Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



 


O GOVERNO –  Um amigo meu, particularmente cínico, diz que não é muito relevante que partido está no Governo – segundo ele a maior parte das leis está feita, as novas leis importantes são feitas em Bruxelas e ao Governo resta distribuir lugares nas administrações das empresas públicas e naquelas onde há golden share.  Eu acho que este meu amigo tem humor, mas volta e meia respondo-lhe que não é indiferente a forma como cada um estabelece prioridades (nomeadamente no investimento público), como agiliza reformas (nomeadamente na justiça) e como se propõe diminuir o endividamento externo do país. Vou-lhe dizendo, perante um sorriso irónico, que também me preocupa que se mantenha a política de favorecimento de amigos, aliados ou espúrios cúmplices e que aqueles que não são da cor do Governo, ou simplesmente mantenham alguma independência, sejam preteridos e prejudicados. Mas olhando bem as coisas, na verdade, quando se reduz a governação à gestão de interesses particulares, o meu amigo está certíssimo. Se calhar ele tem mais razão do que parece à primeira vista.

 

A GOVERNAÇÃO – Fazer compromissos, encontrar pontos de contacto entre propostas diferentes, descobrir a forma de alcançar objectivos comuns é a essência do exercício do poder. Uma maioria absoluta gera um poder absolutista – tivemos isso durante uns anos. Uma maioria relativa gera a necessidade de entendimentos. Eu preferia que existissem acordos formais claros entre partidos diferentes, a compromissos pontuais onde já se sabe que uma parte da verdade fica escondida. Em grande parte dos países europeus não há maiorias absolutas saídas das eleições – mas os líderes partidários e os sistemas são suficientemente maduros para saberem encontrar pontos comuns que permitem um programa conjunto. Na política portuguesa confunde-se demasiadas vezes as divergências com rivalidades e inimizades – é um sinal da imaturidade dos nossos políticos, dos nossos partidos e do nosso sistema. O vencedor das eleições faria bem em estimular um acordo em vez de se posicionar à partida como atirador solitário.

 

LER – O número de Novembro da edição britânica da Wired (cada vez melhor, já agora), traz um interessantíssimo artigo, muito útil neste clima pós autárquicas. O tema é como desenvolver o potencial digital na gestão e na vida das cidades, em questões como o transporte, a informação, a biotecnologia ou a arquitectura. E, já agora, a revista anuncia um jogo on line (a sério, não é brincadeira), que se chama Cities XL (www.citiesxl.com)  onde os jogadores são chamados a tomar decisões sobre a gestão das cidades – muitos presidentes de Câmara haviam de ganhar com a experiência.

 

OUVIR – Cecília Bartoli tem tido nos últimos anos uma aproximação muito interessante aos seus trabalhos discográficos – chamemos-lhe projectos especiais, pensados e estruturados em torno de um tema, de uma história, de um personagem. Neste caso o tema escolhido foi o da música composta para os castratos – uma tradição nascida em Itália, no século XVIII, e que levou milhares de rapazes a serem privados da sua sexualidade para que a sua voz pudesse ter um timbre e uma modulação de outra forma impossíveis de atingir. Nas óperas da época, estes jovens cantores eram apreciadíssimos e o compositor napolitano Nicolo Porpora, desenvolveu o estilo e fundou uma escola para castratos que se tornou uma referência e produziu algumas das maiores estrelas da época. Intitulado «Sacrificium», em homenagem à mutilação que esses jovens cantores sofriam para que pudessem cantar as árias, o novo álbum de Cecília Bartoli recolhe uma cuidadosa selecção de árias para castratos. Na sua edição especial, inclui um precioso livrinho com minuciosa informação sobre a época, e além do CD com os registos inéditos de árias para castratos, tem também um cd adicional que inclui árias de Broschi, Giacomelli e Handel que se tornaram expoente deste estilo. É uma produção extraordinária, com uma sonoridade invulgar, onde Bartoli é acompanhada pela formação Il Giardino Armonico, dirigida por Giovanni Antonini. A edição é da Decca/Universal.

 

VER – Aproveitem o Outono para fazer uma visita à Gulbenkian. No edifício sede está uma exposição que revisita a Art Déco, a partir da evocação da Exposição Internacional das Artes Decorativas e Industriais Modernas de 1925, em Paris. Aqui estão obras, entre outros, de Lalique, Le Corbusier ou Bucheron. Se fôr ao Centro de Arte Moderna não perca a exposição «Anos 70 – Atravessar Fronteiras», comissariada por Raquel Henriques da Silva, e que mostra o que era a produção artística portuguesa daquela época, atrvés de obras de Alberto carneiro, Ana Hatherly, Costa Pinheiro, Carlos Nogueira, Leonel Moura ou Emília Nadal, entre muitos outros. O mais curioso é, a esta distância de décadas, ver quais as obras e os autores que resistiram ao tempo – nem todos o conseguiram. Finalmente, ainda no Centro de Arte Moderna, e integrada no Festival Temps d’Images, está uma instalção vídeo de três filmes do dinamarquês Jesper Just, que tem apresentado grande parte da sua obra em Nova York.

 

PROVAR -  Ainda estou para descobrir porque é que existe uma espécie de relutância em frequentar os restaurantes dos bons hotéis. Há excepções, claro, mas a convicção geral é a de que esses locais são para os hóspedes e para turistas. Nos dias de hoje isso é um erro crasso e uma assinalável injustiça para as equipas que estão nas cozinhas dessas unidades hoteleiras. Nas Avenidas Novas, na R. Tomás Ribeiro, ás Picoas, bem junto da Igreja de São Sebastião da Pedreira, está o Hotel Real Palácio e o seu restaurante, Guarda Real, merece uma visita. À frente da cozinha está um jovem chefe, Celestino Grave, que procura inovar com base em produtos tradicionais portugueses. Da lista do dia constava uma tempura de bacalhau com arroz de legumes perfumado com óleo de trufas que estava fantástica. Na lista estão várias boas propostas de que destaco o pargo com xarém de camarão, um arrozinho malandro de frango e legumes e a vazia de vitela mirandesa com vinagrete vilão. O serviço de vinhos é impecável e as sobremesas têm outras surpresas como uma trilogia que inclui uma espuma de arroz doce, um shot de pastel de nata e um gelado de toucinho do céu. Rua Tomás Ribeiro 115, tel. 213 199 500.

 

BACK TO BASICS – É sempre com a melhor das intenções que se faz o pior trabalho – Oscar Wilde

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:30

PÓS ELEIÇÕES (J Negócios 16 OUT)

por falcao, em 21.10.09

 


ELEIÇÕES – Esta semana dei por mim a pensar que um dia destes valia a pena escrever um «Diário» das eleições para Lisboa., a começar por umas reflexões sobre o calendário eleitoral que, na prática, condicionou de forma perversa a campanha para as autárquicas. Para mim, que fui candidato à Presidência da Assembleia Municipal da lista «Lisboa Com Sentido», de Pedro Santana Lopes, foi uma experiência fantástica e enriquecedora – mesmo tendo sido o PS o vencedor em Lisboa, com larga ajuda de apoios directos do PC, como Carvalho da Silva, Carlos do Carmo e José Saramago. António Costa, o vencedor da noite, afirmou-se como o dirigente do PS capaz de federar a esquerda e esse será um capital político que não deixará de usar nas intrigas internas do seu partido. Para conseguir juntar a péssima açorda política que arregimentou, diabolizou desde o primeiro dia Santana Lopes, que tornou no símbolo do mal, a quem interessava derrotar a todo o custo. Como mais tarde se recordará, para o conseguir não hesitou em juntar nomes de convivência improvável, não apresentou programa para além da obediência ao Governo, e, na prática, transformou os Paços do Concelho em sede da sua campanha contra Santana Lopes. Todos – e creio que foram alguns - os que sendo de centro-direita ou até de direita se fingiram assustar com o papão e votaram vingativamente Costa, numa diletante atitude de angélico e ingénuo comportamento, poderão ver agora o que faz em Lisboa um PS com maioria absoluta e sem desculpas de dificuldades em aprovar medidas. Como o tempo já provou, e estou certo que voltará a provar, os grandes negócios em Lisboa fazem-se com o PS no poder – existe nos círculos da especulação imobiliária, das obras públicas e dos grandes prestadores de serviço a convicção de que «com o PS é que a gente se governa». A tarefa é facilitada porque o argumentário ideológico utilizado pelo PS serve de desculpa e capa protectora para atitudes pouco claras. Um querido amigo meu dizia-me segunda feira que a Mota-Engil tinha sido de facto, em sentido figurado, a vencedora das eleições em Lisboa. Como os leitores deste jornal bem sabem, a Bolsa interpretou as coisas exactamente dessa forma.

 

VER – Gertrude Stein escreveu o conto infantil «The World Is Round» em 1939 e até agora não existia nenhuma edição portuguesa desta obra. A lacuna foi resolvida com uma edição especial, assegurada pela Galeria João Esteves de Oliveira com base na tradução que Luísa Costa Gomes fez da obra, ilustrada com desenhos a tinta da china sobre papel da autoria de Jorge Nesbitt. É a colecção dos originais criados para ilustrar o livro que a Galeria expõe desde a semana passada e o resultado é surpreendente. Nesbitt, que tem feito um percurso criativo multifacetado, com passagem de destaque pela banda desenhada portuguesa contemporânea, tem-se afirmado, através das suas várias exposições, como um artista que cria universos visuais por vezes surpreendentes, como acontece nesta exposição – em que o recurso à tinta da china acentua a exploração de um imaginário povoado de referências no domínio do Fantástico. A exposição fica até 13 de Novembro, na Rua Ivens 38, www.jeogaleria.com.

 

LER – Em 1991 Douglas Coupland tornou-se conhecido com «Generation X: Tales For An Accelerated Culture», um livro sobre a geração nascida no início dos anos 60. Coupland tinha nessa altura 30 anos e o livro era a caracterização dos hábitos, costumes e cultura dos jovens adultos no final dos anos 80. A obra marcou a literatura contemporânea e afirmou o seu autor. 18 anos depois Coupland volta a contar a história de uma geração, desta vez no futuro, num mundo onde várias formas de vida se extinguiram e as abelhas se tornaram uma rara preciosidade, subversiva, perigosa de deter sob qualquer forma. «Generation A», o livro que Coupland acabou de publicar, é um livro sobre as gerações de um mundo mais digital que possamos imaginar, nalguns momentos quase uma réplica contemporânea da obra de Orwell. Com uma forma narrativa inventiva, invulgar e arrebatadora, «Generation A» passa-se em torno de 5 personagens, espalhadas por outros tantos pontos do Mundo, e que têm nas abelhas o ponto comum – são aos mesmo tempo rebeldes e sobreviventes, lutadores e guardiões de um mundo que se extingue. Mas «Generation A» é também uma história sobre o Poder, sobre a utilização do Poder e sobre aqueles que o detêm e os que o querem conquistar. Muito, mas muito oportuno. (Versão original na Amazon).

 

OUVIR – Não se assustem com os primeiros segundos de «Outdoor», o segundo disco dos La La La Ressonance, agora editado. Partindo de influências do jazz, este quinteto português mistura-as com sonoridades pop e consegue uma fusão invulgar, às vezes a evocar ora sonoridades de formações de câmara, ora música improvisada. «Outdoor» é uma aposta criativa arriscada, mas bem conseguida, e uma das boas surpresas editoriais do panorama nacional no corrente ano. Dos 12 bons originais, compostos pelo quinteto, a minha preferência vai para «Free Radicals», tema mesmo a jeito para remisturas ou para utilização como banda sonora.

 

PETISCAR – Nestes dias de um inesperado calor outonal vale a pena considerar uma proposta de um belo terraço em cima do rio, longe de contentores, na doca do Jardim do Tabaco. Estou a falar do Xico’s, um bom local para almoçar nestas belas tardes de sábado ou domingo. O estacionamento é fácil (tem parque ao lado). Uma boa proposta de petisco de entrada é o carpaccio de polvo, se lhe apetece alguma coisa leve experimente as favinhas guisadas, o entrecôte café de Paris é célebre (e com razão), há saladas para quem quer evitar desvarios, mas também há um bacalhau lascado à lagareiro a merecer referência. Serviço às vezes um bocado irritantemente desatento, garrafeira boa, preços razoáveis. «Xico’s», www.xicos.pt, tel. 211 515 480.

 

 

BACK TO BASICS – O primeiro passo no progresso de um homem ou de uma nação é o descontentamento – Oscar Wilde

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:32

...

por falcao, em 11.10.09

LISBOA - Um estudo recente mostra que, entre 1991 e 2008, Lisboa perdeu 26,3% dos seus habitantes. Deste total de 18 anos, em quase 13 a Câmara Municipal foi governada pelo PS, nomeadamente de forma ininterrupta até final de 2001. Ao longo de todo este período Lisboa perdeu uma média de 10.000 habitantes por ano, não conseguiu reter os mais novos, está envelhecida, perdeu competitividade, não foi capaz de atrair as indústrias não poluentes de alta tecnologia, as empresas de software ou de promover um programa de desenvolvimento e atracção das indústrias criativas (que em Nova Iorque significam 7% do total de postos de trabalho da cidade). Vítima de uma total ausência de estratégia, vítima de uma perspectiva conservadora de planeamento e de um caldeirão de interesses que na realidade tem tido poder e capacidade de influência, Lisboa perdeu peso e influência política, perdeu autonomia face ao poder central e descaracterizou-se. Na realidade, nesta campanha, assistimos a um facto insólito: a principal linha programática de António Costa é deixar o Governo mandar em Lisboa - na zona ribeirinha, no aeroporto, nas acessibilidades, nos transportes públicos. A perder equipamentos e a ficar com sectores antiquados, quase a viver só da máquina do Estado, a queda de receitas é inevitável e a perca de competitividade. É preciso ter ambição para inverter o ciclo de decadência e fazer Lisboa reencontrar-se com o futuro. 


 


VISITAR – Amália domina o panorama das inaugurações. Em primeiro lugar destaque para «Amália – Coração Independente», a exposição que se divide entre o Museu da Electricidade-Fundação EDP e o Museu Berardo, no CCB. Na EDP está a pouco conhecida e extraordinária colecção pessoal de jóias da artista e alguns dos fatos que usou em palco. E no CCB está uma enorme exposição, que cruza a história e documentação da carreira de Amália com criações contemporâneas que reinterpretam a sua obra, como acontece com Joana Vasconcelos ou, no vídeo, com o trabalho apresentado por Bruno de Almeida, por exemplo. Na parte histórica e documental, para além dos numerosos cartazes, capas de discos e revistas, destaque para as fotografias, em especial de Mestre Augusto Cabrita e do fotógrafo Silva Nogueira, que entre 1942 e 1954 mais e melhor a retratou. Destaque ainda para o excelente catálogo desta exposição, uma verdadeira peça imprescindível para quem se interessa por Fado e, naturalmente, por Amália Rodrigues. Estas duas exposições estarão patentes até 31 de Janeiro. Uma nota final para uma outra exposição, das iconográficas imagens de Amália, elaboradas por Leonel Moura (sim o senhor aqui ao lado, nesta página) a partir de fotografias da fadista e patentes na galeria António Prates em Lisboa (até 7 de Novembro). Finalmente gostaria de chamar a atenção para uma outra exposição, no Teatro de S. Luiz, «As Mãos Que Trago», dedicada ao compositor Alain Oulman, um nome decisivo da fase mais marcante e criativa da carreira de Amália (até 31 de Dezembro). 


 


OUVIR – Paulo Furtado é um dos mais criativos e interessantes músicos portugueses contemporâneos. Depois de ter sido um dos fundadores dos Tédioboys, a sua actividade divide-se  hoje entre ser o vocalista e principal compositor dos Wraygunn – uma das poucas bandas rock portuguesas a ter algum sucesso internacional e carreira regular além fronteiras nos últimos anos. Sob a designação Legendary Tigerman, Paulo Furtado dá largas à sua atracção pelos blues e tem também uma curiosa carreira independente nos Estados Unidos.  Compositor criativo, com um raro sentido rítmico, é um instrumentista polifacetado, tocando guitarra, bateria e muitas vezes harmónica. O seu novo álbum, o quinto da carreira, tem a particulariedade de incluir nove cantoras convidadas que dividem com Paulo Furtado a interpretação das quinze canções do CD «Femina». Sem cair em exageros este é dos discos que mais gôzo me deu ouvir neste ano e é provavelmente um dos melhores discos portugueses da década. Destaco temas como «Life Ain’t Enough For You» com Ásia Arento, «She’s a Hellcat», com Peaches; «No Way To Leave On A Sunday Night» com Becky Lee, «Light Me Up Twice» com Cláudia Efe e, acima de todos os outros, «Lonesome Town», um clássico de Baker Knight, numa interpretação mágica de Rita Red Shoes. A edição inclui ainda um DVD – já que Paulo Furtado é tembém relizador e mostra curtas metragens feitas propositadamente para esta edição. CD e DVD «Femina», Legendary Tigerman, Edição EMI. 


 


LER – A nova edição da revista «Monocle» (nº27, de Outubro) tem um interessante artigo sobre os serviços militares em diversos países europeus, mas o prato forte é mesmo um especial Tóquio que faz ter vontade de descobrir aquela cidade. Outros pontos de interesse: um guia para o norte de Espanha, à descoberta da cidade australiana de Darwin e, sobretudo, um curioso artigo sobre a vitalidade da produção de documentários na Noruega (uma coisa exemplar que a RTP tinha obrigação de estudar e seguir…). Em www.monocle.com uma novidade: uma coluna diária sobre os mais variados temas, quase sempre interessante. 


 


PETISCAR – Em pleno Saldanha, no centro de Lisboa, com uma magnífica vista sobre a praça, existe um bar-restaurante que merece alguma atenção. Ao almoço está cheio de gente dos escritórios vizinhos (ali estão algumas grandes empresas de consultoria), o bar ao fim da tarde é animado e o restaurante à noite é sossegado mas não mortiço. Da ementa consta um leque apreciável de saladas, diversas massas, alguns pratos vegetarianos, umas inesperadas gambas à Brás, várias possibilidades de Bacalhau, peixes grelhados triviais, uma boa lista de bifes (boa carne, bem cozinhada) além de várias propostas de porco preto. O serviço é atencioso, as mesas são muito confortáveis, os preços razoáveis. Uma boa alternativa nesta zona da cidade. Entrada pela Av. Casal Ribeiro 63, Tel. 213528242 

 


BACK TO BASICS – O nosso último dever com a História é voltar a escrevê-la (Óscar Wilde).

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:18

...

por falcao, em 07.10.09

 


ALMANAQUE – O PS perdeu a maioria absoluta e precisa de fazer coligações; logo no dia a seguir às eleições alguns escritórios de advogados foram objecto de aparatosas buscas televisionadas, relativa à compra de submarinos decidida quando o CDS tinha a pasta da defesa; o CDS é o único partido que em conjunto com o PS asseguraria uma maioria estável; o Presidente da República fez uma esfíngica declaração pública sobre o caso das escutas, que deixou o PS furioso.

 

MUNDO MEDIÁTICO - também no dia a seguir às eleições a Ongoing adquiriu uma participação importante na Media Capital (TVI) e provavelmente terá que vender a participação que detém na Impresa (SIC). Especula-se que a PT, que não comprou uma participação na Media Capital por ordem governamental, pode agora virar-se para a SIC e fazer parte de toda esta solução de nova paisagem audiovisual. O mundo às vezes é perfeito, nós é que complicamos.

 

DESAPARECIDOS – O fenómeno eleitoral mais estranho é o desaparecimento virtual da CDU e do Bloco de Esquerda na campanha eleitoral autárquica de Lisboa. O desaparecimento é tão flagrante que até parece que estão a fazer de propósito para não disputarem muitos votos ao PS. Estou bem curioso para ver como isto evolui.

 

PERGUNTA CURIOSA – Será verdade que António Costa recusou um frente –a- frente na TVI com Pedro Santana Lopes na próxima semana?

 

BOLSO – Como a crise é o que todos sabemos, a sempre inesperada revista «Egoísta» assumiu a sua quota parte deste momento difícil e fez uma edição especial, de pequeno formato, a que chamou «Crise de Bolso». Aqui está mais um número desta revista que vai ser peça de colecção - até porque, sendo pequena em tamanho, tem artigos com assinaturas de peso: Cavaco Silva, António Barreto, Eduardo Lourenço, Muhammad Yunus. Destaque para as mini-reproduções de pinturas de João Vaz de Carvalho e para as fotografias de Pedro Cláudio. Esta «Crise de Bolso» da «Egoísta» é mesmo deliciosa.

 

OUVIR – J.J. Cale não lançava um álbum de inéditos desde 2004, de modo que o lançamento, este ano, de «Roll On» é um acontecimento maior para os seguidores deste «bluesman». O novo álbum foi, na realidade, feito a partir de gravações efectuadas em 2003 e a faixa que dá o título ao álbum, «Roll On» é feita em parceria com Eric Clapton, que fez as mais célebres versões de duas canções originais de Cale, «Cocaine» e «After Midnight». Considerado um dos maiores compositores e músicos de blues norte-americanos, J.J. Cale volta a dar neste trabalho uma boa amostra de todas as suas capacidades. Destaque para as faixas «Who Knew», «Former Me», «Down to Memphis», «Old Friend» e, claro, «Roll On» .

 

VER – O edifício Transboavista (Rua da Boavista 66) continua a ser um dos mais animados e surpreendentes espaços da arte contemporânea em Lisboa. Na nova série de exposições o destaque vai para Rita Soromenho que, na Creamarte, expõe, a partir de um suporte fotográfico, novas formas de encarar naturezas mortas em «Nem Tanto Ao Mar, Nem Tanto À Terra». Na Plataforma Revólver está uma colectiva que junta trabalhos de jovens artistas de várias nacionalidades sob o título «Heimweh- Saudade», uma opção que está ligada ao início da criação de residências com artistas estrangeiros convidados a permanecer e a criar no edifício Boavista durante pequenas temporadas. Finalmente João Gonçalves apresenta na Rock Gallery «Do Subterrâneo Opaco». Todas as exposições estão patentes até 7 de Novembro. Mais detalhes em transboavista-vpf.net.

 

LER – Quer saber como pode criar e aperfeiçoar uma marca em torno de si próprio? Então leia com muita atenção «The Big Sell», o artigo que Peter York escreveu para a mais recente edição da revista «intelligent life», uma publicação trimestral da «The Economist». York dá alguns conselhos para aumentar a auto-confiança e para aplicar o marketing em proveito da própria imagem das pessoas - «personal branding». Esta é uma daquelas revistas com muito para ler e que vale bem a pena.

 

PETISCAR – Em Lisboa há vários restaurantes alentejanos, mas o D’Avis é dos mais antigos e mais reputados. Da lista fazem parte migas gatas de bacalhau, cação frito com pimentão, migas no pingo do entrecosto e pezinhos de porco de coentrada, entre várias outras sugestões. A tradição é bem seguida na confecção destas especialidades, a matéria prima é boa, o serviço é esforçado. O preço final é aceitável, a garrafeira é extensa e a casa tem uma daquelas decorações, digamos, very typical. Mas o resultado final num jantar de amigos é muitíssimo superior à média. Rua do Grilo nº96 (ao lado da Igreja do Beato), tel. 218681354

 

BACK TO BASICS – Uma ideia que não é perigosa não merece ser considerada uma ideia (Oscar Wilde)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:01

FUTURO – A próxima semana promete ser muito agitada: que maioria vai sair das eleições? Como é que o método de Hondt pode influenciar o resultado em número de deputados – quer nos pequenos partidos, quer em alguns círculos eleitorais? Qual a atitude que o Presidente da República tomará na interpretação dos resultados, depois da forma como agiu antes das eleições? 


 


RECORDAR – As eleições servem para fazer o julgamento de quem está no Governo. Por isso vale a pena recordar que nos últimos quatro anos se assistiu a um aumento da carga fiscal; vale a pena recordar como as reformas dos trabalhadores por conta de outrem ficaram penalizadas; vale a pena recordar o clima de tensão na educação; vale a pena recordar as reformas não executadas na saúde; vale a pena recordar  os abusos de entidades tão diversas como a ASAE e a ERC; vale a pena recordar o falhanço das entidades reguladoras em sectores como a energia e a banca; vale a pena recordar que a política cultural foi inexistente; e vale a pena recordar que no ano passado Portugal foi o país que mais fundos comunitários perdeu por atrasos na sua utilização, a maioria dos quais na agricultura, um sector arruinado nestes quatro anos. 


 


ESCUTAS – Uma coisa é certa: na opinião pública ficou a ideia de que a Presidência da República armou uma tempestade, impossível de criar sem o conhecimento do próprio Presidente da República. Por isso, o seu silêncio, por vezes ruidoso, não ajuda nada a perceber o que se passa. Como se sabe, Cavaco Silva gosta de criar tabus e nem sempre se sai bem deles. Sobre a essência dos factos nada desmentiu até hoje e, antes pelo contrário, nas curtas palavras que sobre o assunto proferiu, deu a entender que tencionaria investigar o sucedido. A forma como tudo se passou vai ter custos políticos, graves. E este será certamente um dos casos de que se vai voltar a falar quando houver nova eleição presidencial, daqui a dois anos. Claro que por esclarecer fica outra coisa: como é que alguém teve acesso a correspondência interna de um jornal e a passou primeiro a um semanário e, depois, a outro diário? Se isto não é uma história de espionagem, o que é? 


 


FOTO – O momento fotográfico da semana foi a imagem que vários jornais utilizaram para ilustrar uma visita de José Sócrates aos emigrantes portugueses em Paris: Manuel Maria Carrilho e Ferro Rodrigues a acompanharem Sócrates ao TGV. O ridículo por vezes é fatal. 


 


TRÂNSITO – Há 15 dias voltei a andar de scooter pelas ruas de Lisboa, coisa que já não fazia há uns anos. No caos dos engarrafamentos constantes é a única solução para circular de um lado para o outro na cidade sem perder muito tempo. Mas constato que a mesma Câmara de António Costa e Ricardo Sá Fernandes, que faz à pressa ciclovias de estranho traçado como a de Telheiras, não tem cuidado com a segurança de quem se desloca em duas rodas: não usa tinta anti-derrapante nas marcações; nada faz para remover os carris de eléctricos que já não estão em utilização; nada faz para nivelar as tampas de esgotos – muitas autênticas armadilhas; permite que o pavimento de grande parte das ruas seja uma montanha russa de remendos e não obriga os autores dos constantes buracos que se abrem a deixar o piso em boas condições. Para garantir a segurança de quem usa veículos de duas rodas – com ou sem motor – é que não se vê nada feito em Lisboa. O resto é obra eleiçoeira. 


 


VISITAR – A Casa das Histórias Paula Rego, inaugurada a semana passada em Cascais, é um exemplo de bom equipamento cultural, construído de raiz. A arquitectura, no exterior, é uma boa surpresa e, no interior, é de uma eficácia enorme para o objectivo de mostrar artes plásticas – no caso quadros e desenhos. Depois, há muito mais pintura do que aquela que inicialmente se sabia ir existir. Paula Rego entusiasmou-se com o projecto e para além de esboços, estudos e desenhos, trouxe peças importantes da sua obra. Adicionalmente, a área de exposições temporárias da Casa, tem um conjunto de obras da artista cedidas pela Galeria Marlborough, verdadeiramente a não perder. Por último a loja da Casa das Histórias é do melhor que nesta matéria se tem feito em Portugal, graças a uma série de peças de merchandising, desde pens para computador até figuras de louça da Fábrica Bordallo, tudo inspirado na obra de Paula Rego. 


 


FOLHEAR – Muito boa a edição comemorativa do 4º aniversário da revista «N*Style». Sob o tema das tendências de moda para este Outono, a revista é um exemplo de boa fotografia, bom alinhamento editorial e boa paginação. Destaque ainda para as entrevistas com Eduarda Abondanza sobre a Moda Lisboa e com José António Tenente. 


 


PETISCAR – Confesso que iscas à portuguesa é um dos meus petiscos preferidos. Esta semana revisitei a Cave Real e provei umas magníficas iscas, temperadas no ponto certo, cortadas bem finas, como deve ser. A Cave Real é um restaurante onde a cozinha tradicional portuguesa domina, baseada em ingredientes de qualidade e numa confecção sólida e conservadora. Aqui não há grandes rasgos de imaginação, mas o serviço é acolhedor e eficaz, o ambiente é simpático (apesar da presença ocasional do Ministro das Finanças…) e as mesas são confortáveis. Cave Real, Av. 5 de Outubro 13-15 (junto à Maternidade Alfredo da Costa), tel. 213 544 065. 


 


OUVIR – Pete Yorn é um compositor e guitarrista Americano, autor de grandes canções, cuja carreira começou em 2001. Em 2006 pegou em nove canções da sua autoria e fechou-se em estúdio com a actriz Scarlett Johansson, que vai fazendo incursões na música (por exemplo gravou uma série de versões suas de canções de Tom Waits e de Jeff Buckley) . O resultado desta parceria entre Pete Yorn e Scarlett Johansson  é o álbum «Break Up», agora editado. São nove canções pop, deliciosas, num disco despretencioso e envolvente, que vai fazendo a narrativa de alguns episódios de uma relação imaginada.. Destaques para «Relator», «Search Your Heart», «Shampoo» e «Someday». Ao princípio o contraste entre a voz de Yorn e a de Johansson parece estranho, mas depois esse contraste torna-se num dos motivos de atracção deste disco. 


 


BACK TO BASICS – A moralidade é sempre o único refúgio das pessoas que não têm o menor sentido ético – Óscar Wilde

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:25


Mais sobre mim

foto do autor



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2005
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2004
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2003
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D