Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


 

328BD6CB-4DF5-4015-ADF2-7584F3398DF7.JPG

DESENCONTROS GOVERNAMENTAIS - Nos últimos dias houve duas crises, mais duas, no Governo. Uma foi ética e envolveu a Ministra da Coesão Territorial, Ana Abrunhosa - mas, acima de tudo, envolveu uma deputada do PS, Isabel Guerreiro, que propôs que as perguntas de outros deputados sobre a atribuição de fundos europeus a empresas participadas pelo marido da Ministra fossem apagadas das gravações da comissão parlamentar em que foram feitas - como se não existissem. O PS lançou há poucos dias, com pompa e circunstância, uma Academia Socialista que bem pode integrar questões básicas não só sobre o socialismo, mas sobre o significado de democracia, debate parlamentar e, já agora, ética. Se Ministros e deputados reprovam nestas matérias o melhor é rever o programa dessa Academia. O outro caso tem a ver com a capacidade de o PS gerir independentes no seu Governo. Costa e Silva, agora Ministro da Economia, levado em ombros por António Costa quando elaborou o estudo para o Plano de Resiliência, teve o pouco cuidado de sugerir em público uma medida que muita gente ligada à economia real defende - a baixa do IRC. Meteu-se com a pessoa errada, ou seja, o Ministro dos Impostos, também conhecido por Ministro das Finanças cargo de cobrador ocupado, nesta conjuntura actual, por Fernando Medina, um dos anunciados delfins de Costa. Enquanto Costa e Silva se preocupa com o estado da Economia, a sobrevivência de empresas e o seu crescimento, Fernando Medina preocupa-se com a forma de fazer crescer a receita do Estado. Historicamente são visões incompatíveis porque o Estado atavicamente não quer saber do bem estar da economia, apenas de si próprio. Fernando Medina é daqueles habilidosos que se especializou em arrancar dentes sem anestesia, Costa e Silva é mais adepto de curar o doente e dar-lhe vitaminas. É o Governo que temos. A mentira e o fingimento são a pior coisa da política e Costa e Silva pecou por não embarcar nesse jogo.

 

SEMANADA - O ex-Ministro do Trabalho e Segurança Social, Vieira da Silva, disse que preferia que a aplicação da fórmula de actualização das reformas, de que foi autor, fosse suspensa em vez de ser alterada; ao longo de um ano empresas de supermercados e de distribuição foram multadas pela Autoridade da Concorrência em 675 milhões de euros por concertação de preços; a indústria da carne antecipa aumentos de preços entre 15 a 20% nos próximos meses; 48% dos portugueses dizem que já vivem com dificuldades; o cabaz essencial alimentar da DECO teve uma subida de preço de 13% desde o início da guerra, bem acima da inflação; a execução dos fundos europeus nas grandes obras públicas do Portugal 2020 é inferior a metade do que devia ser; os novos créditos à habitação têm os juros mais altos dos últimos 13 anos; o preço das casas vendidas no segundo semestre deste ano aumentou mais de 13%, a subida mais acentuada desde que há registos; ao contrário do que a empresa garantiu, o ciberataque à TAP expôs os dados privados dos clientes, entre eles 15 dos 17 Ministros, do Presidente da República, de líderes partidários e responsáveis de forças de segurança; o trânsito automóvel em Lisboa e no Porto já supera o nível de 2019; Portugal exporta bicicletas para 90 países, mas por cá elas são utilizadas por menos de 1% da população; segundo o Conselho das Finanças Públicas a forga orçamental daria para descer o IRC para 13 ou 14% durante um ano; quase metade da população de Cascais já usa transportes públicos gratuitos; a Câmara Municipal de Lisboa aprovou 22 medidas de combate à inflação dirigidas às famílias e empresas da cidade; há 100 mil aunos sem aulas por falta de professores.



O ARCO DA VELHA - A máquina ATM de bitcoins da Sociedade Filarmónica Recreio Alverquense, em Alverca do Ribatejo, é uma das mais concorridas do país, a par de uma outra que existe num café-lavandaria da zona dos Anjos, em Lisboa.

 

9BC4FE4C-E63D-42DA-AD97-C25A618153D9.JPG

CONTRATEMPO  - José Maçãs de Carvalho expõe na Galeria Carlos Carvalho (Rua Joly Braga Santos Lote F r/c, Lisboa) uma série de fotografias sob o título genérico “Contratempo” (na imagem), uma visita visual a arquivos, seus e alheios, que cruza visões sobre o tempo, o corpo, a vida e a morte, mas também sobre o peso da História. Um dos  momentos mais curiosos é a série “Sem Título (after gerard r.) onde se revisitam alguns dos 48 Portraits de Gerard Richter, num conjunto de fotografias onde as mãos que seguram as molduras ganham elas próprias uma nova dimensão que tem a ver com as imagens que abraçam. "Contratempo" é essencialmente o regresso de José Maçãs de Carvalho à fotografia como meio principal que exibe, evitando o facilitismo da proliferação de vídeos, desta vez centrando-se num único desses objectos, “Video Killed The Painting Stars”, a meio caminho entre Man Ray e o primeiro videoclipe exibido pela então nascente MTV, sobre uma canção das Bangles. De resto as imagens da morte, refletidas nos corpos de animais embalsamados, e da vida, na rua e metamorfoseada em estúdio num contraste entre a pele do corpo e um arranjo floral, são inequivocamente pontos altos desta exposição. Ainda na fotografia vale a pena visitar a exposição sobre a obra da canadiana Margaret Watkins. “Black Light” reúne 136 imagens realizadas entre 1914 e 1939 por Margaret Watkins, um dos nomes incontornáveis da fotografia do século XX e que é a sua primeira grande exposição em Portugal - uma iniciativa da Fundação D. Luís no Centro Cultural de Cascais, até 8 de Janeiro. Por último, no Parque dos Poetas, em Oeiras, com entrada livre, pode ser vista a selecção das melhores fotografias do ano, na já tradicional mostra do World Press Photo, que ali ficará até 16 de Outubro.

08FE3DAE-6F10-4985-B64A-65E23B03E156.JPG

ROMPER ESPAÇO  - Mesmo quando achamos que já poucas coisas nos podem surpreender aparece de repente uma obra que desafia os sentidos, o espaço e o local onde foi colocada. A peça em questão, “Isto Não Sou Eu” é o desafio lançado por Rui Chafes na exposição “Desabrigo”, que apresenta na Fundação Arpad Szenes- Vieira da Silva até 15 de Janeiro  próximo. “Isto Não Sou Eu” (na imagem) , criada já este ano expressamente para o local, é um bloco feito de ferro que atravessa duas salas do museu, obrigando a ter uma nova perspectiva do seu espaço e a uma circulação que leva até às outras três peças de “Desabrigo”, todas de 2020, que completam a mostra. O ferro, em contraste com as paredes e o soalho, rompe a arquitectura do edifício,preenchendo um vazio. Como João Barrento escreveu no texto de apresentação da exposição “a obra verdadeiramente digna desse nome não abre passagens fáceis nem óbvias, suscita desde logo interrogações.”Outra exposição a ver está na Galeria Cristina Guerra, “What Is Yet To Take Shape Will Protect Me”, de Christian Andersson, um artista sueco que trabalha entre Malmo e Paris. A exposição mostra um contraste entre a tecnologia, na série “Cache” que são como colagens de um novo tempo que evocam as memórias escondidas dos computadores, até à representação de uma impressora laser esventrada, culminando, ao virar da esquina da sala, com “Marrow”, revisitação de uma escultura gótica funerária. Na Galeria Cristina Guerra Contemporary Art , Rua de Santo António à Estrela 33, até 29 de Outubro.



Contra a Interpretação.jpg

ENSAIOS SOBRE O ESTILO  – «O mundo em que estes ensaios foram escritos já não existe», escreveu Susan Sontag no posfácio de “Contra a Interpretação e Outros Ensaios”, trinta anos após a primeira edição da coletânea em 1966, reavaliando a pertinência dos textos à luz do tempo da sua escrita, do «estado da arte» e do mundo passadas três décadas: «Olhando para trás, como tudo isso parece maravilhoso. Quem nos dera que algum desse arrojo, desse otimismo, desse desdém pelo comércio tivesse sobrevivido.» Este posfácio foi escrito em 1996 e refere-se aos 27 ensaios escritos e publicados originalmente entre 1964 e 1965. A colectânea inclui ensaios de Susan Sontag sobre  Ionesco, Sartre, Camus ou Simone Weil e mostra o seu pensamento sobre a cultura e a nova sensibilidade artística que nasceu, por exemplo, com os filmes de Robert Bresson, Godard ou Resnais, entre outros que a autora destaca. O livro inclui ainda o célebre ensaio “Sobre o Estilo”, publicado na  Partisan Review. Sontag salientava, em 1966: «Escrevi na qualidade de entusiasta e partidária, com o que parece-me agora, certa ingenuidade. Não me apercebi do imenso impacto que a escrita sobre novas atividades artísticas, ou pouco conhecidas, pode ter na era da “comunicação” instantânea». E conclui:  «Escrever textos críticos veio a revelar-se um acto tanto de libertação intelectual como de expressão das minhas próprias ideias. Mais do que ter resolvido, para mim mesma, uma determinada quantidade de problemas fascinantes e perturbadores, tenho a sensação de os ter gasto.» Esta nova edição de “Contra a Interpretação e Outros Ensaios” foi agora lançada pela Quetzal.

 

image (1).png

WELCOME BACK - Com 56 anos Bjork regressa em grande forma com o seu 10º álbum de originais, “Fossora, o primeiro desde “Utopia”, de 2017. A sua discografia a  solo, depois de se ter destacado nos Sugarcubes no final dos anos 80, iniciou-se em 1993 com “Debut”. Tem sido um longo e irrequieto caminho, muitas vezes com incursões inesperadas, cada vez mais elaborado, mas também permanentemente aberto à utilização de novas sonoridades, que vão do reggaeton até melodias indonésias, No Instagram, Bjork revelou o processo criativo que levou a “Fossora”, escrevendo que todos os seus álbuns começam com um sentimento que tenta transformar em som. “Desta vez, o sentimento foi o de aterrar e enterrar os meus pés no chão”, afirmou. Numa entrevista ao jornal britânico “The Guardian”, Björk afirmou que a sonoridade do disco pode ser descrita como “techno biológico”. No álbum colaboram os Gabber Modus Operandi, um duo indonésio, Serpentwithfeet e os seus filhos, Sindri e Ísadóra e ainda um sexteto de clarinetes.  A  voz de Bjork, inconfundível, continua ao mesmo tempo gutural  e envolvente . No disco destacam-se canções como a faixa título, “Fossora”, "Sorrowful Soil”, “Ancestress”, “Atopos”, “Ovule”, “Freefall” ou “Her Mother’s House”, entre a dúzia de novos temas incluídos neste novo disco. Mais uma vez os visuais, das fotografias aos vídeos são cuidadíssimos.

 

DIXIT - “O que se está a passar com o falhanço no combate aos incêndios, cinco anos após as tragédias de 2017, é difícil de explicar sem recorrermos ao conceito de «irresponsabilidade organizada»”- Rui Gonçalves, presidente da FlorestGal

 

BACK TO BASICS - “Querem a democracia? Ocupem-se da justiça!” - António Barreto 


Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:00

SOBRE A RAZÃO E OS SENTIMENTOS

por falcao, em 23.09.22

 

R0000754.jpg

SEM PAPAS NA LÍNGUA - Recentemente um dos grandes escritores espanhóis, Arturo Pérez-Reverte, esteve em Portugal para acompanhar a edição do seu mais recente livro, “Linha da Frente”. Na ocasião deu uma entrevista à revista “Visão”, da qual tomo a liberdade de fazer algumas citações porque elas retratam, bem, o mundo actual. Então aqui vai a primeira: “ Um dos grandes problemas em Espanha - também em Portugal, mas creio que ainda mais em Espanha - é a incapacidade de vermos virtudes nos inimigos e defeitos no nosso lado. É tudo muito bom ou muito mau. Essa radicalização é muito perniciosa. Os excessos e populismos da esquerda levaram aos excessos e populismos da direita.” E mais adiante: “O que vejo é que os mais jovens políticos espanhóis,  portugueses e europeus têm uma grande carência intelectual. Ideologicamente não têm uma base sólida. São mais de declarações rápidas, de tweets… vendem-nos uma simplicidade muito perigosa”. E prossegue: “No Ocidente trocámos a razão pelos sentimentos. Agora “sentimos”: as focas, as baleias, os golfinhos, os touros, os sem-abrigo, a pobreza. Trocámos Voltaire, Montesquieu, Tocqueville, Rousseau e Kant pelo espírito das Organizações Não Governamentais. Não tenho nada contra as ONG, mas isso é um sinal de que nos falta um sustento, um alicerce intelectual. A nova ideologia não passa pela razão, a nova ideologia é o coração”. E, por fim: “Creio que o Ocidente está a perder a batalha intelectual e a barbárie é isso. O Ocidente foi sempre a luz do mundo, com a gesta atlântica e índica  dos portugueses, a expansão dos espanhóis, o iluminismo em França, o parlamentarismo inglês, a Alemanha e o seu racionalismo filosófico. Tudo isso está a ser varrido, mesmo nas escolas. Não interessa nada se um  jovem conhece ou não Voltaire, tem é de sentir que pode ser homem ou mulher, tem é de respeitar os seus sentimentos, mas os sentimentos têm de estar baseados na razão! Essa é a batalha que está a perder o Ocidente e nos torna débeis.” 

 

SEMANADA - Existem 2,3 milhões de portugueses em risco de pobreza ou exclusão social, o equivalente a 22,4% da população;o preço do pão subiu 15% no último ano;  no primeiro semestre do ano registaram-se 15.500 acidentes rodoviários que provocaram 210 mortos e 1120 feridos graves; um em cada três alunos inscritos no ensino superior público está deslocado fora da sua residência habitual; 36,5% dos funcionários públicos portugueses têm mais de 55 anos; temos a quarta Administração Pública mais envelhecida da OCDE; a tributação do tabaco já deu este ano mais 58,6 milhões de euros do que estava previsto; incêndios de agosto geraram prejuízos de 85 milhões de euros, abrangeram 14 municípios e queimaram 57 mil hectares, 28 mil dos quais no Parque Natural da Serra da Estrela; a entidade das contas já deixou prescrever este ano os processos relativos às contas dos partidos políticos de 2013 e 2014; 60 mil alunos não têm professores pelo menos a uma disciplina; em cerca de dez anos o programa dos vistos Gold já foi usado por 1123 brasileiros com investimentos imobiliários que ultrapassaram 860 milhões de euros; segundo a Marktest o Tik Tok já é a quarta rede social com mais notoriedade em Portugal e o Instagram a rede com maior penetração entre os mais jovens; 92% dos portugueses afirmam que a crise já os fez diminuir a ida a restaurantes e a compra de roupa; nos últimos dez anos os bancos fecharam metade dos balcões que existiam. 

 

O ARCO DA VELHA - O Primeiro Ministro afirmou em Junho na CNN que iria cumprir integralmente a Lei das Pensões, não avisou para qualquer problema de sustentabilidade na Segurança Social, e três meses depois anunciou que as reformas vão ter cortes e a Lei vai ser revista.

 

Cefalù, 2019 (1).jpg

UM CLÁSSICO - A nova exposição de Paulo Nozolino, “Oracle”, é uma viagem por temas que têm estado presentes na sua obra, ao longo dos anos: a vida e a morte, o sagrado e o profano, a força da natureza e a espiritualidade, o poder e a resistência humana. O olhar de Nozolino é característico e a diversidade dos temas que explora em “Oracle” reforça como esse olhar se exerce de forma coerente sobre situações tão diversas e geografias tão distantes umas das outras. As nove fotografias constituem uma das grandes exposições deste ano. Todas  foram enquadradas na vertical, numa fuga deliberada ao que é o ângulo de visão do olho humano, distorcendo de imediato a nossa percepção das coisas e forçando-nos a adoptar a visão do autor. A fotografia de Nozolino  aqui reproduzida, de Cefalu,  na Sicília, está colocada em local destacado na Galeria Quadrado Azul, e como que liga os mundos mostrados nas outras oito imagens. Já este ano Paulo Nozolino expôs no Centro Georges Pompidou, em Paris, sob o título “Le reste est ombre”, ao lado de Pedro Costa e Rui Chafes. A Galeria Quadrado Azul fica na Rua Reinaldo Ferreira 20A, em Alvalade e a exposição “Oracle” permanecerá até 12 de Dezembro. Outra nova exposição aberta na semana passada é “Patrícia”, de José Pedro Cortes, na Galeria Francisco Fino. Trata-se um trabalho centrado na actividade de Patrícia Mamona enquanto atleta - uma instalação de quatro vídeos, cada um com 16 minutos, onde as rotinas de treino são a matéria prima das imagens obtidas ao longo de quase três anos. O resultado pode ser visto até 15 de Outubro na Galeria Francisco Fino, Rua Capitão Leitão 76, a Marvila.

 

capa_ Adeus Casablanca_300dpi.jpg

UMA BELA HISTÓRIA - Tenho o velho hábito de considerar que os primeiros parágrafos de um livro são decisivos para lhes destinar o futuro nas minhas leituras. Se fico curioso e acho a ideia sensacional, é garantido que vou ler; se me parece um pouco hesitante mas ainda levanta curiosidade, entra para a lista de possibilidades; e se nem desperta entusiasmo nem curiosidade, passo à frente e está o caso arrumado. “Adeus Casablanca”, de João Céu e Silva, entrou directamente para a primeira categoria. Logo no primeiro parágrafo nasce a curiosidade quando, nos anos 40 do século passado, um polícia recomenda a uma banhista que use uma roupa mais comportada: “Não quero mulheres quase despidas nesta praia” - assim sintetizou o agente da Lei o seu pensamento. É o retrato do Portugal dessa época e é o ponto de partida para “Adeus, Casablanca”, um romance histórico que combina a espionagem internacional com base no Estoril, a oposição ao regime de Salazar e os caminhos da diplomacia no Estado Novo. O livro centra-se no relato de uma argumentista norte-americana que é encarregue de escrever a sequela do filme “Casablanca” e que decide fazer nascer o seu guião a partir do desvio de um avião da TAP que em 1961 Henrique Galvão tomou de assalto em Marrocos e que, depois, usou para espalhar cem mil panfletos anti-regime pelos céus de Portugal. Aqui Casablanca e Marrocos, são o palco onde se fala dos exilados políticos portugueses no norte de África, mas também da recriação da vida marroquina dos tempos em que Paul Bowles vivia em Tânger. “Adeus, Casablanca”, de João Céu e Silva, é uma edição da Guerra & Paz.

 

image (4).png

BAÚ MÁGICO - Em Maio de 1965 Lou Reed, então com 23 anos, sentou-se com John Cale e gravou uma dezena de “demos” de canções, várias delas mais tarde interpretadas pelos Velvet Underground. Feito num gravador de bobine, o registo é de uma simplicidade total, a voz de Reed, por vezes a de Cale nos coros, guitarra acústica, uma vez ou outra, uma harmónica. Quase folk music estas gravações, são sempre precedidas pela voz de Lou Reed, a dizer o nome da canção e a explicitar “words and music by  Lou Reed”. Quando a gravação terminou Reed colocou a bobina na sua caixa original, meteu tudo num envelope e enviou-a a si próprio por correio, dirigindo-a a Lewis Reed, o seu nome verdadeiro - uma espécie de registo de copyright caso no futuro houvesse algum problema sobre a autoria destes temas. Nessa altura os Velvet Underground já existiam, davam os primeiros passos, embora o seu disco de estreia, “Velvet Underground & Nico” seja de 1967. A fita repousou durante décadas nos arquivos pessoais de Reed e a caixa, ainda por abrir, só foi descoberta depois da morte de Reed, em 2013. Quando a New York Public Library  comprou o seu espólio à viúva, Laurie Anderson,  os arquivistas finalmente ouviram a fita e perceberam que ali estavam as primeiras gravações de canções que mais tarde seriam bem conhecidas. Dez das canções dessa fita foram agora editadas em “Words & Music, May 1965”, e aí é possível descobrir as versões originais de temas como “I’m Waiting For The Man” (em duas versões, bem diferentes), “Heroin”, “Walk Alone”, “Wrap Your Troubles in Dreams”, “Too Late” ou uma versão de “Men Of Good Fortune” que não tem nada a ver com a canção do mesmo nome que Reed gravou no álbum “Berlin”. É um disco extraordinário? Não, mas é um documento soberbo do nascer de um talento, da junção de duas forças criativas como Reed e Cale. Disponível nas plataformas de streaming.

 

MAIS UMA SANDUÍCHE  - Experimentar novas sanduíches é uma das coisas que gosto de fazer. Fruto de estival incursão pelo Algarve trouxe um frasco de creme de alfarroba, uma iguaria que nunca tinha experimentado apesar de ser confessadamente devoto do sabor da alfarroba. Após algumas experiências, voz amiga, sabendo das minhas preferências sugeriu-me que experimentasse usá-la com queijo numa sanduíche. Vamos por partes - o pão é uma peça fundamental numa sanduíche e as minhas preferências actuais vão para o pão de espelta integral da Pachamama, feito a partir de massa mãe e sem fermento. Duas fatias de espessura média, levemente tostadas são a base. A seguir veio o creme de alfarroba, barrado generosamente nas duas fatias - a textura é espessa, o sabor é intenso e envolvente, combina-se bem com o pão. A parte final é o queijo. Gosto muito de queijo da ilha de S. Miguel de nove meses de cura, sobretudo cortado em lascas finas, à temperatura ambiente. Uso uma boa quantidade de fatias muito finas, uma camada em cada fatia de pão, Depois é como fazer um lego: junto as duas fatias, comprimo um bocadinho para ficarem bem encaixadas e delicio-me. Acompanha bem com uma cerveja preta, a minha preferência, entre as nacionais,  vai para a Sagres. 

 

DIXIT - “Não há anteriores governos, nem guerra, nem pandemia que justifiquem o estado das coisas. Nada justifica a incompetência, a ausência de visão e a ausência de sentido prático da vida” - António Barreto

 

BACK TO BASICS -”A Arte existe porque a vida não basta” - Ferreira Gular.

 

 




Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:00

IMG_7164.jpg

COSTA, O REVERTEDOR ILUSIONISTA - António Costa passou o seu primeiro mandato a reverter, com a ajuda prestimosa do Bloco e do PCP, muitas das medidas tomadas pelo governo de Passos Coelho. Nessa altura foram tomadas medidas duras na sequência do descalabro em que o país foi deixado por um executivo do PS, liderado por Sócrates. Se o PS não tivesse empurrado o país para a beira do precipício não teria sido necessário tomar tais medidas, adoptadas na sequência aliás do pedido de resgate imposto pelo então Ministro das Finanças, Teixeira dos Santos, a 6 de Abril de 2011. Numa entrevista dada em Abril de 2015 à TVI Teixeira dos Santos contou que Sócrates não queria fazer o pedido de resgate nessa altura, preferindo esperar mais algum tempo para esse ónus não cair no seu Governo, mas sim do seguinte, que saísse das eleições legislativas de Junho de 2011 que já adivinhava iria perder. Mas a verdade é que a bancarrota foi provocada por governos do PS, assim como o pedido de resgate às instituições financeiras internacionais. Falo disto porque o PS e os partidos à sua esquerda mostram uma amnésia localizada neste período da história e tentam convencer as pessoas que todos os males começaram quando o PS perdeu eleições. Podia recomendar auxiliares de memória ao Dr. António Costa, que funcionassem aliás em duas vertentes: em relação à forma como o PS governou entre 2005 e 2011 e em relação às reversões e promessas que o primeiro Governo de Costa com a geringonça então fez. E digo isto porque nesta semana soube-se que o Governo procura comprador para a TAP, depois de ter voltado a assumir o seu controlo em 2016, fazendo juras de eterno amor que culminaram na sua efectiva nacionalização. Se a ideia era voltar a privatizar teria sido mais útil dispensar-nos de pagar os 3,2 mil milhões que os contribuintes foram forçados a lá meter. Portanto, a Costa já não chega reverter as decisões de Passos, a ânsia é tanta que até reverte as suas próprias decisões. E o mesmo se passa com o caso da semana, o misterioso plano sobre as pensões de reforma, que afinal, e contrariando todas as juras da geringonça, se anuncia agora que sofrerão cortes num futuro próximo. A síntese podia ser esta: à falta das reformas estruturais, que não faz, António Costa faz reversões pontuais com truques de ilusionista, tapando parte da verdade. Lembrem-se disto nas próximas eleições.



SEMANADA - Metade dos obstetras do SNS tem mais de 50 anos; as aulas arrancaram coim mais de 60 mil alunos sem professor; 59% dos professores em falta estão nos distritos de Lisboa e Setúbal;  no último ano lectivo a PSP apreendeu 75 armas dentro ou junto a escolas; desde Janeiro registaram-se mais de 100 mortes por afogamento;  90 em cada 100 famílias subscreve serviços em pacote dos operadores de comunicação, num total de 4,5 milhões de clientes, mais 3,5% que no ano passado; em 2021 a PSP expulsou 20 polícias e suspendeu 108; as importações de carros usados subiram em Agosto 46%, em relação ao mesmo mês do ano passado; o Governo pretende incorporar no Imposto Sobre Produtos Petrolíferos a Contribuição do Serviço Rodoviário, uma taxa portuguesa considerada ilegal pelo Tribunal de Justiça da União Europeia; os dados pessoais de 115 mil clientes da TAP foram divulgados pelos hackers que assaltaram os sistemas da companhia, que na altura havia garantido que não tinha havido violações de confidencialidade; o Ministério da Defesa português foi vítima de hackers que, na sequência do ataque, divulgaram documentos secretos da NATO a que tiveram acesso; o Processo Especial de Viabilização, criado durante a pandemia, teve 22 empresas interessadas mas apenas sete foram apoiadas; segundo a Marktest na semana de 5 a 11 de setembro, os sites de Informação foram os mais procurados e receberam 23 milhões de visitas, tendo sido seguidos pelos sites de TV, com 15 milhões e pelos de Desporto e Automóveis, com 12 milhões.



O ARCO DA VELHA - A Câmara de Idanha-a-Nova comprou no fim de 2020, por 260 mil euros, um edifício que já era seu e que tinha sido comprado em 1998.

 

IMG_7210.jpg

QUADROS EM ECRÃS - A surpresa e o inesperado fazem parte do percurso artístico de Ana Jotta e muitas vezes as suas obras parecem encenações, talvez influenciadas pelos anos em que trabalhou no teatro, como cenógrafa. Desde a semana passada Ana Jotta apresenta a sua nova exposição, “September Song”  na Galeria Miguel Nabinho (Rua Tenente Ferreira Durão 19). Desta vez a surpresa que Ana Jotta apresenta reside no material de suporte das suas pinturas, ecrãs de projecção portáteis (na imagem). Assim, em vez de os quadros estarem nas paredes, estão dispostos no meio do espaço da galeria e as pessoas circulam entre eles, o que cria uma forma diferente de ver as obras. Em “September Song” Ana Jotta usa os ecrãs para projectar a sua visão da paisagem que a rodeava enquanto fazia estas obras, num espaço fora da cidade, bem diferente do ateliê onde normalmente trabalha. No site da galeria, miguelnabinho.com , podem ver as onze pinturas da exposição, assim como uma entrevista com Ana Jotta, filmada no próprio local onde os quadros foram feitos. O outro destaque da semana vai para a quarta edição do IMAGO LISBOA Photo Festival, que este ano  gravita em torno da ideia de "Distúrbios''. A programação central deste festival de fotografia apresenta trabalhos  de 23 autores – 6 deles portugueses – que observam e exploram a ideia do distúrbio. O IMAGO LISBOA apresenta até 8 de Outubro nove exposições a decorrer em diversos locais da cidade de Lisboa: MNAC, Sociedade Nacional de Belas Artes, Galeria de Santa Maria Maior, IPCI, Museu da Água, Galeria Imago Lisboa, SALTO, Imago Garage e Carpintarias de São Lázaro.

 

image.png

UMA VIDA NO MÉDIO ORIENTE - Henrique Cymerman é um jornalista que ao longo da carreira se tem dedicado a observar o Médio Oriente. O seu novo livro, “Conversando Com O Inimigo- do Porto a Abu Dhabi via Telavive” é um registo autobiográfico da sua experiência, um relato da vida, onde fala da infância, da decisão de emigrar para Israel, do conflito israelo-árabe, de conspirações internacionais que testemunhou e das conversas com o Papa Francisco, que lhe concedeu a primeira entrevista a um meio de comunicação não pertencente à religião católica, e que  em 2013 o nomeou “Anjo da Paz”. Nascido no Porto, descendente de uma família judia que chegou a Portugal em 1926, Henrique Cymerman, que os portugueses estão habituados a ver como correspondente da SIC em Israel, onde está radicado desde o final da década de 1970, apresenta-nos um retrato de quem vive numa região em conflito. O livro conta como chegou à fala e entrevistou personalidades como Yasser Arafat, Mahmoud Abbas, o fundador do Hamas, Ahmed Yassim e diversos outros líderes da organização, entre os quais o actual,  Ismail Hanie. O livro detalha ainda como os encontros decorreram e em que circunstâncias, incluindo as entrevistas que fez a Osama Bin Laden,  a líderes do Daesh ou ao líder da Jihad Islâmica na Palestina. Acusado de poder ser espião por uns, elogiado pelo seu trabalho de jornalista e entrevistador  por outros, Henrique Cymerman escreveu um relato da sua vida, bem sintetizado no título: “Conversando Com o Inimigo”.

 

image (1).png

SUPER QUARTETO - Provavelmente está encontrado um dos melhores discos de jazz do ano. Chama-se “Long  Gone” e reagrupa os membros do lendário quarteto que em 1994 gravou “MoodSwing” e que, além do saxofonista Joshua Redman, inclui Brad Mehldau no piano, Christian McBride no baixo e Brian Blade na bateria. O quarteto voltaria a reunir-se em 2020 para a gravação do álbum “Round Again” e agora surge “Long Gone” com seis temas que evidenciam o talento de cada um dos músicos mas, sobretudo, a forma como tocam em conjunto. Posto isto deve dizer-se que o saxofone de Joshua Redman ocupa na maior parte dos temas o lugar principal, nomeadamente na faixa de abertura “Long Gone” e em “Disco Ears”, onde o diálogo com o piano de Mehldau é a demonstração do entendimento que existe entre os dois músicos. “Statuesque” é outro dos temas marcantes, um exemplo de uma bela composição, assim como “Kite Song”, um momento surpreendente cheio de ritmo e melodia.  Mas apesar dos longos solos de Redman este é um disco partilhado e feito em conjunto, com a delicadeza das intervenções de Mehldau, a subtileza da discreta mas presente bateria de Blade e a eficácia do baixo de McBride. A faixa final é um registo ao vivo de um dos temas marcantes de “MoodSwing”, “Rejoice”, uma bela despedida para este disco. Edição Nonesuch, disponível em streaming.

 

TPC - Pensem em beringelas. Depois pensem em forno. Adicionem ao pensamento molho de tomate. Tenham à mão mozarella fresca. Passemos então aos detalhes, seguindo uma receita da deliciosa newsletter El Comidista do jornal El País. Para o molho de tomate devemos ter uma lata de tomate pelado, cebola, uma cenoura pequena, louro, um dente de alho, sal e pimenta e, claro azeite. O primeiro passo será um refogado leve de cebola e alho, ao qual deve ser adicionada a cenoura ralada. Só depois entra o tomate. É nessa altura que se deve adicionar sal e pimenta a gosto, juntamente com a folha de louro. Agora coloquem o tacho, tapado, em lume muito brando durante uma hora. Aproveitem para preparar as beringelas, de preferência não muito grandes. Devem cortá-las em tiras grossas, de pouco mais que 1cm, mas não levem a faca até ao fundo, deixem as fatias presas umas às outras em baixo, ficando a beringela como um harmónio. Salguem entre os cortes e deixem escorrer durante uns 20 minutos. No final passem por água abundante para retirar o excesso de sal e sequem bem com um pano.  Entretanto o forno deve estar pré-aquecido a 180º. O passo seguinte é cortar a mozarella em rodelas de dimensão média e colocar intercaladas nas fatias da beringela - em todas ou de duas em duas, dependendo do gosto de cada um. Depois é colocar a base do molho num recipiente de ir ao forno com as beringelas por cima - pode temperar com oregãos se gostar. Tapar com folha de alumínio e colocar no forno meia hora. Ao fim desse tempo tirar a folha de alumínio e deixar mais meia hora. Se quiser pode pôr um pouco de pão ralado por cima das beringelas para ganharem mais cor no forno. Bom apetite.

 

DIXIT - “A credibilidade, quando se perde, é um caminho sem retorno. António Costa perdeu-a. E já não volta. Ser hábil não é suficiente para ser credível” - Rodrigo Saraiva

 

BACK TO BASICS - “A guerra resume-se a isto: fazer entrar um pedaço de metal num pedaço de carne” - Jean Luc Godard

 

 




Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:00

R0000744.jpg

A ESPIRAL  - Quando olhamos para os dados da evolução da inflação em Portugal constatamos um pico na segunda metade dos anos 70, que se prolonga com valores ainda altos nos anos 80 e que só a partir dos anos 90 começa a baixar. Em 1993 o valor da inflação média andava muito perto daquele que já registamos este ano, acima dos 6%. Serve isto para dizer que há quase 30 anos não tínhamos a experiência de viver com esta situação. Ou, se quisermos colocar as coisas de outra forma, há três décadas que empresas, sistema financeiro e cidadãos não se confrontavam com a incerteza que esta situação traz. Podemos ver as coisas noutro ângulo: há várias gerações de gestores, políticos e consumidores que não sabem o que é lidar com uma situação de inflação como esta que estamos a viver. Por mais que tenham estudado o mecanismo da inflação não conhecem a incerteza real e psicológica que provoca. Quem hoje está à frente do Estado e das empresas não está habituado, e muitas vezes não tem conhecimentos nem experiência, para reagir às brutais alterações que a inflação provoca a vários níveis da sociedade. Essa falta de saber e experiência é a face mais perigosa deste período que estamos a passar. Sentimos o improviso nas decisões, o receio nas medidas tomadas, a demora na reacção. E sentimos, também, uma falta de mecanismos de controlo que possam evitar que a espiral dos preços se descontrole. Uma simples visita a um supermercado ou a uma grande superfície mostra como os preços dos mais variados produtos estão a subir muito acima dos valores públicos da inflação. Nalguns casos, em bens não essenciais é certo, essa subida atinge valores muito altos. Existe a sensação de que o momento está a ser aproveitado para estabelecer preços de uma forma especulativa e não controlada. A inflação, como alguns estão agora a descobrir, produz efeitos colaterais que condicionam a vida das pessoas, obrigam a alterar comportamentos, vai acelerar todos os problemas que existem na sociedade portuguesa. Governo e empresas estarão preparados para isto?

 

SEMANADA - A execução do PRR "foi inferior a um décimo do que deveria ser" em julho e agosto, afirmou o Fórum para a Competitividade; o IVA da electricidade e do gás  podia ter descido de 23 para 6% desde Abril, quando Bruxelas o autorizou, mas o Governo não quis fazer essa redução e nem agora a tornou generalizada; a energia e os combustíveis absorvem 17% do orçamento das famílias com menores rendimentos; em Julho o INE registou 183 mil turistas vindos dos Estados Unidos, o maior número de sempre no período de um mês; especialistas defendem que para salvar a floresta 60% do pinhal tem que desaparecer; o grande incêndio da Serra da Estrela parou à entrada de Manteigas de forma natural, junto aos carvalhos e à floresta folhosa, que é de difícil combustão, ao contrário do pinhal; cinco anos depois dos incêndios que devastaram o pinhal de Leiria o mato seco vai-se acumulando, as espécies invasoras ganharam terreno e há árvores plantadas que já morreram; o diploma da reorganização da Protecção Civil, que tutela o combate aos incêndios florestais, está na gaveta há três anos; apenas 2% dos portugueses estão filiados em partidos políticos e, destes, quatro em cada cinco estão inactivo; PS e PSD têm a maioria dos seus militantes na função pública; o último relatório do Grupo de Estados Contra a Corrupção, um organismo do Conselho da Europa,  sublinha que em Portugal 12 das 15 recomendações não foram integralmente cumpridas e afirma que os juízes são os principais culpados da situação que se vive.

 

O ARCO DA VELHA - Por cada 10 euros que o Governo prometeu investir no Serviço Nacional de Saúde apenas foram gastos 1,2 euros nos primeiros seis meses do ano, o que significa que o investimento na saúde está a cair 33%.

 

image (2).png

FOTOGRAFIA SEM FRONTEIRAS - O destaque desta semana vai para uma exposição de fotografias de Moira Forjaz, “Ilhéus”, patente no Mira Forum até 22 de Outubro. Moira Forjaz, natural do Zimbabwe, foi para Moçambique em meados dos anos 70, fez parte do grupo que fundou a Associação Moçambicana de Fotografia, trabalhou com nomes como David Goldblatt e Ricardo Rangel e foi uma das fotógrafas oficiais de Samora Machel. Depois, durante alguns anos viveu em Portugal e chegou ter uma galeria em Lisboa. O trabalho agora exposto foi fotografado na Ilha de Moçambique, onde vive desde 2012. Este projecto é baseado em ilhéus idosos que deixaram entrar a fotógrafa na sua intimidade, contando as suas vidas na primeira pessoa. As mulheres da Ilha vestiram as suas melhores capulanas e assim foram fotografadas e deste trabalho resultou o livro “Ilhéus”, publicado em 2019. A exposição patente no Mira Forum é baseada nesse livro e algumas destas fotografias foram expostas em Veneza, no Pavilhão de Moçambique, em 2019. O Mira Forum fica na Rua de Miraflor 155, Campanhã, Porto, e está aberto de quarta a sábado entre as 15 e as 19h00. Outro destaque vai para o Museu do Neo Realismo, em Vila Franca de Xira onde Jorge Calado apresenta uma nova montagem da exposição “A Família Humana”, integrando uma centena de novas fotografias, entre as quais trabalhos de alguns dos maiores nomes da fotografia, como Walker Evans, Alfred Eisenstaedt, David Seymour, David McCullin e Claude Jacoby. Pela primeira vez nesta colecção estão representados trabalhos de portugueses: Rita Barros, João Mariano e Pedro Bello. A colecção, que tem sido desenvolvida por Jorge Calado, já tem cerca de meio milhar de fotografias de duas centenas de autores de várias nacionalidades.

 

image (1).png

NA HISTÓRIA DE PORTUGAL - Bernardo Futscher Pereira é um experiente diplomata português com vasta experiência em diversos cargos nacionais e internacionais e tem-se dedicado a estudar a política externa portuguesa e a nossa história diplomática, tendo escrito anteriormente “A Diplomacia de Salazar (1932-1949)” e “Crepúsculo do Colonialismo (1949-1961)”. Actualmente é embaixador em Rabat e  o seu novo livro,  continua os seus trabalhos anteriores, completa  a trilogia dedicada à História diplomática do Estado Novo e é um precioso contributo para melhor conhecermos a nossa História recente: “Orgulhosamente Sós, A Diplomacia em Guerra (962-1974)”. Na apresentação deste novo volume Bernardo Futscher Pereira sublinha: “ Este livro é uma crónica do último acto de uma odisseia que durou 560 anos, desde a conquista de Ceuta em 1415, até à evacuação de Luanda, em 1975. É a história de uma resistência inglória, quixotesca, por vezes criminosa, conduzida com teimosa persistência, a um processo inexorável de mudança. Essa resistência merece ser analisada para explicar a longevidade do Estado Novo e como conseguiu, de 1961 a 1974, conduzir uma guerra em três frentes numa situação de crescente isolamento internacional”. Este volume começa com a evocação da invasão de Goa em 1961, um ano terrível para o regime, o ano em que a guerra em Angola começou. A escrita de Bernardo Futscher Pereira é aliciante, factual mas não enfadonha, bem ritmada, permitindo estabelecer relações entre acontecimentos, fazendo citações da época e procurando interpretar os posicionamentos políticos. Tais como os volumes anteriores desta trilogia “Orgulhosamente Sós - A Diplomacia Em Guerra” é uma obra fundamental para a compreensão dos anos que antecederam o 25 de Abril de 1974. Editado pela D. Quixote.

 

image.png

A GRANDE MÁQUINA CANTADA- A Garota Não chama-se Cátia Oliveira, trabalha na Câmara Municipal de Setúbal com programas para a juventude, fez rádio, escreveu e aprendeu viola quando era adolescente. Já tinha passado dos 30 anos quando gravou o seu primeiro disco, “Rua das Marimbas”. Agora lançou “2 de Abril”, o nome do bairro de Setúbal onde nasceu e cresceu, onde foi ouvindo as músicas que se cruzavam no ar, melodias ciganas, ritmos africanos, rap suburbano. No meio de tudo isto nasceu um estilo próprio, uma identidade musical rara de encontrar hoje em dia na música portuguesa - mais dada a imitações do que à descoberta criativa de novos caminhos. E esse é o grande trunfo de A Garota Não, ao conseguir afirmar-se de forma diferente, com um grande sentido do que é uma canção. Neste “2 de Abril”, há 20 temas com títulos que vão do inicial “Canção sem final” até “Manancial de livre pensamento” culminando numa homenagem: “Canção a Zé Mário Branco”. Pelo meio há uma música de Fausto, a evocação recorrente de Zeca Afonso, sobretudo na escrita das letras das canções. A sua voz e a sua forma de cantar são invulgares, as canções são histórias que ela vai narrando, episódios do quotidiano, observações sobre o que se passa à sua volta - ouçam por exemplo a “A Grande Máquina”, uma prova de vida. No disco A Garota Não tem um leque de colaboradores que vão de Ana Deus a Chullage, passando por Maria Roque e Francisca Camelo e a produção é de Sérgio Mendes. Vale a pena ouvir - está nas plataformas de streaming.

 

DE VOLTA AO PEIXE FRESCO - Depois de passar uns dias do lado de lá da fronteira regresso a Portugal e, no primeiro restaurante onde me sento, em Vila Real de Santo António, dirigem-se-me simpaticamente em espanhol. Sorri e respondi em português - mas na realidade grande parte da clientela era espanhola. E, desta, uma enorme percentagem escolhia um dos vários pratos de bacalhau propostos na lista, que aliás tinha uma secção destacada dedicada ao fiel amigo. Prosseguindo na estatística não deixei de reparar que uma boa parte dos espanhóis que escolhiam bacalhau, mostrando uma grande divergência com a Dra. Graça Freitas, nossa estimada Directora Geral da Saúde,  optava por  Bacalhau à Brás. Deixando para trás o bacalhau devo dizer que a melhor surpresa que tive em Vila Real de Santo António foi o Sem Espinhas Guadiana, na Avenida da República 56. Fui lá depois de ter tentado, sem êxito ir ao tão recomendado Cantarinha do Guadiana, sempre cheio. Mas não tive razão de queixa. No Sem Espinhas provei umas honestíssimas amêijoas à Bulhão Pato e um robalo do mar bem grelhado, fresco e saboroso. Os clientes eram maioritariamente portugueses, o serviço foi escorreito e simpático. Aqui está um sítio onde voltarei com gosto.

 

DIXIT - “É tão estranho vivermos num país onde a principal preocupação é a de gastar dinheiro, mas nunca ou quase nunca de fazer dinheiro, criar negócios, desenvolver actividades e, numa só palavra, criar riqueza” - António Barreto


BACK TO BASICS - Quando alguma coisa deixa de ser controversa, deixa também de ser um assunto interessante - William Hazlitt

 

 




Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:00

GOVERNO COM FALTA DE SAÚDE

por falcao, em 02.09.22

6C4E748C-BA7B-49AB-BF0E-753A5D20BDFD.JPG

A DOENÇA DA SAÚDE - Quem pensar que é o Ministério da Saúde quem manda no SNS está muito enganado. Quem manda é o Ministério das Finanças, de braço dado com o Primeiro-Ministro, aliás como em muitos outros sectores. O grande problema do SNS vem da falta de condições para médicos e enfermeiros, vem da dificuldade em fazer novas admissões, em preencher os quadros, em pagar condignamente às pessoas e em ter equipas em número suficiente. Quem está a dar cabo do SNS é quem está sentado no Terreiro do Paço, a conversar com S. Bento -  quem está sentado no Ministério da Saúde apenas faz figura de corpo presente e não consegue ter autonomia para nada. Quando uma Ministra emite um comunicado a demitir-se de madrugada, e o Primeiro Ministro só se pronuncia sobre o sucedido muitas horas depois, torna-se evidente que  alguma coisa não está a correr bem para os lados do Governo. Com nem sequer meia dúzia de meses de vida, esta maioria absoluta mostrou mais um sinal de desorganização, cansaço, problemas de comunicação. O que levou Marta Temido a demitir-se é a falta de condições para conseguir reformar o funcionamento do sector e, como se tem visto, este é o problema central do Governo: não consegue reformar o funcionamento do que está mal. Em Janeiro de 2015, antes de chegar ao Governo, António Costa acusou o PSD de ter rompido com o estado social e permitido o caos nas urgências hospitalares. Mais de sete anos depois vê-se o efeito da governação do PS: agravou ainda mais os indicadores do Serviço Nacional de Saúde. Costa diz que quer  “prosseguir as reformas em curso tendo em vista fortalecer o SNS” mas os seus anos de governo demonstram o contrário. 

 

SEMANADA - Segundo a  Direção-Geral de Orçamento até Julho o Estado amealhou 28.156,1 milhões de euros em receita fiscal, quase mais 5 mil milhões de euros do que no mesmo período do ano passado; a inflação em Agosto foi de 9%; a taxa de referência para a atualização das rendas em 2023 já está nos 5,43%; a Pordata recordou que, com a inflação neste nivel, quem recebe um salário de mil euros tem um poder de compra de apenas 910€; 90% dos terrenos rurais das regiões norte e centro não estão cadastrados; o Presidente da Liga de Bombeiros criticou a forma como foi combatido o incêndio na Serra da Estrela e afirmou que houve grupos de bombeiros que estiverem 12 horas sem missão atribuída; a quantidade de lixo recolhido por dia em Lisboa tem vindo a aumentar a atinge já as 990 toneladas; em 2021 os partidos declaram ter 532 funcionários no total e os seus gastos com pessoal foram de cerca de oito milhões de euros; o PCP é o partido com maior número de funcionários, mais de 300, o PS tem 110 e o PSD declarou 70; o Bloco despediu metade dos que tinha antes da derrocada eleitoral que sofreu; o número de motoristas TVDE activos durante este verão aumentou 30% em relação ao início do ano; segundo a Pordata Portugal é o 2º país da União Europeia com o índice de envelhecimento dos professores dos ensinos básico e secundário mais elevado; Portugal é o 21º país da UE em termos de PIB per capita da União Europeia, mas em 2000 estava no 15º lugar; em 2021 as autoridades policiais registaram cerca de 300 mil crimes, 31 mil dos quais identificados como violência doméstica e 82 crimes de homicídio.

 

O ARCO DA VELHA - O Instituto Nacional de Estatística (INE) e o regulador da energia têm leituras distintas sobre a evolução dos preços da electricidade, em Julho: o INE identificou um aumento de 10,3%, a ERSE diz que os tarifários baixaram.

 

Joao-Louro-13-1400x933.jpeg

IDEIAS VISUAIS - Até 10 de Setembro ainda pode ver na Galeria Vera Cortês a mais recente exposição de João Louro, “Thylacinus Cynocephalus”, que agrupa um conjunto de obras recentes do artista, abrindo novos caminhos na sua abordagem pessoal da pintura (na imagem). João Louro nasceu em Lisboa em 1963, onde vive e trabalha. Estudou arquitetura na Faculdade de Arquitetura de Lisboa e Pintura na Escola Ar.Co. O seu trabalho engloba pintura, escultura, fotografia e vídeo. Foi o representante de Portugal na Bienal de Veneza de 2015, com a exposição “I Will Be Your Mirror | Poems and Problems”. Na folha de sala desta exposição Joshua Dekter, um historiador de arte, sublinha: “O trabalho de João Louro, e as muitas formas que pode tomar – pinturas, esculturas, instalações, objetos, livros –, está impregnado de ideias e referências da história da arte, do cinema, da literatura, da filosofia, da linguística, da política, e da ciência. Louro aborda a arte como uma plataforma através da qual é possível explorar aquilo que existe para além do universo da arte. Desta maneira, ele participa numa longa tradição de artistas que procuraram reinventar a linguagem das artes visuais minando outras disciplinas culturais.” . Outra sugestão: no espaço Fidelidade Arte, no Chiado, está patente até 16 de Setembro a exposição “Limiar da Trilogia - Ato 3”, com trabalhos em vídeo, instalação e desenho de Joana Ramalho, Filipe Cerqueira e Zé dos Castelos. A exposição está centrada na ideia de Limiar: o limiar social, o limiar criativo, o limiar da percepção humana, todos eles presentes na relação do indivíduo consigo mesmo ou com o outro. A curadoria de “Limiar da Trilogia” é do Manicómio, um espaço de criação e galeria de Arte em Portugal dedicada exclusivamente a artistas que experienciam ou já experienciaram doença mental. 

 

Arquibaldo.jpg

A HISTÓRIA DE UM RAPAZ SONHADOR - Carlos Alberto Gomes Monteiro é mais conhecido pelo nome de Carlos Tê, com que assinou grande parte das letras das melhores canções de Rui Veloso. Na época, início dos anos 80,  conseguiu introduzir o relato do quotidiano e o retrato de uma época na música popular portuguesa - e isso não é coisa pouca. Escreveu para muitos outros artistas, assinou colunas em jornais, escreveu uma peça de teatro, romances e contos. E agora volta de novo ao romance com “Arquibaldo”, Carlos Tê fala sobre uma sociedade apressada, sem memória, num livro em que sublinha precisamente a necessidade de lembrar e recordar. Depois de em 1999 ter lançado “O Vôo Melancólico do Melro” Carlos Tê dá a conhecer nestas páginas um protagonista, Francisco Frade,  que é uma mistura de «cavalheiro e impostor», cujos sonhos eram escrever banda desenhada e tocar saxofone, mas que acabou por ser tornar assistente social. Francisco Frade trabalha então como assistente social em bairros difíceis, na periferia do Porto. Rodeado de pessoas com quem trabalha e de mulheres com quem fugazmente se relaciona, ele sente abrir-se aquilo que o próprio designa buraco da realidade que, pouco a pouco, o vai consumindo. Enquanto o seu alter ego Arquibaldo – um super-herói da infância – se mantém à espreita, os fantasmas que o perseguem não lhe dão descanso. Arquibaldo tem existência numa realidade paralela e Francisco Frade, acossado, faz uma peregrinação interior que o levará às suas raízes, em busca das respostas que não encontra no seu dia-a-dia. É uma personagem - e uma história - que parece saída de uma das suas canções. No fim, Frade  conclui a páginas tantas, que  «confundir as coisas é o maior problema do nosso tempo». Edição Porto Editora.

 

image.png

JAZZ EM QUARTETO - Julia Hulsmann é uma pianista de jazz alemã muito marcada por uma adolescência a ouvir música pop e a ler poesia. A pop abriu-lhe o caminho para descobrir o jazz e depressa começou a tocar o que ouvia nos discos de Chick Corea, Bill Evans e muitos outros. Estudou piano e começou a compôr, fortemente inspirada pela poesia que foi lendo - a influência da poesia e da literatura nas suas composições é uma característica que é sempre ressaltada por quem analisa a sua obra. A gravar para a ECM, Julia Hulsmann lançou agora “The Next Door”, em que surge com o mesmo quarteto que já gravara, em 2019, “Not Far From Here”, e que além da pianista inclui o saxofonista Uli Kempendorff, Marc Muellbauer no baixo e Heinrich Köbberling na bateria. Os temas são quase todos originais, compostos por Julia Hulsmann e pelos seus companheiros de quarteto. A excepção é uma versão arrebatadora de um tema de Prince, “Sometimes It Snows In April”. Este álbum é demonstrativo da influência que o jazz dos anos 60 continua a exercer nestes músicos, dando-lhes terreno para uma grande unidade musical, ao mesmo tempo que possibilita solos onde o talento de cada um encontra expressão. E assim este quarteto é uma das melhores formações actuais do jazz europeu.


TAPEAR - Uma semana por terras da Andaluzia resulta em boas experiências gastronómicas, desde os sítios mais simples até aos restaurantes mais elaborados. Em todos encontrei sorrisos, casas cheias e animadas, na maioria por espanhóis, boa confecção, bom serviço e preço que não é muito diferente do que encontramos em Portugal. Os destaques vão para as mil formas de tratar a beringela, desde cortada em finos troços bem fritos, às supremas berenjenas califales, provadas em Córdoba, pedaços largos cobertos de delicada polme com uma redução de vinho doce de Pedro Ximénez e sementes de sésamo. Em Málaga  descobri ricas saladas russas bem diferentes das portuguesas, mais ricas, com menos batatas, mais legumes abundantes pedaços de gambas e os incontornáveis pimentos. Mas também reinvenções de tapas com coisas tão simples como lombos de sardinha fumada sobre um pão tostado barrado a tomate, filetes de biquerones anchovados saborosíssimos,  uma salada de vieiras e lagostins salpicada de caju ou almôndegas de rabo de boi guisadas e, por todo o lado, deliciosos croquetes de presunto para entreter  a fome no início da jornada. Na memória ficou-me também a simplicidade de cogumelos (setas) grelhados, servidos com pedaço de excelente presunto cortado fino e pimentos padrón. E sempre, ao chegar á mesa, as azeitonas - que boas e bem temperadas…

 

DIXIT - "Gorbachev foi um dos principais responsáveis pela destruição da União Soviética e a restauração do capitalismo na Rússia, quando o que se impunha era o aperfeiçoamento do socialismo" - comunicado do PCP sobre a morte do ex-líder soviético.

 

BACK TO BASICS - “Há quem acredite que a parte mais difícil desta profissão é derrotar a página em branco, quando o que aterroriza é defender a página escrita contra quem quer apagá-la” - Sergio del Molino no El País

 




Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:00

ADOPTAR POLÍTICAS DE RUPTURA

por falcao, em 26.08.22

8D8F3C0B-930F-4A9B-9D60-1FC437362B3F.jpeg

SEM REFORMAS NÃO HÁ PROGRESSO - Na semana passada a SEDES, uma associação que tem reflectido de forma exemplar sobre a nossa sociedade, e que tem repetidamente apresentado sugestões, desde o funcionamento do sistema político até à necessidade da reforma da Lei Eleitoral, passando pelo diagnóstico da economia portuguesa, anunciou que no dia 1 de Setembro apresentará um livro com um estudo intitulado “Ambição: Duplicar o PIB em 20 anos. O estudo preconiza menos impostos, mercado de trabalho mais liberalizado e uma profunda reforma do Estado. A SEDES reúne personalidades de diferentes sensibilidades políticas e é actualmente presidida por Álvaro Beleza, membro da Comissão Política do PS, médico, antigo membro do secretariado na direcção de António José Seguro, que foi um dos coordenadores da obra. Abel Mateus, o outro coordenador do livro, avisa logo que não vai ser fácil e admite  a necessidade de “alguns sacrifícios”: “Para se poder levar a economia de uma trajectória de quase estagnação a um crescimento médio de 3,5% ao ano, é essencial um período de transição, em que teremos de fazer alguns sacrifícios e adoptar políticas de ruptura que só fruirão totalmente no médio e longo prazo.” - sublinha. No fundo este estudo mostra mais uma vez a imperiosa necessidade de o Governo desenvolver políticas reformistas como única solução para o nosso crescimento. Mas, como infelizmente bem sabemos, António Costa prefere usar a maioria absoluta para calar opositores em vez de desenvolver políticas que permitam mudar a estagnação em que nos encontramos. Fazia bem em tomar atenção ao que a SEDES recomenda e em aprender o significado da palavra reforma.

 

SEMANADA - Um em cada três desempregados está sem trabalho há mais de dois anos; durante a pandemia as penhoras subiram 15%; até ao mês de julho já tinham sido atribuídos 135 vistos gold a cidadãos dos Estados Unidos; até ao final de 2021 viviam em Portugal quase sete mil norte-americanos; segundo o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras actualmente vivem em Portugal cerca de 256 mil brasileiros; no primeiro semestre de  2021 emigraram para o Reino Unido, apesar do brexit, cerca de seis mil portugueses, tantos como durante todo o ano de 2020; mais de 6500 enfermeiros  já apresentaram escusas de responsabilidade invocando falta de condições de trabalho; segundo o Eurostat, Portugal regista, no segundo trimestre deste ano, o quinto pior desempenho da Europa face ao final de 2019, com base nos indicadores do produto interno bruto (PIB) real (a preços constantes);  em 2021os portugueses ficaram em casa dos pais, em média, até aos 33,6 anos, enquanto a média da União Europeia é sair de casa aos 26,5 anos;  segundo a Pordata Portugal é o país da União Europeia onde o indíce de envelhecimento tem aumentado com maior rapidez; em 2022 a Polícia Judiciária já apreendeu 14 toneladas de cocaína; desde o início do ano já ocorreram 62 mortes em acidentes de trabalho, a maioria no setor da construção; a secretária de estado dos incêndios, Patrícia Gaspar, considerou um êxito que a enorme área ardida este ano estivesse abaixo de previsões feitas com recurso a um algoritmo que assim deu pretexto a transformar o péssimo em bom.

 

O ARCO DA VELHA - Cerca de cinco mil e quatrocentos milhões de euros foi quanto os contribuintes portugueses pagaram a mais de impostos no primeiro semestre de 2022, face a igual período de 2021, um crescimento de mais de 30% . Em 2021 Portugal registou a carga fiscal mais elevada de sempre.

 

21255BAC-BC27-4A61-802B-338043CA8CF0.jpeg

MISTÉRIOS - Não tenho época especial para ler romances policiais, mas reconheço que os dias de férias no verão são um excelente momento para tentar resolver mistérios. Este ano dediquei-me a dois: “O caso Alaska Sanders” do suíço Joel Dicker, e “Campo de Lava” da norueguesa Yrsa Sigurdardóttir. De Dicker já tinha lido “O enigma do quarto 622” e “O livro dos Baltimore”. Comecei a ler “O caso Alaska Sanders” com bastantes expectativas. Mas depressa as fui perdendo à medida que ía avançando na leitura. Joel Dicker fala demasiado de si próprio, e acaba por ser a personagem central do livro, um misto de investigador, detective e filósofo de pacotilha. Em resumo, anda a repetir a mesma fórmula, neste até com mais uns quantos pormenores pessoais, sentimentais, que tornam toda a investigação um enfado. Apesar do mistério do desaparecimento de Alaska Sanders ser um bom ponto de partida o livro torna-se aborrecido e demasiado extenso, com muita escrita supérflua. Já “Campo de Lava” é bem diferente. Da autora já tinha lido “A Absolvição” e “Lisboa-Reykjavik” e o novo “Campo de Lava” foi a confirmação do seu talento como escritora - não apenas como contadora de mistérios. Yrsa Sigurdardóttir  vive em Reykjavik, é directora de uma das maiores empresas de engenharia da Islândia e este é o quarto livro da série DNA, que tem por protagonistas o detetive Huldar e a psicóloga infantil Freyja. Num antigo lugar destinado a execuções é encontrado um jovem e abastado investidor enforcado. Quando o corpo é trazido para o chão, constata-se que não se trata de um suicídio: tem um prego enterrado no peito, onde estava uma mensagem, entretanto desaparecida. Enquanto decorre a investigação um grupo de amigos da vítima recebe um vídeo que, num primeiro momento, parece uma brincadeira de mau gosto, mas que depois os vai inquietar cada vez mais. Está dado o tiro de partida. O livro, editado pela Quetzal, cativa da primeira à última página, num retrato perturbante da Islândia de hoje, numa história onde violência doméstica se cruza com pornografia, dark web e vingança.

 

89521B9D-84E4-4003-8332-AE34ACE9E5C7.png

ARTES CRUZADAS -  No meio do parque de Serralves vive um tesouro chamado Casa do Cinema Manoel de Oliveira, bem guiada pelo seu Director, António Preto. Aí sucedem-se exposições sobre a obra, o trabalho e a vida de Manoel de Oliveira e também sobre outros nomes grandes do cinema. É o caso de “Luz e Sombra”, uma exposição dedicada a Agnés Varda que poderá ser vista até 22 de Janeiro. A belga Agnés Varda viveu entre 1928 e 2019 e ao longo da sua vida foi fotógrafa, depois cineasta (onde ganhou fama) e finalmente artista plástica. A exposição mostra essas diferentes fases e testemunha o modo como a sua produção artística se desenvolveu em diálogo com a sua obra cinematográfica. O contraste entre luz e sombra é o ponto de partida para visitar o trabalho da artista, e a exposição inclui duas instalações, “Une cabane de cinéma: la serre du bonheur” de 2018 e Patatutopia , de 2003. Foi também editado um belíssimo catálogo profusamente ilustrado, onde se destaca um texto do historiador de arte Hans Ulrich Obrist. Em 2009 Varda já tinha estado em Serralves e teve a oportunidade de se encontrar com Manoel de Oliveira, momento que a própria registou com a câmara de vídeo que sempre carregava consigo. Nessa sequência vemos os dois cineastas a imitarem Chaplin enquanto se filmam um ao outro, e são essas imagens que servem de preâmbulo a esta exposição: um encontro em que de forma divertida partilham as suas preocupações quanto ao cinema e à vida.

0BC327DE-4DBC-4195-B208-B3DB5FD14605.png

SILVER JAZZ - Hoje proponho revisitar gravações feitas pelo grupo do pianista Horace Silver em Nova Iorque, durante actuações em vários clubes de jazz locais, em 1964, 1965 e 1966. “Horace Silver Quintet - Live New York revisited” é o CD que reúne algumas dessas gravações em novas remasterizações. Um dos factos interessantes deste disco é que os músicos não são sempre os mesmos, permitindo notar pequenas diferenças, mas sempre com uma vibração muito particular na forma como tocam. O disco tem cinco temas, dois deles apresentados em duas versões diferentes (“Que Pasa” e “African Queen”). O primeiro é do muito aclamado LP “Song For My Father”, de 1964. Nestas gravações ao vivo surgem os mesmos músicos que tocaram no disco original: Horace Silver no piano, Joe Henderson no sax tenor, Carmell Jones no trompete, Teddy Smith no baixo e Roger Humphries na bateria. São também eles que tocam mais duas faixas deste disco, “Song For My Father" e “The Natives Are Restless Tonight”. “African Queen” é de um curioso disco de 1965, “Cape Verdean Blues” (cuja escuta recomendo) e mostra Woody Shaw no trompete e Larry Ridley no baixo. O outro tema é “Señor Blues” do álbum “6 Pieces Of Silver”, de 1957. O papel de Horace Silver no jazz é muitas vezes injustamente subestimado mas a revisitação de discos como este permite perceber a verdadeira importância que ele teve e a sua enorme energia em palco, que transmitia a quem com ele tocava. O disco está disponível nas plataformas de streaming.



TAPEAR - Uma das coisas que me fascina quando estou em Espanha é a forma como as pessoas gostam de estar na rua, ao fim da tarde, sentados em esplanadas, a beber um copo, a falar. Os espanhóis gostam de viver na rua, um enorme contraste com o que se passa na maior parte dos casos em Portugal. A mais antiga rede social é um grupo de pessoas sentadas à volta de uma mesa a falarem umas com as outras. Outra das coisas boas em Espanha (e em Itália também, já agora) , é o hábito de servirem alguma coisa com a bebida. Em Portugal isso geralmente não se passa e  até os tremoços parecem uma espécie ameaçada. O que é simpático em Espanha e Itália é as bebidas serem servidas com umas tapas ou mesmo algum generoso petisco, desde os sítios mais simples aos mais sofisticados. Neste particular as conservas ocupam um papel especial nos nuestros hermanos: um lombo de cavala ou um filete de anchova em cima de um pedaço de pão é coisa barata mas que vale milhões com um copo de branco bem fresco ou uma imperial bem tirada. Dirão que por isso é que um copo de cerveja do lado de lá da fronteira é mais caro que em Portugal - é verdade, mas há um acolhimento diferente, uma partilha que deixa saudades. E temos também muitas e boas fábricas conserveiras à espera de poderem ser matéria prima para bons petiscos de fim de tarde.

 

DIXIT- “Se as cidades estão apostadas em que se possa circular de forma segura com bicicletas, porque é que não asseguram segurança aos peões e penalizam a circulação e o parqueamento de trotinetes nos passeios?” - ouvido na rua.



BACK TO BASICS - “A Democracia constrói-se no direito à divergência e à diferença, no direito das pessoas a terem posições opostas umas das outras” - Ben Okri, poeta nigeriano.



 




Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:28

O CASO DOS ABUSOS DA MAIORIA

por falcao, em 19.08.22

8F3906F9-8900-4CC6-BEA8-BDC7F7169CF3.JPG

A QUEM DEVEM SERVIR OS GOVERNANTES? - Uma maioria absoluta pode ser um factor de estabilidade, mas pode também ser uma fonte de instabilidade. Tudo depende do grau de civilização e da convicção democrática de quem a tem. Uma maioria absoluta, rezam os manuais, devia servir como alavanca de transformação e progresso do país, e não como mecanismo de travão da oposição. Infelizmente alguns acontecimentos dos últimos tempos não são tranquilizadores. Desde a forma como António Costa evita responder no Parlamento a perguntas da oposição, até ao caso das represálias contra a Endesa por causa de uma opinião veiculada pelo seu responsável em Portugal, passando pela desfaçatez da Ministra da Agricultura ao querer marginalizar a CAP por causa das posições que tomou nas mais recentes eleições legislativas, acumulam-se os sinais que fazem pensar que está a criar-se um padrão de comportamento que penaliza e combate quem não está com o PS. É triste que um partido fundador da democracia a torpedeie quando tem uma maioria absoluta no parlamento um comportamento que começa a mostrar ser autoritário e persecutório. No fundo todos estes casos fazem levantar uma pergunta: os membros do Governo, do Primeiro-ministro aos secretários de Estado, estão ao serviço do PS ou do país? Pensam em melhorar Portugal ou em beneficiar o seu partido? A maioria absoluta pode ser uma janela aberta ao futuro ou uma grade para evocar o passado. Nas últimas semanas a janela tem sido cada vez mais fechada. E vislumbram-se nas palavras de alguns, o secreto desejo de construir grades.

 

SEMANADA - As trotinetes eléctricas causaram 445 acidentes em três anos, a maior parte por negligência na condução; a Associação dos Cegos e Amblíopes de Portugal alertou para o perigo e a insegurança que as trotinetes provocam nos invisuais, dizendo mesmo que já há entre eles quem evite sair de casa com receio de ser atropelado num passeio; o Parque Natural da Serra da Estrela tem 88.850 hectares, dos quais já arderam 73.282 desde 2017; só este ano já lá arderam 23 mil hectares e apesar da gravidade da situação a Protecção Civil diminuíu o dispositivo no fim de semana sem consolidar o rescaldo o que facilitou novos reacendimentos;  a inflação na alimentação já chegou aos 13,9%; em julho as vendas no retalho alimentar cresceram 12,9%, o maior acréscimo desde o início do ano, empurradas por uma inflação de 9,1%; no retalho alimentar as marcas brancas cresceram 22,1% contra os 7,5% das marcas dos fabricantes; segundo a Marktest cerca de um quarto dos lares portugueses consome pratos confeccionados congelados ou refrigerados; dois mil médicos das urgências já apresentaram pedido de escusa de responsabilidades; a dívida total do Serviço Nacional de Saúde a fornecedores externos está no valor mais alto dos últimos oito anos e atinge os 2,3 mil milhões - António Costa é Primeiro Ministro desde Novembro de 2015; 87% das vagas de emprego abertas no retalho continuam por preencher devido à falta de interessados face às condições oferecidas; segundo o Instituto Nacional de Estatística mais de metade dos desempregados permaneceram sem trabalho entre o primeiro e o segundo trimestre; em Junho e Julho registaram-se 3054 assaltos a residências, cerca de 50 por dia.

 

O ARCO DA VELHA  - Segundo um inquérito recente um quarto dos juízes portugueses crê que há corrupção na justiça e que há magistrados que receberam subornos.

 

O Último Comboio Para a Zona Verde.jpg

A VIAGEM A UM MUNDO ABANDONADO - Há um livro, de 2013, em que Paul Theroux fala das experiências por que passou em Angola, a decepção com a decadência, a omnipresença da corrupção e da pobreza, a perda da comunhão dos povos com a natureza. Depois da grande narrativa de “Viagem por África”, que o levou do Cairo à Cidade do Cabo, Paul Theroux quis percorrer a «margem ocidental» do grande continente até ao Norte de África. O que viu em Angola mudou-lhe os planos. Viajando sozinho, como sempre, atravessando a África do Sul e a Namíbia, chegou a Angola para encontrar um mundo cada vez mais distante das esperanças originais pós-independência. Viveu desilusões, tristeza, desapontamento, amargura e irritação. Na realidade, Angola sai maltratada do derradeiro livro de Paul Theroux sobre África, “O Último Comboio Para a Zona Verde”. Escreve Theroux: “Sou um homem de 70 anos a viajar como um mochileiro no meio de Angola, e os únicos estrangeiros que vejo - uns seis ou oito - são homens de negócios que se esforçam por fazer lucro com os recursos do país. Talvez eu seja um deles, outra espécie de homem de negócios, outro género de vendedor ambulante, alguém que espera ganhar a vida estando aqui e tomando nota do que vê”. O livro,”O Último Comboio Para a Zona Verde”, agora editado pela Quetzal, com um boa tradução de Maria Filomena Duarte, tem por subtítulo, “O meu último safari africano”. Francisco José Viegas, que editou o livro e lhe escreveu um prefácio intitulado “Um escritor é assim”, conta como a ideia de ir a Angola nasceu num almoço, em Matosinhos, que juntou Luandino Vieira e Paul Theroux. Viegas classifica este livro como uma extraordinária reportagem sobre África, “um mundo abandonado”. 

 

CX 1 CRP 7 _01 (1).jpg

ROOFTOP DESIGN - Proponho um rooftop de vista extraordinária que está paredes meias com uma exposição de design gráfico absolutamente imperdível. Tudo isto se conjuga no antigo edifício Entreposto, na Praça José Queiroz 1, agora designado por IDB Lisbon (Innovation & Design Building). Este é o cenário para a mais recente exposição promovida pelo Museu do Design e da Moda, MUDE, e que mostra pela primeira vez a colecção de design gráfico Carlos da Rocha. Intitulada “O Mundo Vai Continuar A Ser Como Não Era”, a exposição permite viajar pelos últimos 100 anos de publicidade em Portugal, através da intensa actividade do atelier de Carlos Rocha, que trabalhou marcas portuguesas e estrangeiras, desde a Grunding até às farinhas Nacional, passando pelos gelados Rajá, bebidas como a Mosca ou várias marcas de conservas. São 100 anos de design. Ainda em vida, Carlos Rocha (1943-2016) doou o seu acervo ao MUDE e manifestou o desejo de se fazer uma exposição que apresentasse o seu trabalho à frente da Agência Marca e da LETRA Design, e que mostrasse também o trabalho de seu pai, Carlos Rocha Pereira (1912-1992) e o trabalho de seu tio, José Rocha (1907-1982), na ETP – Estúdio Técnico de Publicidade. Nesta genealogia familiar, vê-se a força do design gráfico e a sua importância na comunicação de Estado e na publicidade comercial e industrial em Portugal. Estes três designers conceberam marcas, imagens e publicidade para os vários sectores de produção nacional e através da exposição “O mundo vai continuar a não ser como era!” podemos seguir  as grandes mudanças da vida quotidiana em Portugal e os diferentes contextos políticos e socioeconómicos do nosso país, desde a década de 1930, até ao início do século XXI. E quando terminarem de ver a exposição podem ir, no mesmo edifício, ao terraço com vista panorâmica, onde há um bar, para um copo ao fim da tarde. A exposição, de entrada gratuita, está aberta de terça a domingo, entre as 11 e as 18 até dia 25 de Novembro.

 

image.png

JAZZ BRASIL - Antonio Adolfo Maurity Sabóia de seu nome completo é um pianista brasileiro que testemunhou os primórdios da Bossa Nova e depois se aventurou pelo jazz. Nascido em 1947, aos 16 anos já tocava com os pioneiros do novo som do Rio de Janeiro. Tem uma longa carreira musical, que passa por discos em nome próprio, uma intensa actividade didáctica e muitas colaborações com outros músicos. É um daqueles nomes menos conhecidos da música brasileira mas que tem uma carreira rica e criativa. Tocou e compôs para Maysa, acompanhou Elis Regina numa tournée europeia, estudou e trabalhou nos Estados Unidos com Sérgio Mendes, e agora, aos 75 anos, lança novo disco, “Octet & Originals”. Os dez temas do disco foram todos compostos por António Adolfo ao longo da sua carreira e alguns ganharam fama nas interpretações de nomes como Stevie Wonder, Herp Albert (“Pretty World”), Dionne Warwick (“Heart Of Brazil”) e êxitos que obteve no Brasil como “Teletema” , “Cascavel”, “Feito em Casa” ou “Toada Moderna”, dos anos 60, uma homenagem sua a Bill Evans. Aqui todas as versões são instrumentais, com novos arranjos compostos para o octeto que gravou o disco e que reúne músicos de eleição: Jessé Sadoc (trompete), Danilo Sinna (sax alto), Marcelo Martins (sax tenor e flauta), Rafael Rocha (trombone), Jorge Helder (baixo), Rafael Barata (bateria e percussão), e Ricardo Silveira (guitarra), além do próprio António Adolfo no piano. Sempre com referências bem brasileiras, nomeadamente à Bossa Nova e ao samba, os arranjos são muito marcados pelo trabalho de todos estes músicos no jazz. O resultado é um disco surpreendente que consegue dar nova alma a temas que nalguns casos têm seis décadas. Disponível nas plataformas de streaming.

 

UM PETISCO MARÍTIMO - Um destes dias fui brindado em casa de bons amigos, perto de Setúbal, com um petisco inesquecível e de uma enorme simplicidade. O que contou para o êxito do petisco foi a frescura e qualidade dos ingredientes - umas postas de pescada e amêijoas. A pescada fresca não tem comparação com o que normalmente aparece por aí, e que chega ao prato depois de sofrer as agruras da congelação. Estas postas, quando aterraram no prato, soltavam-se em lascas perfeitas, com sabor e a consistência ideal. Claro que o talento da cozinheira tem uma importante quota parte no sucesso e aqui deixo o meu obrigado. Vamos pois ao relato que ela fez: as amêijoas foram compradas fresquíssimas num viveiro, eram de bom tamanho, e a pescada, em postas gordas,  veio do mercado de Setúbal, o célebre Mercado do Livramento. Primeiro as amêijoas foram abertas ao vapor e deixadas a repousar enquanto a pescada cozia num molho à Bolhão Pato, com azeite, alho com fartura, vinho branco e um pouco de sumo de limão, tudo com abundante quantidade de coentros picados. Quando o molho levantou fervura entrou a pescada, rigorosamente vigiada para ficar na consistência ideal. E já no fim entraram as amêijoas abertas. Desligado o lume acrescentou-se mais um ramo de coentros, tapou-se a panela e levou-se à mesa onde o festim foi muito apreciado - sendo impossível não ensopar pão naquele molho. A acompanhar esteve um branco da região, muito cumpridor.

 

DIXIT- “A escola deve ser democrática, mas não impingir a democracia “ - António Barreto

 

BACK TO BASICS - “Dizem que o tempo muda as coisas, mas na realidade somos nós que temos de as fazer mudar” - Andy Warhol



Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:00

UMA NOVELA INSPIRADORA

por falcao, em 12.08.22

C8083A17-0DF8-4AF8-9CCE-6F5400FACF00.JPG

PÔR DO SOL-  O verão é uma estação muito curiosa: não sei se pelas temperaturas atingidas, se por qualquer outra razão, tomam-se decisões extraordinárias e assiste-se a transtornos que só podem nascer quando as meninges começam a fritar. Às vezes olho à volta do que se passa no país e penso que estou a ver um episódio da genial série da RTP “Pôr do Sol”,  que esta semana estreou nova temporada. Alguns factos da governação são tão absurdos que poderiam caber direitinhos nas fantasias da família Bourbon de Linhaça, o clã que está no epicentro da narrativa. Há momentos em que olho para António Costa a esquivar-se a dar respostas no Parlamento às perguntas da oposição e vejo-o a cantar sempre o mesmo refrão independentemente do tema em discussão, como se inspirado pelas aparições do músico e cantor Toy nessa série quando entoa, de várias formas, sempre as mesmas palavras, para criar momentos de distracção quando a narrativa quer mudar de rumo. Depois, olho para as personagens de “Pôr do Sol” e imagino qual assentaria que nem uma luva a Pedro Nuno Santos, quem calharia a Mariana Vieira da Silva, como Fernando Medina ficaria bem a tratar do cerejal, que é a fonte de riqueza dos Bourbon de Linhaça,  e imagino o musical Pedro Adão e Silva como vocalista emergente cantando para um Santos Silva embevecido. Enfim, são os meus devaneios proporcionados pela série de televisão que é um perfeito retrato do país. Se não conhecem revejam a primeira temporada na RTP Play ou na Netflix e sigam a segunda, que começou esta semana na RTP1.

 

SEMANADA - Em apenas quatro meses o PS inviabilizou cinco audições parlamentares a ministros; de entre os membros da OCDE Portugal é dos países onde as despesas com a saúde mais pesam no orçamento das famílias; desde o início da pandemia o número de investidores de fundos Plano Poupança Reforma subiu 38% para um total de 450 mil; o ex-ministro Manuel Pinho solicitou um aumento do raio de acção da pulseira electrónica para poder tratar da horta de subsistência na quinta onde reside em Braga; este ano já foram celebrados cerca de 105 mil contratos públicos, dos quais 60% foram por ajuste directo; de 1 de Janeiro a 31 de Julho foram registados 7517 incêndios rurais, que afectaram 58.354 hectares, área apenas ultrapassada em 2012; desde Outubro do ano passado choveu metade do que seria normal e, nos últimos anos, só em 2004 a situação de seca foi mais grave; desde 1980 a economia portuguesa perdeu 4% devido a eventos climáticos extremos, número que compara com a média da UE, que no mesmo período registou perdas de 3%; no primeiro semestre deste ano foram importados mais 51% de carros usados de outros países europeus que em, igual período do ano passado; a Porsche foi a marca desportiva com maior número de veículos importados, 481; os passageiros com mobilidade reduzida têm de avisar a CP com seis horas de antecedência se quiserem fazer uma viagem de comboio; a mortalidade materna atingiu em 2020 o valor mais alto dos últimos 38 anos; Ricardo Rodrigues, o deputado do PS que se tornou conhecido por ter roubado um gravador a um jornalista que o entrevistava e fez uma pergunta incómoda, é agora Presidente da Câmara de Vila Franca do Campo, nos Açores, e foi acusado de abuso de poder por ter concessionado a exploração de um restaurante a um irmão e ao marido de uma vereadora também do PS.

 

O ARCO DA VELHA - O Banco de Fomento, anunciado como crucial para a execução do PRR, viveu mais de 500 dias sem gestão de topo e há mais de meio ano que tem 33 candidaturas de PME’s à capitalização por analisar e que continuam sem resposta.

 

image (1).png

MUITO PARA VER PELO PAÍS - Em época estival deixo algumas algumas sugestões fora de Lisboa. Começo por Coimbra. No Centro de Arte Contemporânea da cidade decorre, até 28 de Agosto, a exposição “Chegar à Boca da Noite”, título extraído de um verso do poema “Velas da memória”, de Ruy Belo. A exposição integra trabalhos de Aino Kannisto, Álvaro Lapa, Carlos Correia, Filipe Romão, Hugo Canoilas, João Jacinto, Jorge Queiroz, Rui Chafes e Sarah Jones, entre outros. A curadoria é de José Maçãs de Carvalho, a partir de obras da colecção de arte contemporânea do município coimbrão, da colecção de arte contemporânea do Estado e da colecção de fotografia do Novo Banco. Na imagem está uma peça de Rui Chafes, “Áspero Nobre Suicidário III”. De Coimbra um curto salto até à Figueira da Foz onde Luísa Ferreira regressa com novas fotografias, que surgem na continuidade do trabalho que ela fez há 20 anos, para a inauguração do Centro de Artes e Espectáculos da Figueira, e a que então deu o título de “Luz para as Abadias”. Agora Luísa Ferreira fez uma nova série de imagens a que chamou “Luz para as Abadias 20 anos depois”, que está patente até 28 de Agosto,  retomando o território e as gentes da Figueira. Por último, e até 15 de Agosto, em Elvas, prossegue a exposição que celebra os 15 anos do Museu de Arte Contemporânea de Elvas. “Quem nos salva” é o título da exposição central, com obras da colecção António Cachola, mas há diversas outras exposições feitas em colaboração com dezenas de coleccionadores e galerias privadas de arte contemporânea, sob o título genérico “Aqui Somos Rede”. E finalmente, continuando fora de Lisboa, no Museu das Artes de Sintra, no Espaço Pedro Cabrita Reis, pode ver uma uma sala dedicada à obra do artista, dominada por um poderoso tríptico que evoca a paisagem de Sintra, intitulado “Uma Nuvem Negra”, concebido expressamente para o local, e que é acompanhado por duas outras pinturas que Cabrita ofereceu à colecção de arte do município.

 

Capa_Bartleby_300dpi.jpg

PERSISTÊNCIA - Por estes dias regressei a um livro que havia lido há muito, “Bartleby, O Escrivão”, de Herman Melville, o autor de “Moby Dick”. Mas este pequeno conto é bem diferente dessa epopeia da luta entre o homem e a natureza retratada em “Moby Dick”. “Bartleby, O Escrivão - Uma História de Wall Street”, de seu nome completo, é um conto que foi publicado anonimamente em 1853, em duas partes, na revista”Putnam’s Magazine”. Este texto é considerado por vários autores como uma das grandes obras da literatura mundial e é um claro exemplo do talento de Melville, que Harold Bloom considerou como um dos escritores mais importantes da língua inglesa,  “o mais shakespeariano dos nossos autores”. Bartleby, a personagem do conto, é um jovem com um ar triste que, inicialmente, ao ser contratado por um advogado como copista, realizava uma enorme quantidade de trabalho, ao ponto de viver no escritório, situação descoberta por acaso. Pouco depois há um dia em que recusa um pedido do patrão, afirmando, de forma suave, mas firme, que "preferia não o fazer” - frase que se torna a sua resposta a todas as questões que lhe são colocadas. A irredutível posição de Bartleby leva o patrão a mudar a localização do escritório, deixando-o sozinho no espaço, de onde se recusa a sair e de onde acaba por ser levado preso. Ainda hoje o conto surpreende e encanta, o seu final é inesperado, a narrativa é surpreendente. Não é por acaso que uma das mais famosas colunas regulares da revista "The Economist" tem por título “Bartleby”. Esta obra de Melville é  um tratado sobre como nos relacionamos, como nos encaramos uns aos outros e como procuramos afirmar a nossa existência.

 

image.png

GUITARRA E PERCUSSÃO -  Steve Tibbets é um guitarrista de jazz norte-americano que tem a particularidade de fazer uma ligação entre a guitarra e a percussão verdadeiramente invulgar. Aliás um dos músicos mais presentes ao seu lado durante toda a carreira, ao vivo e em disco, é o percussionista Marc Anderson. E Tibbets, ele próprio, não hesita em assegurar também a percussão quando necessário. Ele costuma dizer que o seu trabalho está algures entre o jazz e a world music e essa é uma boa descrição. Entre 1981 e 2017 Tibbets gravou uma dezena de discos para a ECM e “Hellbound Train” é um duplo álbum que reúne trabalhos desses registos. “The best Steve could do” é como ele classifica a selecção de 28 temas que fez para esta colectânea. Os dois discos estão claramente divididos entre o lado electrónico e o lado acústico e contam com a participação de um leque alargado de mais de uma dezena de músicos. Além da grande sensibilidade rítmica, a técnica de guitarra de Steve Tibbets é também invulgar e ajuda a criar um ambiente musical único. “Hellbound Train” , uma bela introdução à música de Tibbets para quem a não conhecer, está disponível nas plataformas de streaming.

 

A BELA COURGETTE - Costumo ouvir dizer que o primeiro dia de Agosto é o primeiro do Inverno e este ano, salvaguardando o exagero, confirma-se a teoria de que o mês em que estamos é mais fresco. Por isso arrisco -me hoje a propôr um prato feito no forno, instrumento fatal no verão para cozinhas pequenas. A base de tudo isto está na courgette. Não vou falar de quantidades porque aqui o tamanho conta: uma courgette grande dará para várias pessoas, uma média para duas e uma pequena será um solitário exercício de prazer. Em qualquer das dimensões o primeiro passo é cortar a courgette ao meio, escavar o centro de forma a formar uma cratera que levará o recheio e, uma vez feito este trabalho manual, salgá-la para largar água e deixar a repousar pelo menos meia hora, levando-a ao forno de seguida durante um quarto de hora para que fique mais tenra. Retire-a e reserve, passado esse tempo. Entretanto pode cozinhar o molho, que levará pasta de tomate, gengibre ralado, pimenta, oregãos, cominhos em pó e alcaparras. Deixe cozinhar uns dez minutos em lume brando, adicione a carne picada (conte com uns 100 gramas por pessoa) e mantenha o lume brando durante mais 15 minutos, mexendo bem para a carne ficar envolvida no molho. Entretanto volte a aquecer o forno a 200 graus. Coloque este molho de carne nas cavidades abertas nas courgettes, polvilhe com queijo parmesão ralado na altura e leve de novo ao forno durante quinze a vinte minutos minutos. Acompanha com um vinho rosé para os impuros e tinto para os fundamentalistas.

 

DIXIT - “Quando olhamos para as enormes melhorias que a democracia portuguesa conseguiu no sector cultural, é difícil não ver nos museus um enorme falhanço” - Joaquim Oliveira Caetano, Director do Museu Nacional de Arte Antiga.

 

BACK TO BASICS - “Um segredo pode ser guardado por três pessoas desde que duas delas estejam mortas” - Benjamin Franklin.

 




Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:00

IMG_6672.jpg

VAI SER UMA BELA RENTRÉE - Nestes dias tenho encontrado em várias publicações inquéritos a políticos da nossa praça sobre as leituras que pensam fazer em férias. Analisadas as respostas concluí que vamos ter uma rentrée animada com retórica eloquente, pensamentos profundos, muito conhecimento adquirido. Praticamente todos os inquiridos anunciaram que em férias, para aliviar dos trabalhos parlamentares e partidários, vão estudar: filosofia, economia, gestão, religião, história e mais algumas coisas de que certamente me estou a esquecer. Poucos foram os que admitiram ler algo mais leve - Catarina Martins, do Bloco de Esquerda, foi a única a confessar que estava com vontade de ler um bom policial. Não partilhamos as mesmas ideias, mas pelos vistos partilhamos os mesmos gostos. E confesso que gostei desta franqueza da líder bloquista que não se armou em devotada fã de manuais e reconheceu aquela coisa básica: férias é tempo para sair dos hábitos de trabalho, espairecer a cabeça, procurar outros interesses. Acredito pouco em quem diz levar calhamaços teóricos para o areal. E tenho alguma dificuldade em perceber porque é que responsáveis políticos se querem distanciar das pessoas com as listas de leituras que dizem ir fazer e que, sinceramente, duvido muito que concretizem. Nesse inquérito alguns diziam que levariam na bagagem meia dúzia de livros de alguma complexidade e dimensão. Imagino que terão umas férias bastante grandes para conseguirem ler tudo o que dizem ir colocar na mala. Mas lá vou aguardar pelo reinício dos trabalhos parlamentares para perceber o que as meninges dos nossos políticos apreenderam no seu tempo de descanso.

 

SEMANADA - A inflação em Portugal voltou a acelerar e ultrapassou os 9% em Junho; o preço dos bens alimentares essenciais subiu 13% nos últimos 12 meses; um estudo divulgado esta semana indica que cada família gastou em média 1069 euros em alimentação nos primeiros seis meses, mais 77 euros do que no mesmo período antes da pandemia; a venda de vinho do Porto no mercado nacional aumentou 50% no primeiro semestre deste ano, em comparação com o mesmo período do ano passado; no primeiro semestre deste ano as vendas de vinho de mesa no mercado nacional cresceram 14.3% em volume e 52,8% em valor e a restauração foi o sector que mais cresceu; nos últimos cinco anos a colecta do IMT, o imposto municipal sobre transacções de imóveis, disparou quase 60% e em 2021 o Estado arrecadou 1428 milhões de euros; em 2021 mais de um milhão de pessoas vive em casas sobrelotadas, um número acima do verificado nos três anos anteriores; a emigração portuguesa para o Canadá em 2021 foi a mais alta deste século; os automóveis híbridos e eléctricos já significam 38% do total das vendas de carros em Portugal; no primeiro semestre deste ano o número de espectadores nas salas de cinema esteve 39% abaixo dos valores de 2019, antes da pandemia; quase seis mil lisboetas com mais de 65 anos aderiram ao passe de transportes gratuito na primeira semana do seu lançamento.

 

O ARCO DA VELHA - Segundo o Tribunal de Contas um em cada três computadores e sistemas de ligação à internet entregues às escolas continuam guardados, por distribuir.

 

E3D3D53F-5798-412C-9871-15279BC86401.JPG

VISÕES DE AGOSTO - Com grande parte das galerias privadas encerradas em Agosto a atenção vira-se para museus e galerias públicas. E não falta oferta. Começo por Algés, no Palácio Anjos. “Amor Veneris” combina a componente científica com a artística e propõe-se promover “uma experiência pedagógica, provocadora e irreverente que questiona e mobiliza para a importância do prazer sexual feminino e de assuntos fundamentais para o seu entendimento, como o consentimento e não consentimento, violência sexual sobre as mulheres e a resposta sexual feminina”. Os dois núcleos - “Com Consentimento” e “Sem Consentimento” proporcionam o enquadramento para a apresentação de obras de três dezenas de artistas plásticos e de alguns criadores de conteúdos audiovisuais. Entre os artistas contam-se nomes como Ana Pérez-Quiroga (com uma obra inédita), Clara Menéres, Ernesto de Sousa, Fernanda Fragateiro, Julião Sarmento, Laure Prouvost, Louise Bourgeois, Lourdes Castro, Maria Beatriz, Noé Sendas, Paula Rego e Sara Maia (na imagem), entre outros. “Amor Veneris” está no Palácio Anjos até 30 de Dezembro, tem  curadoria de Marta Crawford e Fabrícia Valente e foi concebida com rigor científico e uma criteriosa escolha artística. A outra sugestão que hoje deixo é “Europa Oxalá”. Até 22 de Agosto e integrada na temporada Portugal-França, é apresentado na Fundação Gulbenkian o trabalho de 21 artistas afrodescendentes de segunda e terceira geração que reflectem sobre o racismo, a descolonização das artes, o estatuto da mulher na sociedade contemporânea ou ainda a desconstrução do pensamento colonial. A curadoria é de António Pinto Ribeiro, Katia Kameli e Aimé Mpane, e “Europa Oxalá” testemunha o poder criativo da diversidade cultural europeia contemporânea, ao mesmo tempo que  abre novas perspetivas à própria noção de Europa.

 

IMG_6622.jpg

FOTOGRAFIAS DE UMA VIDA - Uma das mais interessantes exposições de fotografia que podem ser vistas neste momento está no Arquivo Fotográfico Municipal de Lisboa (Rua da Palma 246). Trata-se de uma mostra representativa do trabalho de Guilherme Silva ao longo dos anos - as fotografias mais antigas datam de meados do início dos anos 70 e as mais recentes são de 2015. “No Planeta Onde Vivo” é o título da exposição deste fotógrafo que realizou ensaios fotográficos sobre diversos temas - desde um hospital psiquiátrico e uma unidade industrial. Com um rigor de enquadramento obsessivo, uma técnica apurada e um cuidado extremo no processo de revelação e ampliação, que ele próprio executou ao longo dos anos, Guilherme Silva é um nome pouco conhecido do grande público mas é indiscutivelmente uma referência na fotografia portuguesa do último quarto do século passado. Trabalhando como free-lancer na maior parte do tempo para publicações nacionais e estrangeiras,  Guilherme Silva tem também uma componente de autor de photobooks, antes de estes se tornarem uma forma corrente de divulgação da fotografia. Nesta exposição, para além das imagens, podemos testemunhar o processo de trabalho de Guilherme Silva, na selecção das fotografias a ampliar, na concepção dos livros, na planificação da forma como avança para fotografar um tema e , depois, para o editar. Guilherme Silva é, como esta exposição demonstra, uma referência importante na mediação entre a reportagem, o ensaio e o projecto fotográfico - numa época em que raros eram os que se dedicavam a estas áreas em conjunto. A exposição evoca as grandes influências de Guilherme Silva - Robert Doisneau e Robert Frank -  mostra uma fábrica de cimento da CIMPOR em Alhandra, o trabalho “Seres de Palha”, feito sob encomenda do Museu Zoológico da Universidade de Coimbra, uma viagem com pescadores portugueses à Mauritânia e ao sul de Marrocos, uma série de imagens sobre Fátima feitas ao longo dos anos e que depois deram um livro, um ensaio fotográfico sobre o Hospital Psiquiátrico do Lorvão, e uma série de retratos a músicos, e actores, como José Viana, que aqui se mostra.

 

image.png

UMA LEITURA INVULGAR - Fátima Mariano é uma historiadora que se dedica a escrever sobre factos, episódios e pessoas menos conhecidas da nossa História. Depois de ter publicado em 2019 “Grandes Mistérios da História de Portugal”, Fátima Mariano regressa agora com “Grandes Figuras Excêntricas da História de Portugal”.  Neste novo livro, ficamos a conhecer algumas das figuras mais excêntricas e bizarras que viveram no final do século XIX e início do século XX e que foram alvo de grande atenção da imprensa da época, a grande fonte consultada pela autora nas dez personagens que destacou - desde pessoas com malformações até outras com profissões invulgares. Gigantes, pessoas com anomalias anatómicas e aspecto invulgar eram muitas vezes exibidas em feiras e assim ganhavam a vida. Um dos casos que relata é o de um homem que ficou conhecido como a tripeça humana: tinha três pernas, quatro pés, dois pénis e dois ânus, era considerado  muito activo sexualmente desde a adolescência, e uma das suas parceiras foi uma mulher de nacionalidade francesa que tinha três pernas, quatro mamas , duas vulvas e duas vaginas. Outra das figuras é o comilão de Almada que ganhou uma aposta ao ingerir, do nascer ao pôr do sol, quinze quilos de batatas, dois quilos de bacalhau e três pães, tudo ensopado em cinco litros de vinho. Fátima Mariano conta também a história de Luciano das ratas, que tinha como profissão ser caçador de ratos - havendo quem lhe atribua a proeza de,  em sete anos, ter morto mais de cem mil roedores, livrando Lisboa de uma praga e contribuindo para combater a peste bubónica. Outra figura era o Rei do Lixo,  responsável pela recolha de lixos em Lisboa no início do século XX e que assim fez fortuna, que depois aplicou em outros negócios, nomeadamente como fornecedor de carne aos talhos da capital. O livro alia um grande rigor histórico com uma narrativa que quase se assemelha a uma ficção. A edição é da Contraponto.


UMA ESPÉCIE DE AÇORDA, MAS ITALIANA - Chama-se Panzanella e é uma receita da Toscana. A base é o pão, como a açorda e o azeite também é chamado à festa. Mas a semelhança acaba aí porque nesta receita o forno tem um papel fulcral. Primeiro corte algum tomate maduro aos pedaços e leve ao forno aquecido, polvilhado de sal, durante uns dez minutos - tire e reserve. A seguir coloque no forno um tabuleiro com o pão de véspera, de boa qualidade, cortado grosseiramente aos pedaços, regue com um fio de azeite e leve ao forno até ficar um pouco tostado - outros dez minutos. Retire, deixe arrefecer. Enquanto isso numa taça grande coloque uma chalota pequena cortada muito fina, tempere com azeite e vinagre de vinho tinto, misture tudo bem. Adicione o tomate, o pão, uma lata pequena de anchovas cortadas em pedaços, folhas de manjericão, uma dúzia de azeitonas pretas às rodelas, envolva tudo muito bem e no fim coloque por cima mais umas folhas de manjericão. E pronto - aí tem um prato de verão cheio de côr e sabor.

 

DIXIT - “O Governo revela cansaço de ideias e vacuidade de projectos. Anda à procura de segundo fôlego quando nem sequer mostrou o primeiro” - António Barreto.

 

BACK TO BASICS - “A verdade pode ser a anedota mais divertida que existe”- George Bernard Shaw



Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:00

A ARTE DA PROPAGANDA

por falcao, em 29.07.22

031009DE-C1DF-4E84-8F7F-ABA7EF037C3E.JPG

POLÍTICA & COMUNICAÇÃO - O debate sobre o estado da Nação, realizado na semana passada, veio colocar a capacidade de comunicação em primeiro plano. Há que reconhecer que o debate não correu bem ao novo líder parlamentar do PSD, Joaquim Miranda Sarmento, mas foi ele o autor da frase mais lapidar desse dia:  “Se o PS fosse tão bom a governar como a fazer propaganda, Portugal era o país mais rico do mundo”. Na realidade António Costa é exímio a comunicar e o PS tem a sua máquina bem montada, melhor que os outros partidos. Repare-se que o primeiro-ministro foi o primeiro a reconhecer que existem problemas na governação: “O que nos divide não é reconhecer se há ou não problemas. Claro que há. A grande diferença é que, perante os problemas a oposição fala em caos e o governo vê desafios”. Como João Cotrim de Figueiredo, da Iniciativa Liberal, afirmou nessa ocasião,  “nem a habilidade do Primeiro-Ministro consegue esconder o caos em que estão os serviços públicos em Portugal”. Estas trocas de galhardetes parlamentares evidenciam uma coisa: a comunicação em política é baseada no uso de meias verdades e isto varre todo o espectro partidário, sem excepção. Mas a comunicação enganosa que resulta melhor é a que tem um fundo de verdade - cria confiança, aproxima das pessoas. E, além de tudo o mais, Costa é simpático, está sempre sorridente (às vezes até quando as circunstâncias, dramáticas, não o recomendariam). Mas cativa as pessoas e é exímio a apresentar promessas como se fossem soluções para os problemas, em deixar de falar das promessas que não cumpriu, das soluções que não se concretizaram, ou em reescrever a história como o PS faz quando fala da troika e da austeridade nascida quando o governo de Sócrates levou o país quase à bancarrota. Durante anos Rui Rio, porventura o mais inábil político em termos de comunicação que o país conheceu, deixou essa narrativa vingar. Adão e Silva, premiado por Costa para fazer o fecho do debate parlamentar, depois de o primeiro-ministro ter olimpicamente recusado responder a perguntas da oposição, saíu-se com esta afirmação: “não confundimos o mandato que temos para governar, com um governo enclausurado na sua própria maioria”. Querem melhor exemplo de ilusão?

 

SEMANADA - Nos últimos 40 anos os incêndios consumiram o equivalente a metade da área de Portugal continental; em sete meses a GNR já deteve mais suspeitos de incêndios do quem, todo o ano de 2021; Lisboa, Porto, Sintra e Gaia são os concelhos com maior número de desempregados; Lisboa concentra 22% de toda a habitação social portuguesa; um estudo da OCDE indica que os portugueses precisam do equivalente a 11,4 anos de salários para conseguir comprar uma casa com 100 metros quadrados; os lucros da Galp subiram 153% no primeiro semestre, face a igual período de 2021, para 420 milhões de euros; o crescimento da receita fiscal dos impostos indirectos levou a que o total previsto para este ano tivesse já sido alcançado em Maio; a receita fiscal do Estado aumentou 29,7% até junho face ao mesmo período do ano passado; a operação de manutenção da TAP no Brasil, anunciada como grande negócio pelos gestores brasileiros que levaram a TAP ao buraco onde está, perdeu quase 600 milhões de euros desde 2008; segundo a Pordata em 2021 estavam detidas 11.588  pessoas, das quais 10.774 eram do sexo masculino e 814 eram do sexo feminino e as prisões tinham uma ocupação de 91,8% da sua capacidade; o Instituto Nacional de Reabilitação recebe uma média de três queixas por dia de discriminação de pessoas com alguma deficiência; o Tribunal de Contas detectou que entre setembro de 2020 e agosto de 2021 o Estado pagou 1,3 milhões de euros por ligações à internet, destinadas a escolas e alunos, que não foram utilizadas.

 

O ARCO DA VELHA - Um pirómano que havia sido detido em Outubro passado pela Judiciária, e que então foi libertado pelo Tribunal, já ateou este ano seis fogos florestais na zona de Arruda dos Vinhos.

 

CF069338.jpg

CHAFES INVADE SERRALVES  - “Chegar sem partir” é o título da exposição de Rui Chafes em Serralves, que se estende do interior do edifício aos jardins exteriores. Cobrindo mais de três décadas de atividade, a exposição inclui trabalhos da fase inicial da sua produção escultórica e um conjunto de obras especificamente pensadas para o Museu e Parque de Serralves. No interior do edifício, “Sudário”, uma escultura de 2018, é a peça que primeiro recebe os visitantes, suspensa no corredor. A exposição apresenta um conjunto de obras significativas no percurso de Rui Chafes, algumas reconstituídas para esta ocasião como as instalações  “Medo não medo” (1988/98) — refeita e adaptada ao longo corredor desenhado por Álvaro Siza — e “A não ser que te amem”, (1987). Há peças novas, como “Sem nascer nem morrer” e outras mais antigas como “Burning in a forbidden sea”(2011), que é acompanhada por uma composição sonora e texto da artista irlandesa Orla Barry. O desenho, que Chafes raramente traz para a esfera pública, surge pela primeira vez ao lado das esculturas, como um fio condutor, da exposição. No hall do Museu, está uma sequência de mais de vinte esculturas pertencentes à série “Balthazar”  e a exposição prossegue nos jardins de Serralves, onde Chafes apresenta esculturas de diferentes períodos e outras criadas especificamente para este contexto — como é o caso de “Chegar sem partir” (na imagem), a escultura de 6 metros que dá título à exposição e que está logo na entrada do parque. A exposição inclui também uma obra que ficará permanentemente em Serralves, uma escultura subterrânea intitulada “Travessia”, um túnel escuro que termina numa câmara central iluminada por raios de luz natural, que são até ali conduzidos por um óculo, e revelam uma escultura de formas orgânicas que evocam um casulo em metamorfose. “Chegar sem partir” fica em Serralves até 26 de Fevereiro do próximo ano.

 

frenteK_Praias_Portugal_terra_incognita.jpg

GUIA PARA IR À PRAIA - Faz bem ir à praia? Os  banhos de mar são benéficos?, Não serão perigosos? Em 1876 estas perguntas andavam na boca do mundo e ir à praia não era coisa que agradasse a muita gente. Foi nessa altura que Ramalho Ortigão escreveu e publicou “As Praias de Portugal - Guia do Banhista e do Viajante”, agora editado na magnífica colecção “Terra Incógnita” da Quetzal. Ramalho Ortigão enaltece as vantagens e os benefícios biológicos e culturais da água do mar, do oceano e dos banhos de água fria: “Pelo simples facto da residência à beira-mar, como numa localidade muito elevada, o apetite aumenta, a digestão opera-se mais regularmente e mais rapidamente, a respiração exerce-se com mais actividade, o sistema nervoso sobre-excita-se: tais são, pelo menos, os fenómenos mais manifestos e mais gerais que se observam, e fazem com que o ar do mar seja tão salutar”. O escritor deixou em “ Praias de Portugal” um mapa da época balnear do final do século XIX, um clássico da literatura de viagem em Portugal. Ramalho Ortigão fala da Foz, de Leça e de Matosinhos, de Pedrouços e da Póvoa do Varzim, da Granja, de Cascais, de Vila do Conde, mas também de Espinho, Ericeira, Nazaré ou Figueira da Foz e ainda de Setúbal. Há também um capítulo sobre aquilo a que chama “as praias obscuras”, que inclui S. Pedro de Moel, S. Martinho do Porto, a Costa Nova ou Porto Brandão, entre outras.

 

image.png

O ELOGIO DA SIMPLICIDADE  - O disco que mais ouvi esta semana é “Shifting Sands” do trio do baixista Avishai Cohen, com Elchin Shirinova no piano e Roni Kaspi na bateria. Cohen tornou-se notado quando tocou em 1997 com Chick Corea. Nos dez temas deste disco ele mostra bem a sua versatilidade como músico e como compositor, juntando influências que vão dos standards do jazz norte americano até  ao funk, passando pela música latina e  temas do folclore de Israel, o seu país natal. “Shifting Sands” é um exemplo de um trabalho colectivo, de um diálogo solto e criativo entre os músicos, com o piano de Shirinova a ser muitas vezes o pólo condutor que dá entrada ao diálogo entre o baixo e a bateria. A faixa título é um exemplo perfeito desta articulação - tanto mais curiosa quanto o baterista, com 21 anos, recém saído de Berklee, é uma revelação que integra  este novo trio de forma magnífica. Noutros temas, como em “Dvash”, o piano e o baixo, por si sós, estabelecem uma sonoridade marcante e outras faixas que merecem destaque são “The Window” e “Joy”. Há momentos em que Cohen quase desaparece, deixando o palco para o pianista e o baterista, como em "Intertwined",  a faixa de abertura. O mais impressionante é a simplicidade de tudo isto e a forma como o trio usa essa simplicidade para fazer grande música. Não tenho dúvidas em dizer que este é um dos melhores discos de jazz que ouvi este ano. “Shifting Sands” está disponível em streaming.


ESPLANADA SETUBALENSE  - Vou falar do Peixoco, em Setúbal, bela localização, frente à foz do Sado. As muitas notícias publicadas na imprensa criaram expectativa, e lá fomos nós. O sítio é simpático,  está bem arranjado e o serviço é atento. Apesar de tudo isto a realidade da comida fica parcialmente  abaixo da expectativa criada. Vamos lá a ver - não se pode dizer que uma experiência no Peixoco seja má, o problema é que se esperava mais, a começar por  maior criatividade na lista. Indo por partes: as ostras eram boas mas isso em Setúbal é obrigação. Uma boa surpresa foi a beringela assada, com tomate confitado e alcaparras, ingredientes bem combinados e confeccionados, tempero certo. Mas o tártaro de atum estava muitos pontos abaixo do que se podia esperar. Uma das apregoadas especialidades da casa, a salsicha de peixe com puré de batata doce, desiludiu na salsicha mas cumpriu no puré. O problema é que a tal salsicha estava seca, demasiado passada e francamente com um sabor indistinto. O local convida à partilha petisqueira, mais do que à escolha do formato tradicional de entrada e prato principal. Em resumo 50% da expectativa foi cumprida. é melhor que nada mas é pouco para o que o restaurante vem anunciando. A rematar uma boa surpresa:  um vinho da região, o sauvignon blanc de Aldeia de Irmãos, revelou-se uma boa escolha que fez atenuar os aspectos menos bons da refeição. Já me esquecia: a manteiga de algas do couvert é bem boa e é a melhor parte do dito. Telefone 265 105 268.

 

DIXIT - “Não rejeito nada” - Augusto Santos Silva

 

BACK TO BASICS - “A raça humana tem dificuldade em enfrentar a realidade” - T.S. Eliot



 




Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:00


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.



Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2013
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2012
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2011
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2010
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2009
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2008
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2007
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2006
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2005
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D
  235. 2004
  236. J
  237. F
  238. M
  239. A
  240. M
  241. J
  242. J
  243. A
  244. S
  245. O
  246. N
  247. D
  248. 2003
  249. J
  250. F
  251. M
  252. A
  253. M
  254. J
  255. J
  256. A
  257. S
  258. O
  259. N
  260. D