Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


...

por falcao, em 24.02.17

12E0FFBA-CBCA-4621-A5D5-160EECC5BDC9.JPG

PAPEL - A imprensa continua a descer de circulação. As vendas em banca vão caindo na maioria dos títulos. Mas continuam a ser os jornais e as revistas de informação, nas suas edições impressas, que fazem a agenda das televisões e das rádios com as entrevistas e a opinião que publicam e as reportagens e investigações que realizam. Não é só uma questão do poder das respectivas marcas como referências da informação. O que acontece é que os conteúdos de jornais e de revistas acabam por ser divulgados e consumidos, muitas vezes através de outros mídia, num sentido contrário às vendas em banca. Acredito que a causa da decadência das vendas está num conceito editorial baseado na concorrência com a actualidade global em vez da procura do interesse local. Os jornais e as revistas hoje não podem viver de notícias globais num mundo permanentemente conectado. Dizer que aconteceu alguma coisa só interessa se fôr algo que não está no twitter nem no facebook.  Não é por acaso que os dois jornais diários portugueses com maior circulação - Correio da Manhã e Jornal de Notícias - têm uma forte componente de noticiário local que lhes dá conteúdos exclusivos. Isto não é nada de novo: todos os estudos sobre imprensa diária apontam para a necessidade da ligação local e, nos Estados Unidos, os jornais que se salvaram estão a fazer esse caminho. Sem ligação às comunidades onde estão inseridos os jornais perdem razão de ser. Alguns iluminados pensam que é paroquianismo reportar sobre o que se passa nas cidades ou regiões onde estão e que é pecado dar-lhe mais destaque do que sobre factos globais. Creio ser um engano terrível. Qualquer grande notícia internacional é consumida e esgotada quase instantaneamente; o que se passa por cá em S. Bento e as tricas político-partidárias são exploradas à exaustão na net e na televisão. Mas o noticiário local, que cimenta as comunidades que constituem um país, é muitas vezes subalternizado. Se houvesse mais noticiário local e regional os jornais seriam ainda mais citados. E, talvez, com uma gestão inteligente do que está online e do que não está, o papel impresso se possa salvar. As pessoas continuam a ler, como o consumo de livros mostra. Não querem é ler o que já sabem.

 

SEMANADA - Um acordão do Supremo Tribunal Administrativo condenou o Fisco a pagar juros indemnizatórios e juros de mora em dobro por atraso na execução de uma sentença que obrigava a devolver impostos a um contribuinte; segundo advogados fiscalistas o Fisco, apesar de levar tudo até às últimas instâncias e usar todos os expedientes para adiar pagamentos, continua a perder entre 60 a 70% das causas julgadas; em contrapartida com esta dureza, entre 2011 e 2014, o Fisco deixou sair 10 mil milhões para offshores sem vigiar transferências; novas regras para offshores estão paradas há oito meses no Parlamento; o Estado tem 8577 prédios, 1322 andares e 1441 casas; apenas 35% dos titulares de conta bancária são utilizadores de internet banking e o seu número está estagnado desde 2014; o número de estrangeiros a quem foi concedido o estatuto de residente não habitual aumentou 44% em 2016, o que lhes permite pagar uma taxa reduzida de IRS; em Portugal a base de dados genética só abrange 15% dos condenados por crime violento; Portugal conta com mais de dois milhões de idosos; a subnutrição nos lares é o dobro do que é em casa; o número de condutores com mais de 75 anos a morrer em acidentes aumentou e 42% dos peões mortos em atropelamentos tinham mais que 70 anos; em 2016 a dívida pública subiu para o valor recorde de 130,6% do PIB, mas as famílias e empresas registaram os níveis de endividamento mais baixos da última década; António Saraiva, Presidente da CIP, defendeu a reestruturação da dívida.

 

ARCO DA VELHA - O alerta da prisão de Caxias a outras forças policiais sobre a fuga de três detidos no fim de semana passado, só foi formalizado cinco horas depois de ter sido detectada.

 

catalogo_almada.jpg

FOLHEAR - Sábado passado fui à Gulbenkian ver a exemplar exposição de Almada Negreiros e, por via das dúvidas, resolvi trazê-la para casa. Explico desde já que não roubei nenhuma obra, limitei-me a trazer o magnífico catálogo de “Uma Maneira de Ser Moderno”. São 420 páginas de informação, ensaios e, claro, boas reproduções das obras expostas. Gostei muito de “Uma Maneira de Ser Moderno”, de Mariana Pinto dos Santos (uma das curadoras da exposição), que enquadra de forma exemplar o trabalho de Almada na sua época. Destaque também poara “A coreografia das palavras”, de Fernando Cabral Martins e também “As viagens de Almada” de Sara Afonso Ferrreira. Ana Vascobcelos (a outra curadora) aborda o trabalho de encomenda que Almada foi fazendo ao longo do tempo e que proporcionou algumas das suas obras mais marcantes e conhecidas. E, finalmente, o imperdível “A forma de Almada:o século XX de Almada Negreiros”, de Luis Trindade, que sumariza uma época. A organização da reprodução das obras é exemplar, permitimndo compreender a evolução da criatividade, assim como a forma como Almada se entregou a diversos géneros e os interesses, fora das artes plásticas, que procurou acompanhar. Pelo meio há textos que contam pequenas histórias de algumas das obras, ou das circunstâncias em que foram feitas. É um catálogo imperdível e estou muito contente por ter assim trazido a exposição,  para agora a ir podendo ver com calma em casa. A cronologia que encerra o livro, de Luis Miguel Gaspar, é uma visita à História de uma época, entre 1893 e 1970.

 

IMG_0305.JPG

VER - Num daqueles passeios de sábado de manhã ía a descer a pé a Rua Rodrigo da Fonseca quando, no nº 35, dou por uma oficina de relojoaria que dá pelo nome de Pêndulo Real, aberta há cerca de um ano mas que eu nunca tinha olhado com atenção. Lá dentro estão magníficos relógios de caixa alta, de parede, de mesa e até um relógio de sol do século XVI. De um lado está o balcão e o atendimento, do outro uma sala onde se mostram exemplares fantásticos dos séculos XVII, XVIII e XIX, já restaurados, com máquinas, caixas e acabamentos de um pormenor impressionante. Luis Couto Soares, na fotografia com uma rara peça de mesa, um relógio feito para a Companhia de Jesus, é o proprietário do Pêndulo Real, um apaixonado pelos relógios e pela sua história, ele próprio um coleccionador. Tem prazer em falar do que tem na sua galeria do tempo, enquadra cada exemplar na sua época e sobre vários conta episódios que vão das guerras peninsulares ao percurso das peças ao longo dos séculos, desde que foram feitas, algumas por encomenda real. É fascinante visitar o espaço e mais ainda falar - ouvir - Luis Couto Soares. Outra sugestão, bem diferente: proponho que visitem a exposição “Cadernetas de Cromos”, na Biblioteca Nacional até 29 de Abril - ali estão cadernetas e cromos de futebol, cinema ou aventuras ao longo de um século. Como sou fascinado por cromos passei lá um bom bocado, a recordar memórias e a descobrir muita coisa que desconhecia.

 

unnamed (4).jpg

OUVIR -  Ainda estou perplexo com “Bowie 70”, o muito publicitado álbum produzido por David Fonseca, promovido numa colagem de mau gosto ao aniversário da morte do músico. Já ouvi o disco uma boa dezena de vezes e em rigor não entendo como alguém pode sequer pensar que isto é uma homenagem - quanto a mim é, na realidade, um insulto. Tenho alguma dificuldade em dizer o que é pior - se os tiques fadistóides de Ana Moura em “The Man Who Sold The World”, com requebros de arrepiar sem ser pelas boas razões, se “Starman”, por Aurea, outro momento penoso, assim como “Blue Jean” por Catarina Salinas, e sobretudo “Let’s Dance”, por Afonso Rodrigues, aqui transformado num hino ao imobilismo. Rui Reininho bem podia ter ficado calado em vez de fazer esta versão de “Where We Are Now” - e o mesmo se aplica a ”This Is Not America” por Marcia, “Heroes” (num fraco momento de  Rita Redshoes) ou “Life On Mars” por um António Zambujo cheio de tiques, na senda, infelizmente da sua mais recente produção. Salvam-se, à tangente, as duas primeiras faixas, ali colocadas não certamente por acaso, para engodo dos incautos: “Absolute Beginners” por Tiago Bettencourt e sobretudo “Modern Love”, por Manuela Azevedo - apesar dos arranjos desinspirados e de uma produção rasteira que Bowie de todo não merecia.

 

PROVAR - Volta e meia dou com mais um restaurante de comida portuguesa que resolve remodelar-se e mudar de posicionamento. Nos últimos tempos têm sido vários. Agora soube que um dos que gostava, e onde ía com alguma frequência, vai mudar para mais uma italianada. Eu percebo: está próximo de hotéis com muitos turistas, e certamente uma pizza ou um risotto poderão ser mais apetecíveis que feijão manteiga com ameijoas ou pica-pau. Mas assim vai ser apenas mais um italiano numa zona onde há mais meia dúzia de restaurantes dessa inspiração, que servem desde pizzas pré fabricadas a várias gamas de massas de  preços e qualidades diversas. Fico com muitas dúvidas se será uma boa ideia mudar a bandeira. Bem sei que a cozinha italiana foi a primeira a globalizar-se e quem viaja acha sempre que onde há pizza ou uma putanesca a coisa está segura. Mas mesmo assim fico com pena. Na zona onde falo, as avenidas novas, só abrem restaurantes de inspiração internacional - desde  nepaleses até quase uma dúzia de japoneses e outros tantos italianos, passando por um tailandês e obviamente vários chineses. Há dias, no entanto, abriu um, portuguesíssimo, que serve bucho. Ainda lá não fui mas está na calha para uma próxima oportunidade.   

 

DIXIT -  “Quando perdes tudo não tens pressa de ir a lado nenhum” - Dulce Garcia, título do seu romance editado por estes dias.

 

GOSTO - Assunção Cristas é a favor do fim da taxa de protecção civil criada na fúria de cobranças pela Câmara Municipal de Lisboa costista .

 

NÃO GOSTO - Os magistrados do Ministério Público demoram em média um ano para deduzir uma acusação, mais quatro meses que o prazo previsto na Lei.

 

BACK TO BASICS - “A simplicidade, na arte, não é um fim em si mesmo; mas geralmente chegamos à simplicidade quando nos aproximamos do verdadeiro sentido das coisas” - Constantin Brancusi.

 

 



Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:45


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2005
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2004
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2003
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D