Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



IMG_2839.JPG

REGISTO I - Ao ler uma entrevista de Pedro Mexia no sábado passado, ao “i”, dei comigo a rever-me, hoje, numa das suas afirmações: “ não tenho nenhuma relação partidária, estou a tornar-me perigosamente abstencionista”. Sindo que cada vez mais estou nesse registo. Se tivesse que escolher um partido optaria por um que fosse contra os abusos do Estado, que defendesse os cidadãos da burocracia, a favor de uma justiça célere, contra a corrupção, que desse provas de sensibilidade social e de bom senso político. 40 anos depois das eleições para a Constituinte esses referenciais esvaíram-se. Todos perdemos nestes anos - mas as maiores perdas não foram materiais, foram éticas e de cidadania. A fantochada da regulamentação sobre a informação em período eleitoral, focada exclusivamente na defesa da utilização dos mídia como veículos de propaganda dos partidos,  reforça a minha convicção de que a Assembleia da República é habitada por ovnis quem vivem de tácticas manhosas - sendo um deserto de estratégias e de ideias de mudança. Tal como está a política é um jogo rasca e com muita batota.

 

REGISTO II - António Pinto Ribeiro, que pôs de pé o conceito inicial de programção da Culturgest e que criou uma lufada de ar fresco na Gulbenkian com o programa Próximo Futuro, uma iniciativa que nos últimos anos interrompeu o cinzentismo e conformismo reinantes na vetusta instituição, decidiu apresentar a demissão do cargo de programador geral, para o qual tinha sido nomeado pelo Conselho de Administração, alegando notória falta de assuntos para coordenar, como na ocasião explicou. Mas prontificou-se a acompanhar as actividades do Próximo Futuro previstas para este ano, até 15 de Setembro. Referiu, no entanto, a existência de “episódios de autoritarismo”,  sobretudo a limitação de divulgação de uma edição da banda desenhada “Papá em África”, do sul-africano Anton Kannemeyer, um autor que integrava o próximo ciclo. As dificuldades colocadas à venda da obra na livraria da Fundação levaram à  revelação dos “episódios de autoritarismo”, atribuídos a Artur Santos Silva, razão invocada pelo Conselho de Administração da Fundação para interromper imediatamente a colaboração de António Pinto Ribeiro. O jornal editado pelo programa Próximo Futuro (na imagem) tinha por tema na sua edição 18, agora em distribuição mas anterior a tudo isto, uma frase que se aplica que nem uma luva aos efeitos perturbadores que as histórias aos quadradinhos podem criar: “Sem mutantes nem conservantes: a Banda Desenhada e o diálogo intercultural”.

 

REGISTO III -  Discretamente o “Em Órbita” fez 50 anos no passado dia 1 de Abril. Pouca gente falou do assunto e a efeméride merecia ser assinalada, como bem me sublinhou João David Nunes, uma das suas incontornáveis vozes. O “Em Órbita”  faz parte da minha vida, cresci a ouvi-lo, nas suas diversas fases, aprendi a ouvir música, músicas melhor dizendo, escutando as suas emissões. Foi uma das causas da minha paixão pela rádio, pelos programas de rádio hoje quase desaparecidos. O “Em Órbita” foi um dos raros galardoados portugueses com o prémio internacional “Ondas”, atribuído aos melhores programas de rádio europeus e o seu fundador, Jorge Gil, tornou-se numa referência para uma geração. O programa, na sua segunda fase, terminou a 31 de maio de 2001. Fazem falta programas assim.

 

SEMANADA - Desde 2007 já se registaram 55 dias de greve na TAP, que causaram à companhia um prejuízo de 343 milhões de euros - e estes números não contemplam a greve anunciada para Maio; os dez dias de greve que agora se vão realizar causarão um prejuízo adicional de 70 milhões de euros; o ministro das Finanças grego, Yanis Varoufakis, queixou-se no twitter de ser odiado pelos seus parceiros no Eurogrupo; o primeiro ministro grego Alexis Tsipras tirou poder a Varoufakis na negociação com os credores; Manuel Maria Carrilho foi condenado por difamação por ter dito que o padrasto de Bárbara Guimarães a teria violado; um vetusto proto candidato presidencial, Henrique Neto, fez-se fotografar para uma reportagem em tronco nu enquanto se barbeava com espuma e lâmina e filosofava sobre as reflexões que faz ao espelho; o Presidente da Câmara Municipal do Porto, Rui Moreira, participou na inauguração, naquela cidade, do Palácio Maçónico do Grande Oriente Lusitano; reabriu o único cinema que existe na baixa do Porto e que agora é dedicado a filmes pornográficos; Portugal foi o país da UE com maior peso de investimento chinês em 2014; a partir de Setembro 500 alunos irão começar a aprender Mandarim em escolas portuguesas; o site da Polícia Judiciária foi atacado por hackers do grupo Anonymous e foi alterada a foto de um procurador especializado no combate ao cibercrime; o Provedor de Justiça abriu 1800 processos contra o Fisco em 2014.

 

ARCO DA VELHA - Um autarca de Olhão, com casa ilegal na ilha do Farol, recorreu a tribunal para parar as demolições na ria Formosa, alegando que os camaleões, espécie protegida, habita nas árvores e arbustos das  construções feitas sobre as dunas;

 

FOLHEAR - A edição de Maio da revista Vanity Fair é imperdível- a começar pela capa e o respectivo artigo sobre Sofia Vergara, a actriz de “Uma Familia Moderna”. Mas ha mais -  desde a evocação de como a obra de Saul Below foi fundamental para Martin Amis crescer como autor, uma história contada pelo próprio Amis, até ao artigo de Josh Karp sobre Orson Wells, “Orson’s Last Stand”, onde se conta como o realizador queria fazer um filme sem um guião escrito. Mas há muito mais nesta edição e permito-me destacar a investigação de Bryan Burroughs sobre a decadência galopante dos noticiários de prime time numa das maiores estações de televisão norte-americanas, a NBC, desde que a Comcast, um operador de cabo, a adquiriu. A tese tem a ver com a incapacidade que a Comcast tem demonstrado em gerir talentos, o que provocou que eles fossem fugindo da estação - uns por vontade própria, outros empurrados. É uma história que por aqui também vamos conhecendo. No seu sempre brilhante editorial, o director da Vanity Fair, Graydon Carter, faz uma afirmação óbvia de que muitas vezes nos esquecemos: os noticiários televisivos são umas coisas que acontecem com uns apresentadores que vão falando, sempre da mesma forma, para um grupo cada vez menor de reformados tecnologicamente pouco hábeis que se contentam com esta forma antiga de saber o que se passa pelo país e pelo mundo. Na última página o habitual questionário de Proust, desta vez com Candice Bergen a confessar que o seu lema é “começar sempre pela sobremesa”.

 

VER - Boa semana para  a fotografia. No Museu da Electricidade inaugurou a exposição deste ano do “World Press Photo” e Lisboa acolhe até 24 de Maio os premiados de 2015 logo depois da sua apresentação em Amsterdão, onde a organização está localizada. Trata-se da exposição fotográfica que consegue o maior número de visitantes em todo o mundo, através da itinerância por dezenas de cidades. Este ano o grande prémio foi para o fotojornalista dinamarquês Mads Nissen com o retrato de um momento íntimo de um casal homossexual em São Petersburgo. Foram analisadas quase 98 mil fotografias propostas por 5.692 fotógrafos de 131 países. No total, foram premiados 42 trabalhos enquadrados em oito categorias temáticas. O prémio da melhor história em imagens foi para o italiano Giulio Di Sturco com a sua série sobre os estúdios de cinema chineses de Hengdian, onde já são feitas algumas co-produções internacionais, mas há muitas imagens marcantes para ver nas séries sobre o quotidiano ou nos ensaios fotográficos - uma prova da continuada relevância que a fotografia tem na comunicação. Outro destaque: no Museu do Chiado está   exposta uma selecção de 150 fotografias que mostram o Portugal do século XIX , entre 1840 e 1900 - aqui estão os pioneiros da fotografia, testemunhos da sociedade naquela época,  obras raras, outras inéditas. Há retratos, cenas do quotidiano (algumas, bem interessantes, fotografadas pela Rainha D. Maria Pia), imagens da então longínqua Madeira, como esta que aqui fica reproduzida, tirada na costa norte da ilha por João Francisco Camacho cerca de 1870. Mas também retratos de figuras da sociedade e fotografias de Alfredo Keil que ele utilizava como registos a partir dos quais elaborava depois os seus quadros a óleo. Estes Tesouros da Fotografia Portuguesa do Século XIX estarão no Museu de Arte Contemporânea do Chiado até 28 de Junho.

 

OUVIR - Steve Earle anda a fazer discos há mais de três décadas, mas este seu novo álbum, “Terraplane”, é dos mais inesperados - e interessantes - da sua longa carreira de dezena e meia de álbuns de originais. As suas canções têm sido interpretadas por nomes como Johnny Cash, Waylon Jennings, Emmylou Harris ou Travis Tritt, entre outros. Com origens no folk, Earle criou uma interessante combinação entre as guitarras rock e a forma country de construir canções e fez disso uma carreira. Mas é a sua paixão pelos blues que está na origem deste novo disco, uma assumida homenagem a Robert Johnson, uma das lendas dos blues do Delta do Mississipi que viveu na primeira metade do século passado - um dos seus temas mais famosos dá o título ao novo disco de Steve Earle. No álbum notam-se também vestígios das influências de bandas como os ZZ Top ou de clássicos como Howlin’Wolf. Aos 60 anos Steve Earle continua a mostrar-se mais interessado em trabalhar o detalhe e o virtuosismo do que em fogos de artifício sonoros fáceis. Muito bem acompanhado pelos Dukes, a sua banda de digressão, Earle surge  num tema ao lado da  violinista e cantora Eleanor Whitmore - "Baby's Just as Mean as Me".  “Better Off Alone”, “Acquainted with the Wind”,  “Baby’s Just as Mean as Me” e “The Tennessee Kid” são os meus temas preferidos (CD disponível via Spotify).

 

DIXIT - O maior inimigo da democracia e da liberdade sempre foi aquilo que el-rei D. Pedro V qualificou como canalhocracia. - JHosé Adelino Maltez, no Facebook

 

GOSTO - Do êxito alcançado pela edição deste ano dos Dias da Música, no CCB, dedicada às músicas de filmes  - e para o ano um desafio: uma volta ao mundo em 80 concertos.

 

NÃO GOSTO - Em três anos verificaram-se 2746 atropelamentos em Lisboa e os idosos representam quase 30% das vítimas.

 

BACK TO BASICS - Nunca se deve interromper o inimigo quando ele está a cometer um erro - Napoleão Bonaparte

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:28



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2005
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2004
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2003
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D