Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



O TRIUNFO DOS PORCOS

por falcao, em 20.06.14

Foto: O TRIUNFO DOS PORCOS em Lisboa.Imaginem isto aplicado ao país !

 

(foto Luiz Carvalho)

 

POCILGA -  António Costa iniciou a sua campanha eleitoral em Lisboa entregando a cidade aos porcos. Imagina-se o que fará se tiver o país nas mãos. Num dos únicos pronunciamentos programáticos que fez, António Costa manifestou-se a favor de uma “terceira via”, de  aposta no crescimento das receitas, como alternativa à política de cortes na despesa ou aumento dos impostos. Não explicou, no entanto, se esse crescimento de receitas se deveria aos favorecimentos, como o que concedeu ao entregar à Sonae a Avenida da Liberdade e parte do Terreiro do Paço, para pocilga, durante uma semana. Num outro momento particularmente ilustrativo da sua modernidade, Costa foi apoiado entusiasticamente por Mário Soares e por Ferro Rodrigues, que lhe irão dar testemunho de inquebrantável fé na tradição, na retórica e na falta de ideias como forma de resolver os problemas nacionais - trata-se de uma clara e disruptiva aposta na dignificação de uma nova geração de políticos que possa regenerar o país. Enquanto tudo isto se passa, o Tribunal de Contas anuncia, com a pompa e circustância que gosta de imprimir às suas rábulas, que lava as mãos, como Pilatos, das consequências dos seus actos. Por junto não quer saber dos efeitos das acções que toma, nem quer fazer ideia de como se resolvem as situações que cria. Digamos que tem uma grande convergência, neste aspecto, com António Costa: quem atrás de mim vier, que feche a porta, como outros antes fizeram. Sócrates, esse, sorri e vai deixando umas frinchas abertas por onde passa.

 

SEMANADA - Alberto Martins, dirigente socialista, diz que “o PS deve excluir o bloco central e coligar-se à esquerda se não tiver maioria” nas próximas legislativas; António Arnaut, ex-dirigente socialista teme “que o PS entre num estado de letargia”; o Teatro Capitólio, que o vereador Manuel Salgado, eleito pelo PS, garantiu desejar ter pronto em finais de 2009, continua com as obras paradas e muito atrasado; o PS considera que o resultado positivo apresentado nas contas de Rui Rio na Cãmara Municipal do Porto revela má gestão; Marcelo Rebelo de Sousa defendeu que as legislativas deviam ser realizadas antes do verão de 2015; Jerónimo de Sousa foi ao Palácio de Belém pedir a demissão do Governo; Marcelo Rebelo de Sousa criticou Passos Coelho por este ter faltado ao jogo inaugural da selecção portuguesa; Merkel esteve no estádio a torcer pela Alemanha; o preço das casas em Portugal caíu 3,3% no último ano; os produtores de Sever do Vouga estão a vender os mirtilos a quatro euros o quilo, mas nas grandes superfícies são vendidos a 24 euros o quilo; o salário médio sofreu um corte de 400 euros por ano devido às alterações das leis laborais em 2012; todos os dias 341 portugueses, em média, abandonam o país; o Provedor de Justiça queixa-se de falta de meios para garantir a defesa dos direitos dos presos; dois reclusos suicidaram-se em seis dias na cadeia de Paços de Ferreira;  no ano passado registaram-se 13 suicídios nas prisões portuguesas; a PSP pediu ajuda às juntas de freguesia de Lisboa para comprar carrinhas que sirvam de esquadras móveis, depois de ter decidido fechar uma série de esquadras na cidade.

 

ARCO DA VELHA - Vários reclusos queixaram-se às Finanças do comportamento da cantina do Estabelecimento Prisional de Lisboa, que se recusa a dar-lhes factura da despesa lá efectuada. Os detidos queixosos consideram que assim ficam descriminados e prejudicados em relação ao sorteio dos Audi atribuídos pelo Fisco aos contribuintes que pedem factura identificada.

 

FOLHEAR - Existe uma lenda à volta da revista “Holiday”, nascida nos anos 40 do pós guerra. Contratava os melhores escritores  e fotógrafos e enviava-os para destinos fantásticos com contas de despesa ilimitadas. O resultado foi brilhante durante várias décadas, até meados dos anos 60, graças ao génio de um editor visionário, Ted Patrick, e de um director de arte atrevido, Frank Zachary. Pelas mãos destes dois homens passaram talentosas peças de nomes como Hemingway, Steinbeck, Kerouac ou Cartier-Bresson, Robert Capa e Edward Steichen. A Holiday era a revista do sonho, da viagem, da descoberta. Morreu quando a televisão entrou no seu domínio. A boa notícia é que agora ressurgiu, com duas edições por ano, feitas em Paris - deve ser a melhor coisa a sair da capital francesa nos últimos tempos. Neste número, que tem por tema ícones de 1969, destacam-se as canções de Gainsbourg, o Aston Martin DBS e uma interessante playlist da época assinada por Etienne Daho. E claro, há um belo portfolio sobre a história antiga da própria revista, que só por si merece a compra desta edição.

 

VER - Hoje, vai um roteiro. Começo pelo Arquivo Municipal de Fotografia, na Rua da Palma (a instituição já não se chama assim, mas o nome era apropriadamente este antes de uma reforma que lhe tirou a identidade) - ali está o núcleo central da obra de Artur Pastor (na imagem), que documentou Portugal nos anos 40 e 50. Regente Agrícola por formação, descobriu a fotografia como auxiliar do seu trabalho em 1942. Está a decorrer, até 31 de Agosto, uma exposição com a sua obra, constituída por três núcleos, apresentados em três espaços distintos da cidade: Arquivo Fotográfico da Rua da Palma, o Pavilhão preto do Museu da Cidade no Campo Grande e o espaço da loja Colorfoto na Praça de Alvalade.

Mudando de rumo sugiro que descubram uma colectiva intitulada "O Caminho Estreito Para o Sul Profundo", com trabalhos de Ana Morgadinho, Angela Dias, Pedro Calhau, Ricardo Pires, e Vasco Futscher. Finalmente, em Belém, nao Projecto Travessa da Ermida, apresenta-se um filme , “Vintage Drawings & Current Graphic Works”, de André Romão, Pedro barateiro e André Valentim. A terminar, sugiro   os novos trabalhos de Manuel João Vieira na Casa da Cerca em Almada.

 

OUVIR - Contido nas palavras, ora exuberante ora discreto nos arranjos, o brasileiro Gui  Amabis é sempre intenso. “Trabalhos Carnívoros”, o seu novo disco, lançado agora em Portugal, em simultâneo com um concerto que fará dia 8 de Julho, na Casa Independente, em Lisboa, é exemplo disso mesmo. Compositor e músico, Gui Amabis é também produtor - foi ele que trabalhou no novo disco de Rita Red Shoes, “Life Is A Second Of Love”. Regressando a “Trabalhos Carnívoros”, destaco a forma como Amabis consegue conjugar um lado electrónico, quase experimental, como no tema título “Trabalhos Carnívoros”, com a suave forma de encantar em “Um Bom Filme” e, sobretudo, em “Menino Horrível”.As palavras das suas canções - as letras como se diz - valem a pena. São declarações sintéticas, descrições de estados de espírito, como “Crespúsculo”, ou de diagnóstico irónico, como “Consulta Mental”. Gui Amabis é uma boa surpresa e este seu “Trabalhos Carnívoros” é um bom momento.

 

PROVAR - Antigamente chamava-se Masstige, hoje em dia o conceito mudou, chama-se Lateral, o espaço está semelhante mas é um pouco mais descontraído. Há imagens nas paredes que parecem saídas de um cinema antigo, a clientela tem um mix de  idades e origens bem engraçado, pelo menos ao almoço. A comida é um oásis de simplicidade, bom senso e boas matérias primas no meio de sub-chefes cada vez mais espumosos. Aqui há  petiscos como croquetes de alheira e mel, ou polvo à Galega; há saladas de frango panado com mel, ervas e parmesão; há hamburgueres variados (de 170 a 350 gramas), linguinis e crepes, bruschettas e batatas fritas sublimes, aos palitos, fininhas, estaladiças e temperadas com ervas. Como gosto de hamburgueres de boa carne, mal passados, sou suspeito - porque estes são muito bons. Gosto do hamburguer de cogumelos, simples. A cerveja, apesar de ser espanhola, a Estrella Damm, sai sempre bem tirada. Aqui está um sítio que não me desilude e que me refresca o espírito. 15 valores em 20. Avenida  Barbosa du Bocage  107 A, reservas por sms pelo 914 327 572

 

DIXIT - “Temos de saber gerir os momentos de jogo em função do clima e de outros fatores” - Paulo Bento, antes do jogo com a Alemanha

 

GOSTO - Da homenagem a António da Cunha Telles na Cinemateca Portuguesa

 

NÃO GOSTO - Da falta de resposta da EMEL às reclamações que os seus utilizadores lhe enviam por email.

 

BACK TO BASICS - É preciso acabar com o mito do poeta inspirado - Álvaro de Campos

 

(Publicado no Jornal de Negócios de 20 de Junho)

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:55



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2005
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2004
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2003
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D