Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


MILITÂNCIA, PARTIDOS & AUTÁRQUICAS

por falcao, em 14.07.17

IMG_1043.JPG

MILITÂNCIAS - As eleições locais eram supostas significar um momento de aproximação das pessoas com a política, nomeadamente através dos partidos, que são supostos serem a forma organizada de proporcionar a participação cívica dos cidadãos no governo da sociedade. Teoricamente os partidos reflectem as preocupações das pessoas, de acordo com o respectivo posicionamento ideológico analisam a realidade, propõem soluções e apresentam programas de acção que serão um guia para os seus eleitos. Agora digam-me lá: onde é que isto se passa? Onde é que estão escritas, em programa eleitoral, as profundas alterações a que Lisboa tem sido submetida nos últimos dois anos? Comportamentos partidários como os que assistimos - executar políticas não referendadas e abdicar de tomar posição - foram as duas linhas de acção das duas principais forças eleitas nas anteriores autárquicas, em Lisboa. Comportamentos assim são a semente do descrédito nos políticos e nos partidos e são um incentivo ao surgimento de candidaturas independentes. Mas, tudo indica que, ao contrário do que se passa no Porto, não existirá em Lisboa nenhum candidato independente. É pena porque com o desagrado de tantos votantes do PS e do PSD pelo comportamento dos candidatos destes partidos, Fernando Medina e Teresa Coelho, esta seria uma boa oportunidade para mudar de rumo. Lisboa vai continuar presa na teia dos aparelhos e interesses partidários, os seus habitantes relegados para segundo plano.

 

SEMANADA - O Presidente do Sindicato dos Profissionais de Polícia, António Ramos, diz que para manter a ordem pública é sempre necessário cometer excessos; este ano já foram detidos seis vezes mais incendiários que no ano passado; entre 2013 e 2016 morreram 89 pessoas na rede ferroviária e no ano passado registaram-se mais 31 por cento de acidentes mortais que em 2015; a polícia apreende seis armas de fogo por dia; o roubo de armas em Tancos proporcionou, segundo a Marktest, 152 notícias e 5 horas e meia de emissão nas estações de televisão; ainda segundo a Marktest, em Junho, António Costa, liderou o tempo de exposição televisiva, com 200 notícias que ocuparam 10 horas e 23 minutos;  Marcelo Rebelo de Sousa, foi segundo, com 188 notícias, num total de 9 horas e 49 minutos; na terceira posição ficou Constança Urbano de Sousa, com 53 notícias com o tempo total de 3 horas e 16 minutos; Pedro Passos Coelho foi quarto, tendo estado perante os ecrãs por 2 hora e 57 minutos, repartidos por 70 notícias;  Catarina Martins ocupou o quinto lugar, com 64 notícias de 2 horas e 30 minutos de duração; o tráfego nas auto-estradas regressou aos níveis pré-troika com uma média diária ponderada de 16.447 veículos a circular.

 

ARCO DA VELHA - O Presidente do Grupo Parlamentar do PSD, Luis Montenegro, já invocou “trabalho político” em pelo menos duas ocasiões em que faltou à Assembleia da República e foi assistir a jogos da selecção portuguesa no estrangeiro.

_opt_VOLUME1_CAPAS-UPLOAD_CAPAS_GRUPO_LEYA_TEXTO_E

FOLHEAR - Volta e meia o tema do populismo na política portuguesa volta à baila - nomeadamente porque aqui, ao contrário do que aconteceu em Itália, França, Espanha, Venezuela ou Estados Unidos, o fenómeno é quase irrelevante. Há quem diga que a geringonça desarticulou os putativos populistas, há quem diga que os proverbiais brandos costumes lusitanos são terreno pouco fértil para tais aventuras. O fenómeno do populismo tem criado novas forças políticas, tem influenciado eleições, proporcionado votações inesperadas. Jan-Werner Muller é Professor de Política na Universidade de Princeton e tem-se dedicado a estudar a evolução das ideias políticas. “O Que É O Populismo” é a sua mais recente obra, um original de 2016, agora editado em Portugal pela Texto. “Todos os populistas contrapõem “o povo” a uma elite corrupta e interesseira” - escreve o autor no prefácio, sublinhando: “o que realmente distingue um populista é a sua reivindicação de que ele e só ele representa o verdadeiro povo”. Em cerca de 100 páginas Muller analisa o discurso dos populistas, estuda como se comportam quando no poder, especula sobre as melhores formas de lidar com o fenómeno e culmina com aquilo a que chama “sete teses sobre o populismo” que só por si valem o livro. Leitura recomendadíssima para os tempos que correm.

 

crédito_Fernando Guerra. Richter Dahl Rocha & Ass

VER - A fotografia de arquitectura pode ser um postal ilustrado, sem graça, ou uma mera ilustração passiva do trabalho de arquitectos; ou então pode ser um olhar agudo e criativo sobre a própria obra arquitectónica - e é isso que o trabalho do fotógrafo Fernando Guerra mostra de forma clara (na imagem). O espaço “Garagem Sul” do CCB acolhe até 7 de Outubro a exposição “Raio X de Uma Prática Fotográfica”  que percorre a carreira de Fernando Guerra, um arquitecto que abdicou do estirador e passou a usar a máquina fotográfica. A formação em arquitectura influencia claramente a sua forma de ver e de se aproximar dos edifícios e do território. Fernando Guerra fotografa em todo o mundo, é requisitado por arquitectos internacionais e tem uma relação especial com alguns dos grandes nomes da arquitectura portuguesa. Luis Santiago Batista, o curador da exposição, destaca a capacidade de Fernando Guerra em comunicar visualmente com as pessoas, mesmo os leigos em matéria arquitectónica. Outras sugestões: no MAAT, na sala dos geradores e no Jardim do Campus Fundação EDP,  o artista chinês Bai Ming apresenta até 4 de Setembro cerca de duas centenas de peças de cerâmica, desenho e pintura apresentadas sob a designação “Branco e Azul”. Bai Ming é considerado um dos artistas que mais tem trabalhado a renovação da criação artística chinesa no campo da cerâmica, numa evidente reciclagem de uma tradição ancestral; finalmente na Galeria Principal da Gulbenkian, inserido na programação “Jardim de Verão”, é apresentada a interpretação que sete realizadores fazem, em filme, de obras de escultura - “The Very Impress Of The Object”, a partir de obras de diversos museus, desde o Museu do Louvre até museus de Paris a Roma, seguindo até Atenas, com passagens por Berlim, Munique e Londres.

bowie.png

OUVIR - Em 1974 David Bowie tinha 27 anos e fartou-se de Inglaterra. Rumou aos Estados Unidos, primeiro a Nova Iorque, depois para Los Angeles. No final de 73 e início de 74 tinha gravado o seu álbum glam-rock “Diamond Dogs”, onde as influências do funk e da soul music eram patentes. O álbum foi editado em Maio e a digressão baseada no disco atravessou os Estados Unidos ao longo de 1974 e prolongou-se por parte de  1975. No início de Setembro de 74, estava Portugal em brasa revolucionária, Bowie realizou uma série de concertos em Los Angeles, no Universal Amphiteatre e o concerto de dia 5 foi gravado e é agora publicado, 43 anos depois, sob o título “Cracked Actor”, o mesmo de um documentário da BBC, de 1975, sobre essa digressão. Os registos originais foram remisturados no final do ano passado por Tony Visconti, que tantas vezes trabalhou com Bowie. “Diamond Dogs” mostrava a visão de um mundo pós-apocalíptico e, aparentemente, o livro “1984”, de George Orwell, terá sido uma das inspirações desta fase da carreira de Bowie - o disco tem mesmo uma faixa com o nome do livro. A digressão de “Diamond Dogs” arrancou em Junho de 1984, teve uma produção inovadora e ambiciosa, nos cenários imponentes, no guarda roupa, no leque de músicos em palco. No duplo CD agora editado, “Cracked Actor”,  e que reproduz o concerto, é muito engraçado redescobrir a voz de Bowie, ao vivo,  ainda antes dos 30 anos. No primeiro CD está grande parte dos temas originais de “Diamond Dogs” e no segundo estão canções de referência da carreira de Bowie até aí, como”Space Oddity”, “The Jean Genie” ou “Rock’n’Roll Suicide” - além do tema título “Diamond Dogs”. O disco encerra com “John, I’m Only Dancing (Again)”, que só foi editado como single cinco anos depois destes concertos. Duplo CD distribuído em Portugal pela Warner.

 

PROVAR -   A ideia foi apresentada na edição portuguesa do programa de TV “Shark Tank” e um dos membros do júri, o empresário Marco Galinha, agarrou-a e está a ajudar os seus proponentes . A ideia baseia-se num dos produtos portugueses mais tradicionais, aqui apresentado de forma diferente:  solidificado em pasta para barrar - e que é verdadeiramente uma grande ideia. Sob o nome “Ideias & Requintes”, são apresentados azeite em spray, natural e temperado com alecrim, e embalagens de azeite solidificado para barrar, com sabor natural, com tomate e com oregãos. Se gosta de molhar o pão no azeite experimente barrar uma torrada com este azeite de barrar natural ou, noutros momentos, servir umas tapas com azeite com tomate ou com oregãos. Oriunda de Portalegre, a empresa tem os seus produtos no El Corte Ingles e ainda numa série de lojas gourmet, estando agora a negociar a sua presença em grandes superfícies. Pode ir acompanhando o seu trabalho através de facebook.com/ideiaserequintes. Todo o azeite utilizado pela marca Ideias & Requintes é Azeite Virgem Extra de categoria superior obtido unicamente por processos mecânicos, 100% natural sem qualquer aditivo. O Azeite Virgem Extra é obtido exclusivamente de azeitonas da variedade Galega proveniente de olivais tradicionais localizados no Parque Natural da Serra de São Mamede. Finalmente, e fora dos azeites, a empresa produz também chocolate negro com nozes e gengibre, com 71% de cacau. Todas as matérias primas utilizadas são obtidas através de métodos de produção biológicos.

 

DIXIT -  “O Governo fica tranquilo quando os chefes militares asseguram ao país a segurança das instalações militares” - António Costa, na sequência do roubo de armamento em Tancos.

 

GOSTO - A agência de publicidade portuguesa Partners, que tem trabalhado com a PT em Portugal, foi escolhida pela Altice para criar a campanha de lançamento da marca de telecomunicações nos Estados Unidos, protagonizada por Ronaldo.

 

NÃO GOSTO - O ano de 2017 apresenta, até ao dia 30 de junho, o quinto valor mais elevado em número de incêndios florestais e o valor mais elevado de área ardida desde 2007.

 

BACK TO BASICS -   “Mais vale ter menos, mas melhor” - Dieter Rams

 

 





Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:30


Mais sobre mim

foto do autor



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2005
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2004
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2003
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D