Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



ABUSOS E PREGUIÇA DA EMEL

por falcao, em 30.12.08

Vou relatar uma situação real ocorrida esta semana, numa tarde de chuva, com uma amiga minha. Foi ao notário tratar de um assunto e no regresso o carro estava com bloqueadores da EMEL. Ligou para um call center muito moderno e dizem que os desbloqueadores vão a caminho. Factos: o estacionamento foi feito às 11h20, a saída do notário foi às 13h20, o bloqueamento foi feito às 12h05, o primeiro pedido de desbloqueamento foi às 13h25, mas só foi concretizado três horas e meia depois, às 16h50. Pelo meio foram feitos vários telefonemas sempre com a informação de que o assunto estava a ser tratado – com o irritante automatismo dos call centers que efectivamente são um atentado aos clientes. Eu sei que a EMEL é uma organização, patrocinada pela Câmara Municipal de Lisboa, para abusar da paciência dos munícipes. A legalidade da sua plena actuação é questionável, o bom senso dos seus agentes é quase nulo, a eficácia na caça à multa e o abuso de autoridade é directamente proporcional à ineficácia da sua acção quando são chamados a resolver situações. O Dr. António Costa acha três horas e meia um tempo aceitável para desbloquear um carro? Eu por mim sugiro que na próxima campanha autárquica os eleitores castiguem quem não apresentar medidas de reforma da actuação da EMEL.E ao fim das tr~es horas e meia nem um pedido de desculpa, nem uma justificação - paguem e calem-se. Se fosse comigo tinha-lhes pedido a identificação e solicitado que fizessem um teste do alcóol.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 13:54

ESCANDALOSO - O que se tem andado a passar na agência Lusa está a começar a ser um escândalo. Uma agência noticiosa é suposta ser uma difusora imparcial e equilibrada de notícias, é suposta ser uma referência de isenção, insensível a manobras e pressões. Isto não é uma utopia, e embora a perfeição não exista, em algumas agências noticiosas ela está próxima. Durante uns anos ( e não foram poucos) , em Portugal, isso também aconteceu, nas diversas encarnações que a Agência Noticiosa nacional teve. Eu orgulho-me de ter estado mais de seis anos na Notícias de Portugal e, depois, no início da Lusa, e sei como existia um corpo de profissionais que defendia o respeito pelo Livro de Estilo, trabalhado a partir dos melhores exemplos internacionais. O que hoje se lê sobre o que se passa na Agência Lusa relata um cenário de pressões e manipulações e é espelho de uma sociedade e de um Estado que perdeu a noção da decência e não olha a meios para atingir os seus fins. No cerne da questão, quem está? O Ministro Santos Silva, claro. 

 


 


HABILIDOSO - Quando eu andava na faculdade lembro-me de ouvir colegas mais velhos a relatarem como Jaime Gama se tinha notabilizado, enquanto dirigente associativo, a condicionar o funcionamento de Assembleias de Estudantes, guardando umas propostas, seleccionado o que iria pôr à votação, fazendo malabarismos na condução dos trabalhos e tentando influenciar, pela via de habilidades processuais, os resultados finais. Talvez por me lembrar dessas histórias nunca tive simpatia pelo personagem. A forma como se comportou, enquanto Presidente da Assembleia da República, na votação do Estatuto dos Açores, veio confirmar que não perdeu a mão nem a imaginação na forma de interpretar os problemas e encontrar as soluções que mais lhe convêm a ele e ao seu partido. 

 


 


APAGADO - O Senhor Nunes, da ASAE, abriu o ano a prevaricar, fumando em recinto público, e fechou-o discreto. As ordens de apagamento a que teve de se sujeitar, as instruções para acabar com os raides á cowboy, a revisão nos processos de actuação e nalgumas leis mostraram afinal aquilo que muitos diziam: ele abusava do poder que tinha, gostava de se mostrar, preferir reprimir e esclarecer. Agora quase ninguém ou vê ou ouve e o mundo continua a girar. Mais um espalha-brasas que sucumbiu à sensibilidade do Governo pelos criadores de problemas mediáticos.

 


 


 


 


 


MAL - Coisas que correram muito mal este ano: a propaganda e as mentiras em torno do computador «Magalhães» e sua distribuição, os recuos nas reformas que enchiam a boca do Governo, o divórcio, cada vez maior, entre cidadãos e política, o Estado querer introduzir o pensamento único na análise da crise, a demagogia permanente de anúncios de obras que não se fazem e de medidas que não se tomam. 

 


 


BEM - Coisas que correram  muito bem este ano: a existência de protestos de cidadãos, de importante dimensão, em casos como o encerramento de centros de saúde, do alargamento da zona de contentores no Porto de Lisboa e também contra os abusos da ASAE.


 


 


 


LISBOA - Neste ano Lisboa estragou-se ainda mais como cidade perante um executivo camarário imóvel e apagado, cujas principais notícias foram a submissão a ordens do Governo (no caso do Porto de Lisboa), a falta de projectos, a inexistência de políticas sectoriais, o desaparecimento cada vez mais acentuado do vereador do Urbanismo ou a extraordinária mutação de Sá Fernandes que de arauto do Bloco de Esquerda se passou para escudeiro às ordens de António Costa, uma permanente desilusão enquanto Presidente da Câmara.

 


OUVIR – O novo disco do sexteto de Dave Holland é uma lufada de ar fresco para ajudar a passar estes dias entre o Natal e o Ano Novo. Depois de ter deixado para trás a Dave Holland Big Band, este sexteto evoca na realidade uma pequena orquestra, factor para o qual muito influi a forma como o piano de Mulgrew Miller serve de ponte entre os vários músicos, quase como se fosse quem comanda os arranjos, onde o saxofone de António Hart é incontronável.Seis dos nove temas vêm de discos anteriores de Holland, três são inéditos. O que cativa neste registo é a simplicidade e a elegância da interpretação, uma estilização cada vez mais acentuada nestes últimos tempos da longa e variada carreira do contrabaixista Dave Holland. Um dos grandes discos de jazz do ano. (Pass It On, The Dave Holland Sextet, CD Emarcy/ Universal). 

 


LER – Boa surpresa a edição portuguesa da revista «Foreign Policy» (que pertence ao grupo «Washington Post»), e que se edita de dois em dois meses, indo no seu sétimo número. Confesso que não a conhecia e fiquei cliente. Nesta edição, de Dezembro-Janeiro, temos um belíssimo artigo de João César das Neves sobre a crise financeira e um ranking das 60 cidades mais globais do planeta, apara além de uma série de bons artigos sobre religião,  a Europa ou a Guerra do Iraque. A edição portuguesa é dirigida por José Nunes Pereira e Luís Fonseca.

 


 


 


NOVIDADE – Na Bica do Sapato agora há cozido à portuguesa todos os dias. Quem já provou gosta, destaca a qualidade dos enchidos e das carnes e a vistosa sobriedade dos acompanhamentos. A lista tem mais algumas novidades como um belo pato confitado e uns filetes com legumes, ambos comprovadamente a merecerem elogios. Nas sobremesas prove a finíssima tarte de maçã com gelado de alfarroba, é uma combinação irresistível. Cais da Pedra, Junto a Santa Apolónia, telefone 218810320. 


 


BACK TO BASICS – O Presente é a única coisa que não tem fim – Erwin Schrodinger. 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:32

ABSURDO - Por muito que me esforce não consigo compreender como foi possível que grandes bancos, conceituados analistas, consultores de prestígio e especialistas em avaliações, fossem ludibriados ao longo de anos pelos fundos de Bernard Madoff. A única explicação é uma enorme ingenuidade, uma crença acrítica nas possibilidades de gerar mais valias milagrosas, um desfasamento total da economia e do mundo real, e, sobretudo, uma vida passada no universo das ilusões financeiras, de produtos especulativos e não produtivos, de previsões e não de realidades. Madoff é afinal apenas o retrato do absurdo que nas últimas décadas moveu a economia: especulação, especulação, especulação e produtividade zero.


 


 


 


 


 


MISTERIOSO - Existe um curso do INDEG que me chamou a atenção: «Pós Graduação em Empreendedorismo Cultural e Criativo», feito em colaboração entre essa Universidade e o Ministério da Cultura. Um amigo meu, que esteve na sessão de apresentação do curso aos putativos candidatos disse-me uma coisa extraordinária: num curso desta natureza ainda não se sabe quem constitui o corpo docente precisamente das disciplinas nucleares  de Gestão da Cultura e Gestão de Organizações Culturais. Um dos responsáveis do curso, Luís Martins, afirmou na ocasião que seria o Ministério da Cultura a indicá-los (o que é estranho e pouco tranquilizante), mas não deu mostras de achar o conhecimento desses nomes relevante para a decisão dos candidatos – convenhamos que isto é um mistério. Na apresentação do curso que está na Internet também nada consta – e tão pouco uma linha que seja sobre questões tão cruciais nos dias de hoje como gestão de direitos de autor, negociação de royalties, utilizações multimédia de eventos ou gestão de patrocínios, para só citar algumas áreas que em matéria de empreendedorismo podem fazer alguma diferença. A menos que o curso não seja para empreendedores da área mas sim para candidatos a burocratas… 

 


 


FRÁGIL -  Logo à noite ainda pode assistir ao último concerto que Rodrigo Leão dá no Frágil, Rua da Atalaia 126. Celina da Piedade, Viviena Tupikova, Marco Pereira e Miguel Fernandes acompanham Rodrigo Leão. Enquanto o concerto decorre pode ser vista a exposição «Tacto» de Filipa Sottomayor. Ver e ouvir Rodrigo Leão ao vivo num espaço como aquele é uma raridade a não perder. 

 


 


LER - Gonçalo M. Tavares tem uma abundante (e genericamente interessante) produção literária. Uma das facetas mais curiosas desta produção é a série a que chama «Cadernos» e em que  simula delirantes e irresistíveis conversas com figuras da literatura mundial – Paul Valéry, André Breton, Bertolt Brecht ou Ítalo Calvino, entre outros. Nesta série acabei de me deliciar a ler «O Senhor Breton», uma entrevista imaginária,  muito oportuna dada a circunstância de vivermos numa época completamente surrealista nos mais variados aspectos. A escrita de Gonçalo M. Tavares trabalha as palavras, usa-as com gôzo e manobra-as de forma hábil – na realidade torna-se um prazer lê-lo. O livro tem ainda um atractivo suplementar: os desenhos de Rachel Caiano.. Edição Caminho, 56 páginas. 

 


 


VER - Por estes dias pode valer a pena uma visita à Galeria Antiks onde está desde ontem uma nova exposição de fotografias de  Gundula Friese, incluindo uma remontagem da série «O Segredo» , que inclui 13 obras, apresentadas em conjunto, e ainda uma rara série de pinturas «a quatro mãos» da dupla «Combinatione Arrabbiatica», dos artistas Axel Heil e Uwe Lindau. Ao mesmo tempo estão patentes obras representativas da arte portuguesa nos anos 60 e 70, da cuidada colecção da Galeri Antiks Design (Rua Mouzinho da Silveira 2, frente à Cinemateca Portuguesa). Mais informações em www.antiksdesign.com 

 


 


ESCUTAR - Uma das boas surpresas deste Natal é o primeiro disco de Rui Reininho a solo, um sopro de frescura nas edições portuguesas deste ano. O início de carreiras a solo, nesta fase da vida, de membros de grupos que foram históricos, é sempre um risco, mas a verdade é que Reininho se sai muito bem da expedição. É de bom tom reconhecer que Armando Teixeira, dos Balla, nos comandos da produção musical, foi uma inteligente escolha – e eficaz porque é sem dúvida dos mais versáteis e eficazes músicos contemporâneos portugueses. Reininho assina todas as letras , deliciosas, desde «O Estranho Caso do Amante Preguiçoso», até «Dr. Optimista» e «Yoko Mono», passando por «Turbina & Moça», e sobretudo por um tema que – aposto – vai virar clássico: «Al Fakir». O disco inclui versões (Bem Bom», das Doce e «Faz Parte do Meu Show» do romântico brasileiro Cazuza, e temas inéditos, para além de Armando Teixeira, de Slimmy, Margarida Pinto (Coldfinger), Legendary Tiger Man, New Max, Alexandre Soares e Rodrigo Leão. Melhor leque era quse impossível. E o resultado é, de facto, muito bom. Rui Reininho, «Companhia das Índias», CD Sony Music. 

 


 


PROVAR - Ao longo dos últimos meses tenho visto numerosas referências ao restaurante Bocca, que abriu em Lisboa há uns meses, na Rua Rodrigo da Fonseca nº87-D, no local onde durante anos existiu o Chester. A decoração é completamente nova e muito conseguida, há zona de fumadores e não fumadores, o ambiente e a luz são agradáveis. O aspecto geral é melhor que o resultado culinário, simpático mas sem grande história, um pouco pretencioso demais na apresentação em carta e em prato. Num jantar foram provados uns filetes de peixe galo e um risotto que não ultrapassaram a mediania. A carta de vinhos é curta mas com propostas equilibradas e de boa relação qualidade-preço. Resumo – local simpático mas longe de ser um templo da gastronomia. Tel. 213808383. 

 


 


BACK TO BASICS – A verdade é aquilo que passa o teste da experiência – Albert Einstein. 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:15

UM CLIMA CENSÓRIO

por falcao, em 17.12.08

(Publicado no diário Meia Hora de 16 de Dezembro)




Já se tornou corriqueiro dizer que o actual Governo é o que melhor tem conseguido condicionar a informação, gerir a sua agenda mediática, criar permanentes oportunidades de comunicação. Na realidade este procedimento faz parte dos rudimentos da actividade política contemporânea. Até Sócrates se tornar Primeiro Ministro a coisa também acontecia, embora não de forma sistemática e tão profissional como agora acontece.


A Comunicação do Governo tem duas facetas – uma, natural, que se destina a ocupar espaço, a anunciar medidas positivas, a mostrar obras feitas, a prometer obras futuras – desta encarrega-se normalmente José Sócrates; a outra faceta, arruaceira, de atacar a oposição e evitar que surja informação. está normalmente atribuída a nomes como Santos Silva, Vitalino Canas, Silva Pereira ou António Vitorino.


Acontece que esta segunda faceta, sempre feita mais à bruta e com menos jeito, é a que provoca um efeito de multiplicação no aparelho de Estado, sempre muito pressuroso a seguir os líderes. Na generalidade os efeitos de imitação geralmente manifestam-se sobre a forma de tentar silenciar o que não agrada, muitas vezes de forma fanatizada, na ânsia de agradarem ao Chefe. Na semana que passou tivemos dois exemplos deste formato censório.


O primeiro veio da Administração do Porto de Lisboa, APL, que mandou remover um cartaz de um partido político, no caso o PP, que punha em causa a ampliação do terminal de contentores de Alcântara. A medida, que me parece um abuso de poder, faz-me dizer que, nos actos, neste particular, a APL segue a escola de uma organização de extrema direita, meio nazi, que há uns meses atacou uns cartazes dos Gato Fedorento contra a discriminação racial. O princípio é o mesmo: ataca-se e destrói-se aquilo de que não se gosta.


O outro caso vem da Ministra da Saúde, que teve a lata de dizer a uma jornalista que as perguntas que pretendia fazer não estavam combinadas e que – como a jornalista era da RTP – ainda mais estranho era que tal insubordinação ao arranjinho estabelecido viesse da estação de serviço público. As duas observações – a do arranjinho e a da origem da pergunta - dizem tudo sobre a noção de liberdade de imprensa que a senhora Ministra da Saúde tem.


Estes dois casos levantam muitas preocupações a quem ainda se importa com isto. Política de comunicação não pode ser confundida com política de censura – mas isso é o que infelizmente está a acontecer. O Partido Socialista acha isto bem? 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:00

ORIGEM - Volta e meia os políticos falam dos jornalistas, queixando-se da forma como são tratados e como é tratada a política em Portugal. Eu acho que infelizmente há demasiada parcialidade em muitas redacções, existe uma proliferação de agendas escondidas e objectivos camuflados, mistura-se demais a opinião com a informação e, sobretudo, relata-se mal o que efectivamente aconteceu e imagina-se demais o que poderá acontecer (ou poderia acontecer). No entanto, uma boa parte do ambiente de futurologia política que é a doença infantil da imprensa portuguesa nesta área, tem origem e é fomentado pelos próprios políticos, sempre desejosos de manter boas relações, contarem pormenores internos, às vezes inventarem intrigas, tudo para serem considerados fontes a contactar – uma fonte estável tem um enorme poder de influência e a classe política-partidária está cheio de exemplares destes. 

 


 


RIDÍCULO - Se a opinião que os cidadãos têm dos políticos já não é estimável, então o caso ocorrido na última semana, em que se verificou que o PS estava em minoria e só não foi derrotado no Parlamento por ausência física da oposição, é verdadeiramente escandaloso. Parece – diz-se agora – que é hábito à sexta o plenário estar depauperado; parece que há deputados que picam o ponto mas se evaporam de seguida; parece que na realidade a Assembleia da República tolera o laxismo. O mais ridículo, nos últimos dias, foi ouvir uma ilustre cabeça da política à portuguesa defender que a resolução para a desagradável situação criada poderia ser a de não fazer sessões plenárias à sexta – assim todas as ausências poderiam passar despercebidas. Imaginem que por essas empresas todas se deixava de fazer o que quer que fosse às sextas…  

 


 


ENTUBADO - Barack Obama dirige-se ao país, na qualidade de Presidente eleito, através do You Tube. Ciente de que este período de três meses e tal entre eleição e tomada de posse podia ser devastador, sobretudo no contexto de crise financeira, Obama estabeleceu uma agenda mediática que passa por gerir ele próprio a comunicação através das ferramentas digitais hoje disponibilizadas – assim passa toda a mensagem que quer, sem edição, nem intermediação. Muito interessante de seguir – como será quando estiver sentado na sala oval? 

 


 


AZAR - Tive a pouca sorte de ver «Liberdade 21» um dia destes na RTP. Há muito que não via uma série portuguesa tão má – sobretudo ao nível da realização, casting e guião. Situações inverosímeis, personagens mal definidos, uma confusão de situações – tudo isto torna «Liberdade 21» num sério retrocesso a nível da produção para televisão em Portugal. Não é por acaso que na TVI coisas de tão fraca qualidade não vão para o ar – José Eduardo Moniz e a sua equipa seguem e controlam o guião, o casting e a forma da realização. Os resultados estão à vista: há uma diferença quando uma equipa de produção trabalha para a TVI e quando trabalha para a RTP ou a SIC. Discutir a produção não é apenas discutir orçamentos, é saber ver conteúdos.  

 


 


VER - Em vez de uma exposição sugiro que dediquem um pouco do vosso tempo a ver o mais recente número da revista «Egoísta», inteiramente dedicado à imagem e praticamente sem texto. Produzida na altura em que a Sociedade Estoril-Sol completa 50 anos, a «Egoísta» de Dezembro deste ano surge sob o título «Rostos». A capa, magnífica, com efeito tridimensional, tem uma cara marcada e incontornável do portfolio de Andrea Martinnelli. Destaco ainda os retratos de Augusto Brázio, o trabalho cada vez mais consistente e envolvente de Pedro Cláudio, e ainda os portfolios de José Pedro Santa Bárbara, João Carvalho Pina, Nicolas Guerin e Sandra Rocha, as imagens do Fundo da Cadeia da Relação do Porto e as ilustrações de Rodrigo Saias. Um número de colecção, como sempre com a edição de Patrícia Reis.


 

 


ESCUTAR - A pianista francesa Hélène Grimaud tem vindo a construir uma carreira sólida e este ano foi a escolhida para a noite de encerramento dos concertos Promenade, da BBC. A lenda conta que divide o seu tempo entre o estudo do piano e a criação de lobos, na Suíça, onde vive. Este ano, pela primeira vez, decidiu gravar as suas interpretações de Bach, mas fê-lo da forma mais curiosa: gravou primeiro a versão original escrita por Bach e, de seguida, os arranjos posteriormente feitos por Busoni, Liszt e Rachmaninov para as mesmas obras. Bach versus Bach – como ela chama ao conceito, proporciona novas e interessantes leituras. CD Deutsche Grammophon. 

 


 


PROVAR - Já imaginaram o que é cozinhar uma dourada à Bulhão Pato, como se faz às amêijoas? Parece estranho? Experimentam provar que não se arrependerão. A proposta foi-me feita no restaurante «Mar do Peixe», Aldeia do Meco, na estrada que desce para a praia. A vista do restaurante, mesmo de dentro da sala, é fantástica e o local tem uma coisa muito boa: sendo a maior parte do interior em madeira e os tectos inclinados, mesmo com sala cheia não há demasiado barulho nem aquele ruído incómodo fruto da reverberação do pladur , que infelizmente está por todo o lado. Mas voltemos ao assunto: a dourada é feita com azeite, alho, muitos coentros é claro, e uma pinga de vinho branco - tal como as amêijoas, coze num instante e depois é servida já arranjada, os lombos separados, apuradíssimos. A carne do peixe ganha um sabor fantástico e é uma excelente alternativa aos grelhados do costume. O peixe era fresquíssimo e suculento, acompanhavam umas primorosas batatas fritas às rodelas muito finas e estaladiças. «Mar do Peixe», telefone 212 684 034.  

 


 


BACK TO BASICS – A internet é viciante e acentua os comportamentos – se é um solitário pode estar mais sozinho, se quer conhecer gente torna mais fácil entrar em novos círculos – Esther Dyson. 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:49

O DEFINHAR DE LISBOA

por falcao, em 10.12.08

(Publicado no diário «Meia Hora» de 9 de Dezembro)

 


Um amigo meu, português mas que não vive em Portugal há muitos anos, tem um projecto, visto no seu país de residência, que gostaria de adaptar e trazer para Portugal. Lá fora o caso é um sucesso no centro de uma grande cidade, onde há consumidores que procuram produtos naturais e de qualidade. A conversa surgiu num jantar, com mais amigos, todos eles com alguma experiência.


Quando começámos a analisar a possibilidade de importar o conceito, surgiram logo várias questões prévias. Em primeiro lugar, em Lisboa, a proliferação de centros comerciais e de grandes superfícies dentro da malha urbana tornou qualquer aventura de comércio de rua arriscadíssima.


Depois, no que toca à desertificação, Lisboa é o pior de todos os exemplos. As sucessivas lideranças da autarquia continuam a privilegiar políticas urbanísticas que levam a que cada vez menos gente viva dentro da cidade. Depois, quem vive é castigado por taxas, burocracias, a Emel, várias agremiações oficiais de malfeitores ao serviço do Estado ou da Autarquia que têm por missão perseguir os cidadãos. Viver em Lisboa, no centro de Lisboa, é uma atitude de masoquismo  - ruas fechadas ao fim de semana porque há festas, ou manobras publicitárias de carros ou simplesmente porque alguém na Câmara se lembrou de chatear os moradores e comerciantes – que por acaso são quem pagam os impostos que alimentam a voracidade da autarquia.


A cidade, ao longo dos últimos 20 anos, militantemente criou políticas urbanísticas – que aliás continuam – que atiram os habitantes para os subúrbios, que envelhecem a população residente, que proporcionam o encerramento do comércio de rua e das manufacturas. Lisboa deixou de ser uma cidade para se viver, é apenas um local onde se vai trabalhar. O resultado está à vista: Lisboa definha.


Quem abre estabelecimento comercial nas ruas de Lisboa tem que viver com a falta de estacionamento na maior parte dos locais e arrisca-se a levar em cima com as constantes obras do metropolitano que esventram a cidade anos a anos para além dos prazos estabelecidos (veja-se a pouca vergonha a que o metropolitano e seus empreiteiros sujeitam a Avenida Duque de Ávila).


A ideia do meu amigo é boa. Lisboa é que não tem uma política de acolhimento de boas ideias. 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 18:08

RESUMINDO – O conflito com os professores continua, o Governo salvou mais um banco que até há pouco tempo era elogiadíssimo, José Sá Fernandes está cada vez mais ao colo de António Costa, a concretização das medidas do plano de Durão Barroso para salvar a Europa leva negas de todo o lado, o PS entrou definitivamente em choque com o Presidente da República e o guarda redes do Benfica deixou entrar 30 golos em 21 partidas. São assim os tempos que correm… 

 


 


 


 


 


VENDO – Na revista virtual «Arte Capital» (www.artecapital.net) vale a pena ler o habitual artigo de Augusto M. Seabra, desta vez sobre a actuação do Ministro da Cultura, que acaba assim: « É inteiramente legítimo que José António Pinto Ribeiro aspirasse a ser ministro. Para mal geral, num sector já em tão grave situação financeira, o seu desempenho na Cultura é um mero exercício de mundanidade e vanitas.».


 


OUVINDO - Está encontrado o disco – ou melhor, o par de discos – para esta quadra natalícia: Verve Christmas, Remixed e Unmixed. São dois CD’s, ambos baseados em standards do catálogo de jazz Verve, com alguma ligação ao Natal, de nomes como Nina Simone, Mel Tormé, Ella Fitzgerald ou Jimmy Smith, entre outros – 11 temas ao todo. A versão Unmixed tem as gravações originais. A versão Remixed tem as misturas propostas para os diversos temas por nomes contemporâneos. Por exemplo «’Zat You Santa Claus?» de Louis Armstrong é remisturado por The Heavy; «What Are You Doing New Years Eve?» de Ella Fitzgerald é remisturado por Mangini vs. Palin; «I’ve Got My Love To Keep Me Warm» é trabalhado por Yesking, «What a Wonderful World» de Louis Armstrong por The Orb, «Silent Night» por Dinah Washington com remix das Brazilian Girls e «The Christmas Song» por Mel Tormé, trabalhada por Sonny J, entre outras. Os dois discos são mesmo uma maneira divertida – e variada – para bandas sonoras de natal para todas as coasiões. Sugerem-se as remixes para depois da meia noite e as versões clássicas para os aperitivios da ceia. (CD’s  Verve, Universal Music). 

 


 


VIBRANDO – Onde é que coexistem o apito dourado, Elvis Presley, Doors, David Bowie, as Doce e «Sympathy For The Devil» dos Rolling Stones? Se disser que é num concerto de Rui Reininho acerta em cheio. Na noite de quarta-feira, no palco do Cinema S. Jorge, em Lisboa, ele esteve no seu melhor – algo refinado até – e rodeou-se de uma sonoridade diferente dos tempos do GNR, sob a batuta de Armando «Balla» Teixeira. Até ver aqui está um exemplo de como entrar numa nova fase da carreira sem cair na lamechice. No final do concerto, Helena Coelho, das Doce, mostrou boa forma vocal ao lado de um Reininho entusiasmado, a cantar «Bem Bom». Delirante – mas era isso mesmo que se esperava. O disco estreia de Reininho a solo sai para a semana, chama-se «Companhia das Índias» e tem originais de nomes como Rodrigo Leão, Legendary Tiger Man, Armando Teixeira, J.P. Coimbra (Mesa) e Margarida Pinto (Coldfinger), entre outros. (Parabéns aos organizadores do Super Bock em Stock, a Avenida da Liberdade estava uma festa).


 

 


DIVERTINDO - O jornal mais divertido que se edita em Portugal nos dias de hoje é gratuito, mensal, chama-se «LuxFrágil», é dirigido por Manuel Reis e aborda temas que vão do sexo à música, passando por receitas, horóscopos (de Anamar), textos inéditos para peças de teatro, desvarios vários – destaque para Quim Albergaria  e para Hugo Gonçalves que exploram o complexo campo das relações, da pornografia, da mentira e da atracção. Têm que ler – encontram exemplares disponíveis na Bica do Sapato e no próprio Lux. E, claro, o jornal traz toda a programação da casa – destaque este mês para o encontro de Zé Pedro Moura com João Peste no sábado 20. Para termonar: a capa é a reprodução de uma factura de um santeiro, datada de 1853, relativa a trabalhos de reparação efectuados nas capelas do Bom Jesus de Braga. Imperdível. 

 


 


 


FOLHEANDO - A Magnética Magazine é algo de diferente de tudo o que por cá havia sido feito – é uma publicação mensal, gratuita, de distribuição exclusiva na internet. É uma publicação de lifestyle, mas também de moda e tendências, de consumos e luxos. Pode ser consultada em www.magneticamagazine.com e tem um daqueles curiosos sistemas electrónicos que permite passar páginas como se estivéssemos a folhear uma edição em papel. Em destaque neste primeiro número a voz da cantora Maria João e a música dos Buraka Som Sistema por via de Kalaf, o paladar do chocolate (com um texto de Álvaro de Campos) e muitas e belas páginas sobre design. Parabéns a quem desenhou e editou a revista. É um belo objecto virtual. 

 


 


PIZZANDO - Permanecendo na pesquisa das pizzas, recomendo as da cadeia Capricciosa, hoje em dia com presença em Alcântara, na zona da Expo, em Carcavelos e também na Doca de Santo. Para o caso a experiência foi feita em Alcântara, na Rua João de Oliveira Miguéns nº 48, onde em tempos foi um restaurante cubano. Sala ampla, serviço rápido e simpático, preços razoáveis, bom aquecimento nestes dias fresquinhos. Cada vez que vou a uma destas pizzarias espanto-me como nos últimos anos se avançou tanto na matéria – na confecção das massas, finas, estaladiças, na proposta de ingredientes, nas muitas possibilidades que se abrem. Para além de pizzas a Capricciosa tem massas e saladas e se quiserem uma sobremesa experimentem a cassatta, que é mesmo boa. Telef 213955977.


 

 


BACK TO BASICS - A liberdade significa responsabilidade, é por isso que a maior parte das pessoas a temem – George Bernard Shaw. 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:15

A NOVA REALIDADE

por falcao, em 02.12.08

(Publicado no diário Meia Hora de 2 de Dezembro)

 


Daqui a um mês vai começar o ano de todas as eleições: legislativas, europeias e autárquicas. E vai ser um teste ao plano que José Sócrates vem pacientemente construindo, desde que assumiu o poder no PS, e começou uma persistente e bem sucedida estratégia de se tornar, sozinho, o partido do Bloco Central. Claro que nisto foi ajudado pelas permanentes fracturas do PSD e sobretudo por uma total falta de rumo na direita portuguesa.


De uma forma simples, mas eficaz, o PS adoptou posições liberais, empreendeu reformas (anunciou-as com alarde mesmo que efectivamente não tenha conseguido finalizar muitas delas) e, sobretudo, fez alianças com sectores sociais e económicos (cedo percebeu que na sociedade portuguesa são estas alianças, mais que as partidárias, as que trazem retorno eleitoral futuro e alguma base de apoio no presente). Pelo caminho atacou bandeiras tradicionais da esquerda – por exemplo na área da saúde – mas teve sempre o cuidado de procurar novas bandeiras – na sociedade de informação, nas tecnologias, em programas especiais de formação.


Sócrates atacou grupos profissionais que eram base importante do seu eleitorado – os professores – procurando que o Ministério da Educação se preocupasse mais com os alunos do que com reivindicações sindicais. Não é a primeira vez que na Europa um partido socialista, ou social-democrata , troca os sindicatos que são a sua base natural de apoio, pelos cidadãos utentes dos serviços do Estado – é este caminho que o PS procura percorrer hoje em dia.


Os próximos meses são decisivos para ver até que ponto a estratégia resulta – mas os tempos jogam a  favor de Sócrates: a crise obrigou a Europa a aliviar a pressão sobre os deficits orçamentais, o seu Governo tem alguma margem de manobra para introduzir medidas de apoio social e a aposta nas obras públicas intensivas é sempre útil em termos de votos. Se neste contexto Manuel Alegre decidir romper, acompanhado por alguns históricos, e face à situação do PSD, pode bem acontecer que o PS chegue mais depressa a partido único do Bloco Central do que aquilo que Sócrates alguma vez pensou. Se a estratégia resultar os votos perdiso à esquerda serão compensados pelos ganhos ao centro e à direita. Mais do que o PS, quem corre o risco de extinção prática, neste contexto, é o PSD.  

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:48

O ZÉ - Como já imaginava o vereador Sá Fernandes revela-se de dúbios princípios – o que lhe interessou foi ser eleito, o cumprimento das promessas ficaria para depois. Mal se viu vereador sentou-se ao colo de António Costa e agora não quer de lá sair. O Bloco de Esquerda entretanto já anunciou que, curiosamente, o Zé não faz falta nenhuma – a pequena política é assim – feita de grandes oportunismos que vivem à conta da manipulação dos eleitores. O delito do Zé não é de opinião, como o PS quer fazer crer, é de ética. 

 


 


OS CIFRÕES - Depois da entrevista ao Expresso queixando-se da falta de orçamento, o Ministro da Cultura parece desaparecido. Não se vê, não se sente, não se ouve. Há um ano atrás entrou fulgurante no Ministério a dizer que o dinheiro chegava, tinha que se trabalhar com os meios que existiam. Agora já se queixa – nada como o confronto com a realidade para a prosápia esmorecer. Ultimamente já nem se vê em ocasiões como a inauguração da  exposição da bela colecção de fotografias do BES no CCB. Quem não perde pitada de acontecimentos do género é Manuel Pinho, já considerado o Ministro-Sombra da Cultura.  

 


 


DESCOBRIR - Gostei muito das fotografias de Tatiana Macedo na Rock Gallery, uma das partes do Art Edifício, Rua da Boavista 84, ao Cais do Sodré. Na VPF Cream Art Gallery o brasileiro Tiago Carneiro da Cunha propõe uma interpretação contemporânea das porcelanas italianas do período barroco, a Plataforma Revólver apresenta uma colectiva com enfoque no desenho e seus derivados, e na Rock Gallery está um conjunto de fotografias de Tatiana Macedo sob o título «Boys Need Yoga Too», imagens feitas numa viagem à China no Verão passado e que revelam uma observação atenta para além do registo do óbvio que se tornou numa (nefasta) tendência em parte da fotografia actual. 

 


 


COLECCIONAR - A colecção de fotografia do Banco Espírito Santo reúne um conjunto invulgarmente eclético de imagens fotográficas desde meados do século XX até agora, de autores de diversas nacionalidades. A colecção (pelo menos na mostra agora apresentada), tem uma predominância de autores contemporâneos sobre os nomes mais consagrados da fotografia, o que provoca também desiguais descobertas. A exposição «O Presente: Uma Dimensão Infinita» está patente até 25 de Janeiro no Museu Berardo (CCB) e beneficia de uma montagem muito conseguida da responsabilidade das curadoras da mostra, Maria de Corral  e Lorena Martínez de Corral, que conseguiram mostrar, como elas próprias sublinham,  «o meio através do qual vemos tudo». 

 


 


VER - O filme «Amália», ante-estreado esta semana, vai fazer correr alguma tinta. A opção por uma narrativa – chamemos-lhe tablóide – da vida da fadista não é pacífica, assim como não é pacífica a subalternização da componente artística e criativa em detrimento de uma aproximação baseada nos conflitos (alguns pessoalíssimos e íntimos), traumas e suas origens que percorreram a vida de Amália Rodrigues. O argumento tem fragilidades técnicas (demasiadas referências, demasiados saltos no tempo, demasiadas personagens colocadas ao mesmo nível, dispersão da acção e da narrativa, abuso de momentos de tensão dramática) e a realização sofre, para um filme de longa metragem, da conotação demasiado televisiva do Carlos Coelho da Silva e da sua predilecção por um estilo, digamos, brejeiro, que já vem desde «O Crime do Padre Amaro». Regra geral o desempenho dos actores é escorreito e Sandra Barata Belo consegue uma boa recriação de Amália. É provável que a bilheteira seja boa, mas é certo que a história de Amália Rodrigues merecia melhor tratamento. Destruir a imagem pública de um mito tem o seu preço… 

 

 


LER - A edição de Dezembro da revista «Vanity Fair»é absolutamente extraordinária. Já nem falo da capa e da sessão fotográfica de Kate Winslett, limito-me a chamar a atenção para o melhor artigo que até agora li sobre as origens da actual crise financeira, «Wall Street Lays Another Egg», escrito por um historiador de economia, Niall Ferguson. Outros destaques vão para uma viagem ao interior da Bloomberg, que já é a maior fonte de notícias utilizada em todo o mundo. Ainda no reino dos media, a mesma edição oferece uma viagem ao império de Murdoch e à corrida pela sua sucessão na News Corporation e ainda a história exemplar do que é a persistência de um grande jornal, o «New York Times», numa situação de guerra, no caso o Iraque. Leitura recomendada para os editores cá do burgo. 

 


 


OUVIR – Se gostam de blues não hesitem: o disco que precisam de conhecer é «No Regrets», onde Randy Crawford canta standards, acompanhada pelo grande pianista Joe Sample . Em temas como «Everyday I Have The Blues», «Respect Yourself», «Me, Myself And I», «Starting All Over Again», »Lead Me On» e «Angel In The Morning», entre outros, Crawford e Sample mostram um entendimento perfeito e conseguiram um registo absolutamente exemplar. CD Emmarcy, Universal Music. 

 


 


PIZZAR - A Maritaca é um restaurante acabado de abrir na 24 de Julho, em Lisboa, mesmo ao lado da discoteca Kapital. Na realidade a Mariataca é um bocadinho mais que um restaurante – é daqueles locais a meio caminho entre sala de estar, ponto de encontro de amigos e casa de pasto despretenciosa e contemporânea. Espaço amplo, área para fumadores, enfoque na comida italiana (pizzas, risottos, lasagnas, raviolis), desvio para bifes se necessário. As pizzas são como deve ser – massa muito fina e estaladiça, a preços honestos. Vinho a copo, sem mácula. Serviço simpático, muito bom para resolver um daqueles jantares ou ceias que não se sabe onde podem ser. Encerra aos Domingos, nos outros dias está aberto aos almoços e à noite até às duas. Av 24 de Julho  68F, telef 213939409. 

 


 


BACK TO BASICS – Se os meus filmes fizerem uma pessoa que seja mais infeliz, cumpri o meu trabalho – Woody Allen. 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:46

O CRIME COMPENSA?

por falcao, em 02.12.08

(Publicado no diário Meia Hora de 25 de Novembro)

 


Cresci e tenho vivido a saber que correr riscos pode trazer proveitos mas pode também trazer prejuízos. Tenho corrido a minha dose de riscos e, quer ganhe quer perca, não me tenho arrependido. Mesmo quando se perde, aprende-se sempre qualquer coisa e isso já é bom.


A crise que vai no mercado financeiro, nomeadamente nos bancos, tem-me mostrado uma coisa que me surpreende: há quem corra riscos – riscos grandes – com o dinheiro dos outros e que, para resolver os problemas surgidos por riscos muito mal calculados que resultaram em grande prejuízos, pedem a ajuda do Estado para serem salvos.


A especulação tornou-se na principal actividade de boa parte do sistema financeiro – ou do sistema financeiro moderno, como alguns eufemísticamente lhe preferem chamar. Só que a especulação não é produtiva e quando corre mal suga tudo à sua volta.


A situação que se está a criar nos últimos tempos tem contornos que não consigo compreender. Como é que se está quase a tornar natural que quem se enganou a analisar, que quem geriu mal, que quem abusou dos poderes que tinha, seja no final beneficiado face aos que tiveram sentido de realidade e fizeram trabalho diligente?


Como podemos aceitar que quem especulou e nada criou receba apoios que são negados a quem arriscou, criou postos de trabalho e produziu riqueza à moda antiga: com trabalho e esforço?


Alguma coisa está mal num mundo onde a ética não conta nos balanços, onde a honestidade de processos é um bem descartável, onde o bom senso é um estorvo.


Quando esta crise se atenuar o balanço que vai ser feito não honrará muita gente – mas espero que sirva para no futuro se exigir mais rigor a analistas impreparados que sobrevalorizaram activos, que estimularam negócios exclusivamente especulativos, que não desenvolveram nem produziram nada . E espero que isto obrigue também a rever a forma como as autoridades reguladoras seguem a actividade dos bancos, como analisam os riscos e como encaram actividades exclusivamente especulativas ou métodos de gestão muito pouco transparentes.


O que eu sei é que o fisco é capaz de colocar milhares de cartas no correio atrás de cidadãos com dívidas pequenas, mas que o Estado é tolerante e paciente em excesso em muitas outras situações, bem mais graves. 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 18:45


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2005
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2004
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2003
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D