Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



IMG_3272.JPG

TEMA 1- Já que por estes dias se fala tanto dos homens de Atenas gostava de recordar que, na Grécia antiga, político que prometesse e não cumprisse era expulso da polis por 10 anos. Cá por mim acho que esse era um bom preceito. É nestas alturas que me vêem à memória as promessas de Costa quando foi eleito pela primeira vez Presidente da Câmara - por exemplo acabar em poucas semanas com as segundas filas de estacionamento; ou, ainda, os seus feitos como membro do Governo numa anterior encarnação - onde fazia frequentemente o contrário daquilo que hoje apregoa. Deste papel de vendedor de ilusões não podem ser esquecidos outros, de outros partidos, que têm andado a vender gato por lebre, poluindo o país. Seria muito útil que alguém inventariasse as promessas feitas e não cumpridas pelos políticos de serviço.

 

TEMA 2 - Augusto Santos Silva teve a pasta da comunicação social nos tempos do detido Sócrates. Hoje, uns anos depois, a sua boçalidade mostra-se em pleno com a polémica que alimentou por, coitado, ter sofrido alterações e mudanças de horário motivadas pela fraca audiência obtida face a outras alternativas de programação. Ficámos assim a saber que este ex-responsável pela pasta da comunicação social num Governo socialista ignora que a liberdade editorial passa por um Director de Informação poder decidir em função dos  conteúdos que são mais adequados, em cada momento, às audiências que quer atingir, e  que esse é o verdadeiro sentido da liberdade de imprensa e da função editorial. Santos Silva tem-se mostrado nestes dias como o português mais parecido com Varoufakis: ambos pensam que a culpa do que lhes corre mal é sempre dos outros e não lhes ocorre que são as suas asneiras que os levam ao local para onde foram remetidos.

 

TEMA 3 - Depois de vários ensaios legislativos e de múltiplas reuniões continua sem haver acordo sobre a forma como os partidos políticos querem manipular as televisões privadas para fazerem propaganda, travestida de debates. Estes debates que tanta polémica causam são um exercício de pantominice oratória onde o único objectivo é que cada um limite o outro - uma espécie de jogo de râguebi apenas com placagens e sem marcação de ensaios. Lamentável. Na verdade o que os preocupa não é nenhum pluralismo ou um sério desejo de debater ideias, algo impossível naquele formato - é apenas garantir que quem se intitule político do arco da governação possa arengar à vontade.

 

SEMANADA - O Tribunal Constitucional chumbou, pela segunda vez, a lei do enriquecimento injustificado aprovada no Parlamento; o juiz Carlos Alexandre afirmou querer o Ministério Público com mão mais pesada e a aplicar medidas de coação agravadas nos casos mediáticos; a PSP já deteve este ano 32 taxistas por suspeitas de crime de especulação contra turistas que chegaram ao Aeroporto de Lisboa; em 2014 Portugal foi visitado por 17,3 milhões de turistas que geraram 10,39 mil milhões de euros de receitas, o melhor resultado de sempre; em Portugal há menos 100 mil fiadores que há quatro anos; cinco famílias são despejadas por dia por rendas em atraso; há 31 candidatos a director geral do Fisco; o Tribunal de Contas afirma que as verbas canalizadas pelas Finanças para os sorteios de automóveis da “fatura da sorte” foram utilizadas de forma irregular;  este ano o numero de vítimas mortais em praias fluviais é quatro vezes superior ao verificado em praias marítimas; desde abril onze pessoas já se perderam em passeios nos trilhos do Gerês, alegadamente devido a deficiente sinalização; os municípios portugueses tiveram uma quebra da receita global de 1600 milhões de euros nos últimos cinco anos, o que significa uma perda de 876 mil euros por dia; depois da experiência governativa em meia legislatura Poiares Maduro decidiu voltar a emigrar; o Programa da Mobilidade apresentado esta semana pelos Ministro do Ambiente preconiza que nalguns casos os funcionários do Estado passem a deslocar-se de bicicleta.

 

ARCO DA VELHA - Sérgio Figueiredo, Director de Informação da TVI, afirmou que Augusto Santos Silva saíu da estação “por ser malcriado, não porque a sua voz é incómoda”; Augusto Santos Silva respondeu apelidando o jornalista de “ayatollah de Barcarena”.  

 

FOLHEAR - A revista Egoísta é uma aventura rara no panorama editorial português. É fruto do encontro da vontade de Mário Assis Ferreira, que assegurou o financiamento através da Estoril-Sol, da iniciativa de Patrícia Reis, que delineou o projecto, e de Henrique Cayatte, que o formatou graficamente no início. Esta aventura tem 15 anos e 70 prémios obtidos ao longo da sua existência. Publicou autores portugueses e estrangeiros, não só na escrita, mas também na ilustração e na fotografia. Tem sabido ser uma montra diversificada de talentos e uma oportunidade para publicar muitos trabalhos que de outra forma ficariam na gaveta. Confesso que sou parte interessada, já lá publiquei fotografias diversas vezes e neste número que assinala os 15 anos da publicação mostro algumas das instagrams que semalmente aparecem nestas mesmas páginas do Jornal de Negócios. A Criatividade é o reduto da diferença - escreve Mário Assis Ferreira no editorial desta edição - e é isso mesmo que se pode ver nas fotografias de Teresa Freitas, de Pauliana Valente Pimentel, de Lionel Arnaudie ou nos graffiti de Tamara Alves que esta “Egoísta” dá a conhecer.

 

VER - Se está por Lisboa não deixe de visitar até 25 de Outubro uma exposição que está no MUDE (Rua Augusta 24) - TAP PORTUGAL: IMAGEM DE UM POVO, e que a circunstância da privatização da empresa tornou especialmente actual. Aqui se mostra o que foi  o design da companhia aérea nacional, ao logo de 70 anos, de 1945 aos nossos dias, ao nível da comunicação visual, indumentária, design de interiores e produto. Aqui se pode ver o trabalho de ateliês e agências, como Ciesa, Forma, Estúdio MR, Marca, Impar, Cinevoz, Espiral, Risco, McCann e Brandia. Na exposição estão ainda peças criadas para a TAP por marcas portuguesas de referência como a Vista Alegre, a Secla, as Loiças de Sacavém, a SPAL ou a Manufactura de Tapeçarias de Portalegre, que produziram loiças de bordo e tapeçarias. Em todo este trabalho estiveram envolvidos nomes como Gonçalo Pais de Freitas, Gustavo Fontoura, Augusto Cid, Daciano da Costa, Carlos Rocha, Manuel Alves e José Manuel Gonçalves, entre outros. Para além destes, entre os designers e artistas representados incluem-se ainda Sebastião Rodrigues, Keil do Amaral, Eduardo Anahory, Louis Féraud, Ana Maravilhas, Sérgio Sampaio, Óskar Pinto Lobo, Leonildo Dias, João Velez, Carlos Rafael, Manuel Rodrigues e José Soares.

 

OUVIR - Bill Evans foi um dos grandes pianistas do jazz, morto prematuramente, aos 49 anos, em 1980. “Bill Evans - The Complete Fantasy Recordings”, é uma caixa com nove CD’s que incluem 98 gravações de estúdio e de actuações ao vivo e na rádio, efectuadas durante o período de sete anos antes da sua morte, a época em que gravou para a Fantasy Records. Aqui estão 11 sessões de estúdio, um concerto inédito com o seu trio (de 1976) e o registo de um programa da rádio pública norte-americana em que Evans, ao longo de uma hora, fala da sua música, tocando-a, com Marian McPartland. Nas gravações incluídas nesta caixa encontram-se duetos  com o baixista Eddie Gomez e com Tony Bennett, além de partipações de músicos como os guitarristas Lee Konitz e Kenny Burrell. A caixa inclui ainda um livro de 62 páginas com um ensaio sobre Bill Evans do crítico e seu biógrafo Gene Lees, assim como notas detalhadas das 11 sessões de estúdio, feitas por Helen Keane. Aqui estão também os álbuns que gravou para a Fantasy, como “The Tokyo Concert”, “The Tony Bennett/Bill Evans Album” e o registo a solo “Alone (Again)”. Esta edição-caixa está distribuída em Portugal pela Universal Music, e encontra-se disponível na FNAC e El Corte Ingles.

 

PROVAR - Nuno Cancella de Abreu foi um dos obreiros, há uns anos, da recuperação da casta Arinto, na região de Bucelas. Foi tão bem sucedido que ela, que então andava esquecida e em vias de extinção, se tornou numa das mais apreciadas castas para os bons vinhos brancos de estirpe bem portuguesa. Por estes dias e por sugestão sempre acertada do proprietário da garrafeira Néctar das Avenidas (Avenida Luis Bivar 40), experimentei um branco que desconhecia completamente, da península de Setúbal. Chama-se Pica Peixe - o nome vem de uma ave residente no estuário do Sado, próximo das vinhas onde nascem as uvas de Moscatel graúdo e Arinto utilizadas para este vinho, fresco, leve mas saboroso, que vai muito bem como aperitivo ou com saladas e peixe nesta altura do ano.

 

DIXIT - “Um terço da produção alimentar vai para o lixo” - Hilal Elver, investigadora da Universidade da Califórnia, numa conferência em Lisboa.

 

GOSTO -  Vai abrir no Hospital de Santa Maria um novo centro de investigação científica para testar novos medicamentos em patologias graves.

 

NÃO GOSTO - Das manias napoleónicas de François Hollande - ai o que me irritam os franceses….

 

BACK TO BASICS - “A melhor maneira de saber se alguém é honesto é perguntar-lhe isso mesmo; se responder que sim ficamos a saber que é um vigarista” - Groucho Marx

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:09

TVI 24 APROXIMA-SE DA SIC NOTÍCIAS

por falcao, em 31.07.15

Uma análise da evolução das audiências dos canais leva a crer que na ultima semana a RTP1 perdeu espectadores para a TVI, a SIC e o conjunto de canais de cabo – sendo que foram estes últimos aqueles que ficaram com a maior fatia da transferência de audiências. Apesar d e estar a decorrer a época de férias não se notam alterações significativas no número total de espectadores que seguem os diferentes canais. Nos canais generalistas a TVI continua a dominar e a SIC está na segunda posição, mas esta semana a novela “Mar Salgado” voltou a suplantar “A Única Mulher”. Nos concursos, “Money Drop” da TVI aparece na sétima posição e “Preço Certo”, da RTP1, aparece na 20ª. No cabo o canal mais visto é o Hollywood, seguido do Disney Channel. A evolução, positiva, da TVI24 continua: apenas na região da Grande Lisboa surge atrás da SIC Notícias – o TVI 24 já está à frente da sua concorrência nas regiões norte, centro e sul. Na região Sul, no entanto, o canal líder de notícias é o CMTV, em 7º lugar. A nível nacional a diferença entre a SIC Notícias e a TVI24 estreita-se e é curioso notar que na semana passada quatro dos cinco programas mais vistos no conjunto dos canais de cabo eram da TVI24 e um era um filme do Hollywood, na terceira posição. Fox continua à frente do AXN e nos canais infantis o mais visto é o Disney, seguido do Cartoon.

 

(Publicado na Sexta TV & Lazer do Correio da manhã de 31 de Julho)

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:04

IMG_3157.JPG

MEDIÀTICOS -  Sinto-me tentado a dizer que daqui a um ano o panorama dos canais portugueses no cabo vai ser diferente, para pior, em quantidade e qualidade,  relativamente à oferta que hoje em dia existe. A Altice já iniciou as renegociações sobre os valores que a PT pagava aos operadores portugueses pelos canais que distribuía e tem a expectativa de obter grandes reduções. A NOS, mas também a Vodafone, observam com atenção o que se passa para, se a Altice fôr bem sucedida, poderem elas próprias renegociar também em baixa os valores que igualmente pagam aos mesmos operadores. Não é arriscado dizer que  os operadores que detêm canais no cabo e que beneficiaram de contratos generosos dos dois antigos principais operadores de distribuição, a PT/MEO e a TV Cabo/ZON, podem ver as suas receitas diminuírem de forma acentuada. Nalguns casos estes operadores, nomeadamente a RTP, a SIC e a TVI, tinham nas operações de cabo subsidiadas pelos distribuidores uma fonte de receitas que ajudava ao fecho de contas. Esta situação corre o risco de começar a ser um gerador de resultados negativos a não ser que se tomem drásticas medidas de cortes de custos - e previsivelmente os canais de informação serão dos mais atingidos. O que me preocupa quando olho para este panorama é pensar que se pode entrar num ciclo vicioso: menos orçamento, menos meios de produção, perda de qualidade, deterioração de audiências, queda das receitas publicitárias. Os Media não valem nada sem audiência. Se desprezam a qualidade, arriscam perder valor - porque o único valor que têm é o poder da comunicação que conseguem estabelecer. Vamos ter pela frente tempos complicados na paisagem mediática.

 

SEMANADA - Cinco milhões seiscentos e quatro mil é actualmente o número de portugueses que utilizam Internet, dos quais 2,2 milhões declaram usar tablets, revela um estudo da Marktest; em quatro anos emigraram seis mil bombeiros, o que significa metade do total que existiam; entre 1 de Janeiro e 15 de Julho registaram-se 8753 incêndios florestais que atingiram 23.702 hectares, mais que em anos anteriores no mesmo período; Portugal tem a segunda maior taxa de emigração da Europa, atrás de Malta; 2,3 milhões de portugueses residiam fora do país em 2013; até final de Junho 480 empresas tinham salários em atraso no valor de 1,8 milhões de euros; um em cada dois trabalhadores portugueses trabalha em part-time, contra um em quatro, que é a média da União Europeia; cada família portuguesa pagou mais 1415 euros de IRS em dois anos; todos os dias 96 famílias portuguesas pedem ajuda para pagarem as dividas; o nível de incumprimento das empresas portuguesas à banca nunca foi tão elevado como agora, e atingiu um rácio de crédito mal parado de 15,7% dos empréstimos; segundo o Eurostat Portugal tem a 3ª maior dívida pública da União Europeia - 129,6% do PIB; o Tribunal de Contas indica 2691 milhões de euros de custos para o Estado com o BPN, mais 495 milhões que o previsto em 2014; o Ministério da Saúde enviou para investigação nos últimos três anos 416 processos no âmbito do combate à fraude, que equivalem a um montante de 372 milhões de euros.

 

ARCO DA VELHA - O fornecimento das cantinas escolares de Guimarães nos próximos três anos foi adjudicado pela autarquia a uma empresa que reconhece ter cortado na dimensão das doses de alimentos, como o peixe, que estavam previstas nas condições do concurso. Os outros concorrentes reclamaram e a autarquia desvaloriza a questão.

 

FOLHEAR - Nos últimos tempos tem-se notado um ressurgir das revistas de viagem - não os álbuns de postais ilustrados habituais no início deste século, mas publicações que se baseiam em relatos mais ou menos extensos, a meio caminho da literatura de viagem tradicional. A revista “Monocle”, que nos últimos anos fez edições especiais em formato de jornal no Verão e no Inverno (respectivamente a Monocle Alpino e a Monocle Mediterraneo), decidiu em finais de 2014 avançar para um novo conceito. E assim, no final do ano edita uma publicação dedicada a perspectivar o futuro (“The Forecast”) e agora lançou uma consagrada às viagens e à descoberta, “The Escapist”, que se pretende uma leitura de férias inspiradora de viagens, com o habitual peso hedonista da publicação mãe. “The Escapist” percorre o mundo, do Alaska ao Japão, passando pela América do Sul, o Médio Oriente, África, Ásia e a Europa - ou se quisermos de Varsóvia a Addis Abeba, passando pelo Djibouti ou Sapporo. Como sempre há indiscutivelmente boas ideias editoriais e um cuidado estilo gráfico, além de uma edição fotográfica que parece ingénua, mas que no fundo é muito sofisticada. Como curiosidade refira-se que os dois grandes anunciantes desta edição são diversas regiões e temas do turismo de Espanha e a rêde de alojamento partilhado “airbnb”, que aliás publica um destacável - nos dois casos numa cuidada composição entre o editorial e o comercial. Existe uma lista dos 50 melhores restaurantes de 2015, com duas referências portuguesas, ambas inesperadas mas justas - o Gambrinus, em Lisboa, na 42ª posição e a Mercearia Gadanha em Estremoz, na 49ª. O primeiro lugar foi para o Beard, em Tokyo e o segundo para o incontornável River Café em Londres e o terceiro para o Pa & Co em Estocolmo.

 

VER - Hoje destaco duas exposições bem diferentes que estão na Gulbenkian até meados de Outubro. A mais cativante , “todos os livros”,  é a que agrupa cerca de meia centena de livros de artista produzidos por Lourdes de Castro, desde os anos 50 até hoje, muitos deles nunca antes expostos. Destaque para uma das obras até agora inéditas,  Un autre Livre Rouge,  realizado em Paris no início dos anos de 1970, em colaboração com Manuel Zimbro, numa clara evocação do título do livro de pensamentos de MaoZedong, e num exercício bem humorado em torno da cor vermelha. Muitos dos livros são únicos, outros tiveram edições limitadas, feitas em serigrafia e alguns resultaram da colaboração com escritores, como Benjamin Patterson, ou de artistas como René Bertholo, que esteve com Lourdes Castro na revista KWI. A outra exposição “Olhos nos Olhos - o retrato na colecção do Centro de Arte Moderna” percorre o universo do retrato ao longo do século XX, ao longo de 140 obras de autores como Amadeo, Almada, Milly, Eduardo Viana, Francis Smith, Paula Rego, Gilbert & George, Jane & Louise Wilson, John Coplans, Nikias Skapinakis, Pedro Cabrita Reis, António Areal, Jorge Molder, Cruzeiro Seixas, Mário Cesariny, Mário Botas, João Hogan, Maria Beatriz, Ana Hatherly, Victor Palla, José Escada e Helena Almeida, entre outros.  

 

OUVIR - O realizador Ruben Alves, autor do filme “A Gaiola Dourada”, é o autor do projecto “Amália - As Vozes do Fado”, um CD que agrupa 13 dos mais importantes fados de Amália Rodrigues, reinterpretados por outras vozes, em gravações actuais. O projecto envolveu uma obra do industrial de graffitti e obras urbanas Vihls, baseada numa fotografia de Amália, e executado em calçada portuguesa na zona de Alfama - na realidade a acção promocional da imagem do disco, aproveitada aliás para a respectiva capa. Este CD mostra que Ruben Alves é melhor a realizar filmes que a conceber discos: a produção é irregular, algumas escolhas de intérpretes são incompreensíveis e as opções de quem supervisionou a produção, em matéria de enquadramento dos intérpretes, são na maioria estranhas - nalguns casos solicitou ou permitiu o pastiche puro e simples e noutros lá deixou o talento aparecer, como na interpretação de “Grito” por Ricardo Ribeiro, no “Medo”, por Gisela João ou, em menor escala, em “Abandono” por Camané. Carminho e Ana Moura confirmam-se irrelevantes imitadoras  e António Zambujo desilude. Os duetos da segunda parte do disco são particularmente penosos - percebe-se a intenção comercial e o piscar de olhos a vários mercados, mas nenhum deles é mais do que uma curiosidade irrelevante, por vezes de mau gosto até.

 

PROVAR - A imprensa regional de Lisboa noticiou a abertura de um restaurante que se pretende tipicamente italiano - tão típico que todos os empregados e o próprio dono ouvem em português mas falam em italiano. Seduzido pelas descrições da paróquia lancei-me ao caminho para jantar num dia de semana. Apesar de estar em frente à escadaria do Parlamento (felizmente sem ópera nessa noite), tive a boa sorte de não encontrar por lá nenhum deputado - que na maioria, são um mal necessário da democracia. As massas frescas foram-me muito louvaminhadas, mas embora as próprias pareçam de facto frescas e sejam de boa confecção, o cozinhado do seu condimento envolvente era algo sem história. Melhores eram as entradas - sobretudo a bresaola e o presunto, ambos de boa estirpe - o queijo pecou por escasso, apesar de menos aliciante. O serviço é muito simpático e sorridente mas algo atabalhoado e sobretudo esquecido em relação a pedidos suplementares e até a sugestões do próprio dono - situação que a simpatia tende a não resolver. O Il Matriciano fica na Rua de S. Bento 107 e tem o telefone 213952639. Se quiserem ir o melhor será marcar que o sítio anda na moda vá-se lá saber porquê.

 

DIXIT - “Talvez tenha sobrestimado a competência do governo Grego, nunca calculei que pudessem tomar uma posição e exigir melhores condições sem ter um plano alternativo” - Paul Krugman

 

GOSTO - Deste diálogo do Bartoon, a propósito da compra do Autódromo do Estoril pela Câmara de Cascais: “ Espantoso este país, não acha? - as pistas de corrida passa para o sector público e as redes de transporte público passam para o sector privado”.

 

NÃO GOSTO - Que a ASAE conceda um tratamento especial de tolerância na inspecção de locais e eventos quando lá se deslocarem membros do Governo.

 

BACK TO BASICS - “Seja onde fôr que eu vá, acabo por descobrir que antes de mim já lá esteve um poeta” - Sigmund Freud

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:00

Na semana passada o programa mais visto na RTP1 foi a transmissão do jogo Portugal-Taiti e na RTP2 foi a Volta à França que conseguiu obter maior audiência.

Também na semana passada o governo britãnico divulgou um novo relatório sobre a BBC que coloca uma questão que é a mais importante de todas no contexto da discussão do serviço público: deve a BBC focar-se em fazer programas e emissões para todos os públicos e audiências, ou deve dedicar-se mais em particular àqueles públicos que têm menos conteúdos disponíveis na paisagem televisiva e em particular nos canais comerciais? O relatório indica que uma BBC mais focada e com um espectro de actuação mais apertado funcionaria com um orçamento mais pequeno e custaria menos aos contribuintes, ao mesmo tempo que teria menos efeitos concorrenciais na paisagem mediática em relação aos operadores privados. E o relatório mais uma vez sublinha o risco que se corre quando se decide competir por audiências e não pela qualidade.

Um exemplo: a histórica âncora da RTP, “O Preço Certo”, viu-se derrotada em poucos meses pela concorrência que a TVI lhe montou com “The Money Drop”, que já tem regularmente muito maior audiência. O “Preço Certo”, um concurso dificilmente enquadrável no conceito de serviço público, usou ao longo dos anos os números obtidos para ser considerado um programa intocável – mas agora que nem aparece no top 15 dos programas mais vistos, que dizer?

 

(Publicado na Sexta TV & Lazer do Correio da Manhã de dia 24 de Julho)

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:01

IMG_3246.JPG

TELEVISÕES - Nesta semana o Governo britânico deverá divulgar um documento sobre a BBC, incidindo na análise do seu funcionamento, na avaliação do cumprimento da sua missão e na dimensão que a organização tem alcançado nalgumas áreas – nomeadamente no digital. Há duas questões cruciais em cima da mesa: saber se a BBC tem procurado audiências massivas em detrimento da sua fidelidade à missão original de serviço público, que é a sua razão de ser e a justifcação de receber a taxa paga pelos telespectadores britânicos; e a outra questão é saber se a BBC está  fazer concorrência a organizações de media privadas e se, sobretudo no digital, com a extensão da informação que proporciona, está a prejudicar os jornais e especialmente a imprensa regional e local – acusações que têm vindo a crescer nos últimos tempos. Finalmente há uma questão no financiamento que está a levantar uma série de polémicas e que é o fim do pagamento da taxa aos 75 anos de idade, o que tirará vários milhões de libras anuais ao orçamento recebido pela BBC. O conjunto destes temas promete ser escaldante - ainda por cima com os conservadores a assumirem sem receios a defesa de um serviço público que não ceda às tentações de variedades e de imitadores manifestadas em programas como “The Voice”. Com o atraso habitual discussões destas hão-de chegar um dia a Portugal, mas neste momento o Conselho Dependente, utilizado pela tutela como espantalho do audiovisual, anda bem longe delas. O princípio que norteia a BBC é tem uma excelente síntese nesta frase “não caçar audiências mas procurar que a qualidade seja popular e que o popular tenha qualidade”. É claro que isto se passa no país da cultura pop, onde a popularidade mostrou o seu potencial criativo e transformador e não é mal vista pelas elites. Sex Pistols, topam?

 

SEMANADA - Até final de Maio registou-se, em relação ao período homólogo do ano anterior, um aumento de exportações de 3,5%, mas verificou-se um aumento das importações de 6,2%, sobretudo devido ao sector automóvel;  António José Seguro recusou integrar as listas de candidatos a deputados propostas por António Costa; o processo de José Sócrates já vai em mais de 20 mil páginas; a sede histórica do Grupo Espírito Santo, na Lapa, está à venda numa agência imobiliária; o novo Governo Regional da Madeira anunciou ir demolir a Marina do Lugar de Baixo, inactiva desde a sua construção por problemas de segurança, obra que custou 100 milhões de euros, quase quatro vezes o seu orçamento inicial; Portugal pode tornar-se em 2050 no segundo país mais envelhecido do mundo - actualmente está na sétima posição; a investigação judicial à farmacêutica Bial inclui uma alegada simulação de estudos científicos para justificar pagamentos no valor de um milhão de euros a médicos, na realidade incentivos para receitarem medicamentos fabricados pelo laboratório; o consumo dos portugueses fora de casa aumentou no primeiro semestre do ano e há uma redução de produtos alimentares na ordem dos 3,8% nas compras nos supermercados; há menos 5% de pessoas a levar comida para o emprego; teoria dos jogos: a oposição grega votou a favor do Syriza e uma parte do Syriza votou contra o seu partido.

 

ARCO DA VELHA - Um emigrante português no Luxemburgo teve que se deslocar a Portugal para testemunhar num processo relativo a um acidente de automóvel porque o consulado português no Luxemburgo não tem Skype e a embaixada em Paris negou-lhe o direito de o usar porque não residia em França.

 

FOLHEAR - A revista “Epicur”, fundada em 1998 por Eduardo Saramago, Eduardo Miragaia e José Matos Cristovão, tem tido uma vida atribulada e incerta nos últimos anos, muitas vezes longe dos padrões iniciais. A 3ª série da revista começa agora, com novos responsáveis (Mário Rui de Castro e Filipa Melo), e as mudanças, para melhor, são bem visíveis - desde logo no grafismo,  mas também nos temas, ou seja, em toda a edição. A revista é sazonal e sai com as estações do ano, de três em três meses. Apropriadamente este número de verão tem na capa uma melancia estilizada, fruto que é referido várias vezes que tem direito a um texto imperdível de Vergílio Loureiro que desmistifica a velha maldição de não se poder comer melancia depois de beber vinho. Além de comidas e bebidas a nova série da revista evoca viagens - e melhorou também substancialmente na edição fotográfica. Uma das novidades é um bom roteiro de sugestões de exposições internacionais, o pior momento é a tentação do cruzamento de estrelas, aqui entre o autor de “Equador” e uma cançonetista; se,  como dizia Epicuro, o filósofo grego que inspirou o nome da revista, “o homem sensato não evita os prazeres”, também vale a pena deixar dito que o homem sensato não deve estar sujeito a maçadas. Adiante que este é um incidente menor na revista - que traz umas inesperadas receitas (das quais destaco os pickles de melancia de Sá Pessoa), boas sugestões de livros e uma interessante evocação de Auguste Escoffier, o criador dos crêpes Suzette e organizador de dez mil receitas. Dos colunistas destaco Manuel S. Fonseca e os escritos de comidas de Francisco Seixas da Costa. A melancia de verão já está nas bancas, a edição de Outono chegará a 21 de Setembro. Esta “Epicur” melhorou e tem espaço para crescer.

 

VER - Poucas vezes uma exposição impressiona tanto como esta de Cristina Ataíde, “Ser Linha Ser”, inaugurada na semana passada no espaço da Fundação Carmona e Costa, onde ficará até 3 de Outubro. As amplas salas da Fundação permitem acolher a dimensão das peças de Cristina Ataíde, que permanentemente invoca a sua condição de escultora, em simultâneo com a sua paixão pelo desenho e pela montagem de instalações - os três vectores em que a exposição assenta. Alguns do desenhos, vários deles fora do que tem sido a linha mais presente em obras recentes da artista, completam-se com um assinalável atrevimento a desafiar a utilização habitual de pedra nas suas esculturas, mostrando que elas tanto podem ser parte do chão como existir suspensas.  Cristina Ataíde manipula ideias manipulando materiais e conta histórias combinando suportes diversos - numa confronto permanente entre obras a duas dimensões e outras tridimensionais. Fundação Carmona e Costa, Rua Soeiro Pereira Gomes lote 1, 6º Direito.

 

OUVIR - Robert Glasper fez nome em cruzar o jazz com o hip hop e o Rhythm ‘n’n Blues, como se viu no seu disco anterior, “Black Radio”. Mas quando este pianista decide revisitar o passado do jazz consegue fazer coisas espantosas, quer seja nas versões de temas como “Reckoner” (dos Radiohead), “Barangrill” (de Joni Mitchell) ou de standards como “Good Morning” ou “Stella By Starlight”, quer seja nos seus temas originais como “I Don’t Even Care” ou em “In Case You Forgot”, cheio de citações e evocações que vão da forma de tocar piano de nomes como Keith Jarrett, Thelonious Monk e Art Tatum , passando por apontamentos de temas tornados populares por Cyndi Lauper ou Bonnie Raitt. O trio de Glasper inclui ainda Vincent Archer no baixo e Damion Reid na bateria - um trio acústico, portanto, em que a secção rítmica é avassaladora e o entendimento com o piano é total - o trio existe com esta formação há largos anos. Gravado ao vivo, em estúdio, perante público, o registo tem uma vivacidade e energia invulgares, ao mesmo tempo que é uma lição de técnica ao serviço da  interpretação. “Covered”, de Robert Glasper, é um dos melhores discos de jazz que ouvi este ano. CD Blue Note, produção de Don Was, distribuição Universal.  

 

PROVAR - Até ao fim de semana passado ainda não tinha comido este ano umas sardinhas frescas satisfatórias - eram melhores as de conserva que a maioria das que me serviram em restaurantes de vários locais, incluindo esse ex-templo do peixe grelhado que era o Último Porto, em Lisboa. Em Julho a sardinha está na melhor fase, gorda mas firme, saborosa. Em Setúbal costuma comer-se boa sardinha mas a procura já é tanta que a coisa nem sempre corre bem. De maneira que voltei a um restaurante de beira de estrada, entre Azeitão e Palmela, em Cabanas, o Retiro do Gama. Todos os dias o responsável pela grelha, o Sr. Carlos, traz de Setúbal peixe fresquíssimo que ele escolhe com cuidado - os salmonetes por exemplo, são especiais. Mas quando ele diz que as sardinhas estão boas, não há que hesitar. Além da qualidade da matéria prima que ele escolhe, a maneira como sabe tratar o peixe na grelha deixa-o impecável, e no caso da sardinhas que provei, mantém o sabor a mar, coisa bem rara. A acompanhar  veio uma salada rica, batatas novas e açorda. Antes veio uma salada de polvo temperada na perfeição e umas boas azeitonas, além do excelente pão da casa que é sempre necessário para fazer uma cama para as sardinhas. A rematar, a escolha é entre a reputada mousse de moscatel e, este ano, a novidade de uma tarte de alfarroba que é um pouco pecaminosa. A dirigir as operações estão o proprietário, Carlos Gama, e, na cozinha, a sua mulher, Fátima - a casa não tem só grelhados, há petiscos de tacho que são muito apreciados. A equipa é atenta no serviço e regressar ao Gama é sempre um prazer - saboroso ainda por cima. Retiro do Gama, Avenida Visconde do Tojal 33, telefone 915 826 567.

 

DIXIT - Exemplo de separação entre a Igreja e o Estado:  “Se o Papa Francisco votasse em Portugal, votaria no PS” - Ascenso Simões, Director de campanha dos socialistas.

 

GOSTO - Das imagens que chegam de Plutão, do que se vai descobrindo sobre este planeta, da aventura da exploração espacial, da persistência dos cientistas que exploram o desconhecido.

 

NÃO GOSTO - Das cedências do próprio Passos Coelho às pressões de Luis Braga da Cruz, Presidente de Serralves, que assim fez andar para trás, por motivos estritamente burocráticos,  a política cultural que tinha sido estabelecida para a coleção de arte moderna da Secretaria de Estado da Cultura no Museu do Chiado.

 

BACK TO BASICS - “Nunca pensei que fosse possível estabelecer um valor monetário à democracia, que é o que acontece quando se limita o custo da justiça. Quando um Estado não funciona com base na lei, deixa de haver democracia” - excerto de uma frase uma juíza, personagem do livro “”The Man From Beijing”, de Hanning Mankell.



Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:11

Na semana passada o conjunto de canais de cabo alcançou a maior audiência das últimas semanas, com 32,8% de share, bem à frente de qualquer dos canais generalistas – a TVI, que lidera, teve 21,2% de share – por aqui se vê a diferença. Na realidade o conjunto dos canais de Cabo só perde a liderança durante o horário 20h-24h, para a TVI – em todos os outros horários está à frente. Se olharmos para a lista dos dez programas mais vistos nas generalistas verificamos que cinco deles são telenovelas da SIC e TVI, há um programa de apanhados da SIC e os quarto restantes são espaços informativos diários – três das 20h00 e um da hora de almoço, o “Primeiro Jornal”, da SIC. Passando para os canais informativos, a TVI24 continua a aparecer à frente da SIC Notícias, apesar de já ter acabado a Copa America cujas transmissões directas animaram o canal informativo da TVI. Soube-se esta semana que a RTP Informação se irá passer a chamar RTP3 e aguarda-se perceber quais as mudanças que surgirão nos seus conteúdos. A CMTV, apesar de estar apenas na plataforma MEO, continua a aparecer entre os 20 canais mais vistos. Nesta altura do ano há quatro canais infantis neste Top 20 e nas séries a FOX ultrapassou a AXN. Com o futebol no defeso o grande programa desportivo da semana é a Volta a França em bicicleta, cujas transmissões na RTP2 garantiram a este canal a sua melhor audiência dos últimos meses.

 

(Publicado na Sexta TV & Lazer do Correio da Manhã de 17 de Julho)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:00

IMG_3216.JPG

 

TRETAS - Até ao final do Verão vamos viver rodeados por sondagens. Esta semana conheceram-se várias, que analisaram desde as preferências de votos nas próximas legislativas até à opinião dos inquiridos sobre o comportamento da justiça no caso Sócrates e sobre o comportamento do cidadão Sócrates no seu caso com a Justiça - estas últimas com curiosos resultados que podem fazer os advogados pensar os efeitos das suas estratégias na opinião pública. Tudo indica portanto que este vai ser um bom ano de facturação para as empresas de sondagens. Os próximos estudos de opinião, quando a partir de final do corrente mês ficarem mais desenhadas as candidaturas presidenciais, vão também ser empolgantes. Pelas minhas contas é provável que à primeira volta se apresentem praticamente uma dezena de candidatos, talvez com ligeira vantagem numérica dos do lado direito sobre os que estão do lado esquerdo do barómetro político, Se isto se confirmar a primeira volta vai ser uma espécie de primárias simultâneas da esquerda e da direita, para ver quem vai ao combate final. A partir de fim do mês vão começar as requisições de apoio, o desfilar de notáveis a opinar e os painéis de comentadores partidários nas televisões vão fazer prodígios de ainda maior equilibrismo e vacuidade de pensamento para conseguirem sobreviver sem ofenderem demasiado nenhum dos candidatos das suas áreas político partidárias - o que vai ser sobretudo saliente no PSD e no PS. Vai ser engraçado ver como os opinadores de serviço se vão repartir. Os candidatos serão tantos que os comentadores partidários vão ter muitas solicitações nos próximos tempos, divididos entre puxarem a brasa às suas sardinhas nas legislativas e procurarem evitar tomar compromisso antecipado nas presidenciais. A coisa promete - já deve haver alguém a treinar equilibrismo.

 

SEMANADA - Entre 2010 e 2014, ou seja durante o período da troika, as dívidas à segurança social dispararam 60%; a produtividade portuguesa equivale a 64% da média europeia; desde 2011 que os bancos portugueses não concediam tantos empréstimos à aquisição de casa própria; a concessão do crédito à habitação subiu 50% nos primeiros cinco meses de 2015, em relação ao período homólogo do ano passado; em 2014 Portugal tinha a 4ª maior dívida pública da OCDE, apenas atrás do Japão, Grécia e Itália; as importações à Alemanha foram as que mais aumentaram em 2014, cerca de 12%; o Porto de Sines movimentou mais 25% de mercadorias no primeiro semestre deste ano em comparação com o mesmo período do ano passado; desde Janeiro faliram 2484 empresas e o comércio a retalho é o mais afectado; o intermediário da venda da PT, amigo pessoal do seu novo Presidente, que lhe encaminhou o assunto para a Altice, reclama uma comissão de 69 milhões de euros à OI pela concretização do negócio; com mais de cinco milhões de pessoas de origem portuguesa espalhadas pelo mundo, Portugal apresenta atualmente a taxa de população emigrada mais elevada da União Europeia e é o sexto país em número de emigrantes; no ano passado emigraram 387 médicos especialistas e um inquérito recente indica que 65% dos médicos que estão a fazer o internato da especialidade consideram a possibilidade de emigrarem; o PS conseguiu travar a proposta de que os registos de interesse dos responsáveis das secretas fossem públicos, para que assim não se saiba se pertencem ou não a associações secretas, como a maçonaria.

 

ARCO DA VELHA - O Conselho Superior da Magistratura considerou que a proposta do governo, que visa alterar o regime jurídico do Sistema de Informações da República Portuguesa, viola a Constituição em matéria de inviolabilidade de correspondência, telecomunicações e demais meios de comunicação.

 

FOLHEAR - A arte do editor é procurar formas de reinventar obras antigas e criar para elas focos de atenção. A editora Guerra & Paz, dirigida por Manuel S. Fonseca, tem feito isso ao longo da sua existência, num trabalho cuidado, que concilia a edição de novos autores com edições populares divulgadas com o apoio da SIC, mas também com edições especiais muito trabalhadas. Um dos grandes exemplos deste espírito de paixão pela edição é o belíssimo “Livro de Viagem”, que nos traz como viajantes Fernando Pessoa, Álvaro de Campos, Alberto Caeiro, Ricardo Reis e Bernardo Soares. Ousando uma heresia, é como se o espírito do poeta tomasse de assalto um tuc tuc voador e através dele fosse percorrendo paragens diversas. A edição original, cuidadosamente elaborada por Manuel S. Fonseca, é de 2009, e é um exemplo do muito que se pode fazer com pouco desde que haja imaginação - “Para que precisa de viajar com o corpo quem tão bem viaja com a alma!” - com esta citação resume o editor o seu trabalho no posfácio que encerra este livro dedicado a quem acha que a melhor maneira de viajar é sentir, lema comum da associação secreta de viajantes que agrupa os autores dos relatos publicados. Disponível, além das livrarias, no site da editora - www.guerraepaz.net .

 

VER - Todos os anos, por esta altura, a Galeria João Esteves de Oliveira revisita o seu acervo e expõe obras de artistas com quem tem trabalhado ao longo dos anos, desde consagrados a novos talentos. Especializada em trabalhos em papel, a Galeria ganhou um espaço próprio pela escolha cuidada dos trabalhos que apresenta. Sob o título “Regresso Ao Acervo”, são mostradas obras de nomes que vão de Álvaro Lapa a Sofia Areal, passando por António Palolo, Cecília Costa, Jorge Martins, Jorge Nesbitt, José Pedro Croft, Júlio Pomar, Pedro Cabrita Reis, Rui Chafes ou Pedro Calapez (na imagem). Incluídas na exposição estão também obras de três dos finalistas do Prémio EDP Novos Artistas deste ano - Vasco Futscher, Manuel Caldeira e Marco Pires. “Regresso Ao Acervo” fica até 11 de Setembro, na Rua Ivens 38, frente ao Grémio Literário e permite ter uma visão de conjunto, rara, do trabalho de uma série de grandes nomes da arte contemporânea portuguesa. Além das duas aguarelas de Calapez merecem destaque o desenho a carvão de Cecília Costa, um tríptico de José Pedro Croft, os desenhos de Cabrita Reis e Rui Sanches e os trabalhos de Vasco Futscher.

 

OUVIR - Tenho especial apreço pelos músicos que ensaiam fusões de géneros, pelos que não hesitam em ser herejes e contrariam os princípios estabelecidos. O pianista norueguês Bugge Wesseltoft gosta de descobrir novas texturas sonoras a partir de sonoridade ambientes e combina jazz tradicional com música de dança electrónica, funk, ritmos latinos ou soul. A combinação pode parecer estranha mas o resultado é bem conseguido. Sob o título “Bugge & Friends” e a referência “Nº3 Jazzland Norway”, este grupo de músicos de várias nacionalidades, liderados por Bugge, vai buscar influências muito diversas, numa sucessão de cruzamentos de inspirações. Para  citar Bugge, imaginem, por exemplo, que Miles Davis toca a passear por Cuba ou que Monk está em Ipanema. No trabalho incluído neste CD, que nasceu da evolução de actuações ao vivo ao longo de dois anos, há  também a influência de DJ’s - e a síntese mais resumida do que se ouve é um cruzamento conseguido de jazz com música de dança , ou club music se preferirem. Como diz o mentor do projecto, “este género de música é exclusivamente sobre o prazer que os artistas e a sua audiência podem ter em conjunto, sobre a partilha de forças com o objectivo de criar boa energia e viver um bom momento”. O CD é distribuído em Portugal pela Universal Music.

 

PROVAR - Nestes bons dias de verão uma esplanada com vista e desafogada, se possível abrigada do vento, é sempre uma benção. Se tiver alguma coisa para petiscar enquanto a tarde acaba e a noite começa, ainda melhor. É o caso do Le Chat, uma estrutura basicamente de vidro, mas aberta, com um grande terraço, ao lado da entrada lateral do Museu Nacional de Arte Antiga, com uma vista única do estuário do Tejo, de Alcântara até ao desenhar da baía de Cascais em dias de boa visibilidade. E, claro, também se vê a margem sul - agora extraordinariamente batizada por South Bay num assomo de americanismo de algum autarca local. O Le Chat é protegido do vento que às vezes dificulta os fins de tarde lisboetas neste mês de Julho, tem um serviço simpático e é garantidamente uma das melhores esplanadas de Lisboa - ainda por cima a construção, colocada num sítio magnífico, é muito bem conseguida e não se sobrepõe à paisagem. Nesta recente incursão provou-se um pica pau de lombo de atum fresco com molho cítrico, que estava excelente, mal passado no ponto, e muito bem temperado, acompanhado de chips de batata doce. É este aliás também o acompanhamento do hamburguer da casa, boa carne, sem ser compactada em demasia e também bem temperada. Bebeu-se uma imperial bem tirada e um Assobio tinto, do Douro, servido a copo. Belo fim de tarde. Le Chat, no Jardim 9 de Abril, à Rua das Janelas Verdes, tel. 213 963 668. A revista do New York Times considerou-o como um dos locais a não perder numa visita a Lisboa, por mais rápida que seja. E acertou em cheio.

 

DIXIT - “Você passa a vida a falar de reformas mas nunca vemos propostas concretas”, afirmou esta semana o deputado europeu belga Guy Verhofstadt, dirigindo-se Alexis Tsipras

 

GOSTO - A Santa Casa da Misericórdia de Lisboa  comprou a antiga Casa de Saúde Militar, na Estrela, para aí instalar unidades de cuidados paliativos e cuidados continuados para os mais carenciados.

 

NÃO GOSTO - Que os CTT me entreguem avisos ilegíveis de cartas registadas, que ainda por cima não me eram dirigidas e que foram parar à minha caixa de correio - está a piorar a entrega de correspondência postal aos seus destinatários.

 

BACK TO BASICS - O sucesso e os resultados não se medem pela dimensão que se apregoa, mas pela riqueza das ideias e contributos que se oferecem - Robin S. Sharma.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:18

UMA ESPREITADELA NAS AUDIÊNCIAS DE TV

por falcao, em 10.07.15

Apesar de ser distribuído somente através da plataforma MEO, abrangendo portanto apenas cerca de metade do mercado de televisão por cabo, o CM TV esteve esta semana entre os 20 canais mais vistos em todas as regiões do país e em 18º lugar a nível nacional. A audiência dos canais de cabo tem vindo a aumentar e hoje em dia já representa 31,5% do total de espectadores – num universo televisivo em que a TVI lidera com 21,6% de share, a SIC voltou a cair para 18,1%, a RTP1 está com 15,4% e a RTP2 com 2,3%. Os bons resultados de audiência da RTP devem-se às transmissões do Europeu de Sub21, e sobretudo à final entre Portugal e a Sucédia e as da RTP2 têm uma grande influência das transmissões da volta à França em bicicleta. O desporto também jogou pela TVI24 graças à Copa América, conseguindo assim ser o canal mais visto do cabo. Esta semana a “A Única Mulher” conseguiu pontualmente ultrapassar “Mar Salgado”, contribuindo assim para o reforço do domínio da TVI em todos os horários. Apesar da situação grega e do referendo os canais e espaços informativos não foram especialmente beneficiados nestes dias. Se tivesse que fazer um resumo da semana diria que cada vez mais gente vê cabo, que o desporto continua a ser um dos grandes pólos de atracção de audiências e que as novelas produzidas em Portugal são o programa preferido do horário nobre.

(Publicado na revista Sexta TV & Lazer)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:15

O consumo de imagens video em dispositivos móveis está a alterar a nossa relação com todo o universo das imagens. Hoje em dia o conceito de televisão começa a separar-se do aparelho que invadiu as casas a partir de meados do século passado. A mudança de hábitos de visionamento passa pelo progressivo afastamento das estações tradicionais, graças à possibilidade de escolha e consumo de conteúdos online. A proliferação de ligações de banda larga veio permitir que empresas como a Netfliz, a Hulu e a Amazon passassem a disponibilizar o acesso a filmes e séries em streaming, em detrimento da programação tradicional dos canais de televisão. Nos Estados Unidos há já 10 milhões de casas que deixaram de assinar TV por cabo ou por satélite e que vêm TV através de banda larga em plataformas de streaming.

Um estudo recente do IAB (interactive Advertising Bureau), que também contemplou Portugal, mostra que  este ano, a nível europeu, há mais 35% de pessoas a verem videos em smartphones e que22% das pessoas afirmam verem menos televisão tradicional em relação ao que faziam há um ano atrás. 60% dos inquiridos admite que tem frequentemente em utilização simultânea dois ecrãs (o da TV e o de um dispositivo móvel). No caso português os conteúdos mais vistos em dispositivos móveis, nomeadamente smartphones, são trailers de filmes e sketches de humor e, só muito depois, aparecem videoclips musicais – uma tendência pouco frequente a nível internacional, onde a música costuma ocupar um lugar mais relevante. Numa outra perspectiva de análise cerca de 60% dos utilizadores de smartphones vê video através do YouTube mas há já 40% que utilizam o Facebook para o mesmo efeito.

Esta nova realidade coloca uma questão importante aos produtores de conteúdos audiovisuais: como promover as suas novas produções? Recentemente o serviço de streaming video da Amazon escolheu o Facebook para fazer o lançamento da sua nova série “Catastrophe”, oferecendo o primeiro episódio gratuito na rede social. A HBO fez o mesmo com duas séries também recentes: “Ballers” e “The Brink”. Até aqui o YouTube era a plataforma que garantia maior visibilidade e audiência aos videos. Mas com as recentes novidades introduzidas no Facebook a sua capacidade de encontrar audiência para os videos está  a aumentar exponencialmente – na realidade o algoritmo do Facebook, com as analogias e a informação que permite utilizar, é mais eficaz a encontrar os destinatários certos de determinado conteúdo – e essa vantagem permite-lhe posicionar-se de maneira diferente já que no YouTube, por eqnauanto, apenas se consegue encontrar o conteúdo por pesquisa.

O que as novas organizações de distribuição de conteúdos video estão a fazer é perceber que já não chega usarem a publicidade convencional nos espaços comerciais das estações de televisão – e por isso estão a tomar a dianteira no rastrear da mudança de comportamento dos consumidores. Se as próprias estações de televisão estão a começara fazer isto, os anunciantes que hoje ainda as utilizam vão rapidamente aperceberem-se das alterações significativas que começam a existir. O mundo está sempre em mudança. E quando as estações de televisão vão á procura de audiências fazendo publicidade online e nas redes sociais, vale a pena começar a pensar no tema.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:12

IMG_3170

 

ATENAS - A 26 de Junho de 1963, há 52 anos, Kennedy fez um discurso frente ao muro de Berlim, que ficou célebre por estas palavras: Ich bin ein Berliner - eu sou um berlinense. Esse discurso sublinhava a diferença entre as democracias ocidentais e as ditaduras da europa oriental, na órbita de Moscovo. “There are many people in the world who really don’t understand, or say they don’t, what is the great issue between the free world and the communist world. Let them come to Berlin. Freedom has many difficulties, and democracy is not perfect, but we have never had to put a wall up to keep our people in. Two thousand years ago, the proudest boast was ‘Civis Romanus sum,’ Today, in the world of freedom, the proudest boast is ‘Ich bin ein Berliner!’ ”Tenho-me lembrado muito deste discurso nas últimas semanas. Olho para o que se passa na Grécia e vejo como o Governo de Atenas tem vindo a construir um  muro à sua volta, cuja única abertura aponta para Moscovo, deliberadamente voltando a colocar o espectro da guerra fria sobre a Europa. Tsipras está a criar um cenário construído para que um dia destes Putin possa proclamar, do alto da Acrópole, que se sente um Ateniense. A História dá voltas terríveis, mas o que se passa é infernal. As posições do Governo grego inspiram-se num catavento e são um petisco para quem gosta de apostar no que poderá ser o passo seguinte. De opositor feroz, em 2011, a um referendo sobre tema semelhante ao que agora propôs, Tsipras torna-se agora no seu maior defensor, querendo, no fundo, apenas referendar-se a si próprio e aos seus métodos. À hora a que escrevo, quarta à noite, é muito difícil imaginar o que se vai passar até Domingo. Mas não resisto a sublinhar que um exemplo da verdadeira noção de democracia de Tsipras está na forma como tem utilizado a estação pública de televisão, que reabriu exclusivamente para a usar como o seu canal de comunicação e amplificador das suas posições - Chavez não teria feito melhor. A televisão publica grega é agora apenas a extensão audiovisual do governo. Esta coisa da teoria dos jogos no poder dá cabo de qualquer um. Com um desgoverno assim, a última coisa que quero é sentir-me grego.

 

SEMANADA - Augusto Santos Silva ficou aborrecido por a transmissão de jogos da Copa América na TVI24 ter maior audiência que os seus comentários e ficou incomodado com as várias alterações de programação justificadas pelos jogos; os dados de um novo Inquérito Social Europeu indicam que Portugal é o país da Europa que menos se interessa por política, com 40% dos inquiridos a dizerem que não têm interesse nenhum no tema; Pinto Balsemão afirmou preferir Rui Rio como candidato a Belém; Cavaco Silva demonstrou que ainda é capaz de fazer contas de subtrair; segundo um estudo da Marktest 1,4 milhões de portugueses acedem a notícias e informação através das redes sociais; António Costa não quis comentar a entrevista dada por José Sócrates esta semana, na qual insinuava que a sua detenção seria um factor negativo para a estratégia eleitoral dos socialistas; segundo o Correio da Manhã o vice presidente do Grupo Lena admitiu no inquérito judicial ter servido de barriga de aluguer na transferência de 12 milhões para a conta de Carlos Santos Silva, quantia que seria destinada a José Sócrates;  a Comissão Nacional de Protecção de Dados acusou o Governo de querer dar carta branca às secretas para vasculhar a vida das pessoas; a crise em Angola já fez regressar 3 mil portugueses; mais de 100 agentes da PSP são arguidos no caso da troca dos passes de transporte por dinheiro; entre Janeiro e Junho, foram vendidos 100.656 automóveis ligeiros de passageiros, um aumento de 32,8% em relação ao primeiro semestre do ano passado; a editora de livros aos quadradinhos Marvel anunciou que a mulher-aranha está grávida, tornando-se assim na primeira super-heroína a assumir esse estado.

 

ARCO DA VELHA - Os bombeiros já combateram 3355 fogos em 47 dias, o pior registo desde 2003, e dos dez helicópteros que compunham a frota do Estado para combate a incêndios apenas estão a voar um aparelho pesado e dois ligeiros -  a ministra da Administração Interna foi alertada para a situação há cinco meses.

 

FOLHEAR - Esta é uma excelente altura para ler um livro sobre Winston Churchill, que morreu há 50 anos e foi um factor decisivo na resolução de um dos piores conflitos que varreu a europa no século passado. O autor é Boris Johnson, agora Mayor de Londres, mas antes editor da revista The Spectator, e que chegou a ser considerado como um possível rival de David Cameron nos conservadores britânicos. Mas o que interessa aqui é o estilo bem humorado de Johnson, muito bem apanhado pela tradução nesta biografia de Winston Churchill, que a D. Quixote agora editou em Portugal, “O Fator Churchill”, a maneira como conta histórias e episódios e, também, como os enquadra na História. Se gosta de biografias e se, como eu, acha que Churchill foi decisivo para salvar a nossa civilização este é um bom livro para ler neste Verão. Não é uma biografia clássica, como as que Roy Jenkins ou Martin Gilbert escreveram sobre o estadista, mas é um relato irresistível sobre Winston Churchill. Excessivo em tudo, brilhante na oratória, rápido na decisão, corajoso nas escolhas, Churchill foi o Primeiro-Ministro que levou o Reino Unido e os seus aliados à vitória sobre os alemães. Nestes tempos difíceis que estamos a viver de uma Europa em crise faz ainda mais sentido ler a História desse tempo e descobrir como Churchill a viveu. A tradução é de José Mendonça da Cruz e merece ser elogiada.

 

VER - Não tenho memória de uma exposição recente de fotografia de um autor português me ter marcado de forma tão saliente como “Posto de Trabalho”, de Valter Vinagre, que abriu na Fundação EDP/Museu da Electricidade e estará patente até 20 de Setembro (na imagem). Como Valter Vinagre diz estas suas fotografias “não mostram gente, mas é de gente que falam”. As fotografias, feitas entre 2010 e 2103, reflectem o mundo da prostituição da beira de estrada, mostrando com um enquadramento e iluminação singulares construções de aspecto efémero que abrigam essa actividade ao mesmo tempo evidente e escondida. Há um misto de miséria e de carinho, de desprendimento mas também de  procura de criação de um espaço de intimidade, que mostra uma realidade ainda mais dura do que se poderia imaginar. A exposição é acompanhada por uma boa edição, da XYZ Livros, que a vai fazer perdurar no tempo. Ainda na Fundação EDP podem ser vistas, também até 20 de Setembro, mais duas exposições - a dos finalistas do prémio EDP Novos Artistas, entre os quais destaco Vasco Futscher, e uma revisitação, muito bem concebida e montada,  do que era, há exactamente um século, a vida no ano em que nasceu a Orpheu - 1915.

 

OUVIR - Em cima de um piano de cauda Steinway, na sala da casa de Amália Rodrigues, em S. Bento, havia uma fotografia autografada, com dedicatória à fadista, de Anthony Quinn. Refiro isto não só porque Amália amava ver filmes, mas também porque Quinn se imortalizou em “Zorba, O Grego” - que muitos por estes dias de tempestade têm recordado. Amália gostava de Quinn - e reza a lenda que ele gostava dela. Lembrei-me de tudo isto por causa de uma edição especial de “Fado Português, um dos seus discos históricos, editado em 1965, agora lançada para assinalar o cinquentenário da edição original. Esta nova edição foi coordenada por Frederico Santiago, que tem trabalhado, bem, nos últimos anos, no catálogo de gravações de Amália Rodrigues para a Valentim de Carvalho. “Fado Português” foi um álbum fundamental na afirmação do génio  musical de Alain Oulman e, através dele, da divulgação e popularização de poetas maiores da línguia portuguesa, de Camões a Régio, passando por Alexandre O’Neil, Pedro Homem de Mello e David Mourão Ferreira, que foi um dos autores que mais influenciou a obra da fadista.Esta nova edição inclui dois CD’s - o primeiro junta ao alinhamento original do LP de Junho de 65 o material entretanto publicado posteriormente dessas sessões de gravação; e o segundo reúne gravações que até agora tinham permanecido inéditas dessas sessões, feitas por Hugo Ribeiro, o técnico que mais acompanhou Amália em estúdio. Finalmente regista-se que a opção de edição respeitou o som mono primitivo, até aqui nunca disponível em CD. Esta é uma edição que ajuda a compreender melhor o processo criativo de Amália, de Oulmann e daqueles que mais de perto com ela trabalharam e onde é justo referir Rui Valentim de Carvalho.

 

PROVAR - Se por estes dias de brasa europeia quiser ir ter um ar de Grécia pode experimentar um dos dois restaurantes gregos que são mais conhecidos em Lisboa. Um deles é o Santorino Coffe, na Rua Manuel da Maia 19A (para o lado da Rovisco Pais), e que tem fama de ter a melhor Moussaka de Lisboa e bons patés gregos. Tem também vinhos, cerveja e digestivos gregos. Vai estar fechado no Domingo do referendo mas experimente ligar para marcar noutro dia que os lugares são escassos - os entendidos dizem que é o melhor e mais simpático sítio para se provar boa comida grega em Lisboa - o telefone é o 218 472 748.  Outra opção fica na Rua das Trinas 22, é o Ilhas Gregas, que se destaca pelo prato creta, que para além de Bifteki, tem costeleta de borrego, souvlaki e gyros. Este restaurante gaba-se de ter uma sobremesa sempre elogiada, iogurte grego batido com doce de azeitona e de ter produtos gregos em todos os items da lista. Tem também um menu de degustação grego mas as opiniões dos utilizadores no Zomato são muito irregulares. Domingo que vem, dia do referendo, conta estar aberto.  O telefone é o 210 993 288.

 

DIXIT - “Se o segredo de justiça é para violar, então acabe-se com ele “ - Elina Fraga, bastonária da Ordem dos Advogados

 

GOSTO - Do Festival do Silêncio, que decorre até 5 de Junho na zona do Cais do Sodré e Largo de S. Paulo.

 

NÃO GOSTO - Da ideia de Rui Rio ser candidato à Presidência da República

 

BACK TO BASICS - “Um fanático é alguém que não muda de ideias nem consegue mudar de assunto” - Winston Churchill

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:00

Pág. 1/2



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2005
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2004
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2003
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D