Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



TEMA - Sinceramente não sei que dizer esta semana. Tirando Rui Moreira, no Porto, as eleições não trouxeram grandes surpresas. Confirmou-se o que se sabia - más escolhas de candidatos, intrigas palacianas nas sedes dos partidos a sobreporem-se às sensibilidades locais, desfasamento entre o sistema, os partidos e os eleitores, revoltas internas que deram independentes vencedores. Tudo isto se adivinhava e vai agudizar-se ao ritmo a que as conspirações internas reduzirem a actividade política a um jogo de bastidores incompreensível para a maioria das pessoas. Nos últimos anos as propostas políticas que têm a ver com o dia a dia das pessoas foram evoluindo para promessas desgarradas esquecidas no dia seguinte à votação e, principalmente, para politiquices que só têm a ver com jogos de poder de indivíduos ou de grupos. A noção de serviço público da política está bem guardada num baú e o que sobra é um fanatismo de seita, que não anda muito distante da clubite futebolística e das guerras com os árbitros que servem para distrair o país e aliviar da troika. à margem de tudo isto o mundo move-se e avaça -  como dizia o poeta e a PT fez, bem, questão de demonstrar. E já agora, em termos comunicacionais, reparem no timing: a notícia do entendimento entre a Oi e a PT para a fusão das duas empresas surgiu no dia a seguir à assembleia geral fundadora da Zon-Optimus.


SEMANADA - Foram vendidas 5,1 milhões de embalagens de anti-depressivos nos primeiros oito meses do ano; a abstenção foi a maior de sempre em autárquicas;  o numero de votos nulos e em branco mais que duplicou comparando com as anteriores autárquicas de 2009; a soma das abstenções e dos votos brancos e nulos ultrapassa os 54%; aumentou o número de independentes que se tornaram presidentes de Câmara; a distribuição de votos na Madeira teve a maior alteração de sempre e o PSD perdeu a Câmara do Funchal; em Lisboa, em 2009, o PSD obteve 26 presidências de junta de freguesia e o PS conseguiu 22; mas em 2013, após a reorganização da cidade, o PS ganhou 17 das 24 novas freguesias;  40% das autarquias leva mais de três meses a pagar dívidas; 33% das casas, cerca de 650 mil habitações, não estão ligadas à rede de abastecimento de água; gastos das familias com impostos subiram 35% na primeira metade de 2013; já depois de estar nacionalizado o BPN concedeu 135 milhões de euros de crédito de risco; segundo o Eurostat em Agosto existiam em Portugal 877 mil desempregados; a Universidade de Aveiro deixou de estar na lista das 400 melhores instituições de ensino superior de todo o mundo.


ARCO DA VELHA - O Estado português terá que pagar um milhão de euros por danos morais infligidos a 217 cidadãos que estão há 18 anos à espera de uma decisão do tribunal sobre a falência de uma empresa hoteleira


VER - A partir de 10 de Outubro poderemos descobrir no Museu Nacional de Arte Antiga os retratos dos Reis Carlos IV de Espanha e Maria Luisa de Parma, concebidos por Goya a pedido da Real Fábrica de Tabacos de Sevilha, em 1789. Esta mostra insere-se num ciclo de exposições trimestrais realizada pelo Museu Nacional de Arte Antiga denominado “Obras Convidadas”, cujo objectivo é dar a conhecer obras de mestres da pintura ocidental que raramente foram expostas em Lisboa, provenientes e museus do mundo inteiro, um interessante programa de intercâmbio que é dos pontos altos da actividade actual do MNAA. Em troca destes dois retratos de Goya irá o nosso tríptico de Bosch para o Prado, lá mais para a frente. Ganha-se com a troca e com o poder descobrir a luz destes retratos de Goya.


OUVIR- Sting não fazia um disco de originais  há uma dezena de anos e saíu-se com um projecto de uma peça de teatro, musical, que estreará na Broadway no próximo ano. As onze novas canções do CD são parte da banda sonora, que em palco terá cerca de duas dezenas de composições. A ideia é contar a história do declínio da indústria de construção naval em Newcastle, onde Sting cresceu. Há uma forte influência de música folk, nem me atrevo a dizer que alguém se poderia ter lembrado de fazer em Viana do Castelo um disco com inspiração no Vira do Minho. Adiante - as canções não são para brincadeiras, contam histórias duras, abordam rupturas familiares e tensões dentro da comunidade, mas também casos de amor e desejo, como em “I Love Her So But She Loves Someone Else”. Noutro registo gosto especialmente dos duetos duetos “What Have We Got”, com, Jimmy Nail,  e “So To Speak” com Betty Unthank, ssim como o primeiro single, “Practical Arrangement” ou o estimulante  “The Night The Pugilist Learned To Dance”. É melhor que as anteriores incursões de Sting noutros terrenos musicais (CD Cherry Tree/Universal).

 

FOLHEAR - A edição de Outubro da revista “Monocle” é dedicada ao pequeno comércio ou, se preferirmos, à reinvenção do comércio de rua, ideias que estão a dinamizar negócios, soluções de proximidade. Trata-se de um verdadeiro manual que, em muitas coisas podia ser bem aplicado por aqui. Não vou citar muito o que está no interior da revista (como a livraria XYZ de Lisboa especializada em fotografia), e prefiro respigar estas passagens do editorial de Tyler Brulé, dedicando-as em especial ao reeleito Presidente da Cãmara Municipal de Lisboa: “Enquanto o comércio independente continua a estar ameaçado pelas grandes cadeias de supermercados e centros comerciais ou pelo comércio eléctrónico, bairros inteiros são também ameaçados por um conceito de planeamento urbanístico pobre que coloca demasiado enfase em tirar os carros das ruas, ignorando a importância do movimento no comércio. Claro que o paraíso urbano é um local onde todos possamos viver a cinco minutos a pé de boas lojas e serviços e onde exista um esquema de partilha de carros e um serviço de transportes públicos com uma paragem à porta de casa. É evidente que nada disto acontecerá na maior parte das grandes cidades e há uma boa razão para isso: eliminem o transporte automóvel privado das áreas de comércio tradicional e habitacionais e um número de coisas pouco atraentes começam a acontecer: em primeiro lugar diminui a frequência de quem passa e pára para comprar; depois as lojas começam a fechar porque há uma diminuição de fregueses; a seguir os preços das casas começam a cair porque as zonas deixam de ser interessantes; finalmente a paisagem das ruas passa a ser desoladora e perigosa de frequantar quer de dia ou de noite. Tudo isto culmina no surgimento num qualquer suburbio de um grande centro comercial que atrai as mães que querem segurança, conveniêcia e conforto. Já agora muitos planeadores urbanos estão a descobrir que eliminar os automóveis torna muito difícil a mobilidade das pessoas, criar crianças no centro da cidade e também garantir o abastecimento de produtos básicos de consumo.”


PROVAR - O chef José Avillez tomou conta do Chiado e em cerca de dois anos ali abriu quatro restaurantes. O mais recente fica num foyer do Teatro de S. Carlos e posiciona-se entre “O Cantinho do Avillez” e o “Belcanto”. Chama-se Café Lisboa e serve aperitivos, cocktails, petiscos,  almoços, jantares, ou, adequadamente, ceias depois da ópera. Além de cocktails há a intensa cerveja artesanal Sovina, e o vinho da casa resulta de uma parceria entre o chef e José Bento dos Santos. Cumpre com garbo no branco e no tinto, embora na lista existam outras sugestões. Um dos ex-libris da casa é o pastel Lisboa, um rebatizado pastel de massa tenra, com a dita finíssima e estaladiça e o recheio solto e bem temperado. Pode ser servido à unidade ou em prato com um arroz de grelos inatacável e em qualquer dos formatos são sempre servidos acabados de fritar, bem quentinhos - o mesmo se pode dizer dos croquetes de vitela, magníficos. Na lista estão ainda diversos bifes tradicionais e um bacalhau à braz com azeitonas explosivas - uma brincadeira saborosa que se tem tornado numa das imagens de marca de Avillez. Bom sítio, sala pequena mas confortável (com uma peça de Joana Vasconcelos), esplanada ampla. Largo de São Carlos 23, telef 211914498.


DIXIT - “Se os partidos não perceberam o que se passou aqui, não perceberam nada”- Rui Moreira, candidato vencedor à Câmara Municipal do Porto.


GOSTO - A vitória do tenista João Sousa na Malásia  conseguiu que pela primeira vez os três diários desportivos colocassem a modalidade em manchete.


NÃO GOSTO - Os cartazes das autárquicas ainda estão maioritariamente por retirar, quase uma semana depois do fim da campanha eleitoral - e como são bastante horriveis e transbordantes de mau photoshop são fortes poluidores visuais.


BACK TO BASICS - É certo que o conhecimento pode criar problemas, mas também é certo que não é através da ignorância que seremos capazes de os resolver - Isaac Asimov

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:01



Mais sobre mim

foto do autor



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2005
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2004
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2003
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D