Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



JÁ ME ESTÃO A IR AO BOLSO

por falcao, em 27.10.10

Aqui há cerca de um ano os eleitores de Lisboa foram a votos e António Costa foi o vencedor, por reduzida margem aliás. Fez uma campanha essencialmente pró-governamental:  por exemplo defendia que a terceira ponte tivesse utilização automóvel, trazendo mais carros para a cidade; defendia que o aeroporto saísse da Portela; defendia o contrato do novo terminal de contentores de Alcântara. Nenhuma destas medidas era favorável para a cidade, todas pioravam a qualidade de vida dos seus habitantes.


 


No geral António Costa associou-se, na sua campanha, aos projectos de grandes obras públicas, e à transformação da cidade. O maior sinal desta transformação, nestes seus anos à frente da Câmara, está plantado no feio deserto em que o Terreiro do Paço foi transformado e no funcionamento da EMEL  (abusivo e lesivo dos habitantes da cidade) e ineficaz nos resultados alcançados – quem não se lembra da promessa do fim do estacionamento em dupla fila, já lá vão quase três anos?


 


António Costa prometeu muito durante a sua campanha eleitoral, mas tem cumprido muito pouco do que tem prometido. Curiosamente, uma coisa que ele não prometeu, mas que foi rápido a fazer, foi ir ainda mais ao bolso dos lisboetas . Na semana passada os moradores de Lisboa começaram a receber nas facturas de gás a cobrança de uma taxa de ocupação de subsolo. Quer dizer, a Câmara resolveu cobrar a utilização do subsolo pela empresa que faz a distribuição do gás. Os consumidores já pagam o serviço que recebem – mas agora têm também de pagar à Câmara para poderem ter gás canalizado em casa.


 


Quem vive em Lisboa, quem aqui paga IRS, eventualmente IMI e IMT, quem paga as taxas de instalação e revisão do gás (com os abusos que se conhecem…), quem paga a própria factura do fornecimento, tem agora que pagar mais uma taxa. Aqui está o que é a governação de António Costa – ir-nos ao bolso logo que arranja pretexto. Assim se promove o repovoamento de Lisboa.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:42

Crise & Companhia

por falcao, em 27.10.10

PSD – Na página 2 do «Correio da Manhã» do passado dia 19 vinha um artigo de Ângelo Correia com o discreto título «O Orçamento de 2011», onde o autor escrevia: «O PSD deve pois abster-se e nem negociar com o PS. Por experiência própria sabe-se que não se negoceia com quem não tem boa fé e, sobretudo, deseja o voto contra de Passos Coelho. O que p PS quer é fugir e é isso que não podemos consentir». Na mesma data em que o artigo foi publicado decorreu, à noite, um Conselho Nacional do PSD de onde saíram uma série de pressupostos negociais considerados necessários pelos social-democratas para, abstendo-se, viabilizarem o orçamento. Na prática a direcção do PSD fez ouvidos de mercador à sugestão de Ângelo Correia e avançou com uma plataforma para negociação. Ora acontece que desde sempre Passos Coelho foi considerado como muito próximo de Ângelo Correia, com quem trabalhou anos, e que, objectivamente o apoiou na campanha para conquistar a liderança do PSD. O «i», perspicaz, leu o artigo do «Correio da Manhã» e foi falar com Ângelo Correia. O resultado foi uma manchete que dizia: «PSD dividido - Ângelo Correia corta com Passos Coelho». Na peça do diário é citada uma declaração de Ângelo Correia que classifica de «inutilidade» a estratégia decidida por Passos Coelho.


 


Claro que tudo isto pode apenas ser uma tempestade num copo de água – mas pode igualmente ser um sinal do acentuar de divergências em relação à estratégia de Passos Coelho em toda esta questão orçamental e do PEC. O que é certo é que, pela primeira vez desde que assumiu a liderança do PSD, verifica-se uma clivagem no núcleo duro de Passos Coelho. Fora do núcleo duro, nas últimas semanas, multiplicaram-se manifestações de desagrado pela forma como a direcção social-democrata tem gerido todo o processo.


A expectativa sobre o desenrolar da situação, agora que a votação do OE foi adiada para os primeiros dias de Novembro, é grande. Passos Coelho pôs-se mais uma vez na posição de continuar a admitir a possibilidade de votar contra o Orçamento. Há quem defenda, dentro do PS, que não ceder ao PSD e provocar um voto contra – com todas as consequências que isso trará – vai lançar o ónus de provocador do caos sobre o PSD e Passos Coelho. Estamos como num jogo de futebol arriscado – prognóstico só no final do jogo. Mas a verdade é que não se percebe, em termos políticos e em termos de comunicação, a estratégia da equipa de Passos Coelho. E a questão de saber se não seria mais eficaz deixar ficar o PS com o ónus dos disparates orçamentais cometidos e prometidos vai voltar a colocar-se. O grande problema, o maior problema, é o facto de mais uma vez – depois do PEC, depois da questão da Revisão da Constituição - o PSD aparecer hesitante, com posição indefinida durante demasiado tempo, a tornar evidentes contradições internas. Com esta clivagem pública de Ângelo Correia abre-se uma nova fase na complicada vida interna dos social-democratas. Está aberto o processo de uma nova crise e não há-de faltar muito para começarmos a assistir a novas contagens de espingardas.


 


ROUBO - Esta semana os munícipes de Lisboa começaram a receber nas contas do gás a cobrança de uma taxa de ocupação de subsolo. Quer dizer – quem vive em Lisboa, quem aqui paga IRS, eventualmente IMI e IMT, quem paga as taxas de instalação e revisão do gás (com os abusos que se conhecem…), quem paga a própria factura do fornecimento, tem agora que pagar mais uma taxa. Regulamentada a jeito pelo Governo, a nova taxa é uma forma de assalto à mão armada de que algumas autarquias se socorrem para contornar a diminuição das transferências do Estado ou para garantirem aumentos de receitas. Esta nova taxa é um abuso, é um absurdo, é um descaramento e, sobretudo, é  injusta e profundamente imoral. A taxa de ocupação do subsolo é um expediente de ladroagem pura e simples executada por quem aprova e põe em prática medidas destas. Pelos vistos é é assim que António Costa pretende repovoar a cidade.


 



NOTÍCIA – Costuma dizer-se que um cão morder um homem não é notícia, mas um homem morder um cão já o é. Sem desrespeito por ninguém, é o que aconteceu esta semana, quando foi Marcelo Rebelo de Sousa a informar da data do anúncio da candidatura à presidência de Cavaco Silva, antecipando-se ao próprio e gabando-se de um autêntico furo jornalístico em directo, na televisão. Para além da questão do absurdo tabu de Cavaco, toda esta história mostra outra coisa - tal como em algumas actividades económicas, em política, a falta de concorrência gera péssimos efeitos. É o que está a acontecer nas presidenciais .


 


ARCO DA VELHA – Muito ruidoso o silêncio de Manuel Alegre. O Bloco de Esquerda, que o propôs como candidato em primeiro lugar, já disse que vota contra o Orçamento. O PS, que depois veio também apoiá-lo, vai votar a favor. Fernando Nobre já disse que votaria contra, se fosse deputado. E Manuel Alegre está em parte incerta, evitando ter que falar. Para quem se dizia adepto da transparência é um quadro interessante de seguir. À hora a que escrevo, no seu site de candidatura não existe nem uma linha sobre o assunto e o título em destaque era: «Criar a energia necessária para uma nova esperança para Portugal». Pois….

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:40

SUGESTÕES

por falcao, em 27.10.10

FOLHEAR Cada vez gosto mais de folhear a revista «The Atlantic», publicada em Washington. É uma revista sobre política, é claro, mas é também uma revista sobre o que se passa no nosso mudo, em termos de tendências, evolução de comportamentos, análise da sociedade. A edição de Outubro traz um belo artigo sobre os falhanços da geração dos Baby Boomers (os nascidos nos anos 60), uma curiosa análise da vice-presidência de Joe Biden, uma avaliação do trabalho de Schwarzenegger na Califórnia, para além de diversas colunas, e uma sempre actual selecção de livros. A edição on line é também excelente – e um case study de rentabilidade e modelo de negócio.


 



OUVIR – Para assinalar os seus 50 anos de vida musical, o guitarrista de jazz Lee Ritenour pôs de pé o projecto  «6 String Theory», chamando para o seu lado uma série de 20 guitarristas, desde John Scofield a George Benson, passando por Slash, BB King, Keb’ Mo, Robert Cray ou Andy McKee, entre outros. Discos deste género podem ser uma maçada, de exercícios virtuosos ou malabarismos sem sentido. Não é felizmente o caso – este CD é verdadeiramente uma delícia para todos os que gostam do som de uma guitarra de seis cordas a interpretar temas clássicos da música popular norte-americana. (CD Concord).


 




VER – Duas exposições bem diferentes que vale a pena visitar: na Galeria João Esteves de Oliveira (Rua Ivens 38, até 19 de Novembro) uma evocação da obra de Fernando Calhau, intitulada «Deserto»; e, noutro registo, no Instituto Português de Fotografia (Rua da Ilha Terceira, 31 A )o fotógrafo Valter Vinagre (do colectivo Kameraphoto) apresenta uma série de fotografias feitas na escola do Chapitô sobre o universo do circo, intitulada «Paixão».


 



PROVAR – Já não ía à Vela Latina há algum tempo, mas esta semana tive ocasião de me penalizar por não frequentar este restaurante mais vezes. Comi um excelente pregado frito com um arroz de grelos perfeito e ao meu lado invejei uns ovos mexidos com cogumelos. O serviço continua afectuoso, a carta é extensa em propostas culinárias e em vinhos, a localização é boa, no terraço (coberto) pode fumar-se e o bar continua simpático. Doca do Bom Sucesso, telefone 213017118.


 



BACK TO BASICS – A conversação erudita é a pose do ignorante ou a ocupação do homem mentalmente desocupado – Óscar Wilde

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:38

UM TRISTE DILEMA

por falcao, em 21.10.10

Dei comigo a pensar que já tinha ouvido muita gente comentar a proposta de Orçamento de Estado para 2011, mas ainda não sei o que Manuel Alegre pensa sobre o assunto. Fui ao sítio oficial da candidatura e esbarrei numa espécie de exercício de ilusionismo político. Passo a explicar: lá só estão boas notícias, inaugurações de sede de campanha, relatos de apoios, manifestações de simpatia. Quem lá entrar não vislumbra crise em Portugal nem sequer sabe que anda tudo a falar sobre o Orçamento de Estado.


 


O candidato Fernando Nobre fez questão, no sábado passado, de declarar que se fosse deputado votaria contra este orçamento. Manuel Alegre continua silencioso, mais uma vez a ver se a tempestade passa. Manuel Alegre está num dilema: de um lado é apoiado pelo Bloco de Esquerda, que vai votar contra o orçamento; do outro é o candidato oficial do Partido Socialista, que propõe o orçamento e obviamente se baterá por ele. No meio fica Alegre, perdido na confusão ideológica que o caracteriza, espartilhado entre compromissos, empurrões e apoios, e sem poder dizer grande coisa evitando irritar uma das partes.


 


A política faz-se de posições sobre questões concretas. Faz-se de um programa claro, baseado em factos, medidas, objectivos. Um candidato presidencial tem que saber analisar a realidade e agir em função disso. Precisamente é isso que Manuel Alegre, por mais de uma vez, se mostra incapaz de fazer. É muito difícil querer agradar simultaneamente ao endeusado Sócrates e ao diabolizado Louçã.


Tudo isto é curioso porque até há pouco tempo Alegre acusava Cavaco de ser demasiado conivente com compromissos e de manter silêncios habilidosos – de ser pouco frontal e transparente, em suma. Vai-se a ver e é o próprio Alegre que agora está enredado numa teia tão densa que é tudo menos transparente, tudo menos frontal. Este episódio tem pelo menos uma vantagem: mostra que a candidatura de Alegre não tem programa e não tem coerência.


 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:28

LUGARES COMUNS

por falcao, em 15.10.10

Os dias, agora podem começar aqui

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:14

SOBRE A CRISE DA IMPRENSA

por falcao, em 15.10.10

Olho para a imprensa em Portugal com preocupação. Este ano as estimativas indicam que o valor do investimento publicitário nos jornais diários generalistas vai ser menor que o investimento publicitário em canais de televisão por subscrição (cabo e satélite), menor que o investimento em rádio e muito semelhante ao do investimento em internet e meios digitais. Isto quer dizer que a imprensa está a perder simultaneamente competitividade e capacidade de atracção dos grandes investimentos publicitários geridos por agências. Ao mesmo tempo o declínio de vendas em banca da maior parte dos jornais diários generalistas é acentuado, com excepção do «Correio da Manhã». Jornais especializados, como este «Jornal de Negócios», mantém os seus leitores e até consegue reforçá-los – sem dúvida porque fala do que interessa à sua audiência e selecciona bem os temas que desenvolve. Já muitos jornais diários parecem mais preocupados com os gostos e interesses pessoais dos seus jornalistas do que com trabalhar aquilo que pode fazer aumentar o número de leitores.


 


Aquilo que a imprensa vende não é apenas espaço de publicidade, é a capacidade de comunicação com os seus leitores – o número de contactos que permite -  e é, também, a qualidade dos seus leitores. Se o número de leitores diminui, é evidente que fazer publicidade num determinado título se torna menos apelativo.


 


Do meu ponto de vista a maioria da imprensa diária está a ser penalizada por um movimento conjugado de diminuição da qualidade dos seus conteúdos e pela falta de adequação de conteúdos aos alvos que interessam Alguma imprensa diária colocou-se a ela própria numa situação de quase marginalidade, tratando mais temas de interesse minoritário do que assuntos que estabeleçam relação com os leitores.


É assustador pensar que hoje os jornais diários generalistas são em menor número do que no dia 24 de Abril de 1974, mas sobretudo têm dezenas de milhares de leitores a menos. Algures os jornais diários divorciaram-se do público e o fenómeno é anterior às edições digitais.


 


Por via de regra a maioria dos jornais diários, sobretudo os ditos de referência, abordam poucos temas portugueses, para além da política. Uma comparação com os principais jornais de referência de outros países mostra um menor número de notícias nacionais em temas como sociedade e comportamento, uma menor cobertura de áreas como a saúde e a educação, uma muito deficiente cobertura do noticiário local e regional que garantem leitores de proximidade.


 


Os jornais anglo-saxónicos, por exemplo, frequentemente fazem reportagens sobre um grande tema de garantida proximidade com os leitores, reportagens essas que são divididas por sucessivas edições diárias, quase em género folhetim, culminando depois em dossieres especiais ou portfolios relacionados com o tema nas suas revistas de domingo. Os leitores sentem-se compelidos a seguir a história, a ver os seus vários ângulos de abordagem e, sobretudo, porque os temas são bem escolhidos e têm um enfoque local, regional ou nacional, conseguem estabelecer uma relação de utilidade com o que estão a ler.


 


Um dos jornais de referência de Lisboa publicou recentemente uma série alongada de boas reportagens sobre o ambiente que se vive em aldeias mexicanas por causa dos cartéis da droga. Bem escritas, as reportagens tinham um fio condutor. Mas o mesmo jornal não publica há meses – talvez há anos – reportagens assim estruturadas sobre situações existentes em Portugal – feitas com aqueles meios, com aquele espaço de paginação, com aquela qualidade de escrita. Se o tema tivesse uma capacidade de ligação maior a leitores portugueses e se fosse bem promovido, talvez o jornal tivesse outros resultados de venda e de receitas comerciais – e sem necessidade de fazer maiores investimentos.


 


A questão do marketing dos jornais ganha, neste contexto, particular importância. Nos últimos anos os jornais têm apostado sobretudo o seu marketing na venda de produtos associados (CD’s, DVD’s, livros, brindes diversos). Essas campanhas provocam algum aumento de receita, provocam aumento pontual da circulação ( e são muito eficazes quando coincidem com o trabalho de campo da recolha de dados dos estudos de audiência da imprensa). Mas o marketing de conteúdo, que se tem mostrado eficaz nos canais de cabo e na rádio, por exemplo, quase não é utilizado na imprensa. – no fundo porque muita imprensa tem desprezado a qualidade dos seus conteúdos e a sua adequação aos seus públicos-alvo.


 


Os media só são bons suportes publicitários quando conseguem entregar a capacidade de comunicação com as audiências. E as audiências são movidas por conteúdos que lhes interessem. Eu acho que o problema de muita da imprensa portuguesa é que se esqueceu desta questão básica.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:13

PARA OS GRAFOLOGISTAS POTENCIAIS

por falcao, em 15.10.10

A revista «Egoísta» fez um delicioso número especial, extra-série, de formato reduzido, quase um livro,  a partir de um espólio de manuscritos que inclui cartas de nomes como José Régio, Fernando Pessoa, António Botto, Amadeo de Souza Cardoso e Santa-Rita Pintor, entre outros. A análise grafológica dos manuscritos e considerações gerais sobre o tema estão a cargo de Alberto Vaz da Silva, um reputado especialista no assunto.


 


O resultado é uma edição deliciosa e de colecção que merece ser guardada. Paginação excelente, textos aliciantes (os dos manuscritos e a sua interpretação). Ou seja, a revelação do ser através do seu escrever, como bem sublinha Mário Assis Ferreira, que dirige a «Egoísta».

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:12

Robert Plant fez carreira nos Led Zeppelin mas as suas aventuras musicais mais recentes revelam uma inesperada frescura e uma criatividade surpreendente. «Band Of Joy» é o seu mais recente registo e vai buscar o nome a uma banda de tendência psicadélica que Plant liderou ainda antes dos Led Zeppelin.


 


O disco tem uma sonoridade claramente country, que lhe é dada pelo propdutor Buddy Miller. A selecção de temas é eclética e vai de originais de Richard Thompson a clássicos de Lightin’ Hopkins, e Jimmie Rodgers, até ao rock de Los Lobos ou de Townes Van Zandt. A voz de Patty Griffin ajuda Robert Plant, mas é indiscutivelmente a ele que se devem atribuir os louros por este belíssimo disco. (CD Decca, Amazon)


 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:11

PROVAR O MATTOS

por falcao, em 15.10.10

As lulas à Mattos são o prato forte da casa – forte e bem temperado, a exigir calma e sossego posteriores. Mas as ofertas de peixe e carne grelhada como os secretos de porco preto ou as costeletinhas de borrego também fazem parte dos ex-libris da casa, que fica bem perto da Avenida de Roma, junto ao teatro Maria Matos. Já agora cabe aqui elogiar as batatas fritas, cortadas em palitos fininhos, de boa batata e boa fritura, e que são um verdadeiro pecado.


 


A garrafeira é cuidada e actual, a freguesia gosta de cozinha portuguesa e de doces conventuais – que são a guloseima do local. De modo que não é invulgar ver no local alguns clientes com, digamos, algum excesso de peso – mas com ar feliz e bem disposto. Rua Bulhão pato 2ª, telefone 218483924, encerra aos Domingos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:10

BACK TO BASICS

por falcao, em 15.10.10

 


A indiferença pela coisa pública leva a que sejamos governados por má gente - Platão


 


 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:08

Pág. 1/3



Mais sobre mim

foto do autor



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2005
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2004
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2003
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D