Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



QUERO, POSSO E MANDO

por falcao, em 15.01.13

O Governo anda há 18 meses a desbaratar tempo. Em vez de ter logo começado, em Junho de 2011, a trabalhar na reforma do Estado, foi deixando sempre isso para segundo plano; preferiu ir aumentando os impostos, com os resultados que se conhecem, e que não são bons – nem mesmo a nível da receita fiscal, que não é a esperada.

 

Pelo caminho dificultou a vida às pequenas empresas – muitas tiveram que fechar, outras vêem-se aflitas para conseguirem cumprir tudo o que lhes é obrigado. Pelo meio encerram estabelecimentos, cria-se mais desemprego, numa cascata que agrava a situação económica em que vivemos.

 

O Governo, em vez de ir analisando onde e como cortar no Estado, deixou o assunto para o fim. Não negociou cortes de boa fé com os parceiros sociais, habituou-se a anunciar medidas pela comunicação social, em vez de as debater e consensualizar primeiro. Para os devidos efeitos práticos é como se agisse segundo o princípio do “Quero, posso e mando”, sem atender às consequências dos seus atos.

 

O triste espetáculo da semana passada, em que os ministros se contradisseram sobre o relatório do FMI, e a forma como finalmente foi apresentado, são fatais. Se quisessem boicotar qualquer mudança séria do Estado, não fariam melhor.

 

A reforma do Estado tem que se fazer. Tem que perder peso, regimes de exceção e ganhar racionalidade. Não vale a pena querer negá-lo, como faz o PS; nem vale a pena querer faze-lo de qualquer maneira, como o Governo tem evidenciado. Cada vez mais se percebe que lidar com a realidade é um problema para o Governo, mas também para o PS - por razões distintas, mas o resultado é o mesmo.

 

(Publicado no diário Metro de 15 de Janeiro)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:30



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2005
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2004
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2003
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D