Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



A BUROCRACIA QUE NOS ESTRANGULA

por falcao, em 17.07.12

Conseguir obter uma licença para fazer um negócio de rua, legítimo, é hoje em dia o cabo dos trabalhos. Se se tratar de uma roulotte das que servem comida pior ainda. Pessoa amiga contou-me há dias a saga de um desempregado, recente, que tinha tentado começar um negócio próprio vendendo, num pequeno veículo, fruta fresca, sanduíches, sumos. Nada de cozinhado. Uma coisa simples, a bom preço, tudo previamente embalado. Ao fim de muita andança lá soube que neste momento não há novas licenças e não conseguiu, apesar de muitas tentativas, qualquer forma de resolver a questão. Se a licença tivesse sido possível, uma pessoa desempregada teria ficado com trabalho e teria ainda criado um outro posto de trabalho, de mais uma pessoa que repartisse trabalho e horários com ele. E no fim o Estado pouparia no subsídio de desemprego e ainda conseguiria alguma receita.


 


No estado em que estamos acho estas burocracias incompreensíveis – não se percebe porque é que se impossibilita a alguém a oportunidade de trabalhar, de forma legítima. Isto empurra as pessoas para situações à margem das autorizações - e depois lá vem a ASAE e outras que tais invocar a falta de licenças para fechar tudo. Ainda por cima querem agora lançar uma taxa que será paga pelos consumidores para cobrir os custos da ASAE – ele há dias em que isto não é um país, é uma anedota de humor negro.


 


Quem vai a qualquer cidade nos Estados Unidos vê por todo o lado gente a trabalhar a vender cachorros, pretzels, fruta, soft drinks. Em cada grande cidade são milhares de pessoas que assim ganham a vida, de forma legítima. Em Portugal persegue-se e dificulta-se a vida de quem quer montar um pequeno negócio de rua. Muita coisa tem de ser mudada para este país funcionar. Da maneira que estamos, não vamos lá.


 


(Publicado no Metro de dia 17 de Julho)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:27


1 comentário

Sem imagem de perfil

De isabel ferreira a 18.07.2012 às 15:39

embora tenha razão no que expõe, será melhor no entanto informar-se no que respeita á nova taxa de segurança alimentar, dado que que mesma nada ter com a ASAE (minstério da economia e do emprego), mas sim com o ministério da agricultura, pelo que as verbas cobradas revertem para a Direcção-Geral de Veterinária.

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2005
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2004
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2003
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D