Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


73CF4685-FE4B-44F8-8259-FCDAED27A8F9.JPG

O RIO QUE TRANSBORDOU - A incontornável vitória de Rui Rio, contra os prognósticos e apoios da elite partidária e dos donos do aparelho do PSD, coloca uma questão interessante: até que ponto é que os dirigentes locais e distritais são ouvidos e respeitados pela base? Até que ponto é que esses dirigentes se representam apenas a si próprios e a um grupo de fiéis próximos, empenhados essencialmente em trocar o seu apoio por benesses futuras quando o poder lhes voltar a sorrir? O que o processo eleitoral do PSD veio evidenciar é que a figura preferida pelo aparelho partidário, que estava claramente alinhado com Rangel, é a que menos mereceu a confiança dos eleitores. E, coloca uma outra dúvida: até que ponto é que os apoios aparelhísticos são hoje em dia olhados com desconfiança, pela base dos partidos e, em última análise pelos cidadãos comuns. E coloca ainda outra questão: até que ponto observadores, comentadores políticos e jornalistas são contaminados pelas influências das suas fontes no aparelho partidário e perdem eles próprios a realidade das bases, confundido declarações de dirigentes com opinião pública? Na realidade o que se passou na última semana - e já se tinha passado em Lisboa nas autárquicas, é que existe um distanciamento entre o que era previsto e o que na realidade aconteceu. Li algures esta semana esta nota: “Meia dúzia de comentadores desdobram-se por diversos títulos; os jornais deixaram o centro das cidades e os jornalistas convivem uns com os outros. Já ninguém se lembra do exemplo do editor do NYT que se deslocava de metro para saber o que os leitores escolhiam. Era bom descer à terra. Que direito têm, jornalistas e comentadores, de dizerem “o que as pessoas pensam é…”? E termino com outra citação, lida também nestes dias: “Lidos os comentadores, analistas e politólogos cheguei à conclusão de que o povo do PSD não votou em quem eles estavam à espera.”



SEMANADA - Apenas 34% dos estágios financiados pelo quadro comunitário de apoio, para inserir jovens que não estudam nem trabalham, resultaram em contratos de trabalho permanente; um estudo da Fundação Belmiro de Azevedo concluíu que os estudantes oriundos de meios mais desfavorecidos continuam a ser segregados no acesso aos cursos que garantem maior remuneração; um estudo da Fundação Francisco Manuel dos Santos  indica que 26% dos jovens portugueses já se medicaram contra a depressão; o mesmo estudo revela que 23% dos jovens já tentaram ou pensaram no suicídio; na GNR há 1017 agentes que não quiseram a vacina contra o COVID-19 e a PSP diz não ter dados certos mas calcula-se que centenas de polícias, que contactam diariamente com o público, também se recusaram a ser vacinados; no âmbito do PRR as Finanças vão ter 43 milhões da bazuka europeia para organizar cadastros e subir a base da tributação; há mais de dois anos que o tribunal tenta, sem sucesso,  notificar Vale e Azevedo, que vive e trabalha em Londres,  para ser julgado; Portugal é o único país da UE que não apresentou dados de novos casos de VIH/Sida no último relatório do Centro Europeu de Prevenção e Controlo de Doenças e da OMS; até Setembro enfermeiros e médicos já fizeram mais de nove milhões de horas extraordinárias, ultrapassando o valor de todo o ano passado; a TAP apenas transporta um em cada dez passageiros de avião no Porto, tendo sido ultrapassada pela Ryanair e easyjet.

 

O ARCO DA VELHA - Uma viagem desenhada pela União Europeia para fomentar as viagens de comboio teve este resultado: o Europa Express precisou de recorrer a três composições distintas e 55 locomotivas diferentes para atravessar 33 fronteiras em 26 estados. União?

 

CPG09756.jpg

COISAS PARA VER - “Sarkis”, a nova exposição de Cláudio Garrudo na Galeria das Salgadeiras (Rua da Atalaia 12, até 22 de Janeiro), na imagem, explora formas pouco usuais de utilização da fotografia, quer através da evocação da memória de objectos como ardósias escolares, recurso a diversas técnicas laboratoriais fotográficas, a reprodução de pequenas imagens de filmes portugueses dos anos 50 e até o recurso a papel perfurado utilizado em pianolas. “Sarkis” é um cruzamento propositado entre a música, o cinema, as artes plásticas e a literatura, abordados como partes que se ligam perante o olhar através de um fio condutor, que é a fotografia. No texto de apresentação da exposição Manuel João Vieira faz notar a diferença entre “a fotografia límpida, nítida, precisa, virgem, bidimensional, de superfície lisa e regular, que capta o objecto que é o seu contrário.” e a arte que  “capta também o duplo, o outro que há em nós, um outro que simula e projecta pela primeira vez as suas impressões no seu jogo.” Outras sugestões: na Galeria Filomena Soares, em Lisboa, “A Mecânica do Efémero” mostra até 15 de Janeiro  trabalhos de Flávio Cardoso, Kiluanji Kia Henda, Damara Inglês, Délio Jasse, Rui Magalhães e Sofia Yala. Na Biblioteca Nacional Pedro Proença apresenta até 19 de Janeiro “Mestres & Monstros”, um conjunto de aguarelas e poemas visuais, acompanhados por três livros criados para a ocasião.  E em Serralves pode ser vista "Ágora", a primeira exposição do  artista norte-americano Mark Bradford em Portugal. Serralves é aliás o primeiro museu europeu a acolher uma grande exposição deste artista desde que representou os EUA na Bienal de Veneza, em 2017, com a exposição "Tomorrow is Another Day" ("Amanhã é outro dia"). 

 

image002.jpg

OS POEMAS DE PESSANHA - Camilo Pessanha é um vulto maior das letras portuguesas e um dos menos conhecidos hoje em dia. Nasceu em Coimbra em 1867 e morreu em Macau, onde viveu muitos anos, em 1926. Publicou poemas  em várias revistas e jornais, mas o seu único livro, “Clepsydra”, foi editado em 1920, sem a sua participação directa,  pela jornalista e escritora  Ana de Castro Osório, que recolheu o material disperso que foi encontrando. Posteriormente, João Castro Osório, filho de Ana Castro Osório,  ampliou a “Clepsydra” original, acrescentando-lhe poemas que foram entretanto encontrados. Essas edições foram publicadas em 1945, 1954 e 1969. E surge agora, pela mão da editora Guerra & Paz, uma nova edição da “Clepsydra”, graças à  iniciativa de Ilídio Vasco.  Na organização  desta nova edição Ilídio Vasco recuperou a intenção original de ordenação dos poemas, baseada na interpretação de uma sinalética críptica deixada por Camilo Pessanha numa lista manuscrita. Essa nota, escrita no verso da procuração que deu a Ana de Castro Osório os direitos de publicação da obra, é, pela primeira vez, divulgada em fac-simile nesta edição de Clepsydra, que inclui, para além da obra integral, as notas do organizador e um anexo com textos que Pessanha traduziu do chinês, ao longo da vida: «Elegias Chinesas» (em versão bilingue), «Legenda Budista», «Vozes de Outono», «Chon-kôc-chao» e «Provérbios Chineses». “Clepsydra”,  é para muitos o mais belo livro da poesia portuguesa e Camilo Pessanha foi elogiado por Pessoa, Mário de Sá-Carneiro, Eugénio de Andrade e Jorge de Sena, reconhecendo que ele inspirou fortemente a geração de Orpheu e o que viria a ser o modernismo português. 

 

image (2).png

BRUCE ROCKS - No Outono de 1979 Bruce Springsteen, então quase a fazer 30 anos, realizou dois concertos no Madison Square Garden, em Nova Iorque, que ficaram para a história. Acompanhado pela sua E Street Band, Springsteen tinha lançado há um ano “Darkness On The Edge Of Town" e começava a preparar “The River”. Era um ponto alto da sua carreira. Esses concertos podem ser ouvidos e vistos em “The Legendary 1979 No Nukes Concerts”. Aqui estão gravados ao vivo 13 temas, uma hora e meia de uma grande actuação, agora editada pela primeira vez. Desde “Prove It All Night” até ao final com “Rave On”, o disco inclui temas como “The Promised Land”, “Rosalita”, “Born To Run”, “The River” ou "Thunder Road”, entre outros. O concerto foi gravado e filmado no momento em que Springsteen atingia uma popularidade que até aí não tinha conhecido e este registo, disponível em CD e DVD, mostra como ele era há 42 anos e testemunha ainda o momento em que Springsteen começa a assumir posições políticas bem marcadas e a empenhar-se em movimentos cívicos, como foi o  caso destas actuações. Na parte final de um concerto, que claramente foi uma festa de rock’n’roll, ao lado da E Street Band surgem convidados como Tom Petty e Jackson Browne que o acompanham numa versão de “Stay”, de Maurice Williams & The Zodiacs, seguido por entusiásticas versões de standards do rock e de temas de Gary U.S. Bonds e Buddy Holly. 

 

FAZ DE CONTA - Escolher o sítio para o almoço de domingo até começou com um gesto de boa vontade. O objectivo era experimentar o novo restaurante do MAAT, que prolonga a cafetaria que já existia. Apesar de saber ser gerido pelo grupo Mercantina, que já me proporcionou outras más experiências que bons momentos, lá decidi arriscar. Passemos aos factos: reserva feita online directamente para o MAAT Kitchen (assim se chama o local), com indicação de que a reserva estava anotada e seria confirmada posteriormente. Nunca chegou confirmação mas lá nos apresentámos à hora devida. E sim , a reserva existia mas a menina do acolhimento indicou-nos que devíamos esperar no bar, apesar de ser notório que estavam muitas mesas vazias no restaurante. Este truque de mandar para o bar é dos que mais me irrita quando é evidente que não se está à espera que vague uma mesa. A casa é anunciada como sendo de fine fusion dining, mas apesar de se tratar de almoço a expressão é largamente exagerada. O serviço é lento, pouco simpático e pouco atento. O couvert tinha uma manteiga trufada interessante, um azeite corriqueiro e um pão sem história e pouco sabor. Uma pena as bebidas terem chegado um bom bocado depois e apenas após chamada de atenção. Uma vez na refeição o outro lado achou bem o polvo assado à Algarvia com batata doce e tomatada rústica. E eu, que em má hora tinha escolhido entrecôte Txogitxu do País Basco com batatas fritas, fiquei a lamentar-me: a carne estava de facto mal passada, como pedido, mas o seu interior era seco e sem sabor, porventura a indiciar frigorífico a mais, enquanto as batatas eram mais cozidas do que fritas. No fim um café pedido cheio veio a metade da chávena, a evidenciar mais uma vez desatenção. Do outro lado da mesa veio uma frase que descreve bem o MAAT Kitchen: isto é tudo um faz de conta.

DIXIT - “Olhamos à volta e o que vemos é inquietante. Parece que os partidos fazem parte da crise, em vez de a combater” - António Barreto.

BACK TO BASICS - A vitória é sempre uma ficção política - Anónimo

 







Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:00

CAMPANHA ELEITORAL EM PANDEMIA?

por falcao, em 26.11.21

F0CB91AD-998D-438E-B387-BC7BB564BFEC.JPG

AS ELEIÇÕES - Em princípio, na próxima semana, o Presidente da República dissolverá o Parlamento, 60 dias antes das eleições legislativas antecipadas, marcadas para 30 de Janeiro. Quer isto dizer que a campanha eleitoral, informal e formal, se desenrolará com o Natal à vista e, em força, durante Janeiro. Com o agravamento da pandemia tudo indica que esta campanha eleitoral decorrerá com limitações, situação que é susceptível de afectar também a forma como o acto eleitoral propriamente dito decorrerá.  Esta é uma boa altura para os responsáveis políticos e o novo Parlamento que sairá deste  acto eleitoral encararem de frente a necessidade de uma revisão profunda da Lei Eleitoral, quer no que ela estabelece em relação à forma como a campanha se pode desenvolver, adequando-a a uma paisagem mediática que é radicalmente diferente daquela em que a Lei foi criada há mais de 40 anos. O consumo dos mídia e da informação pelos cidadãos não tem nada a ver com o quadro regulamentado na Lei existente e o próprio processo eleitoral deve poder reflectir mais formas de votação não presenciais, obviamente seguras. E já nem falo em questões como os círculos uninominais, a revisão do mapa eleitoral e do sistema de representatividade dos votos. Esta revisão, de forma e de conteúdo, não é uma fantasia, é uma necessidade e face à situação que vivemos ela ganha caráter de urgência. Seja qual fôr o resultado das eleições, o novo Parlamento e os partidos nele representados têm a obrigação de olhar de frente esta questão. Sob pena de a abstração crescer ainda mais e de os eleitores serem cada vez menos representativos da população. Não basta dizer que se defende a democracia, é preciso dar provas disso.

 

SEMANADA - Os deputados, para celebrar o fim desta legislatura, decidiram proteger-se adiando a votação da lei do lobbying para a próxima Assembleia; Manuel S. Fonseca lembrou na sua coluna do Correio da Manhã que temos um “Estado que nos custa 100 mil milhões de euros ao ano, com uma distribuição desequilibrada de uma legião de funcionários públicos e com um SNS que geme em todos os telejornais num cortejo de demissões”; segundo dados do Eurostat os portugueses recebem os salários mais baixos da Europa ocidental mas pagam a sétima carga fiscal mais elevada sobre o trabalho, 41%; os dez chefes de equipa da cirurgia do hospital de Santa Maria demitiram-se na sequência da falta de resposta às pretensões que formularam há cerca de um mês e que tinha a ver com condições de trabalho, nomeadamente na área das urgências;  o Ministério da Saúde atrasou-se a colocar os técnicos necessários e da sua responsabilidade na nova task force da vacinação; as idas às urgências hospitalares por infecção respiratória são quase o triplo de 2020; na área das lojas, hotéis, restaurantes e actividades imobiliárias há falta de mão-de-obra; no total existem 24 mil postos de trabalho por preencher, um aumento de 54% relativamente a outubro de 2020; as exportações de vinho português cresceram 12% nos primeiros nove meses deste ano; os cinco sites mais visitados em todo o mundo são, por esta ordem, o Google, YouTube, Facebook, Wikipedia e Amazon; João Rendeiro afirmou numa entrevista que pretende processar o Estado português por atrasos na justiça; José Sócrates escreveu um artigo de opinião no Diário de Notícias queixando-se da actuação da justiça em relação à sua pessoa, nomeadamente nos atrasos dos julgamentos dos processos em que está envolvido; segundo a Marktest o chá de camomila é a infusão mais consumida pelos portugueses.

 

O ARCO DA VELHA - O relatório do tráfico de estupefacientes elaborado pela PSP indica que estão a ser usados estafetas de empresas de entrega de comida e pagamentos via MBWay para realizar a venda de droga.

IMG_3081.jpg

IMAGENS MALANDRAS - Na Galeria Miguel Nabinho Pedro Casqueiro mostra até final de Dezembro uma série de 17 novas pinturas em acrílico sobre tela a que deu o nome de “Granuja” um termo espanhol que, numa tradução livre, significa malandro. São obras de médio formato, que espelham por um lado a atracção de Casqueiro pelo universo da banda desenhada, com um uso propositadamente limitado da côr. Na imagem está uma das obras, “pavimento”. A exposição fica até ao final do ano na Galeria Miguel Nabinho, de segunda a sábado, Rua Tenente Ferreira Durão 18. Outras sugestões: na galeria Módulo (calçada dos Mestres 34) ainda pode ver a exposição If All The Time is Eternally Present, de David Infante. No campo da fotografia destaque também para o trabalho de Valter Vinagre, exposto no Arquivo Municipal de Lisboa , "Homem Morto Passou Aqui", o resultado de um trabalho de cerca de cinco anos sobre a história das três invasões a Portugal e suas batalhas. Utilizando a paisagem para fazer a reconstituição de um legado histórico o autor retrata os cenários actuais dos vários eventos das guerras peninsulares, ocorridos de norte a sul do país, desde Almeida, Bussaco, Chaves, Porto, Amarante, Évora e Olhão, juntamente com as Linhas de Torres Vedras.

image.png

OS POEMAS - Há muitos livros que dizem ter poemas, mas há poucos que tenham poesia. E num país que se diz de poetas, encontrar um que saia dos lugares comuns é difícil. António Franco Alexandre é um poeta que faz poemas, o que não é uma coisa muito frequente. A nova versão de “Poemas” recolhe a obra de Franco Alexandre, de 1974 até agora, acrescentada de um livro inédito, “Carrossel”, que finaliza esta belíssima edição de cerca de 600 páginas da Assírio & Alvim. Descobri António Franco Alexandre com “A Pequena Face”, de 1983, depois com “As Moradas”, de 1987. A partir daí fui seguindo o que publicava e fui cada vez gostando mais do que ele escrevia. Esta nova edição de “Poemas”, a segunda recolha da sua obra (a primeira foi em 1996), recolhe os poemas publicados pelo autor posteriores a essa data, (Quatro Caprichos, Uma Fábula, Aniversário, Duende e Aracne) e um conjunto de inéditos com o título «Carrocel», escritos desde a publicação de Aracne em 2004. Permitam-me finalizar com uma breve citação, precisamente de um dos inéditos, “Domínio Público”: “Tantas canções e versos pelo mundo fora/e só um, em querendo, será teu.”

image (1).png

CANÇÕES PORTUGUESAS - Em Setembro de 2020 Jorge Palma subiu ao palco do Castelo de São Jorge, para apresentar o espectáculo “Jorge Palma - 70 Voltas ao Sol”, pensado para  celebrar em palco o seu 70.º aniversário. Filipe Melo e Filipe Raposo fizeram a direcção musical e arranjos das versões cantadas em palco e gravadas ao vivo, num disco agora editado. Jorge Palma foi acompanhado em palco por uma orquestra de câmara de 14 elementos, conduzidos pelo maestro Cesário Costa. O trabalho de direcção e de selecção dos músicos que constituem o ensemble ficou a cargo do Maestro Cesário Costa. O disco “70 Voltas Ao Sol” inclui 15 temas, pouco mais de uma hora, com temas incontornáveis da carreira de Palma, como “O Meu Amor”, “Deixa-me Rir”, “Bairro do Amor”, “O Lado errado da Noite”, “Frágil”, “Estrela do Mar” (com a participação de Cristina Branco e , a finalizar, uma versão de “Portugal Portugal”, uma canção cada vez mais actual. Aos 70 anos Jorge Palma mantém-se com uma capacidade de interpretação notável, aqui auxiliada por arranjos que fogem à sonoridade habitual das suas canções. Jorge Palma, um músico com formação clássica no Conservatório de Lisboa, é um dos mais brilhantes compositores portugueses, com um raro sentido de conjugação de palavras com música, autor de relatos de um quotidiano que acompanha a nossa história mais recente. Disponível em streaming.



JOINT VENTURE DE SABORES - Vou pegar em duas coisas magníficas que comi esta semana para propôr a sua junção. Começo por um puré de batata com espinafres, cozinhado por uma familiar belga e que, no seu país, leva o nome de stoempe. Trata-se de uma esmagada de boa batata  (nada de preparados instantâneos), devidamente temperada, a que no final se juntam folhas de espinafres crus que acabam de cozinhar no puré. A conjugação de sabores é fantástica e liga bem com qualquer carne, na minha opinião ainda melhor se fôr com um estufado. E chegamos à proposta de joint venture: juntar este stoempe belga com língua de vaca lentamente estufada,cortada em finas fatias, num molho onde nadam pedaços de cenoura. Esta carne foi degustada num dos meus poisos favoritos, que é o Apuradinho, em Campolide. Para rematar com outro petisco que provei esta semana, noutro local muito do meu agrado, o Salsa & Coentros, convoco aqui os sabores de um arroz de entrecosto que lá comi e que estava perfeito no tempero e no ponto de confecção. Resta recomendar que nesta altura do ano, para sobremesa, comam uma pêra bêbada ou marmelo assado no forno. Como o tempo vai esfriando, claro que a época apela a um tinto reconfortante.

 

DIXIT - “O PS está a agir na Assembleia Municipal como se ainda estivesse a governar Lisboa” - Luís Newton.

 

BACK TO BASICS - Os dois pecados capitais, de onde derivam todos os outros, são a impaciência e a preguiça - Franz Kafka

 






Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:00

SOBRE O ESQUECIMENTO DA OPOSIÇÃO

por falcao, em 19.11.21

D6F2ECEC-9AC4-4D1E-A16E-F1FFCFF8D1F4.JPG

O DESCOBRIDOR TARDIO - Rui Rio é presidente do PSD desde Fevereiro de 2018, há três anos e meio. Quando tomou conta do PSD pairava no ar a ideia de que ele e António Costa se davam bem. Enquanto presidentes das Câmaras Municipais do Porto e de Lisboa ambos trocaram galhardetes nos respectivos santos populares e abraçaram-se publicamente em tempo de arraiais. A verdade é que, quando Rio passou a dirigir o PSD, já António Costa estava como Primeiro Ministro desde 2015. E assim tem continuado sem que nada acontecesse. A oposição de Rui Rio a Costa primou pela inexistência ao longo destes anos. Nalguns casos, como na redução dos debates quinzenais no Parlamento, ele foi a ajuda de que Costa necessitou para ter menos pressão no hemiciclo. Agora, que se recandidata à liderança do PSD, contra Paulo Rangel, seguiu o princípio de evitar debates e  proclamou que não faria campanha interna no seu partido e se concentraria na oposição ao Governo do PS. Digamos que vem tarde. Depois de tantas distracções ao longo dos últimos anos, descobriu os méritos de proclamar oposição quando, até aqui, foi um fraco opositor do Governo. Agora quer tudo o que nunca fez e ainda não foi capaz de entender que a crise que levou à convocação de eleições não foi gerada pela sua oposição mas sim pela avaria na geringonça e a falta de vontade de Costa em se assumir como mecânico da maquineta. O mandato de Rio como Presidente do PSD tem sido pautado por ser mais agressivo no interior do seu partido do que para o exterior. Em matéria de política tem-lhe faltado coerência nas ideias e imaginação na acção. É pena só agora ter descoberto o que um líder da oposição deve fazer.

 

SEMANADA - A manterem-se as normas actuais mais de 800 mil pessoas com mais de 65 anos só podem levar dose de reforço em 2022; a Ordem dos Médicos pede o regresso de medidas restritivas e afirma que na pandemia Portugal já passou do nível de “alerta” para o de “alarme”; “o nosso comportamento é o travão à doença", afirmou a pneumologista Raquel Duarte que alertou contra o relaxamento das regras de protecção individual; durante a pandemia registou-se um aumento de 10% das bebidas alcoólicas vendidas nos supermercados;a faixa de militares no activo que rejeitaram ser vacinados contra COVID 19 está muito acima da média nacional;  Portugal foi o sexto país da UE onde a pandemia atirou mais jovens para o desemprego; segundo o Instituto Nacional de Estatística o número de pessoas com segundo emprego subiu 20% no terceiro trimestre do ano atingindo agora cerca de 220 mil trabalhadores que acumulam dois empregos; segundo a agência Europeia do Ambiente a poluição foi responsável por 4900 mortes em Portugal e um total de 364 200 em toda  a Europa; há mais de mil turmas com horários por preencher e milhares de alunos que continuam sem aulas; o Ministério Público perdeu um quarto dos magistrados em dois anos; procuradores sem nota ou experiência tratam casos complexos e, em instâncias centrais, há cerca de 70 magistrados sem classificação de mérito; o preço da tonelada de pinho aumentou 40% no último ano e existe um défice de 57% desta matéria prima para consumo industrial; no dia 18 completaram-se cinco meses sobre o acidente com o veículo que transportava o Ministro Eduardo Cabrita e do qual resultou um morto por atropelamento - e continua sem haver resultado conhecido do inquérito instaurado.

 

O ARCO DA VELHA - O reforço da vacinação contra o COVID 19 decorre claramente com problemas, o sistema voltou a emperrar, dificilmente serão atingidos os objetivos anunciados e até as vacinas contra a gripe sazonal estão em falta nas farmácias. E que diz a Directora Geral da Saúde? - Que é preciso ter paciência.

 

IMG_3075.jpg

UMA VIAGEM PERTURBANTE - As exposições de Nádia Duvall são sempre surpreendentes e muito frequentemente inquietantes. “Com o deserto nos olhos”, a sua nova mostra na Galeria Foco, não foge a esta regra. No trabalho de Duvall há uma raiz orgânica que se mistura com a manipulação de objectos subtraídos à função que normalmente lhes é atribuída e o resultado é um cenário onde o fantástico é claramente dominante. Estes trabalhos nunca espelham a realidade, mas mostram a imaginação de Nádia Duvall e a forma como a artista vai observando o mundo. Aqui o tema tem a ver com viagem, descoberta, distância e, no fim, a interrogação sobre o sentido da vida, sobre o significado do tempo. Uma viagem perturbante e perturabadora. “Vagamente um Segredo (ou um abrigo para tão longa fuga)” (na imagem) está montada como o diário de uma viagem que vamos visitando por etapas onde o encanto e o desencanto andam de mãos dadas até culminar na espera de alguém que se recorda. A Galeria Foco fica na Rua Antero de Quental 55A e a exposição estará patente até 11 de Dezembro.  Outras sugestões: a Galeria 11 (rua dr. João Soares 5B) expõe um conjunto de obras de Paula Rego sob o título “Saudades”. A mostra, que ficará patente até 15 de janeiro de 2022, junta 27 obras que atravessam várias décadas e temas, desde os anos de 1980 até 2017. E finalmente no atelier - museu Júlio Pomar prossegue a série de exposições comissariada por Sara Antónia Matos que coloca em confronto obras de Pomar com outros artistas - desta vez com Menez e Sónia Almeida. Até Abril do próximo ano.

image.png

A CIDADE REVISITADA  - A nova obra de Daniel Blaufuks, “Lisboa Clichê”, parece um livro de viagens que nos faz descobrir um tempo perdido. Não é apenas um livro de fotografia, o território mais habitual do trabalho de Blaufuks, é também um diário onde o autor foi colocando notas sobre o final dos anos 80 e como ele próprio foi vivendo o que se passava numa cidade que então se redescobria. No fundo é o livro de um viajante pela cidade, que recorda uma Lisboa em parte desaparecida, das tascas e casas de pasto, do fecho dos cinemas históricos, do arranque da vida nocturna no Bairro Alto, da liberdade no Frágil, das bandas rock portuguesas, dos encontros e desencontros na era das cabines telefónicas, do grande incêndio no Chiado.  Inteiramente a preto e branco o livro evoca pessoas e sítios, deixa espreitar para a vida de Blaufuks nessa época e dá conta dos seus pensamentos, ao mesmo tempo que faz descrições do seu quotidiano de então. Pelo meio estão textos de autores como Ruy Belo, Al Berto, Mário Cesariny, Eugénio de Andrade, Rui Cinatti, Agostinho da Silva, ou Sérgio Godinho, entre outros. O Bairro Alto e as suas noites são recorrentes no livro. E é de uma dessas páginas, depois de um relato do que era o “Frágil” de então, que retiro estas linhas: “Sair do Bairro e caminhar por Lisboa. Ainda é noite, mas sente-se já o próximo dia, os candeeiros dão ainda uma luz de outro tempo, como numa velha fotografia. À noite, Lisboa é uma fotografia a preto e branco”.  Fotógrafo, cineasta e artista plástico, Daniel Blaufuks tem trabalhado na relação entre fotografia e literatura. A relação entre o público e o privado, a memória individual e a memória colectiva, tem sido uma das bases do seu trabalho.

image (1).png30 ANOS DE LITHIUM - “Nevermind”, o segundo álbum dos Nirvana, saíu em finais de Setembro de 1991. Há 30 anos, números redondos. Na altura provocou um sobressalto na música de então, com epicentro no grunge que saía de Seattle. Três anos depois Kurt Cobain morria e começava o mito. Lendas à parte “Nevermind”  está na lista dos discos que é preciso conhecer. Agora, por ocasião do 30º aniversário da sua edição, saiu uma caixa que inclui 5 discos e 75 canções, mais de quatro horas de música. Para além de uma nova remasterização do álbum original, aqui estão  gravações de quatro concertos dos Nirvana, realizados entre Novembro de 1991 e Fevereiro de 1992, mostrando como nesse período a evolução da presença em palco da banda foi significativa. O primeiro é um concerto no Paradiso de Amsterdão, o segundo um concerto sem grande história na California, o terceiro uma arrebatadora actuação em Melbourne, na Austrália, com uma versão de “Lithium” , onde banda e público se completam de forma rara  e finalmente um concerto em Tóquio que é talvez o mais conseguido de todos,do ponto de vista da qualidade de gravação e da evolução musical da banda. Disponível em streaming.



Breve História da Massa Italiana.jpg

OS SEGREDOS DA MASSA - Tenho um novo livro de cabeceira que volta e meia visita a cozinha. Trata-se de “Breve história da massa italiana em dez pratos célebres”, de Luca Cesar. E que pratos são esses? O fetuccine Alfredo, a amatriciana, a carbonara, os gnocchi, os tortellini à bolonhesa, o ragu à napolitana, o ragu à bolonhesa, a lasanha, o pesto à genovesa e o esparguete com molho de tomate. Luca Cesari é um  historiador e jornalista gastronómico que tem investigado a origem de alguns dos pratos mais famosos da tradição italiana - podem saber mais sobre ele em ricettestoriche. O livro vai fundo na história da cozinha italiana, mostra como a própria afirmação da massa no interior do panorama gastronómico italiano foi uma lenta conquista que acelerou decididamente somente depois de meados do século XIX. O livro inclui receitas de diversas épocas de cada um dos dez pratos, relata o percurso histórico de cada um deles, indica quando foi publicada pela primeira vez a receita e as várias versões que se foram desenvolvendo. Sem preconceitos Luca Cesari rejeita as natas e conta como a cebola e o alho não fazem parte da tradição inicial da cozinha italiana. Pelo meio demarca-se daquilo a que chama os “gastropuristas”,  que se proclamam os únicos conhecedores dos insubstituíveis ingredientes de todas as receitas típicas e recorda que os pratos tradicionais, como tudo o resto na vida, evoluíram ao longo dos tempos. Como o autor refere, a antiguidade e a estabilidade ao longo do tempo são os dois critérios principais para definir o que pode ser considerado “tradicional” ou não. Porm isso mesmo, diz não ser de estranhar que uma lasanha ou uma amatriciana feitas há um século não fossem iguais às que comemos hoje. “Os pratos que servimos à mesa são apenas o último estágio de uma longa evolução que os foi transformando inexoravelmente ao longo do tempo” - conclui. Arrebatador, é o que vos digo.

 

DIXIT - “Como a vida política se resume cada vez mais à intriga e ao processo, ao adjectivo e ao fútil, quase nada de essencial faz parte dos debates actuais. Vai ser uma campanha dura. Nem sequer vamos ter um duelo de fantasias” - António Barreto

 

BACK TO BASICS - Não utilizem o vosso poder para eliminar opiniões que considerem perniciosas, porque se o fizerem serão as opiniões a derrotar-vos” - Bertrand Russell

 







Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:00

A09A7411-5290-4729-8BFC-7F9CE91E4EB9.JPG

UM MENOS UM - A decisão de integrar a programação artística da Fundação EDP (MAAT e da Central Tejo) na esfera da Fundação de Serralves é uma daquelas operações em que o resultado é inferior à soma das partes. Serralves é fruto de uma parceria organizada pelo Estado com empresas privadas do norte do país e a sua actividade conta com uma participação financeira regular e importante de fundos públicos. A Fundação EDP, por outro lado, é um dos raros casos de aposta de uma empresa privada numa obra de responsabilidade social, com diversas esferas de influência e acção, sendo uma delas no domínio da arte e da cultura. A importante intervenção cultural que a Fundação EDP tem mantido deve-se em muito ao perfil que lhe foi desenhado por António Mexia, enquanto dirigiu a EDP. Depois da sua saída cedo se começaram a ouvir vozes, na direcção da empresa, clamando por um foco maior na esfera de apoios sociais e menor na esfera cultural - como se a responsabilidade social das empresas não se devesse também fazer sentir no desenvolvimento do acesso a formas de criação artística. Tudo culminou agora com a entrega da direcção da programação do MAAT e Central Tejo a Serralves. Assim se diminui a diversidade de critérios, escolhas, programações e se reduz a importância que o MAAT tem tido e a sua repercussão positiva na marca EDP. A administração de Serralves regozijou-se com o facto e os actuais dirigentes da EDP mostraram-se conformados, senão mesmo aliviados. Vem a propósito recordar que Ana Pinho liderava já a Administração de Serralves no incidente ocorrido em 2018 com a exposição do fotógrafo Robert Mapplethorpe e que levou à demissão do então director do Museu, João Ribas, por não concordar com a forma como a administração condicionou a montagem da exposição, chegando inclusivamente a preconizar que algumas das obras não fossem incluídas. Estamos pois perante a junção de uma Fundação fortemente participada pelo Estado, e que tem no currículo recente um incidente censório, com uma Fundação privada que tem sido um território de grande liberdade criativa. Ora isto não é uma boa notícia. O melhor resumo da situação criada veio de João Fernandes, que dirigiu Serralves entre 2003 e 2012 e que, do Brasil, onde dirige o Instituto Moreira Sales, rompeu o seu silêncio sobre a instituição a que esteve ligado, afirmando ao “Público” : “Sendo tão poucas as instituições de arte em Portugal, preferiria também aqui a diversidade, por contraponto à concentração de responsabilidades e de poderes de programação”.



SEMANADA - O Governo quer autorizar a plantação de mais 37 mil hectares de eucaliptos em 126 concelhos, contrariando compromissos anteriores; Portugal é o país com mais área plantada de eucaliptos na Europa e o quinto a nível mundial; se o plano for para a frente Portugal terá 10% da superfície de Portugal continental plantada com eucaliptos; as autoridades reconhecem que não é possível saber se a legislação sobre os prazos máximos de resposta do Serviço Nacional de Saúde estão a ser cumprdios nos hospitais públicos, nomeadamente a realização de meios auxiliares de diagnóstico; no ano passado apenas um terço das crianças em condições de serem adoptadas ganharam uma nova família e muitas já passaram mais de seis anos nos lares;  nos últimos cinco anos foram feitas 300 queixas sobre a qualidade das refeições escolares; segundo a Marktest, os resultados de 2021 do estudo “Os Portugueses e as Redes Sociais” revelam que um em cada cinco utilizadores abandonou alguma rede social no último ano e que o Facebook foi a mais mencionada; Rui Rio deve estar à procura do tempo perdido:  anunciou que, até às Directas do PSD, se vai dedicar exclusivamente a acções políticas de oposição ao PS”, coisa que não fez ao longo dos últimos anos; soube-se que no caso Rendeiro a Justiça andou a investigar as viagens de um João Rendeiro que não tinha nada a ver com o ex-banqueiro.

 

O ARCO DA VELHA - Seis meses de uma operação exemplar de vacinação e não se aprendeu nada? Saíu a equipa liderada pelo vice-almirante Gouveia e Melo,  o caos voltou e a incerteza instalou-se de novo.

 

image.png

IMAGENS NÓMADAS - No Museu Municipal de Faro Pauliana Valente Pimentel apresenta as suas fotografias de uma comunidade cigana sob o título “Faro-Oeste” (na imagem). O trabalho de Pauliana Valente Pimentel foi efectuado ao longo de um ano, em 2019, com algumas famílias ciganas na zona de Castro Marim e Vila Real de Santo António, nos acampamentos Cerro do Bruxo, Horta da Areia, Alto do Relógio e Monte João Preto.  A fotógrafa foi movida pelo seu interesse em mostrar a forma como as famílias ciganas preservaram as suas tradições, mantendo-se num registo nómada. O trabalho pretende, nas palavras da autora, “mostrar o dia a dia destas famílias, dando ênfase às suas tradições, com o intuito de combater preconceitos e estereótipos racistas e xenófobos de que são constantemente alvos”.  “Faro-Oeste” é um bom exemplo da forma de trabalhar de Pauliana Valente Pimentel, entrando dentro dos temas que aborda, criando uma narrativa através de imagens, na realidade um ensaio fotográfico que consegue simultaneamente documentar a realidade e interpretá-la com o seu olhar pessoal. A exposição está inserida na programação do Verão Azul, Festival Transdisciplinar de Artes Contemporâneas, que vai na sua décima edição e estará patente até 19 de Dezembro.

 

2278bf2b-719b-4218-abc1-6fe5737bf32a (1).JPG

ONDE ESTÁ O LÍDER? - Prometo que não vou falar da situação de nenhum partido político. O tema é outro e tem a ver com o que se passa nas empresas. A pandemia provocou a alteração de hábitos, a mudança de rotinas e de ferramentas de trabalho. A importância de uma liderança eficaz nas empresas tornou-se cada vez maior. A pandemia desestabilizou equipas criou receios, colocou desafios. Neste contexto a capacidade de liderança é cada vez mais importante  não só para mobilizar os colaboradores, mas sobretudo para tornar as empresas mais fortes e eficazes.  “Onde Está O Líder” é um livro que evoca o período antes da pandemia e vai até ao tempo presente, passando por temas como a cultura de empresa, a gestão de talento, o recrutamento e, claro, a liderança. E, no pós-pandemia, aborda o regresso aos locais de trabalho, a vida no mundo digital e dos dados  ou a resiliência. Luis Cervantes, Presidente da Caravela Seguros, que prefacia o livro, diz que ele se insere “na categoria que classifica de “manual de cabeceira”, ou seja, sublinha, “o companheiro que está sempre à mão e a que recorremos frequentemente quando somos defrontados com desafios difíceis”. Mesmo no final do livro a autora, Dalila Pinto de Almeida, deixa um alerta: “A época em que vivemos exige de um líder o que sempre exigiu: que saiba conduzir as pessoas até ao ponto que só ele ainda viu, através de um caminho desenhado por todos, mesmo se depois alguns escolhem atalhos para lá chegar”. Aqui chegado devo fazer  uma declaração de interesse: a minha proximidade com a autora levou-me a conhecer todo o livro antes de ele ser editado. Mas o que aqui deixei escrito não é um favorecimento, é uma apreciação genuína.

 

image (1).png

O FADISTA - “Aves Agoirentas” é um fado de David Mourão Ferreira e Alain Oulman gravado por Amália para o histórico álbum “Busto”, um dos mais importantes e surpreendentes da sua carreira - e que em breve vai ter nova edição. Nunca tinha ouvido “Aves Agoirentas” por outra voz - ainda por cima por uma voz de homem. É como se, sendo o mesmo fado, fosse outro, com um sentido de respeito e homenagem a Amália. Este novo álbum “Horas Vazias”, de Camané, é um reforço da sua crença no Fado. Por isso gravou o “Fado Rosa” de João David Rosa com um poema de Sebastião Cerqueira, “As Vezes Há Um Silêncio” de Jaime Santos,  “Amar Não Custa”, também com um poema de Sebastião Cerqueira; e destaco o  atrevimento mostrado na abordagem de “As Ilhas Afortunadas” de Fernando Pessoa, aqui dedicado a José Pracana. Camané é um fadista de palavras - sabe-as sentir e cantar como mais nenhum da sua geração - é esse talvez o maior testemunho que guardou do seu trabalho com José Mário Branco, que produziu todos os seus discos até ter morrido. Para produzir este novo álbum, Camané foi buscar um homem do jazz, Pedro Moreira que trabalhou com habituais parceiros de Camané: José Manuel Neto na guitarra portuguesa, Carlos Manuel Proença na viola de fado e Carlos Bica no contrabaixo, que tiveram a companhia ocasional do saxofone de Ricardo Toscano, o acordeão de João Barradas e um sexteto de cordas. José Mário Branco continua no entanto presente, com uma música que fez para o poema  inédito de Amália Rodrigues “Tenho Dois Corações”. Além dos nomes já referidos há outros nestes 16 temas, como Amélia Muge, Maria do Rosário Pedreira, João Monge, Jorge Palma,  Sérgio Godinho, Vitorino Salomé e Pedro Abrunhosa - a quem coube o primeiro tema do álbum, “Que Flor Se Abre No Peito”, onde Camané mostra logo tudo o que o torna único.

 

A MORCELA - Ora bem, hoje vou escrever sobre comida de conforto, alimentos que nos façam aquecer o corpo e a alma. Registo com agrado que recomeçou a época do cozido à portuguesa. Por mais paradoxal que pareça, uma das coisas de que mais gosto no cozido não tem a ver com carne. Para eventual espanto de alguns defendo a essência vegetariana do cozido à portuguesa: a cabeça de nabo, as cenouras, a couve, um arrozinho aprimorado dentro da tradicional bola de cozedura que mergulha no panelão e ganha o sabor das carnes, sabor que se estende ao molho que há-de regar os legumes. No cozido, em matéria carnívora, sou um morceleiro. Sem boa morcela o cozido não é a mesma coisa e um pedaço de toucinho rico também acompanha a preceito. Uma boa amiga que festeja sempre o aniversário com um belo cozido faz questão lembrar a assistência que há reforço de morcela em minha honra - por uma vez há mais morcela que farinheira, digo eu sorrindo para dentro. Ainda tenho na memória o sabor de infância da morcela fresca, larga, cortada sem ser muito grossa, em cima de uma fatia de bom pão alentejano. Para mim era um lanche, sentado nas escadas de granito dos meus avós. Não é fácil arranjar boa morcela, mas naqueles aniversários ela é sempre de boa qualidade e a que mais me lembra a minha infância.

 

DIXIT - “É este o grande princípio das democracias liberais: limitar o poder político de modo a garantir que ninguém, seja por via do Estado ou das grandes empresas, controle ou condicione a vida dos cidadãos” - André Abrantes Amaral

 

BACK TO BASICS - “Nunca se mente tanto como antes das eleições, durante uma guerra e depois de uma caçada” -  Otto von Bismark

 







Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:00

QUEREMOS UMA POLÍTICA DA ESCURIDÃO?

por falcao, em 05.11.21

semanada.jpeg

A PRESSA É MÁ CONSELHEIRA - Pedro Nuno Santos tem uma vantagem: diz ao que vem, sem rodeios. Não cria suspense. Ora leiam o que afirmou esta semana: “o entendimento à esquerda não foi um parênteses na história da democracia portuguesa e a direita tem de se habituar a isso”. O discurso é apelativo aos militantes do PS que gostariam de estar no Bloco de Esquerda, mas preocupante para os que acreditam no ideário social-democrata puro da fundação do PS. Adalberto Campos Fernandes, ex-ministro da Saúde, alertou: “dentro do PS, há uma atração que eu diria às vezes mesmo uma atração fatal, um certo fascínio por fazer do PS uma espécie de ‘BE 2.0’ e esse não é o meu Partido Socialista e não é o de muitos milhares de militantes e muitos milhares de homens e mulheres que fazem o PS”. E deixou um aviso: o PS não pode abandonar o centro político sob pena de abandonar uma parte importante do eleitorado. Assim sendo, entre o que Pedro Nuno Santos diz e o que Adalberto Campos Fernandes defende, surge a certeza de que também no PS, como no CDS e PSD, existe uma clivagem em questões fundamentais - não só de alianças, mas de todo um programa político. Numa situação assim as propostas sobre as quais o eleitorado é chamado a pronunciar-se têm de ser claras. Esta semana foi conhecida uma carta aberta de um grupo de cidadãos que apela a que não surjam precipitações e que se proporcione condições para que próximas eleições possam resultar numa clarificação e não numa nova confusão: “Está em causa o respeito integral pela igualdade de oportunidades e imparcialidade no tratamento de candidaturas expressamente garantidas pela Lei dos Partidos Políticos. Trata-se de um valor político-constitucional inafastável, que não podendo prevalecer em exclusivo, deve fazer parte da equação decisória. Havendo vários partidos com processos eleitorais internos, regulares, obrigatórios e previamente iniciados, a resposta democrática não pode ser exigir-lhes que prescindam da democracia interna.” E sublinham: “A preparação dos programas e escolha dos candidatos, os vários debates e a campanha devem decorrer em tempo rápido mas razoável, sem precipitações que sempre frustrariam os objectivos de esclarecimento dos eleitores e de superação dos impasses políticos”. Ao ler esta oportuna carta aberta lembrei-me desta velha citação: “O dever daqueles que são eleitos é defender o povo face ao Estado e não impôr o que o Estado decide ao povo.”. A pressa é má conselheira.



SEMANADA - Portugal aproveitou apenas metade dos fundos da União Europeia para apoio a refugiados e as organizações que trabalham no terreno queixam-se de um processo com muitas falhas e de falta de transparência na forma como o dinheiro tem sido gerido; o Plano de Recuperação de Aprendizagens lançado pelo Governo para apoiar a escola pública tem o cumprimento das metas em dúvida devido à falta de professores, de computadores, de redes wi-fi funcionais e até de falta de tomadas eléctricas em muitas salas de aula; o trabalho extraordinário  realizado por profissionais do Serviço Nacional de Saúde entre Janeiro e Setembro deste ano já atingia cerca de 17 milhões de horas, mais 36% do que em igual período do ano passado; a pandemia pode ter deixado sem diagnóstico 4400 casos de cancro; o endurecimento de penas e a simplificação de processos não estão entre as cinco medidas mais urgentes preconizadas pelo Observatório de Economia e Gestão da Fraude num livro recentemente publicado; uma reportagem da SIC mostrou que além de Eduardo Cabrita, também os carros oficiais de Pedro Nuno dos Santos, Matos Fernandes e João Galamba foram apanhados em excesso de velocidade; José Manuel Trigoso, presidente da Prevenção Rodoviária portuguesa, afirmou que os carros do Estado não devem infringir as normas, até por uma questão de exemplo; 400 jactos privados transportaram participantes na cimeira do clima na Escócia; o Ministério da Economia divulgou uma avaliação onde se verifica que o impacto económico da web summit ficou aquém do esperado em termos de receita fiscal, no valor acrescentado bruto e na criação de emprego; segundo o Eurostat, em 2020 Portugal foi o 4.º maior produtor e o 2.º maior exportador de abóboras da Europa.

 

O ARCO DA VELHA - A GNR tem estado a investigar papel higiénico e fragmentos biológicos com o objectivo de tentar provar que Nuno Santos, a vítima mortal do carro que transportava o Ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita,  no dia 18 de Junho na A6, não estaria a trabalhar quando foi atropelado. 

 

cccascais.jpg

OS COLECCIONADORES  - No Centro Cultural de Cascais, pode ser vista uma exposição montada a partir da Colecção Norlinda e José Lima, iniciada há mais de 40 anos pelas mãos do empresário português da indústria do calçado José Lima,  uma das mais significativas e abrangentes coleções de arte privada do país, e que está baseada no vinda do Centro de Arte Oliva, de S. João da Madeira. Formada por aproximadamente 1300 obras de cerca de 480 artistas de todo o mundo, a mostra "Entre as Palavras e os Silêncios” reúne 104 obras dessa colecção, entre pinturas, desenhos, fotografias, esculturas e instalações, realizadas por alguns dos mais importantes artistas contemporâneos, portugueses e estrangeiros, muitas delas nunca antes mostradas em Cascais ou Lisboa, com curadoria de Luisa Soares de Oliveira e Andreia Guimarães. Ali podem ser vistos trabalhos de Paula Rego, Andy Warhol, Julião Sarmento, Rui Chafes, Cindy Sherman, Júlio Pomar, Damien Hirst e Victor Vasarely, entre tantos outros. Esta fotografia da exposição é de Valter Vinagre. A ver até 6 de Fevereiro de 2022. Vem a propósito dizer que nos últimos tempos tem sido frequente a apresentação pública de colecções de arte privadas. O próprio Primeiro Ministro tem assinalado o 5 de Outubro para abrir as portas da sua residência oficial e aí mostrar obras de colecções particulares. Até ao mês passado estava a de Fernando Figueiredo Ribeiro e agora estão 41 peças da colecção de Ana Cristina e António Albertino, dois coleccionadores de Coimbra. Até bem recentemente esteve patente no Museu Nacional de Arte Antiga a “Colecção Utópica”, com peças do Museu do Caramulo, desde o primeiro Picasso que se expôs em Portugal, até obras de Amadeo-Souza Cardoso ou Maria Helena Vieira da Silva. E  no Museu Arpad Szenes / Vieira da Silva, que já em 2018 apresentou a colecção de António Pinto da Fonseca, estão  agora obras de Arpad e Vieira da Silva da colecção da Fundação Ilídio de Pinho. Em janeiro, no Museu do Chiado será mostrada a colecção de Mário Teixeira da Silva (galeria Módulo) . 

 

Um Caminho no Mundo.jpg

CONTRIBUTOS PARA A COMPREENSÃO DA VIDA -  “Um Caminho no Mundo” é a 11ª novela de V.S. Naipaul, editada originalmente em 1994, muito antes de o autor ter recebido o Nobel da Literatura em 2001. O livro, agora com uma edição portuguesa, ultrapassa os limites daquilo que se pode esperar de uma obra de ficção. A história é composta por nove narrativas ligadas entre si e complementares, algumas de natureza mais pessoal, outras mais históricas e outras mais ficcionais. O conteúdo é épico e integra personagens como Cristóvão Colombo, Sir Walter Raleigh, Simon Bolívar e o revolucionário venezuelano Francisco Miranda. A obra começa nas Caraíbas dos tempos modernos, nos anos de 1940, e acaba num país da África Oriental. É na terra natal de Naipaul, Trindade e Tobago, mais especificamente em Port of Spain, a cidade onde viveu na juventude, que a história se inicia - tinha ele 17 anos, acabado de sair do ensino secundário, ocupando os meses de Verão com um trabalho administrativo, como escrivão nos Arquivos de Estado, até que aos 18 anos vai para Inglaterra, estudar literatura em Oxford.  Naipaul interroga-se sobre a sua própria vida, o caminho que percorreu até se tornar escritor, como se transformou de um tímido e inexperiente jovem de uma colónia distante numa voz do exílio que alcançou a fama. O livro conta a história de Blair, um funcionário público local competente, sistematicamente ultrapassado por quadros brancos vindos de Londres. Percebe-se a radicalização política na ilha e a desilusão de Blair que sai da sua terra e se transforma num reputado conselheiro financeiro que auxilia governos do terceiro mundo. Numa dessas missões, num corrupto país da África, Blair é assassinado por ordem de altos funcionários do governo envolvidos no contrabando, de marfim a ouro, que ele se preparava para denunciar. Esta é considerada uma das grandes obras de Naipaul, “uma viagem pelo mistério dos destinos humanos e uma observação de como a História molda a personalidade e esta molda a História”. Edição Quetzal, traduzida por Maria João Lourenço.

image.png

O TROMPETE MÁGICO - O trompetista italiano Enrico Rava, actualmente com 82 anos, é uma das principais figuras do jazz europeu e tem desempenhado um importante papel na formação de jovens músicos no seu país.  O seu mais recente disco é uma gravação ao vivo, realizada no Middelheim Festival, de Antuérpia, há dois anos. Reza a história que Rava começou por tocar trombone mas, depois de ter ouvido Miles Davis, entregou-se ao trompete. Ao todo tem meia centena de discos e desde 2004 tem editado com a ECM. Como se pode ouvir neste “Edizione Speciale” ele fala com  o trompete ao longo dos seis temas que preenchem esta hora de gravação. Aqui ele é acompanhado por um grupo de jovens músicos que como ele se entregam à improvisação, deixando espaço para o trompete, mas respondendo sem receio aos desafios melódicos que Rava vai lançando: Francesco Bearzatti no sax tenor,  Giovanni Guidi no piano, Francesco Diodati na guitarra, Gabriele Evangelista no baixo e Enrico Morello na bateria. Os temas do disco incluem versões de trabalhos anteriores de Rava desde uma versão de uma gravação de 1978, até “Wild Dance” de 2015, passando por “The Fearless Five” de 1978,  ou a evocação de uma melodia italiana, “Le Solite Cose”, que evolui para um arrebatador “iva”. Registo também uma versão de “Once Upon A Summertime” de Michel Legrand e outra do clássico cubano  “Quizás, Quizás, Quizás”. Um dos temas mais fascinantes do disco é logo o de abertura, “Infant” onde os músicos deste sexteto mostram logo todo o seu potencial. 



DIXIT - “Não se vai para eleições nacionais a fugir de eleições partidárias. Ninguém vota em dois cobardes para tomar conta de um país” - João Miguel Tavares

 

BACK TO BASICS - São muito raras as pessoas que ouvem aquilo que não querem ouvir - Dick Cavett

 

 







Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:00

O INEVITÁVEL DIVÓRCIO?

por falcao, em 29.10.21

 

D1F52624-CC7A-4792-96BA-16614B70FEA9.JPG

O DIVÓRCIO - Quando, algures em Fevereiro, se conhecerem os resultados das eleições antecipadas, se elas ocorrerem,  será bom compararmos o que agora foi dito por dirigentes do PS com a realidade que surgir. António Costa, no Parlamento, manifestou-se convicto de que poderia ter uma maioria “reforçada, estável e duradoura”. Pouco depois, na TVI, Augusto Santos Silva manifestou-se confiante na possibilidade de, após eleições, voltar à geringonça, em nova aliança com o PAN, Bloco de Esquerda e o PCP. É sempre útil saber o resultado real das profecias dos políticos. O casamento de onde nasceu a geringonça desfez-se ao fim de meia dúzia de anos, como acontece em muitos outros matrimónios. Por acaso este casamento não foi por amor, foi por conveniência. O interesse desfez-se quando o ciúme nasceu, acirrado pelos resultados das autárquicas. Aí, Bloco e PCP  perceberam a extensão da sua falta de relevância no eleitorado, apagados pelo protagonismo de Costa e do PS no palco da política nacional. O PS canibalizou os partidos à sua esquerda, funcionou como um parasita que deles se alimentou até os esvaziar. Com a votação de quarta-feira o PCP espera ter adiado um problema, já o Bloco provavelmente cavou um precipício. Que acontece se o PS, como nas autárquicas, for nas legislativas o partido mais votado, mas tiver perdido votos? E se o Bloco continuar a perder eleitorado? E se o PCP não subir? O mais natural é criar-se um impasse e uma situação de ingovernabilidade. Se agora não houve orçamento, mais difícil irá ser aprovar à esquerda um orçamento depois das feridas abertas em todo este processo. E depois? Novas eleições? 2022 arrisca-se a ser um ano perdido. A menos que seja dada ao PS a possibilidade de apresentar novo Orçamento. Será possível salvar o casamento? Cabe a Marcelo ser o conselheiro matrimonial…

 

SEMANADA - Segundo a Ordem dos Médicos existem 1600 médicos recém-licenciados fora do SNS; ainda segundo a Ordem dos Médicos dos 59 mil profissionais nela inscritos, só cerca de 31 mil estão no SNS; em Junho de 2021 havia 1.156.000 portugueses sem médico de família e este número tem vindo a subir desde há vários anos por falta de médicos no sistema; um estudo da Universidade do Porto indica que durante a pandemia 22% das trabalhadoras da limpeza sofreram ataques de pânico relacionados com o medo de contágio e falta de equipamentos de protecção eficazes; o director nacional da PSP alertou para um aumento da intensidade da violência com que os crimes são cometidos, com recurso frequente a armas brancas; o Conselho das Finanças Públicas considera que o Orçamento para 2022 apresentado pelo Governo gera “pressões na despesa” que vão durar anos; Portugal está na 117ª posição entre os 193 países da ONU no Índice Global da Criminalidade Organizada, e o relatório sublinha  que o país é ponto de trânsito e destino de tráfico de seres humanos,  de tráfico de armas para África e um país de trânsito e destino no tráfico de cocaína; segundo o mesmo índice o combate à corrupção é considerado o ponto mais fraco do Estado português; o Tribunal de Contas divulgou que Portugal levou sete anos para conseguir executar apenas 60% do programa PT2020, o que leva a instituição a manifestar preocupação pela execução dos 60 mil milhões do PRR; José Maria Ricciardi anunciou querer criar um banco para regenerar o nome da família Espírito Santo; 

 

O ARCO DA VELHA - Nenhum dos altos responsáveis militares teve coragem para assumir a responsabilidade pela proibição de cânticos nas cerimónias do Dia do Exército, nomeadamente do hino “Pátria Mãe”, dos paraquedistas, situação que motivou protestos e levou a que o Ministro da Defesa fosse vaiado.

 

IMG_2764.jpg

O BARCO E O RIO -  Vila Nova da Barquinha, a pouco mais de 100 kms de Lisboa, tem vindo a acolher esculturas num parque que cresce ao longo da margem do rio Tejo. A sua colecção tem obras de José Pedro Croft, Pedro Cabrita Reis,  Alberto Carneiro, Rui Chafes, Ângela Ferreira, Fernanda Fragateiro, José Pedro Croft, Zulmiro de Carvalho, Xana, Joana Vasconcelos e Cristina Ataíde. Criado em 2012 o Parque de Escultura Contemporânea de Almourol, é um exemplo raro em Portugal no campo da arte pública.  Perto deste local existe a Galeria do Parque, que acolhe exposições temporárias. Ali está agora, e até finais de Fevereiro próximo, “A Memória da Água”, de Cristina Ataíde, em íntima ligação com a obra que a artista tem no Parque das Esculturas, uma peça ligada à água e que que recuperou a forma da merujona, um instrumento de pesca local, tradicional. Na Galeria , Cristina Ataíde retoma o tema da água. No texto da exposição o curador, João Pinharanda, sublinha que Cristina Ataíde  cultiva “uma relação íntima com a memória das matérias primeiras: a água, mas também a terra, o ar, o fogo, a madeira, os metais… o sangue, as pedras, as estrelas, a palavra”. A peça dominante (na imagem) é um barco incompleto, o esqueleto de uma canoa, suspenso do tecto, que tem por fundo um vídeo do Rio Negro, no Brasil, onde a artista fez uma residência em 2020. Ali estão também pedaços da margem do rio, guaches, varas de remar dos barqueiros do Tejo e remos de bateira, tudo com intervenção de Cristina Ataíde, nomeadamente utilizando um dos seus materiais recorrentes, a grafite. Vale a pena ir a Vila Nova da Barquinha, descobrir o Parque e a sua galeria. Termino com a sugestão de uma visita, em Lisboa, à Sociedade Nacional de Belas Artes, onde decorre até dia 31 a quarta edição da Drawing Room, uma iniciativa dedicada a obras de desenho em papel e que agrupa o trabalho de numerosos artistas portugueses e estrangeiros apresentados por mais de duas dezenas de galerias de Portugal, Espanha e, na edição deste ano, Alemanha.

 

k1_outras_paisagens12.jpg

VIAGENS QUEIROSIANAS - Um livro de viagens assinado por Eça de Queiroz? Pois ele agora existe, chama-se “Outras Paragens - Uma Pequena Antologia". Estranho? O editor do livro, Francisco José Viegas, esclarece no prefácio desta primeira edição que toda a obra de Eça de Queiroz “está marcada pela omnipresença da viagem”. E sublinha: “As suas personagens viajam, no presente ou no passado; o autor viaja; as histórias dos seus romances, de “Os Maias “ e “A Capital” até às páginas fatais de “A Cidade e as Serras", estão atravessadas por viagens e evocações de viagens - de Oliveira de Azeméis e Ovar para Lisboa, de Lisboa para Sintra, de Lisboa para Paris e no sentido inverso, atravessando a Europa, lembrando os vapores, os caminhos de ferro, as estalagens, as partidas mais que as chegadas, os boulevards de Paris e os jardins de Londres”. Até aqui, na história da literatura portuguesa de viagens, o nome de Eça aparecia sobretudo devido a “O Egipto. Notas de Viagem” - apontamentos durante a inauguração do canal de Suez ou através das notas e correspondências que escreveu para a imprensa acerca de Paris, da China e do Japão, de Londres ou do Egito. “Outras Paragens. Uma Pequena Antologia” é o primeiro livro que reúne num só volume alguns dos melhores escritos de viagem e sobre viagem de Eça de Queiroz, Dividido nas áreas de “Ficção” e “Jornalismo, Crónicas e Correspondência” (para mim o capítulo mais interessante), o livro inclui 18 textos de Eça de Queiroz, sendo o último dedicado a Lisboa. E é de lá esta frase, que me deixou a pensar como podia ter sido escrita agora: “Lisboa nem cria, nem inicia; vai”. Terá que ser sempre assim?

 

image.png

UMA SURPRESA AMERICANA  - Pela segunda vez neste ano Lana Del Rey lança um álbum. Depois de "Chemtrails Over The Country Club” surge agora “Blue Banisters” - bem diferente não só do antecessor, mas também dos seus outros discos. Claro que a voz de Lana Del Rey é por si só uma marca inconfundível. Mas neste “Blue Banisters” ela simplifica a forma como apresenta as suas canções e reforça a reputação como compositora. As baladas em que piano e voz fazem a despesa da festa, como a comovente “Arcadia” ou a intensa “Wildflower, Wildfire”, surpreendem pela simplicidade e emoção que transmitem. Numa década de carreira este é o oitavo disco de originais e agora, aos 36 anos, Lana Del Rey desligou-se das redes sociais e recolheu-se longe do bulício de Los Angeles. A capa mostra isso mesmo - ela está sentada fora de paisagens urbanas,  entre os seus dois pastores alemães. E quando começamos a ouvir o disco percebemos que este álbum tem uma tranquilidade inesperada. “Black Bathing Suit” é uma canção invulgar, diferente em tudo do que ela fez antes - até na utilização da sua voz e na intimidade das palavras que usa. Este é um dos grandes momentos do disco, onde ela canta o sentido de fatalismo da solidão e da saturação sobre a forma como tem vivido. Muito mais centrado no relato do presente do que na evocação do passado, a que recorreu em  discos anteriores, Lana Del Rey fez como uma interrupção na sua carreira, tomou um desvio, saíu da cidade e foi pelo campo dentro. “Sweet Carolina”, a última das 15 canções do disco, é como um abraço, daqueles que se dá a um local familiar onde apetece estar.

 

OUTONO RIMA COM CASTANHAS - Uma das provas da existência do outono é sentir o cheiro tentador da castanha assada a invadir as ruas, como já começou a acontecer. Esta semana já me deliciei,  em casa de amigos, com um repasto outonal de borrego, batatas novas, cebolinhas e castanhas. Feito como uma tagine, cozinha lenta, para prazeres prolongados. Magnífico. Mas adiante: deixo aqui uma sugestão de viagem para os mais afoitos. Até 7 de Novembro decorre em Bragança a Semana Gastronómica da caça, pesca e castanha. 18 restaurantes da cidade participam nesta iniciativa em torno dos sabores de Outono. Pratos à base de caça, pesca e castanha vão estar a mostrar o que se pode fazer com estes ingredientes. Recordo que Bragança é o maior produtor nacional de castanha, com um impacto económico na região na ordem dos 100 milhões de euros, razão mais que suficiente para o produto ser promovido.  Há muita oferta nos menus dos restaurantes aderentes, como sopa de castanhas e cogumelos, caçarola de grão e castanha com pernil fumado, javali no pote com castanhas, truta do rio com castanhas, amêndoas e presunto e, para rematar, doces como compota de castanha com queijo, tarte ou mousse de castanha. Se pesquisarem no site do Turismo de Bragança encontrarão a lista dos restaurantes e respectivos menus. Boa viagem  - ou boas experiências se ficarem em casa a tentar alguma destas receitas.

 

DIXIT - A “geringonça” desengonçou-se. Há que remover democraticamente a sucata - João Miguel Tavares

 

BACK TO BASICS - “Se os computadores se tornarem demasiado poderosos e perigosos podemos organizá-los num comité, o que levará à sua paralisação” - autor desconhecido.

 







Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:00

NÃS SE DEVE GASTAR O QUE NÃO SE TEM

por falcao, em 22.10.21

IMG_2632.jpg

A CRISE - Pierre Moscovici, ex-comissário europeu para os Assuntos Económicos e Financeiros, deu uma entrevista ao Jornal de Negócios, publicada quarta-feira passada, onde defende a necessidade de cortar despesa e baixar a dívida pública, recorda que pagar a dívida pública não deve ser feito à custa do investimento, sublinha que é necessário estar atento às finanças públicas, as quais devem ter regras. Lembra ainda que não basta ter políticas orçamentais e monetárias e que é fundamental fazer mudanças estruturais, investir na indústria e aumentar a capacidade de produzir. Pois bem, é neste cenário que o Governo apresenta um Orçamento de Estado que não estimula as empresas, ao mesmo tempo que se prepara para fazer cedências, em nome da estabilidade, às exigências do PCP e do Bloco de Esquerda em matérias como a Lei Laboral e outras com consequências directas no funcionamento da economia. A ameaça de crise política que estamos a viver deve-se a um dado simples: aumentou-se a despesa de forma enorme à custa da carga fiscal e não se estimulou o aumento da criação de riqueza através do desenvolvimento da economia e da capacidade de produção. Assim continuaremos a ter números assustadores nos indicadores de pobreza, continuaremos a perder competitividade e consolidaremos a triste posição que nos está a colocar na cauda da Europa. O legado do Governo da geringonça, até agora, é este. O Presidente da República, que quer a todo o custo evitar uma crise política, bem que podia, pelo menos para ser lembrado por alguma coisa além dos seus sorrisos e consensos, ser o promotor da reforma da Lei Eleitoral que permita eleições mais participadas, onde se crie maior proximidade com os eleitores através da criação, constitucionalmente prevista, de círculos uninominais e a com a criação de um círculo nacional de compensação que recupere os votos desperdiçados e garanta efectivamente a proporcionalidade eleitoral. Se não vamos ter eleições antecipadas, ao menos que se aproveite este tempo para melhorar o sistema político. 

 

SEMANADA - Depois de ter sido detectado que os dados da contratação pública disponíveis no Portal Base violam o RGPD a sua consulta foi suspensa até pelo menos a segunda semana de Dezembro; Ricardo Salgado passou um recibo verde de 8,5 milhões de euros como rendimento de trabalho independente, para resolver a existência do donativo do construtor José Guilherme;  a Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos duplicou a previsão de custo médio da electricidade para 2022; na segunda fase de acesso ao ensino superior houve nove cursos onde a média de entrada foi superior a 19 valores; em ano recorde de produção de cereais o preço do trigo no mercado mundial aumentou 41%; as greves efetuadas na CP entre Junho e Setembro suprimiram 4000 comboios e o serviço assegurado pelos Alfa Pendular e Intercidades foi o mais afectado; um estudo de investigadores do ISCTE indica que um quarto dos trabalhadores é sobre-qualificado para o emprego que tem; o mesmo estudo indica que a falta de capacidade do mercado de trabalho em absorver jovens que saíram das universidades nos últimos anos se deve ao peso reduzido das indústrias e dos serviços de alta tecnologia; em 2020 cerca de 40% dos jovens entre os 25 e os 34 anos tinham o ensino superior; segundo o INE mais de 1,6 milhões de portugueses vivem abaixo do limiar de pobreza, ou seja com menos de 540 euros por mês; o Governo está desde há três anos a seleccionar 40 psicólogos para o Serviço Nacional de Saúde e ainda não conseguiu chegar a uma decisão; cerca de seis milhões de portugueses acedem regularmente a redes sociais, indica um estudo da Marktest.

 

O ARCO DA VELHA - Esta semana fui comprar laranjas a um supermercado. Havia laranjas a granel importadas da África do Sul e laranjas bem nossas, das boas do Algarve, que só se vendiam em embalagens grandes. Isto faz algum sentido?

 

JM MT 006.jpeg

DE QUE É FEITA A LUZ? -  “Mais Tarde” é a nova exposição de Jorge Molder, na Galeria Belo-Galsterer que até 15 de Janeiro apresenta 19 das 21 fotografias criadas para a revista Granta, um pedido editorial que tinha por base a criação de imagens em torno do sono e do sonho. Aqui estão expostos em conjunto, pela primeira vez,  19 trabalhos de grande dimensão, 150 x 100 cm, a maioria a preto e branco, três deles com côr. Jorge Molder fotografa-se maioritariamente a si próprio, quer expondo-se fisicamente, quer mostrando o que imagina e concretiza em fotografia, geralmente já na fase de manipulação digital da imagem e da sua impressão. É um lento e laborioso trabalho aquele que Jorge Molder empreende depois da captura da imagem pela câmera fotográfica. A sua expressão facial ou a sua mão (na imagem) ganham outra dimensão e outro significado quando ele dá a obra por terminada. A realidade não é o que parece, é o que queremos que ela seja - tem sido assim que Jorge Molder pratica a fotografia. O contraste acentuado a preto e branco é propositado e cria um clima que segue à risca a frase do poeta  Walt Whitman que Molder escolheu para o texto de apresentação da exposição: “Every moment of light and dark is a miracle”. A Belo-Galsterer fica na Rua Castilho 71 r/c esq.

 

História Universal da Infâmia.jpg

MANUAL DE PERSONAGENS TRAIÇOEIRAS - Aqui está um livro muito adequado aos tempos em que estamos -  “História Universal da Infâmia”, de Jorge Luis Borges. Tudo se passa em Buenos Aires, mas alguns personagens podiam estar aqui ao nosso lado. Jorge Luis Borges trabalha com biografias de ladrões e rufiões, personagens traiçoeiras e heróicas. Por estas páginas passam algumas das suas criações mais inesquecíveis em torno da vida e da morte em Buenos Aires: a viúva Ching, intrépida e sanguinária pirata; o inverosímil impostor Tom Castro; o atroz redentor Lazarus Morell ou «o homem da esquina rosada», gente que fala uma linguagem perigosa e que vivem à beira do abismo. Publicada pela primeira vez em 1935, a “História Universal da Infâmia” foi posteriormente revista pelo autor e aumentada em quatro textos, o que deu origem a todas as edições a partir de 1954. «O homem que o executou era bastante infeliz, mas divertiu-se a escrevê-lo; oxalá algum reflexo daquele prazer alcance os leitores», escreve o autor no prólogo da edição desse ano. A “História Universal da Infâmia” é considerada uma das suas obras mais importantes, quer do ponto de vista temático, quer do ponto de vista formal, misturando literatura, ficção pura, fontes clássicas, e até factos reais. Esta nova edição da Quetzal tem tradução de José Bento. Jorge Luis Borges nasceu em Buenos Aires, em 1899 e em 1923, publicou o seu primeiro livro – “Fervor de Buenos Aires”, dois anos antes da edição original desta “História Universal da Infâmia”.

 

image.png

MÚSICA DA VIDA -  Rodrigo Leão às vezes compõe bandas sonoras para filmes, mas o mais frequente é que os seus discos sejam bandas sonoras para o nosso dia-a-dia. É o que acontece com o seu novo álbum, “A Estranha Beleza da Vida”, o nome que deu a este trabalho pensado durante os meses do primeiro confinamento, e concretizado a partir do Outono do ano passado, faz agora um ano. O seu álbum anterior, “O Método” foi publicado no início de 2020 mas a pandemia acabou por impossibilitar a digressão que estava prevista. “A Estranha Beleza da Vida” é o retrato sonoro do “ténue espaço entre a vida e a morte”, como afirma o próprio Rodrigo Leão. E o novo disco acaba por ser uma celebração da vida e da liberdade criativa, onde surgem canções de ambientes sonoros diversos, arranjos por vezes surpreendentes.  Rodrigo Leão  contou na gravação com os seus cúmplices habituais na produção e arranjos - Pedro Oliveira, João Eleutério, Pedro Moreira e Carlos Tony Gomes. E convidou um para esta aventura a canadiana Michelle Gurevich (que canta em “Friend of a Friend”, o primeiro tema do álbum),  Kurt Wagner, dos Lambchop, (que interpreta “Who Can Resist”), a espanhola Martirio (que emociona com o seu cantar em “Voz de Sal”), a portuguesa Surma (que participa em “O Ovo do Tempo”)  e ainda o instrumentista e produtor espanhol Suso Sáiz no tema que é o último dos 14 do álbum e que lhe dá o título  “A Estranha Beleza da Vida” . Rodrigo Leão, pelo seu lado, percorre os outros nove temas com os seus músicos - e destaco “Sibila”, “A Valsa de Petra” e “O Maestro”. Há muito a descobrir neste disco onde se cruzam ritmos de vários continentes e sons de diversas épocas.



É A PASTA, GULOSO! - Quando o restaurante italiano Il Mercato abriu no Páteo Bagatela, em Lisboa, tive uma má experiência. Fui vencido pela curiosidade e quis ir conhecer um restaurante que estava então aberto há poucos dias. Aprendi entretanto que o melhor é só visitar novos restaurantes passados uns tempos da abertura. E assim, sucederam-se várias visitas. E humildemente tenho que reconhecer que o Il Mercato vale a pena, é um sítio onde se come bem, onde a confecção é cuidada e os produtos genuínos e onde o serviço é impecável. Além da  esplanada e da ampla sala existe um balcão onde se podem comprar produtos certificados italianos, de queijos a fumados. A cozinha é inspirada na gastronomia do sul da Itália com umas incursões pela Sicília. O Il Mercato faz parte dos restaurantes criados por Tanka Sapkota, que tem também a seu cargo o Come Prima, outro templo italiano. As entradas têm uma ampla escolha de presuntos, salames e mortadelas e além disso uma burrata artesanal que pode vir servida com anchovas - e que recomendo. As pastas são frescas e feitas na casa e a minha preferida são os raviolis de abóbora com trufa negra ou os bucatini com gambas , alcachofras grelhadas e bottarga, uma especialidade feita a partir de ovas de taínha. Do outro lado da mesa é muito apreciada a dourada, filetada, temperada com ervas e vinho branco e acompanhada por salada de rúcula. Nas sobremesas os mais gulosos dispõem de cheesecake de nutella. O vinho da casa  cumpre, idem o prosecco, a lista tem boas propostas italianas e portuguesas a preço decente. Telefone 211930941.

 

DIXIT - “O OE 2022 mostra, na Cultura como noutras áreas, que o Governo não tem qualquer intenção de fazer políticas específicas para corrigir os impactos desiguais da crise da pandemia” - Maria João Marques

 

BACK TO BASICS - “A coisa mais importante é nunca deixarmos de nos questionarmos “ - Albert Einstein

 

www.facebook.com/mfalcao

instagram: mfalcao

twitter: @mfalcao







Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:00

IMG_2542.jpg

AS COSTAS LARGAS DO VÍRUS - Quem ouvir falar o Ministro das Finanças e o Primeiro Ministro será levado a pensar que, por cá, a pandemia teve efeitos mais graves que noutros países. Ora sabe-se que a culpa da situação das contas portuguesas não é do vírus, é das políticas que têm sido seguidas e que penalizam empresas e privados, enquanto protegem o Estado e a Administração Pública.  O Orçamento de Estado prevê que a despesa pública atinja em 2022 um recorde de quase 106 mil milhões de euros, o que significa um encargo aos portugueses de 12 milhões de euros por hora. A linha política do PS em matéria de finanças e de economia continua a ser a de procurar receita de qualquer forma em vez de facilitar o crescimento da economia e estimular o mercado interno. Não deixa de ser espantoso que países com menos população e menos recursos que Portugal, na Europa, tenham uma situação tão diferente. Recordo que segundo um estudo recente da Fundação Francisco Manuel dos Santos em Portugal, mais de um em cada dez trabalhadores (11%) está em situação de pobreza. E a maior parte dos pobres não o são por não terem emprego ou por dependerem de apoios sociais que menorizem a ausência de salário -  estão em situação de pobreza porque auferem salários baixos ou têm empregos precários. O estudo, feito por uma equipa de 11 investigadores, aponta números claros sobre quem são as pessoas em situação de pobreza em Portugal: 32,9% são trabalhadores, 27,5% serão reformados, 26,6% são precários e 13% são desempregados. Ora acontece que ​​Portugal é o terceiro pior país europeu em termos de capital privado investido nas empresas em função do Produto Interno Bruto, ficando à frente apenas da Grécia e Roménia. O Governo escusa de atirar areia para os olhos e culpas para o vírus: são a paralisia da economia nacional, as taxas elevadas sobre as empresas e sobre os rendimentos do trabalho que afectam estruturalmente a nossa economia. Este Governo pensa mais em como gastar mais do que em como produzir mais.

 

SEMANADA - O Governo quer duplicar a taxa anual sobre os operadores dos serviços de televisão por cabo sendo que metade do valor cobrado se destina à RTP, que já recebe uma taxa proveniente da fatura de electricidade; segundo a proposta do Orçamento de Estado, no próximo ano o Ministério da Cultura não planeia executar mais de 16 milhões de euros dos 150 milhões inscritos no PRR para a requalificação de museus, palácios, monumentos e teatros nacionais; 60% do que se paga no abastecimento do depósito de combustível de uma viatura são impostos, o automóvel continua a ser uma das maiores receitas fiscais do Estado e o imposto de circulação vai aumentar; a zona da graça em Lisboa perdeu 146 lugares de estacionamento no período de três meses; Funchal e Lisboa vão receber 200 cruzeiros turísticos até ao fim do ano; metade dos cortes previstos no Orçamento de Estado na administração pública virá do sector da saúde; a falta de chips já custou 20% da produção nacional de carros e 35 mil veículos à Autoeuropa; em vários hospitais do país o tempo de espera por uma consulta de saúde mental ultrapassa os seis meses; desde que se iniciou há 16 anos o alargamento a leste da União Europeia, Portugal já foi ultrapassado pela República Checa, pela Estónia, Lituânia e Eslovénia.

 

O ARCO DA VELHA - Na União Europeia 44% dos agregados familiares que vivem nas cidades estão cobertos por redes digitais de capacidade muito elevada, mas nas zonas rurais apenas 20% das famílias consegue ter acesso a uma boa rede.

 

IMG_8530.jpg

A MARGEM SURPREENDENTE -  Até 16 de Janeiro do próximo ano poderão ver no Museu Arpad Szenes-Vieira da Silva, uma surpreendente exposição de Pedro Calapez, intitulada “Perto da Margem”. São mais de duas dezenas de obras, duas delas de 2018 e as restantes de 2020 e 2021, em diversos suportes e técnicas, que se espalham por várias salas. Logo à entrada, na escadaria, Pedro Calapez revisita uma das obras de Vieira da Silva que ali está e de que ele próprio gosta muito, “Les Balançoires”. Esta resposta (na imagem) ao quadro de Vieira da Silva, foi a última peça feita por Calapez para a exposição e mostra o caminho que depois se segue de intervenção no espaço do Museu. João Pinharanda, que foi o curador de “Perto da Margem”, escreve num texto colocado à entrada: “Pedro Calapez aprofunda nesta exposição uma das questões que o ocupa desde sempre - a discussão dos limites tradicionais do quadro”. No mesmo texto, Pinharanda chama a atenção para o facto de as obras de Calapez saírem “constantemente do espaço convencional da pintura”. Nesta exposição Pedro Calapez retoma a ideia de uma instalação de peças colocadas no chão, um labirinto que bem pode ser visto como o percurso para os novos  caminhos que o artista tem percorrido. Esta peça, “Labirinto Deslocado”, faz referência a outra obra da Vieira de título “A deslocação do labirinto”, que pertence à colecção  Ilídio Pinho e que pode ser vista na seleção de obras da Vieira da Silva dessa colecção, e agora também na sala pequena das temporárias do Museu.  Outras sugestões: no Convento dos Capuchos, em Almada, Teresa Segurado Pavão apresenta peças de cerâmica construídas a partir de lâminas de marfim que cobriam as teclas de um antigo piano do S.Carlos que foi a reparar na Valentim de Carvalho, obras a que deu o nome de “Valentim”, tendo por pano de fundo musical a gravação de “As notas do velho marfim”, uma composição feita expressamente por  Mário Laginha para esta exposição - por isso mesmo o título genérico da exposição, que fica até 26 de Fevereiro do próximo ano, é “A Quatro Mãos”.

 

unnamed.jpg

PARA COMPREENDER OS ESTADOS UNIDOS - A “Guerra & Paz” tem vindo a publicar uma colecção de Atlas Históricos que são guias preciosos para melhor conhecermos um país ou uma região. Agora foi publicado o “Atlas Histórico dos Estados Unidos da América”, que percorre o percurso do país das colónias à expansão territorial, da fundação da república ao «Sonho Americano», do 11 de Setembro até ao ataque ao Capitólio em Janeiro deste ano. O livro resulta do trabalho do historiador francês Lauric Henneton, em colaboração com o cartógrafo e designer gráfico Pierre Gay e reúne mais de cem mapas e documentos que nos contam a História dos Estados Unidos da América. «A história da América do Norte é, antes de mais, uma história de imigração, dos Siberianos da Beríngia aos Asiáticos e Hispânicos da actualidade, passando por Ingleses, Alemães, Irlandeses e Italianos.», escreve o autor logo no início do livro. Partindo das migrações asiáticas, do período glaciar, a obra acompanha a evolução do território norte-americano até à actualidade. Vemos, entre os séculos XVI e XVIII, o nascimento de uma nação impulsionado pelas sucessivas vagas de imigração e pela expansão territorial que estas geraram e como no século seguinte, uma nova vaga de imigração, aliada a um processo de urbanização e industrialização sem precedentes, começa a desenhar «o sonho americano» e a forma como a jovem América se tornará numa potência. No século XX Laurie  Henneton aborda as duas Grandes Guerras, as grandes crises, e como tudo resultou num papel geopolítico importante. E, por fim, o século XXI, que, profundamente marcado pelo 11 de Setembro de 2001, tem sido caracterizado por fracassos institucionais e desigualdades crescentes. Segundo o autor, a diversidade que fez erguer a nação norte-americana dá hoje lugar a divisionismos que polarizaram a opinião pública. Perante o cenário actual, este Atlas deixa a pergunta: «O que resta do sonho americano?» 

 

image (2).png

TROMPETE, VIOLINO E MAIS UMAS COISAS - Teve um dia difícil? Quando chegar a casa procure no Spotify o novo disco do trompetista norueguês Mathias Eick, “When We Leave”. Relaxe e sente-se a ouvir. A música que vai ouvir irá ajudá-lo a superar o dia. O disco resulta da conjugação dos talentos de Eick no trompete,  com o violino da Hakon Aase, o piano de Andreas Ulvo, o baixo de Audun Erlien, a percussão de  Torstein Lofthus, a bateria de  Helge Norbakken e a guitarra eléctrica de  Stian Carstensen. Estes sete músicos, com percursos diferentes no jazz, são companhia habitual do trompetista. Eick constrói melodias delicadas que interpreta de forma intensa, como em "Loving'', "Caring" ou “Playing”. Os sete temas de “When We Leave” são da sua autoria e entre eles há pérolas como “Flying” onde os arranjos e o papel minimalista da percussão são exemplares, “Arvo” , que é uma canção sem palavras ou o tema final, “Begging”, em que mais uma vez trompete e violino se cruzam de forma elegante com o piano e a percussão, discretamente a marcarem presença. O disco, gravado em Oslo em Agosto de 2020, foi agora editado em CD e streaming pela ECM e terá uma edição em vinil na primavera de 2022.

 

O SEGREDO ESTÁ NA GRELHA - Hoje proponho uma visita ao Cortesia, em Campo de Ourique. Trata-se de um restaurante apostado na qualidade dos produtos que serve - nomeadamente a carne - e na simpatia do serviço. Muito do segredo está nos cortes de carne servidos e no facto de ela ser grelhada num Josper, uma espécie de Rolls Royce dos grelhadores, que a deixa tostada por fora e saborosamente mal passada por dentro. Nas entradas destaco os croquetes, a rivalizar com alguns dos clássicos lisboetas - podem aliás ser prato principal acompanhado por arroz de tomate ou a salada da casa que leva alface, tomate cherry, parmesão e nozes caramelizadas. As duas visitas que fiz correram muito bem - da primeira vez uma vazia black angus perfeita, que é servida cortada em tiras com boas batatas fritas e, da segunda vez um bitoque do lombo com molho à portuguesa e ovo estrelado - perfeito no corte e na confecção - acompanhado também por batatas fritas já que  prescindi do arroz. O outro lado da mesa respondeu na primeira ocasião com uma salada de atum fresco e, na segunda, com os croquetes acompanhados pela salada da casa. Voltando às carnes, os mais gulosos podem partilhar um tomahawk maturado ou um chuletón extra e o clássico da casa, muito elogiado, é um entrecôte com 50 dias de maturação. Volto a sublinhar a qualidade e simpatia do serviço. Preço equilibrado, há vinho a copo bem escolhido e a imperial é bem tirada.  Rua Tomás da Anunciação 99A, telefone 211 333 851. Convém reservar, sobretudo se quiser ir para a esplanada.



DIXIT - “A ascensão das esquerdas dentro do PS é uma das causas da vontade do Governo de aumentar o poder sobre a sociedade” - António Barreto

 

BACK TO BASICS - “O lugar onde o optimismo mais floresce é num manicómio” - Havelock Ellis

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:00

O ESTADO, A JUSTIÇA E OS CONTRIBUINTES

por falcao, em 08.10.21

IMG_2513.jpg

O CÍRCULO  VICIOSO - Todas as políticas precisam de investimento dos Governos, que vem das receitas obtidas nos impostos e nas alcavalas que abundam no nosso sistema. Empresas consideradas estratégicas, como a CP, para conseguirem desenvolver-se precisam de investimento e de não ter o peso de uma dívida acumulada ao longo dos anos por sub-financiamento por parte do Estado. O país está cheio de buracos deste género nas mais variadas áreas. O Ministro Pedro Nuno dos Santos deseja, e bem, que a ferrovia seja uma prioridade e que possa dar um forte e positivo contributo ambiental. Mas vai-se a ver e a sua decisão de voltar a privatizar a TAP terá um custo total, a suportar pelos contribuintes,  de pelo menos 3,2 mil milhões de euros até 2022. Pedro Nuno dos Santos com essa privatização  apostou numa empresa poluente, com sérios problemas de ineficácia e gestão criados nos últimos anos. E, ao contrário do que tem acontecido noutros países europeus, nacionalizou-a sem nenhuma boa razão, quando hoje a companhia é mais cara e menos eficaz que as suas concorrentes que estão no mercado. O dinheiro que colocou na TAP significa  mais de mil milhões de euros acima da dívida histórica da CP, que Pedro Nuno dos Santos acusa João Leão de não resolver, tema que levou à saída do melhor presidente da CP dos últimos anos. No fim do dia, é sempre a mesma coisa: quando o dinheiro não dá para tudo é preciso escolher e encontrar receitas sem assaltar mais os contribuintes. Mas escolher despesa não é aquilo de que Pedro Nuno Santos mais gosta, preferindo gastar o que não se tem. Provavelmente poderia valer a pena pensar em conseguir maior receita com uma política fiscal mais competitiva que evite a evasão e com uma justiça tributária que não seja o pesadelo que é hoje em dia. Numa entrevista esta semana num canal de televisão o advogado Paulo Saragoça da Mata lembrou o velho princípio de que a evasão fiscal aumenta quando aumentam os impostos. Revelou dúvidas sobre a constitucionalidade do funcionamento da justiça tributária e classificou o sistema fiscal português como “demoníaco”. Justiça tributária e fiscalidade - aqui estão dois temas  que o Presidente da República podia ajudar a debater - e, dentro das suas competências, a mudar.

 

SEMANADA - A indústria automóvel instalada em Portugal exportou quase 5,6 mil milhões de euros no primeiro semestre, 40% dos quais em componentes para veículos; nos primeiros seis meses do ano a Aston Martin vendeu 26 carros em Portugal e no período homólogo de 2020 tinha vendido dois; a proposta de lei de videovigilância apresentada pelo Governo não teve pareceres da maior parte das entidades envolvidas e algumas das medidas, como o acesso pelas polícias aos dados biométricos dos cidadãos, contrariam os pareceres de diversas entidades europeias sobre este assunto; mais de 200 mil menores que estiveram sob a responsabilidade directa da Igreja Católica francesa entre 1950 e 2020 foram vítimas de abuso sexual por maia de 2000 padres e outros membros da hierarquia da igreja; Portugal está entre os melhores do mundo a aprovar leis sobre a corrupção, mas depois não as aplica, afirma Luís de Sousa, investigador da Universidade de Lisboa e um dos maiores estudiosos dos crimes de colarinho brancono país; Portugal tem mais de 5 mil pessoas acima dos 100 anos e a previsão é para duplicar até 2050; o número dos que estudam para ser professor caíu 79% em 20 anos; dos 17 presidentes de Câmara eleitos como independentes, nove vieram do PSD, sete do PS e um da CDU; nas autárquicas o PS perdeu 11% dos seus votos nas grandes cidades; nas celebrações do 5 de Outubro o Presidente da República disse que “o Portugal que somos nunca vencerá os desafios da entrada a tempo no novo ciclo económico com dois milhões de pobres e alguns mais em risco de pobreza”.

 

O ARCO DA VELHA - Um inspector da ASAE, colocado em tribunal por dívidas ao condomínio onde reside em Matosinhos, usou expedientes falsos e constituíu arguidos os responsáveis pelo edifício.

 

image (1).png

FESTA DA FOTOGRAFIA -  Ao longo do mês de Outubro decorre a edição deste ano, a terceira, do Imago - Lisboa Photo Festival, um evento cada vez mais importante no contexto da fotografia em Portugal, que se desenvolve em 14 espaços institucionais e privados por toda a cidade. A edição deste ano tem duas temáticas “The Family In Transition”, integralmente apresentada no belo espaço das Carpintarias de São Lázaro, e “Rethinking Nature/ Rethinking Landscape”, esta espalhada por vários espaços. No Museu Nacional de Arte Contemporânea, estão as interessantes  exposições, da “Cuban Studies” (na imagem),  “CornWall” e “Home Works” de Joakim Eskildsen; a Sociedade Nacional de Belas Artes acolhe a representação da galeria “Salut Au Monde”, do Porto que apresenta a exposição “We Are Family” - inspirada na célebre “The Family Of Man”, criada em 1955 por Edward Steichen no MOMA, em Nova Iorque. Pauliana Valente Pimentel apresenta “Ask The Kids” no Espaço Camões-Sá da Costa, enquanto o Arquivo Municipal de Lisboa-Fotográfico (Rua da Palma 246), mostra “Homem Morto Passou Por Aqui” de Valter Vinagre, “”See Sea” de Maija Savolainen e “Aqui Lisboa: Anos 80” de José Vieira Mendes. A partir de dia 14 a Galeria Belo-Galsterer apresenta duas dezenas de obras de Jorge Molder, parte delas inéditas. Fora da Imago, mas também na área da fotografia, Noé Sendas apresenta “Vertical Seas” na Galeria Carlos Carvalho, Vasco Araújo mostra “Rehearsals” na Galeria Francisco Fino e David Infante apresenta “If All Time Is Eternally Present”,a Galeria Módulo. Fora de Lisboa, mas mesmo aqui ao lado, em Oeiras, no Parque dos Poetas, está montada a edição deste ano do World Press Photo, com entrada gratuita até 15 de Outubro.

 

IMG_2481.JPG

A METAMORFOSE DAS IMAGENS - Jorge Guerra é um fotógrafo português que vive desde os anos 70 no Canadá, em Toronto e um percurso pela sua obra é pretexto para o sétimo volume da colecção Ph., da Imprensa Nacional, dirigida por Cláudio Garrudo. Nesta edição mostram-se fotografias de seis décadas, mas a maior parte mostram, a preto e branco,  Luanda e Lisboa nos anos 60, em contraste com fotografias da mesma época de Florença, México, Londres mostrando um ambiente bem diferente. Estas são fotografias com pessoas, não necessariamente retratos, embora também existam, mas sobretudo cenas de rua, onde se sente a influència de, por exemplo, Robert Frank. A obra de Fernando Guerra aqui mostrada evidencia que a fotografia não é apenas o registo daquilo que acontece, sendo sobretudo a ilustração de uma maneira de ver o mundo. As imagens da inspecção aos receitas angolanos, em Luanda, no início dos anos 60, que estão logo no começo, são marcantes e de uma contemporaneidade espantosa. Depois, Portugal desaparece do seu olhar e as imagens dos anos 70 e 80 são do Canadá e Estados Unidos. Intercaladas no livro, surgem páginas de mosaicos de imagens, a cores, mais conceptuais, por vezes com polaroids, mostrando um outro lado para além das pessoas que são dominantes no preto e branco.Uma das últimas fotografias do livro, datada de 2018, intitulada “metamorfose”, evoca  simbolicamente o universo das imagens digitais que substituíram a película. O livro começa por um texto de Maria do Carmo Serén e Teresa Siza, que destacam a forma como Jorge Guerra retratou Lisboa, mostrando “uma cidade triste, quase sem sorrisos e muita mágoa subjacente” e sublinhamo seu lugar incontornável - e por vezes mal conhecido - na fotografia portuguesa.

image.png

MUDAR DE VIDA - O contrabaixista Bernardo Moreira regressa à obra do guitarrista Carlos Paredes, que já tinha percorrido  num disco de 2002, “Ao Paredes Me Confesso”. O novo trabalho, "Entre Paredes", inclui oito temas, entre os quais um de José Afonso, “A Morte Saíu À Rua”. Gravado em sexteto no início de Novembro do ano passado, no convento de São Francisco em Coimbra, na gravação participaram, além de Bernardo Moreira,  João Moreira no trompete, Tomás Marques no saxofone, Ricardo Dias no piano,  Mário Delgado na guitarra e Joel Silva na bateria. “Entre Paredes” inclui os temas “António Marinheiro”, “Mudar de Vida”, “Canto de Amor”, “Verdes Anos”, “Navio Triste”, “A Morte Saíu à Rua”, “Serenata do Tejo” e “Canto do Amanhecer”. “Verdes Anos” já estava no anterior disco de Moreira dedicado à obra de Paredes, mas esta é uma nova versão.  Bernardo Moreira, integra o grupo que normalmente acompanha Cristina Branco. No disco destaco as versões de “Mudar de Vida”, “Verdes Anos” e “A Morte Saíu À Rua” e o trabalho, cúmplice e por vezes arrebatador, de todos os músicos do sexteto.

 

 

O BOM ATENDIMENTO - Tenho reparado que alguns dos novos restaurantes mais ou menos da moda têm um grave problema: a inexistência de um chefe de sala competente que vigie o ambiente e o serviço, antecipe o que cada mesa precisa e  evite um cliente a esbracejar para um empregado que olha para o infinito e não o vê - ou está á conversa com um colega sem interesse pelo que se passa ao seu redor. Vou dar um exemplo: o Zum Zum Gastrobar, de Marlene Vieira, cujos talentos na minha opinião se exageram, é um caso exemplar de mau serviço, desatenção e substituição da qualidade de confecção por um palavreado descritivo cujo resultado final é um desapontamento. Mas ela não é caso único -  desatenções, distrações e mau serviço aconteceram-me mais em restaurantes com marca de um dos “chefs” da moda do que em locais mais modestos. Nem sempre foi assim: um dos melhores chefes de sala dos últimos anos foi Hélder Ribeiro, da saudosa Bica do Sapato, assim como José Duarte, no Salsa & Coentros, é o homem do leme que assegura a boa navegação. Num outro registo de restaurante, recordo, na velha Paz, da Ajuda, a atenção que o seu proprietário, o Sr. António, tinha em relação à sala - cuidando que nada faltasse a quem lá ía, sempre atento, garantindo que o serviço saía da cozinha como devia  ser, disponibilizando-se sempre à difícil tarefa de dividir uma fresquíssima cabeça de garoupa pelos comensais de uma mesa, por forma a que tudo chegasse como devia ser e sem incómodos. É isto que faz falta e que está a desaparecer aos poucos. O bom atendimento faz parte de uma boa refeição. Por melhor que o chef seja, se não tiver olhos na sala está tudo estragado.



DIXIT -  “Estamos a chegar ao limite, temos de repensar o turismo que queremos no concelho” - Figueira Mendes, presidente da Cãmara de Grândola.

 

BACK TO BASICS - “Querer aprender com a inovação é mais importante que ter razão” - Steve Jobs







Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:00

D995F96A-34F2-41AE-BB52-3D0A90BC7691.JPG

O NOVO TEMPO DA POLÍTICA - A meio da madrugada de segunda-feira dei comigo a pensar que as autárquicas em Lisboa mostraram que uma cidade não é um filme, não é um cenário fabricado, mas sim o local de histórias reais das vidas das pessoas que lá vivem. Em vez de uma ilusão para visitantes de passagem, uma cidade só vive se for uma casa para os seus residentes. Foi isso que se perdeu em Lisboa nos últimos anos e tenho a firme convicção de que foi isso que fez Medina ser derrotado, levando mais de 25 mil eleitores que votaram nele em 2017 a abandoná-lo. Dizem-me que segunda-feira, nos corredores do Município, as chefias se mostravam apreensivas e a generalidade dos funcionários aliviados. Pedro Magalhães, politólogo do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa, acredita que a participação eleitoral diminuíu nas freguesias onde o PS tinha tido mais apoio em 2017. Por outras palavras, houve uma manifestação de desagrado de um lado e um desejo de mudança do outro. Lisboa ficou a ganhar porque perdeu um autarca que se preocupava mais com as aparências do que com os problemas, arrogante e complacente com abusos e corruptelas. Um cidadão, citado por um jornal diário, resume o resultado a isto: “as pessoas fartaram-se”. O vencedor, Carlos Moedas, não vai ter tarefa fácil mas acredito que tenha capacidade para procurar consensos através de propostas abrangentes e de uma política social de que a cidade necessita. Este novo ciclo de Lisboa vai provavelmente mostrar uma nova forma de fazer política, menos apostada em criar tensões e mais virada para resolver problemas e tornar a cidade mais humana. Mas há um outro aspecto curioso, que tem a ver com a campanha eleitoral. Por vezes duvidei da eficácia da forma como a campanha de Carlos Moedas decorria, achava-a pouco afirmativa, digamos até que pouco agressiva, e com uma resposta fraca ao oponente. Mas tenho que reconhecer que me enganei sobre a estratégia seguida e na razão deste meu engano provavelmente está uma mudança do perfil dos eleitores, sobretudo dos mais novos. Será que o eleitorado começou a fartar-se de políticos que gritam e que atacam permanentemente os rivais? O resultado parece mostrar que sim. Bem vistas as coisas, nas campanhas presidenciais de Marcelo Rebelo de Sousa essa tendência começou a mostrar-se. Menos gritos, mais afectividade, maior contacto pessoal, menos demagogia. O eleitorado está a mudar, nestas autárquicas puderam votar aqueles que já nasceram nos primeiros anos deste século. O resultado que estes eleitores proporcionaram é um desafio e uma responsabilidade para o vencedor. E uma esperança de que a política mude para melhor. Novos tempos também são isto.

 

SEMANADA - O potencial de teletrabalho em Portugal é o nono mais baixo da UE, segundo um estudo europeu divulgado esta semana; Fernando Ruas, eleito Presidente da Câmara de Viseu, espera que a lista de promessas de fundos da bazuca feita por António Costa ao anterior autarca socialista da cidade seja cumprida; a Presidente do Conselho de Finanças Públicas alertou para a situação financeira “não confortável” do país; o défice público agravou-se 550 milhões de euros até Agosto; a abstenção nas autárquicas foi de 45%; em 2017 realizaram-se 25 coligações nas autárquicas, em 2021 o número duplicou para 52; o número de partidos que concorreram às autárquicas aumentou de 17 para 20 este ano - três dos anteriores não concorreram mas houve seis estreantes; em 2017 houve 83 candidaturas independentes e em 2017 o número desceu para 79; em 35 concelhos a aplicação da lei de limitação de mandatos deixou de fora da luta eleitoral os anteriores autarcas; quase um quarto dos candidatos ao ensino superior não conseguiu entrar num curso na primeira fase do processo de admissões; em 2020, após a morte de Ihor Homenyuk, o Ministro da Administração Interna prometeu que o centro de instalação temporária do SEF no Aeroporto de Lisboa teria cobertura de câmeras de vigilância em todos os espaços comuns, mas após um ano essa melhoria ainda não foi feita; o número de pessoas sem abrigo em Portugal aumentou em 2020 para 8029, mais 1000 cidadãos que no ano anterior; segundo o INE o valor das rendas de casa aumentou 11,5% entre Março e Junho.

 

O ARCO DA VELHA - Nuno Freitas, considerado pelo Ministro Pedro Nuno dos Santos como o melhor presidente de sempre da CP,  demitiu-se num cenário em que sentia  falta de autonomia de gestão, tinha um plano de atividades por aprovar e uma dívida histórica acumulada de 2,1 mil milhões, situação que paralisava a empresa. O Ministro Pedro Nuno dos Santos, sem nunca o dizer directamente, apontou o dedo ao Ministro das Finanças: "se dependesse de mim [o problema] estava resolvido".

06.jpg

 

POR DENTRO DO ATELIÊ-  Na Galeria das Salgadeiras o fotógrafo Jordi Burch recria em imagens o seu próprio ateliê em S. Paulo e evoca o seu processo de trabalho. A montagem da exposição explora e invade diversos espaços da galeria, mostrando o exterior que se vê do atelier, em contraste com o que se passa no espaço interior. A exposição "como coisa real por fora, como coisa real por denbtro", que fica até 13 de Novembro, evidencia a linguagem fotográfica de Jordi Burch, que em tempos integrou o colectivo KameraPhoto o qual teve uma presença relevante no fotojornalismo português do início deste século. Na exposição Burch combina imagens de objectos de carácter instrumental com outras de paisagem e retrato, procurando estabelecer um relato da sua própria vivência, através da forma de ver os materiais que utiliza no seu dia-a dia, como tinteiros de impressora fotografados para além do conceito tradicional de objectos perecíveis (na imagem) A Galeria das Salgadeiras fica na Rua da Atalaia 12.

 

unnamed.gif

IMAGENS MOÇAMBICANAS - Mário Macilau nasceu em 1984 em Inhambane, Moçambique, e em 1998 tirou a sua primeira fotografia numa avenida de Maputo, com uma câmera emprestada. Durante anos fotografou com o telemóvel da sua mãe e em 2007 teve a sua primeira máquina fotográfica, iniciando um novo percurso. Macilau trabalha preferencialmente  projectos de longa duração. Nos últimos anos  ganhou notoriedade e reconhecimento como um importante fotógrafo Moçambicano com uma intensa actividade internacional de que o expoente foi a sua escolha para estar presente no Pavilhão da Santa Sé na 56ª edição da Bienal de Veneza. Mário Macilau apresenta agora em Lisboa, até 11 de Novembro,  a sua primeira exposição individual, “Sombras do Tempo”, na Galeria Movart (Rua João Penha 14A). A exposição, com curadoria de Ekow Eshun, inclui uma série inédita de fotografias intitulada “Círculo de Memória” (na imagem). Neste trabalho Macilau fotografa edifícios abandonados da época colonial que, como diz, "estão presentes em todo o território Moçambicano, apesar de terem perdido qualquer sentido de funcionalidade”. Dentro de cada fotografia, o artista situa, sobrepondo, figuras, muitas vezes mulheres ou crianças, cuja imagem cria um contraste com as estruturas em ruínas que as rodeiam. 

 

image (1).png

A FOTOGRAFIA PORTUGUESA  -  Esta semana trago-vos um livro imprescindível para conhecer e compreender a evolução, não só da fotografia, mas também da comunicação em Portugal no século XX: “Fotografia Impressa e Propaganda Em Portugal No Estado Novo”. A obra é o resultado de um trabalho de uma equipa de investigadores que entre 2016 e 2019 desenvolveu um projecto financiado pela Fundação Para A Ciência e Tecnologia sobre a utilização da fotografia imprensa durante esse período. Filomena Serra foi a responsável pelo desenvolvimento do projecto, juntamente, em áreas específicas, com Paula André e Manuel Villaverde Cabral e a organização do livro coube a Filomena Serra. Ao longo do trabalho podem ser seguidas cinquenta publicações - livro, álbuns fotográficos, fotolivros, revistas ilustradas e catálogos provenientes do fundo documental do SNI - Serviço Nacional de Informação que existe na Biblioteca Nacional. Logo no início o livro recorda que António Ferro, director do Secretariado da Propaganda Nacional criado em 1933, definiu a fotografia como o suporte comunicativo de exposições e edições que mostrassem a obra do Estado Novo, muitas vezes inspirados pelos então novos modelos de propaganda alemã, italiana e soviética.Este livro merece ser lido por todos quantos se interessam pela fotografia em Portugal, desde o texto inicial, de Filomena Serra, Paula André e Manuel Villaverde Cabral, até aos textos que mostram o que foram publicações como “O Notícias Ilustrado”. “O Século Ilustrado”, a “Panorama- Revista Portuguesa de Arte E Turismo” ou livros tão diversos como “Salazar o Homem E A Sua Obra”, de António Ferro,  “As Mulheres do Meu País” de Maria Lamas ou  “Lisboa Cidade Triste e Alegre” de Victor Palla e Costa Martins, entre vários outros. Um trabalho de rara qualidade, com um enorme manancial de informação, não só sobre a fotografia, mas também sobre a forma como ela foi usada na propaganda e na comunicação.

 

CONTRA OS MENUS DE DEGUSTAÇÃO -  Um dia destes começo a fazer uma lista de restaurantes onde se come bem, a preços justos, com bom serviço, sem atavios desnecessários mas com atenção e respeito pelos clientes. É claro que ficam excluídos os restaurantes que só propõem menus de degustação, essa variação totalitária apadrinhada por chefs de laboratório. Na realidade a imposição de menus de degustação é a coisa que mais me encanita na vida em matéria gastronómica. Muito raramente tive boas experiências e quase sempre achei ridícula a encenação. Prefiro ir ao circo quando quero ver palhaços. Em contrapartida gosto de listas que variam conforme as estações do ano, utilizam produtos da região quando possível e vigiam a qualidade da matéria prima e conseguem fazer isto sem artifícios nem pretensões e a preço justo. A ideia do fine dining é em si uma coisa que me atrai pouco, muito pouco; já a ideia de um restaurante simpático, com boa cozinha, onde se pode estar confortável, à nossa vontade, sem imposições, é coisa que me seduz. Fine dining para mim não é obedecer aos desejos dos outros, é conseguir que os outros satisfaçam os meus desejos em matéria do que me apetece provar. E que não me aborreçam enquanto estou à mesa, mas estejam atentos às necessidades dos comensais. 

 

DIXIT - “Medina perdeu mais que o poder em Lisboa, deixou de ser o delfim de Costa" - Armando Esteves Pereira, no “Correio da Manhã”.

 

BACK TO BASICS - “Não basta fazermos o melhor que podemos; por vezes temos que fazer o que é necessário” - Winston Churchill

 







Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:00


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.



Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D
  235. 2003
  236. J
  237. F
  238. M
  239. A
  240. M
  241. J
  242. J
  243. A
  244. S
  245. O
  246. N
  247. D