Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



PÚBLICOS, CONSUMOS E CULTURA

por falcao, em 29.11.13

PÚBLICOS - Os portugueses estão a ir menos ao cinema, quase não frequentam bibliotecas públicas e visitam pouco os museus. Espectáculos, tirando os festivais de verão, têm público reduzido, seja teatro, dança ou ópera. As vendas de livros estão abaixo da média europeia - nos principais indicadores de consumos culturais ombreamos com a Roménia e a Bulgária. Há quem diga que o problema essencial tem a ver com a falta de estímulos à cultura desde os bancos da escola primária. Ouso aqui lançar uma provocação: após décadas de subsídios, de muitos milhões investidos em teatro, cinema e num conjunto alargado de instituições e equipamentos, porque é que não existem e se multiplicam os públicos? Será apenas porque a escola não ensina a descobrir a cultura, ou será que os agentes culturais se foram divorciando dos públicos? Já sei que vou ser pouco popular, mas não me sai da cabeça que quem não precisa de vender bilhetes para ter receita tem tendência a falar para o umbigo. Isto passa-se  na maior parte dos sectores subsidiados, nos sectores onde se foi desleixando a comunicação com os públicos, onde não foi objectivo assumido a vontade de os captar e multiplicar. Assim, quando esses públicos não surgem a culpa é sempre do sistema - que não os empurra em rebanho até quem os devia captar. E esses, para além das falhas do sistema, ficam demasiadas vezes sentados à espera que alguém chegue. Mas quando há uma boa ideia, bem divulgada e produzida, o público lá aparece - veja-se o que aconteceu com a exposição de Joana Vasconcelos no Palácio da Ajuda.


SEMANADA - Passos Coelho afirmou que a reforma do Estado não é uma iniciativa totalitária; na Assembleia da Republica foi aprovado o Orçamento de Estado para 2014; Soares apelou às armas; as polícias em manifestação invadiram as escadas do Parlamento; sindicalistas ocuparam quatro Ministérios; as secretas confessaram desconhecer tudo isto; cada Ministério vai ter 20 polícias a reforçar a segurança; mais de 400.000 pessoas ganham o salário mínimo; sete em cada dez pensionistas da segurança social ganham menos que o salário minimo; desde 2010 a UE aumentou em 6,7 milhões o número de pessoas em risco de pobreza ou exclusão; o governo decidiu adiar para 2014 a emissão de dívida a longo prazo; o Banco de Portugal considerou que o orçamento de estado para 2014 pode fazer agravar o crédito malparado; as empresas públicas não financeiras aumentaram o endividamento em 6,2% no ano passado; o Banco de Portugal alertou para os riscos da elevada exposição da banca e dos seguros à divida publica portuguesa;  depois das promessas eleitorais das últimas autárquicas, António Costa aproveitou a primeira reunião da nova Assembleia Municipal de Lisboa para anunciar que a Câmara de Lisboa vai aumentar “de forma estrutural” taxas municipais em 2014; o custo dos doze estádios de futebol que estão a ser preparados para receber o Campeonato do Mundo, que decorre no próximo ano no Brasil, agravou-se em 320 milhões de euros menos de um ano; as crianças a partir dos oito anos gastam metade do seu tempo livre, cerca de 21,5 horas por semana, a ver TV ou na internet.


ARCO DA VELHA - A CMVM demorou quatro meses a disponibilizar publicamente a informação de que Rui Machete havia renunciado ao cargo de vice-presidente da Assembleia Geral da CGD na data em que tomou posse como Ministro dos Negócios Estrangeiros.


VER -  Esta semana andei a espreitar no Facebook o que andam alguns artistas a fazer. Soube que Cristina Ataíde vai levar as suas montanhas (a imagem que aqui está)  a Nova Iorque no próximo ano. Descobri um sedutor conjunto de molduras vazias na página de Ana Vidigal. Espreitei o novo atelier de Paulo Brighenti. Vislumbrei as viagens de Susana Anágua. Invejei os trabalhos que Carlos Correia levou até à Galeria Pedro Oliveira, no Porto. Segui as fotografias que Luísa Ferreira vai fazendo. Em procurando bem o Facebook dá-nos um retrato do que se vai preparando, melhor que os guias desactualizados e tardios que são publicados na imprensa, cada vez mais preguiçosa a seguir a realidade nesta área, com medo de ofender com o que escreve e com pudor em mostrar o que não está na moda. Apetecia-me que alguém fizesse uma galeria virtual no Facebook, onde fosse expondo trabalhos que de outra forma não podemos ver. Irrito-me cada vez que percebo que uma exposição acabou e já não a consigo visitar. Mas ficaria menos irritado se a pudesse pelo menos vislumbrar na sua memória digital. O Facebook é bom para isso - pode deixar o testemunho, como se fosse um catálogo virtual. Há muito ainda por fazer neste mundo novo, e as possibilidades que ele abre de divulgação da arte contemporânea são infindáveis.


OUVIR - Há discos que são uma festa e “Caríssimas Canções”, de Sérgio Godinho, é um deles. Trata-se de um trabalho de selecção e interpretação de canções alheias, que vão de “People Are Strange”, dos Doors, a “Heartbreak Hotel” de Elvis Presley, com boa passagem garantida por temas como “Sampa”, de Caetano Veloso, “Vendaval”, que foi cantado por Tony de Matos, as brasileiras “Conversa de Botequim” e “Geni e o Zepelin”. Mas aqui estão também Zeca Afonso com os seus “Vampiros”, Jacques Brel com “Les Vieux” ou Violeta Parra com “Volver A Los 17”. E, claro “You’ve Got To Hide Your Love Away”, dos Beatles. É uma espécie de cancioneiro eclético de uma geração, interpretado com amor, humor e originalidade. Gosto dos arranjos, da guitarra marcante que se manifesta em “Vendaval”, do trabalho que Hélder Gonçalves, Manuela Azevedo e Hugo Rafael fizeram com Sérgio Godinho. Já sabia que Sérgio é um dos melhores fazedores de canções que temos; fiquei a saber que é também um dos nossos grandes intérpretes de composições alheias. O disco foi gravado ao vivo no CCB e na Casa da Música no final do primeiro semestre deste ano. Lá em casa esté em estado “repeat” há uns dias.


FOLHEAR - Este mês a Monocle publica uma dupla edição, que abarca Dezembro e Janeiro, dedicada a mostrar os caminhos para ser bem sucedido em 2014. A edição é grande - 300 páginas mais um suplemento de outra centena, dedicado a escolhas especiais da equipa da revista - The Monocle 100. Em destaque um guia de compras em Lisboa. Logo na primeira página está em realce a Chocolataria Equador, do Chiado, já aqui louvaminhada. Outras lojas em destaque são a luvaria Ulisses, a Conserveira de Lisboa, a Chapelaria Azevedo, a Loja do Burel, a charcutaria Moy e a Embaixada do Princípe Real. Em matéria de comida as recomendações passam pelo Cantinho do Avilez, o Bistro 100 Maneiras e a Petiscaria Ideal. O hotel sugerido é o Memmo Alfama. Mudando de registo, só pelo suplemento The Monocle 100 já se justificava ter a revista - é delicioso folhear boas ideias de todo o mundo. E para quem se interessa pela sobrevivência da imprensa há dois interessantes artigos sobre experiências bem sucedidas - uma na California e outra na Suécia.


PROVAR - Um dia destes foi almoçar, algo desconfiado, confesso, ao restaurante do Chef Cordeiro no Terreiro do Paço. Saí de lá convencido de que não vale a pena ir de pé atrás quando o anfitrião tem pergaminhos - uma estrela Michelin na Casa da Calçada em Amarante e outra na Feitoria do Altis Belém. Não deve ser fácil governar uma casa daquelas - tem  área considerável no interior e na esplanada exterior, soberba, sobre a maior praça de Lisboa. No piso superior há uma zona mais formal e com uma escolha de lista mais elaborada. Fiquei-me, satisfeito, pelo rés do chão. Esquecendo um deslize ou outro no serviço, passemos à substância. Comecei com uma muxama de atum que estava muito boa e que cumpriu a função, abrindo o apetite. Provei um rissol de berbigão e camarão, rico, cremoso, saboroso, que me fez lembrar os que comia em casa da minha avó. Já o pastel de bacalhau achei trivial. Mas, em compensação, a açorda de bacalhau com poejos estava no ponto açordeiro, com bom bacalhau que se sentia e com o aroma único dos poejos frescos. Tudo foi acompanhado com vinho a copo, primeiro branco e depois tinto, sempre Álvaro Castro, do Douro. Espero que o Chef Cordeiro dedique a este local o tempo e a atenção que merece e que não se distraia, nem se perca,  com a tentação de ser estrela de televisão. Hei-de lá voltar, quando fizer menos frio, para me deliciar na esplanada. O telefone é o 216 080 090.


GOSTO - Com a campanha “Portuguese shoes the sexiest industry in Europe”, o calçado português ganhou um prémio europeu de apoio à internacionalização de empresas, em concorrência com o champagne de França.


NAO GOSTO - Há restaurantes que não avisam não ter multibanco e que, na hora de pagar, indicam que ao lado há uma caixa para ir levantar dinheiro. Foi o que me aconteceu esta semana no muito badalado Mercantina, em Alvalade. A evitar.

DIXIT - “Prefiro uma igreja ferida e suja por andar na rua a uma igreja interessada em ser o centro e que acabe enclausurada num emaranhado de obsessões e rituais”  - Papa Francisco


BACK TO BASICS - Quanto mais coisas existem que possam envergonhar alguém, mais essa pessoa é encarada com respeito - Gerorge Bernard Shaw



Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:17

O CASO DO DEPUTADO PIRATA

por falcao, em 26.11.13

Ofereço hoje o meu espaço de opinião à Associação do Comércio Audiovisual de Obras Culturais e de Entretenimento de Portugal – Acapor. A Acapor dirigiu uma carta aberta ao deputado do PS João Galamba, pedindo a sua demissão, por este ter solicitado, através do twitter, um link de uma transmissão ilegal do jogo de futebol Porto-Sporting.

 

Excertos da carta-aberta da ACAPOR: “Temos procurado elucidar a comunidade e particularmente o poder político/legislativo para as consequências nefastas e arrasadoras do problema da pirataria. Como se vê, continuamos muito longe de alcançar os objectivos. A revelação pública, não hesitante e despudorada de que o Sr. Deputado procura ver por canais ilegítimos uma transmissão desportiva com exclusividade de visionamento por subscrição paga é prova que, provavelmente, andamos a perder o nosso tempo na Assembleia da República. A pirataria é a principal causa da perda de 4 Milhões de espectadores nas salas de cinema em menos de 3 anos – 1,1 Milhões só nos últimos 10 meses – é responsável por não existir actualmente exibição regular de cinema dos Distritos de Évora, Beja, Portalegre e Castelo Branco. A pirataria está ainda na origem da perda de 25 milhões de vendas de DVDs/Blu-Rays em apenas 4 anos. Independentemente da questão penal do comportamento e da inerente incitação à prática de crime à comunidade, a falta de sensibilidade para a problemática por si manifestada e o desprezo pelo drama das famílias que perderam o seu sustento às mãos da pirataria, deveriam levar o Sr. Deputado a apresentar a renúncia ao seu mandato, nos temos do artigo 7.º do Estatuto dos Deputados em face da grosseira violação do artigo 14.º n.º 1 al. e) do mesmo diploma legal.”


(Publicado na edição de dia 26 do diário METRO)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:39

SOBRE O VAZIO NACIONAL

por falcao, em 22.11.13

VAZIO  - Um dia talvez se consiga fazer a História destes anos, deste terrível começo de século que levou Portugal para o vazio onde nos encontramos, um vazio tecido por uma nova emigração que procura outra vez fora de Portugal o que o país lhe não pode dar; um vazio de ideias e de protagonistas políticos, um vazio que vive no conformismo, que não tem rasgo para além da obediência. Este nosso Portugal é o retrato de um país que encomendou estudos que ignorou; que teve oportunidades que desbaratou; que recebeu milhões que desperdiçou; que foi megalómano ao ponto de deixar o básico e fazer o supérfluo; que não conseguiu pôr a justiça a funcionar a metade do ritmo a que aumentou impostos. Este é ainda o país onde o Estado entende que a sua missão é dificultar e não ajudar a criar. É um país carregado de oportunidades mas perito em semear dificuldades. Dantes tínhamos industriais mas não tínhamos designers; hoje temos designers mas não temos novos industriais. As coisas parece que crescem onde não devem, e encolhem onde deviam aumentar.


SEMANADA - O porta-voz do PS, João Ribeiro, suspendeu funções partidárias e vai emigrar para a Coreia do Sul, ao serviço da ONU; no ano passado terão emigrado 2500 enfermeiros portugueses; tabaco mata 29 pessoas por dia em Portugal; 90% dos fumadores portugueses iniciaram o consumo de tabaco antes dos 25 anos; Portugal tem a segunda pior taxa de natalidade da UE, apenas superada pela Alemanha; o país parece um copo vazio - Portugal perdeu 55 mil habitantes em 2012; Pinto Monteiro, ex-Procurador Geral da República, afirmou que há cópias das escutas do processo “Face Oculta”, que deviam ter sido destruídas, nas mãos de “jornalistas e particulares”; 15,5 % das vitimas de violência conjugal são homens; Rui Tavares lançou um projecto de partido, a que chamou Livre e convidou para o evento José Sá Fernandes; Cristiano Ronaldo iniciou a construção de um museu na Madeira que receberá os troféus ganhos pelo jogador; desde que este Governo está em funções já se verificaram perto de 500 dias de greve no sector dos transportes; exportações de calçado subiram 7,2% até Setembro; a macdonalds já faz 34% das compras a produtores nacionais; doze restaurantes portugueses receberam estrelas no guia Michelin de 2014; a Pepsi na Suécia quis fazer uma campanha viral contra Cristiano Ronaldo e saíu-se muito mal - a Pepsi tem, no mundo inteiro, no facebook, 28 milhões de fãs, pouca coisa comparados com os 64 milhões de Ronaldo, que caíram em cima da beberragem que nem gato a bofe.


ARCO DA VELHA - O Ministro da Administração Interna afirmou-se surpreendido com o elevado número de horas de inoperacionalidade dos helicópteros Kamov durante o período crítico dos incêndios florestais. No total os cinco helicópteros Kamov estiveram inoperacionais 2318 horas, ou cerca de 96 dias inteiros. Este ano os incêndios devastaram 145 mil hectares e mataram nove pessoas.


VER - Há uma pequeníssima e muito curiosa galeria em Lisboa, que integra o Projecto Travessa da Ermida a Ermida de Nossa Senhora da Conceição. Fica numa pequena rua de Belém, a estreita Travessa do Marta Pinto, perto da Fábrica dos Pastéis de Belém, numa antiga ermida cujo proprietário é um médico, Eduardo Fernandes. O Projecto é completado pelo restaurante Enoteca de Belém, pela Oficina de Joalharia e ainda por uma publicação bi-anual, “Efeméride”. Desde esta semana e até 22 de Dezembro a Ermida apresenta dois desenhos de grandes dimensões de Teresa Gonçalves Lobo que este ano já mostrou trabalhos bem diferentes, por exemplo na Fundação Ricardo Espírito Santo Silva e na VPF Creamarte. “Para Além De”... é o título desta exposição que é mais uma mostra da forma de desenhar, original e pesoalíssima da artista, que combina s simplicidade com a força, a sobriedade com a emoção. O texto de apresentação da exposição, de Bernardo Pinto de Almeida tem um título que diz tudo: “ A disciplina secreta do desenho”.


FOLHEAR  - A edição de Dezembro da revista “Vanity Fair” tem Nicole Kidman na capa, a propósito de uma das mais reveladoras entrevistas da actriz que gosta de realizadores rebeldes e decidiu sair de Los Angeles e ir viver para Nashville. A Vanity Fair costuma vangloriar-se de ser a revista com melhores artigos sobre o mundo da finança e nesta edição o perfil de Dan Loebe, um dos mais polémicos gestores de hedge funds, não deixa os seus créditos por mãos  alheias ao descrever a forma como ele actua e os expedientes a que recorre quando quer controlar uma empresa. Um dos pontos altos da revista é um inquérito, a 100 personalidades relevantes da arte, sobre quem são os maiores artistas contemporãneos vivos: e os vendedores são Gerhard Richter, Jasper Johns, Richard Serra, Bruce Nauman e Cindy Sherman - que ficam no Top 5. A reportagem do mês é sobre uma tribo da Amazónia e a polémica da edição é sobre a vida secreta do Vaticano, ou a comunidade gay que vive no centro de poder da Igreja Católica.


OUVIR - Uma coisa mesmo engraçada é que os Beatles, ao fim destes anos todos, ainda mexem - quer dizer, ainda se descobrem gravações inéditas. Há poucos dias foi editado “The Beatles On Air - Live at the BBC Volume 2”. O Volume 1 tinha sido originalmente editado em 1994, e foi agora também reeditado. Este segundo volume tem dois CD’s e 63 registos gravados em programas da BBC que foram para o ar em 1963 e 1964 e que até aqui não tinham tido edição discográfica. Além de canções há numerosas gravações de conversas com os quatro Beatles, momentos de humor, excertos do programa semanal “Pop Go The Beatles” que durante algum tempo eles asseguraram, cantando temas seus mas também versões de outros - como a deliciosa “I’m Talking About You” de Chuck Berry onde John Lennon mostra bem as suas origens no rock’n’roll, uma decente versão de “Words Of Love” de Buddy Holly e uma muito emotiva forma de interpretar “Please Mr. Postman”. E claro que também se encontram versões gravadas ao vivo para a rádio dos primeiros êxitos dos Beatles - “She Loves You”, “Do You Want To Know A Secret”, “Please Please Me”, “And I Love Her” ou “I Want To Hold Your Hand”, entre muitas outras. São duas horas divertidas, um regresso a bons tempos da rádio. Num pequeno texto de introdução Paul McCartney homenageia a tradição da BBC, escrevendo que foi a ouvir a estação que descobriu a música. E que, depois, foi a BBC que ajudou a que os Betales chegassem onde chegaram.


PROVAR - Um prato de que gosto muito, e que por falta de oportunidade raramente como, é essa pequena maravilha a que se chama fígados de aves à francesa. Cortados os fígados em pequenos pedaços, refogados num molho que leva um pouco de vinho branco e frutos secos, são acompanhados por arroz branco, solto. Bem apurado, o molho fica espesso e ajuda a dar sabor ao arroz. Ao contrário do que se pode pensar é um prato leve e um dos restaurantes que melhor o confecciona é o Café do Chiado. Situado a dois passos do Chiado, no Largo do Picadeiro, entre as traseiras dos teatros S. Luiz e S. Carlos, o Café do Chiado é há muito uma referência quando se fala de um local com uma cozinha de qualidade, pratos tradicionais, bom serviço e preços médios. Além dos fígados de aves encontram um bom rosbife, um arroz de pato honestíssimo, bom bacalhau à braz e uns surpreendentes ovos mexidos com salmão. A garrafeira é equilibrada e concilia vinhos tradicionais com algumas boas propostas recentes - peça recomendações que vale a pena. O Café do Chiado pertence ao Centro Nacional de Cultura e foi remodelado em 2006, mas mantém uaa sala interior onde livros e jornais integram a decoração. Cá fora está uma das melhores e mais confortáveis esplanadas da Baixa. Está aberto todos os dias das dez às duas da manhã, servindo ao longo de todo o dia.  O telefone é o 213 460 501.


DIXIT - “Se Ronaldo não vencer a Bola de Ouro é injusto” - Paulo Bento


GOSTO - Do trabalho de comunicação que está a ser feito relativamente à privatização dos CTT.


NÃO GOSTO - Do espanto algo serôdio causado pelas revelações de Fernando Moreira de Sá sobre os métodos utilizados para promover Passos Coelho em 2010.


BACK TO BASICS - A democracia é o processo pelo qual as pessoas são livres de escolher quem é que vai levar com as culpas do que aconteceu - Laurence J. Peter.



Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:18

O carro à frente dos bois

por falcao, em 19.11.13

Constato que foi criado um partido cuja linha programática principal é fazer eleger Rui Tavares para o Parlamento Europeu. Explico melhor – ele já é eurodeputado, mas foi eleito pelo Bloco de Esquerda, de onde saíu há uns meses. Não encontrando quem lhe agrade para se incluir nas listas, para as próximas eleições, resolveu criar um partido. Arranjou outros dissidentes, como Joana Amaral Dias e uns ex-simpatizantes, como José Sá Fernandes, e resolveram montar uma organizaçãozinha que lhes dê voz – melhor dizendo, que lhes proporcione um palco.

 

Sabe-se pela voz do seu promotor que o novo partido irá posicionar-se a meio da esquerda. Não sei bem o que isto será – se entre o PS e o PC, se entre o PC e o Bloco, se num qualquer ponto geométrico improvável que agora não distingo. Tudo parece demasiado plástico – por exemplo os quatro pontos que o norteiam são a liberdade, a esquerda, a Europa e a ecologia. Acho curioso querer conciliar a europa com a liberdade, olho para as palavras e parece-me um cocktail de circunstância feito num panelão onde irão caindo trânsfugas mais interessados num poiso que numa ideia. A ver vamos o que isto dá – se é que vai dar alguma coisa.

 

Decidiram chamar “Livre” ao novo partido e escolheram para símbolo uma papoila. Infelizmente a beleza da papoila é efémera – assim como a sua vida – é das flores que mais rapidamente fenece. Quando olho para o que vejo escrito sobre este partido, sobre o que o seu principal promotor diz, não lhe entendo o sentido, nem o objectivo. Será como a papoila,que aparece e desaparece num instante? Olho para a operação montada e parece-me ter sido feita de trás para a frente. Sabe-se nome e símbolo mas não se percebe para quê, nem o quê, nem como. Está o fato pronto, mas ainda não se sabe quem o vai vestir. É o típico caso de colocar o carro á frente dos bois.

 

(Publicado na edição de dia 19 de Novembro do jornal Metro)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:46

PODER - Há um espectro que assola a maioria parlamentar em Portugal e esse espectro é o Tribunal Constitucional. O resultado de ter uma Constituição fortemente marcada por conceitos ideológicos é que a sua interpretação favorece opções ideológicas. O Tribunal Constitucional, pela forma como os seus membros são designados, é o terreno ideal para crescer um problema. O problema foi adubado, cresceu, fortificou e hoje em dia o Tribunal Constitucional tornou-se ele próprio numa força política. Não é propriamente uma coisa muito normal, mas é assim, e não ter esta realidade em conta é sinal de que se pretende exercer o poder ignorando esse mesma realidade - e isso dá sempre mau resultado. Hoje é esta maioria a ter problemas, no futuro será outra qualquer, mas a questão essencial permanece: o sistema político está a precisar de uma reparação urgente - está prestes a ficar bloqueado, como um motor sem óleo nem manutenção que ao fim de um tempo deixa de funcionar. Os os partidos se convencem que a questão tem de ser encarada de frente e que é essencial existir um acordo que permita desbloquear o regime, ou um dia destes vão todos ficar a lamentar nada terem feito, atirando culpas uns para cima dos outros. Infelizmente conhecemos esta parte de ginjeira mas isso só nos devia levar a agir, e não a fugir à questão. Parece que cada geração política que entra no poder é mais imobilista que a anterior.


SEMANADA - O Ministro dos Negócios Estrangeiros, Rui Machete, continua a cometer gaffes quando em visita oficial fora de portas; começou mesmo a campanha eleitoral para as presidenciais; António Capucho anunciou em entrevista que estava disponível para ser candidato a Presidente da República; na mesma senda, foi lançado esta semana o livro  “António Guterres - Os Segredos do Poder”, uma biografia autorizada do ex-PM, onde este ataca Marcelo Rebelo de Sousa, outro candidato provável;  invocando a situação na justiça o Conselho Superior da Magistratura reuniu, pela primeira vez, com Cavaco Silva; o Índice de Expectativa Marktest caiu fortemente em Outubro, revelando um aguçar do clima de pessimismo acentuado entre os portugueses relativamente à sua situação económica e à do país - as mulheres revelam-se mais pessimistas do que os homens e as pessoas acima de 55 anos são as mais pessimistas de todas; dívidas fiscais contestadas em tribunal disparam 1,5 mil milhões em três meses; o Estado perde 50 milhões com  benefícios questionáveis concedidos nas isenções de IMI; facturas por pagar cresceram 25% nos Media e mais de metade das empresas do sector antecipam riscos de pagamento no próximo ano; a produção industrial em Portugal caíu 11,2% em setembro, destacando-se como o pior resultado da União Europeia face ao mês anterior; nova queda no número de nascimentos em Portugal - de 90 mil no ano passado devemos passar para 80 mil, o número mais baixo desde que há registos; armas apreendidas pela GNR aumentam quase 50% por cento em seis meses.


ARCO DA VELHA - Estou para ver se os prémios, como carros,  que as Finanças vão sortear para quem pede facturas estarão sujeitos à regra da retenção de 20% quando tiverem valor superior a cinco mil euros.


VER - Semana de inaugurações: Na Baginski, Rua Capitão Leitão 51-53, no Beato, inaugurou “Index 2013”, de Pedro Casqueiro, um conjunto de pinturas a acrílico sobre tela, que ocupam as duas salas da Galeria - um dos trabalhos é o que ilustra esta nota -  e que mostram a produção mais recente do autor, com alguns dos seus traços característicos - a evocação do desenho, a definição de formas geométricas e a influência da pop art; a exposição de Pedro Casqueiro fica na Baginski até 11 de Janeiro. No Transboavista VPF Art Edifício (Rua da Boavista 84) abriram esta semana várias exposições. Uma delas, “Duda Original”, é uma colectiva de artistas contemporãneos espanhóis integrada na Mostra Espanha 2013, com curadoria de Andrea Rodriguez Novoa e Verónica Valentini. Duas outras exposições em destaque no mesmo edifício - “New Wave”,  na VPF, com trabalhos de Cecília Corujo, Inês Rebelo de Andrade, Catarina Vaz e João Maciel);  e “Dear Stories” (na Plataforma Revólver, em torno da imagem fotográfica, por iniciativa da agência de fotografia de autor Dear Sir, com trabalhos de  Alexandre Almeida, Angela Berlinde, Inês d’Orey, José Bacelar, Luisa Ferreira, Mireille Loup, Monika Merva, Paulo Catrica, Tito Mouraz e Valter Vinagre). Até 11 de Janeiro.


FOLHEAR  - Luis Queirós é sobretudo conhecido pelo facto de ter sido o fundador e impulsionador da Marktest, a que preside. Mas além disso tem uma assinalável actividade cívica através da Fundação Vox Populi, que criou, e que intervém nas áreas educacional e ambiental. Licenciado em Físico-Químicas,  o desenvolvimento sustentável é uma das suas preocupações e ao longo do tempo foi alinhando as suas reflexões num blogue intitulado Transição - reflexões sobre o modelo de transição para a era poscarbono, que pode ser visto em poscarbono.blogspot.pt. Energia, recursos naturais, poluição, demografia e os limites que impõem ao crescimento são alguns dos temas que mais suscitam as reflexôes de Luis Queirós: “A ideia de Transição acompanha-me há muito. Conheci entre os adeptos da transição gente empenhada e solidária, e que acredita na existência de uma via diferente para prosperar”. Algumas das suas reflexões, escritas de 2009 para cá, foram agora reunidas num livro “O Mundo em Transição” , que, nas palavras do autor, “principiou a ser escrito quando o tempo se tornou confuso e o futuro começou a apresentar-se incerto e perigoso”. Viriato Soromenho Marques indica-o como pertencendo ao grupo de “pioneiros de uma verdadeira economia que assuma os limites ecológicos da experiência histórica e social da humanidade”.


OUVIR - Esta semana escolho ouvir um disco de 1962. Escolho ouvir o”Busto”, de Amália Rodrigues. É unanimemente considerado um disco marcante da carreira da fadista e da História do Fado. É o primeiro trabalho de Amália com Alain Oulman, e é também o primeiro onde canta poemas de Pedro Homem de Mello, David Mourão Ferreira e Luis de Macedo, por exemplo. O acompanhamento é feito por José Nunes na guitarra portuguesa, por Castro Mota na viola e por Alain Oulman no piano, até aí um instrumento pouco ouvido no Fado. A capa é uma fotografia de Nuno Calvet de um busto da própria Amália feito pelo escultor Joaquim Valente. Aqui estão fados como “Asas Fechadas”, “Abandono”, “Povo Que Lavas no Rio” e um da própria Amália,  “Estranha Forma de Vida”, que com o tempo ganhou novo sentido neste “Busto”. Escrevo tudo isto porque esta junção de talentos, esta escolha das diversas peças, se deve a uma pessoa, o grande produtor discográfico que marcou a música portuguesa no século XX, Rui Valentim de Carvalho. Esta semana, ao reouvir o “Busto”, imaginei-o a juntar as pessoas, a assistir ao que estava a ser feito, a acompanhar e a estimular o processo criativo como ela tão bem e tão discretamente sabia fazer. A imagem que tenho de Rui Valentim de Carvalho é a de um sorriso a espreitar na porta, a perguntar o que havia de novo para ouvir. E ouvia com atençāo, e dava preciosas sugestōes. Tinha uma total abertura de espírito e uma curiosidade imbatível. E, sempre, uma palavra de incentivo. Só assim podem nascer discos como este “Busto”.


PROVAR - De há uns tempos a esta parte renasceu o consumo de Gin - e já não estou a falar do simples Gin com água tónica, uma rodela de limão, gelo e mais nada. O Gin ficou na moda, aparecem novas marcas a toda a hora, até há uma premium portuguesa, aparecem bares especializados e restaurantes que propõem combinações de Gin com alguns pratos. Há garrafas de Gin que se batem em preço com as dos melhores whiskies de malte e até a forma de consumo varia. Há copos especiais para as novas experiências de consumo, na forma de balão, e sobretudo criou-se o hábito de no momento misturar ingredientes botânicos, especiarias que garantem uma nova experiência. Algumas destas especiarias são utilizadas na destilação do Gin, e a sua adição no momento do consumo produz novos sabores. Um dinâmico apreciador português de Gin teve a ideia de facilitar a vida dos consumidores e criou a Gin Box, uma caixa com dez das espécies botânicas mais utilizadas pelas principais marcas de gin vendidas em Portugal, arrumadas de uma forma prática e organizados para rápida preparação da bebida: Flor de Hibisco, Grão de Coentro, Pimenta da Jamaica,, Pimenta Rosa , Cardamomo,, Cravinho, Bagas de Zimbro , Estrela de Anis , Noz-moscada  e Pau de Canela. A venda da Gin Box é feita exclusivamente online através do site www.theginbox.com. A página da Gin Box no Facebook tem receitas e conselhos práticos - a caixinha promete munições para provas de Gin bem disputadas entre amigos..

 

DIXIT - “Os partidos têm de aceitar que têm de se reformar porque o mundo mudou” - Adriano Moreira


GOSTO - O Ministro da Economia, Pires de Lima, é da opinião que deve ser introduzida uma disciplina de empreendedorismo no ensino obrigatório.


NÃO GOSTO - Do número crescente de lojas fechadas, com a indicação de venda ou aluguer, que proliferam pelas ruas do centro de Lisboa.


BACK TO BASICS - Para falar ao vento bastam palavras, para falar ao coração são necessárias obras - Padre António Vieira.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:01

AMEAÇAS ANÓNIMAS DO FISCO

por falcao, em 13.11.13

Começar o dia com um mail das Finanças, enviado às seis e meia da manhã, com o título “Pague as suas dívidas fiscais sem juros nem custas e com redução de coimas” é mesmo uma coisa desnecessária. Todo o palavreado do email está escrito como se o cidadão fosse devedor de alguma coisa, insinua penalidades e trata-o como se de facto tivesse dívidas. Eu sabia que não tinha dívidas, mas fiquei receoso de algum lapso e fui ver – e de facto não existe, da minha parte, nenhuma dívida ao fisco. Mas mesmo assim o fisco trata-me como se eu fosse um bandido. Pois eu acho que quem comete o crime de falsa acusação é que age como um bandido. O email que recebi – e que com certeza milhares de contribuintes receberam - não vem assinado por ninguém, apenas por um anónimo cargo de Chefe dos Serviços de Finanças. Se quiser responsabilizar alguém pelos incómodos que me causou, quem nomeio? Será legal ameaçar um contribuinte de forma anónima?

 

Eu acho esta forma de tratar as pessoas um abuso. Um enorme abuso. Pago os meus impostos – que não são pequenos - e vi todos eles, sem excepção, aumentarem. Não sinto que o Estado esteja melhor. Se pago mais e o Estado não está melhor, é ele que me é devedor, não sou eu.

O modo como as Finanças agem através da Autoridade Tributária faz lembrar aqueles polícias de trânsito que numa recta no meio de Alentejo se escondiam atrás de um chaparro a ver se alguém excedia a velocidade num sítio onde o limite era anormalmente baixo. É tudo feito às escondidas, para penalizar o cidadão e não para melhorar o funcionamento das coisas. O país vive de autoridades que ameaçam mais do que deviam e que fazem do abuso o seu modo de vida. Aos políticos interessa este estado de coisas – aumentar os impostos é a única medida que sabem implementar.

 

(publicado no Metro de 12 de Novembro)

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:04

PARTIDOS - O caso das suspensões, expulsões e polémicas partidárias, desencadeado pelas recentes eleições autárquicas, leva-me a pensar no funcionamento actual dos partidos. Seria curioso ter um estudo independente e sério, actual, sobre o processo de decisão interno dos partidos em questões como escolhas de candidatos e grandes opções políticas.  Seria curioso saber de facto quantos militantes activos tem cada partido, o que é a vida partidária fora dos ciclos eleitorais - das eleições internas e das eleições nacionais. Seria fundamental saber quais são, no dia a dia, as formas de intervenção na sociedade, nomeadamente no alargamento da actividade fora da estrita militância para outros níveis de apoio menos estruturados. A minha sensação é que hoje em dia os partidos - a maioria - são estruturas opacas fechadas sobre si mesmas. Debatem os seus problemas internos, criam os seus conflitos internos, organizam facções, degladiam facções, levantam inquéritos, propõem sanções, promovem expulsões. O que se passa no PSD Madeira e no PSD em distritos como Porto ou Sintra, por exemplo, são casos elucidativos de um espírito revanchista que não perdoa o pensamento autónomo e enaltece a obediência cega, tendo ainda por cima a particularidade de não promover, com igual intensidade e rapidez, o apuramento de responsabilidades dos actos que levaram a essas dissidências e  a maus resultados eleitorais. Como é que um partido quer captar simpatizantes e alargar o seu círculo de influência se trata assim aqueles que são supostos ser os seus melhores quadros?


SEMANADA - Já existem 38 mil canais no Meo Canal; um terço dos pneus analisados num estudo recente da ACAP estavam em más condições para circulação; um aluno com seis anos de idade, de uma escola de Mangualde, foi suspenso depois de morder um colega; uma escola de Gaia, construída há dois anos e que teve um custo de seis milhões de euros, já precisa de obras de reparação urgentes; na Guarda a mãe de um aluno que tinha sido repreendido por mau comportamento agrediu a professora que fez a repreensão, a qual teve de receber tratamento hospitalar; o numero de refeições diárias fornecidas nas cantinas sociais aumentou 25% para 49.150 por dia; há mais de 12 mil casais em que nenhum dos membros tem trabalho; o Ministério Público decidiu que não houve falsificação dos documentos apresentados por orgãos de comunicação que indicavam a participação de Pais Jorge, ex-secretário de Estado deste Governo,  na negociação de contratos swap pelo Citigroup com o Governo de Sócrates; por falta de capacidade do servidor interno da organização, inspectores da Judiciária estão a ser aconselhados a guardar dados dos seus inquéritos nos seus computadores pessoais.


ARCO DA VELHA - Por ano cada português consome 466 sacos de plástico e um dinamarquês apenas consome quatro.


OUVIR - “Reflektor”, o novo álbum dos Arcade Fire, deve neste momento ser o recordista de elogios da crítica internacional. Posso assegurar uma coisa: os elogios não são exagerados e, apesar das reticências que alguns sentiram em relação ao trabalho anterior, “Suburbs” (que na época aqui considerei um disco brilhante), a verdade é que este “Reflektor” parece ter convencido os mais cépticos. O álbum é provocador e inovador - no conceito sonoro, na produção, em boa parte assegurada por James Murphy, dos LCD Soundsystem. Logo no começo Will Butler e Régine Chassagne cantam "If this is heaven/I need something more" e essa frase dá o mote a todo o álbum - dois CD’s - ou dois volumes se preferirem, cada um com um guia impresso sobre as canções, no qual elas são contextualizadas. É um conceito inesperado - 13 canções em dois discos, pouco mais de 75 minutos de música. As influências são muitas - desde David Bowie, um dos heróis da banda e que no segundo disco faz um breve dueto com Will Butler, até ritmos caribenos, pop electrónico dos anos 80, sons dos Talking Heads ou até dos Velvet Underground. Pelo meio há referências punk e até glam rock, como sucede em “Joan Of Arc”, que encerra o primeiro CD. Este é claramente um disco de viragem, um ponto de ruptura com o passado. Há aqui risco e desejo de mudança - que isto suceda depois do sucesso comercial de “Suburbs” mostra a inquietude desta banda canadiana. Em “Normal Person” os Arcade Fire distanciam-se da rotina e deixam no ar o que é o lema que parece ter norteado todo o trabalho de concepção e produção deste disco - "If that's what's normal now, I don't want to know".


VER - Esta é a semana inaugural da Experimenta Design (EXD),  a bienal que desde 1999 se dedica ao design, arquitectura e criatividade. A edição deste ano é a primeira num novo modelo que pretende reforçar as componentes de informação e de formação directa, graças a um aumento do número de eventos na área das conferências, debates e workshops. Por outro lado o programa deste ano também procura garantir uma maior atenção ao desenvolvimento de projectos aplicáveis à cidade que acolhe a Bienal - e a propósito vale a pena dizer que a partir do próximo ano existira uma Bienal EXD em São Paulo, na sequência do estabelecimento de uma ligação de parceria e de uma plataforma conjunta com o Brasil. Em Lisboa, na programação deste ano, destaco as exposições “Metamorphosis” no Mosteiro dos Jerónimos, centrada na arquitectura; a “Identity” que no Convento da Trindade mostra uma escolha de criações de design de todo o mundo, a “Neoasterisms” no Planetário Calouste Gulbenkian e a “Unmapping The World” no Palácio dos Condes da Calheta. Ainda no Convento da Trindade o Lounging Space acolhe uma série de iniciativas que podem ser consultadas no site. O novo museu dos Coches vai acolher as conferências e existe uma aplicação para iPad com todas as novidades da EXD, na App Sttore, a EXD MAG.


FOLHEAR - A edição de Novembro da Vanity Fair tem na capa uma bela fotografia de Jay Z, vestido com um magnífico smoking branco. Lá dentro uma entrevista com Shawn Carter - o verdadeiro nome de Jay Z. Ali se conta a história de como um traficante de droga se tornou num rapper influente de sucesso, revelando-se como um dos símbolos da cultura popular, ao mesmo tempo que desenvolveu um império de negócios - Roc Nation - que vai da música ao desporto, passando pela moda e produtos de cosmética de luxo, e finalmente se assume como um homem de família, ao lado de Beyoncé. Outros pontos fortes desta edição são uma inédita história da vida de Mia Farrow, antes e depois de Woody Allen. Destaque para a lista dos nomes mais proeminentes daquilo a que a revista chama o New Establishment - e que vão de Jeff bezos da Amazon a Dick Costollo do Twitter, passando por Eric Schmidt do Google - num porfolio que ao todo junta 33 belíssimos retratos. Finalmentne destaque ainda para o encontro de dois designers de excepção - Jonathan Ive da Apple e Marc Newson e a forma como criaram um exemplar único de uma máquina fotográfica Leica para ser leiloada numa acção de recolha de fundos.


PROVAR - Sou um fã de anchovas - quer frescas, quer filetes de anchova de conserva. Não é fácil encontrar anchovas frescas em Lisboa, mas no Algarve ainda se conseguem encontrar em alguns restaurantes. Na ausência das frescas, as enlatadas cumprem bem a sua função. Sou um fã das anchovas Pitéu, principalmente dos filetes guardados em azeite em frasco de vidro. Mas, sem prejuízo nem desprimor das excelentes conservas portuguesas, outro dia aventurei-me na loja Gourmet do El Corte Ingles, e não resisti a umas anchovas do cantábrico, cuja imagem da lata aqui se reproduz. São preparadas pela Codesa, uma das boas conserveiras espanholas. Algumas das melhores barras de Espanha usam estas anchovas nas tapas que elaboram - e experimentem colocar um filete de anchova numa fatia de pão barrada de manteiga - vão ver o que é bom. Estas, da Codesa, vendem-se em embalagens de 20 filetes por 28 euros e de 10/12 filetes a 12 euros. Experimentem tirá-las da lata um pouco antes, estender os filetes num prato e regá-los com um fio de azeite, polvilhando de seguida com salsa fresca picada e, se quiser, um pouco de alho picado. Reserve e deixe marinar assim no frigorífico durante uma hora e meia e, a seguir, prove. Verá que o sabor fica mais suave e que pode confeccionar umas magníficas tapas.   


GOSTO - A versão inglesa de “Os Trinta - Nada É Como Sonhámos”, o primeiro romance de Filipa Fonseca da Silva, entrou no top 100 da Amazon, de livros escritos por mulheres.


NÃO GOSTO - Há falta de vacinas para recém nascidos nos centros de saúde de Lisboa.


DIXIT - “Nos tribunais, pelo menos neste, os factos não são fatos, as actas não são uma forma do verbo atar, os cágados continuam a ser animais e não algo mal cheiroso e a Língua Portuguesa permanece inalterada até ordem em contrário” - Juiz Rui Teixeira, a propósito da aplicação do acordo ortográfico.


BACK TO BASICS - “Quando se diz que a televisão transforma a política num circo, convém recordar que esse circo já existia e que a televisão veio apenas mostrar que nem todos os intervenientes estavam suficientemente treinados” - Edward Murrow

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:22

OS PARTIDOS E A PROCURA DA CULPA

por falcao, em 05.11.13

Na ressaca das autárquicas começam a surgir as notícias de que alguns partidos políticos estão a mover processos contra militantes que apoiaram outras listas que não as dos partidos onde estavam filiados. Estas purgas internas varrem em graus diversos todo o leque partidário, mas o PSD é porventura o partido onde existem mais casos.

 

Eu percebo que um partido fique incomodado quando um militante se rebela. Mas também não posso deixar de pensar que muitas vezes a rebelião dos militantes nasce do facto de os partidos se afastarem dos seus princípios, de tomarem decisões erradas, de terem o processo de decisão concentrado em meia dúzia de pessoas que não se importam nem com a análise do que pode ser melhor e proporcionar melhores resultados, e muito menos pensam no que pode contribuir para uma boa imagem do seu partido.

 

O que se passou em vários pontos do país teve a ver com análises mal feitas, com juízos que tiveram mais em conta guerras de poder internas do que a apresentação de candidatos e programas credíveis. Muitas vezes, contrariando o mais elementar bom senso, foram apresentados candidatos sem nenhum ligação com os círculos onde iriam ser votados. O resultado foi sempre negativo para os partidos que fizeram este tipo de escolhas.

 

Ocorre-me perguntar se, em vez de instaurarem processos a militantes que se rebelaram contra más decisões, não valeria a pena averiguar quem tomou essas más decisões, saber porque as tomou e, no fim, instaurar processos a quem foi afinal o responsável pelo que sucedeu.

Ao longo dos anos, infelizmente,  os partidos têm-se afastado da realidade e são cada vez mais círculos fechados que apenas se movem para benefício de quem domina o aparelho, e não uma organização que se move em nome de uma ideia ou de um programa. E isso vai dar mau resultado.

 

(Publicado na edição de 5 de Novembro do diário METRO)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:19

SOBRE O ESTADO QUE TEMOS

por falcao, em 01.11.13

ESTADO - Uma grande parte do nosso mau estado vem do demasiado Estado que temos. Quando o 25 de Abril se deu, em vez de mudar o Estado, criaram-se mecanismos que o reforçaram. Se nessa altura já tínhamos muito Estado, o que aconteceu de 1974 para cá foi um absurdo e descontrolado crescimento desse Estado - na economia, nas empresas, na justiça, em tudo. Se antes tínhamos um Estado autoritário, depois criou-se um Estado permissivo, ineficaz, gigantesco, amorfo e imóvel. O Estado passou a ser o país, confundiu-se com ele e foi alastrando de forma descontrolada. Os custos do Estado passaram a ocupar todos os custos do país - de maneira que nada sobrou e aconteceu o que se sabe e que estamos agora a pagar. Os partidos gostaram disto, porque o Estado era uma espécie de brinquedo da Lego nas suas mãos - iam pondo e tirando peças à medida das suas conveniências. Todos cresceram assim. Devo reconhecer que em matéria de abuso do Estado a União Nacional era tímida aprendiz ao pé daquilo que os partidos parlamentares posteriores fizeram. O Estado serviu para tudo - para encomendar obras cujas comissões financiaram eleições, para promover carreiras, para encomendar o desnecessário e criar o inútil - veja-se como o despudor do Estado, em Portugal, tem uma imagem, que é a epidemia das rotundas. A reforma do Estado que agora se anuncia pode ser uma intervenção profunda ou uma cirurgia superficial, mas para o tratamento resultar é preciso que por uma vez os Partidos queiram mudar este estado de coisas e criar um Estado que permita que a sociedade viva. Como já se viu nas últimas 48 horas, a reforma do Estado é travada por aqueles que consideram que o Estado social só existe com um Estado tentacular. Acontece que é o contrário - o tamanho do Estado está a matar o papel social que ele devia ter.


SEMANADA - Esta foi a curiosa semana em que o mundo descobriu que havia espiões e que os Estados Unidos espiavam o que podiam; António Costa, na Quadratura do Círculo, apostou que Santana Lopes seria candidato à Presidência da República; três dias depois Marcelo Rebelo de Sousa admitiu que não exclui uma candidatura à Presidência da República; Sócrates lançou um livro; Carrilho lançou um escândalo; Seguro não fez nada; em 2012 registou-se em Portugal o menor número de nascimentos desde que há registos - menos 7,2% que em 2011; cerca de dez mil pessoas deixam Portugal todos os meses; o PSD prepara processos de expulsão contra cerca de 400 militantes que nas autárquicas participaram em outras campanhas que não as do partido; a Inspecção Geral de Actividades de Saúde afirma que três em cada dez atestados médicos não têm fundamento; o Estado deve 2600 milhões de euros a empresas; Paulo Portas anunciou a reforma do Estado; os custos da nova sede do Banco Central Europeu, em Frankfurt, Alemanha,  já derraparam mais de cem por cento e a construção de cada posto de trabalho vai custar 30 vezes mais que o preço de mercado; em 2012 Portugal exportou 17,5 milhões de euros de castanhas; título da semana: “Cristas deixa cair limitação do número de animais domésticos”; Fernando Ulrich afirmou que Portugal não tem moral para dar lições a Angola.



ARCO DA VELHA - Vai-se a ver e o processo da Procuradoria Geral da República, que precipitou uma crise diplomática com Angola, tinha sido arquivado dois meses antes do pedido de desculpas de Machete em Luanda  - que, portanto,  na altura já era mais que escusado. Há demasiado tempo que a Procuradoria brinca com o país.


VER -  Miguel Barceló, um dos grandes artistas catalães, tem uma ligação curiosa a Portugal - durante um tempo, nos anos 80, viveu em Vila Nova de Milfontes.  No escondido Museu do Azulejo, em Lisboa, tem uma exposição até 24 de Novembro, onde sob o título “Terra Ignis” mostra algumas das suas cerâmicas que vale a pena ver. Na Pequena Galeria, Av 24 de Julho 4C, uma mostra do acervo de fotografia, naquele que é o mais estimulante local de Lisboa para ver e debater a imagem fotográfica. E na VPF Cream Art Gallery, Rua da Boavista 84, pode ainda ver aquela que é a mais marcante peça em exposição em Lisboa, a montagem (re)visito(me), de André Banha. Finalmente finalizo as sugestões com a exposição que está na Galeria Cristina Guerra (Rua de Santo António à Estrela 33), “Ouriços”, de José Loureiro, de que aqui se deixa uma imagem.


OUVIR - Já que esta é a semana em que o surf foi notícia por causa das ondas gigantes da Nazaré, vale a pena ouvir uma das bandas sonoras contemporâneas dos surfistas, ou seja, Jack Johnson. O seu novo álbum “From Here To Now To You” é o seu melhor trabalho nos últimos anos, muito graças à obra de Mario Caldato Jr., que produziu vários discos dos Beastie Boys e que aqui está ao lado de Johnson, tal como o seu amigo Ben Harper que mais uma vez o acompanha.. As canções voltam a ser sobre o quotidiano, como se pode ver na faixa de abertura “I Got You”, em “Tape Deck” ou em “Washing Dishes”. Depois de dois álbuns mais duros, voltam as canções com a marca do primitivo Jack Johnson, reflexos de dias calmos no Hawai, canções feitas à guitarra acústica, tão inspiradas como “Never Fade” ou “You Remind Me Of You” e sobretudo aquela que provavelmente é a melhor canção do disco, “Radiate”. (Brushfire Records, na Amazon).

FOLHEAR - A Monocle de Novembro é dedicada ao frio do Ártico mas tem uma página inteira sobre Campo de Ourique. Piadas à parte, esta é uma edição especialmente recomendável para aqueles que já sentem frio nesta semana em que a temperatura desceu um pouco - quando lerem a descrição do que se passa nas zonas perto do Ártico, do número de horas de sol, da temperatura média e de como ali se vive o dia-a-dia do Inverno, começam a achar que apesar da troika temos ainda um resto de paraíso. Esta é também a edição do Design Directory, que explora casas, locais, mobílias e acessórios. E sítios - Campo de Ourique é classificado como o melhor subúrbio dentro de uma cidade, embora seja o bairro de Kapyla, em Helsinquia, que é apontado como o melhor local para estabelecer uma família.. Há um artigo muito interessante sobre as casas pré-fabricadas finlandesas que me faz pensar porque é que com o nosso clima a coisa é tão pouco utilizada. O portfolio desta edição da Monocle, para mim uma das partes imperdíveis da revista, é dedicado aos ferry boats que no Alaska asseguram a circulação de pessoas a zonas onde não há outro meio de transporte. Eu gosto de histórias contadas por imagens. E gosto da forma como a Monocle, nos seus artigos utiliza sempre várias pequenas fotografias para ir mostrando como são as coisas e as pessoas de que fala.


PROVAR - Confesso que uma das coisas que me tira mesmo do sério é o chocolate. Houve tempos em que era capaz de sair a corrrer de casa antes da uma da manhã, tentando ainda apanhar uma loja de conveniência aberta para pode comprar uma tablete de chocolate preto. Hoje em dia tenho o cuidado de me abastecer para evitar correrias. A qualquer cidade onde vá procuro sempre lojas de chocolate e surpreendi-me um dia destes, a passear na baixa lisboeta, quando dei com a nova Chocolataria Equador, na Rua da Misericórdia 72, dedicada a belíssimos chocolates artesanais feitos no Porto. Para os mais novos há uma “birra de chocolate de leite”, formato chupa chupa gigante redondo, para os mais crescidos com saudades da meninice há uma sombrinha de chocolate negro, para os mais aventureiros há um magnífico cacau crioulo, que mistura chocolate negro com vinho do porto, para os mais afoitos há uma barra de chocolate negro “muito forte” e finalmente há o meu preferido, uns insuperáveis cacos de chocolate negro com frutos secos. Tudo isto é demasiada tentação. Vou voltar à Rua da Misericórdia 72.


GOSTO - Uma empresa portuguesa, de Espinho, venceu o concurso para o fornecimento das iluminações de Natal de Oxford Street, em Londres.


NAO GOSTO - De quem transforma a sua vida privada numa lavandaria industrial.


DIXIT - “A Constituição não pode obrigar o país a chegar à bancarrota” - Paulo Mota Pinto


BACK TO BASICS - Quando a compra e a venda são regulamentadas por leis, os primeiros a serem comprados e vendidos são os legisladores - P. J. O’Rourke.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:59


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2005
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2004
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2003
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D