Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


radio-colecionador7.jpg

Olhando as coisas bem de frente é bom que se diga e fique claro que a única razão para a posição tomada pelo Conselho de Opinião da RTP, rejeitando a indicação de João Paulo Guerra para provedor do ouvinte da rádio de serviço público,é de natureza ideológica. O indigitado foi recusado porque a maioria dos conselheiros olha mais para o currículo de pensamento dos candidatos, e para as posições que possa ter tomado ao longo da vida, do que para as competências profissionais e adequação às funções para as quais é proposto. E isto acontece assim porque o Conselho de Opinião é uma manta de retalhos, resultado de uma mixórdia politico-partidária com inspiração em negociatas e jogos parlamentares a que soma uma larga componente corporativa dos mais variados e contraditórios interesses - com o ponto comum de só uma minoria ter a ver com a actividade em si da concessionária do serviço público de comunicação audiovisual. Em ambos os casos o traço dominante é a falta de conhecimento da maioria dos membros do Conselho em relação à realidade da Comunicação, e, pior ainda, a impunidade com que dizem disparates sobre a matéria. Gostam de ser treinadores de bancada, e como frequentemente acontece a quem se dedica a essa actividade, nem sequer sabem o que é uma bola. Sei do que falo porque, durante alguns poucos meses, fui membro desse Conselho, no início deste século, e ouvi discussões de estarrecer e posições que apenas mostravam a ignorância de quem as tomava em relação às matérias em debate. Este modelo de Conselhos, que se pretendem democráticos, tem um efeito exactamente contrário ao pretendido como agora se verifica - a avaliação da competência foi sacrificada às guerrinhas partidárias e ideológicas. Enquanto o Serviço Público estiver dependente, a todos os níveis, destes conselhos pretensamente independentes, arrica-se a ser manobrado por incompetetes e inúteis que não percebem sequer o que fazem. Mais valia, já que se discute uma eventual revisão do funcionamento da ERC (Entidade Reguladora da Comunicação), que os Conselhos de Opinião e "Geral Independente" da RTP fossem extintos e as decisões passassem apenas pela ERC. Era tudo mais claro, profissional e transparente.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:00

SAUDADES DA RÁDIO

por falcao, em 16.06.08

(publicado no diário «Meia Hora» de 11 de Junho)

 


 


Hoje estou um bocadinho sentimental. Estou com saudades da rádio, da rádio que me acompanha desde miúdo, de ouvir emissões e programas, de sentir variedade e diferença, sem ser apenas uma enorme e monótona lista de discos que se repetem dia após dia, ou uma algazarra de conversas sem sentido nem utilidade


Lembro-me de quando ouvia rádio, ao pé da minha mãe, ela a querer que eu estudasse e fizesse os trabalhos de casa, e eu à procura das estações que tivessem música nova. Lembro-me de noites na casa dos meus avós, no Alto Alentejo, a procurar distantes rádios estrangeiras em onda curta e onda longa. Anos mais tarde lembro-me de ter gravado partes do álbum branco dos Beatles a partir de uma emissão em onda curta da BBC, no exacto dia em que ele foi apresentado em Londres.. Nesse tempo, não se espantem, não existia Internet, nem My Space. nem You Tube. As ondas curtas e longas eram o nosso terreno de exploração numa época em que o único computador que conhecíamos era o que aparecia em «2001-Odisseia No Espaço», o filme de Kubrick entretanto largamente ultrapassado pelos acontecimentos.


A rádio foi progressivamente sendo morta por programas que queriam ter graça mas não tinham nenhuma, por notícias ansiosas, por gravações de declarações a favor e contra repetidas vezes sem fim, a propósito de tudo e de nada. O estilo editorial «procura a reacção» deu cabo das notícias e, em boa parte, da rádio..A tentação de a rádio concorrer com a TV matou a própria rádio que hoje precisa de se reinventar.


Há pouco tempo voltei a ouvir rádio pela manhã para ouvir como o dia se desenha, Gosto da rádio que não se repete, que é capaz de me dar as duas primeiras horas do meu dia de forma diferente. Primeiro fartei-me das emissões de rádio que pareciam más emissões de televisão, depois fartei-me das emissões de televisão, sempre como mesmo bloco de notícias repetido vezes demais.


Acredito que a rádio se vai reinventar, acredito que é na diversidade, nos programas e nas diferenças, que a rádio vai ressurgir. Se calhar com programas mais curtos, entre os podcasts e blogs radiofónicos, utilizando redes sociais, facultando preferências  personalizadas, se calhar com maior atenção ao que é local e de interesse para as pessoas, se calhar menos presa à agenda política de Ministros e de partidos. Eu gostava que fosse assim. 

 


 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:16

MAU – Algumas entidades – como a ASAE – utilizam a mediatização para procurarem induzir legitimidade na sua acção. O processo mediatização/ legitimação tem coisas que fazem lembrar o conceito de justiça popular – infelizmente uma forma de actuação que a ASAE mimetiza (os seus agentes actuam de forma discricionária, de acordo com decisões do momento, invocando interpretações e aplicações da Lei por vezes discutíveis, sem validação do poder judicial). É cada vez mais urgente que ao Provedor de Justiça sejam dados meios e poderes para poder fiscalizar a acção de todas estas entidades, autoridades e polícias que pululam e constroem um modo de actuação que perturba os direitos de cidadãos e de entidades privadas. Razão tem Pacheco Pereira quando afirma que, à falta de justiça, saúde e educação, sobram-nos polícias e autoridades que todos os dias aumentam, têm mais poderes e competências – sem que isso se traduza em maior segurança, maior justicça ou em maiores e melhores garantias.  


 


PÉSSIMO – A pior raça de políticos é a que esgrima com o argumento de que tudo o que fazem é a bem da pátria, quando no fim se vai a ver e o bem que procuram tem mais a ver com eles próprios do que com os cidadãos e o país. 



BOM – A «Íntima Fracção» está no site do Expresso, acessível a todos. A criteriosa escolha musical e as palavras contidas de Francisco Amaral estão assim mais disponíveis e podem ser descobertas por mais gente. Antigo programa de rádio, a «Íntima Fracção» tornou-se uma referência que passou por várias estações, da Antena Um à Rádio Comercial, passando pela Rádio Universidade de Coimbra ou a TSF. É o testemunho de uma forma pessoal, criativa e esteticamente empenhada de fazer rádio, uma rádio onde a palavra não é inimiga da música. Agora, todas as semanas, nos blogues do Expresso, a prova de que a beleza tem um som – «Íntima Fracção». Eu costumo dizer que o Francisco Amaral é o meu herói radiofónico que me mantém ligado ao mundo do que vale a pena ouvir e descobrir. 


DIDÁCTICO – Espero que todos os que têm responsabilidade na gestão de espaços culturais, ou da cultura de modo mais lato, tenham lido a entrevista («Actual» da semana passada) que Jorge Calado fez a Peter Gelb, o Director da Matropolitan Opera de Nova Iorque, ex-presidente da editora discográfica Sony Classical. Além da entrevista propriamente dita, ali está enunciado o rol de transformações que Gelb promoveu no ano e meio que leva de funções numa casa que não recebe um cêntimo de subsídios públicos ou do Estado – coisa que só é possível porque existe uma cultura de Mecenato, fundada numa atitude aberta em termos de incentivos fiscais efectivos. A questão não é tanto fazer omoletas sem ovos, é mais ir à procura de bons ovos para grandes omoletas, para enveredar pelo léxico actual da política cultural à portuguesa.




IR – No terceiro aniversário da Casa da Música, destaque amanhã, sábado, para a apresentação da banda rock alternativa The Kills e para a pop electrónica dos The Whip, vindos directamente de Manchester. Domingo às 18h00 a estreia de Maria João Pires na Casa da Música e, à noite, o trio de jazz do pianista norueguês Tord Gustavsen. Um programa atraente e diversificado, à imagem do que tem sido a mais recente gestão deste espaço. 


 


OUVIR – O Concerto para piano nº5 (também conhecido como Concerto do Imperador), numa interpretação de Mikhail Pletnev, um pianista russo que nos últimos anos se tem distinguido no seu trabalho sobre as obras de Beethoven. Nesta gravação, da Deustche Grammophon, Pletnev é acompanhado pela Orquestra Nacional da Rússia, dirigida por Christian Gansch. Esta obra de Beethoven, estreada em Novembro de 1811, foi pensada pelo seu autor como uma prova do seu próprio virtuosismo enquanto pianist. Pletnev ensaiou uma abordagem diferente da mais usual, modificando o tempo, e propondo uma nova leitura da obra. Há quem considere que o tempo é demasiado rápido, mas a verdade é que Pletnev conseguiu assim recriar a vivacidade que Beethoven desde o início definiu como a matriz deste Concerto. 


 


LER – A edição nº19 da revista «Attitude», com o foco na cidade marroquina de Tânger. A «Attitude» é uma das mais interessantes revistas editadas em Portugal, essencialmente dedicada ao design, arquietctura e decoração de interiores. 




PETISCAR – No piso térreo do Hotel Tivoli, em Lisboa, nasceu há poucas semanas uma réplica da célebre Brasserie Flo, de Paris. Decorada como a casa-mãe, confortável, de serviço intocável, esta Brasserie fazia falta na Avenida da Liberdade. É belíssima a chucrute, com carne fumada, salsicha, tempero impecável, mostarda como deve ser. Do outro lado da mesa os elogios ao bife tártaro eram veementes, as ostras de entrada estavam perfeitas. Atendendo ao local e à qualidade, o preço é mais que razoável. Que assim se mantenha, pode ser que se tenha ganho finalmente uma Brasserie em Lisboa. 


 


CONSUMOS – As gelatinas Royal que se vendem feitas em embalagens individuais são bem boas. O problema está que muitas vezes elas esquecem que deviam ter abertura fácil e revelam-se bem difíceis de provar. Hão-de convir que aberturas difíceis é um daqueles problemas que irrita quem faz incursões ao frigorífico. ~


BACK TO BASICS – A moda é uma forma de fealdade tão insuportável que somos forçados a alterá-la de seis em seis meses, Oscar Wilde. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:28


Mais sobre mim

foto do autor



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2005
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2004
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2003
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D