Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



BOTOX – O PS está a fazer uma operação de recuperação estética acelerada. Primeiro Sócrates reaproxima-se de Alegre, depois decide-se a ouvir vozes divergentes, por fim admite que a maioria absoluta deixou de ser um objectivo. Preparam-se os tempos do diálogo e a nomeação de João Tiago Silveira, uma das poucas vozes sensatas do Governo, é um sinal de que a pesporrência de Vitalino Canas e a arrogância de Santos Silva estão provisoriamente guardadas debaixo do tapete. Contra ele João Silveira tem o facto de estar no Ministério da Justiça, um dos sectores onde o Governo quase nada fez, ainda por cima sendo a Justiça uma das zonas mais degradadas, ineficazes e profundamente injustas da sociedade portuguesa. Mas no meio deste face-lift acelerado fica um gato escondido com o rabo de fora – ao nomear António Vitorino para coordenador do programa eleitoral, espera-se agora que haja o bom senso de a RTP o despedir de comentador, de tão envolvido que está na principal peça que vai modular a propaganda do próximo ciclo eleitoral. Os sorrisos agora beatíficos de José Sócrates são produto de uma pesada derrota eleitoral – e nestas coisas da política, como dos tratamentos estéticos, é bom não esquecer que o botox tem duração limitada e que quando o seu efeito desaparece os defeitos ainda se acentuam mais. 

 


 


TGV – Perder o foco num debate é o pior que pode haver e na questão do TGV convém separar o essencial do acessório. O essencial é garantir que Portugal não fique isolado da rede europeia, que Lisboa fique ligada a outras capitais por uma linha de alta velocidade, nomeadamente a Madrid e a Paris e, daí, a várias outras. É uma obra cara e de retorno difícil – pois é, mas é estratégica e deve avançar. É um investimento público importante para garantir que a fronteira terrestre do país não se transforme num muro. Já outra coisa são as negociatas de política local ou de empreiteiros habilidosos que querem fazer ramais de TGV com paragens de 100 em 100 quilómetros, muitas pontes, viadutos e túneis. Estas são desnecessárias, completamente inúteis e não há razão para que as ligações Lisboa-Porto ou ao novo Aeroporto não sejam feitas por outros sistemas ferroviários rápidos modernos, mais adequados às distâncias entre cada paragem.  

 


 


VER – Maria Beatriz faz parte da geração de artistas portugueses que no final da década de 60 optou por trabalhar no estrangeiro. Uns voltaram após 1974, outros foram ficando nos países que escolheram – ela escolheu a Holanda e desde então tem vivido em Amesterdão. Em Portugal tem exposto com periodicidade irregular e esta semana abriu na Galeria Ratton uma exposição de obras inéditas, «Oisive Jeunesse, à tout asservie», uma citação de Rimbaud que dá o nome a esta série cuja preparação começou em 2007 e que integra desenhos, pinturas e azulejos, todas em torno do corpo feminino. Para além da galeria, o site da artista também merece uma visita: www.mariabeatriz.nl . A Ratton fica na Rua da Academia das Ciências 2C, junto à rua do Século. 

 


 


IR – Se têm seguido a polémica sobre a destruição do Museu de Arte Popular talvez achem interessante a proposta de uma «visita guiada» ao museu encerrado, que sob o título «O Museu Essencial E Incómodo» junta sábado dia 20, Raquel Henriques da Silva, João Leal, Rui Afonso Santos, Vera Marques Alves e Alexandre Pomar, no edifício do Museu, em Belém, pelas 16h00. 

 


 


CELEBRAR – A Bica do Sapato faz dez anos por estes dias, dos quais os primeiros foram de afirmação e resistência (no início a vida foi difícil) e estes últimos de consolidação. A Bica é daqueles restaurantes que oferecem mais que a comida (boa, óptima, diga-se): a decoração do espaço, a localização junto ao rio, a qualidade da garrafeira e das sugestões de vinhos do Chefe de Sala, o ambiente – tudo torna o local num espaço especial, que resiste a modas, simultaneamente íntimo e acolhedor para os frequentadores habituais e inusitado e excitante para quem lá vai pela primeira vez. Quanto à cozinha a inspiração é a gastronomia portuguesa, com uma interpretação contemporânea - dez anos na vida de um restaurante assim, sempre mantendo a qualidade, é uma data que merece aplauso – e é do melhor que Lisboa tem a oferecer a quem visita a cidade. Telefone 218 810 320, Av. Infante D. Henrique, Armazém B, Cais da Pedra, a Santa Apolónia. 

 


 


OUVIR -  «White Works», o novo disco do pianista de jazz João Paulo, é baseado em composições de Carlos Bica e é de um despojamento e contenção notáveis. A solo, no piano, ele consegue aquele exercício extraordinário que é partilhar a solidão. (CD Universal). 

 


 


RECORDAR I – Morreu em Maputo Ricardo Rangel, um dos mais importantes fotógrafos de língua portuguesa. A sua obra, nomeadamente a que foi feita entre os finais dos anos 50 e o princípio deste século, mostra um trabalho baseado no fotojornalismo e numa minuciosa interpretação da realidade, mas sempre com um olhar próprio. Trabalhou nas mais importantes revistas e jornais de Moçambique na fase anterior à independência, aliando a reportagem ao ensaio fotográfico. A pesquisa do seu nome no Google remete para uma série de sites, com destaque para os que mostram um dos seus mais importantes testemunhos, a exposição «Iluminando Vidas», que passou por Portugal. Nos últimos anos dedicou-se ao Centro de Documentação e Formação Fotográfica de Maputo, que fundou e dirigiu.  

 


RECORDAR II – Morreu em Lisboa João Bafo, que fez parte de um núcleo restrito de fotojornalistas portugueses que na década de 70 se empenharam numa nova forma de fazer fotografia «contra a fotografia de salão, concurseira, contra o estilo neo-realista», como recorda outro contemporâneo, Luiz Carvalho, no seu blog. Esse núcleo fez escola e influenciou a edição fotográfica na imprensa nas décadas seguintes. Tive o prazer de trabalhar com ele quando estive no «Se7e», que nessa altura o João também ajudou a mudar. O seu trabalho era verdadeiramente bom, mas nos últimos anos estava afastado da imprensa, em boa parte porque se fartou da forma como as chefias de redacção tratavam a fotografia – foi esse o tema da nossa última conversa, há uns anos. As suas imagens de Portugal na década de 70 e 80 mereciam ser de novo mostradas – aliás é miserável a maneira como matamos a memória do nosso próprio tempo. 

 


 


BACK TO BASICS – A fotografia serve para ajudar as pessoas a ver – Berenice Abbott 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:58

À PROCURA DE DIRECÇÃO

por falcao, em 22.06.09

(Publicado no diário Meia Hora de 16 de Junho)

 


Apesar do título, hoje não vou falar do estado em que se encontra o PS após os resultados das eleições europeias. O assunto da conversa é bem mais prosaico e tem a ver com a maneira como está organizada a sinalética indicativa de direcções nas estradas portuguesas, sobretudo na saída das cidades.


O principal problema que surge é o de a sinalização ser feita, não em torno da direcção principal, mas de destinos secundários, certamente importantes a nível local, mas absolutamente ineficientes para visitantes que desconheçam o local e estejam de passagem. Cá para mim a resolução do problema nem é complicada e devia-se organizar, em cada região, em duas ou três direcções principais repetidas em todos os cruzamentos principais e rotundas, por forma a que ninguém se perca inadvertidamente. E se mesmo um português tem dificuldade em se orientar no puzzle de direcções das inevitáveis rotundas que cercam as nossas cidades e vilas, que dizer de um estrangeiro?


O problema agrava-se se entrarmos dentro das vilas ou cidades em vez de nos ficarmos pelas circulares. Às vezes nem no centro existem indicações concretas da forma de sair.


Nunca percebi porque é que, nas principais cidades e nós rodoviárias, não existe uma sinaléctica principal que indique a direcção sul ou norte, ou, se quisermos, Lisboa e Porto ou Lisboa e Faro. O mais frequente é encontrar uma placa, por exemplo, em Leiria, que diga Lisboa e que depois durante duas ou três rotundas deixa de aparecer, substituída por umas placas de destinos locais – é preciso ter o mapa de Portugal bem metido na cabeça para descobrir quais dos destinos assinalados se encaixam na direcção de Lisboa e quais se encaixam na direcção Porto. Também é muito frequente encontrar placas de auto-estradas – tipo A 24, sem que há indicação de qual o trajecto – o destino – que proporcionam.


Aqui há uns meses estiva no belíssimo Quinta das Lágrimas, em Coimbra, e vi-me aflito para sair de lá, de regresso a Lisboa, para apanhar a trivial A1, tal o emaranhado de indicações e ausência de direcções principais que Coimbra infelizmente apresenta.


Bem sei que estamos na época em que o GPS se tornou uma acessório trivial, mas para aqueles que o não possuem, a saída de uma cidade portuguesa – Lisboa incluída – é um verdadeiro quebra cabeças. Imagino o que será um estrangeiro a amaldiçoar o dia em que decidiu ser um turista automobilista em Portugal… 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:57

 


ELEIÇÕES I – Mais do que nunca o segredo da vitória nos próximos actos eleitorais vai ser conquistar o centro do espectro político – é aí que residem os medos da ingovernabilidade, é aí que está a classe média espremida e asfixiada pelo Estado; mais do que nunca vão valer coisas simples como o respeito pelas pessoas, a ausência de arrogância; mais do que nunca vai ser premiada a honestidade e penalizada a chicana e o insulto ou a insinuação. Estas eleições mostram isso – e mostram também que o eleitorado pode estar disposto a obrigar os políticos a fazerem consensos e acordos, rejeitando maiorias absolutas e forçando a inevitabilidade de acordos pós eleitorais. A ingovernabilidade fora do cenário da maioria absoluta é um papão cujo resultado prático está à vista de todos.

 

ELEIÇÕES II – As empresas de sondagens, sobretudo aquelas dirigidas por quem quer ser estrela de televisão à viva força, precisam de se reciclar; melhor, precisam de ser vigiadas e auditadas por um entidade independente, um Instituto que as certifique e garanta transparência de processos. A utilização de sondagens no período de campanha e até ao dia do voto tornou-se numa arma política, o que obriga a muitos mais cuidados já que a realidade tem mostrado que existe quem se preste a fornecer material de guerrilha em vez de estudos sérios. As sondagens, quando honestas, são obviamente úteis, e a proibição da sua divulgação nas 48 horas anteriores às eleições nem sequer é benéfica hoje em dia – mas a seriedade tem que ser premiada e as falsificações grosseiras denunciadas. Nestas eleições houve muitos erros, erros a mais, erros suspeitos, alguns deles erros recorrentes que dão que pensar. Alguém devia certificar a actividade destas empresas. E seria lógico que o funcionamento do mercado, na área das empresas de comunicação, principais clientes das sondagens, punisse quem erra tanto.

 

ELEIÇÕES III – A debandada da esquerda nas eleições europeias – na generalidade dos países e nomeadamente naqueles onde está no Governo – tem especiais reflexos, sobretudo num cenário pós-Obama, que naturalmente era suposto favorecer os inimigos naturais de Bush e louvar o seu sucessor. Mas o eleitorado europeu disse que desconfia do aumento do peso do Estado, do aumento de impostos, dos planos de salvação da crise feitos à pressa e, sobretudo, começou a desconfiar dos partidos socialistas que navegam na chamada terceira via e que perderam identidade. Os partidos de esquerda que se aproximaram do centro direita – em Portugal, Espanha e Reino Unido - são os grandes derrotados do processo. Em Portugal, boa parte dos votos reivindicados por Manuel Alegre já se percebeu que saíram do PS, para outros partidos à sua esquerda.

 

ELEIÇÕES IV – O que sobressai dos resultados das Europeias em Portugal é um atenuar da bipolarização, um ressurgimento do papel de charneira dos pequenos partidos. A consequência que isto pode ter nas próximas legislativas e autárquicas é enorme. A estas horas António Costa olha com redobrada atenção para Helena Roseta, que também deve estar a fazer contas a quanto vale o seu compromisso – tanto mais que em Lisboa-cidade foi o PSD o vencedor no Domingo passado.

 

ELEIÇÕES V – A quase duplicação dos votos em branco e a abstenção elevada são sintomas do clima que existe e merecem ser estudados – estas eleições tiveram muitos novos eleitores e o aumento dos votos em branco pode ser, nesta conjuntura, um sinal de que os mais jovens eleitores não se revêem no sistema partidário. Outro tema que tem que ser encarado com vontade política é o da actualização dos cadernos eleitorais – da maneira que estão nunca ninguém saberá qual a abstenção verdadeira – o que dá jeito a muita gente…

 

ELEIÇÕES VI – O inefável blog «Causa Nossa» onde Vital Moreira fez carreira a louvaminhar Sócrates até ser escolhido para candidato, esteve estranhamente mudo atè às 15h00 de segunda feira passada. Nem Vital, nem Ana Gomes, os dois autores deste blog que mais nele postam, deram sinais da sua graça. Esclarecedor.

 

LER – Estas alturas pós-eleitorais são boas para arrumar ideias. Nestes dias mais recentes muito se tem escrito sobre comunicação. Por isso mesmo pode ser interessante ler um livro recentemente editado em Portugal pela «Relógio D’Água» e que reúne conferências e entrevistas dadas por Marshall McLuhan, um dos grandes teóricos da comunicação na segunda metade do século XX. Esta recolha de textos data de 2003, tem uma bela introdução de Tom Wolfe. O livro começa com uma conferência sobre os efeitos revolucionários dos novos meios de comunicação, datada de 1959 e termina com a derradeira conferência de McLuhan, proferida pouco antes de morrer, em 1979, um texto notável e profético intitulado «O Homem E Os Meios». Muito do que acontece hoje no Mundo, em termos de comunicação, está explicado neste livro.

 

OUVIR – Melody Gardot não tem felizmente uma daquelas vozinhas perfeitas e cheias de melodia que se tornaram uma monótona característica do jazz vocal dos últimos anos. A sua voz é dura, a maneira de cantar é saudavelmente imperfeita, o que deixa espaço à interpretação – isso mesmo se pode ver na forma como no seu novo disco, «My One And Only Thrill» canta o clássico «Over The Rainbow». Os arranjos são saudavelmente heréticos em relação ao padrão habitual do soft jazz, neste disco com influências latinas na forma de pontuar o ritmo e em que a maior parte das composições são da própria Gardot. Destaque para «Who Will Confort Me», «Les Etoiles» e para o tema que dá o nome ao CD, «My One And Only Thrill». A produção é de Larry Klein, conhecido pelas suas colaborações com Joni Mitchell, Freddie Hubbard, Herbie Hancock e Madeleine Peyroux, entre outros.

 

BACK TO BASICS – O meu voto é sempre contra alguém – W.C. Fields

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:52

ELEIÇÕES – Domingo 7 de Junho arranca o ciclo eleitoral deste ano, com as Europeias. Mais à frente, depois do Verão, vêm as Autárquicas e as Legislativas. A Lei Eleitoral, na sua essência, tem mais de 30 anos e não contempla nem os meios de comunicação electrónicos nem as possibilidades de participação política on-line, é uma lei analógica e manual, num mundo digital e automático. Cada vez mais se sente que os partidos políticos são estruturas esclerosadas, afastadas dos cidadãos durante todo o período não eleitoral, que fazem listas de candidatos que depois não vão ocupar os seus lugares. Enquanto isto não mudar é muito difícil que novos eleitores se mobilizem, que a abstenção diminua – na realidade a culpa do afastamento da participação cívica não é dos cidadãos, é dos políticos e dirigentes partidários. Por exemplo, no caso da Europa, por não quererem referendar o Tratado de Lisboa (que entretanto ficou esquecido…) e por preferirem pedir votos numas eleições onde, de facto, a discussão europeia quase não existe. 

 


 


PORTUGAL - As promessas eram muitas e saíram ao contrário – desde as reformas, aos impostos, a realidade é dura: no final destes anos de Governo do PS, Portugal tem a maior dívida externa de sempre, a maior taxa de desemprego dos últimos 25 anos e um deficit inédito. O balanço da eficácia de Sócrates é terrível e parece um cutelo sobre a cabeça dos portugueses. Da mesma maneira que a recompensa aos gestores não pode premiar o falhanço, o voto nas eleições não deve beneficiar os maus resultados dos políticos no poder. 

 


 


LISBOA – Que está a acontecer à minha cidade? Nestes dias de calor as ruas já cheiram mal, o estacionamento continua a ser desordenado, as ruas continuam estranguladas, os semáforos descomandados, as obras surgem por todo o lado e alteram o dia a dia das pessoas. Sabe-se que o Tribunal de Contas considerou o contrato da EMEL com a Street Park ilegal, mas o Presidente da EMEl diz que não. Os agentes da EMEL provocam e brincam com as pessoas, são rapidíssimos e abusadores a bloquear e lentíssimos e indiferentes a desbloquear. No meio disto tudo Lisboa não tem um Provedor do Munícipe, alguém a quem os alfacinhas se possam queixar dos abusos e atropelos da Câmara ou de empresas municipais. Desde que me lembro, nunca viver em Lisboa foi tão desagradável. 

 


 


VER – A exposição «Photo España 2009» no Museu Colecção Berardo mostra trabalhos de Mabel Palacín e de Cristóbal Hara, este último verdadeiramente surpreendente na sua interpretação dos ritos quotidianos, na forma como trabalha a cor, nos enquadramentos rigorosos, na capacidade de captar momentos únicos, na maneira de utilizar a fotografia enquanto veículo para uma interpretação da realidade. A exposição fica até 26 de Julho e é uma das boas mostras de fotografia, comissariada por Sérgio Mah, repescado por Madrid, depois de Lisboa ter deitado para o lixo o seu mês da fotografia. 

 


 


OUVIR – O novo disco de Caetano Veloso «Zii e Zie» evidencia o regresso de Caetano à sua melhor forma depois de um período de alguma confusão e banalidade. Sonoridades fortes, uma banda bem eléctrica com arranjos ousados, ritmos inesperados, canções que agarram com textos bem humorados e irónicos, como nos melhores tempos do artista. Fica feita a minha reconciliação com Caetano Veloso – agora de novo em fase bem inspirada. 

 


 


LER – Já se sabe que não perco oportunidade para recomendar a revista «Monocle» - uma revista mensal que curiosamente parece ser a grande inspiradora em termos editoriais e gráficos de um jornal diário, o «i». Na «Monocle» de Junho muitos motivos de interesse, mas permito-me sublinhar dois, do burgo: um, o destaque para os divertidos cadernos de notas da portuguesíssima Editora Serrote (eu descobri-os há uns tempos na livraria Pó dos Livros, Av. Marquês de Tomar – www.serrote.com); outro para a zona de Lisboa que a «Monocle» resolveu eleger – o Príncipe Real e a D. Pedro V, com sugestões de lojas e locais, um toque cosmopolita na variedade de nacionalidades que estão nesses locais, não esquecendo o mercado semanal do Princípe Real (Tyler Brulé, director da revista, defende que as autoridades deviam proteger e dar boas condições de instalação a estes mercados de produtos naturais). Na próxima edição a «Monocle» promete elaborar uma lista de questões urbanísticas essenciais para tornar uma cidade interessante. 

 


 


NOITES – A LX Factory, em Alcântara, onde dantes eram as instalações da Gráfica Mirandela, é agora um dos locais mais animados de Lisboa. A enorme área, onde ainda estão restos de algumas das rotativas que imprimiram gerações de jornais portugueses, é um verdadeiro oásis criativo, uma aldeia urbana movimentada com pequenas e menos pequenas agências de publicidade, gabinetes de design, ateliers de arquitectura, lojas, mas também bares, restaurantes, uma galeria de arte contemporânea e a livraria Ler Devagar. Um dos bares, Lollypop, com um terraço frente ao Tejo, ameaça tornar-se num ponto incontornável da noite lisboeta deste Verão. Antes de subir ao terraço pode sempre comer qualquer coisa na Cantina (serviço simpático) onde o espaço marcadamente industrial está ainda bem à vista. Resta saber o que irá acontecer a esta ilha de criatividade quando o plano Alcântara XXI fôr para a frente. Enquanto dura, é aproveitar – esclareça-se desde já a populaça que a transformação do local neste pólo de animação é de responsabilidade privada, do grupo imobiliário Mainside, que adquiriu os 23.000 metros quadrados da antiga instalação industrial.


 


BACK TO BASICS - Portugal tem uma sociedade civil anestesiada, os partidos estão longe do povo e as suas direcções controlam a constituição das listas eleitorais, cujo processo é o jardim secreto da política – Conceição Pequito.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:07

UMA FARSA ELEITORAL

por falcao, em 03.06.09

(Publicado no diário Meia Hora de 2 de Junho) 


Começo por dizer que não sou um fanático da ideia da Europa, sou crítico em relação ao funcionamento da Comunidade e tenho sérias reservas sobre o comportamento do Banco Central Europeu nos primórdios da crise. Em geral acho que um grupo restrito de grandes países condicionam políticas importantes, como a agrícola, forçando modelos que liquidam pequenos países periféricos, como Portugal. Pessoalmente acho o Parlamento Europeu um exemplo de uma instituição irrelevante que verdadeiramente ninguém leva a sério. Mas, no entanto, ele existe e vai a votos para determinar quem lá está – coisa que acontece dentro de dias.


Os partidos políticos também não fazem muito para ajudar: não sei se já repararam, mas na realidade, nestas eleições, os candidatos falam de política interna (ou de politiquice rasteira no caso de Vital Moreira), e não se lembram de falar sobre a Europa, sobre a necessidade de Portugal se bater por objectivos concretos na política agrícola, ou na política das pescas, ou ainda em apoios específicos em determinadas áreas tradicionais de actividade artesanal ou industrial.


A coisa vai a tal ponto que ainda não vi nenhum candidato falar sobre esse milagreiro Tratado de Lisboa, que foi cavalo de batalha e arma de propaganda de Sócrates na primeira metade da legislatura, e que agora está dado como desaparecido – nem o seu autor o evoca não se vá dar o caso de alguém se lembrar que ele se gabou de fazer uma coisa que afinal não foi concretizada….


Mas nestas eleições há coisas que me fazem muita confusão: se o PS permanentemente diz que é o partido mais europeísta de todos os partidos, porque é que nos lugares elegíveis para o Parlamento Europeu coloca em simultâneo duas candidatas autárquicas, a cidades tão importantes como o Porto e Sintra? Uma vez que têm eleição certa candidatam-se apenas para, depois, desistirem e cumprirem a quota da presença feminina nestas listas? Ou uma vez eleitas deixam de querer ser autarcas? Em qualquer dos casos esta dupla candidatura é uma demonstração de enorme desprezo pelo eleitorado e assemelha-se a uma farsa de mau gosto.


Num livro recente uma Professora de Ciência Política, Conceição Pequito, faz uma afirmação incontornável: «Portugal tem uma sociedade civil anestesiada, os partidos estão longe do povo e as suas direcções controlam a constituição das listas eleitorais, cujo processo é o jardim secreto da política». O que se passa nestas eleições é a prova disto mesmo. 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:09

IMPOSTOS – A mais extraordinária proposta deste ciclo eleitoral veio de Vital Moreira, que defende um novo Imposto Europeu, que permita aumentar as receitas fiscais da Comunidade para fazer face ao aumento das despesas. Vai-se a ver e este replicante eleitoral do Avô Cantigas metamorfoseou-se num cobrador de impostos transformista. Mas a coisa tem uma vantagem, a da clareza: o programa eleitoral do PS é aumentar impostos, pelo menos isso ficou claro. 


 


EUROPA – Nestas Europeias faz falta, faz muita falta mesmo, um partido anti-europeísta, alguém que contrarie a doutrina da construção europeia – até o Bloco de Esquerda agora já se instalou em Bruxelas e por lá pretende permanecer. E faz falta, sobretudo, um debate sério sobre o papel da Europa na reacção à crise, uma análise do comportamento do Banco Central Europeu, um balanço sério do que tem sido a construção europeia e o funcionamento das suas instituições. Isso é que não vejo ninguém a fazer e, sinceramente, isso era o mínimo dos mínimos. 


 


POLÍTICA – Num recente debate na TVI 24, Nuno Morais Sarmento pôs o dedo na ferida, acentuando ainda mais o que tem sido a preocupação de muita gente sobre o funcionamento do sistema político português. Resumidamente, a tese defendida por Morais Sarmento é a de que a organização política regulamentada no pós 25 de Abril, desde o funcionamento partidário até aos processos eleitorais, foi legislada há mais de 30 anos e neste tempo tudo mudou radicalmente no que toca à forma de mobilização das pessoas, à sua participação na sociedade, passando pelas transformações na comunicação e o próprio funcionamento das instituições.. O tema é actualíssimo se queremos diminuir a abstenção, aumentar a participação no debate de ideias, tornar as instituições mais próximas dos cidadãos, conseguir mobilizar mais gente, e, sobretudo, se queremos que os mais novos participem no processo, discutam os problemas, tomem posição e votem. Não querer ver a necessidade de fazer reformas radicais no sistema político e no sistema partidário é pura cegueira – ou então é intencional para que cada vez existam menos votantes. 


 


POLÍCIA - De há uns tempos para cá, aproveitando um vazio legal, alguns responsáveis da PSP têm interferido na organização de concertos, fiscalizando e até detendo quem está a controlar bilhetes e acessos. Nalguns casos - como no concerto de Lenny Kravitz - a coisa tem contornos de abuso de poder. Era bom que o secretário de Estado da Administração Interna, José Magalhães, averiguasse se algum responsável das polícias, mais sensível aos lobbies das empresas de segurança, não estará a extravasar das suas competências e funções. É que as empresas de segurança reivindicam, com a prestável e talvez abusiva ajuda da PSP, esta área de negócio, mas não têm competências nem formação em áreas como controlo de multidões e encaminhamento de espectadores. Na realidade sei de casos em que, chamadas a fazer este serviço, usam vigilantes de portaria indiferenciados para estas tarefas, pessoas sem o mínimo de formação ou sensibilidade. O Governo fazia bem em prevenir estes abusos policiais, este apadrinhamento pela PSP de reivindicações privadas - qualquer dia a falta de pessoal especializado pode provocar algum acidente e depois estou para ver quem se responsabiliza - talvez a PSP...  


 


FILM COMMISSION – Como todos sabem Nova Orleães foi vítima, em 2005, de uma violenta tempestade que arrasou a cidade e colocou em causa a até o seu equilíbrio financeiro. Passados estes anos a cidade criou forma de captar investimento da produção audiovisual norte-americana, graças a um conjunto de incentivos locais, investimento em infra-estruturas (estúdios) e um bom trabalho de apoio às produções graças à Film Commision local. Em 2005 a cidade havia atraído nove projectos de produção para cinema e televisão, e em 2008 já atraíu 21, que injectaram directamente 230 milhões de dólares na economia local. Numa altura em que este assunto volta a ser falado em Portugal – mas em que a maior parte dos projectos continua quase parado, talvez valha a pena estudar estes exemplos e, sobretudo, perceber de uma vez por todas que as Film Commissions não são departamentos turísticos que mostram bonitas paisagens e gabam a luz e o sol – são unidades de negócio que se baseiam na existência de incentivos fiscais e na disponibilização de infra-estruturas. Sem isso, tudo o resto é fantasia. 


 


NÃO COMER – Como o sol finalmente voltou esta semana a dar um ar da sua graça, resolvi um dia destes ir almoçar à esplanada do largo frente ao Teatro de São Carlos. A experiência correu muito mal: o serviço é insuportavelmente desatento, mas o pior é a falta de qualidade na confecção da comida. Para os preços praticados a oferta é fraca, muito fraca mesmo. Provou-se uma massa com salmão sem graça nem história e um risotto fora de ponto, sensaborão, que parecia banhado em corante, acompanhado por três raquíticas gambas que nem semi descascadas estavam e com uma maçã passada e disforme como ornamento. O vinho branco, pedido a copo, foi servido fora da vista dos clientes e não estava à temperatura adequada. No fim, a conta veio enganada, com uma parcela a mais, naquele velho truque de ver se ninguém repara. No meio da refeição, por duas vezes, voaram chapéus de sol com o vento – pelos vistos não estão presos com segurança. De facto deve existir uma maldição nas esplanadas lisboetas que dificulta o seu funcionamento – o Teatro de São Carlos faria bem em mudar de concessionário, o local merecia melhor. 


 


OUVIR – Se gostam de jazz, do piano de Bill Evans e da voz de Tony Bennett não podem perder uma reedição histórica acabada de lançar pela Fantasy/ Universal: «The Complete Tony Bennett/ Bill Evans Recordings». Neste duplo CD estão agrupados os dois discos gravados em 1975 e 1976 com uma cuidada selecção de standards norte-americanos e ainda registos inéditos das sessões de gravação e misturas alternativas dos mesmos tempos registadas na época. Mas só o facto de serem reeditados os discos «The Tony Bennett/ Bill Evans Álbum» (1975) e «Together Again» (1976), possibilitando que muitos os agora descubram, é por si só razão mais que suficiente para elogiar esta edição.  


 


BACK TO BASICS - Prefiro ter jornais e não ter o Governo, a ter o Governo num país onde não existam jornais - Thomas Fefferson   

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:16


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2005
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2004
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2003
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D