Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


IMG_0506.JPG

FUTEBÓIS - Quando frequentei o Liceu Camões fui aluno do Professor Magalhães, no tempo em que a Educação Física tinha o nome de ginástica. Ele não se cansava de nos dizer que o desporto era um escola de respeito pelo outro, de competitividade, honestidade e perseverança. Mais tarde, em alguns desportos que pratiquei, essa ideia era uma constante - a começar pelas artes marciais japonesas, baseadas no saber, no treino e na honra. Como Fernando Sobral escreveu no seu livro “Futebol, o Estádio Global”, editado no ano passado nos ensaios da Fundação Francisco Manuel dos Santos, “houve um tempo em que o futebol era um prazer barato que se jogava ao domingo, e não era difícil que alguém se apaixonasse por aquele jogo de regras simples, com artistas que fintavam os adversários e marcavam golos”. Noutro ponto do mesmo livro surge uma frase que resume a capacidade de atracção do futebol: “a transformação deste desporto em espectáculo de massas deve muito a factos, mas também ao inexplicável: a magia de um pé direito, o génio de um guarda-redes, as superstições de balneário”. A transformação do futebol num espectáculo de massas, disputado por estações de televisão e por marcas, mudou muita coisa. Os negócios à volta do desporto profissional vieram trazer um mundo novo, onde tudo é permitido e onde se criou uma casta de dirigentes, sem honra nem princípios, envolvidos em actividades estranhas e com atitudes de tiranetes. O desporto, em qualquer modalidade, devia ser um exemplo para a educação dos mais novos, mas os responsáveis dos principais clubes estão a transformar o popular futebol numa escola de crime organizado e de vigarices encapotadas. Os acontecimentos mais recentes nos grandes clubes nacionais são reveladores disto mesmo. E é preciso dizer que o conluio dos políticos com o futebol e a sua subserviência à influência eleitoral dos clubes pioram ainda mais as coisas. O mundo do futebol é hoje em dia um mau exemplo. Um local pouco recomendável.

 

SEMANADA - Nove torres da penitenciária de Lisboa estão sem vigilância 14 horas por dia; o sistema de saúde dos militares das forças armadas jé tem um buraco de 70 milhões, tendo aumentado o défice em 32% face a 2016; a secretaria de estado da Habitação reconhece que há mais de 25 mil famílias com carências habitacionais graves; o voo directo Pequim-Lisboa trouxe mais 74 mil turistas chineses em 2017, um aumento de 40% em relação ao ano anterior; durante o ano de 2017 a GNR registou 134 acidentes envolvendo animais na estrada; a produção automóvel em Portugal duplicou em Janeiro e a variação deveu-se à Autoeuropa; a campanha de cereais de inverno será a pior dos últimos cem anos em consequência de um mês de janeiro quente e seco; segundo o Tribunal de Contas foram pagos indevidamente mais de 200 milhões de euros pelos organismos responsáveis pela atribuição de fundos europeus na agricultura e pescas; o tempo de espera para cirurgias relacionadas com a obesidade tem vindo a aumentar e o número de hospitais que a realizam tem vindo a diminuir; há mais de 1700 doentes à espera de vaga nos cuidados continuados e no último ano a lista aumentou em 500 pessoas; no mesmo fim de semana do congresso do PSD Maria Luís Albuquerque deu uma entrevista onde admite candidatar-se à liderança do partido se Rui Rio não vencer as próximas legislativas.

 

ARCO DA VELHA - Segundo os responsáveis autárquicos lisboetas na Avenida da Liberdade um plátano foi chocar com um autocarro de turistas e a culpa do sucedido não consegue ser apurada. Para resolver o problema cortou-se a árvore pela raiz.

 

image.png

FOLHEAR -  A revista FOAM é integralmente dedicada à fotografia, nas suas diversas formas, e publica-se três vezes por ano, em Amsterdão, pelo Foam Fotografiemuseum. Cada edição é dedicada a um único tema e o mais recente é “Back To The Future”, com o subtítulo “O século dezanove no século vinte e um”. Com um grafismo cuidado e muito bem impressa, a revista tem ganho diversos prémios e nesta edição dedicada ao Futuro o destaque vai para artistas contemporâneos que adoptam, retomam, reciclam e reinterpretam temas, técnicas e ideias do século XIX, com recurso a técnicas digitais, novos materiais e assuntos actuais. “Com a utilização das mais recentes tecnologias digitais a fotografia afasta-se cada vez mais da noção tradicional que existia sobre ela e está a entrar num mundo de imagens geradas por computador, realidade aumentada e esferas virtuais; simultaneamente, no extremo oposto do espectro, vemos um ressurgimento de interesse nos anos pioneiros da fotografia e um número significativo de jovens fotógrafos estão a trabalhar com técnicas antigas, utilizando-as agora de forma contemporânea e criando uma prática artística relevante” - sublinha Marloes Krijnen, que dirige a revista, no seu editorial. Hoje em dia a matéria prima da fotografia passa por computadores e impressoras 3D, além da luz, materiais foto-sensíveis, emulsões e processos químicos que caracterizavam a imagem fotográfica até ao final do século XX. E esse é o tema desta excelente edição da FOAM, disponível na Loja Manifesto em Matosinhos e na Under The Cover em Lisboa.

 

unnamed.png

VER - Muitas vezes há pessoas que olham para peças de arte contemporânea e pensam:  “eu era capaz de fazer isto”. Ou, vendo uma instalação, interrogam: “onde é que aqui está a arte ?”. Joseph Beuys (1921-1986) foi um dos mais proeminentes artistas europeus do pós guerra e combinava uma enorme capacidade criativa com uma atitude de provocação assumida, baseada na sua intenção de fazer as pessoas reagirem à sua obra. Foi pelo desenho que começou, mas foram as esculturas, as instalações e as performances que realizou que lhe deram maior projecção. No fundo ele próprio era quase parte da obra que concebia e hoje em dia, quando vemos algumas das suas peças expostas num museu, percebe-se que na sua ausência elas têm um significado diferente - como aliás acontece com a obra de muitos artistas conceptuais. O documentário “Beuys”, de Andres Veiel, em exibição no Nimas, é baseado em material de arquivo, fotografias e filme, e salienta o lado da importância da consciência social no seu trabalho e na sua vida. Para Beuys a criatividade estava no centro de todos os aspectos da existência humana e este documentário ajuda a conhecer melhor o que ele fazia e porque o fazia.  Outras sugestões: no Atelier-Museu Júlio Pomar, em Lisboa, obras dos artistas Júlio Pomar, Rita Ferreira e Sara Bichão estão reunidas na exposição “Chama”, com curadoria de Sara Antónia Matos, e que dá seguimento ao programa do Atelier-Museu, que procura cruzar a obra de Júlio Pomar com outros artistas. Na Guarda, Pedro Calapez está na Galeria de Arte do Teatro Municipal da Guarda com a exposição "Acordo de Noite Subitamente". E na Galeria Ratton, em Lisboa, Jorge Martins mostra o seu trabalho sobre quatro painéis de azulejo.

 

image (1).png

OUVIR - Quase se consegue sentir a voz de Elis Regina a envolver-se com o saxofone de Andy Sheppard na versão do clássico “Romaria” que dá o título ao mais recente disco do saxofonista, editado em Fevereiro pela ECM (disponível no Spotify). Sheppard é um saxofonista britânico e para o seu novo disco foi de novo buscar nomes com quem já tinha trabalhado em estúdio e em digressões: o guitarrista norueguês Eivind Aarset, o baixo francês Michel Benita,  e o baterista escocês Sebastian Rochford. Sheppard distingue-se pela subtileza da forma como toca e pela simplicidade dos arranjos - que leva os músicos a percorrerem atmosferas calmas, deixando espaço ao silêncio. “And A Day…”, o tema de abertura dos oito que integram este novo disco, é um exemplo do ambiente de sobriedade que Sheppard e os seus músicos constroem. Dois temas surpreendentes são “Pop” e “They Came From The North”, além da bela balada “Every Flower That Falls”, que  foi originalmente escrita por Sheppard como uma banda sonora imaginada, tocada ao mesmo tempo que era exibido o filme Metropolis, de Fritz Lang, numa edição do Festival de Jazz de Bristol. A última faixa, “Forever…” retoma as sonoridades e o ambiente musical da faixa de abertura de que, é, na realidade, a continuação.


PROVAR - Após uma primeira visita à zona da mercearia do Fiammetta, em Campo de Ourique, experimentei poucos dias depois o restaurante, ao almoço. Além da carta (já lá iremos) há sugestões do dia - que passavam no caso por uma sopa de tomate, uns penne de massa fresca com alcachofras e pancetta - que acabou por ser a opção. Devo dizer que há muito não provava uma massa tão cuidadosamente confeccionada e absolutamente no ponto de cozedura. A combinação das alcachofras com a pancetta funcionou às mil maravilhas. Para acompanhar veio um copo de tinto sugerido também como opção do dia, o Santa Cristina Tinto, da Toscana, que desempenhou muito bem. Da mesa onde fiquei tinha uma vista privilegiada sobre o balcão dos queijos e fumados, que tem também massa fresca, do dia, para levar para casa, de várias categorias. E na cave está a mercearia de que já se falou aqui. Todos os dias há também um prosecco para alegrar os fins de tarde à volta de uns aperitivos (por exemplo uma tábua de enchidos e fumados). A sobremesa do dia era um bolo de cenoura, simples - mas como com o café vem um biscoito de amêndoa ficou o doce assim resolvido. Na lista fixa há outras possibilidades: bruschetas com tomate,  pancetta, crostini de mozzarella e prosciutto de Parma ou saladas caprese, burrata com nozes, pera e gorgonzola. Também há paninis com diversos recheios para um almoço mais rápido: presunto de parma com tomate e azeite de trufa, com mortadela, parmesão e azeite, ou com tomate cereja, mozzarella, alcaparras e azeitonas. As massas são feitas todos os dias no restaurante e podem ser pedidas entre as 12h30 e as 16 horas. Além do prato do dia há sempre tagliatelle com bolonhesa, massa rigatoni à carbonara, ou com pesto manjericão e pinhões. Nos doces o tiramisú já ganhou fama. Fiammetta, Rua Almeida e Sousa 20.

 

DIXIT - “Já estava com saudades de África” - Marcelo Rebelo de Sousa, ao chegar a São Tomé e Princípe

 

GOSTO - Portugal está entre os 20 países onde a mortalidade de recém nascidos nas quatro primeiras semanas de vida é mais baixa.

 

NÃO GOSTO - Portugal é vice-campeão em obesidade infantil e muitos alunos do 1º ciclo não fazem educação física.

 

BACK TO BASICS - “Tenho constatado que as pessoas sem vícios têm muito poucas virtudes” - Abraham Lincoln

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:15

IMG_0951.JPG

ÉPOCA - Este ano é com o Verão à porta que regressam as greves, depois de muitos meses de acalmia. Um amigo com quem almocei esta semana tem uma explicação, que me pareceu plausível, para a nova sazonalidade destas movimentações sindicais de peças fundamentais da administração pública, como o ensino e a justiça: o orçamento está em fase de preparação nos próximos meses e o objectivo dos parceiros do Governo é encontrarem mais dinheiro para a máquina do Estado. Estas greves são um sinal a António Costa e uma chamada de atenção a Centeno. Depois do cheque branco que o PCP e Bloco entregaram ao PS pós eleições de 2015, começam agora a vir as faturas. A grande incógnita está em saber o que a habilidade política de Costa conseguirá, estando os seus parceiros notoriamente nervosos e a quererem todos os dias mais uma fatia do bolo da recuperação das contas públicas. É tão engraçado ver como o estado de hibernação foi suspenso aos primeiros calores e como agora as coisas se vão agitando. O jogo tem permissas simples: Costa precisa de uma legislatura completa e com resultados visíveis em termos de cumprimento das regras europeias para tentar a maioria absoluta, ou um resultado que o deixe menos nas mãos do Bloco e do PCP. E os “compagnons de route” temem pelo seu eleitorado que começa a ficar irrequieto e acham que já é tempo de receberem o prémio de bom comportamento. Os próximos meses, até á entrega do Orçamento de Estado, vão ser muito curiosos de seguir.

 

SEMANADA - As mortes por overdose de drogas aumentaram na Europa pelo terceiro ano consecutivo e em 2015 atingiram 8400 pessoas; um estudo divulgado esta semana indica que o mercado das drogas ilícitas na União Europeia movimenta cerca de 24 mil milhões de euros por ano;  o laboratorio de polícia científica da Judiciária identificou em Portugal o aparecimento de 80 novas drogas em seis anos; em 2016, pela primeira vez em quatro anos, o Partido Socialista conseguiu um saldo financeiro positivo de 250 mil euros; a venda de casas penhoradas pelo fisco está a cair mais de 40% em comparação com o ano passado; entre 2007 e 2016 Portugal ganhou uma média de 40 mil novos cidadãos por ano, segundo um estudo do Observatório das Migrações que salienta que a maioria tem origem em países onde se fala português; o consumo de refrigerantes caíu com a nova taxa sobre produtos com açúcar e, no caso das bebidas mais açucaradas, a quebra foi de 72%; segundo a Marktest durante o mês de Abril  foram visitadas 298 milhões de páginas de sites de informação nacionais e o tempo total de navegação nestes sites superou as 4,8 milhões de horas, uma média de 1 hora e 28 minutos por utilizador, o que significa um aumento de 5.6% no número total de horas e de 12.8% no número de horas por utilizador, quando comparados com o mês homólogo do ano anterior; verificaram-se oito acidentes mortais com tratores em 15 dias.

 

ARCO DA VELHA -  Os professores marcaram greve para o dia em que se realizam exames de matérias que andaram a ensinar aos seus alunos.

 

FullSizeRender (35).jpg

FOLHEAR - Carlos Quevedo é o mais português dos argentinos. Nasceu em Buenos Aires em 1952 e, em 1978, renasceu em Lisboa depois de ter andado  por diversas paragens. E por cá ficou, a fazer teatro (encenou peças de Beckett, Ibsen e Pinter), dedicou-se à escrita, teve responsabilidades em “O Independente” e na “Kapa”, viu televisão para a “Visão” e de há alguns anos para cá apaixonou-se pela rádio - desde 2015 é o autor e produtor do programa “E Deus Criou O Mundo”, na Antena 1, onde procura fomentar o debate inter-religioso. Vai daí, pegou no conceito e no nome do programa e fez este livro, que aborda três das religiões historicamente mais representativas: o Judaísmo, o Cristianismo e o Islão. O livro tem uma abordagem histórica das origens destas religiões, a partir de um tronco comum, com origem em Abraão. Como Carlos Quevedo escreve, “só com o diálogo inter-religioso podemos conhecer o mundo diverso e semelhante dos homens de fé”. E sublinha: “Ter o mesmo Deus é o que os une, mas fazer a sua vontade na Terra parece ser a grande divergência”. O livro está organizado em quatro partes : as duas primeiras abordam o enquadramento das religiões, e a terceira mostra as posições que as três religiões têm sobre a vida dos crentes, na família, no casamento e no divórcio e, finalmente, como o judaísmo, o catolicismo e o islão encaram a morte. Este é um livro que permite descobrir os pontos comuns - e as diferenças - entre estas três religiões. “Conhecer os credos é conhecer a humanidade”, como Carlos Quevedo escreve já no final do livro.

 

FullSizeRender (34).jpg

 

VER - A recomendação da semana vai para o novo encontro proposto na Fundação Julio Pomar. Desta vez é entre o próprio Pomar e Pedro Cabrita Reis, que se encontram sob o título “das pequenas coisas”, numa exposição que ficará até 8 de Outubro no atelier-museu na Rua do Vale 7, no Bairro Alto. Esta série de encontros tem por objectivo cruzar a obra de Júlio Pomar com outros artistas por forma “a estabelecer novas relações entre a obra do pintor e a contemporaneidade” - o convidado anterior foi Julião Sarmento. “das pequenas coisas” recorre a objectos, esculturas e assemblages, em materiais variados. Pedro Cabrita Reis mostra uma série de esculturas e objectos feitos com materiais de várias proveniências, nomeadamente materiais encontrados na rua e na praia, ocupando todos os espaços do atelier-museu, incluindo o caminho de acesso do edificio recuperado por Álvaro Siza, que até aqui não tinha sido ainda utilizado como área expositiva. A informação da exposição salienta que “foi também na praia, durante um período de quatro meses de férias e trabalho no Algarve, no Verão de 1967, em Manta Rota, que Júlio Pomar começou a produzir assemblages de objectos e materiais aí encontrados, corroídos e desgastados pelo sal, pelo sol, pelo tempo”. A curadoria é de Sara António Matos, que é a directora do atelier-museu desde 2012. Outras sugestões: na Galeria Ratton - Helena Lapas expõe até final de Julho “Matéria do Tempo” (Rua da Academia das Ciências 2C); e até dia 18 ainda pode ver “Pai”, de Paulo Brighenti, na Ermida de Nossa Senhora da Conceição, Travessa do Marta Pinto, por detrás dos Pastéis de Belém.

 

E finalmente, num registo diferente, este sábado, às 16h00 mais uma sessão do ciclo “Grandes Clássicos no Grande Écran do Grande Auditório do CCB “ - no ecrã vai passar “Cleópatra”, o filme de Jospeh L. Mankiewicz com Elizabeth Taylor, de 1963, em nova versão digital restaurada.

 

image (99).png

 

OUVIR - João Gil tornou-se conhecido quando, em 1976, fundou os Trovante com Luis Represas, Manuel Faria e João Nuno Represas. Os Trovante fizeram canções que marcam a história da música popular portuguesa e João Gil compôs muita da sua música. Mais tarde criou os Moby Dick, compôs a Ala dos Namorados, esteve no projecto Rio Grande, Cabeças no Ar, Filarmónica Gil, depois os Baile Popular e o Quinteto Lisboa, entre outros. Grande parte da sua obra mais conhecida vem do tempo dos Trovante e da Ala dos Namorados. Luis Represas, João Monge, Carlos Tê são alguns dos co-autores das suas mais célebres composições. “João Gil Por…”, um duplo CD agora editado, recolhe 26 canções assinadas por João Gil, aqui interpretadas por outros nomes - 32 convidados para ser exacto. Permito-me destacar a maneira como Carlão e Lúcia Moniz reinventam a “125 Azul”, como “Tatanka” faz redescobrir “Fim do Mundo”, como Luísa Sobral dá a volta a “Postal dos Correios” ou Héber Marques canta “Solta-se o Beijo”. Destaque ainda para a simplicidade de Miguel Araújo em “Senta-te Aí”, para Jorge Palma em “Dezembro”, para Celina da Piedade (com o próprio João Gil) em “Timor”, e para João Pedro Pais e Márcia, respectivamente em “Providência Cautelar” e “Memórias de um Beijo”. Os discos de versões podem ser um exercício perigoso. Este correu muito bem. CD Warner.

 

PROVAR - Quando era miúdo não gostava nada de côco. Os bolos de côco enjoavam-me, o côco ralado fazia-me impressão. Foi graças ao caril que me reconciliei, através do leite de côco, fundamental para que o belo molho resulte. Aos poucos comecei a usar leite de côco em alguns pratos, como alternativa à nata. Esta semana, por exemplo, fiz lombos de salmão no forno com funcho e courgette cortada em esparguete, tudo embebido em leite de côco. Com os ingredientes previamente temperados com limão, gengibre, cebolinho fresco, pimenta e um salpico de vinho branco ficou uma maravilha ao fim de 25 minutos no forno, já com o leite de côco adicionado. A minha rendição ao côco estende-se ao óleo do dito. Experimentem estrelar um ovo em óleo de côco ou usá-lo para untar a placa das panquecas e não quererão outra coisa. Ainda por cima é uma gordura saudável com benefícios provados. E o melhor de tudo é que dá bom sabor aos alimentos que nele são cozinhados, o que nem sempre acontece com alguns bruxedos apresentados como saudáveis.

 

DIXIT -  “Tenho martelo e vou usá-lo com fartura” - Rui Moreira, a propósito dos festejos de S. João, no Porto.

 

GOSTO - Do discurso de aceitação do Nobel, de Bob Dylan, que ele divulgou esta semana e cuja gravação se encontra disponível na internet.

 

NÃO GOSTO - De um sistema judicial que promove investigações com base em denúncias anónimas e em cima do prazo de prescrição.

 

BACK TO BASICS - “Estou convencido que no sótão do Ministério dos Negócios Estrangeiros há uma pequena sala esconsa onde os candidatos a diplomatas são ensinados a gaguejar” - Peter Ustinov

 

www.facebook.com/mfalcao

instagram: mfalcao

twitter: @mfalcao

 

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:00

BOTOX – O PS está a fazer uma operação de recuperação estética acelerada. Primeiro Sócrates reaproxima-se de Alegre, depois decide-se a ouvir vozes divergentes, por fim admite que a maioria absoluta deixou de ser um objectivo. Preparam-se os tempos do diálogo e a nomeação de João Tiago Silveira, uma das poucas vozes sensatas do Governo, é um sinal de que a pesporrência de Vitalino Canas e a arrogância de Santos Silva estão provisoriamente guardadas debaixo do tapete. Contra ele João Silveira tem o facto de estar no Ministério da Justiça, um dos sectores onde o Governo quase nada fez, ainda por cima sendo a Justiça uma das zonas mais degradadas, ineficazes e profundamente injustas da sociedade portuguesa. Mas no meio deste face-lift acelerado fica um gato escondido com o rabo de fora – ao nomear António Vitorino para coordenador do programa eleitoral, espera-se agora que haja o bom senso de a RTP o despedir de comentador, de tão envolvido que está na principal peça que vai modular a propaganda do próximo ciclo eleitoral. Os sorrisos agora beatíficos de José Sócrates são produto de uma pesada derrota eleitoral – e nestas coisas da política, como dos tratamentos estéticos, é bom não esquecer que o botox tem duração limitada e que quando o seu efeito desaparece os defeitos ainda se acentuam mais. 

 


 


TGV – Perder o foco num debate é o pior que pode haver e na questão do TGV convém separar o essencial do acessório. O essencial é garantir que Portugal não fique isolado da rede europeia, que Lisboa fique ligada a outras capitais por uma linha de alta velocidade, nomeadamente a Madrid e a Paris e, daí, a várias outras. É uma obra cara e de retorno difícil – pois é, mas é estratégica e deve avançar. É um investimento público importante para garantir que a fronteira terrestre do país não se transforme num muro. Já outra coisa são as negociatas de política local ou de empreiteiros habilidosos que querem fazer ramais de TGV com paragens de 100 em 100 quilómetros, muitas pontes, viadutos e túneis. Estas são desnecessárias, completamente inúteis e não há razão para que as ligações Lisboa-Porto ou ao novo Aeroporto não sejam feitas por outros sistemas ferroviários rápidos modernos, mais adequados às distâncias entre cada paragem.  

 


 


VER – Maria Beatriz faz parte da geração de artistas portugueses que no final da década de 60 optou por trabalhar no estrangeiro. Uns voltaram após 1974, outros foram ficando nos países que escolheram – ela escolheu a Holanda e desde então tem vivido em Amesterdão. Em Portugal tem exposto com periodicidade irregular e esta semana abriu na Galeria Ratton uma exposição de obras inéditas, «Oisive Jeunesse, à tout asservie», uma citação de Rimbaud que dá o nome a esta série cuja preparação começou em 2007 e que integra desenhos, pinturas e azulejos, todas em torno do corpo feminino. Para além da galeria, o site da artista também merece uma visita: www.mariabeatriz.nl . A Ratton fica na Rua da Academia das Ciências 2C, junto à rua do Século. 

 


 


IR – Se têm seguido a polémica sobre a destruição do Museu de Arte Popular talvez achem interessante a proposta de uma «visita guiada» ao museu encerrado, que sob o título «O Museu Essencial E Incómodo» junta sábado dia 20, Raquel Henriques da Silva, João Leal, Rui Afonso Santos, Vera Marques Alves e Alexandre Pomar, no edifício do Museu, em Belém, pelas 16h00. 

 


 


CELEBRAR – A Bica do Sapato faz dez anos por estes dias, dos quais os primeiros foram de afirmação e resistência (no início a vida foi difícil) e estes últimos de consolidação. A Bica é daqueles restaurantes que oferecem mais que a comida (boa, óptima, diga-se): a decoração do espaço, a localização junto ao rio, a qualidade da garrafeira e das sugestões de vinhos do Chefe de Sala, o ambiente – tudo torna o local num espaço especial, que resiste a modas, simultaneamente íntimo e acolhedor para os frequentadores habituais e inusitado e excitante para quem lá vai pela primeira vez. Quanto à cozinha a inspiração é a gastronomia portuguesa, com uma interpretação contemporânea - dez anos na vida de um restaurante assim, sempre mantendo a qualidade, é uma data que merece aplauso – e é do melhor que Lisboa tem a oferecer a quem visita a cidade. Telefone 218 810 320, Av. Infante D. Henrique, Armazém B, Cais da Pedra, a Santa Apolónia. 

 


 


OUVIR -  «White Works», o novo disco do pianista de jazz João Paulo, é baseado em composições de Carlos Bica e é de um despojamento e contenção notáveis. A solo, no piano, ele consegue aquele exercício extraordinário que é partilhar a solidão. (CD Universal). 

 


 


RECORDAR I – Morreu em Maputo Ricardo Rangel, um dos mais importantes fotógrafos de língua portuguesa. A sua obra, nomeadamente a que foi feita entre os finais dos anos 50 e o princípio deste século, mostra um trabalho baseado no fotojornalismo e numa minuciosa interpretação da realidade, mas sempre com um olhar próprio. Trabalhou nas mais importantes revistas e jornais de Moçambique na fase anterior à independência, aliando a reportagem ao ensaio fotográfico. A pesquisa do seu nome no Google remete para uma série de sites, com destaque para os que mostram um dos seus mais importantes testemunhos, a exposição «Iluminando Vidas», que passou por Portugal. Nos últimos anos dedicou-se ao Centro de Documentação e Formação Fotográfica de Maputo, que fundou e dirigiu.  

 


RECORDAR II – Morreu em Lisboa João Bafo, que fez parte de um núcleo restrito de fotojornalistas portugueses que na década de 70 se empenharam numa nova forma de fazer fotografia «contra a fotografia de salão, concurseira, contra o estilo neo-realista», como recorda outro contemporâneo, Luiz Carvalho, no seu blog. Esse núcleo fez escola e influenciou a edição fotográfica na imprensa nas décadas seguintes. Tive o prazer de trabalhar com ele quando estive no «Se7e», que nessa altura o João também ajudou a mudar. O seu trabalho era verdadeiramente bom, mas nos últimos anos estava afastado da imprensa, em boa parte porque se fartou da forma como as chefias de redacção tratavam a fotografia – foi esse o tema da nossa última conversa, há uns anos. As suas imagens de Portugal na década de 70 e 80 mereciam ser de novo mostradas – aliás é miserável a maneira como matamos a memória do nosso próprio tempo. 

 


 


BACK TO BASICS – A fotografia serve para ajudar as pessoas a ver – Berenice Abbott 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:58


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2005
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2004
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2003
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D