Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


MILITÂNCIA, PARTIDOS & AUTÁRQUICAS

por falcao, em 14.07.17

IMG_1043.JPG

MILITÂNCIAS - As eleições locais eram supostas significar um momento de aproximação das pessoas com a política, nomeadamente através dos partidos, que são supostos serem a forma organizada de proporcionar a participação cívica dos cidadãos no governo da sociedade. Teoricamente os partidos reflectem as preocupações das pessoas, de acordo com o respectivo posicionamento ideológico analisam a realidade, propõem soluções e apresentam programas de acção que serão um guia para os seus eleitos. Agora digam-me lá: onde é que isto se passa? Onde é que estão escritas, em programa eleitoral, as profundas alterações a que Lisboa tem sido submetida nos últimos dois anos? Comportamentos partidários como os que assistimos - executar políticas não referendadas e abdicar de tomar posição - foram as duas linhas de acção das duas principais forças eleitas nas anteriores autárquicas, em Lisboa. Comportamentos assim são a semente do descrédito nos políticos e nos partidos e são um incentivo ao surgimento de candidaturas independentes. Mas, tudo indica que, ao contrário do que se passa no Porto, não existirá em Lisboa nenhum candidato independente. É pena porque com o desagrado de tantos votantes do PS e do PSD pelo comportamento dos candidatos destes partidos, Fernando Medina e Teresa Coelho, esta seria uma boa oportunidade para mudar de rumo. Lisboa vai continuar presa na teia dos aparelhos e interesses partidários, os seus habitantes relegados para segundo plano.

 

SEMANADA - O Presidente do Sindicato dos Profissionais de Polícia, António Ramos, diz que para manter a ordem pública é sempre necessário cometer excessos; este ano já foram detidos seis vezes mais incendiários que no ano passado; entre 2013 e 2016 morreram 89 pessoas na rede ferroviária e no ano passado registaram-se mais 31 por cento de acidentes mortais que em 2015; a polícia apreende seis armas de fogo por dia; o roubo de armas em Tancos proporcionou, segundo a Marktest, 152 notícias e 5 horas e meia de emissão nas estações de televisão; ainda segundo a Marktest, em Junho, António Costa, liderou o tempo de exposição televisiva, com 200 notícias que ocuparam 10 horas e 23 minutos;  Marcelo Rebelo de Sousa, foi segundo, com 188 notícias, num total de 9 horas e 49 minutos; na terceira posição ficou Constança Urbano de Sousa, com 53 notícias com o tempo total de 3 horas e 16 minutos; Pedro Passos Coelho foi quarto, tendo estado perante os ecrãs por 2 hora e 57 minutos, repartidos por 70 notícias;  Catarina Martins ocupou o quinto lugar, com 64 notícias de 2 horas e 30 minutos de duração; o tráfego nas auto-estradas regressou aos níveis pré-troika com uma média diária ponderada de 16.447 veículos a circular.

 

ARCO DA VELHA - O Presidente do Grupo Parlamentar do PSD, Luis Montenegro, já invocou “trabalho político” em pelo menos duas ocasiões em que faltou à Assembleia da República e foi assistir a jogos da selecção portuguesa no estrangeiro.

_opt_VOLUME1_CAPAS-UPLOAD_CAPAS_GRUPO_LEYA_TEXTO_E

FOLHEAR - Volta e meia o tema do populismo na política portuguesa volta à baila - nomeadamente porque aqui, ao contrário do que aconteceu em Itália, França, Espanha, Venezuela ou Estados Unidos, o fenómeno é quase irrelevante. Há quem diga que a geringonça desarticulou os putativos populistas, há quem diga que os proverbiais brandos costumes lusitanos são terreno pouco fértil para tais aventuras. O fenómeno do populismo tem criado novas forças políticas, tem influenciado eleições, proporcionado votações inesperadas. Jan-Werner Muller é Professor de Política na Universidade de Princeton e tem-se dedicado a estudar a evolução das ideias políticas. “O Que É O Populismo” é a sua mais recente obra, um original de 2016, agora editado em Portugal pela Texto. “Todos os populistas contrapõem “o povo” a uma elite corrupta e interesseira” - escreve o autor no prefácio, sublinhando: “o que realmente distingue um populista é a sua reivindicação de que ele e só ele representa o verdadeiro povo”. Em cerca de 100 páginas Muller analisa o discurso dos populistas, estuda como se comportam quando no poder, especula sobre as melhores formas de lidar com o fenómeno e culmina com aquilo a que chama “sete teses sobre o populismo” que só por si valem o livro. Leitura recomendadíssima para os tempos que correm.

 

crédito_Fernando Guerra. Richter Dahl Rocha & Ass

VER - A fotografia de arquitectura pode ser um postal ilustrado, sem graça, ou uma mera ilustração passiva do trabalho de arquitectos; ou então pode ser um olhar agudo e criativo sobre a própria obra arquitectónica - e é isso que o trabalho do fotógrafo Fernando Guerra mostra de forma clara (na imagem). O espaço “Garagem Sul” do CCB acolhe até 7 de Outubro a exposição “Raio X de Uma Prática Fotográfica”  que percorre a carreira de Fernando Guerra, um arquitecto que abdicou do estirador e passou a usar a máquina fotográfica. A formação em arquitectura influencia claramente a sua forma de ver e de se aproximar dos edifícios e do território. Fernando Guerra fotografa em todo o mundo, é requisitado por arquitectos internacionais e tem uma relação especial com alguns dos grandes nomes da arquitectura portuguesa. Luis Santiago Batista, o curador da exposição, destaca a capacidade de Fernando Guerra em comunicar visualmente com as pessoas, mesmo os leigos em matéria arquitectónica. Outras sugestões: no MAAT, na sala dos geradores e no Jardim do Campus Fundação EDP,  o artista chinês Bai Ming apresenta até 4 de Setembro cerca de duas centenas de peças de cerâmica, desenho e pintura apresentadas sob a designação “Branco e Azul”. Bai Ming é considerado um dos artistas que mais tem trabalhado a renovação da criação artística chinesa no campo da cerâmica, numa evidente reciclagem de uma tradição ancestral; finalmente na Galeria Principal da Gulbenkian, inserido na programação “Jardim de Verão”, é apresentada a interpretação que sete realizadores fazem, em filme, de obras de escultura - “The Very Impress Of The Object”, a partir de obras de diversos museus, desde o Museu do Louvre até museus de Paris a Roma, seguindo até Atenas, com passagens por Berlim, Munique e Londres.

bowie.png

OUVIR - Em 1974 David Bowie tinha 27 anos e fartou-se de Inglaterra. Rumou aos Estados Unidos, primeiro a Nova Iorque, depois para Los Angeles. No final de 73 e início de 74 tinha gravado o seu álbum glam-rock “Diamond Dogs”, onde as influências do funk e da soul music eram patentes. O álbum foi editado em Maio e a digressão baseada no disco atravessou os Estados Unidos ao longo de 1974 e prolongou-se por parte de  1975. No início de Setembro de 74, estava Portugal em brasa revolucionária, Bowie realizou uma série de concertos em Los Angeles, no Universal Amphiteatre e o concerto de dia 5 foi gravado e é agora publicado, 43 anos depois, sob o título “Cracked Actor”, o mesmo de um documentário da BBC, de 1975, sobre essa digressão. Os registos originais foram remisturados no final do ano passado por Tony Visconti, que tantas vezes trabalhou com Bowie. “Diamond Dogs” mostrava a visão de um mundo pós-apocalíptico e, aparentemente, o livro “1984”, de George Orwell, terá sido uma das inspirações desta fase da carreira de Bowie - o disco tem mesmo uma faixa com o nome do livro. A digressão de “Diamond Dogs” arrancou em Junho de 1984, teve uma produção inovadora e ambiciosa, nos cenários imponentes, no guarda roupa, no leque de músicos em palco. No duplo CD agora editado, “Cracked Actor”,  e que reproduz o concerto, é muito engraçado redescobrir a voz de Bowie, ao vivo,  ainda antes dos 30 anos. No primeiro CD está grande parte dos temas originais de “Diamond Dogs” e no segundo estão canções de referência da carreira de Bowie até aí, como”Space Oddity”, “The Jean Genie” ou “Rock’n’Roll Suicide” - além do tema título “Diamond Dogs”. O disco encerra com “John, I’m Only Dancing (Again)”, que só foi editado como single cinco anos depois destes concertos. Duplo CD distribuído em Portugal pela Warner.

 

PROVAR -   A ideia foi apresentada na edição portuguesa do programa de TV “Shark Tank” e um dos membros do júri, o empresário Marco Galinha, agarrou-a e está a ajudar os seus proponentes . A ideia baseia-se num dos produtos portugueses mais tradicionais, aqui apresentado de forma diferente:  solidificado em pasta para barrar - e que é verdadeiramente uma grande ideia. Sob o nome “Ideias & Requintes”, são apresentados azeite em spray, natural e temperado com alecrim, e embalagens de azeite solidificado para barrar, com sabor natural, com tomate e com oregãos. Se gosta de molhar o pão no azeite experimente barrar uma torrada com este azeite de barrar natural ou, noutros momentos, servir umas tapas com azeite com tomate ou com oregãos. Oriunda de Portalegre, a empresa tem os seus produtos no El Corte Ingles e ainda numa série de lojas gourmet, estando agora a negociar a sua presença em grandes superfícies. Pode ir acompanhando o seu trabalho através de facebook.com/ideiaserequintes. Todo o azeite utilizado pela marca Ideias & Requintes é Azeite Virgem Extra de categoria superior obtido unicamente por processos mecânicos, 100% natural sem qualquer aditivo. O Azeite Virgem Extra é obtido exclusivamente de azeitonas da variedade Galega proveniente de olivais tradicionais localizados no Parque Natural da Serra de São Mamede. Finalmente, e fora dos azeites, a empresa produz também chocolate negro com nozes e gengibre, com 71% de cacau. Todas as matérias primas utilizadas são obtidas através de métodos de produção biológicos.

 

DIXIT -  “O Governo fica tranquilo quando os chefes militares asseguram ao país a segurança das instalações militares” - António Costa, na sequência do roubo de armamento em Tancos.

 

GOSTO - A agência de publicidade portuguesa Partners, que tem trabalhado com a PT em Portugal, foi escolhida pela Altice para criar a campanha de lançamento da marca de telecomunicações nos Estados Unidos, protagonizada por Ronaldo.

 

NÃO GOSTO - O ano de 2017 apresenta, até ao dia 30 de junho, o quinto valor mais elevado em número de incêndios florestais e o valor mais elevado de área ardida desde 2007.

 

BACK TO BASICS -   “Mais vale ter menos, mas melhor” - Dieter Rams

 

 





Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:30

PARTIDOS OU PESSOAS?

por falcao, em 06.01.17

5B91DD10-A844-43B0-A11E-8B31C691F649.JPG

CIDADES - A edição de fim de ano da revista Time publicou um muito interessante artigo de Michael Bloomberg, ex-Mayor de Nova Iorque (onde deixou uma obra notável), sobre a importância das cidades. Ressalvando que existem diferenças óbvias entre os Estados Unidos e este nosso burgo, aqui deixo algumas ideias, tiradas do artigo, que me parecem boas pistas. Para Bloomberg a guerra entre partidos no poder central mata e polui as boas ideias e um debate honesto, que possa criar confiança entre representantes de várias organizações políticas - coisa se consegue alcançar com frequência a nível local. Segundo Bloomberg, em muitas cidades, autarcas empenhados em resolver problemas estão a ensaiar novas políticas, muitas vezes em parceria com empresas e com os cidadãos, em áreas como a educação, transportes e saúde, adiantando-se ao Estado central. “Quando as boas ideias funcionam numa cidade, elas espalham-se a nível regional” - sublinha.  A nível do governo das cidades há mais preocupação com questões ambientais ou com questões como a atracção de novos negócios, a dinamização da economia ou a construção de infraestruturas modernas. Sobretudo as cidades que progridem estão empenhadas na criação de comunidades que consigam captar habitantes, negócios e que sejam bons sítios para viver e trabalhar. “Para saber para onde vai o país não se guiem pela política nacional, envolvam-se a nível local, que é onde a acção verdadeiramente está” - diz Bloomberg. Lembrei-me disto e percebi como são tão grandes as diferenças entre os países: aqui, nas próximas autárquicas, o campeonato é para ver qual será o partido com maior número de Câmaras. A qualidade de vida das pessoas nem faz parte das preocupações, com raras excepções, entre as quais destaco Rui Moreira, no Porto, não por acaso um independente.

 

SEMANADA - António Domingues enviou um SMS a Mário Centeno lamentando o comportamento do Ministério das Finanças sobre o caso da CGD; Francisco Louçã pediu a nacionalização do Novo Banco; numa entrevista o Ministro das Finanças não excluíu a possibilidade de nacionalizar o Novo Banco; o PCP inicia campanha pela saída do Euro em Março; em 2016 as falências atingiram 30 pessoas por dia; na mensagem de Ano Novo o Presidente da República pediu ao primeiro Ministro mais estratégia e menos táctica; esta intervenção de Marcelo Rebelo de Sousa foi a terceira mensagem presidencial menos vista desde 2006, com apenas 637,9 mil espectadores; em 2016 morreram 68 pessoas em acidentes envolvendo tractores; em 2016 mais de 500 militares da GNR percorreram 43.300 kms para entregar 285 orgãos utilizados em transplantes nos hospitais portugueses; Portugal é o quarto país com mais elevada taxa de doação de orgãos para transplante; em Portugal no ano passado nasceram mais sete bebés por dia que no ano anterior; doze universidades privadas encerraram nos últimos três anos; os resultados do estudo Bareme Internet indicam que quase dois milhões de portugueses preferem pesquisar online produtos que acabaram por comprar numa loja física; na votação promovida pela Porto Editora para  palavra do ano a vencedora foi “geringonça”.

 

ARCO DA VELHA - Maria Leal foi a figura mais pesquisada no Google em Portugal e o seu teledisco “Dialetos de Ternura” foi um dos mais vistos do ano no YouTube. Tino de Rans foi o segundo político mais pesquisado, logo atrás de Marcelo Rebelo de Sousa.

 

image (76).png

FOLHEAR - De há uns tempos a esta parte a National Geographic faz umas edições especiais, temáticas, que permitem obter uma série de informação, bem organizada, sobre temas às vezes inesperados. É o caso de uma das mais recentes, que tem por título “Matemáticos, Espiões e Piratas Informáticos” - um cocktail verdadeiramente explosivo. Com o rigor que é marca da National Geographic, ao longo de 144 páginas, desvendam-se histórias e segredos deste mundo fascinante. Destaque para os capítulos “A criptografia desde a Antiguidade até ao século XX”, “Máquinas de codificação” e “Um Futuro Quântico”. Vale a pena destacar o cuidado na edição de imagens - que recupera as tábuas de terracota da Baixa Mesopotâmia, tidas como o primeiro vestígio de expressão escrita e do uso de criptografia, ou ainda uma máquina de cifrar mensagens da altura da segunda grande guerra. E depois há curiosidades: o código de barras, tão vulgarizado, não é mais que um sistema de encriptação composto  de 13 dígitos e 30 barras negras. Esta edição especial da revista conta histórias tão divertidas como o código para senhoras do Kama Sutra ou a cifra de César, usada pelo grande Imperador romano. E, claro, mostra e explica a surpreendente máquina Enigma, criada em 1923 por um alemão e que foi utilizada durante a segunda grande guerra para todas as comunicações militares. Fascinante.

 

image (75).png

VER - George Eastman fundou a Kodak em 1888. A primeira fotografia havia sido feita em 1826 em França por Niépce e depois Daguerre evoluíu o processo até apresentar o daguerreótipo em 1839. Em 1888, nos Estados Unidos, em Rochester, George Eastman apresentava a Kodak, uma câmara fotográfica que incluía uma película que podia registar até 100 imagens e que, depois, era enviada para os laboratórios da firma para serem reveladas e impressas e devolvida carregada com novo rolo. Foi aí que a fotografia deixou de ser uma coisa quase de alquimista e passou a ser algo ao alcance de qualquer pessoa. Durante um século o nome Kodak foi sinónimo de fotografia, mas acabou por perder significado na era digital. Fabricou película, câmaras fotográficas e máquinas de filmar. As imagens mais icónicas do século XX foram, na maioria, registadas em  película fabricada pela Kodak e ao longo da sua vida George Eastman coleccionou centenas de milhar de fotografias, incluindo o arquivo de nomes como Daguerre, Lewis Hine, Edward Steichen ou Muybridge, entre muitos outros. Além de imagens o Eastman Museum, em Rochester, incorpora milhares de publicações e aparelhos. Há poucos dias a Kodak anunciou que uma enorme parte deste espólio estava disponível on line, prometendo que progressivamente serão adicionados novas peças a este museu digital, que pode ser visitado  em www.eastman.org/collections-online. Para já pode ver fotografias, máquinas e tecnologia e o legado pessoal de George Eastman e brevemente será possível também aceder a filmes da colecção.

intima.png

OUVIR - “A Íntima Fracção” foi originalmente um programa de rádio, criado em 1984 por Francisco Amaral na Antena 1. Depois esteve na TSF. com emissões diárias e semanais até 2003. A partir daí a sua vida tem sido essencialmente digital - em 2008 foi pioneiro dos podcast portugueses, através do site do semanário Expresso. Teve várias vidas, muitos prémios e continua a ser um dos podcasts mais procurados - é fácil encontrar por pesquisa no Google. Pensado como um programa de autor, é um marco na história da rádio, graças a uma selecção musical cuidada, coerente e dinâmica. Agora, sempre pelas mãos do seu autor,  Francisco Amaral, está no Spotify uma playlist da Íntima Fracção, com 44 canções e três horas de música de uma escolha absolutamente irrepreensível. Ali estão nomes como Brian Eno, Harold Budd, Holger Czukay, David Sylvian, Laurie Anderson, Cocteau Twins, Ryuichi Sakamoto, Durutti Column, Nick Cave. Mazzy Star, Eels, The Passions, mas também Nancy Sinatra, Charles Trenet, Elvis Presley ou Stacey Kent, entre outros. Além do Spotify, pode encontrar mais listas em http://intima.blogspot.pt/, onde Francisco Amaral vai continuando o seu trabalho de paixão pela música e onde a Íntima Fracção continua a viver 32 anos depois desta aventura ter começado.

 

PROVAR -  Estas linhas só serão úteis a quem gostar de comida indiana. Comecemos pela geografia: A costa do Malabar fica no litoral do sudoeste da Índia e é considerada a região mais húmida do sul do país. Aqui em Portugal, em Lisboa, Costa do Malabar é o nome de um restaurante junto à Alameda Afonso Henriques, do lado da Fonte Luminosa. Aquela zona, nomeadamente as transversais que vão dar à praça onde fica o Mercado de Arroios, as ruas Carlos Mardel e Rosa Damasceno, é hoje em dia uma espécie de sociedade das nações em termos gastronómicos. Ali se encontram exemplos da cozinha do Nepal, da Mongólia, de diversas regiões da China e da Índia e ainda bares de algumas geografias de leste. O Costa do Malabar fica na Rua Rosa Damasceno e é um bom exemplo do novo mundo que se pode descobrir em Lisboa. Numa recente incursão vieram para a mesa biriyani de borrego, biriyani de vegetais, madrasi de galinha e caril de camarão. O biriyani é o prato mais representativo da gastronomia da costa do Malabar, rico em especiarias e frutos secos, sem ser muito picante - e quer o de borrego quer o de vegetais revelaram-se boas surpresas e foram a melhor escolha da mesa. O serviço é simpático, a sala é agradável e bem colorida a evocar as cores da Índia. As doses são grandes, dois biriyani chegam bem para quatro pessoas - juntem-lhes bahjis de cebola (muito bons) e chamuças (de carne ou vegetais) e de certeza que ficam bem servidos. Na mesa ao lado era elogiado um caril de lentilhas e espinafre vermelho. Vinhos portugueses regulares a bom preço, classificação 3,9 em 5 no Zomato. Rua Rosa Damasceno 6A, telefone 210 932 433 ou 914 358 835.

 

DIXIT -  “O sistema de justiça continua lento e, por isso, pouco justo, a começar na garantia da transparência da política “ - Marcelo Rebelo de Sousa.

 

GOSTO - Da nova série “Sim,Chef”, uma bem conseguida adaptação de “The Kitchen” com humor e um notável trabalho de actores, com destaque para Miguel Guilherme. Às quartas na RTP1.

 

NÃO GOSTO - Da nova série “Ministério do Tempo”, fraca direcção de actores, diálogos forçados que acompanham mal uma viagem à História de Portugal. Às segundas na RTP1.

 

BACK TO BASICS - Não removas a mosca da testa do teu amigo com um machado - Provérbio chinês.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:15

OS SALTA POCINHAS

por falcao, em 25.06.13

Este romance dos candidatos autárquicos salta-pocinhas, que se apresentam como autarcas profissionais e querem passar de uma Câmara para outra independentemente do número de mandatos que levam no cartório, é um dos mais tristes episódios do nosso sistema político.

Mas não é só a situação em si que é caricata – quando o problema começou a surgir, aqui há uns meses, a Assembleia da República tinha tido oportunidade e tempo de corrigir ou esclarecer aquilo que houvesse a fazer em matéria legislativa, o que teria evitado o lavar de roupa suja entre tribunais e candidatos a que temos assistido. Deve aliás sublinhar-se que as maiores culpas de não se ter esclarecido esta situação no local competente, que era o Parlamento, vieram do PSD e do PS, que na altura sacudiram a água do capote e não quiseram pronunciar-se. O PS, previdentemente,  tem evitado apresentar candidatos salta-pocinhas mas o PSD não resistiu e, portanto, está cheio de problemas ainda por cima nas duas Câmaras politicamente mais significativas – Lisboa e Porto.

 

Eu, por princípio, sou contra a perpetuação de responsáveis de cargos políticos nos mesmos cargos e por isso até achei razoável que houvesse um limite de três mandatos. Acho uma cobardia política que, na altura devida, os deputados tenham fugido a pôr esta situação em pratos limpos – tanto mais que deixaram campo aberto para o que agora está a acontecer: face à mesma situação, vários tribunais decidem de maneira diferente e, nuns casos autorizam a candidatura de quem já tem três mandatos, noutros, não. Tudo isto contribui para desacreditar a política e os políticos, para confundir os eleitores – com eleições já marcadas não se saberá, de certeza certa, quem serão os candidatos em várias autarquias. Um triste espectáculo.

 

(Publicado no diário Metro de 25 de Junho)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:33

E ISTO FOI COM MAIORIA ABSOLUTA...

por falcao, em 24.03.08

(publicado no diário «Meia Hora» de dia 19 de Março)


 


O grande problema do Primeiro Ministro é que as suas palavras coincidem muito pouco com as acções. Ele promete uma coisa e faz outra, estabelece uns objectivos e alcança resultados bem diferentes e estes três anos são prova disso. Daí não viria mal ao mundo se ele aceitasse a realidade e não quisesse convencer toda a gente que se vive no melhor dos mundos.


Peguemos nas reformas: a da saúde está adoentada e não se sabe ainda o diagnóstico, a educação começa a ser duvidosa, a da diminuição da administração pública já se percebeu que apenas existe de forma muito marginal, a da justiça é por enquanto apenas um novo mapa judiciário. O Governo até pode ter vontade reformista, mas na realidade não tem conseguido concretizar reformas e obter resultados em questões como a criação de emprego.


Já repararam no que os cidadãos têm dado? -  pagam mais impostos, têm diminuições nos sistemas sociais que existiam, vêem o poder de compra a baixar, sentem que Portugal se atrasa em relação à maioria dos outros países europeus. E, em troca que recebem?


Quando vão corridos três quartos do mandato deste Governo, a contabilidade do deve e haver não é favorável aos cidadãos. E isto passa-se, note-se, numa situação em que o eleitorado deu a um partido uma maioria absoluta, baseado em promessas e num programa eleitoral que tem sido cumprido de forma muito diminuta. A maioria absoluta foi pedida- e ganha – em nome da capacidade de fazer obra. A realidade é que a obra feita é insuficiente para o que foi prometido.


Mas enquanto o cumprimento das promessas eleitorais é insuficiente, o aumento do poder do Estado sobre os cidadãos é grande, as atitudes autoritárias tornaram-se mais frequentes, a forma como o fisco abusa dos seus poderes generalizou-se, e o Estado dá sinas de se querer começar a intrometer em questões do foro privado.


O quadro geral mostra que a maioria absoluta não resolveu os problemas, mas serviu para evitar debates e para fugir a preparar medidas de forma mais cuidada. O grande problema de José Sócrates é que tem um estilo autoritário, em vez de conseguir ganhar autoridade pelo acerto das posições que toma. Por isso, mais vale que a maioria absoluta não se repita. Esse é o único balanço que consigo fazer dos três anos deste Governo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:00


Mais sobre mim

foto do autor


Posts mais comentados


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2005
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2004
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2003
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D