Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



SOBRE A DENÙNCIA COMO MÉTODO

por falcao, em 10.12.13

A Ministra da Justiça, Paula Teixeira da Cruz, afirmou segunda-feira: "Penso que é um dever de cidadania denunciar fraudes, denunciar corrupção e outros crimes", enfatizando que o que está em causa "não é só um problema das instituições", mas também um "problema de cidadania".

Não posso estar mais de acordo com a Ministra. Acho mesmo que deve ser aberta uma linha para os cidadãos se queixarem de todos os eleitos, deputados, autarcas, membros de Governo e gestores de empresas públicas quer desbarataram dinheiros públicos, fizeram obras inúteis, favoreceram amigos em concursos, privilegiaram contratos por interesse próprio, deram benesses a familiares, amigos ou correligionários de partidos ou de sociedades mais ou menos obscuras.

 

Um Estado que é incapaz de se escrutinar a si próprio, uma classe política que em muita medida é parasita e corrupta, um sistema de financiamento de partidos que favorece negociatas, um regime que opta sempre por cobrar mais e oferecer menos, não tem moral para falar. Mais: não merece respeito nem apoio.

 

Um sistema que apela à denúncia de cidadãos contra cidadãos sendo incapaz de olhar para si próprio não merece o respeito dos eleitores. A Ministra da Justiça não conhece casos de abusos entre políticos de diversos partidos? Entre ex governantes de várias tendências? Entre deputados de várias bancadas? Não acredito que não saiba de nada, que nunca tenha ouvido falar de nada.

 

Quando a classe política se conseguir dar ao respeito e mostrar, exemplarmente, que pune quem abusa, então poderá começar a pedir alguma coisa à sociedade. Até lá, é devedora. Muito devedora de todos os que pagamos impostos, de todos os que cada vez se sentem menos inclinados a votar em eleições cujo resultado é sempre o contrário das promessas feitas.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:57



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2005
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2004
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2003
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D