Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]



SMS - Para a lenda há-de ficar esta história: na nossa crise destes dias, no meio das negociações entre os partidos, oscilando entre sedes partidárias, houve quem enviasse, via sms, a jornalistas, sinais do agudizar das divergências. Só me espanto de no twitter não surgirem relatos - já espero de tudo, vindo de todos. Estas negociações são em boa parte uma encenação apressada de uma dramaturgia estranha escrita em Belém e que deixou o fim em aberto - será mesmo um “happy end” aquilo que o Presidente, lá longe, nas Ilhas Selvagens, pretende? De qualquer maneira na quarta feira é certo que começaram os discursos preparatórios para não haver acordo algum de governação. Não me espanto muito, a única coisa que me surpreende é que à quarta a mesa continue em amena cavaqueira depois de se saber que, na quinta,  um dos presentes vai votar, numa moção de censura, contra os outros dois. O mundo está estranho, o país ainda mais e neste momento só me ocorre dizer, como um divertido comentador desportivo sublinhou há uns anos: prognósticos só no fim do jogo. Uma coisa tenho por certa: uma geração de eleitores vai olhar para isto com desprezo e pensar que quando um país está entregue, nos seus mais altos cargos, a reformados, alguma coisa vai mal. O resultado está à vista. O regime está a precisar de ume reforma, que comece por tirar os reformados do leme.

 

SEMANADA - O Presidente da República abriu a porta a uma próxima campanha eleitoral, a começar agora, e a terminar daqui a um ano;  o PS aceitou sentar-se à mesa de negociações com o PSD e CDS; o PS anunciou que vai votar uma moção de censura ao Governo; José Junqueiro, vice-presidente da bancada parlamentar do PS,  vê “com muita dificuldade” um acordo com PSD e CDS; PS manifestou abertura a reunir com o PCP e com o BE, que não quiseram reunir com o PSD e CDS; Mário Soares avisou que um acordo do PS com os dois partidos da coligação só aconteceria “se o PS fosse dirigido por alguém que não tivesse senso”; no final da reunião com o BE, o PS emitiu um comunicado no qual afirma que este Governo “tem os dias contados” ; Álvaro Santos Pereira está em visita oficial a Angola; Cavaco Silva foi em deslocação oficial às Ilhas Selvagens; o PS sublinhou que as negociações não envolvem nenhum representante do Governo, apesar da presença de vários secretários de Estado e de um Ministro; o eventual candidato do PSD à Câmara de Lisboa, Fernando Seara, anunciou que quem não chegar a acordo será “sancionado pelo eleitorado”; o gabinete de prevenção e investigação de acidentes com aeronaves está desde esta semana sem qualquer investigador ao seu serviço; os metropolitanos de Lisboa e Porto perderam 7,7 milhões de passageiros num ano; as dívidas fiscais aumentaram 7,7 milhões de euros com a troika; o emprego em Portugal recuou a níveis de 1995 e o consumo a níveis de 1999; o programa de ajustamento já destruíu 686 mil postos de trabalho.

 

ARCO DA VELHA - A CP vendeu quatro dezenas de bilhetes para lugares inexistentes num comboio Lisboa-Faro na passada segunda-feira, levando os passageiros a viajar de pé e no bar do comboio.

 

 

FICAR- Na semana passada descobri os Açores. Melhor dizendo, ajudaram-me a descobrir os Açores, insistindo comigo para que fosse.  Fiquei muito contente por ter ido: estive cinco dias em São Miguel e fiz quase setecentos quilómetros por estradas grandes e por estradas pequenas, indo a todos os recantos e parando nos mirantes que encontrei.  Comi bem em bombas de gasolina e em esplanadas em cima do mar; no Hotel onde fiquei e, em restaurantes onde fui e em casa de amigos que me acolheram. Na estrada, por todo o lado me ajudaram com indicações de caminhos e sugestões do que ver. Fiquei rendido a São Miguel e com vontade de descobrir o resto dos Açores. Tive a boa sorte de ficar no Hotel Terra Nostra, nas Furnas, e não podia ter ficado melhor. O Hotel está num parque natural, único, cuidadíssimo, onde é um prazer passear, e que mostra a diversidade da flora da ilha. Não é muito fácil para mim descrever a natureza, mas este é daqueles locais onde apetece ficar, ao qual se quer voltar. No meio do parque está um enorme tanque circular, de água termal, quente, onde se entra para perceber que o descanso não é uma palavra vã e o conforto é um conceito que não se esgota no óbvio. Hei-de voltar a este Terra Nostra - já me tinham dito que é um local que exerce fascínio. Comprovei ser completamente verdade.

 

PROVAR - Desta vez não vou falar de um só restaurante mas do que provei em vários sítios. Primeiro, falo do mar: de uma abrótea e de um veja que me acolheram no Terra Nostra e que reconfortaram das viagens. De umas lapas grelhadas das quais viciosamente abusei numa esplanada na Ribeira Grande, acompanhado por um branco seco, local, o Curral Atlantis com acidez adequada aos petiscos do mar. Mas, sobretudo, devo destacar um peixe que ignorava, de textura e sabor até então desconhecidos, e que mesa amiga me deu a provar - um rocaz, fantástico. Mas quero também falar do queijo de São Jorge, acompanhado de chutney de ananás e servido com o Czar, um vinho generoso do Pico e que deve o seu nome à preferência que os titulares da coroa imperial russa tinham por ele, ao ponto de comprarem toda a produção. E já tenho saudades da carne, bem cozinhada, bem temperada e sobretudo tenríssima, a puxar por um vinho tinto, do Pico, o Basalto, de uva americana, servido refrescado, a acompanhar bem estes petiscos carnívoros. E por falar nisso, remato com o célebre cozido das Furnas, que leva sete horas a fazer em buracos no chão vulcânico, com os enchidos da região - de que se destaca a morcela - com batata doce e inhame ao lado do entrecosto, da couve e do repolho. Imperdível, a gastronomia açoriana.


VER - De há uns anos a esta parte assistia à presença da Galeria Fonseca Macedo, de Ponta Delgada, na Arte Lisboa, na FIL, onde tem tido uma presença que chamava a atenção. No meio das minhas voltas micaleenses da semana passada, tive a sorte de coincidir com uma nova exposição - “Austeridade” de Ana Vidigal, e “Osso” de Paulo Brighenti, ambas possíveis graças à colaboração com a galeria Baginski, de Lisboa. Situada no centro de Ponta Delgada a “Fonseca Macedo” é uma lufada de ar fresco, dedicada à arte contemporânea, e que tem desenvolvido um núcleo de coleccionadores açorianos, alguns dos quais conheci naquela noite. Gostei de rever estes trabalhos recentes de Ana Vidigal e de Paulo Brighenti, de os sentir ali apreciados, a meio do Atlântico. Nada como uma noite de abertura de uma galeria de arte contemporânea para nos permitir tomar o pulso a uma sociedade - ver quem vai ser visto, quem vai por dever de ofício, ou quem vai porque gosta de descobrir. Felizmente foi uma noite, para muitos, de descoberta.

OUVIR- Sou suspeitíssimo nesta matéria: acho que J. P. Simões é um dos nossos músicos mais geniais, um dos autores de canções que vai ficar para a história destes anos terríveis. Letras provocatórias, observações certeiras, cuidado e originalidade nos arranjos - tudo faz dele um caso à parte. Mesmo que hoje em dia seja ainda ignorado por uns e marginalizado por outros, suspeito que este seu repertório, particularmente o deste novo CD “Roma”, ainda vai dar que falar ao longo dos anos. Ouço-o com cada vez maior prazer, descubro nele sempre alguma coisa de novo em cada audição. J P Simões é o mais tropical dos nossos músicos, tanto que às vezes pode parecer demais. Mas é bom, genuíno e dá que pensar. (CD “Roma”, JP Simões, na FNAC).

 

FOLHEAR - A edição de Julho do “British Journal Of Photography” mostra como os encontros de fotografia de Arles, depois de há uns anos largos terem mostrado a importância da côr, regressam este ano ao preto e branco. E, sobretudo, dá a conhecer um belíssimo portfolio de George Giorgiou e Vanessa Winship, intitulado “The Long Road” e que mostra a coexistência entre duas visões, mas também entre várias técnicas, evidenciando como se podem conjugar de forma harmónica os retratos, as paisagnes, as cores, o preto e branco. Sem os fundamentalismos que tantas vezes nos impedem de ver o que queremos observar. Uma bela edição anti-dogma.

 

DIXIT - “ Seguro prometeu-me que o PS não fazia cedências” - Manuel Alegre

 

GOSTO - Do canto das cagarras, pássaros abundantes na reserva das Ilhas Selvagens.

 

NÃO GOSTO - Que tenham ido incomodar as cagarras às Ilhas Selvagens.

BACK TO BASICS - “Os factos são o maior inimigo da verdade” - Miguel de Cervantes.


(Publicado no Jornal de Negócios de 19 de Julho)


Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:45


Comentar:

CorretorEmoji

Notificações de respostas serão enviadas por e-mail.



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2005
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2004
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2003
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D