Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



A VÃ ILUSÃO DE MANDAR

por falcao, em 02.09.16

ILUSÃO - Parece que para o ano vão ser repostos os cortes nas pensões. Parece que vai haver maior investimento público na educação e na saúde. Parece que o Estado vai aumentar a despesa, embora seja aparentemente por boas razões. Mas se aumentar a despesa e não aumentar a receita, o défice sobre. É uma conta simples. Ora aumentar a receita só pode querer dizer mais taxas, mais impostos. Sabe-se já que o Governo pretende implementar medidas que acabam com o sigilo bancário, com o justificativo da vigilância fiscal. Todos os dias surge notícia de mais uma ideia para sacar dinheiro aos contribuintes. Ao mesmo tempo constata-se que o fisco está cada vez mais relutante em devolver dinheiro cobrado a mais. Quarta feira terminou o prazo para o reembolso do IRS aos contribuintes, caso não existissem divergências, que têm efeito suspensivo. Seria interessante saber quantas dessas divergências existem e quantas existiam na mesma ocasião do ano passado. Sei de quem nas últimas semanas recebeu sucessivas notificações a anunciar divergências, que foram explicadas pelos próprios e aceites pera Autoridade Tributária que enviava uma simpática mensagem referindo que a declaracção rectificada “foi considerada certa após validação central”. Era alegria de pouca dura porque logo a seguir surgia nova notificação, de nova divergência, que até os funcionários do fisco, quando interpelados, não conseguiam explicar com clareza a que se referia. Ou seja, tudo indica que a Autoridade Tributária enveredou pelo caminho de comunicar divergências sucessivas que foram prolongando o prazo e retendo devoluções. Quantos contribuintes estarão neste momento nesta situação? Aqui está uma forma de o Estado ter dinheiro nos cofres, dinheiro que não é seu e que serve para ir tapando as novas despesas. É sabido que mais algum imposto há-de estar ao virar da esquina para colmatar as novas despesas. E, se não estiver, o défice aumenta. E, se o défice aumenta, Costa bem pode citar vacas voadoras que a situação ficará complicada. Demasiado complicada para nós todos, excepto para os que persistem na ilusão.

IMG_5084.JPG

SEMANADA - O Governo anunciou querer triplicar a produção de pescado em aquacultura; o Governo vai reforçar uma proposta para alargar a plataforma continental para lá das 200 milhas náuticas; o Governo instou os senhorios a diminuírem os seus rendimentos, fazendo rendas sociais; até Setembro todos os ex-ocupantes de cargos políticos vão ver repostas, com retroactivos, as subvenções vitalícias; a Polícia Marítima apreendeu e destruiu 210 bolas de Berlim a um vendedor na Costa da Caparica, numa acção, segundo o comunicado oficial, que envolveu uma viatura todo o terreno da respectiva força policial assim como dois agentes; Catarina Martins anunciou que o Bloco de Esquerda recusa “passos atrás” nem cedências a chantagens no Orçamento de 2017; um estudo divulgado esta semana indica que em 2050 Portugal deverá ter menos 1,2 milhões de habitantes; além dos partidos e das confissões religiosas há mais cerca de duas dezenas de entidades que não pagam IMI; o Bloco de Esquerda quer alterar a regra do IMI sobre os partidos políticos e o PCP é contra; o Estado injectou 417 milhões de euros na CP desde o início do ano; segundo o oráculo Marques Mendes uma eventual candidata do PSD à Câmara de Lisboa pode ser Maria Luis Albuquerque; há mais de 28 mil professores sem colocação nas escolas; os pagamentos em atraso aumentaram na área da saúde: com 324 polícias que estão em licença sem vencimento, o Estado vai contratar 300 novos agentes; todos os dias são presos 56 condutores com álcool em excesso.

 

ARCO DA VELHA - Uma deputada norueguesa foi apanhada a caçar Pokémons no Parlamento do seu país enquanto decorria um debate sobre defesa nacional.

livro.png

FOLHEAR - Numa conversa de final de tarde com um grupo de amigos falava-se da atração que é exercida por séries policiais e histórias sobre crimes e justiça. Para o caso falava-se de “The Night Of…”, uma soberba série que terminou esta semana. Havia quem dissesse que o retrato dos efeitos do sistema judicial e prisional nos inocentes davam que pensar. De uma forma geral os presentes diziam que os livros e séries policiais eram bons exercícios de dedução, de estímulo ao raciocínio e até de enquadramento da evolução das sociedades. Estou plenamente de acordo e por isso mesmo é que me fascino com literatura policial. Este verão tive o prazer de ler “Fechada Para o Inverno”, de Jorn Lier Horst, um escritor norueguês. O livro relata uma investigação do detective William Wisting, que é personagem recorrente nos romances do autor. Trata-se de uma investigação que decorre em paralelo sobre um caso de tráfico de droga, de roubos a casas de férias (normalmente fechadas no inverno) e de assassínios. A história - ou melhor, as histórias que se cruzam - estão soberbamente construídas. E estão ligadas a uma descrição do aumento da criminalidade na Noruega após o alargamento da Europa a leste, com a livre circulação de cidadãos das ex repúblicas soviéticas que recorrentemente surgem implicados em redes criminosas. Mais que um policial, o livro é um relato das inseguranças dos tempos que correm e uma reflexão sobre a forma como a Europa aumentou sem ter crescido. A edição portuguesa é da D. Quixote e tem boa tradução de João Reis.

image (55).png

VER - Gosto muito de ver edições de livros de fotografia. Na maior parte dos casos é como visitar uma exposição, tendo tempo para contemplar cada imagem. Este ano fui brindado com uma oferta que adorei - o álbum “Abandoned - America’s Vanishing Landscape”, de Eric Holubow, um fotógrafo de Chicago que tem documentado o abandono e decadência de edifícios que foram, por uma razão ou por outra, arquitetonica ou industrialmente marcantes. De início ele concentrou-se primordialmente naquilo que é conhecido como a Rust Belt, a antiga e em tempos vibrante zona industrial, predominantemente ligada à metalurgia, em volta dos Grandes Lagos. Aquilo que Holubow fotografa são edifícios semi-destruídos, fábricas abandonadas cheias de maquinaria, escolas à espera de demolição com o chão atapetado de livros, igrejas vazias e em ruínas, teatros esventrados, instalações desportivas arruinadas. O livro documenta os efeitos das crises, a degradação de partes importantes da História da América. as consequências de políticas urbanísticas mal pensadas. Trata-se de uma viagem a um mundo caótico, onde a destruição se sobrepõe ao progresso e onde a erosão da memória se torna quotidiano. Folhear este livro é descobrir o outro lado de um país. Por cá havia muito para fazer nesta matéria - e vale a pena dizer que João Paulo Feliciano tem andado a fazê-lo na zona oriental de Lisboa e tem exposto no Facebook. “Abandoned - America’s Vaninshing Landscape” é um grande livro, editado pela Schiffer, disponível na Amazon. Se quiserem ver umas imagens vão a esta notícia que o Wahington Post publicou quando saíu, em Novembro do ano passado: https://www.washingtonpost.com/news/wonk/wp/2015/11/09/haunting-photos-show-forgotten-and-forbidden-buildings-in-america/  .

 

image (54).png

OUVIR - William Bell é uma das vozes mais clássicas da soul music e do histórico catálogo da editora discográfica Stax. Tornou-se conhecido em 1961 com o tema “You Don’t Miss Your Water” e foi, com Booker T Jones, co-autor de “Born Under a Bad Sign”, um êxito primeiro pela voz de Albert King e que os Cream (de Eric Clapton) e Jimi Hendrix, entre outros, também gravaram. A sua música tem claras raízes nos blues, mas os arranjos e a forma de cantar tornaram-se uma referência na soul music dos anos 60. Bell, agora com 77 anos, tem-se mantido activo e acabou de lançar novo disco, “This Is Where I Live”. O produtor (e co-autor de nove das doze canções) é John Leventhal, que soube reconhecer e trabalhar o potencial e o estilo que a voz de Bell ainda mantém. Os arranjos, onde a guitarra eléctrica tem lugar de destaque, são também pontuados por presenças de metais e teclados, mas de forma contida e elegante. Gosto especialmente de “Poison In The Well”, da faixa título “This Is Were I Live”, assumidamente autobiográfica e que revela que Sam Cooke foi uma das suas principais influências e, finalmente, da versão despojada, mais lenta, de “Born Under A Bad Sign”, que deixa ouvir tão bem a ideia central da canção: “If it wasn’t for real bad luck, I would have no luck at all”. As coisas simples são sempre as melhores. “This Is Where I Live”, Stax, disponível no Spotify

 

PROVAR -  Volta e meia surgem boas surpresas. No Porto, na Rua do Passeio Alegre, com a Foz bem perto, frente ao mar, está a Casa de Pasto da Palmeira. Tem uma pequena esplanada e uma sala interior mais ampla. Mas a vista da esplanada é uma tentação. Estava avisado que o local era bom para petiscar, que não esperasse por um restaurante com pratos à séria. O aviso foi bem entendido e fiquei contente por ter seguido a sugestão. O serviço é muito simpático, as empregadas têm t-shirts da casa com slogans sugestivos e a carta está cheia de boas sugestões. Por exemplo, nunca tinha provado pipocas com paprika, acompanhadas de maionese com  lima e gostei;  também nunca tinha provado éclairs de sapateira e gostei; uma falsa bruschetta feita à base de beringela e figos soube particularmente bem ao outro lado da mesa e um pedaço de atum fresco fatiado e braseado (no ponto) com especiarias, com um acompanhamento de couscous, também foi bem recebido; uma meloa com gelado de citronela rematou o repasto. Ficou-me na memória a possibilidade de uma melancia grelhada e registei os queques de alheira que me sorriam da mesa ao lado, A lista de vinhos é adequada, o serviço a copo é correcto, a relação preço-qualidade é honesta. Para a próxima vez que fôr ao Porto voltarei a ver se as coisas estão na mesma. Casa de Pasto da Palmeira, Rua do Passeio Alegre 450, telefone 226 168 244. Está no Facebook.

 

DIXIT - “A serenidade com que tudo foi feito mostra que no dia da reunião com o PS já havia a decisão tomada pela direcção do PCP” - Ruben Carvalho, do Comité Central do PCP, sobre o processo que levou ao acordo de Governo.

 

GOSTO - O livro “Regresso Ao Futuro- a Nova Emigração e a Sociedade Portuguesa”, de um grupo de investigadores universitários, mostra a falsidade de algumas ideias feitas como por exemplo que a nova vaga migratória é composta apenas por pessoas qualificadas ou que desde o início da crise Portugal perdeu meio milhão de pessoas.

 

NÃO GOSTO - Da forma como a CP tem desleixado a linha do Douro, não aproveitando o potencial da região, deixando degradar e depois vendendo como sucata o equipamento que tinha especialmente vocacionado para uma utilização turística.

 

BACK TO BASICS - “Diz-se que o poder corrompe, mas de facto é mais certeiro dizer-se que o poder atrai os que são corruptíveis; aqueles que o não são, geralmente sentem-se atraídos por outras coisas que não o poder” - David Brin.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:00



Mais sobre mim

foto do autor



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2005
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2004
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2003
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D