbar a sua bem programada função. Se isto lhe parece um exagero, experimente ir ao «Magnetic», Avenida Conde de Valbom 18 e vai ver como ainda fui comedido na descrição.


BACK TO BASICS – Nada mais sei do que constatar a minha ignorância – Sócrates, o filósofo grego que viveu cerca de 400 anos antes de Cristo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:39

...

por falcao, em 25.07.07
MALDITA REGULAMENTAÇÃO
(na edição de Quarta Feira 25 de Julho do «Meia Hora»)

Em matéria de prazeres gastronómicos a regulamentação irrita-me um bocado. Vou pôr a frase de outra maneira: irrita-me mesmo muito. Irrita-me que alguns burocratas da Comissão Europeia digam o que podemos ou não comer e, pior, como e onde o podemos fazer. Irrita-me ainda mais que alguns burocratas locais sejam mais papistas que o papa e em vez do cérebro utilizam regulamentos. Cá para mim a imagem que passa da ASAE é a de um grupo barulhento liderado por alguém que se acha descendente directo de Emiliano Zapata – a começar no bigode e a acabar no discurso.

Sempre achei – e não é agora que vou mudar – que a frase «estou apenas a cumprir ordens» é sinal de indigência mental de quem a pronuncia e, regra geral, de prepotência e estupidez de quem a inspira – porque dá ordem sem as explicar , provavelmente porque também as não percebe.

Vem esta lenga-lenga a propósito de sucessivos choques que tenho tido nos últimos tempos. O mais recente foi quando há dias fui a uma queijaria tradicional perto de Palmela, na Quinta do Anjo e deparei com um horizonte de mudança – para pior. A queijaria era local limpo e asseado, premiada em competições internacionais do movimento «slow food», onde me habituei a comprar queijo fresco (mas mesmo fresco, a babar, não sei se estão bem a ver…), requeijão e queijo curado ou de meia cura. Além disso havia um pão caseiro fantástico, tartes de requeijão sensacionais, vinhos da região e doces caseiros variados conforme as estações do ano. Pois na sequência de uma inspecção qualquer acabou tudo menos os queijos – e mesmo esses estão a ficar demasiado assépticos para o meu gosto. A tarte de requeijão que eu queria já não há, porque a casa não tem licença para a fazer nem vender porque é apenas uma queijaria. Este Portugal muito tecnológico está a ficar demasiado regulamentado, demasiado espartilhado, demasiado impositivo.

Espero que não imponham um tamanho aos caracóis. Quem não digam que não se devem comer. Que não persigam as petingas. Que não castiguem, as velhas cozinheiras que fazem doces caseiros. Que não normalizem as tetas das ovelhas e das cabras em nome da assépsia dos queijos. E espero que os burocratas sejam regulamentados, confinados, postos a pastar nos jardins de S.Bento para regalo do pastor que os inspira.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:49

...

por falcao, em 23.07.07
ENCOLHIMENTO - O resultado, nos partidos políticos, das eleições intercalares em Lisboa assemelha-se ao efeito que um programa de máquina de lavar roupa com a temperatura demasiado alta tem nas lãs: encolhimento generalizado. Tal como as lãs que sofrem este tratamento, os partidos políticos correm o risco de deixar de servir, garantidamente ficaram estragados. Pior ainda: as reacções ao longo desta semana vão no sentido das lutas internas, em vez da modificação da forma de fazer política. Quem está a destruir o papel dos partidos são as máquinas do clientelismo partidário e os seus dirigentes, não são os independentes. Os cidadãos querem uma política com causas, não querem uma acção política que parece saída de uma consulta médica: uma folha de receitas para as maleitas. Sugiro que leiam na edição desta semana da revista «Time» o artigo «The New Action Heroes», onde se relata como o Mayor de Nova York, Michael Bloomberg, e o Governador da Califórnia, Arnold Schwarzenegger, passaram por cima do ideário do seu partido – ambos são eleitos pelos republicanos – abraçaram causas que interessam aos cidadãos e puseram em acção medidas que Washington pura e simplesmente nunca implementaria.


CURTO - O PS em Lisboa teve uma vitória de Pirro. Perdeu 20.000 votos entre 2005 e 2007, o seu candidato não conseguiu mobilizar o eleitorado e, apesar os insistentes apelos para obter maioria absoluta, enfrentou a maior abstenção de sempre, o que naturalmente o afectou em primeiro lugar e na prática lhe impediu o objectivo. Acresce que o facto de nestas eleições se ter verificado o maior número de votos brancos e nulos alguma vez registado em Lisboa mostra bem a recusa consciente de parte activa do eleitorado das políticas propostas. Costa venceu, mas não convenceu.


DIGITAL - Na conferência «Os Media da nova geração na era digital», a Comissária europeia para a Sociedade de Informação e Meios de Comunicação, Vivianne Reid, serviu um grande chá ao Ministro Santos Silva, recordando, depois de uma despropositada intervenção do governante, que se deve defender a flexibilização das regras publicitárias nos canais abertos de televisão, que nunca deve existir intervenção estatal em questões editoriais, e que o estado português está a ficar perigosamente atrasado na introdução da Televisão Digital Terrestre.


LER – Em Portugal vivia-se o calor do verão de 1974 quando foi pela primeira vez publicado o livro «Zen E A Arte da manutenção das motocicletas», de Robert M. Pirsig – por isso a sua edição original, nessa época, passou meio despercebida. 25 anos depois o livro foi relançado nos Estados Unidos e agora chega cá. O autor explica que o livro não é bem sobre a filosofia budista nem sobre motocicletas, mas é certo que o tema central é aquilo a que o seu autor chamou de a metafísica da qualidade. Na prática o livro relata uma viagem, feita por duas pessoas que representam dois tipos diferentes de personalidades, um mais interessado no lado espiritual das coisas e outro que se concentra nos detalhes e na forma de funcionamento das coisas. Há quem diga que este é o livro de filosofia mais vendido de sempre e George Steiner comparou Pirsig a Proust. Boa tradução de Fernanda Pinto Rodrigues, editada pela Presença, 420 páginas.


OUVIR – «Lisboa» é uma exemplar compilação de temas e interpretações originais, nascida pela mão do músico Rodrigo Leão e do editor Tiago Faden, que acabaram de criar a editora independente «Lisboa Records». Na terça-feira passada no «Frágil», parte do disco foi apresentado ao vivo e arrisco dizer que se criou um ambiente especial, mostrando como aquele espaço continua a ter uma magia muito própria e merece ser visitado mais vezes. De regresso ao disco destaco os temas «O Estranho Caso do Amante Preguiçoso», de Rui Reininho e Armando Teixeira, «Cidade Tejo» de Rodrigo Leão e Ana Carolina Costa, «Primeira Hora» das Danças Ocultas, «Passagem a Limpo», um poema de Cesariny repescado pelos Naifa e uma imperdível interpretação do clássico «Com Que Voz» por Maria Ana Bobonne e Ricardo Rocha. Curiosidades adicionais: a voz de Cesariny a ler o seu poema «You Are Welcome To Elsinore» sobre um trabalho de sons idealizado por Paulo Abelho, e o «Poema», também de Cesariny, dito por Rogério Samora sobre música de Gabriel Gomes e Rodrigo Leão.


BACK TO BASICS – Debaixo de cada pedra espreita um político, Aristófanes

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:55

...

por falcao, em 20.07.07
POLUIÇÃO VISUAL
Talvez não fosse má ideia que os partidos políticos começassem a tirar os seus cartazes eleitorais das ruas de Lisboa, a começar pelos do Presidente eleito.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:36

...

por falcao, em 20.07.07
UMA IDEIA
Na ressaca pós-eleições em Lisboa os partidos que afundaram, em vez de pensarem seriamente no assunto, remeteram-se para a habitual luta de capoeira. Fora do sistema, José Miguel Júdice foi o único a surgir com uma boa ideia - pelo menos tem o mérito de fazer pensar e discutir estratégias e ideologia e não apenas pessoas. Vejam o que escreve hoje no «Público» sobre a possibilidade de se criar um novo partido político que una as forças à direita. Estes «Pensamentos Heréticos Sobre a Direita» são até agora o que de melhor surgiu no rescaldo eleitoral.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:36

...

por falcao, em 20.07.07
TV: A FALTA DE ESCOLHA
(publicado no diário «Meia Hora» de 18 de Julho


Quem não for assinante de um serviço de cabo está limitado a noites muito monótonas: concursos ou séries juvenis às sete, telejornais às oito, novelas a seguir até à meia noite. Cinema e boas séries só lá para o tarde. As variantes são poucas e pontuais. Os canais comerciais trabalham todos exactamente sobre a mesma matriz.

No Domingo não foi só o resultado da abstenção em Lisboa que deu nas vistas. Pelos lados da televisão o resultado mostrou bem o descontentamento dos telespectadores: o conjunto de canais do cabo esteve praticamente nos 20% (19,5, para ser exacto), um numero elevado quer mostra como um crescente número de pessoas procura alternativas à oferta dos actuais canais generalistas.

O cabo oferece essa alternativa, é certo, mas é pago e não tem canais verdadeiramente populares, de entretenimento, feitos em Portugal. Os sucessivos governos têm querido a todo o custo impedir o surgimento de novos canais portugueses, nomeadamente em sinal aberto. O Governo limita-se a servir de guardião de interesses estabelecidos, argumentando com a dimensão do mercado publicitário, impedindo que surja concorrência face aos operadores actuais.

Aqui ao lado, em Espanha, o Governo teve o bom senso de permitir dois novos canais abertos, criando uma transição mais suave para a realidade da alteração da oferta, dentro de poucos anos, com a Televisão Digital Terrestre (TDT), onde existirão provavelmente o dobro dos canais generalistas actuais . O Governo espanhol preferiu permitir que novos grupos de comunicação tivessem tempo de entrar no negócio da televisão antes do choque da nova realidade da TDT, preferiu permitir que o mercado se auto-organizasse face ao inevitável alargamento. Aqui, passa-se precisamente o contrário, apenas porque o Governo quer controlar os grupos de comunicação que podem ter televisão – por isso mesmo (e não apenas por questões técnicas) é que as regras para o concurso da TDT estão tão atrasadas, por isso é que nada foi ainda resolvido. Com outros canais a oferta seria diferente, as alternativas existiriam. A quem é que isso não interessa?

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:33

...

por falcao, em 17.07.07
FALTA DE SENSO
O restritor Silva, vulgo Ministro dos Assuntos Parlamentares, fez hoje fraca figura, no período de perguntas e respostas que se seguiu à conferência da Comissária europeia para a sociedade de informação e Meios de Comunicação sobre «Os Media da Nova Geração Na Era Digital», que se realizou no CCB. O Ministro português falou mais de dez minutos, com uma longa e maçadora intervenção, em reacção a uma observação a propósito da política de comunicação do Governo feita no meio de uma pergunta de um jornalista à Comissária europeia.
A coisa não lhe correu bem até porque a Comissária, delicadamente mas de forma firme, fez questão de sublinhar alguns pontos das orientações comunitárias que são, digamos, diferentes das do restritor.
Espero que a intervenção do Sr. Silva esteja gravada e que alguma alma carinhosa a coloque em podcast - assim sempre se fica a perceber melhor o ridículo da criatura.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:52

...

por falcao, em 17.07.07
ELEIÇÕES – Bem vistas as coisas a maioria dos candidatos na corrida à Câmara de Lisboa foi acusada de malfeitorias variadas pela outra metade – e nalguns casos foram atiradas suspeitas graves para cima da mesa. A política em Portugal resume-se a isto: intriga, calúnia, jogo baixo. Nada de debate de ideias, de projectos, de apresentação de propostas sérias. Estas eleições parecem o campeonato nacional do disparate, com PS e PSD a disputarem a liderança na asneira. Não é de admirar que se preveja tanta abstenção.


CAMPANHA – A campanha da Comissão Nacional de Eleições a tentar combater a abstenção é patética de todos os pontos de vista – táctico, estético, técnico. Mas pior ainda é a ideia de que os problemas de um sistema partidário desacreditado, que são a grande causa da abstenção, podem ser minorados por uns quartos de página de publicidade. Pior que isto só mesmo a qualidade intrínseca das campanhas que estão na rua, todas a terem como tema principal a falta de ideias, originalidade e vontade de mudar.


ABUSO – A Entidade Reguladora da Comunicação é hoje em dia um dos mais consistentes e permanentes inimigos da liberdade de expressão. Como esta semana se viu, no caso do «Público», mais uma vez, os seus dirigentes são apenas burocratas sem alma, diligentes e eficazes funcionários na dependência de Santos Silva, o Restritor. É em casos como o da imposição da repetição de um direito de resposta, que se descobre o carácter prepotente e o autoritarismo latente naquele órgão, cujos intervenientes – todos eles - primam pela ignorância mais crassa do que é a comunicação contemporânea.


SOLUÇÃO – Quando as drosófilas aparecem, que fazer? Deitar fora as cebolas a mais que nos impingem nos supermercados que vendem frutas e hortaliças embaladas em quantidades absurdas. A estragação de alimentos é enorme e cada vez maior e pouca gente se preocupa com isso. Agora prefiro comprar nas mercearias e lugares de fruta que ainda sobrevivem em Lisboa e ser eu a escolher a qualidade e quantidade que quero levar para casa. Assim escuso de ver crescerem as preocupações sobre a origem das pequenas moscas, geneticamente interessantes, que respondem pelo catita nome de drosófilas.


OUVIR – O piano, já aqui o disse, é dos instrumentos musicais que mais me emociona e transporta. Quis o acaso que nos últimos tempos eu me tenha reaproximado da música como há muito já não acontecia, ainda por cima do piano em particular. Acontece que por estes dias foi editado um disco que se tornou uma companhia constante – baladas para piano interpretadas por André Previn, um alemão naturalizado americano, que compôs música para filmes célebres e foi maestro titular de algumas grandes orquestras. No intervalo dos seus afazeres musicais sempre gostou de se apresentar ao vivo como pianista de jazz – e é nessa condição que aqui surge. Sugiro, por exemplo, que ouçam as suas interpretações de dois temas de Cole Porter («What Is This Thing Called Love?» e «Night And Day» ) e ainda de um grande tema da dupla Rodgers/Hart, «Bewitched, Bothered And Bewildered». (André Pevin Alone, Balladas For Solo Piano, CD Universal Music).


LER – O novo livro de Pedro Rolo Duarte é uma recolha de episódios de vida, sob o pretexto da batalha pelo abandono do cigarro. É o mais interessante livro do Pedro, merece atenção e garante bons momentos com curiosas reflexões. «Fumo- Deixar de fumar é lixado e mais 80 lições que eu vivi», edição Oficina do Livro ( já agora espreitem a nova livraria que a editora abriu no Rossio).



COMER – Peixe muito fresco, nas noites de verão, no Portinho da Arrábida. O destino deve ser o Farol, o último restaurante da fiada que lá existe, o mais recatado, também o mais simpático e o que frequentemente tem melhor peixe, fresquíssimo mesmo. E para começar, perguntem se há amêijoas…não se vão arrepender. Telefone 212 181 177.


VER – Apenas mais dois dias – até Domingo 15 - para ver as curiosas exposições/instalações de Massimo Bartolini e de Maria Nordman na Fundação de Serralves. Pelo meio podem descobrir os deliciosos «livros de autor» do norte-americano Sol Lewitt, uma iniciativa oportuna da Biblioteca de Serralves para homenagear o autor recentemente falecido.


BACK TO BASICS - «Os livros são os melhores médiuns para os artistas de hoje. Em muitos casos, o material visto nas galerias é mais difícil de ler/observar pendurado numa parede do que em casa, onde as pessoas não se sentem intimidadas. É vontade dos artistas que as suas obras sejam compreendidas pelo maior número de observadores possível. Os livros ajudam a realizar esse desejo» - Sol Lewitt.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:39

...

por falcao, em 11.07.07
DIA 15 VOU ABSTER-ME
(Publicado no diário «Meia Hora» de 11 de Julho


Nas eleições em Lisboa não faltam candidatos. Mas, em contrapartida, esta abundância é contrabalançada pela falta de ideias, pela falta de projectos, pela ausência de uma estratégia para a cidade. O programa de todos os candidatos resume-se a três palavras: combater o défice - curioso é que nenhum explica como fazê-lo, promovendo em simultâneo a recuperação da cidade para os seus habitantes.

Na área da política cultural as propostas são muito pobres e rotineiras. Para que interessa a política cultural com a cidade neste estado? – perguntarão alguns. Por uma simples razão: porque numa cidade como Lisboa, a política cultural faz parte da construção da imagem e faz parte da sua capacidade de atracção turística – o que quer dizer, faz parte de uma área económica importante, que gera emprego e produz receitas. A política cultural (de um país ou de uma cidade) não é uma bizarria de intelectuais – os políticos domésticos já deviam ter percebido isso – é uma área de actividade importante do ponto de vista estratégico, que tem consequências na criação de emprego e no estímulo da actividade económica numa série de sectores.

Um estudo recente da União Europeia, que há uns meses fez manchete nos jornais, mostrava isso mesmo – a importância das indústrias culturais na economia, quer directa quer indirectamente. Quem se der ao trabalho de ler os programas eleitorais dos candidatos à Câmara de Lisboa verá que ninguém o teve em conta. Questões básicas como a ligação ao Turismo, a articulação com as escolas, a conjugação de esforços com os organismos dependentes do Ministério da Cultura e localizados na cidade, a criação de um conselho de coordenação, a nível cultural, que abranja a área metropolitana de Lisboa ou, finalmente, a negociação de estímulos fiscais e incentivos a iniciativas como uma Film Commission, são tudo temas ausentes.

Neste panorama, com mais de uma dezena de candidatos, nenhum com ideias interessantes, nenhum com claras capacidades de liderança, que me resta fazer? – A resposta, para mim, é evidente: abstenção, a única maneira de mostrar o meu protesto pessoal pela cada vez maior degradação do regime e pela maneira como os partidos políticos actuam.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:32

...

por falcao, em 08.07.07
BOIOCOTE ACTIVO À FARSA ELEITORAL!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:49

Pág. 1/2



Mais sobre mim

foto do autor



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2005
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2004
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2003
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D