Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



SOBRE O CAOS PRÉ ELEITORAL E A CNE

por falcao, em 20.09.13

CNE - A pior coisa que existe na política é a hipocrisia. Como se nāo fosse revoltante a hipocrisia de numerosos candidatos, agora temos a suprema hipocrisia da entidade que é suposta fiscalizar as eleiçōes, a CNE. Vou explicar a razāo desta minha convicçāo: a lei eleitoral proíbe o recurso a publicidade comercial durante um período de tempo que excede a campanha propriamente dita. Acontece que na época em que a lei foi feita a realidade da comunicaçāo em geral, e da actuaçāo política partidária em particular, era bem diferente do que é hoje - nomeadamente o esforço e disponibilidade dos militantes. O que acontece actualmente, e que é usado pela maioria dos partidos parlamentares, é o recurso a organizaçōes comerciais especializadas na afixaçāo de propaganda e na sua distribuiçāo por várias formas, nomeadamente a colocaçāo de suportes para cartazes de grande e média dimensāo e sua utilizaçāo. Estes serviços sāo pagos, como se se tratasse de um operador de publicidade exterior - na realidade o que aparentemente parece tratar-se de actividade militante é, na maioria dos casos, uma operaçāo comercial que cobra a instalaçāo, o aluguer, a manutençāo e afixaçāo nos referidos suportes dos cartazes partidários. É uma operaçāo de facto de publicidade exterior paga, com a agravante de os referidos operadores nāo precisarem de licenças nem alvarás e de nāo pagarem taxas - uma espécie de concessionários de publicidade exterior clandestinos. Pois a mesma CNE que fecha os olhos a esta realidade que dura há anos, é a que tomou as posiçōes que se conhecem sobre a utilizaçāo do Facebook e de mensagens de email ou sms pelas campanhas. É a mesma CNE que, sobre a cobertura noticiosa destas eleiçōes, se pronunciou no sentido de, no período eleitoral, nāo se aplicarem critérios editoriais pelas direcçōes de informaçāo, limitando assim o exercício da actividade jornalística. E foi ainda a que anunciou ir perseguir quem, no período final antes de eleiçōes, o chamado tempo de reflexāo, opinar nas redes sociais sobre a política e o acto eleitoral. Palpita-me que vāo ter muito que fazer - a menos que, como acontece em alguns países, o Presidente da CNE, Fernando Costa Soares, passe a defender a proibiçāo do Facebook ou do Twitter no território nacional. A actuaçāo deste senhor começa a ser matéria de estudo sobre os efeitos da ausência de percepçāo da realidade no exercício de cargos públicos e políticos.


SEMANADA - Os juros da dívida a dez anos andam de novo acima dos 7%; o fisco ganhou 404 milhões de euros em processos nos tribunais, 60% dos quais em processos nos quais estão em causa cobranças acima de um milhão de euros; devido à quebra de procura nos mercados internacionais a Auto-Europa deverá produzir este ano menos 20% de veículos que os fabricados no ano passado; a venda de automóveis em Portugal cresceu 16% em Agosto, a segunda maior subida em toda a União Europeia;  a Ministra das Finanças continuou a meter os pés pelas mãos no caso dos swaps; Luis Filipe Menezes já excedeu em 70%, só na pré campanha, o orçamento para propaganda de rua; as autarquias ainda devem mais de 200 milhões de despesas relacionadas com o Euro 2004; 120 autarcas já se reformaram mas continuam em funções; certamente pensando no Marquês do Pombal e na Avenida da Liberdade António Costa sublinhou que o seu programa eleitoral "nāo é o da grande obra, tem sido o de fazer as pequenas obras que mudam a vida das pessoas"; Reboredo Seara, referindo-se a comentários sobre notícias que nos últimos meses colocaram dúvidas sobre a possibilidade legal da sua candidatura, avisou que por sua iniciativa "alguma gente há-de ir aos tribunais".


ARCO DA VELHA - O Presidente da Câmara de Esposende ofereceu a idosos da autarquia 2000 terços numa festa que incluíu uma viagem a Fátima, tudo com um custo de cerca de 20 mil euros.


VER - Esta semana destaco a abertura de uma galeria que coexiste com uma editora, a Abysmo, dinamizada por João Paulo Cotrim e que tem no desenho e na banda desenhada uma das suas razões de ser. Pois a Abysmo mudou há uns meses para o nº 40 da  Rua da Horta Seca, ao Largo de Camões, e esta semana inaugurou o seu espaço de exposição - dedicado aos desenhos que Álvaro Siza fez para a edição de “A Casinha dos Prazeres”, de Jean-François de Bastide. Outros pontos altos da semana são a abertura da exposição de Miguel Navas na Bloco 103 (Rua Rodrigo da Fonseca 103) e a mostra evocativa dos 40 anos do AR.CO, que está desde esta semana no Museu do Chiado e que inclui, entre outros,  trabalhos de Ana Jotta, Miguel Branco, Pedro Sousa Vieira e Rui Sanches. Finalmente, vale a pena conhecer a exposição que André Gomes criou para a Casa Museu Anastácio Gonçalves e que pode ser vista até Novembro -  uma narrativa de imagens intitulada “A Sesta de Um Fauno”, que, ao contrário do que era a sua prática anterior, nāo sāo originalmente feitas a partir de polaroids, mas sim de fotografias digitais posteriormente manipuladas.

 

OUVIR- "Sunrise" tem a particularidade de ser o disco de estreia do pianista Masabumi Kikuchi na editora ECM e, também, o de ter sido o último registo gravado em estúdio (em 2009) pelo baterista Paul Motian, que com o baixista Thomas Morgan completava o trio que gravou este CD. Editado no final de 2012, um ano depois da morte de Motian, “Sunrise” é uma montra de talentos, das capacidades destes três músicos, mas sobretudo da inesperada forma que Masabuki Kikuchi tem de lançar temas e guiar improvisações. Neste disco é disso que se trata: três músicos que bem se entendem, e todos de gerações diferentes, sendo Thomas Morgan o mais novo, improvisam sobre dez temas que se vão desenrolando ao longo de quase uma hora. Uma das notas que li sobre esta gravação sintetiza assim o que se passa: “ este trabalho favorece a substância ao estilo, o significado aos malabarismos e o espaço à densidade”. Mas sobretudo o que cativa é o espaço e o tempo dado à improvisaçāo, num gesto raro, hoje em dia, de exercício colectivo. (CD ECM, na Amazon.)


FOLHEAR - “Playtime” é o título de capa da edição 212, de Outono, do Aperture Magazine, uma das mais estimulantes revistas dedicadas à fotografia e que pode ser adquirida através da Amazon. Nesta edição há um artigo excelente sobre as ligações dos planos cinematográficos do filme “Playtime” de Jacques Tati com a fotografia e um outro, muito curioso, que analisa a relutância de muitos fotógrafos ao humor. Mas o mais estimulante dos artigos é o que fala da relação de Italo Calvino com a fotografia, por exemplo através da evocação que fez da obra “Camera Lucida” de Roland Barthes, mas sobretudo por um pequeno conto que Calvino publicou em meados dos anos 50, intitulado “A Aventura de Um Fotógrafo”, que mais tarde veio a ser incluído na colectânea “Difficult Loves”. O autor deste artigo da Aperture, Aveek Sen, um ensaísta premiado pelo International Center Of Photography, defende que este conto de Calvino é mais importante para a compreensão do meio fotografia que os textos posteriores de Barthes e de Susan Sontag, sobretudo pela ideia expressa de que tudo o que não é fotografado inevitavelmente se perde.  O fotógrafo que protagoniza a aventura de Calvino vive entre a obsessão de não conseguir fixar todas as imagens da realidade à sua volta e o desejo da encenação de imagens que são a sua própria fuga a essa realidade - aquilo que sāo as duas correntes opostas que têm marcado a fotografia das últimas décadas. Nesta ediçäo da Aperture destaque ainda para seis portfolios de outros tantos fotógrafos de várias nacionalidades, que mostram de forma elucidativa os diversos caminhos que a fotografia contemporânea percorre.


PROVAR - Quando a fome aperta a meio da noite uma das possibilidades recomendáveis em Lisboa é o Café do Paço. O grosso da equipa veio há uns anos do D. Pedro V, que ficava na rua do mesmo nome. Este fica no Paço da Rainha, ao Campo dos Mártires da Pátria, e tem estacionamento facilitado. Só abre ao fim da tarde, para bar, jantar e ceias. Tem um ambiente confortável e acolhedor, boa iluminação e uma acústica excelente, ideal para uma conversa sossegada ao fim de um dia agitado. Recomendam-se os bifes, um impecável prego no pão e os já históricos pastéis de bacalhau com arroz de tomate e o pato assado à Alice. Os preços são sensatos, a garrafeira é curta mas equilibrada, o serviço é muito bom. Da clientela fazem parte políticos e jornalistas. Paço da Rainha 62-A, tel. 218 880 185.


DIXIT - “Enquanto não houver solução para o crescimento da dívida, Portugal está pior” - Daniel Bessa


GOSTO - O mestrado em gestão da Universidade Nova foi considerado o 7º melhor do mundo


NÃO GOSTO - 43% do total dos processos crime por corrupção envolvem Câmaras Municipais


BACK TO BASICS - Uma coisa é passar a vida a falar, outra coisa é falar quando é mesmo preciso - Sófocles


Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:05



Mais sobre mim

foto do autor



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2005
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2004
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2003
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D