Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


IMG_5508.JPG

DESRESPEITO - O ar que Medina respira vem-lhe soprado pela falta de oposição que tem na Câmara Municipal de Lisboa e pelo desrespeito que mostra para com os habitantes da cidade. Com o PSD desaparecido em parte incerta praticamente desde o início do mandato, se não fosse João Gonçalves Pereira do PP, as tropelias de Salgado & Medina passariam quase incólumes entre os vereadores. Ambos vocacionaram a cidade para ser um albergue em vez de ser vivida pelos seus, As medidas de fundo que tomam são da esfera da maquilhagem e da cirurgia plástica aplicada ao alcatrão. Sistematicamente ignoram o bem estar e os interesses de quem vive no centro da cidade e mostram-se mais preocupados em beneficiar os que vêm de fora, seja por um fim de semana ou todos os dias. Se a oposição, para se mostrar, está à espera que as flores dos canteiros plantados à pressa desabrochem na primavera e iludam os incautos, a coisa não vai correr bem.  A Lisboa de Medina é artificial, asséptica, sem vida nem calor, um lindo jardim para ser passeio de visitantes ocasionais e um inferno para quem cá vive. Quererá Medina que a cidade fique ainda mais desertificada e perca ainda mais habitantes? O destino de uma cidade como Lisboa não pode ser traçado por quem não se preocupa em a deixar viver e gosta mais de compôr cenários do que em resolver problemas.

 

SEMANADA -  O número de turistas chineses a visitar Portugal tem aumentado, registando-se no início deste ano um acréscimo de 44% face ao mesmo período do ano passado; a média das compras efectuadas por cada turista chinês é de 600 euros; em Outubro, 36% das páginas dos sites auditados pela Marktest foram acedidas através de equipamentos móveis e 64% através de PC’s; a dívida dos quatro maiores grupos de mídia portugueses ascende a 470 milhões de euros; a receita das câmaras municipais com taxas e impostos em 2015 alcançou o valor mais alto da última década; Cascais é o município onde os impostos e taxas têm maior peso na receita; a zona do Chiado subiu no ranking das zonas mais caras do Mundo e está agora na 34ª posição de uma lista liderada pela 5ª Avenida, de Nova Iorque; as famílias portugueses viram o prazo de pagamento do subsídio parental aumentar em média para dois meses; a dívida pública portuguesa bateu um novo recorde: em Setembro escalou para 133,1% do PIB, o valor mais alto de sempre; em termos de percentagem do PIB a dívida portuguesa é a quinta mais alta do mundo; António Costa diz que o PS devolveu o país à normalidade no meio de um mundo de incertezas; Marcelo Rebelo de Sousa afirmou que Portugal soube reencontrar a estabilidade e construir confiança e defendeu a necessidade de um projecto nacional de médio e longo prazo; depois de ver a capa do Expresso on line na madrugada de sábado António Costa fez publicar um twitter a desmentir a manchete do jornal sobre o salário mínimo.

 

ARCO DA VELHA - O PS propôs que os membros de executivos municipais e os presidentes de juntas de freguesia façam parte da lista dos titulares de cargos políticos que não serão punidos caso o dinheiro público seja mal gasto e, para colocar a cereja em cima do bolo, António Costa prometeu mais meios e mais poderes aos autarcas.

livro lx.png

FOLHEAR - O início da década de 80, em Lisboa, foi marcado por uma geração que se tornou adulta depois do 25 de Abril de 1974, que viveu os anos da brasa, que terminou os seus estudos e começou a trabalhar. Esta geração já não tinha tido a experiência da guerra, mas vivera no fim da adolescência o que se chamava de revolução. Fora moldada no desafio às regras e entrou de peito feito numa sociedade que já se abrira e estava a desenvolver-se, com a Europa no horizonte mas livre das suas baias que hoje nos condicionam. A confluência de uma geração com um tempo específico e uma oportunidade gerou uma explosão de criatividade na música, nas artes plásticas, no cinema, na imprensa, na rádio, em toda a comunicação, e, claro, também na economia. Para quem a viveu por dentro a década de oitenta foi a mais espectacular de Lisboa - tudo era possível e muita coisa se fez. Revisitar essa década é um exercício ainda difícil porque vai chocar com as memórias próprias de cada um, por enquanto muito vivas. Joana Stichini Vilela e Pedro Fernandes tinham já feito dois livros, dedicados às décadas de 60 e 70 e agora arriscaram a década de 80. O trabalho de pesquisa continua a ser minucioso, a recolha de depoimentos, factos e imagens permanece exemplar, mas nalgum ponto perdeu-se o distanciamento e sente-se por vezes o condicionamento das influências de quem quer moldar a história, mais do que nos livros anteriores. Com esta ressalva “LX 80 - Lisboa entra numa nova era” é um testemunho de um tempo em que o Chiado ardeu, as Amoreiras nasceram e a cidade começou a ser intensamente vivida pelos seus habitantes - o que hoje é cada vez mais difícil. LX 80 - Edição D. Quixote/Leya.

 

FullSizeRender (19).jpg

VER - Pedro Chorão nasceu em 1945, estudou biologia em Inglaterra e começou a interessar-se pela pintura já depois de fazer 20 anos. Nos anos 70 estudou na Escola Superior de Belas Artes e as suas primeiras exposições datam dessa altura. Pela primeira vez é possível descobrir o conjunto da sua obra, graças a duas exposições sob o título genérico “O Que Diz A Pintura, obra entre 1971 e 2016”. No Torreão Nascente  da Cordoaria Nacional está um conjunto de obras a que deu o título de “Corpo a Corpo” e na Fundação Carmona e Costa está outro conjunto de obras sob a designação “A Torto E A Direito”. As duas exposições são complementares e permitem apreciar facetas diferentes da actividade do artista. No vasto espaço da Cordoaria é possível apreciar de forma clara a evolução desde os tempos de estudante de Belas Artes até obras já deste ano e no conjunto permito-me destacar um grupo de trabalhos de 1987, ali titulado “um ensaio fotográfico”, todo ele focado no Alentejo, que Chorão diz ser a região que mais lhe interessa em Portugal “pela simplicidade plástica, tanto na forma como na cor” (na imagem). Na Fundação Carmona e Costa o destaque vai para o trabalho de colagens, marcante numa fase da carreira de Pedro Chorão, e que evidencia como no panorama nacional ele estava à frente do seu tempo. A exposição da Cordoaria é imperdível e fica até 19 de Fevereiro e a da Fundação até 7 de Janeiro.

Outras sugestões: na Galeria Fonseca Macedo, em Ponta Delgada,  Backstage Of An Island, de Miguel Palma. Teresa Gonçalves Lobo mostra no seu atelier do Funchal e em Lisboa, na Galeria das Salgadeiras, “Entre Nós”, uma exposição de desenho, instalação e fotografia a partir da obra de Herberto Hélder. Para terminar a Galeria Vera Cortês mudou de sítio e da 24 de Julho passou para Alvalade,  Rua João Saraiva 16, 1º. A exposição inaugural do novo espaço é “Attempting Exhaustion” de Daniel Blaufuks, até 14 de Janeiro.

image (62).png

OUVIR - O meu disco da semana é “Legacy”, uma colectânea de David Bowie que em dois CD’s,por ordem cronológica, reúne quatro dezenas de canções que revisitam os melhores momentos da sua carreira discográfica - de “Space Oddity a “Ashes To Ashes”, passando por versões de temas que tiveram convidados tão especiais como os Queen (“Under Pressure”), Pat Metheny (“This Is Not America”), Mick Jagger (“Dancing In The Street”) ou Pet Shop Boys (“Hello Spaceboy”). Destaque igualmente para uma nova mistura de “Life ,On Mars” ou o muitas vezes mal ignorado “Drive-In Saturday”.

Na senda de redescobrir velhos discos, trago a notícia de uma reedição de “The Last Waltz”, um duplo CD que registou o concerto de despedida de The Band, a 25 de Novembro de 1976, em São Francisco, portanto há 40 anos. Entre os convidados estavam Dylan, Clapton, Neil Young, Van Morrison e Joni Mitchell, entre outros. É curioso estas duas edições - a de Bowie e a The Band serem agora lançadas ao mesmo tempo. Trazem-nos de volta a outros tempos, mas servem também para mostrar como há sempre quem faça música que nunca envelhece e que fica uma referência.

 

PROVAR -  Já se sabe que a Mealhada é a zona por excelência do leitão à moda da Bairrada, mas muitas vezes pensa-se que é tudo igual e, na verdade, não é. Seguindo uma recomendação amiga experimentei há pouco “O Rei dos Leitões”, um restaurante amplo que existe desde 1947 mas que há poucos anos foi alvo de remodelações profundas, que o tornaram mais confortável. Se as obras foram de feição a mudar o que dantes existia, na cozinha manteve-se a boa tradição e uma excelente qualidade, que se estende muito para além do leitão e dá cartas em pratos tradicionais como a chanfana ou noutros mais inesperados na região, como excelentes pratos de peixe e de marisco - de bacalhau a Nero dos Açores. Mas o leitão foi o que lá me levou e, pelo que provei, levará mais vezes. Perfeito, temperado como deve ser, assado no ponto, acompanhado de excelentes e frescas batatas fritas e salada bem apresentada. No couvert a manteiga proposta é a Marinhas, uma produção artesanal e de superior qualidade. de Esposende. A rematar um pastel de Tentúgal que foi boa companhia para o café. A lista de vinhos mostra uma garrafeira soberba, para todos os gostos e bolsas, com o Dão bem representado e os frisantes locais bem escolhidos - se quiser algo mais a carta de champagnes e espumantes é também assinalável. Nota final para o conforto das mesas e cadeiras, para a excelente insonorização que permite uma refeição tranquila mesmo com o restaurante cheio e para o serviço atencioso, eficaz e conhecedor. O "Rei dos Leitões" fica no nº17 da Avenida da Restauração, na Mealhada, tem um amplo parque de estacionamento próprio e o telefone é o 231 202 093. Encerra às quartas-feiras.

 

DIXIT -  “Fair Play? Isso para mim não existe, é tudo treta” - Jorge Jesus, treinador do Sporting.

 

GOSTO - Pedro Borges, da Midas Filmes, ganhou com o seu Cinema Ideal o prémio de melhor empreendedor da Associação Europa Cinemas. Esta semana tive o prazer de ir lá ver o magnífico “Ela”, de Paul Verhoeven, com Isabelle Huppert.

 

NÃO GOSTO -  Dos ataques anti semitas verificados em Portugal contra figuras públicas que visitaram Israel.

 

BACK TO BASICS - “Hegel tinha toda a razão quando disse que na História aprendemos que o Homem nunca aprende nada com a História” - George Bernard Shaw

 

www.facebook.com/mfalcao

instagram: mfalcao

twitter: @mfalcao

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:30

IMG_3971.JPG

OUTRAS ELEIÇÕES - Se pensam que a única campanha que está a decorrer é a das Presidenciais, estão muito enganados. Por numerosas escolas deste país decorrem campanhas eleitorais para as respectivas Associações de Estudantes. Circunstâncias familiares levaram-me a ter contacto com uma delas, no caso as eleições para a Associação de Estudantes do Colégio Moderno, em Lisboa. A coisa que mais me surpreendeu, pela positiva, foi como estas eleições, as primeiras em que muitos são chamados a votar, são encaradas como um incentivo à participação das pessoas em processos de decisão. A minha neta mais velha explicou-me que o Colégio acompanha e  incentiva o processo eleitoral, ajuda que se promovam debates entre as listas e que os alunos percebam bem a diferença entre elas; e a irmã, mais nova, fez-me saber que nos boletins de voto não se deviam desenhar corações nem smiles ou deixar outros escritos, mas apenas fazer a cruzinha no sítio certo, para que o voto não seja anulado. As diversas listas têm manifestos eleitorais bem construídos, na maioria com reivindicações adequadas à situação, que vão da prática desportiva à rádio interna da escola. Uma das listas, ecologista, defende que se use mais papel reciclado, por exemplo nos testes. Várias apresentam, nos seus folhetos de propaganda, as indicações das contas de facebook, instagram e snapchat onde as respectivas actividades de campanha podem ser seguidas - e estão assim anos luz mais avançadas que vários candidatos presidenciais. Mas o ponto essencial é este: estas eleições não são encaradas como apenas uma disputa, mas como uma aprendizagem da importância da participação das pessoas na vida colectiva. Espero que a percentagem de abstenções na escola seja baixa e que os alunos vão votar - e ainda acalento a esperança que os candidatos das outras eleições, as presidenciais, percebam que os seus discursos e as suas acções ignoram e deixam de lado o segmento daqueles que agora têm entre 18 e os 25 anos, os que nasceram na última década do milénio passado e já cresceram a ver o mundo de maneira digital. Mas na maioria dos casos o que vejo é a réplica do que passa nas televisões, nas rádios e nos jornais, com uma forma de comunicação que não os cativa. A maioria dos candidatos presidenciais comunicam para os que já estão convertidos, não dão um passo para procurar que novos eleitores votem. E isto faz-me muita impressão. Depois não digam que a abstenção é um problema.

 

SEMANADA - Os filmes portugueses estreados em 2015 foram vistos por 904 mil espectadores, o valor mais elevado desde 1975; ao longo do ano passado registaram-se 14,5 milhões de espectadores nas salas de cinema de todo o país; em Portugal a escuta de música em streaming cresceu 60% em 2015; os pilotos de aviação alertam para o perigo de haver maior numero de pássaros na segunda circular, nas imediações do aeroporto, se o plano de arborização do local fôr para a frente;  a Comissão Europeia exigiu que os activos problemáticos do Banif sofressem uma desvalorização de 66%, contra os 50% propostos pelas autoridades nacionais, agravando assim o prejuízo do banco em 400 milhões de euros; em oito anos o Estado injetou dinheiros públicos em sete bancos; as ajudas do Estado a bancos portugueses já superaram o montante do resgate da troika; o petróleo desceu esta semana abaixo dos 30 dólares por barril; de Janeiro de 2015 até agora o petróleo caíu 31,6% mas a gasolina subiu 3%; a Bolsa de Lisboa teve nesta semana o pior ciclo de quedas desde 2011; até 2025 estima-se que 26% das oportunidades de emprego sejam na agricultura; um estudo recente aponta que os doentes que são internados de urgência num hospital ao fim de semana têm um risco de morte mais elevado; CGTP, PCP e BE reivindicam semana de 35 horas também para o sector privado e ameaçam o seu Governo de Costa com uma greve geral; Francisco Louçã tomou posse como Conselheiro de Estado.

 

ARCO DA VELHA - Segundo o jornal “i”, o cirurgião Eduardo Barroso terá vetado a primeira escolha do Ministro da Saúde, levando-o a desconvidar os novos responsáveis hospitalares da região de Lisboa que tinham sido inicialmente convidados por aquele membro do Governo e que desagradavam ao cirurgião.

 

Inline image 1

FOLHEAR - Um dos livros que ultimamente entrou no meu dia-a-dia é “A Dieta Ideal - receitas familiares e saborosas”, de Francisco José Viegas. Conhece-se a devoção do autor à boa cozinha portuguesa, a sua escolha de restaurantes que a praticam, mas também o prazer que tem em cozinhar para amigos. São receitas dessas incursões na cozinha que aqui estão, explicadas de maneira simples, a maioria de origem nacional a evocar sabores e tradições familiares, mas também umas quantas de inspiração estrangeira, sobretudo italiana. A sua actividade como crítico de restaurantes valeu-lhe um prémio da Academia Portuguesa de Gastronomia e a sua actividade de escritor levou a que um dos heróis dos seus policiais se deliciasse também com petiscos. Desde ervilhas com ovos, ao cozido à portuguesa, passando pelo empadão de carne, um arroz de romã com frango de escabeche (os arrozes são uma das perdições do autor…), um cuscuz com salmão fumado e legumes ou ainda uma massa com feijão, até uns ovos rotos com azeite de trufa, aqui se encontram receitas para todas as ocasiões, seja de entradas ou pratos principais. A culinária, diz o autor na introdução do livro, é uma invenção decisiva da nossa civilização. Esta “Dieta Ideal” fez-me lembrar um dos livros que também consulto com regularidade - “The Family Meal, home cooking with Ferran Adriá”, o livro onde o Chef do extinto El Bulli relatava os cozinhados que eram feitos diariamente para a equipa do seu restaurante, destinados à refeição partilhada por toda a equipa - com zero molecular e muita tradição. Com livros assim nem apetece ir comer fora.

 

Inline image 1

VER - Esta semana tive a sorte de ver duas exposições que me marcaram.  A primeira é uma surpreendente mostra de pinturas de Rui Sanches, que tem tido essencialmente uma actividade regular, e marcante, na área da escultura. Estas obras, a que chamou “suite alentejana”, numa referência ao atelier onde as trabalhou e que fica na sua casa no Alentejo, foram  inicialmente expostas no Porto, em 2013, na Galeria Fernando Santos, e chegam agora a Lisboa, ao espaço da Fundação Portuguesa das Comunicações, por iniciativa da Giefarte, até 12 de Março  (Rua do Instituto Industrial 16). A utilização da côr, a criação de um espaço a duas dimensões bem diferente daquilo a que as suas esculturas remetem são elementos dessa surpresa (ver imagem no início desta coluna). A outra exposição é um conjunto de trabalhos em papel de José Pedro Croft, que está na Galeria João Esteves de Oliveira até 11 de Março (Rua Ivens 38). São cerca de três dezenas de obras, entre originais e múltiplos de pequena tiragem, sob o título genérico “Espaços de Configuração” (na imagem). Estes trabalhos, aparentemente simples, são uma prova de que é  precisamente na simplicidade que melhor se distingue o poder da criatividade - mesmo quando baseada em coisas tão elementares como linhas, formas, volumes. E, claro, com uma cuidadosa utilização dessa distração que pode ser a côr.

 

 Inline image 1

OUVIR - Sinto-me um pouco vampiro a escolher para disco da semana “Blackstar”, a derradeira obra de David Bowie - até porque o essencial do que havia a dizer foi bem escrito neste jornal por Fernando Sobral. Mas, independentemente da evidência, hoje incontornável, de que o álbum foi pensado e produzido como uma carta de despedida, ele é sobretudo um testamento artístico - a indicação do caminho musical que Bowie achava interessante explorar. É curioso porque há aspectos do disco que fazem lembrar alguns pontos do início da sua carreira, nomeadamente nos arranjos e na utilização do saxofone, particularmente em “Tis a pity she’s a whore”. Mas é curioso também observar a diferença entre a edição original em single do tema “Sue (or the season of crime)”, lançado em 2104, com a nova versão, bem diferente , incluída no álbum - muito mais elaborada e homogénea, e que abre pistas sobre a forma como ele via a evolução da sua música. Um ponto importante do disco é a própria escolha do núcleo musical, o trio de Donny McCaslin, saxofonista e um importante músico de jazz de Nova Iorque, que Bowie conheceu através da sua amiga, igualmente música de jazz, Maria Schneider - que também tem uma participação no disco e que foi, sabe-se agora, uma conselheira musical regular de Bowie nos últimos tempos. A intensidade e originalidade do disco, independentemente do dramatismo das suas circunstâncias, evoca o período em que Bowie e Eno colaboraram em Berlim. “Blackstar” afasta-se do pop, larga amarras no jazz e mesmo a faixa mais tradicional, digamos, “Girl Loves Me”, sai da sua zona de conforto.  Para além da simbologia de “Lazarus”, ou da mensagem de preocupação com o estado do mundo da faixa-título de abertura, estou em crer que é na derradeira canção, “I Can’t Give Everything Away”, na forma como ela foi escrita, construída e cantada, que está verdadeiramente o recado de Bowie: “Saying no but meaning yes, this is all I ever meant, that’s the message that I sent”.

 

DIXIT - “A higiene na Roma antiga não evitou as lombrigas e outros parasitas” - título de um artigo do “Público”.

 

GOSTO - A livraria Lello, do Porto, que celebrou esta semana 110 anos de existência e que nos últimos seis meses vendeu uma média diária de 512 livros.

 

NÃO GOSTO - O novo Ministro da Educação mudou todo o sistema de avaliação depois de já ter passado um período escolar e sem antes dialogar com representantes dos pais ou das direcções das escolas.

 

BACK TO BASICS - “À medida que envelhecemos tudo se resume a duas ou três questões: quanto tempo nos resta, o que é que vamos fazer e como o faremos” - David Bowie

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:22

PORTUGAL - Duas décadas de desvario vão custar-nos outro tanto tempo para recuperarmos de tudo aquilo em que nos deixámos enredar - seja a Europa, seja a inconsciência local. As PPP’s, de que tanto se fala, são um bom exemplo de fazer vista com dinheiro alheio, de comprar jóias a crédito que irão ter pouco uso. Hoje, já percebemos que é assim: endividámo-nos por soberba. Deixámo-nos, todos, cair na tentação. As PPP’s são o melhor retrato de um país que, mais do que de negócios, gosta de negociatas. Se olharmos bem para a nossa História vemos muitos negociantes, comerciantes espertos, vendedores de especiarias,  de volfrâmio, ou do gás natural que o Ministro do Canadá diz que vai extrair no Algarve. No fundo andamos todos à espera que saia um euromilhões ao país. Poucos são os empresários portugueses que preferem criar, inovar, desenvolver e fabricar, a comprar e a vender. O comércio está-nos na alma e é isso que lá vamos fazendo. O pior é quando vendemos o país ao desbarato ou quando vendemos ilusões uns aos outros. É o que tem acontecido, com a benção de Bruxelas e as negociatas à sombra dos partidos instalados. No Correio da Manhã, Paulo Pinto de Mascarenhas escreveu que PPP’s quer dizer “Portugueses Pagam Políticos”. Tudo indica que tem razão.


SEMANADA - A derrapagem nas PPP do sector rodoviário pode chegar aos nove mil milhões de euros; o Estado já assumiu mil milhões de euros em perdas com “swaps”; há mais de 12 milhões de indivíduos, no mundo inteiro, com um património superior a um milhão de dolares; segundo a Caritas, o risco de pobreza afecta 23,5% da população portuguesa; Silva Peneda, Presidente do Conselho Económico e Social, considerou, numa comissão parlamentar, que o cenário macroeconómico do orçamento rectificativo, já aprovado, é irrealista e sublinhou que o programa de ajustamento tem corrido mal; em 2012 mais de 120.000 portugueses abandonaram o país em busca de trabalho na emigração, mais 20% que no ano anterior; o poder de compra dos portugueses está 25% abaixo da média europeia; a emissão de Bilhetes de Tesouro registada esta semana foi emitida com juros mais altos que em Maio do ano passado; em termos de receitas, a Liga portuguesa de futebol está ao nível da Liga da Ucrânia; António Costa vai deixar de ter Helena Roseta como vereadora e passou-a para a Assembleia Municipal de Lisboa; António Costa designou o deputado do PS Fernando Medina como seu sucessor na Câmara Municipal; António Costa nomeou Mega Ferreira para a direcção da Orquestra Metropolitana de Lisboa; António Costa criou um novo cargo, Provedora do animal, e atribuíu-o à ex-deputada do PS Marta Rebelo;  por este andar qualquer dia António Costa pode anunciar que há um provedor das bicicletas; Cavaco Silva decidiu não desistir do processo contra Miguel Sousa Tavares por causa das analogias entre o Presidente e uma actividade circense.


ARCO DA VELHA - Na mesma semana em que Paulo Portas apresentou a sua moção de estratégia ao Congresso do PP, na qual defende a baixa do IRS ainda na actual legislatura, e em que vários digirientes do PP confessaram “profunda incomodidade” com os resultados do Governo, o Ministro Poiares Maduro considerou que a coligação do Governo “é muito coesa” e Passos Coelho afirmou não ter um calendário para a descida do IRS.

VER - Estava cheio de curiosidade em ver a nova Photographer’s Gallery, em Londres, no Soho, perto de Oxford Circus, que abriu, renovada, este ano. Data originalmente do início dos anos 70 e é,  como se diria aqui, uma iniciativa da sociedade civil, aliás de uma pessoa, Sue Davies - com apoios de diversas entidades, umas públicas, outras, mais numerosas, privadas, desde empresas de consultoria a empresas industriais. É uma daquelas coisas que não existe, por enquanto, em Portugal. Há galerias e espaços disto e daquilo, de umas marcas e de outras, mas não há muitos espaços de iniciativa privada que consigam reunir apoios institucionais diversos - e do próprio público que contribui - para se desenvolverem. Gostei muito da nova galeria, do seu espaço, de iniciativas como a “What Do You See?”, onde se pede para cada visitante que queira expressar o que sentiu a olhar para a única fotografia que está exposta naquela sala. De todas as exposições, e eram várias, a que mais me intertessou foi a de Chris Killip - “What Happened - Great Britain 1970-1990”, em que o autor retrata como era a vida em comunidades que estavam a passar pela desintegração da velha sociedade industrial.  Mas, lá como aqui, a fotografia é território de polémica, entre os que olham para a realidade e os que preferem a fantasia ou a manipulação da técnica. De qualquer forma, a verdade é que os vários lados desta história estão nesta galeria. (Ramillies Street 16-18)


 

FOLHEAR - Em boa companhia, estive uma hora na fila, uma hora a fazer horas para entrar, e um bocadinho mais de duas horas a visitar a exposição. Não me arrependo de um único segundo gasto nesse dia. Já antes, para prevenir o excesso de peso na bagagem de regresso, tinha encomendado, e recebido, o catálogo da exposição. Estou a falar de “David Bowie Is Here”, que até Agosto está no Victoria & Albert, cada vez mais um dos museus incontornáveis do Reino Unido. De maneira que quando voei para Londres, com Bowie na mira, já o tinha bem folheado em casa, e levava na cabeça a frase na dupla página do começo: “I opened doors that would have blocked their way, I braved their cause to guide, for little pay”. O catálogo tem um nome diferente da exposição, um pequeno jogo de palavras: "David Bowie is Inside" - são cerca de 300 páginas, editadas pelos curadores da exposição, e que, tanto quanto possível num livro, fazem justiça à exuberância visual e tecnológica que nos permite percorrer a carreira de Bowie, as suas manias, as suas obsessões, as suas paixões. No fim, um quase concerto, em surround, um momento de transição, antes de voltar à rua. A tecnologia, nesta exposição, é admirável e permite uma experiência única. Mas este livro, que se pode encomendar pela Amazon por 24 libras, permite-nos ter uma ideia de tudo o que se mostra no Victoria & Albert. E a mim vai-me servir de memória de um dia de descoberta.


OUVIR- Na vida de qualquer grupo rock e pop decente o primeiro disco deve ser bom, o segundo um desafio e, o terceiro, a redenção. “Modern Vampires Of The City”, o novo e terceiro álbum dos Vampire Weekend, encaixa-se que nem uma luva nesta descrição. Aqui está uma bela colecção de temas, alguns com arranjos e vocalizações inesperadas, a romper com os discos anteriores. Há boas canções, uns toques de ironia nas letras, poderia quase falar em rebeldia, mas mais não digo - desde que sei que o ex-Ministro da Defesa e da propaganda socrática, Santos Silva, está a investigar, numa Universidade onde pontifica, o movimento punk em Portugal, o qual considera pouco proletário, ando a pensar em desistir de escrever sobre música. Já me chegam as PPP nas estradas, escuso de me aborrecer mais com assuntos destes. Não é? Mudando de conversa, e para não enjoar, não perdem nada em ouvir este disco. Tem mesmo cantigas atrevidas.


PROVAR - Aviso já que hoje falo para carnívoros - vegetarianos e fanáticos de aquários podem abster-se. O assunto aqui é carne, de várias origens e com vários corte e temperos. O Talho é uma aventura de Kiko Martins e, se de um lado serve carne crua para levar para casa e cozinhar, do outro é um agradável e bem decorado restaurante, com uma espaço confortável (uma acústica perfeita), e boas surpresas na confecção de vários géneros de carne. Há um menu de almoço mais económico, há sempre uma proposta de hamburguer do mês - por estes dias é o hamburguer manjerico, com manjericão e parmesão. Num belo jantar o rosbife asiático marcou pontos, assim como a vitela maronesa. E o serviço também merece destaque. (Rua Carlos Testa 18, frente ao El Corte Ingles, é a rua que sai do Largo de S. Sebastião da Pedreira). Telefone 213 154 105.


DIXIT - “Quando o mar bate na rocha, quem se lixa é o mexilhão”, Bartoon, sobre a greve dos professores


GOSTO- Da inovação de uma rolha de cortiça de enroscar desenvolvida em Portugal pela Amorim.


NÃO GOSTO - Do surto de nomeações camarárias de António Costa.

BACK TO BASICS - Não sou obrigado a acreditar que o mesmo Deus que nos terá dado a razão e o intelecto se esqueceu de nos ensinar a utilizá-los - Galieleo Galilei

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:11


Mais sobre mim

foto do autor



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2005
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2004
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2003
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D