Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



CULTURA - Não sou dos que embandeira em arco com a gestão de Manuel Maria Carrilho no Ministério da Cultura. Acho que fala bem, escreve melhor, lê muito, pensa razoável, mas o balanço concreto do seu mandato, promessas e fogo de artifício à parte, é, de facto, escasso em obra feita. Mas também reconheço que o texto que colocou a debate no PS sobre política cultural, e que esta semana foi divulgado na imprensa, é uma análise lúcida da realidade e do triste estado a que o seu partido deixou chegar as coisas. Infelizmente bem sei que em matéria de política cultural o PSD é praticamente inexistente, o que somado à forma como o PS de Sócrates tem gerido a área, deixa as maiores reservas para o futuro. Quanto mais não seja o texto de Carrilho é bom, precisamente para que fora do PS se reflicta sobre o que se deve fazer nesta área. 

 


 


DESPORTO – Em Portugal deixou há muito de haver verdade desportiva no futebol e as histórias relatadas de corruptelas com árbitros sucedem-se - alguns a troco de dinheiro, outros de prendas, mais alguns a troco de favores sexuais. A única forma de devolver a moralidade ao jogo é punir os erros, porque se vamos à procura de processos judiciais e de provas acabamos naquilo a que a justiça portuguesa já nos habituou – o crime compensa. A Liga Portuguesa de Futebol tem a responsabilidade de criar um sistema que avalie o que se passa. E deve pensar, como noutras modalidades,  que o recurso ao vídeo-árbitro é melhor forma de evitar as tentações e os enganos e de identificar os erros. A partir daí a Liga só pode encarar a punição dos erros dos árbitros como a única solução para moralizar o espectáculo desportivo.  

 


 


MANIPULAÇÃO - O funcionamento da Entidade Reguladora da Comunicação (ERC) levanta cada vez mais dúvidas – desde a forma como a maioria dos seus membros analisou e eliminou as propostas concorrentes ao quinto canal, passando pelo papel de putativo censor de serviço (como no caso da TVI), quase nada funciona em termos transparentes e isentos. Dotada de um orçamento generoso e excessivo, pago pelas audiências e pelos operadores do sector (excesso que se vê bem nas contas que apresenta), a ERC devia ser escrutinada com rigor e cuidado pelo Parlamento. Mal nascida de raiz, fruto de um acordo politiqueiro, a ERC é o exemplo acabado dos perigos da manipulação política e da ineficácia do Parlamento como órgão de controlo deste tipo de entidades. Na realidade o mais certo seria rever a utilidade da própria ERC tal como ela está. 

 


 


VER – No Museu Berardo, CCB, a exposição dos três finalistas da edição 2008 do BES PHOTO. O prémio tem gerado polémica ao longo dos anos, com um júri atreito mais a modas do que à abordagem da fotografia. Os três finalistas representam opções bem diversas: Luís Palma explora a contemplação, um naturalismo de inspiração pictórica algo óbvio mas muito em voga; Edgar Martins aborda a fotografia pelo lado da manipulação da imagem, com um resultado previsível, muito «arty» e politicamente correcto; e André Gomes surpreende pelo trabalho de concepção de narrativa e pela poética de «O Livro de Ângela», naquela que é, eventualmente, a mais conseguida utilização da fotografia como forma de expressão e criação patente nesta edição do BES Photo. 

 


 


VER II – De entre as exposições em galerias lisboetas destaco a individual de José Pedro Croft na Galeria Filomena Soares (Rua da Manutenção 80, a Xabregas, terça a sábado entre as 10 e as 20 horas). Croft apresenta desenhos, esculturas de chão e esculturas de parece em ferro zincado, colorido.  As esculturas de parede, que são talvez a zona mais interessante da exposição, elas como que partem dos desenhos, formando um círculo de cumplicidades. É verdadeiramente uma mostra de equilíbrio e coerência. 

 


 


LER – Continuo fanático da revista mensal «Monocle», confesso que tenho pena de não ter ouvido a conferência do seu director, Tyler Brulé, quando esteve recentemente em Lisboa, numa visita pouco divulgada. Na edição de Abril da «Monocle», entre muitos outros temas, destaque para uma entrevista com Bernard-Henri Levy, um artigo sobre o maior jornal do mundo, o japonês «Yomiuri Shibun» e uma multidão de pequenas e preciosas notas sobre o que vai acontecendo por esse mundo fora – a «Monocle» nos tempos que correm é acima de tudo um remédio contra a crise: afinal há coisas boas e que funcionam. 

 


 


OUVIR – Molly Johnson é uma cantora canadiana, com uma voz de invulgar sentido rítmico. O seu novo disco, «Lucky» é uma selecção bem escolhida de standards de jazz em interpretações swingantes e cheias de energia. O quarteto que a acompanha está à altura e ajuda a fazer deste disco uma preciosidade. CD Verve/ Universal. 

 


 


PETISCAR – Há cerca de quarto anos o chefe Hardev Walia decidiu mudar-se de Londres para Lisboa e dar a conhecer aos alfacinhas prazeres desconhecidos da cozinha indiana. Mestre na arte de escolher as especiarias e fazer o tempero, chamou ao seu restaurante «Tamarind», um fruto tão exótico e delicioso como as receitas que Hardev Walia prepara. A sala é pequena, colorida e tranquilizante – à noite reservar é prudente. Existe um menu de almoço com quatro escolhas, a bom preço, e, à noite,  independentemente da carta, vale a pena perguntar ao chefe o que ele propõe. Os seus conselhos são de seguir – se acha que um caril de grão é uma coisa estranha, perca o receio e escolha chana masala; mesmo que não seja grande apreciador de borrego não hesite no rogan josh – nunca provou nada assim. O pão Nan de alho é extraordinário, os molhos de entrada são bem condimentados e para sobremesa peça o gelado de pistacchio com doce de cenoura quente ou a mousse de chocolate com queijo e natas, acompanhada de palitos de gengibre – arrebatador. Restaurante Tamarind, Rua da Glória 43-45, tel. 213 466 080. 


 


 


 


BACK TO BASICS – O desporto não serve para criar carácter, apenas para revelar o que existe  - Knute Rockne 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:28

ERA UMA VEZ A BOLA

por falcao, em 25.03.09

(Publicado no diário Meia Hora de 24 de Março)

 


Era uma vez um jogo tão delirante que apenas podia ser contado numa fábula. Puseram-lhe o nome de futebol. Havia quem pensasse que era um desporto – mas na realidade tornou-se  apenas num espectáculo, preparado e ensaiado como todos os espectáculos, com vários finais possíveis, com especialistas em efeitos especiais, com uma multidão de peritos no desenvolvimento do negócio, empenhados em eliminar o acaso.


Era uma vez um desafio de futebol entre duas equipas grandes. No final, quem ganhasse levava uma taça de cerveja bem recheada de notas – e sempre ficava com um prémio de consolação por outras vitórias não conseguidas.


Era uma vez um árbitro que entrou no relvado com a missão de dar a vitória a uma das equipas – a bem dizer esta era uma tradição antiga: volta e meia faziam-se umas combinações para ver como se dividiam os vários troféus entre as principais equipas daquele país. Este ano, uma delas estava necessitada. O árbitro sabia o que esperavam dele. Dias antes do jogo havia já quem dissesse o que ía suceder –  havia uma combinação e o assunto era tema de conversa


Era uma vez um especialista do equilíbrio do negócio da bola que explicou a um observador distraído como as coisas se passam: sabes, para o negócio ser rentável, para haver gente no estádio, para as televisões comprarem jogos, para se vender a publicidade dos principais desafios, é preciso manter as equipas do topo da tabela com bom astral – é bom para os adeptos, é bom para as contas dos clubes e é bom sobretudo para a máquina toda. E disse mais: sabes, isto é uma coisa que envolve muita gente, alimenta muitas famílias, não é uma brincadeira de crianças com uma bola de trapos. Aqui o que interessa – continuou o especialista – é que isto continue a ser um negócio. Como em outros negócios – finalizou peremptório – às vezes temos que perder para depois ganharmos mais.


Regresso à fábula: era uma vez um jogo que estava a dar a vitória a uma equipa, que não estava escolhida para ganhar aquela taça; era uma vez um árbitro que marcou um penalty que nunca existiu; esse penalty tirou a vitória à equipa que tinha marcado o golo limpo. A isto chama-se futebol à portuguesa. Há quem lhe chame também gamanço à antiga. 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:17

 


SILÊNCIO - O MPT, Movimento Partido da Terra, fez o seu VII Congresso no passado dia 14 de Março e escolheu a Madeira como local da reunião. Viram alguma notícia sobre o assunto? A imprensa local, no Arquipélago, cobriu a reunião – na imprensa nacional quase nada saiu. O MPT é um partido que tem dois deputados na Assembleia da República (eleitos nas listas do PSD) e que tem um programa centrado na defesa do equilíbrio ambiental, da defesa da cultura portuguesa e no desenvolvimento da participação cívica. Este silêncio da comunicação do Congresso deste partido é um exemplo dos problemas e deficiências da informação em Portugal, das insuficiências do pluralismo democrático, da indiferença a que órgãos de comunicação submetem a expressão da participação cívica.

 

CURIOSIDADE – A crítica de Mário Soares a José Sócrates, a propósito das posições tomadas pelo Primeiro Ministro sobre a manifestação da CGTP da semana passada é o mais curioso e relevante facto político dos últimos dias. Sócrates fez do PS um partido bipolar.

 

VERGONHA - A visita do Papa Bento XVI a África é um catálogo das razões que levam a igreja católica a caminhar no sentido de se tornar uma seita, da intolerância de que dá provas, da insensibilidade que manifesta em nome de dogmas hoje em dia dificilmente compreensíveis. Mais do que isso a posição do Papa é repulsiva se pensarmos na forma como o Vaticano se recusa sequer a considerar a possibilidades de limitar a proliferação de portadores de HIV , indo até ao ponto de inventar teorias pseudo-científicas sobre a eficácia dos preservativos nesta situação, em contradição com os estudos da Organização Mundial de Saúde.

 

JUSTIÇAS - A sentença de Josef Fritz será pronunciada sexta feira, ao fim de uma semana - esta rapidez de justiça parece mesmo o que se passa por cá...

 

VENEZUELA – Segundo o «El País» Hugo Chavez anunciou, como medida de combate à crise, a criação de uma rêde de restaurantes de baixo preço com o seu próprio nome – Chávez. Isto na mesma semana em que proibiu a exibição da exposição «O Corpo Humano» que esteve em Portugal há uns meses.

 

SINAL DOS TEMPOS – Os grandes placards de publicidade exterior no Times Square, de Nova Iorque, costumavam estar sempre ocupados e com fila de espera – agora há três livres há quase um mês, colocados em conjunto no mercado a 100.000 dolares por mês, e que não encontram anunciante disponível para o investimento.

 

OUVIR – Bugge Wesseltoft é um pianista e compositor norueguês que fundou a Jazzland Records, onde ele próprio edita. Ao longo da sua carreira colaborou com John Scoffield e com Jan Garbarek, entre outros. O seu novo disco, «Playing», distribuído entre nós pela Universal, é um trabalho a solo, em piano, muito envolvente, pessoalíssimo, que explora melodias e que cria uma atmosfera singular, às vezes com ritmos inesperados como em «Hands»

 

LER – Edgar Allen Poe costuma ser conhecido como um dos grandes autores da literatura fantástica, mas esta percepção tem prejudicado que ele seja reconhecido como um grande poeta. A «Tinta da China», que se tem distinguido pelo cuidado que coloca nas suas edições, lançou numa edição da obra poética de Põe, em capa dura, por ocasião do seu bicentenário do nascimento. A tradução (boa), as notas e a introdução são de Margarida Vale de Gato e as ilustrações, magníficas, algumas perturbantes, são de Filipe Abranches.

 

DESCOBRIR – A edição espanhola da revista «Vanity Fair» é o exemplo de um formato internacional bem adaptado à realidade local. Na capa do mês de Abril Penélope Cruz e Pedro Almodôvar falam deles próprios e da relação que desenvolveram ao longo dos anos.

 

COMPRAR - Duas sugestões para compras em Lisboa: produtos bem portugueses na Mercearia da Atalaia, na Rua da Atalaia. Desde as soberbas águas de colónia Lavanda, da Ach Brito, até doces regionais ou conservas, aqui pode encontrar um vasto leque de oferta. Se quer coisas mais exóticas rume à Rua da Palma 220, e no Supermercado Chen poderá encontrar muitos produtos chineses e orientais, desde chá verde até grãos de sésamo ou uns deliciosos e picantes rebuçados de gengibre.

 

PETISCAR – Hoje falo de um local que é mais que um restaurante, é um paraíso de petiscos. Fica perto de Palmela, na Quinta do Anjo, foi fundado no final dos anos 50 e responde pelo nome de «Alcanena». Pode funcionar como restaurante com lista ( e aí pode pedir a massada de peixe, genial) ou então num buffet de especialidades. Para além de uma mesa de enchidos com várias preciosidades, pode começar com várias saladas (com mexilhões ou gambas ou moelas) todas muito bem temperadas e ainda uns torresmos deliciosos. A seguir, destaque para pratos como sopa de cação, migas de bacalhau ou empadão de perdiz – um total de vinte petiscos diversos. A rematar uma tábua de queijos ( que inclui doce de abóbora e marmelada caseira), com destaque para o requeijão e ainda uma mesa de doces e de frutas onde existe uma fantástica torta de laranja. Aconselha-se a marcação ao fim de semana. Rua Venâncio Costa Lima 99, Quinta do Anjo, Palmela, 212870150.

 

BACK TO BASICS – Os jornais não deviam ter amigos – Joseph Pulitzer

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:48

O FUTURO DA RTP

por falcao, em 17.03.09

(Publicado no Meia Hora de 17 de Março)


 


Num mundo ideal o serviço público de televisão não seria preciso para nada – mas como estamos longe de viver num mundo ideal, a razão de ser para que exista um serviço público de televisão tem a ver com a garantia de que os espectadores possam ter, gratuitamente, acesso a programações que dificilmente surgem num operador privado – por razões que têm a ver com interesses comerciais normais.

O serviço público ideal não deveria ter publicidade – como acontece na rádio – exactamente porque a existência de uma exploração comercial num canal de televisão pressupõe a valorização e a conquista de audiências para que o espaço publicitário vendido atinja valores de mercado relevantes. Parece óbvio que não é esta a missão de um serviço público.

O serviço público ideal deveria ser imparcial, promover uma informação de qualidade, estimular reportagens, documentários, produção de ficção, gravação de espectáculos. E devia fazer isso integrado numa estratégia de valorização audiovisual da nossa língua e da nossa cultura, apoiando o desenvolvimento e a sustentabilidade da produção independente.

O serviço público não deveria ter canais competitivos com canais comerciais privados, devia ser comedido no desenvolvimento da sua capacidade de produção instalada preferindo fomentar a indústria audiovisual em Portugal, devia ser pioneiro em tecnologias de distribuição gratuita, devia ter uma forte atenção a questões locais e regionais e devia ser um auxiliar da imagem externa do país.

Dito isto, não percebo porque é que existe um canal RTP N, não percebo porque existe a RTP Memória, não percebo porque é que existem dois canais internacionais, ambos fracos. E não percebo porque querem criar mais dois canais, um infantil e outro dedicado ao conhecimento. Uma programação coerente de serviço público organiza-se muito bem em dois canais abertos nacionais, nos dois regionais dos Açores e Madeira e em apenas mais um internacional, garantindo, de melhor forma, toda essa diversidade de conteúdos e evitando um desperdício de recursos inconsequente.

Não pensem que isto é delírio: há numerosos exemplos semelhantes por esse Mundo, de serviços públicos de televisão que seguem este modelo. Com sucesso, qualidade, respeito pelos públicos e um impacto positivo no desenvolvimento da indústria audiovisual local. Relegar informação, arquivos, documentários e programação infantil para canais sectoriais é abdicar de parte importante dos deveres de um serviço público de televisão universal e gratuito. Pode dar jeito à propaganda, mas é mau para todos nós.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:12

PARLAMENTO - Uma das mais evidentes provas do desprezo do regime pelos cidadãos é a forma como a Assembleia da República empata a nomeação do novo Provedor de Justiça. O Provedor cessante, Nascimento Rodrigues, interpelou a Assembleia sobre o assunto. Fazendo o favor ao Governo e aos partidos da oposição (que não acham isto prioritário), os deputados continuam a paralisar uma instituição fundamental para garantir os direitos dos cidadãos e prevenir os abusos do Estado. O respeito pelos eleitores, senhores deputados, não é coisa de que se devam lembrar só em vésperas de eleições. 

 


LISBOA I - A maior demonstração de que alguma coisa vai mal em Lisboa no que toca a segurança é a polémica entre o Presidente de Câmara António Costa, do PS, e o Ministro da Administração Interna, Rui Pereira, também do PS. Já se percebeu que ambos atribuem culpas um ao outro, que a polícia atribui culpas aos dois e a realidade mostra que a cidade está mais insegura. Mais um dado a ter em conta nas próximas eleições. 

 


LISBOA II - Um estudo recente, sobre as razões para a desertificação de Lisboa, divulgado na imprensa, afirmava que a maioria dos inquiridos considera que Lisboa tem muitos espaços degradados, tem poucos espaços verdes e tem deficiente qualidade de vida. A coisa vai sempre dar ao mesmo: os habitantes de Lisboa-cidade têm custos maiores para terem menores vantagens e são sempre os mais sacrificados nos incómodos provocados pelas obras, pelos encerramentos ao trânsito, por mil e uma razões provocadas por quem usa a cidade sem se preocupar com os seus habitantes. 

 


OBRAS - Nos últimos dias surgiram duas polémicas interessantes sobre o plano de grandes obras públicas. Uma defende que obras de manutenção e recuperação absorvem mais mão de obra (e mais qualificada) que a construção de estradas, TGV’s ou grandes edifícios; a outra vai ainda mais longe e diz que num cenário em que cresce o desemprego qualificado, concentrar o investimento em áreas que não absorvem mão de obra qualificada é o mesmo que despromover a educação e desincentivar o aperfeiçoamento profissional. Sócrates, que tanto fala de qualificação, ainda não se pronunciou sobre isto – aliás evita pronunciar-se sobre qualquer coisa que tenha a ver com estratégia de futuro. 

 


PROVEDOR DO AMBIENTE - Cada vez que passo à noite no Marquês do Pombal e olho para o edifício da EDP todo iluminado recordo-me logo das campanhas ecologistas da empresa. É certo que a conta de electricidade lhes fica em conta, mas sempre podiam dar o exemplo no combate a consumos supérfluos. 

 


CITAÇÃO - «Alguém dá pela existência de um director do actual Instituto dos Museus e da Conservação? Alguém sabe quem é? As sucessivas tropelias da tutela são-lhe alheias ou desconhecidas? Mantem-se em silêncio como uma forma subtil (?) de manifestar discordância ou distância? Não seria imperioso que o responsável técnico e político (o lugar é de confiança) estivesse presente e também activo quando se discutem os Coches, a  Arqueologia, a Arte Popular, a Cordoaria (que é um monumento, mesmo sem ter a sua tutela directa), etc? Pode dispensar-se a competência quando estão em causa decisões de longo alcance, irreversíveis mesmo?» - Alexandre Pomar no seu blog. 

 


FILMES - Esta semana quis ir experimentar o reconstruído cinema Alvalade e apanhei uma desilusão. O espaço é tacanho, o edifício é feio, o cheiro a caramelo e a pipocas no ar entranha-se nos cabelos e tira qualquer prazer a estar na esplanada de entrada e a única coisa que correu bem foi a senhora da bilheteira avisar que a cópia do filme que queria ver - «Milk» - estava riscada. Poupou-me ao sacrifício e fui para outro cinema ver esta extraordinária realização de Gus Van Sant e a interpretação exemplar de Sean Penn, infelizmente em exibição já em poucas salas. 

 


LER – A mais recente edição da revista «Vanity Fair» é tanto para ser lida como para ser vista. Trata-se da célebre edição anual da revista dedicada a Hollywood e que é publicada por ocasião da atribuição dos Óscares. Este ano na capa um actor muito especial de uma outra fita – a política: na capa Barack Obama, lá dentro as estrelas do cinema, todas fotografadas por Annie Leibovitz. E – boa surpresa nos tempos que correm – a «Vanity Fair» de Março vem com muitas páginas de publicidade. Atractivo suplementar: retratos das novas caras do poder dentro da Casa Branca. 

 


OUVIR- Duas reedições do catálogo «Verve», na muito apreciada série «Originals». Dois discos de orquestras de jazz, ambos fascinantes, muito diferentes entre si. Um é de 1962, «On My Way & Shoutin’ Again!» da orquestra de Count Basie , interpretando música de Neal Hefti. O outro é o encontro de Óscar Peterson com a orquestra de Nelson Riddle, em 1963, interpretando clássicos como «Round Midnight» ou «Come Sunday».  

 


DESTAQUE – Mais uma edição da Moda Lisboa, sob a batuta de Eduarda Abbondanza. 

 


COMIDA – Receitas portuguesas, quase caseiras, boa qualidade de matéria prima, cuidado e atenção no serviço. Que se pode pedir mais de um restaurante. Eu comi umas finas postas de pregado bem fritas, acompanhadas de açorda e fiquei fã. Vinhos a preços razoáveis. Cave Real, bar-restaurante, Av. 5 de Outubro 13-15 ((ao pé da maternidade Alfredo da Costa), tel. 213 544 065. 

 


BACK TO BASICS (maior que o costume) – Quem é o «Governo»? – basicamente, sabem, somos nós todos: o Governo gasta o seu dinheiro a fornecer serviços ao público. Pedir que o Governo aperte o seu cinto é o mesmo que pedir-nos, a nós pagadores de impostos, que aceitemos receber menos serviços por aquilo que pagamos. Porque é que isto é uma boa medida ou uma boa causa, mesmo em tempos de crise como estes? – Paul Krugman em «A Consciência de Um Liberal» 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:02

LISBOA E O RIO

por falcao, em 10.03.09

 


(Publicado no diário Meia Hora de dia 10 de Março)

 

Poucas cidades têm a sorte de estarem num estuário como o do rio Tejo. Lisboa é uma cidade privilegiada pela localização, privilegiada pelo clima, privilegiada pela luz, privilegiada pelos sinais que a História foi deixando ao longo dos Séculos.

A zona ribeirinha de Lisboa merece especial cuidado, porque é o melhor que a cidade tem, é o seu bem mais precioso e é muito disputado. Qualquer espaço que surja é pretendido: a polémica sobre a ampliação do terminal de contentores de Alcântara é um exemplo disso. A discussão, que se adivinha começar sobre o futuro a dar ao espaço do antigo Museu de Arte Popular, em Belém, é outro sinal disso. Uma coisa é certa: não é normal que se tenha recuperado a zona ribeirinha da área oriental de Lisboa (na Expo) e que agora se comece a querer estragar a zona ocidental.

Por estes dias soube-se o crescimento que o tráfego de cruzeiros turísticos tem tido em Lisboa. Este aumento traduz-se em milhares de visitantes que vistam museus e equipamentos, que consomem nas lojas da cidade, que têm um efeito positivo na economia. A posição das cidades escolhidas como ponto de paragem de cruzeiros é sempre frágil – e a competição é enorme.

Antes de se avançar para a ampliação do terminal de contentores devia estudar-se se a vocação do Porto de Lisboa é ser um porto de carga ou um porto de turismo – as duas coisas não coexistem bem e a história das cidades portuárias tem muito exemplos disso mesmo. E qualquer nova construção deve ser bem avaliada.

Com todo o devido respeito esta decisão, estratégica, não pode pertencer nem à Administração do Porto de Lisboa (cuja história é uma sucessão de atentados à cidade…), nem à empresa concessionária que quer fazer vingar a sua pretensão à revelia inclusivamente de regras de concessão de zonas públicas. A cidade de Lisboa – a sua autarquia, os seus órgãos próprios, têm que ter uma posição e explicá-la publicamente: como querem que seja no futuro a zona ribeirinha de Lisboa? A sociedade criada há poucos anos para resolver esta questão reflectiu pouco, envolveu-se cedo em querelas que levaram à saída voluntária, ainda não cabalmente explicada, do seu responsável (José Miguel Júdice) e regra geral prima pela ausência de estudos ou actividade palpável para além da obediência cega às ordens da tutela. A maior riqueza de Lisboa não pode ser desbaratada ao sabor de favores de circunstância do Governo do momento.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:31

 


UNANIMISMO - Pronto. José Sócrates fez o Congresso do PS como quis. Não teve oposição. No seu partido já conseguiu o que quer para Portugal - é muito educativo olhar para o que ele fez no PS para entender o que acha ser o seu modelo ideal de funcionamento para o país – unanimismo, oposição calada, rivais afastados. Quatro anos a polir a imagem e a manobrar a comunicação deram nisto: um partido, uma voz, uma imagem, um homem.

 

TENSÃO – A crispação entre o Governo e a Presidência vai ter tendência a subir e não me admiro se a máquina de contra-informação do Governo começar a fazer das suas depois de Cavaco Silva se recusar a fazer as eleições legislativas em conjunto com as europeias e, sobretudo, depois de vetar a lei de restrição da actividade da comunicação que o PS pretende impôr, conhecida por «Lei do Pluralismo e não concentração dos meios de comunicação social», fruto das ambições de Augusto Santos Silva.

 

DÚVIDA – Ao lado de Manuela Ferreira Leite não haverá ninguém que a impeça de dar sucessivos argumentos ao PS, como foi o caso da desastrada declaração sobre o Congresso do PS? É que foi essa declaração que deu a Sócrates o pretexto para a transformar no bombo da festa.

 

LER – A «Monocle» é cada vez mais a revista das cidades, com o mundo dividido pelas grandes urbes e não por países. Nesta nova edição de Março o destaque vai para o que há a descobrir em Berlim (com um belo guia de compras na cidade),o mercado de arte na Europa, locais para descobrir o que de melhor há para comer no Cairo e para a história do artista plástico Oscar Bronner que fundou o jornal «Der Standard» porque não encontrava nada decente para ler em Viena. Para reter fica a indicação de que a música nova que vale a pena ouvir está no programa «Morning Becomes Eclectic» de uma estação de Los Angeles que faz reganhar o gosto pela rádio – a boa novidade é que pode ser ouvida on line em www.kcrw.com (o arquivo de emissões recentes do programa indicado está disponível e indicado no site).

 

RECORDAR - Não resisto a referir a extraordinária conferência que Kjell Nordstrom proferiu na semana passada em Lisboa, por iniciativa da empresa de consultoria Strategos e deste «Jornal de Negócios». A sua intervenção foi focada nas tendências económicas e sociais e permito-me destacar o que ele apontou como uma tendência irreversível, a urbanização das sociedades, que levará as cidades a tornarem-se no principal pólo de actividade. Segundo Nordstrom, no mundo inteiro, em 2020, 75% da população viverá em cidades e em 2040 a percentagem atingirá os 90%. As consequências disto na forma de viver, de produzir e de consumir serão gigantescas – os países, defendeu o conferencista, terão tendência serem subalternizados em relação às cidades – por exemplo fará sentido falar de Lisboa, Porto, Madrid, Barcelona, Valência e Bilbao e não em Portugal ou Espanha. Dá que pensar…

 

OUVIR – A prova que Nina Simone era um caso raro de talento e de genialidade na interpretação vocal está num registo ao vivo, que a magnífica colecção «Verve Originals» agora disponibilizou. Gravado em 1987 no Vine Street Bar, em Hollywood, com Nina Simone ao piano e voz, Arthur Adams na guitarra e no baixo e Cornell McFadden na bateria, o disco inclui belíssimas versões de temas como «My Baby Just Cares For Me», «Just Like A Woman», «Stars», «Let It Be Me» ou «Sugar In My Bowl». CD Universal, disponível no mercado português.

 

COMER - Na Rua do Sacramento a Alcântara nº74 (perto do primitivo Hospital da CUF e do Ministério dos Negócios Estrangeiros) fica a Casa Toscano – Churrasqueira do Sacramento, um daqueles pequenos restaurantes, antigas casas de pasto ou mesmo tabernas, que com o andar dos anos se foram reconvertendo. Pois o local apresenta como especialidade o peixe muito bem grelhado na original brasa de carvão. A oferta diária de peixe fresco é vasta, a matéria prima é muito boa, e na sua época as sardinhas batem a concorrência de muitos outros locais. Para os apreciadores há uma raridade – cabeça de garoupa na brasa, em vez de cozida. As iscas da casa são famosas assim como a genuína «Dobrada à Porto» ou as caras de bacalhau. A casa vive de algum dialecto local – uma mesa para trinta é uma mesa para três pessoas, um viagra é um frasco de picante, meia perdiz é meio whisky, um mantorras é um peixe grelhado bem tostado no carvão e um alentejano é um queijinho de Évora. A casa está muitas vezes cheia mas a espera nunca é demorada. E a experiência vale a pena.

 

GOLPADA - Woody Allen está no meio de uma nova fase da sua carreira que se resume a isto: só faz filmes quando há Films Commissions a pagar. Depois de ter explorado o filão londrino, virou-se para Espanha com «Vicky, Cristina, Barcelona» e fez um postal ilustrado da capital catalã que é apenas salvo da vulgaridade pela presença fulgurante de Penélope Cruz, que faz Scarlett Johansson parecer uma anémica actriz amadora. Agora já se sabe que Allen vai filmar a Paris. Por este andar ainda cá chega… se entretanto alguém criar uma Film Commission que anda na calha pelo menos há quase 20 anos.

 

DEVORAR – Segunda-feira que vem é inaugurada no Museu Berardo (CCB) uma exposição fundamental para  todos os que se interessam por fotografia. Intitulada «Arquivo Universal – O documento e a utopia fotográfica» aborda a missão e a história da fotografia, a sua existência enquanto documento, testemunho e representação histórica, através de 1000 imagens de 250 autores diferentes. A exposição foi organizada pelo Museu de Arte Contemporânea de Barcelona.

 

BACK TO BASICS – Nada é mais difícil do que a arte de manobrar para alcançar uma posição de vantagem – Sun-Tzu.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:29

TOTALITARISMO ABSOLUTO

por falcao, em 06.03.09

(Publicado no diário Meia Hora de dia 3 de Março)


 

Muito bem produzido, visualmente muito atraente, mas frustrante de conteúdo - o Congresso do PS deste fim de semana foi monótono, bastante vazio de discussão, sem oposição interna à vista, com o progressivo desaparecimento - presencial ou dos órgãos dirigentes - de figuras como Manuel Alegre, João Cravinho ou Jorge Coelho. O núcleo duro de José Sócrates reforçou-se, tudo foi pensado e cenografado para apenas Sócrates brilhar no seu papel duplo de Dr. Jekyll e Mr. Hyde: no Partido Socialista ele é a figura séria, assumidamente de esquerda e preocupada de Dr. Jekyll, no Governo é um tecnocrata implacável, que não olha a meios para atingir fins e deita a ideologia ás urtigas, tal Mr. Hyde. Se não fosse este estranho caso de dupla personalidade o congresso teria sido um enorme bocejo, ou, como ouvi dizer, se alguém transformasse a fórmula do congresso em medicamento o Xanax iria ter concorrência séria.

A única semelhança entre o filósofo Sócrates e o nosso político Sócrates reside na partilha, por ambos, da convicção de que teriam sido incumbidos pelos deuses de uma missão especial. Neste Congresso percebeu-se, de forma particularmente clara, que José Sócrates está convicto de que é um defensor do Bem contra o Mal. O Bem é obviamente personificado por ele, pelo PS e pelo seu Governo – tudo o que fazem está certo; o Mal está nos que os criticam, nos partidos da oposição, nos comentadores que não os compreendem, nos jornalistas que não vergam à propaganda e são acusados praticamente de traidores.

Este foi o Congresso da diabolização, um momento totalitário em que o resumo do conteúdo, de tudo o que se passou, é este: quem não está connosco é nosso inimigo, por isso temos que ter a maioria absoluta para derrotar todos os que não pensam como nós e impôr o que queremos fazer.

No discurso inicial do Congresso, José Sócrates invocou a defesa da decência democrática como a sua razão de lutar, recordou as célebres campanhas negras, as forças ocultas e nomeou órgãos de comunicação que não lhe agradam e que considera inimigos – qualquer outro político, em qualquer país democrático, teria que se explicar muito bem sobre estas palavras. Mas em vez de explicar o que pretende fazer, no discurso final, Sócrates apelou ao totalitarismo da maioria absoluta que tornou na sua causa de vida – não diz o que quer fazer, nem como quer fazer o que pretende, centrou tudo no poder absoluto que só uma maioria absoluta lhe pode conferir. Será para ter um argumento que lhe permita sair de cena se ela não fôr alcançada?

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:41







ESTADO DA NAÇÃO - A situação política está a ficar parecida com a situação das instituições financeiras: muito volátil. A grande dúvida está em saber se o órgão de supervisão – que no caso da política é o Presidente da República – consegue fazer melhor o seu trabalho que o Banco de Portugal tem feito na sua área. De entre os rumores que circulam na política lusitana, eis alguns: Belém estuda um cenário de um governo de iniciativa presidencial para o caso de Sócrates se demitir querendo forçar alteração de calendário eleitoral; o PS procura levar António Vitorino a aceitar ser candidato a Primeiro Ministro, mantendo-se José Sócrates como Secretário-Geral; no PSD, com o temor de um péssimo resultado (abaixo dos 30%) de Manuela Ferreira Leite nas eleições para o Parlamento Europeu, há quem queira empurrar Rui Rio para liderar a campanha das legislativas. De qualquer forma o ano promete vir a ser fértil em situações inesperadas- os constitucionalistas vão ter muito que fazer este ano.


 


ABUSOS DE AUTORIDADE - Na semana passada dois incidentes, um com o poder judicial e outro com a polícia, envolveram tentativas de condicionamento da liberdade de expressão em nome de conceitos de um puritanismo fundamentalista, que rapidamente passaram para abusos de poder. Deixemos de lado o primeiro caso, ridículo, de uma ordem judicial de retirar fotos de corpos nus de um ecrã satirizando o computador «Magalhães» num corso carnavalesco.  O segundo, protagonizado pela PSP de Braga, sendo do mesmo género irracional, é mais grave. Neste caso de Braga é fundamental saber quem, na PSP local, deu a ordem de apreensão de um livro que reproduzia na capa um quadro clássico  de Gustave Courbet «A Origem do Mundo», que reproduz o corpo nu de uma mulher. O grave da intervenção policial em Braga é a sua arbitrariedade total, baseada apenas na vontade de quem deu a ordem e de quem a executou, sem nenhuma cobertura legal para a acção. Teria sido muito útil ouvir alguma posição do Ministro da Administração Interna sobre o assunto – é que na ausência de posição fico a pensar se ele não entenderá ser legítimo que a PSP assim actue. Neste caso o Ministro tem o dever cívico e político de inquirir, apresentar culpados e atribuir punições – sob pena de legitimar arbitrariedades futuras. Na realidade não se entende que anda este Ministro a fazer para defender os direitos e garantias dos cidadãos – o que é uma das suas funções.


 


PERGUNTA DA SEMANA - A PSP tem livro de reclamações? Onde é que ele está?


 


OUVIR – Eu gosto de discos gravados ao vivo e, nomeadamente, de jazz gravado ao vivo. Dito isto esclareço que gosto bastante de Stan Getz e que aprecio formações clássicas – e nada de mais clássico que um quarteto (enfim, um trio nalguns casos pode ser uma boa ideia…). Bom, o caso é que o saxofonista Stan Getz deu de caras com três músicos de excepção num clube parisiense no Verão de 1970 (Eddy Louise no órgão, René Thomas na guitarra e Bernard Lubat na bateria) e não descansou enquanto não conseguiu juntar todos. O registo desse encontro, gravado no histórico clube Ronni Scott’s em Londres, em Março de 1971, pode ser ouvido em «Dynasty», um disco marcante na carreira de Getz, agora reeditado remasterizado na colecção «Originals» da Verve. É um duplo CD absolutamente de excepção, que combina o lado melodioso de Getz com improvisações enérgicas apenas possíveis num registo ao vivo. Imperdível – a reedição de «Dynasty» está já disponível no mercado nacional.


 


LER - Há relativamente poucos anos dei comigo a descobrir o universo da banda desenhada japonesa, a Manga, e o seu equivalente em filmes de animação,  Anime. A Manga baseia-se na tradição do desenho oriental, assume pouco diálogo, bastante acção ilustrada graficamente. Como as melhores coisas da vida tem o seu culto, tem autores de referência, criou uma espécie de universo paralelo que o ocidente foi descobrindo aos poucos. A revista «Monocle», de que aqui falo com frequência, inclui desde o seu primeiro número um pequeno fascículo de Manga, que pode ter contribuído para este género ganhar algum reconhecimento acrescido. A Manga é o produto pop por excelência do Japão e é assim que merece ser entendido. Peter Carey, um escritor australiano que vive nos Estados Unidos e que ganhou duas vezes o prestigiado Booker Prize, fez uma espécie de reportagem sobre a descoberta da cultura japonesa contemporânea e chamou-lhe «O Japão É Um Lugar Estranho» (feliz tradução do original «Wrong About Japan»). A forma da escrita é notável, a descrição das experiências e vivências de um ocidental no Japão moderno é absolutamente empolgante. Resta dizer que o livro foi editado em Portugal pela «Tinta da China», uma editora cuidadosa com as obras que publica, e está numa belíssima colecção sobre viagens muito bem dirigida por Carlos Vaz Marques.


 


VISITAR – A Livraria Sá da Costa, em pleno Chiado, está aberta até tarde e merece muito mais uma visita que a incaracterística, desarrumada e caótica FNAC, cada vez menos interessante, cada vez mais supermercado. A Sá da Costa, pelo contrário,  respira história, tem belas reedições de clássicos, empregados que sabem de livros, que gostam de livros, é um local que se pode ir descobrindo, com prateleiras que dá gosto explorar, com bancadas onde está praticamente a História da Literatura. Fica no Cjiado, mesmo ao lado de «A Brasileira», mais precisamente no número 100 da Rua Garrett. Óptimo local para  fazer horas para um jantar e descobrir preciosidades.


 


VER – Fotos de Victor Palla, em impressões originais, na Galeria P4 Photography, Rua dos Navegantes 16, à Lapa, Lisboa.


 


BACK TO BASICS – Nenhum Governo se pode sentir seguro se não tiver uma oposição competente, Benjamin Disraeli.


 


Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:06


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2005
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2004
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2003
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D