Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



QUER QUER COMPRAR UMA TV?

por falcao, em 03.08.12

TELEVISÃO – Nas últimas semanas têm-se sucedido os anúncios de novos canais de televisão – Correio da Manhã, Bola, dois novos da TVI – (um de ficção e outro de entretenimento).  Os indicadores mais recentes apontam para que em Portugal mais de 70% dos lares já utilizam televisão por assinatura – aquilo a que vulgarmente se chama TV Cabo. Este aumento brutal do número de utilizadores do cabo, é, em grande parte, devido à forma desastrada como o processo de transição para a TDT foi gerido. Mas, seja qual for a causa das coisas, agora a maior parte dos telespectadores vê televisão por cabo e no futuro a probabilidade é de a situação não se alterar e até de se aprofundar um pouco mais.  De forma quase sistemática o conjunto de canais do cabo é já o segmento que regista valores mais altos de audiência, maior que qualquer dos canais generalistas. Por outro lado parece ser cada vez mais provável que para a próxima época os jogos da Liga portuguesa não sejam transmitidos em nenhum canal aberto e apenas na Sport TV, que detém os direitos das respectivas transmissões. Esta situação não é nada de espantar, o mesmo acontece em vários países europeus, que há muito deixaram de ter futebol em canais gratuitos. Sucede que esta paisagem – proliferação de canais no cabo, aumento do universo de espectadores do cabo - é uma má notícia para a  privatização da RTP, cujos contornos se continuam a desconhecer. De tal modo estão as coisas que nos últimos tempos há quem se questione sobre se surgirão candidatos a essa privatização – será sempre uma operação mais cara do que o lançamento de novo canal – e embora os resultados sejam diferentes, também é certo que o risco é menor, até porque a publicidade no cabo aumenta e nos canais de sinal aberto diminui. Como a questão passou para a esfera política mais do que económica, quer dizer que começou a ficar irracional. A ver vamos se nenhum dos operadores de cabo vai ter, in extremis, de engolir o veneno em que a privatização da RTP se arrisca transformar.


 


SEMANADA – Os emigrantes que vêem a Portugal de férias, por automóvel, queixam-se de não receberem informação suficiente sobre as portagens electrónicas nas SCUT; os turistas estrangeiros deixaram em Portugal, de Janeiro a Abril, 475 milhões de euros, mais 15% que no ano passado; um ladrão roubou material de guerra da GNR à porta do quartel do Comando da corporação no Porto; no primeiro semestre deste ano já se verificaram nas prisões portuguesas tantos suicídios como no total do ano passado; em Portugal, de Janeiro a Março, morreram 33 101 pessoas e nasceram apenas 20 794; por dia ficam falidos 25 particulares; compras da China a Portugal cresceram 64% este ano; António Costa declarou considerar ter “algumas qualidades” para ser secretário geral do PS; António Costa admitiu querer alargar ao PCP a coligação nas próximas autárquicas de Lisboa; a CMVM detectou uma pessoa – não identificada - que exerce cargos na administração de 73 empresas cotadas em bolsa; taxa oficial de desemprego duplicou em quatro anos; a cobrança de impostos está a arrecadar menos receita do que em 2008, quando o IVA estava a 21%.


ARCO DA VELHA – O Ministério das Finanças é aquele onde a dívida a fornecedores mais aumentou no primeiro semestre deste ano – em casa de ferreiro espeto de pau.


 


VER – A fotografia em película tinha um processo criativo bem diferente da fotografia digital. Cada rolo de película de 35 mm acomodava 36 imagens. Uma vez revelado, o rolo era a base de provas de contacto – folhas que reproduziam em tiras os negativos no seu tamanho original. E era daí que os fotógrafos escolhiam as imagens que consideravam ideais e que , posteriormente, ampliavam. É a partir deste método que o belga Jef Geys olhou para Lisboa. A exposição que está na Culturgest, no Campo Pequeno, até 2 de Setembro, mostra duas provas de contacto resultantes de outros tantos rolos de película utilizados para fotografar Lisboa, a preto e branco, em 1998. É simultaneamente um olhar sobre um método de trabalho que deixou de existir e uma interrogação sobre a forma como a fotografia pode evoluir. É um curioso registo de uma forma de olhar e de fotografar.


 


OUVIR – O novo disco de Neneh Cherry não é para ouvidos delicados e incapazes de aventuras. Trata-se de um disco de jazz como já é raro encontrar hoje em dia. Neneh, que é filha de Don Cherry, um trompetista marcante com quem Ornette Coleman gostava de tocar na década de 60. Neneh começou carreira na pop e tem andando arredada de gravações a solo desde 1996 – à excepção de umas vocalizações esporádicas - por exemplo com Gorillaz. Agora ressurge num disco atrevido, com um trio de músicos suecos e noruegueses que fazem da improvisação sem barreiras o seu estilo de eleição. Para Neneh Cherry este álbum é um momento de redenção, onde todo o seu talento surge de forma clara. The Thing, o nome da banda, é uma homenagem a um tema homónimo de Don Cherry. O ”The Cherry Thing”, assim se chama o disco, inclui quase só versões – apenas o tema de abertura, “Cashback” foi escrito por Neneh Cherry.  Aqui podem encontrar “Golden Heart”,de Don Cherry, “What Reason Could I Give”, de Ornette Coleman,  mas também surpresas como “Dirt” dos Stooges ou uma interpretação absolutamente inesperada e arrebatadora de “Dream Baby Dream” dos Suicide ( de Alan Vega) – que engraçado que hinos punk sejam agora, passadas algumas décadas, homenageados pelo jazz improvisado. As coisas, afinal, não andam longe umas das outras. CD Small Town Supersound, na Amazon.


 


FOLHEAR – A “Egoísta” de Junho é redonda e dedicada à noite. É redonda porque tem o formato de um círculo perfeito, à excepção de uma pequena pega na lombada, que serve para prender as páginas. Mário Assis Ferreira, o director da revista, recorda que “ a noite é um hiato contínuo em metade das nossas vidas” – por alguma razão se diz que ela é boa conselheira. Esta noite, da “Egoísta”, traz-nos fotografias de fantasia de Andreas Reinhold, fotografias testemunho de Augusto Brázio, fotografias memória de António Barreto, um magnífico texto de Fernando Sobral sobre a vida que não tem horas e um conto inesperado de Marta Jecu. Mais uma boa edição cheia de imaginação. Que seria de nós sem estas surpresas sazonais que a “Egoísta” nos proporciona?


 


PROVAR – Esta semana experimentei o QB, localizado na Quinta da Beloura, perto da entrada da zona de escritórios, numa das antigas casas originais da Quinta, remoçada há uns anos para a actual função. Fiquei a apreciar a robustez de um petisco de entrada que é uma morcela no forno com cebola e maçã caramelizadas, bem seguido por uns estimáveis pasteis de massa tenra com arroz de coentros. O serviço é eficaz, o local arejado e confortável, a lista de vinhos tem boas surpresas e a refeição correu da melhor forma. Na lista existem outras propostas como pastéis de bacalhau com o tradicional arroz de cenoura, bifes e iscas a portuguesa. Bom sítio para, por estes dias de verão, fugir à ventania do Guincho rumo a uma almoçarada depois de uma partida de golfe. Telefone             219 240 166      . 


 


GOSTO –   Do apoio da PT às boas ideias de novos projectos, que pode ser visto no site vamosla.pt – precisam-se de mais empresas com a dinâmica de inovação e de intervenção social da PT, neste acaso através da TMN.


 


NÃO GOSTO – Da maneira como a Câmara dificulta a vida dos lisboetas cortando o trânsito no Terreiro do Paço.


 


BACK TO BASICS –  “Quem quiser ter uma carreira com êxito na política tem que ter consciência de que há um assunto que nunca deve mencionar – a política” – Gore Vidal.


 


(Publicado no Jornal de Negócios de 3 de Agosto)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:02



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2005
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2004
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2003
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D