Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


O TERRAMOTO LISBOETA VOLTA A ATACAR

por falcao, em 18.08.17

IMG_1494.JPG

TERRAMOTO - As próximas autárquicas vão decorrer na ressaca de um dos verões mais marcados por uma sucessão de catástrofes e acidentes. São meses de fuga às responsabilidades, de ocultação, de manobras políticas de todos os lados do espectro partidário, sempre com a desgraça pública em pano de fundo. Não tem sido um espectáculo bonito de se ver. Enquanto o país arde e os acidentes se sucedem, num cenário de incúria generalizado e que perdura ao longo dos anos, há locais onde abundam as obras de fachada a usar dinheiros públicos para propaganda eleitoral dos autarcas que estão no poder. Os orçamentos apresentados ao Tribunal Constitucional para a campanha eleitoral das próximas autárquicas atingem os 30 milhões de euros entre os principais partidos e as coligações que eles estabeleceram - o PS lidera destacado com quase metade desta verba, seguido pelo PSD, o CDS, o Bloco de Esquerda e a CDU. A verba indicada não conta, claro, com os gastos de acções agora surgidas em vésperas de eleições, pagas pelos contribuintes, como os parques para bicicletas de aluguer que Medina vai espalhando pela cidade, tirando lugares de estacionamento aos moradores. Mas o mais preocupante em Lisboa já nem é isso: Manuel Salgado, que se candidata ao seu terceiro e possivelmente derradeiro mandato, deixou a mais terrível das promessas eleitorais como vereador do urbanismo: a de que pretende fazer uma “correcção” do Plano Director Municipal. Olhando-se para o que tem feito, aqui está um alçapão que deixa estrada aberta a várias malfeitorias, a fazer em jeito de despedida pelo homem que quis ser o Marquês do Pombal dos tempos modernos e que não conseguiu ser mais do que um terramoto a infernizar a vida dos lisboetas.

 

SEMANADA - Foram registados 268 incêndios no sábado passado, o dia de 2017 com o mais elevado número de fogos, com 6.500 pessoas envolvidas no combate às chamas e mais de cem missões aéreas; até 31 de Julho registaram-se 8539 incêndios florestais em Portugal; este ano a polícia judiciária já deteve o dobro dos incendiários do que no mesmo período do ano passado; até ao passado dia 12 os incêndios florestais em Portugal já tinham destruído 165 mil hectares; Portugal é o país da Europa com maior área florestal ardida este ano; Capoulas Santos proclamou que a maior revolução da floresta desde D.Dinis foi feita por este Governo; a venda de imóveis aumentou 30% nos primeiros seis meses deste ano, com um total de 80 mil casas vendidas o que coloca 2017 como o melhor ano para o imobiliário desde 2010; o Hospital de Santa Maria deve 153 milhões de euros a fornecedores; em Maio os hospitais públicos de todo o país deviam um total de 739 milhões de euros a fornecedores;  no primeiro semestre do ano entraram 8365 novos funcionários na administração pública; mais de um terço das vítimas mortais de acidentes rodoviários em 2016 tinham bebido antes do sinistro e registavam excesso de álcool no sangue; segundo os dados de 2017 do estudo Bareme Imprensa Crossmedia três milhões de portugueses seguem páginas de jornais e/ou revistas através do Facebook; na semana passada mais de metade dos espectadores de televisão não viram nem a TVI, nem a SIC, nem a RTP1 e preferiram canais de cabo e outras formas de video.

 

ARCO DA VELHA - Na última semana surgiram notícias de que a GNR tem um número elevado de viaturas paradas por falta de manutenção, que à PSP faltam coletes à prova de bala e que ao Serviço de Estrangeiros e Fronteiras faltam efectivos.

 

unnamed (11).jpg

FOLHEAR - A Berlin Quarterly apresenta-se como uma revista europeia de cultura, centrada na literatura, nas artes e em grandes reportagens. Os seus fundadores consideram que o jornalismo, a literatura e as artes visuais são elementos fundamentais para a compreensão recíproca, para interpretar o passado e preparar o futuro. Feita a partir de Berlim, a revista procura o resto do mundo como fonte de inspiração. Com uma publicação algo irregular, o primeiro número foi lançado no início de 2014 e vai agora na sua sexta edição, datada do início do verão deste ano. Em destaque uma reportagem sobre a fronteira entre os Estados Unidos e o México, na qual Hannah Gold proporciona uma visão sobre a questão da imigração ilegal, das cidades fronteiriças divididas entre dois mundos, tendo como pano de fundo o contexto histórico da região. Na área da ficção destaque para as quatro crónicas do mexicano Juan Villoro, uma short-story do escritor indiano Upamanyu Chatterjee, assim como outra do sul africano Masande Ntshanga, vencedor da categoria de revelação do prémio PEN internacional. Há ainda poesia do israelita Adi Keissar, da russa Galina Rymbu e dois portfolios fotográficos, um sobre os comboios na europa de leste, por Janine Graubaum, e outro, de Francesco Jodice, sobre o desenvolvimento urbanístico e em vários pontos do globo. Finalmente, já quase no final das 250 páginas desta edição, é publicado “A Writer’s Path”, um texto de Julio Cortazar, que ele proferiu numa conferência, na Universidade de Berkeley em 1980, e que evoca a sua evolução enquanto escritor e a necessidade que sentia, enquanto autor, de ter intervenção política. A revista pode ser encomendada na loja on line da revista por 15 euros.

 

unnamed (12).jpg

VER - Meio de Agosto em Lisboa. Que se pode fazer? Talvez seja o momento ideal para rever grandes filmes. No Cinema Ideal, até 13 de Setembro, duas obras primas de Jacques Demy: “Os Chapéus de Chuva de Cherbourg” e “As Donzelas de Rochefort” (na imagem).  Em ambos os casos serão exibidas cópias restauradas e o pretexto desta operação é assinalar os 50 anos de “As Donzelas de Rochefort”, considerada a obra-prima de Demy, protagonizada por Catherine Deneuve e Françoise Dorléac. Trata-se de uma comédia musical "à americana", que conta inclusive com a participação de Gene Kelly. Os "Chapéus-de-Chuva de Cherburgo" (1964), ganhou a Palma de Ouro no Festival de Cannes, e foi o primeiro filme totalmente cantado, uma opção arriscada, mas que resultou, do realizador Jacques Demy e do compositor Michel Legrand. O filme, uma bela história de amor, tem interpretações notáveis de Catherine Deneuve, Nino Castelnuovo e Anne Vernon. No cinema Nimas começou outro ciclo que até 13 de Setembro exibirá  23 obras de Ingmar Bergman, algumas em cópias restauradas. Entre elas estão nomeadamente “O Sétimo Selo”, “Cenas da Vida Conjugal”, “Lágrimas e Suspiros” , “Mónica e o Desejo”, “Morangos Silvestres” ou “Fanny e Alexandre”. Passando para um registo completamente diferente, no Museu da Marioneta (Convento das Bernardas 146) está uma exposição sobre a arte dos Robertos - História de Um Teatro Itinerante, onde além dos bonecos, há fotografias, ilustrações, cenários e barracas de fantoches - com espectáculo e tudo às sextas pelas 18h30.

 

unnamed (10).jpg

OUVIR - Chama-se Svedaliza, nasceu no Irão, vive na Holanda, foi jogadora de basketball e dedicou-se à música. Gosta de pensar como as suas canções podem resultar em videos e por estes dias teve uma elogiada actuação na Madeira, no Festival Ponta do Sol, centrada no seu primeiro álbum de originais, “Ison”. Logo no início a cantora modifica ligeiramente uma citação de Kafka, tirada de uma carta de amor que ele escreveu  à jornalista checoslovaca Milena Jesenská: “In this love, you are the knife with which I explore myself.” Svedaliza resolveu modificar a citação (substituíu a palavra love por life), mas este é um bom exemplo de como ela gosta de usar frases curtas, mas intensas. Depois de deixar a sua carreira desportiva Svedaliza dedicou-se às artes, centrada na música, mas com um cuidado especial na imagem e nos videos que se baseiam nas suas canções - vale a pena ver no YouTube os videos de temas deste álbum como “Human”; “Marilyn Monroe” e “That Other Girl”. “Ison” é um disco melancólico, algures entre a pop e a electrónica, com recurso a orquestrações impactantes e a uma utilização inteligente de efeitos de reverbação. No centro das paisagens sonoras, intensas e envolventes , criadas pelo produtor Mucky, está a voz de Svedaliza, umas vezes a rondar o jazz, outras vezes os blues, com uma noção de ritmo especial. O álbum está construído como uma viagem à mente humana e à forma como o nosso cérebro reage às experiências ao longo da vida. Disponível no Spotify.

 

PROVAR -   Sou um apreciador de cerveja - gosto de experimentar os sabores, as variedades. E felizmente há cada vez mais razões para ir provando novidades. Para além das marcas de grande produção disponíveis por todo o país começaram a surgir nos últimos anos algumas cervejas artesanais que têm vindo a ganhar reconhecimento e atenção. Estas cervejas apostam em métodos de preparação que proporcionam sabores mais marcados, experimentam ingredientes e processos diferentes dos industriais. Uma das marcas mais recentes, fabricada em Lisboa na zona do Marvila (Rua do Açucar) , é a Lince, que se apresenta em três variedades - a Belgian Pale Ale, a Blonde e a American IPA. IPA quer dizer Indian Pale Ale e é feita a partir de quatro lúpulos americanos que lhe dão um sabor frutado, levemente amargo, temperado pelos maltes. A Belgian Pale Ale é fabricada com maltes belgas, tem côr âmbar, sofre uma segunda fermentação em garrafa como acontece com várias cervejas belgas, e apresenta um sabor com notas de citrino, pouco amarga, a perdurar bem. É a minha preferida, a que se segue a Blonde, mais próxima do gosto português e que é a primeira artesanal nacional a ser comercializada numa garrafa de  25 cl., digamos que uma mini. Um dos locais onde podem experimentar as variedades da Lince é no Duque Brewpub, no nº 4 da Calçada do Duque, entre o Rossio e o Bairro Alto.

 

DIXIT - “Portugal é o único país do sul da Europa cuja área florestal ardida anualmente continua a aumentar enquanto diminui em todos os outros” - Manuel Villaverde Cabral

 

GOSTO - Da forma como Inês Henriques assumiu e falou da sua vitória na prova de marcha de 50 kms nos Mundiais de Londres, destacando o trabalho realizado pelos que a apoiaram.

 

NÃO GOSTO - Da continuada fuga às responsabilidades que tem caracterizado a actuação do Estado, a todos os níveis, neste Verão terrível

 

BACK TO BASICS -  “Vivemos numa época em que as coisas desnecessárias são aquelas que consideramos mais necessárias” - Oscar Wilde

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:30

SOBRE OS REGIMES E OS VOTOS

por falcao, em 01.07.16

BREXIT - Eu percebo que os britânicos que votaram pela permanência na União Europeia se sintam incomodados com o resultado do referendo. Mas já não entendo que os burocratas de Bruxelas, com Juncker à cabeça se armem em carpideiras do brexit. Durante anos fizeram a Europa adoecer, permitiram que entrasse em estado comatoso e incentivaram que ficasse moribunda. Desde a data do referendo sucedem-se, a partir de Bruxelas, os disparates, as ameças, as pressões contra os cidadãos britânicos que votaram pela saída e instiga-se a revolta dos que quiseram ficar, numa ingerência intolerável sobre o resultado de um voto. As carpideiras de Bruxelas não esperavam este resultado porque nunca percebem o que se passa e porque a realidade, para eles, é turvada pelos cocktails que frequentam em círculo fechado. Não foi o Reino Unido que perdeu, foi a Alemanha, com as posições que forçou a Europa a tomar, frequentemante com a ajuda do governo francês (como aconteceu em outros momentos da História), que venceu o primeiro round. Mas, na verdade, isto só agora começou e daqui a uns tempos há-de haver quem pergunte se preferimos ser aliados da Alemanha ou do Reino Unido, se queremos estar com a mais antiga democracia da Europa e com o país onde a criatividade é uma da maiores indústrias nacionais, ou se queremos ficar do lado de quem provocou duas guerras e tem no sangue interferir noutros países. O que se vê dos votos de Juncker e dos seus semelhantes, pelas declarações que proferem, é que os votos afinal valem pouco na Europa. Não admira - um parlamento europeu que é um verbo de encher e não passa de um pesado centro de custos que irradia directivas absurdas, tem sido um dos mais fortes destruidores da utopia europeísta.  Os líderes da UE devem considerar seriamente fazer o que não conseguiram fazer desde 2008: resolver as suas múltiplas crises em vez de tentar saídas improvisadas (...) O Reino Unido não é a causa de tudo isto. A zona euro e os seus líderes assustadoramente fracos são os culpados” -  as palavras são de Wolfgang Münchau, no Financial Times.

IMG_4805.JPG

SEMANADA - Em dois anos ataques terroristas mataram 10 pessoas por dia em todo o mundo; o Ministro das Finanças, Mário Centeno, admitiu numa entrevista que as previsões sobre o crescimento da economia nacional podem ser revistas em baixa em outubro; António Costa veio pouco depois contradizê-lo, afirmando que para 2016 "os dados estão lançados e dão contas certas"; há escolas do ensino básico a passar alunos com sete negativas; o preço da água em Olhão subiu 35%; o Chefe do Estado Maior do Exército decidiu substituir o subdirector do Colégio Militar e o Director de Educação e Doutrina do Exército; há poucos dias o Exército tinha anunciado que um inquérito realizado em Maio ao Colégio Militar “não identificou quaisquer evidências da existência de situações discriminatórias, motivadas por questões raciais, religiosas, sexuais, com base na orientação sexual ou por outros fatores”; desde o início do Euro já foram difundidas mais de 30 mil notícias sobre a competição, 70% das quais sobre a Selecção Nacional; segundo a Marktest 40.2% dos residentes no Continente com 15 e mais anos ouve música gravada ou online através do computador, o telemóvel é o segundo suporte mais usado com 31.7% de referências, seguido do auto-rádio com 25.0% e só depois a aparelhagem Hi-Fi, com 17.7%, o Tablet, com 15.7%, e os leitores de formatos digitais, com 8.1%.; Manuel Sebastião, ex-presidente da Autoridade das Concorrência, estima que a “soma simples dos custos dos quatro desastres” bancários,  BPN, BPP, BES e Banif, entre 2010 e 2015, aponta para 17,1 mil milhões de euros, o que se traduz num igual aumento da dívida pública, o equivalente a 9,5 % do PIB.

 

ARCO DA VELHA - Vitor Constâncio, na carta que dirigiu à Assembleia da República sobre o caso Banif, disse ter hoje uma “memória muito lacunar” dos assuntos em torno desse tema, que analisou enquanto governador do Banco de Portugal.

 

image (35).png

FOLHEAR - A revista “Monocle”, que aqui tenho elogiado várias vezes, está a chegar a um momento difícil. Muita da frescura e inovação que apresentou quando foi lançada, em 2007, desvaneceu-se com o tempo. Instalou-se a rotina - de temas, de grafismo, editorial. A qualidade da fotografia baixou mas, pior que tudo, a proliferação de conteúdos, patrocinados ou apoiados, não identificados como tal, está a chegar a um ponto de desiquilíbrio. Há demasiada troca de interesses e favores recíprocos que se adivinha lendo as páginas de sucessivas edições. Sente-se cada vez mais que a redacção da revista fala sobre locais que aborda com reduzido conhecimento, ouvindo fontes pouco diversificadas e, muitas vezes, fazendo passar mensagens desfocadas da realidade. A edição de Julho /Agosto, como é hábito, tem a lista das 25 cidades que a “Monocle” considera as melhores para se viver. Tokyo continuou no primeiro lugar, seguida de Berlim, Viena, Copenhague e Munique. Madrid aparece na 14ª posição e Lisboa na 16ª, tendo subido dois lugares desde o ano passado - mas com alertas para temas como o trânsito caótico e a dificuldade de estacionamento que diz deverem ser melhorados. Lisboa aparece ainda com um destaque, sobre os seus parques e jardins, um pretexto para o vereador Sá Fernandes fazer um dos seus exercícios de propaganda demagógica com pouco correspondência com a verdade, infelizmente sem contraditório. Lisboa pode ser muito curiosa para um estrangeiro que nos visite dois ou três dias, mas está cada vez pior para se viver. Os seus habitantes e contribuintes são cada vez mais acossados por um executivo camarário em desvario de obras eleitoralistas. Não deixa de ser curioso que Sá Fernandes se declare satisfeito por ser considerado um inimigo dos automobilistas e que no editorial de última página, o director da Monocle, Tyler Brulé sublinhe: “Acreditamos firmemente que os veículos pessoais (táxis e outros) ainda têm cabimento nos centros das cidades e suas periferias.”

 

image (33).png

 VER - O novo museu da EDP, o maat (Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia) começou a desvendar a sua actividade esta semana. Criado dentro da Fundação EDP, a partir do espaço da Central Tejo, em Belém, o maat abriu a primeira fase, fruto da remodelação de espaços do edifício da Central Tejo, já concluída, com um sensível aumento da área expositiva. O novo edifício, em fase adiantada de construção, abrirá no Outono e será o novo pólo de desenvolvimento das actividades da Fundação EDP na área da arte contemporânea. A partir desta semana ficaram patentes quatro exposições, de que me permito destacar “Solilóquios e solilóquios sobre a Morte, A Vida e outros interlúdios” (na imagem). É um trabalho de Edgar Martins. um dos poucos fotógrafos portugueses que tem feito uma carreira internacional. Foi um dos vencedores do BES Photo e tem numerosos projectos, que combinam um lado documental com uma visão muito pessoal, estudada e criativa. A exposição que agora é apresentada no maat é o seu mais  recente projecto, fruto de uma pesquisa no Instituto de Medicina Legal de Lisboa, feita ao longo de três anos. É um trabalho sobre o universo e o imaginário da morte, em especial da morte violenta, e sobre o papel que a fotografia tem exercido na sua percepção.  “Lightopia”, a segunda exposição, resulta de  uma parceria com o Vitra Design Museum e aborda a forma como a luz eléctrica revolucionou o nosso ambiente.  A terceira exposição assinala o facto de o Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia ser a mais recente instituição a integrar o Artists’ Film International, um programa dedicado à exibição de vídeos, filmes e animações realizadas por artistas de todo o mundo. Integra agora 16 entidades e foi iniciado em 2008 pela Whitechapel Gallery, de Londres.  Finalmente, a quarta exposição desta série, “Segunda Natureza” visita o acervo da colecção de Arte da Fundação EDP e apresenta cerca de cinquenta obras realizadas por vinte e seis artistas, que datam desde os anos de 1970 até ao presente e onde me permito destacar uma peça poderosa, de Manuel Baptista, “Falésia”. Na Central Tejo, Avenida Brasília, todos os dias até Outubro, excepto às terças, entre as 12 e as 20h.

image (34).png

OUVIR - O pianista Bruce Brubaker escolheu algumas das obras mais conhecidas de Philip Glass e interpretou-as de uma forma que faz com que mesmo os apreciadores mais dedicados de Glass possam aqui sentir algumas novidades. Brubaker é um dos mais interessantes pianistas norte-americanos, que combina uma sólida formação clássica com o prazer da reinterpretação de compositores contemporâneos - aliás já gravou várias obras de Glass e também de John Cage ou Meredith Monk . Neste “Glass Piano” Brubaker baseou-se no repertório que o próprio Philip Glass escolheu para o seu  disco “Solo Piano” de 1989. Aqui estão peças bem conhecidas como “Mad Rush”, os cinco movimentos de “Metamorphosis”, “Knee Play” e o incontornável “Wichita Vortex Sutra”, que Glass compôs inspirado num poema de Allen Ginsberg. E é precisamente em “Wichita” que Brubaker atinge o seu melhor momento nestas reinterpretações. CD In Finé, no Spotify, onde também pode ouvir as remixes feitas para “Mad Rush”, “Metamorphosis” e “Knee For Thought”.

 

PROVAR -  João Portugal Ramos tornou-se conhecido como um dos primeiros enólogos a iniciar a grande mudança dos vinhos no Alentejo - primeiro trabalhando para vários produtores, depois, a partir das suas próprias vinhas, criando marcas próprias que fizeram nome. Mais tarde lançou-se, com sucesso, ao desafio do Douro, das Beiras, da região de Lisboa e do Vinho Verde. Alguns dos seus vinhos, como o Duorum e o Foz do Arouce ganharam importantes prémios de revistas norte-americanas. Pelo caminho surgiu um projecto de Enoturismo, a adega Vila Santa, e, agora, um azeite - o Oliveira Ramos Extra Virgem, a partir de olivais de Estremoz, com colheita tradicional e extracção a frio. O azeite assim obtido tem uma acidez de 0,2, bastante frutado de azeitonas, sabor cheio. Um bom teste para qualquer azeite é prová-lo no pão e este passa essa prova com distinção.

 

DIXIT - “É a última vez que aplaudem aqui. (...) O povo britânico votou a favor da saída. Porque estão aqui?” - Jean Claude Juncker, Presidente da Comissão Europeia, dirigindo-se a deputados do Reino Unido no Parlamento Europeu.

 

GOSTO - Ramalho Eanes pediu a fiscalização das promessas dos políticos e da exiquibilidade financeira de certas promessas eleitorais.

 

NÃO GOSTO - Do comportamento de ingerência do Ministro das Fianças alemão, Wolfgang Schäuble.

 

BACK TO BASICS - “A democracia é a pior das formas de Governo, à excepção de todas as outras que foram ensaiadas” - Winston Churchill



www.facebook.com/mfalcao

instagram: mfalcao

twitter: @mfalcao





Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:00

MUDE - O Museu do Design e da Moda, MUDE, tem tido uma actividade assinalável, fruto da equipa dirigida por Bárbara Coutinho, que soube bem exponenciar o núcleo inicial da Colecção Capelo, assegurado ainda antes de António Costa ser Presidente da Câmara. A António Costa coube a instalação do MUDE no antigo edifício sede do Banco Nacional Ultramarino, na Rua Augusta - o edifício estava em péssimas condições e foi assumidamente usado “em bruto” pelo MUDE, com intervenções mínimas, fruto de um acordo entre a Câmara e a CGD, que detinha o imóvel. Por estes dias António Costa anunciou ir investir dez milhões de euros na reabilitação do edifício, num projeto que irá ampliar a área do Museu para os oito pisos do edifício, num total de 15 mil metros quadrados. Eu percebo que António Costa queira desenvolver o que começou, em plena baixa da cidade. Mas não deixo de sentir alguma estranheza por não se ter aproveitado esta oportunidade - e este investimento - para resolver a questão do Pavilhão de Portugal - questão que ainda fica mais saliente agora que passam 15 anos sobre a realização da EXPO. Faz pena que o edifício de Siza Vieira, concebido para ser um local de acolhimento de exposições, com características ideais para isso, e com infra estruturas de armazenamento de obras de arte, esteja praticamente abandonado e a degradar-se. A questão que se põe é a de ter abertura de espírito suficiente para equacionar fazer reviver o edifício com uma colecção e actividade como a do MUDE, fomentando as ligações à indústria e à universidade, e enriquecendo o pólo oriental da cidade. Os dez milhões para recuperar o edifício do BNU não poderiam ser melhor utilizados para dar uma utilidade consentânea com o projecto inicial do pavilhão de Portugal? Nunca é tarde para mudar de rumo. Bem sei que o problema central da não utilização do pavilhão de Portugal é saber quem assume o custo do edifício - mas será que um problema de engenharia financeira do Estado vai condenar à degradação e inutilidade aquele espaço?


SEMANADA - O Conselho de Estado, convocado para debater o futuro, esteve sete horas reunido e produziu um comunicado que é uma lista de tarefas para o presente; o pós-troika no pós-Conselho de Estado resume-se a análises sobre timing de remodelação no Governo, saída de Vitor Gaspar para Comissário Europeu e prazo para a ruptura da coligação; o conteúdo da reunião do Conselho de Estado foi tornado público nos jornais no espaço de 24 horas, e contribuíu, muito mais do que o vago comunicado oficial, para se perceber o que foi discutido; o banco central alemão deu orientações sobre o Banco Central Europeu e sobre a política do Governo francês; entre a chegada da troika e a sua partida prevista,  o desemprego deverá ter aumentado 60,9%, o PIB deverá encolher 5,8%, o investimento cairá 28,3% e o consumo privado cairá 6,7% - mas em compensação a dívida pública terá aumentado 24% e os juros da dívida terão um aujmento de 47,7%; Portugal está no top 5 europeu na compra de BMW, Mercedes e Audi; o ministro alemão das Finanças encontrou-se com Vitor Gaspar e teceu-lhe rasgados elogios; o Ministro Miguel Poiares Maduro encomendou um estudo sobre a melhoria das formas de comunicação do Governo e exortou “a comunidade política a contribuir para um discurso público mais construtivo e informado”.


ARCO DA VELHA - O Estoril teve 45 pontos na Liga e gastou três milhões de euros nesta época, enquanto o Sporting ficou atrás, com 42 pontos, e gastou 68 milhões - feitas as contas cada ponto custou ao Estoril 67 mil euros e cada ponto custou ao Sporting 1,6 milhões, o mais elevado custo por ponto de todos os clubes da I Liga.



VER - António Sena da Silva foi um homem visual - o prazer do olhar era o seu modo de vida e isso reflectiu-se, do design à fotografia. No Torreão Nascente da Cordoaria, estão cerca de duas centenas de imagens numa exposição criada por Sérgio Mah, intitulada “Uma Antologia Fotográfica”, que estará patente até 4 de Agosto. Tenho a tentação de dizer que Sena da Silva foi aquilo a que os americanos chamam “street photographer” - até porque, como a exposição mostra, ele dedicou-se a retratar a evolução de Lisboa entre os anos 50 e os anos 70. Aqui está o quotidiano da cidade, das pessoas que a habitam e, quase sempre, do rio que nessa altura era uma presença não vista, nem vivida. A exposição ocupa completamente os dois pisos da Cordoaria e mostra várias fases do trabalho de Sena da Silva - formatos de negativo diferentes, máquinas diversas, um uso impoluto do preto e branco e um uso discreto e contido da côr. O rigor do enquadramento é uma constante, quer fotografe paisagens urbanas, ou o campo, ou máquinas, ou fábricas ou objectos. Esta é uma exposição que nos ajuda a reter a memória do tempo - e o trabalho de Sérgio Mah é um exemplo de respeito pela obra, um exemplo do prazer de dar a descobrir o encanto da imagem fotográfica.


OUVIR- Até aqui “The Heart Of The Matter” era uma novela discreta de Graham Greene, escrita no final da década de 40. Agora é também um disco de Jane Monheit em que a sua versão da fusão de duas canções dos Beatles, “The Long And Winding Road” e “Golden Slumbers”, se torna fatalmente um ponto de atracção. Mas é em “Born To Be Blue” de Mel Tormé ,ou “When She Loved Me” de Randy Newman, que ela verdadeiramente mostra a sua versatilidade e capacidade de interpretação - que se faz ainda notar em dois temas de Ivan Lins, “Depende de Nós” e “A Gente Merece Ser Feliz”. Em “The Two Lonely People”, de Bill Evans, Monheit mostra como não receia mostrar a voz quase sem presença instrumental, uma voz às vezes tímida, outra à beira de um lamento. Os arranjos, no entanto, são parte importante deste álbum, assinados pelo teclista Gil Goldstein, que com o baterista Rick Montalbano e o guitarrista Romero Lubambo, asseguram um suporte musical digno de destaque. (CD Emarcy/Universal).


FOLHEAR - O jornal “Próximo Futuro” é uma das mais interessantes publicações de instituições culturais. É um jornal que a Gulbenkian edita para acompanhar o seu programa “Próximo Futuro”, coordenado por António Pinto Ribeiro. São 40 páginas, distribuídas na Fundação e disponíveis em versão electrónica em www.proximofuturo.gulbenkian.pt . A edição agora em distribuição, a nº 13,  anuncia o novo ciclo de programação de Junho e Julho e tem na capa uma obra impressionante do artista sul-africano Conrad Botes. Lá dentro um belo texto de António Pinto Ribeiro com o provocador título : “Lamento dizer-vos mas somos todos africanos”, citando a frase de abertura da intervenção de Desmond Tutu na Gulbenkian, no ano passado. A nova programação tem em destaque uma festa da Literatura e do Pensamento do Sul da África, a exposição dos Encontros de fotografia de Bamako, um ciclo de cinema com uma dúzia de filmes e bailes na garagem com, por exemplo, o DJ Rui Miguel Abreu. Além disso estão previstos concertos com música da Tanzânia e uma espectáculo de dança baseado na marrabenta, entre muitas outras iniciativas, todas elas bem anunciadas neste jornal que tem um delicio espírito “fanzine” em technicolor.


PROVAR - A ementa de um bom restaurante deve ser uma obra em permanente transformação. No De Castro Elias é isso que acontece e agora há algumas novidades: começo por umas chamuças de massa filo, umas com queijo da beira e mel, outras com alheira e espinafres. Para fazer crescer água na boca há umas tostadas de cavala fumada com legumes salteados e uma açorda de cogumelos e enchidos. Nos pratos mais substanciais sugiro um entrecosto assado com arroz de forno ou uma perna de pato com canela e azeitona. Seguindo a recomendação da casa os petiscos foram acompanhados por um muito honesto vinho  Santos Lima, o “Confidencial” Reserva, a bom preço. E claro que há sempre os clássicos da casa - moelas picantes e feijão manteiga com ameijoas.  O De Castro Elias fica na Elias Garcia 180, e tem o telefone 217 979 214. Vale a pena reservar.


DIXIT - “Perante as sucessivas medidas da troika, que não dão resultado, eu, no mínimo, gritava” - Manuela Ferreira Leite


GOSTO - Do início da edição portuguesa da revista “Granta” - o tema “Eu” foi o escolhido para o primeiro número, que inclui textos de vários autores e um porfolio fotográfico de Daniel Blaufuks. A direcção é de Carlos Vaz Marques.

NÃO GOSTO - De uma  luta anti-austeridade conduzida por quem andou a promover gastos bem acima das possibilidades do país.

BACK TO BASICS - O riso é a mais antiga e mais terrível forma de crítica - Eça de Queiroz.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:16

O HOT CLUBE

por falcao, em 29.12.09

 


Infelizmente o Hot Clube foi vítima de um incêndio no prédio onde estava – o Hot é uma tradição de Lisboa e um dos poucos sítios onde se pode ouvir bom jazz ao vivo – além de que ao longo dos anos desenvolveu uma escola por onde têm sido formados alguns dos nossos melhores músicos de jazz. Se o Hot fica demasiado tempo parado, sem local, corre o risco de a tradição ser vencida pela inacção – não é situação única; por isso, enquanto o prédio não é recuperado é importante encontrar uma alternativa, de preferência em zonas históricas da cidade. Sugiro à Câmara Municipal que veja as áreas que tem livres – talvez no Convento das Bernardas, perto do Museu das Marionetas, exista algum espaço que possa ser usado; talvez as extensas áreas de serviço do Teatro Taborda e a própria sala possam ser divididas com o Hot (e esta seria a melhor de todas as soluções, inclusivamente para a Escola do Hot); talvez até na antiga área da Companhia de Dança de Lisboa no Palácio dos Marqueses de Tancos; talvez até no edifício ao lado do Cinema S. Jorge, desocupado há anos, e com pelo menos dois pisos disponíevis. O que eu sei é que para resolver isto é preciso imaginação e boa vontade – e sobretudo alguma rapidez. Se ficar tudo sentado a pensar, nada vai acontecer a não ser o Hot morrer aos poucos por falta de actividade.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:22

GOSTAM DA ARRUMAÇÃO FEITA EM LISBOA?

por falcao, em 01.09.09

 


(Publicado no diário «Metro» de 1 de Setembro)

 

No início desta colaboração com o «Metro» gostaria de deixar claro algumas circunstâncias: sou candidato à Presidência da Assembleia Municipal de Lisboa na lista proposta por Pedro Santana Lopes; não tenho partido, não sou republicano, acho que o Estado age com excessiva frequência contra os cidadãos e entendo que o fisco comete demasiados abusos para poder ser encarado como uma entidade séria e justa.

Dito isto, e como sempre achei que a música ajuda a entender as pessoas, devo declarar que a minha pessoalíssima banda sonora deste verão foi constituída pelos mais recentes discos de Ben Harper, Sonic Youth, Regina Spektor, Nouvelle Vague e Rokia Traoré. O australiano Peter Carey é o meu escritor favorito do momento e o próximo filme que hei-de ver é «Sacanas Sem Lei!» de Quentin Tarentino. Não gosto de usar gravata, tenho 55 anos, nasci e fui criado em Lisboa, gosto desta terra, gosto desta cidade, comovo-me cada vez que regresso e irrita-me que ela esteja a ser tão maltratada como ultimamente tem sido. Se pudesse, andava sempre de «Vespa». Pronto, está feito o meu retrato.

Estou na lista da coligação «Lisboa Com Sentido» porque acho mesmo que esta cidade precisa de levar uma volta. Prefiro um candidato que queira mudar e melhorar a cidade, a outro que apenas queira ter as coisas arrumadinhas. Sobretudo, quero um Presidente da Câmara que pense mais nos munícipes que nos interesses do Governo, alguém que se preocupe mais com Lisboa do que com o seu partido, que esteja interessado em conseguir repovoar a cidade, torná-la mais confortável e agradável para quem cá vive. Quero alguém que prefira uma política de recuperação a uma política de demolição, quero alguém que melhore o Terreiro do Paço e não que o transforme numa palhaçada, quero alguém que devolva o rio à cidade, em vez de o entregar às empresas de contentores.

Se estão contentes com o estado da cidade, a sua limpeza, o estado dos seus jardins e os buracos por todo o lado, já sabem que devem votar no arrumadinho. Eu espero que prefiram mudar.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:59

UMA FRENTE SEM SENTIDO

por falcao, em 21.04.09

(Publicado no Diário Meia Hora de 21 de Abril)


Na semana passada surgiu o apelo para que em Lisboa se constitua uma frente única de forças políticas de esquerda com o objectivo de evitar o regresso da direita ao poder na cidade, nas próximas autárquicas e para que António Costa continue Presidente. Valerá a pena?


Comecemos por recordar alguns factos. Após um longo período em que Lisboa foi governada pelo PS em coligação com o PCP, primeiro por Jorge Sampaio e depois por João Soares, no final de 2001 o PSD venceu as eleições e Pedro Santana Lopes exerceu a Presidência da Câmara durante perto de dois anos e meio, até ser indicado Primeiro Ministro, no Verão de 2004. Por força da queda política de Carmona Rodrigues, que venceu as eleições de 2005, foram realizadas intercalares autárquicas em Lisboa em Julho de 2007, das quais saiu vencedor António Costa, que concluirá o seu mandato no final do ano, com praticamente o mesmo tempo de exercício de poder, enquanto Presidente da Câmara de Lisboa, que Pedro Santana Lopes. Portanto, ambos terão tido teoricamente as mesmas possibilidades – até porque, convém recordar, o estado das Finanças da Câmara deixado por Jorge Sampaio e João Soares não era melhor do que aquele encontrado por António Costa. O PS gosta de iludir este pormenor mas o facto é bem real.


Na verdade o balanço comparado dos mandatos de Pedro Santana Lopes e de António Costa não podia ser mais elucidativo: Lisboa agora está sem rumo, faz muitos estudos mas pouca obra, a cidade voltou a estar suja, esburacada, os problemas no urbanismo aumentam, as cedências ao Governo (como na Frente Ribeirinha e nos contentores) aumentam, a reforma do funcionamento do Município parou, a recuperação da Baixa-Chiado desapareceu das conversas, o trânsito está mais caótico e não foi lançada uma única obra infra-estruturante importante.


Para além disso convém recordar que a política de apoio social enquanto Santana Lopes foi Presidente da Câmara foi objectivamente mais à esquerda que a de António Costa e que em matéria de ambiente, cultura e recuperação urbana se fez mais do que se tem feito agora.


Por isso esta Frente é surpreendente: uma Frente que quer juntar pessoas que não conseguem fazer um plano comum, que não conseguem implementar políticas de esquerda quando chegam ao poder, e que deixam a cidade apodrecer, serve para quê?  

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:27

COSTA CONTRA OS ALFACINHAS

por falcao, em 04.02.09

 


(Publicado no diário Meia Hora de dia 3 de Fevereiro)

 

O PS e o Bloco de Esquerda pretendem fazer alterações significativas no trânsito na zona da Baixa e na zona ribeirinha de Lisboa. Os argumentos são os do costume: devolver a cidade aos peões, tentar criar faixas para bicicletas, demagogia barata para consumo eleiçoeiro – como se as cidade contemporâneas não convivessem com os automóveis.

Fernando Nunes da Silva, um Professor do Instituto Superior Técnico, já veio alertar para o facto de os desvios previstos irem provocar engarrafamentos consideráveis noutros locais – nomeadamente no Chiado – aumentando a circulação, a poluição e diminuindo a qualidade de vida nessas zonas que agora irão ser castigadas.

Os comerciantes que ainda sobrevivem na Baixa lisboeta alertam para o facto de as limitações propostas irem ameaçar ainda mais o já reduzido movimento comercial, alertando para a possibilidade de muitos estabelecimentos comerciais terem que encerrar, criando assim mais desemprego e desertificando ainda mais a Baixa.

Olhando com atenção para as soluções apresentadas salta logo à vista que o movimento entre a zona de Alcântara e a zona da Expo ficaria fortemente condicionado – paradoxal depois do investimento realizado na recuperação daquela área. A este nível este plano é quase uma segregação da Expo, relegada para arrabalde com penalizações de entrada no centro da cidade. Não deixa de ser curioso que um dos autores do estudo agora apresentado seja um dos responsáveis pela planificação (má, como hoje já se percebeu) da Expo – o vereador Manuel Salgado - «um poeta que vive numa auréola de esquerda, sendo um homem de direita», nas acertadas palavras do Presidente do Automóvel Clube de Portugal, Carlos Barbosa.

E é ainda Carlos Barbosa quem recorda, a propósito deste plano, apresentado por António Costa, que o actual Presidente da Câmara Municipal de Lisboa foi «o pior Ministro (da Administração Interna) no que diz respeito à mobilidade e a tudo o que tem a ver com a segurança rodoviária».

As medidas agora previstas, a serem tomadas, prejudicarão sobretudo os lisboetas que vivem e trabalham dentro da cidade, os mesmos que este ano serão chamados a eleições para uma Câmara Municipal que lhes suga dinheiro em taxas e impostos, que usa a EMEL como arma terrorista e os castiga por quererem continuar a viver nesta cidade. Eu gostava de continuar a viver numa cidade que me quer, em vez de uma que me persegue.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:20

...

por falcao, em 03.12.07
BOM –Mais um excelente artigo de A.M. Seabra no site www.artecapital.net , desta vez sobre o Estado enquanto entidade que encomenda obras de arte. Pegando em exemplos recentes, como a exposição do brasileiro Vik Muniz, A.M. Seabra questiona a forma descricionária das decisões e defende que «se entrou num regime de encomenda do que não deixam de ser “retratos oficiais”, de formatação propriamente de uma “arte oficial”, o que é demasiado sério e grave para não ser devidamente assinalado».


MAU – Ao longo de toda a semana a Ministra da Cultura deu mais uma vez mostra de não saber o que se passa no seu Ministério, arrastou-se na decisão, entrou em contradições, deixou instalar a confusão, criticou mais uma vez Directores sob a sua tutela e, sobretudo, deu enormes demonstrações de uma grande ignorância a propósito do leilão do quadro «Deposição de Cristo no Túmulo», uma obra do século XVIII do pintor veneziano Gianbattista Tiepolo.


O MUNDO AO CONTRÁRIO – António Costa fez-se eleger com promessas de eterna dedicação a Lisboa, garantiu que cumpriria o seu mandato contra ventos e marés. Esta semana, à primeira contrariedade, apareceu a dizer que se demitia, caso a Assembleia Municipal não aprove um empréstimo que pretende contrair. Duas observações, para refrescar a memória: grande parte da dívida para a qual se pretende o empréstimo veio de executivos autárquicos socialistas; e enquanto Ministro da Administração Interna António Costa fez vida negra às autarquias, e em especial penalizou muito precisamente a Câmara de Lisboa, retirando-lhe arbitrariamente receitas que lhe eram devidas, contribuindo assim directamente para o agravamento da situação financeira.


PETISCAR – Os petiscos estão em crise – a ASAE só quer comida embalada. Nem a Ginjinha do Rossio escapou.

DESCOBRIR – Os fãs das gravações da Deustche Grammophon que queiram fazer downloads do magífico catálogo clássico daquela editora ficarão satisfeitos por saberem que já abriu a DG Web Shop , em www.dgwebshop.com . A marca garante que os downloads têm um nível de qualidade áudio superior, poderão ser utilizados em qualquer leitor de MP3.

LER – Não se pode perder a edição de Dezembro da revista «Vanity Fair» com uma entrevista intimista a Julia Roberts, um excelente artigo do Prémio Nobel Joseph E. Steiglitz sobre a bomba relógio deixada na política económica por Bush, e um dossier sobre a explosão dos artistas chineses no mundo da arte contemporânea. Mais dois destaques : uma série de fotos de Annie Leibowitz sobre artistas, curadores, mecenas, designers, grandes nomes da moda - um autêntico «who’s who» das artes nova iorquinas; e uma entrevista a um dos mais surpreendentes artistas plásticos americanos contemporâneos, Richard Prince.


OUVIR – Verdadeiramente surpreendente o disco «Abril», de Cristina Branco, editado este mês. Desde o início do ano a cantora tem revisitado nos seus espectáculos a obra de José Afonso. O disco recupera essa experiência e agrupa 16 temas, do «Menino d’Oiro» a «Chamaram-me Cigano», passando por clássicos como «No Comboio Descendente», «Era Um Redondo Vocábulo» os incontornáveis «Cantigas de Maio» e «Venham Mais Cinco» ou o inovador «Os índios da Meia-praia». Destaque para a capa com fotografias de Augusto Brázio, para a rigorosa produção de Ricardo Dias (que toca piano e teclas no disco) e para o trabalho de grandes músicos como Mário Delgado na guitarra, Bernardo Moreira no baixo e Alexandre Frazão na bateria. Este é simplesmente um dos melhores discos portugueses dos últimos tempos e vale a pena reparar nos arranjos elegantes e inesperados (como «Canto Moço» e «Ronda das Mafarricas»). Este é um disco exemplar, uma evocação do génio de José Afonso. Cristina Branco vai no bom caminho: em vez de ser mais uma imitadora de standards, continua a surpreender, aqui na escolha do repertório, na produção, no ambiente musical criado.



VER – Eu acho que José Maçãs de Carvalho é dos mais interessantes fotógrafos portugueses contemporâneos e a sua evolução tem sido muito curiosa. Parte dessa evolução pode ser seguida com duas mostras dos seus trabalhos dos últimos anos: em fotografia na VPF Cream Art Gallery, sob o título «It’s A Lonely Planet» e, no andar de cima, na Plataforma Revólver, com os vídeos da série «Vídeo Killed The Painting Stars» - particularmente curioso o que mostra a decomposição da fotografia, a partir de uma imagem de Helmut Newton – duplamente provocador. A VPF e a Plataforma Revólver ficam na Rua da Boavista 84, Lisboa e as exposições podem ser vistas de terça a sábado entre as 14 e as 19h30, até 31 de Dezembro.


PERGUNTANDO… Será que a Multimédia, sem PT, vai resolver o mistério da não atribuição na TV Cabo de canais à TVI, no novo ano que está à porta?


BACK TO BASICS – A RTP , financiada pelos cidadãos e pelo Estado, deve fazer serviço público de rádio e de televisão – pode parecer uma evidência, mas vale a pena que o seu novo Conselho de Administração pense bem qual é, de facto, a sua missão.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:21

...

por falcao, em 26.11.07
MAU – A «Visão» relatou que um músico do grupo de violinistas Corvos foi atropelado por um condutor que se pôs em fuga. O condutor, sabe-se agora, era um polícia cujo carro não tinha nem seguro válido nem revisão periódica efectuada. Acham mesmo que se pode confiar na polícia com agentes destes no activo?


PÉSSIMO – Nas últimas semanas abundam as notícias de polícias e ex polícias implicados em associações criminosas. A imprensa relata nomes e conta situações. Confirmam-se as conexões entre elementos com ligações às forças policiais e o crime organizado, a um nível até superior ao que se imaginava. E dos responsáveis não se ouve sequer um pio.

.

O MUNDO AO CONTRÁRIO – O arquitecto Manuel Salgado foi conselheiro da Expo, a entidade que promoveu a construção da muito vistosa mas incómoda e desoladora Gare do Oriente; foi também desenhador de alguns aspectos do CCB; agora, como vereador da Câmara de Lisboa, vem dizer, a propósito de grandes obras, que não quer mais megalomanias em Lisboa. É de mim ou há aqui qualquer coisa estranha?


INDEFESOS – O problema não está em a Direcção Geral de Contribuições e Impostos cobrar as dívidas fiscais; o problema está quando o faz ao arrepio dos direitos dos cidadãos, quando erra e não admite o erro, quando torna norma a prepotência. O Estado está em vias de assumir o comportamento dos senhores feudais na cobrança de impostos.


PESADELO – Sócrates arrisca-se a ficar na História por tornar Portugal um albergue de figuras que atropelam a democracia nos respectivos países, como Robert Mugabe e Hugo Chávez. Não há tratados de Lisboa que tapem a queda do Primeiro Ministro pelos líderes autoritários. Uma projecção de si próprio?


INACREDITÁVEL – A jornalista da RTP Judite de Sousa entrevistou o ainda presidente da empresa sobre a sua carreira como gestor num programa do primeiro canal do operador de serviço público. É de mim, ou isto ultrapassa um bocadinho o limite do bom senso?


EXTRAORDINÁRIO – Scolari fez carreira a baixar as expectativas. Se recordarem o que diz antes de cada encontro, o que ele faz é mesmo isso – é sempre colocar a fasquia mais para baixo. Nunca hei-de entender como há quem ache que ele é um motivador. Cá para mim é milagre que Portugal, com um método destes e tão mau futebol jogado, se tenha conseguido apurar. Scolari é o treinador que não aposta na vitória, nem no primeiro lugar, apenas no ir andando.

DESCOBRIR – A boa rádio é assim: sempre que posso ouço os «Três minutos de ciência» que de uma forma coloquial e descomplicada Nuno Crato oferece de 2ªa a 6ª na Europa Lisboa, com emissões às 12h40, 15h40 e 19h40. Esta bela rádio, essencialmente dedicada ao jazz, pode ser ouvida em 90.4 FM, em www.radioeuropa.fm ou na opção de rádio da powerbox da TV Cabo.

PETISCAR – O «Café de S. Bento» tem agora uma sala no primeiro andar. A escada é íngreme mas uma mesa – com vista para o Parlamento – compensa o esforço. E, sobretudo a qualidade do bife e a excelência das batatas fritas são factos incontornáveis. Os empregados, honestamente, dizem que o meio bife é quantidade que chega e têm razão. Experimente-o grelhado e mal passado e verá a excelência da matéria prima. Rua de S. Bento 212, tel. 213952911.


LER – A edição de Novembro da revista «Wired» que tem por tema de capa a Manga japonesa com um belo artigo sobre a indústria de banda desenhada entretanto criada. Outro artigo a ler é sobre as melhores teorias de conspirações desenvolvidas nos últimos anos.


VER – A exposição «Desenhar o Desenho», patente desde esta semana na Galeria Baginski em Lisboa. Daniel Barroca, Paulo Brighenti, Carlos Bunga, Miguel Palma e os intrigantes e sedutores Carlos Correia e Cecília Costa mostram trabalhos inesperados. Até 18 de Janeiro, Rua da Imprensa Nacional 41, cv esq, de terça a sábado entre as 13h30 e as 19h30.


OUVIR – A soprano Anna Netrebko, a meia-soprano Elina Garanca, o tenor Ramon Vargas e o barítono Ludovico Tézier juntaram-se em Agosto passado na cidade de Baden Baden para um recital com árias célebres de algumas óperas italianas e francesas, A direcção do projecto – e da orquestra – foi de Marco Armilato. De Verdi a Bizet, passando por Donizetti ou Puccini, o recital foi magnífico. A Deustche Grammophon gravou-o e editou-o agora no CD «The Opera Gala». Distribuição Universal Music



PERGUNTANDO… Será mesmo verdade que Mário Lino foi o último a saber da nomeação de Almerindo Marques para as Estradas de Portugal? E será que se pode acreditar que Santos Silva estava a trabalhar na recondução do Presidente do CA da RTP, mas só o disse depois de se saber da sua passagem para as rodovias?


BACK TO BASICS – Um erro em política tem preços diferentes conforme quem o pratica – anónimo, a propósito do reconhecimento das inconsistências dos documentos que serviram de pretexto à invasão do Iraque, feito esta semana por Durão Barroso.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:58


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2005
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2004
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2003
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D