Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


IMG_1833.jpg

ESTA LISBOA QUE AFUNDOU - Desde 2007 é o PS que manda em Lisboa - primeiro com Costa e logo a seguir com Medina. Agora, ao fim de 14 anos Medina espalha pelos cartazes que defende “o direito à cidade”. Vamos lá a ver os factos: segundo a Pordata entre 2009 e 2020, a população residente de Lisboa diminuiu de 550.466 para 509.565 (um decréscimo de 7,4%). Em 2020, dos 509.565 residentes no município de Lisboa, 106.971 eram estrangeiros, mais 63194 do que em 2009.  Em 2009 nasceram em Lisboa 6220 bebés e em 2020 o número desceu para 5697.  Em 2009 em Lisboa por cada 100 habitantes 61,7 estavam em idade activa e em 2020 eram apenas 55. Em 2009 havia 72.189 alunos nas escolas de ensino básico público da cidade, em 2019 o número tinha descido para 63.911; em 2009 existiam 190 alojamentos turísticos em Lisboa, em 2019, antes da pandemia, contabilizavam-se 713; em 2009 a despesa da Câmara Municipal de Lisboa em actividades de Cultura e desporto significava 30,6% do total da despesa, esse número caíu para 8,4% em 2019. Os filhos dos lisboetas vão viver para a periferia e há 85 mil idosos a viver sózinhos ou na companhia de alguém da mesma idade na cidade. Um projeto da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, designado Radar, recolheu dados de uma amostra de 30 mil destes seniores, e concluiu que 27 mil, ou seja 92% destas pessoas, não têm acompanhamento por parte de instituições, e, muito menos da autarquia. O meu maior desejo é que nestas eleições se conseguisse inverter esta tendência, que a cidade renasça e consiga cativar mais jovens, mais pessoas em idade activa, que a cidade deixe de ser um cenário para turista ver e sim um local onde os alfacinhas possam viver. O PS e Medina pioraram todos os indicadores desde que estão à frente de Lisboa. Alguém acredita que agora vão mudar? Se querem mais quatro anos de promessas não cumpridas votem mais Medina: das promessas que fez na anterior campanha executou apenas nove das 30 medidas mais importantes que então prometeu.  

 

SEMANADA- Em 1981, em Portugal, tínhamos 45,4 idosos por cada 100 jovens, em 2019 tínhamos 161,3; em 1981 tínhamos 25,1% da população a receber pensões de reforma, em 2019 o número tinha subido para 40,5%; em 1999 tínhamos 14.643 estabelecimentos de ensino públicos dos vários graus de ensino e  em em em 2020 tínhamos 5.644; em 1986 existiam em Portugal 24.938 publicações periódicas em 2019 o número reduziu para 19.323;as eleições autárquicas mais concorridas dos últimos anos foram as de 2009 com 5,5 milhões de votantes e as que registram maior abstenção foram as de 2013, nas quais quase metade dos eleitores não votaram; no segundo trimestre de 2020 a dívida pública era de 125,7%  do PIB e em idêntico período de  2021 tinha subido para  132,8%; em 2001 existiam 669 estações de comboio e em 2019 o número tinha descido para 549; em 1968 a rede ferroviária activa tinha 3.592 kms e em 2020 tinha 2.526 kms; em 1980 os comboios transportavam 224 mil passageiros e em 2019 o número foi de 175 mil; em 1979 o emprego nas administrações públicas era de 9% da população activa e em 2019 já tinha subido para 13,3%; em 2000 a receita fiscal do Estado totalizava 25.669 milhões de euros e em 2020 atingiu 43.222 milhões; no mesmo período os impostos directos subiram de 11,3 mil milhões para 19,1 e os indirectos de 14,3 mil milhões para 24. Todos os números são da Pordata.

 

O ARCO DA VELHA- A deputada independente Joacine Katar Moreira, eleita pelo Livre, quer  retirar os painéis evocativos dos Descobrimentos, que estão no Salão Nobre da Assembleia da República, e que ilustram cenas evocadas n’Os Lusíadas.

 

O Esplendor dos Brunhoff (1).jpg

UMA FAMÍLIA ESPECIAL - Os Bruhhoff são uma família que transformou a vida da cultura europeia – e a francesa em particular. Um dos seus membros, Jean, foi o criador de uma figura incontornável da literatura infantil Babar, outro esteve na origem da “Vogue” francesa. Yseult Williams, jornalista, neta de um físico nuclear irlandês e de um dos pioneiros do moderno cinema britânico, é a autora de “O Esplendor dos Brunhoff”, um livro que resulta de conversas com Marion de Brunhoff, que, aos 92 anos, quis deixar o legado da sua família – uma incursão pelo mundo das artes, da política e da História da Europa do século XX. Ao ler o livro descobre-se que na Belle Époque, no bairro de Montparnasse, os Brunhoff davam cartas na imprensa, edição, moda, fotografia, arte moderna, num ambiente boémio e liberal. Na história dos Brunhoff cruzamo-nos com Sergei Diaghilev, Jean Cocteau, Christian Dior, Gabrielle Chanel, Yves Saint Laurent, com o americano Condé Nast que a eles se associou para criar a edição francesa da revista “Vogue”. O livro conta o período entre as duas grandes guerras, a perseguição que a família sofreu pela sua origem judaica, a forma como a imprensa francesa que não se tornou colaboracionista com os nazis resistiu. Sobre o livro o diário francês “Libération” escreveu que  «o talento desta família genial é também a sua generosidade de ver o talento dos outros.» O livro “O Esplendor dos Brunhoff” foi agora editado pela Quetzal.

 

IMG_2206.jpg

A FORMA DA CÔR - Entra-se na Galeria Filomena Soares e o sentimento é de surpresa. “Nada Existe/ Nothing Exists”, a nova exposição de 12 esculturas  de Rui Chafes feitas em 2020 e 2021, inaugurou dia 11 e ficará na Galeria até 20 de Novembro. Como frequentemente acontece no trabalho de Chafes, cada peça é uma descoberta, que por vezes se relaciona com a que está ao lado, outras vezes não. Nesta exposição há um novo caminho anunciado em relação a trabalhos anteriores. Sente-se uma mudança, um desafio entre as formas e o equilíbrio em que cada obra existe. Para além dos novos trabalhos (na imagem), podem ver-se noutra sala da Galeria quatro esculturas  de 2017 que foram os estudos para  a peça “La Nuit",  que foi apresentada na exposição “Rui Chafes e Alberto Giacometti - Gris, Vide, Gris”, apresentada na Fundação Gulbenkian em Paris, em 2018, com curadoria de Helena de Freitas. No texto de  apresentação de “Nothing Exists” o próprio Rui Chafes sublinha a importância da relação entre o vazio e a forma, o significado da cor negra na sua obra, a não separação entre o que é o interior e o exterior de cada peça e a importância do diálogo entre o equilíbrio das obras e o olhar de quem as observa. Imperdível, esta exposição. Outras sugestões: a colectiva “Matéria Luminal” que propõe um percurso pelas práticas artísticas em Portugal, desde meados dos anos 1960 até à actualidade, e que inclui obras de  trinta e oito artistas. A exposição tem curadoria de Sérgio Mah e ficará no Museu Berardo até 9 de Janeiro.

 

image (5).png

A GUITARRA - Pat Metheny, 67 anos, mantendo-se fiel à sua guitarra, é na verdade um homem de sete instrumentos: grava com músicos de jazz, faz incursões na clássica, trabalha em bandas sonoras de filmes e séries de televisão, compõe canções que pouco têm a ver com o jazz e gosta de trabalhar com um grande leque de músicos, sobretudo com alguns bem mais novos. É o caso de James Francies no piano e orgão, e Marcus Gilmore na bateria que o acompanham no novo disco “Side-Eye NYC”, ponto de partida para uma digressão anunciada para os próximos meses  e que incluirá cerca de 100 concertos em todo o mundo. Este disco foi gravado  ao vivo, antes da pandemia, em Nova Iorque. Na digressão Gilmore será substituído na bateria por Joe Dyson, mas James Francies, que tem uma importante quota parte da sonoridade do novo disco, acompanhará Metheny. O disco inclui alguns temas originais e novas versões, bem trabalhadas, de temas clássicos de Metheny como “Timeline”, originalmente gravado com Michael Brecker e Elvin Jones. O novo trio não hesita em usar texturas eletrónicas, em contraste com sonoridades tradicionais do jazz. O disco inclui oito  temas, começa pelo longo e envolvente “It Starts When It Disappears”. Jamie Francies tocou ao lado de nomes do jazz, dos R&B e do hip-hop e a sua presença é marcante no resultado final do disco e sobretudo nos 13 minutos do tema de abertura. Outros destaques vão para “Timeline”, “Lodger”, “Better Days Ahead” , “Bright Size Life” (do início da carreira de Metheny), “Turnaroud”  e “Zenith Blue”. Mas este exercício de selecção é um bocado forçado, o disco é todo ele magnífico, a guitarra de Metheny continua a ser mágica sem exibicionismos gratuitos e o trio é poderoso. Disponível nas plataformas de streaming.

 

O BELO FRANGO - Sou do tempo em que o Galeto anunciava com fulgor, pouco depois de abrir, em 1966,  a novidade de vender frangos assados, nessa altura ainda não muito vulgares. Agora eles estão em todo o lado e sob diversas formas - inteiros, com ossos e desossados, com uma gama de temperos e vários métodos de assadura. Uma das mais emblemáticas casas da especialidade é a Valenciana, em Campolide. Nasceu em 1914 como casa de pasto e foi desenvolvendo o negócio que hoje em dia existe. O frango assado foi introduzido na ementa nos anos 50 do século passado e a lista agora é bem variada. Mas a maior parte das pessoas que ali vão, para comer no local ou para levar para casa, procura o frango assado. Sempre bem assado, com molho simples ou picante e com acompanhamentos como salada, esparregado ou batatas fritas às rodelas caseiras. A Valenciana vende cerca de 500 frangos por dia e ao fim de semana por vezes esse número duplica. Agora tem uma meia dúzia de salas interiores e, desde há algum tempo, uma grande esplanada com jardim vertical, a dar para a praceta de Campolide, onde agora passa o eléctrico 24. A esplanada é devidamente protegida do vento que é um ex-libris de Campolide.  Os frangos da Valenciana são simples, saborosos, suculentos e despretensiosos. O serviço é simpático, o take-away é rápido. Eu sou freguês e nunca me correu mal.

 

DIXIT-  “ Os descobrimentos são um passado de conhecimento e de abertura ao Mundo de que Portugal se pode orgulhar. Esconder os painéis hoje é deixar de ler Os Lusíadas amanhã” - Manuel S. Fonseca.

 

BACK TO BASICS - “Pessoas com coragem e caráter parecem sempre sinistras aos olhos de outros” - Hermann Hesse

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:01

9/11 - O DIA EM QUE O MUNDO MUDOU

por falcao, em 10.09.21

IMG_2087.JPG

O DIA 11 - Estava a meio do almoço, perto do sítio onde trabalhava, a Valentim de Carvalho, em Paço de Arcos. No restaurante do então novo Centro Comercial, uma televisão ligada dava notícias, sem som. De repente, vejo um avião a colidir com um prédio. Continuei a almoçar, mas fiquei intrigado. Pensei com os meus botões que talvez fosse o trailer promocional de algum filme novo de Bruce Willis. Mas, um pouco depois, há um sobressalto no estúdio e entram imagens em directo da CNN na emissão da SIC Notícias. Há um segundo avião a embater noutro prédio, ao lado do primeiro, a essa hora já semi destruído. Não queria acreditar no que estava a ver. Eu e outros pedimos ao restaurante para colocar som, e percebemos, então o que se estava a passar. Nem queríamos acreditar. Paguei rapidamente e saí. No Centro não se falava de outra coisa - em todas as lojas onde havia televisores nas montras, estavam ligados à mesma imagem. A essa hora já sabia que tinham sido as torres gémeas de Nova Iorque o alvo do ataque, era visível que ambas estavam destruídas e sabia-se que havia um número enorme de mortos. Quando cheguei ao escritório estava toda a gente alvoroçada. Pus-me na minha sala a procurar canais e mais notícias. A net era ainda incipiente, a informação mais rápida vinha pela televisão ou pela rádio. A TSF não parava. Foi chegando gente àquela sala, improvisado palco de últimas notícias. Nessa tarde, numa conversa com o Francisco Vasconcelos, ainda hoje à frente da empresa, o tema foi só um, e dito por ele: “hoje o mundo mudou e nada vai ser igual”. O que o Francisco então disse confirmou-se em cheio. A fotografia do início destas duas páginas é do memorial construído no local onde estavam as torres destruídas, e fotografei-o numa viagem a Nova Iorque em 2014, três anos depois de ter sido inaugurado. É um local impressionante, os nomes dos mortos esculpidos na pedra. Ninguém se pode esquecer. Naquele dia, percebemos que a guerra pode chegar aos nossos pés, de uma forma sistemática e financiada como nunca antes tinha acontecido. A forma de encarar as viagens, de entrar nos aeroportos, de olhar para as outras culturas, nunca mais foi a mesma.



DESFOLHADA - Em 1 de Janeiro de 2001 começou o terceiro milénio da nossa era; George W. Bush tomou posse como Presidente dos Estados Unidos; a doença das vacas loucas alterou hábitos de alimentação; em Abril aviões dos Estados Unidos e Reino Unido bombardearam posições no sul do Iraque; Tony Blair foi reeleito Primeiro-Ministro do Reino Unido; a 11 de Setembro um ataque reivindicado pela Al Qaeda, dirigida por Osama Bin Laden, destruiu as torres gémeas do World Trade Center de Nova Iorque; nesse dia nos Estados Unidos 19 terroristas sequestraram quatro aviões comerciais de passageiros, colidiram dois contra as Torres Gémeas, um contra o Pentágono, em Washington,  e o quarto caíu na Pensilvânia; quase três mil pessoas morreram nestes atentados, incluindo os 227 civis e os 19 sequestradores que estavam nos aviões; a esmagadora  maioria eram civis de mais de 70 países, incluindo cinco portugueses; a 7 de Outubro os Estados Unidos iniciaram uma operação militar no Afeganistão intitulada “Liberdade Duradoura”; em Novembro foi lançado o primeiro o filme “Harry Potter e a Pedra Filosofal”, o primeiro da saga; em Dezembro nasceu Billie Eilish; o prémio Nobel da Literatura foi atribuído a V.S. Naipaul;  em Portugal, nas eleições autárquicas de 16 de Dezembro 2001 o Partido Socialista perdeu 14 câmaras, em comparação com as eleições anteriores e o PSD ganhou concelhos como Lisboa, Porto e Coimbra, entre outros; na sequência do resultado das Autárquicas o Primeiro Ministro António Guterres demitiu-se, provocando legislativas antecipadas no ano seguinte; em 14 de Janeiro de 2001 Jorge Sampaio havia sido reeleito Presidente da República; a 4 de Março ruiu a ponte Hintze-Ribeiro, em Entre-os -Rios, causando 59 mortes; em 2001 o Boavista foi o Campeão Nacional de futebol pela primeira vez na sua história. 

 

image (4).png

UM LIVRO EMOCIONANTE - Se fizerem uma busca sobre livros escritos na sequência dos atentados de 9 de Setembro de 2001, um dos que mais aparece bem recomendado é datado de 2019, bem recente portanto. Chama-se “Fall And Rise” e o seu autor, Mitchell Zuckoff, era em 2001 repórter do Boston Globe, um dos jornais de referência norte-americanos. O seu trabalho, na sequência do atentado, reconstruiu os momentos do ataque, evocou as vítimas e testemunhou o sofrimento das famílias. O autor demorou anos a conseguir reconstituir o puzzle de informações que recolheu para construir uma narrativa linear, e apaixonante, do que aconteceu a 9 de Setembro de 2011 em Nova Iorque, no Pentágono e na Pensilvânia. O livro fala dos mortos, mas também dos sobreviventes, cheio de histórias das pessoas que foram afectadas pelos acontecimentos dessa terça- feira, de Setembro de 2001. Há histórias como a de um actor que ficou preso num elevador na torre norte do World Trade Center, os heróis do vôo 93 que decidiram agir e impediram outro atentado, provocando a queda do avião numa zona não habitada da Pensilvânia ou a do veterano de diversas guerras que ficou encurralado no Pentágono. Este é de facto um retrato especial do 11 de Setembro, feito à distância, mas que permite olhar de novo para os acontecimentos, com a clareza que o distanciamento proporciona mas também com a emoção que os relatos evocados trazem ao virar de cada página. Esta é a história de pessoas vulgares num dia invulgar e terrível da nossa História recente. Pode encontrá-lo na Amazon, edição de capa dura com 624 páginas. Está disponível igualmente em versão para Kindle. 

 

capa catalogo.jpg

UM QUARTO COM VISTA  - Rita Barros é uma fotógrafa portuguesa que vive em Nova Iorque e testemunhou e fotografou o ataque às torres gémeas. Em Novembro de 2002 apresentou no Porto, no Centro Português de Fotografia, a exposição “Um Ano Depois” (cujo cartaz aqui se reproduz). Depois a exposição seguiu para o Centro de Artes e Espectáculos da Figueira da Foz, de 5 de Abril a 1 de Junho de 2003. Em Novembro de 2001 a Câmara Municipal de Lisboa promoveu a exposição colectiva “Tributo a Nova Iorque” nos Paços do Município, na qual estavam incluídas algumas das imagens de Rita Barros. Ao longo dos anos Rita Barros tem fotografado, da sua janela - a partir da qual fez as primeiras imagens do ataque - a evolução da linha do horizonte e o semanário “Expresso” publicou em 2012 um artigo onde surgiam as fotos de 2001 e as que que Rita Barros fez em 2011. Também a revista do Correio da Manhã publicou uma foto tirada por ela da sua janela com as torres a arderem e o mesmo enquadramento em 2011 e 2021. Rita Barros vive em Nova Iorque desde 1980, onde estudou e agora ensina fotografia na New York University. Um dos seus trabalhos mais importantes pode ser visto na exposição “Room 1008: The Last Days”, que até 10 de Outubro está patente no Centro Cultural de Cascais, Fundação D. Luís. 1008 é o número do quarto onde vive desde 1984 no famoso Chelsea Hotel. “Room 1008: The Last Days”  prossegue o trabalho apresentado em anos anteriores e inclui uma série de impressões fotográficas e um livro em forma de acordeão. A esta série, juntou-se, especificamente para esta exposição, um conjunto de pequenos vídeos realizados durante os forçados confinamentos que a pandemia impôs a todos.

 

image (3).png

CANÇÔES DE RESISTÊNCIA - Dezenas de músicos e cantores fizeram e interpretaram canções que têm por pano de fundo os atentados de 11 de Setembro de 2001 e a forma como eles alteraram as nossas vidas e, em especial, mudaram Nova Iorque. Entre todos eles gostava de destacar “I Can´t See New York”, de Tori Amos, em 2002, uma canção em que  ela descreve a surpresa de um passageiro que ao chegar a Nova Iorque de avião não consegue localizar o World Trade Center. 50 Cent gravou “Patiently Waiting” em 2003 e em 2004 os Beastie Boys gravaram “An Open Letter to NYC”. A primeira canção que se conhece sobre o tema, de 2001, foi “Song For The Lonely”, de Cher.  Em 2004 Leonard Cohen escreveu “On That Day”, os Coldplay em 2002 gravaram “Politik” e logo a seguir os Eagles fizeram “Hole In The World”. Paul McCartney com “Freedom” e Sheryl Crow com “God Bless This Mess” e os Cranberries com “New New York” são outros nomes que evocaram os atentados na sua música. No álbum “The Rising” (na imagem), Bruce Springsteen incluíu nove temas relacionados com o atentado, entre os quais a faixa título, mas também “You’re Missing”, “Into The Fire”, “Empty Sky” ou “Lonesome Day”, entre outras. No Spotify há uma lista intitulada “9/11- songs about nine eleven” onde podem ouvir muitos destes temas.

 

E A COMIDA? - Os americanos fazem inquéritos sobre tudo - até sobre as alterações de hábitos alimentares ocorridos após os atentados de 11 de Setembro. Pois a conclusão é simples: cresceu em 15% o consumo daquilo a que se convencionou chamar "comfort food”, cozinhados simples mas com capacidade para saciar o apetite, muitas vezes baseados em receitas tradicionais. E cresceu, também, em 15%, o consumo de doces e sobremesas. O resultado: um em cada dez norte-americanos ganhou peso nos dois meses seguintes. Mas nos dias a seguir aos atentados, com extensas zonas do centro de Nova Iorque interditas e abastecimentos complicados, houve momentos emocionantes como os carros de venda na rua que alimentaram gratuitamente os bombeiros, os delis que levavam sanduíches de pastrami aos que estavam a trabalhar na busca de feridos, as pizzerias que entregavam aos que estavam a trabalhar na zona do desastre. Foi a comida de rua que alimentou as equipas de socorro, a mesma que cada vez que vamos a Nova Iorque é uma tentação - seja um pretzel gigante, um hotdog ou uma deliciosa sanduíche de pastrami, de longe a minha preferida.

 

DIXIT - “Se não aprendermos mais nada com esta tragédia, retenhamos que a vida é curta e que não há tempo para o ódio” - Sandy Dhal, mulher de Jeff Dahl, que pilotava o vôo 93.

 

BACK TO BASICS - “Aquilo que nos distingue dos animais e nos separa do caos é a nossa capacidade para sofrermos em relação a pessoas que não conhecemos” - David Levithan

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:00

IMG_1927.jpg

PEDRO NUNO SANTOS GANHOU - O silêncio às vezes compensa e, num Congresso que mais pareceu uma convenção autárquica, o recato de Pedro Nuno Santos pode ter valido pontos. Se durante o Congresso do PS ele não foi confrontado com críticas, bastaram dois dias para Medina começar a desempenhar o papel de batedor ao serviço de António Costa. O  pretexto foi a apresentação do seu programa eleitoral em Lisboa onde não faltaram críticas indirectas a Pedro Nuno Santos, nomeadamente na questão do aeroporto. Medina, nas autárquicas anteriores, apresentou um programa que não cumpriu; um programa em que há quatro anos não mencionou medidas que depois tomou, sem terem sido votadas, e que se tornaram no inferno dos lisboetas - como a perseguição à circulação automóvel sem a criação de medidas alternativas nos transportes públicos. Esta semana Fernando Medina fez um dos mais extraordinários exercícios de demagogia de que há memória. Por um lado a querer convencer que é um reivindicativo crítico do Governo, coisa que não se viu ao longo da sua permanência nos Paços do Concelho, e, depois, ao lançar acusações sobre o seu rival eleitoral que só fanáticos desinformados podem subscrever. Este é no entanto o estilo habitual de Medina, tem sido assim ao longo do tempo, desde a sua ausência no início da pandemia, que provocou atrasos consideráveis na região de Lisboa, ao contrário do que acontecia noutros concelhos limítrofes. Este sobressalto de Medina em relação ao Governo é também a constatação de que o jogo de sombras chinesas que António Costa tão bem pratica, patente quando avançou com Marta Temido para a lista de possíveis sucessores, está a causar mossa nos outros pretendentes. Medina quer continuar a ser Presidente da Câmara para manter o protagonismo político de que necessita se quiser suceder a Costa.  É sempre alguém apenas em trânsito face às suas ambições pessoais. Termino com um exemplo recente: durante anos Medina rejeitou críticas à forma como autorizava e fomentava uma avalanche de alojamentos locais que ajudaram a descaracterizar a cidade, mas agora aparece a querer limitá-los face aos perversos efeitos que já são evidentes. Esta semana apresentou um programa de promessas que contrasta com o que não fez durante os mais de seis anos que leva como Presidente da Câmara.  Como se pode acreditar num homem com este desempenho? Medina não é mais que um político cínico, sem ética, que não olha a meios para atingir os seus objetivos pessoais. Lisboa merece melhor. Pedro Nuno Santos deve olhar para tudo isto com um sorriso. Silencioso.



SEMANADA-  Durante a pandemia os portugueses duplicaram as suas poupanças e os depósitos de particulares nos bancos atingem agora 22,7 mil milhões de euros; Portugal está em vigésimo lugar no ranking dos investimentos dos Estados europeus em Cultura, atrás da Roménia, Eslováquia, Hungria e República Checa; segundo dados do INE o preço médio do metro quadrado de habitação em Portugal é de 1241 euros e há 25 concelhos onde o preço da habitação custa menos de metade da média nacional; em Lisboa há mais agências bancárias que em 16 distritos portugueses; em 2001 havia 206 milhões de cheques a circular e em 2020 o número ficou perto dos 15 milhões; Portugal e a Lituânia são os únicos dois países da UE sem uma oferta comercial de redes de telecomunicações 5G; Paul Milgrom, prémio nobel da economia em 2010, afirmou que o “leilão de 5G em Portugal segue regras que eram usadas há 20 anos”;  o preço dos bens alimentares subiu entre 10 a 20% no último ano devido à escassez de alguns produtos, ao aumento das rações, da  logística e dos transportes; José Sócrates esteve de férias no Brasil e encontrou.se com Lula e Dilma Rousseff; PS, PCP e PEV aprovaram no Parlamento uma lei, em vésperas das autárquicas, para amnistiar autarcas que não cumpriram regras financeiras -  a lei foi feita à medida de cinco autarcas do PS e um do PCP que têm processos na Inspecção Geral de Finanças; as despesas de consumo das famílias e das Administrações Públicas já ultrapassaram o patamar pré-crise, tal como o investimento, mas as exportações, penalizadas pelo turismo, ainda contabilizam uma quebra superior a 15%.



O ARCO DA VELHA- Em 2020 e 2021 o Governo não aprovou o Decreto Lei de Execução Orçamental, e em vez disso emitiu as instruções de execução orçamental através de uma mera  Circular da Direcção Geral do Orçamento. Marques Mendes defende que esta actuação é inconstitucional e tem como consequência que a Assembleia da República não tem informação nem capacidade de fiscalizar o que se passa com a execução orçamental.

 

CAPA_O Sonho de Amadeo_300dpi.jpg

LER -   Nas páginas de ”O Sonho de Amadeo”, mergulhamos numa história em que a realidade e o sonho se confundem. O protagonista, Amadeo, acorda esbaforido após sonhar que foi assassinado, mas não se lembra do mais importante: o rosto do assassino. Tenta recordar-se dos pormenores do sonho, transportando-os para os quadros que pinta, ao mesmo tempo que inicia a procura de respostas nas noites mal dormidas, depois de receber um postal ilustrado que lhe lembra um dos seus sonhos.  “O Sonho de Amadeo”, é uma obra de Leonardo Costa de Oliveira, vencedora da última edição do Prémio Revelação Literária UCCLA-CMLisboa: Novos Talentos, Novas Obras em Língua Portuguesa. Leonardo Costa de Oliveira, de 38 anos, natural de Paracambi, no interior do Rio de Janeiro, é doutorado em Geociências, é geofísico na petrolífera brasileira Petrobras e estreia-se como autor com este livro. São dele estas palavras:  «Será que eu também poderia escrever um livro? Criar uma história que pudesse interessar outras pessoas? Machado de Assis e Carlos Drummond de Andrade trabalhavam como funcionários públicos... Talvez, a partir de hoje, eu possa ser geólogo e também escrever... Por que não?» A edição é da editora “Guerra & Paz”.

 

image (1).png

VER-  No Museu Nacional de Arte Contemporânea, no Chiado, está patente até 3 de Outubro a exposição “Em Busca do Tempo Perdido”, de Francis Smith. Nascido em Lisboa em 1881, filho de pais ingleses, Francis Smith trabalhou grande parte da sua vida em França para onde cedo foi estudar pintura. No início do século XX foi contemporâneo, em Paris, da primeira geração modernista de artistas portugueses, como José-Augusto França lhe chamou, e que incluía Eduardo Viana, Manuel Jardim, Manuel Bentes, Amadeo de Souza-Cardoso, Emmerico Nunes e Domingos Rebelo. Quando Francis Smith morreu em Paris, em 1961, o pintor era unanimemente reconhecido como uma figura essencial da chamada Escola de Paris, da primeira metade do século XX. Com curadoria de Jorge Costa esta exposição da obra de Francis Smith apresenta a primeira investigação de fundo sobre a vida e obra desse artista modernista. Em França Francis Smith era reconhecido e teve uma carreira com reconhecimento da crítica, valorizada por colecionadores, participando nas mais importantes exposições do seu tempo. Pode dizer-se que ele foi o artista português que em vida obteve maior sucesso no panorama cultural francês. No entanto em Portugal a sua obra foi frequentemente menorizada. Foi Eduardo Viana quem em 1925 convidou Francis Smith a participar com várias obras no Salão de Outono, da Sociedade Nacional de Belas Artes. Mas foi em  seguiu em 1934, numa exposição no Salão Bobone, organizada pelo Secretariado Nacional da Propaganda, dirigido por António Ferro, que verdadeiramente Francis Smith foi reconhecido pela crítica local e obteve sucesso comercial - duas das suas obras existentes no Museu Nacional de Arte Contemporânea foram compradas nessa altura.



image.png

OUVIR- ​​Um dos instrumentos cuja sonoridade mais me agrada é o baixo - seja o eléctrico, seja o contrabaixo. A editora ECM tem um histórico raro no registo de discos onde o baixo é predominante e um dos músicos que grava para a ECM é Marc Johnson. O seu mais recente álbum é “Overpass” onde ele aparece sózinho com o seu contrabaixo, acústico, dedilhado, por vezes com arco, não amplificado, ao longo de oito temas e quase 45 minutos. Johnson é um músico criativo que mesmo a solo e com um único instrumento consegue uma diversidade de ritmos e melodias. Marc Johnson nasceu no Nebraska em 1953, estudou música  na North Texas State University e começou a tocar aos 19 anos com a Fort Worth Symphony. Desde cedo trabalhou ao lado de nomes como Woody Herman, aos 25 anos era o baixista do trio de Bill Evans e a sua carreira cruza-se com a de nomes como Gary Peacock, Gary Burton, Jack DeJohnette, Bill Frisell, John Scofield, Stan Getz, Joe Lovano ou Paul Motian, entre outros. Um dos temas incluídos neste novo disco é “Nardis”, um original de Miles Davis que Johnson já tinha gravado com o trio de Bill Evans nos anos 70 e que agora surge reinterpretado. Outra nova versão é “Love Theme From Spartacus”, de Alex North e “Freedom Jazz Dance” de Eddie Harris. Os outros cinco temas são composições originais de Marc Johnson. “Overpass” está disponível nas plataformas de streaming.



PROVAR- Quem anda pelo lado da Praia do Meco tem agora um local onde pode comprar iguarias às vezes nada fáceis de encontrar naquelas redondezas. Trata-se da loja “Muito Espalhafato”, bem no centro de Alfarim, onde estão à venda bons vinhos, bons queijos (incluindo alguns estrangeiros como um pecorino siciliano de boa memória) e bons enchidos de produtores seleccionados - além de algumas outras iguarias como, inesperadamente, Dim Sums. O curioso é que além de poder comprar, pode ali provar alguns dos produtos num copo ao fim de tarde numa pequena esplanada no exterior. Este espaço de comidas e bebidas é sucessor do “Veneno”, que em tempos existiu em Alvalade pela mão de Francisco Ferrão Completo, homem de sete instrumentos sempre à volta da comida - desde restaurantes até serviços de entrega de comida como o Despacha-te Xico! Já aqui em tempos louvado. O Muito Espalhafato tem além das comidas e bebidas espaços onde se vendem livros em segunda mão, peças de joalharia artesanal, acessórios diversos e moda, velharias e peças de design.  Fica na Avenida José Carlos Ezequiel 44A, Alfarim.

 

DIXIT- “ Mais do que vistos gold para estrangeiros com dinheiro, devíamos ter um visto gold para imigrantes qualificados” - Maria João Valente Rosa, demógrafa, professora na Universidade Nova de Lisboa

 

BACK TO BASICS - Um clássico é um livro que toda a gente quer poder dizer que leu mas que ninguém quer ler - Mark Twain



Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:00

D6018D69-7632-46B9-85CF-E98E45196DC7.JPG

AS HABILIDADES DE UM POLÍTICO PROFISSIONAL -  António Costa é um político hábil, que como Primeiro Ministro usa a comunicação como poucos dos seus antecessores. Na verdade é talvez o mais profissional político que Portugal teve como Primeiro Ministro nos 22 Governos Constitucionais desde 1974. No final de Novembro, António Costa completará seis anos como Primeiro-Ministro, ao longo de uma legislatura e meia, e, salvo algum cataclismo, parece evidente que cumprirá esta sua segunda legislatura até ao fim. O futuro? Como explicou numa entrevista ao “Expresso” no fim de semana passado, não sendo tabu, não é para se saber já. A  frase resume o pensamento político de António Costa: a realidade é a que ele dita.  Neste fim de semana, no Congresso do PS que se realizará em Portimão, assistiremos ao primeiro episódio da produção do PS baseada na “Guerra dos Tronos”. Costa garantiu que na linha da frente do palco será acompanhado pelos quatro socialistas que são os nomes mais apontados para a sua sucessão: Catarina Mendes, Fernando Medina, Mariana Vieira da Silva e Pedro Nuno Santos. São todos diferentes, mas todos iguais no apego à política que tem sido seguida. E qual o resultado dessa política? - Quando os portugueses comparam o seu rendimento com o de países como a Eslováquia, República Checa, Hungria, Polónia, Lituânia, Letónia, Estónia e mesmo  Roménia, constatam que todos eles estão melhor que Portugal. O balanço destes seis anos que  António Costa leva como Primeiro Ministro não é nenhum tabu mas anda sempre escondido pela propaganda: o consulado de António Costa vai ser aquele em que o país desceu para a cauda da Europa em termos de riqueza. Nada disso impedirá que o fim de semana seja de festa e consagração em Portimão - Costa preparou bem o ritual e quem lhe pode suceder acredita que se pode distribuir o que não se tem. Esta semana Camilo Lourenço escrevia neste jornal que “daqui a dez anos, quando Costa estiver num cargo internacional, o seu consulado vai ser lembrado como aquele que desperdiçou a grande oportunidade de Portugal se colar aos da frente”. 

 

SEMANADA - O PCP é o partido que apresenta maior número de mulheres como cabeça de lista nas próximas autárquicas mas o PS tem sido quem consegue eleger mais mulheres:  há apenas sete autarquias com maioria feminina e 31 onde são mulheres a liderar: este ano registaram-se mais 1203 candidatos ao ensino superior que em 2020; o apoio ao estudo só chega a 21% dos alunos com média negativa; a anunciada subida do número de empregos fez-se à custa de um aumento recorde da função pública; em dez anos foram extintos 18 mil postos de trabalho na banca; entre 2018 e 2020 foram vendidas em Portugal 1890 caixas de medicamentos contra a disfunção erétil por dia; desde o início do ano as autoridades passam 20 multas por dia para quem não usa máscara na rua; o presidente da Ryanair, Michael O’Leary, acusa a TAP de bloquear o crescimento da concorrência no aeroporto de Lisboa; na semana passada o caos voltou a instalar-se no aeroporto de Lisboa, com enormes demoras, filas imensas, extravio de bagagens e incómodo acentuado para os passageiros mas até agora não foi assumida a responsabilidade pelo sucedido; a média diária de espectadores do Canal Parlamento desde o início do ano é de 115 no cabo e 234 na TDT, um total de 349 pessoas; o Parlamento paga 420 mil euros por ano ao operador responsável pela emissão da TDT, o que dá um custo médio de 1794 euros por espectador; a TVI recebeu 18 mil inscrições de candidatos a participarem no próximo Big Brother, que arranca em Setembro; o grupo Media Capital já recebeu 2.400 candidaturas ao processo de recrutamento da CNN Portugal que decorrre até 31 de Agosto.

 

O ARCO DA VELHA - Na Figueira da Foz o PSD já perdeu em tribunal duas tentativas de impedir a candidatura de Santana Lopes à autarquia local e agora ameaça recorrer para o Tribunal Constitucional. Como bem escreveu Luís Paixão  Martins no Facebook, “nem mesmo nos tempos em que foi presidente do PSD uma campanha de Pedro Santana Lopes teve um apoio tão grande da parte deste partido.” 

 

image.png

OS QUADROS DE “A BRASILEIRA” -  Maria Aires da Silveira e Raquel Henriques da Silva são as curadoras de uma exposição no Museu Nacional de Arte Contemporânea (MNAC) que se debruça sobre a história do café “A Brasileira”, do Chiado. Fundado em 1908 por Adriano Teles e mantido ao longo de mais de um século em excelentes condições, o café foi modernizado em 1925, quando recebeu  uma série de obras de importantes artistas plásticos da época - na imagem uma dessas obras, um auto-retrato em grupo de José de Almada Negreiros. Depois, em 1971, recebeu nova série de onze pinturas, que hoje decoram o espaço do estabelecimento, onde podem ser vistas, e que substituíram as anteriores. O  decorador Joachim Mitninsky  comprou em 1970  os quadros envelhecidos da montagem de 1926,  mandou restaurá-los, vendeu alguns e terá mantido outros na sua loja da Rua Vítor Cordon. As novas onze obras foram encomendadas por um júri de críticos de arte. Intitulada “A Brasileira do Chiado - Café-museu 1925-1971”, esta exposição do Museu Nacional de Arte Contemporânea celebra os 50 anos da segunda decoração de A Brasileira com quadros de artistas modernos. No Museu é possível ver alguns dos quadros da decoração de 1925 e um conjunto de documentação em grande parte inédita da decoração de 1971, nomeadamente fotografias da colocação das pinturas nas paredes de “A Brasileira”, exactamente na noite de 26 de Junho de 1971. A exposição é acompanhada de um catálogo, subsidiado pela empresa que actualmente detém o espaço, Valor do Tempo e pela Fundação Millennium BCP. O catálogo organiza-se em três núcleos fundamentais que abordam a criação do café-museu, no Chiado, em 1925 e 1971 com textos de Inês Silvestre, um ensaio de Raquel Henriques da Silva  e um trabalho de Maria de Aires Silveira sobre a temática dos cafés na capital, desde inícios do século XIX, que ajudaram a caracterizar o perfil da cidade e facilitaram o convívio de intelectuais. Até 26 de Setembro no MNAC, Rua Capelo 13 e Rua Serpa Pinto 4.

 

Todo o Ar Que Nos Rodeia (1).jpg

UMA INVESTIGAÇÃO AUTOBIOGRÁFICA  - O escritor sueco Tom Malmquist ganhou fama através da sua obra de estreia, o romance “Em Todos Os Momentos Estamos Vivos”, onde  parte de episódios autobiográficos para escrever um livro sobre a perda e o luto. Editado em 2015, vencedor de vários prémios e considerado pelo New York Times como um dos cem livros mais notáveis desse ano. “Em Todos Os Momentos Estamos Vivos” tem agora uma continuação com a sua nova obra, “Todo o Ar Que Nos Rodeia”, que retoma o tema da morte, da solidão e dos laços desfeitos. Neste segundo romance, agora editado em Portugal e traduzido do original sueco, o autor volta a  percorrer os caminhos da ficção autobiográfica. Logo no início o protagonista, que é o próprio Malmquist, encontra um velho recorte de jornal com esta notícia: «No sábado, foi encontrado um homem morto numa gruta na floresta de Sörskogen. Apresentava cortes graves no rosto e no peito, e a polícia acredita que foi assassinado com um machado.» O jornal embrulhava as peças do serviço de loiça da mãe de Tom, que ele encontra no sótão. Partindo da pouca informação que tem, Tom Malmquist iniciará a sua própria investigação para descobrir tudo o que puder sobre Mikael K, o homem brutalmente assassinado duas décadas antes. Enquanto procura respostas para essas e outras perguntas, encontra perturbantes paralelos entre a história investigada e a sua própria vida. É um livro fascinante e como escreveu o diário sueco Aftonbladet, «os leitores de Paul Auster reconhecerão o estilo, não apenas na abordagem investigativa, mas também no vazio existencial que sugestivamente aparece nas entrelinhas, um vazio que parece ser o tema e o estímulo principal deste romance.» 

 

image (1).png

O BATERISTA DOS BLUES, JAZZ E ROCK  - A vida de Charlie Watts mudou quando deixou de ser o baterista da Blues Incorporated, a primeira banda britânica, formada exclusivamente de músicos brancos, que tocava blues, no começo da década de 1960. Foi numa actuação dessa banda num clube londrino que Mick Jagger, Keith Richards e Brian Jones, fãs dos blues, conheceram Watts. Ficaram maravilhados com a sua qualidade de músico e  convidaram-no para ser o baterista do grupo que estavam a começar a constituir, admitindo que não tinham como lhe pagar nessa altura. Charlie acabou por aceitar trocar o já estável Blues Incorporated pelo projeto de Mick, Keith e Brian, e entrou como baterista para os Rolling Stones em 1963. Mick Jagger tinha então 20 anos e Watts era dois anos mais velho. O resto da história é conhecida e Watts foi sempre um elemento fundamental da banda, ajudando a manter a sua coesão mesmo nos períodos mais conturbados e difíceis. O que muitos não sabem é que ao mesmo tempo que integrava os Rolling Stones e tocava nos discos e concertos, Charlie Watts desenvolveu uma carreira a solo em torno do seu amor aos blues tradicionais e sobretudo do songbook clássico americano e dos standards de jazz. Quer com orquestra, quer em formações mais reduzidas, Charlie Watts gravou por sua conta, fora dos Stones, quase uma dezena de discos e apareceu em vários registos de outros músicos como convidado. Um dos seus trabalhos mais marcantes é um álbum de 1996, “Long Ago & Far Away”, onde interpreta 14 clássicos da música americana, acompanhado pela London Metropolitan Orchestra, com Bernard Fowler na voz e um conjunto de outros músicos, incluindo o português Luís Jardim. O CD, além da canção que lhe dá o nome,  inclui os temas “I’ve Got A Crush On You”, “More Than You Know”, “Good Morning Heartache”, “Stairway To The Stars”, “In The Still Of The Night”, “I Am In The Mood For Love”  e “Never Let Me Go”, entre outros. O disco é uma raridade, está esgotado, não existe por enquanto em streaming e em segunda mão, na Amazon, aparece à venda por 123 dólares.

 

DIXIT -  “É esse o tremendo conservadorismo que nos derrota: não queremos que se invente nada, só queremos que os estrangeiros (....) confirmem os nossos próprios gostos e preconceitos” - Miguel Esteves Cardoso.

 

BACK TO BASICS - Gostamos sempre daqueles que nos admiram, mas nem sempre gostamos daqueles que admiramos  - François de La Rochefoucauld.

 

(Publicado no Weekend do Jornal de Negócios de 27 de Agosto)







Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:00

O TEMPO DOS INTOLERANTES

por falcao, em 20.08.21

R0002475.JPG

OS NOVOS FANÁTICOS - Nos últimos dias um grupo de fanáticos apelidou de assassino o homem que comanda, com êxito, o processo de vacinação que já salvou numerosas vidas desde que ele iniciou funções. Um outro grupo de fanáticos atacou e danificou um centro de vacinação na Azambuja. Os dois casos são bons exemplos dos efeitos práticos do fanatismo - neste caso dos que condenam o uso de vacinas. Cada um tem direito à sua opinião e, em última análise, tem direito a decidir se quer ele próprio ser vacinado ou não. Mas não tem o direito de perturbar o trabalho de quem está a vacinar ou quem quer ser vacinado. Estes comportamentos são exemplos daquilo que os fanáticos dos extremos do espectro político podem produzir na ânsia de ganhar notoriedade. Estou convencido que há entre os negacionistas do Covid-19 e os opositores das vacinas pessoas com ideologias em teoria diametralmente opostas mas que se encontram num mesmo ponto: o desrespeito pelos direitos e liberdade dos outros, um desrespeito pela sociedade em que vivem e um extremo egoísmo. Cito, a propósito, o Papa Francisco: "Vacinar-se é uma forma simples mas profunda de promover o bem comum e de cuidarmos uns dos outros, especialmente dos mais vulneráveis", apelando a que cada um contribua para erradicar a pandemia com um "pequeno gesto de amor". Tenho sempre este velho lema que bem me vai guiando: a liberdade de cada um termina onde começa a de outras pessoas. Estes novos fanáticos são por natureza intolerantes - mudam de bandeira ao sabor do vento, sempre a querer limitar o que outros podem fazer ou pensar.



SEMANADA - 60% das 20 mil contratações da Função Pública no último ano são contratos a prazo; no final de Junho o emprego público atingiu o valor mais alto desde 2011, atingindo os 731 mil trabalhadore; o ganho médio mensal na Administração Pública é de 1801 euros enquanto a média global nacional é de 1208 euros; os consumidores portugueses endividaram-se em 16,6 milhões por dia em crédito ao consumo; a letalidade nos idosos não vacinados é três vezes maior do que nos vacinados; um estudo do Instituto Gulbenkian da Ciência indica que 63% dos idosos com mais de 70 anos mantêm anticorpos contra o coronavírus seis meses após a vacinação; há mais de 200 mil pessoas sem médico de família; o Governo não respondeu a um quarto das perguntas formuladas por deputados em requerimentos na Assembleia da República no segundo ano desta legislatura; duas em cada três câmaras municipais não cumprem as regras do Regulamento Geral de Protecção de Dados, três anos após a legislação ter entrado em vigor; na área dos registos e notariado há falta de cerca de 1700 trabalhadores e as filas de quem procura os serviços aumentam; os aeroportos portugueses receberam cerca de dois milhões de passageiros em Junho, o número mais alto desde Fevereiro do ano passado; a Altice Portugal diz só ter tido conhecimento do valor proposto pela Anacom para a tarifa social de internet através da comunicação social; sete dezenas de deputados concorrem à liderança de Câmaras Municipais. 

 

O ARCO DA VELHA - Um Jardim de Infância mandado construir pela Câmara do Entrocamento, inaugurado em 2008 e que custou 1,2 milhões de euros, está em risco de ruir e vai ser demolido porque tem falhas estruturais que impedem a sua recuperação.

 

image (1).png

UM RISCO EM ÁGUEDA - Para quem estiver a norte proponho uma visita a Águeda, ao belo edifício do Centro de Artes, projectado pelo atelier AND-RÉ, no local onde antes existia uma fábrica de cerâmica. Inaugurado em 2017 o edifício tem uma área total de 4500 metros quadrados, inclui um auditório, uma área de exposições e um café-concerto. Se lá for por estes dias , até 12 de Setembro, poderá ver na sala estúdio a exposição “Risco” que põe em confronto dois tempos na Pintura de Helena Dias: por um lado apresenta um conjunto de três trabalhos produzidos entre 1974 e 1976 (os únicos existentes deste período), por outro mostra um conjunto de trabalhos produzidos entre 2018 e 2020. Um pouco mais de 40 anos separam umas obras das outras, no entanto, embora com linguagens técnicas diferentes, há elementos (e preocupações) formais constantes: a Helena Dias interessou e continua a interessar, quase obsessivamente, a prática pura da Pintura. A imagem que acompanha esta nota é de uma obra sem título de 2019, fotografada por André Lemos Pinto. Raquel Guerra, a curadora da exposição, sublinha que o título “Risco” põe em evidência duas abordagens: remete para o elemento formal que caracteriza as obras presentes neste projeto, e evidencia os riscos e a coragem inerentes a retomar a Pintura após um interregno de cerca de 28 anos. Se estiver em Lisboa aproveite para visitar no Museu Nacional de Arte Antiga a exposição “Vi O Reino Renovar, Arte no Tempo de D.Manuel I”, uma exposição criada para assinalar o quinto centenário da morte de D. Manuel I e que estará na Galeria de Exposições Temporárias do MNAA até 26 de Setembro. A exposição mostra a relação do monarca com a prática artística, uma das mais importantes de toda a história portuguesa, patente na forma como promoveu., patrocinou e encomendou obras de arquitectura, iluminura, pintura, escultura ou artes decorativas e também, como utilizou a produção artística na sua estratégia de representação e afirmação real.

 

image.png

FILOSOFIA NAPOLITANA - No início do século XX a paisagem do golfo de Nápoles atraía nomes ilustres a Capri e Sorrento, como Walter Benjamin, Bertolt Brecht, Maksim Górki e um então jovem filósofo, Theodor W. Adorno. Reza a lenda que foi aí, junto ao Vesúvio que nasceu, dos encontros destas personalidades, uma das mais importantes correntes filosóficas do século XX - a teoria crítica. Martin Mittelmeier, um autor alemão contemporâneo escreveu “Um Filósofo em Nápoles”, um livro publicado em 2013 e agora editado em Portugal pela Temas e Debates, com uma boa tradução de Pedro Garcia Rosado. O livro explora como a cidade de Nápoles – as paisagens, as pessoas, os turistas e os debates com o grupo de intelectuais que encontrou na cidade italiana – ajudou a criar as bases para o pensamento filosófico de um dos mais importantes e influentes pensadores europeus do século XX, Theodor W. Adorno. E deixa questões:  Como pode um país e um ambiente produzir um determinado sistema de pensamento? E porque é que a paisagem marcada pelo Vesúvio causou tanto impacto na vida e nas ideias de Adorno? Martin Mittelmeier conseguiu uma fusão entre filosofia, biografia e relato de viagens e mostra como a paisagem e a geografia de Nápoles se transformaram em filosofia, ao mesmo tempo que nos ajudam a redescobrir um dos pensadores mais influentes da história. Na realidade, como já foi citado pela crítica, «esta obra procura desmontar como a filosofia de Adorno nasceu de uma viagem pelo golfo de Nápoles na sua juventude. E que a força da sua filosofia, o fascínio que ela exerce e os problemas que suscita podem ser explicados por esta sua génese.»

 

IMG_1851.jpg

VER & OUVIR - Hoje em vez de limitar os sentidos à audição, sugiro que os compartilhem com a visão. E assim a sugestão musical da semana é uma série documental da Apple TV+, absolutamente extraordinária, intitulada “1971, o ano em que a música mudou tudo”. A primeira temporada está no ar, tem oito episódios centrados no final dos anos 60 e no início dos anos 70 - e como o título indica, sobretudo em 1971 - que é o ponto de partida para muitos dos factos que se relatam. Por ali passam nomes como Marvin Gaye, mostrando a  importância, muitas vezes esquecida do conteúdo e significado do seu álbum “What’s Going On”. Mas também Bob Dylan, George Harrison e o concerto para o Bangladesh realizado há 50 anos, a 1 de Agosto de 1971. Destaco logo no primeiro episódio a fantástica interpretação de Neil Young  para a sua canção “Ohio”, sobre a intervenção policial na Universidade de Kent que provocou quatro mortos entre os estudantes que protestavam contra a intervenção americana no Vietnam. A série tem numerosas imagens originais (e muitas vezes inéditas) da época e mostra a importância de nomes como Jim Morrison, Sly Stone, Ike e Tina Turner, James Brown, Curtis Mayfield, Joni Mitchell ou Carole King na criação das sonoridades que moldaram esses tempos. Mas mostra também o fim dos Beatles e o explodir de David Bowie, as crises dos Rolling Stones e até o papel de nomes que transformaram o jornalismo como Hunter S. Thompson. Um documento imprescindível. Cito, a terminar, palavras de John Lennon que sintetizam bem esses tempos”A discórdia é o combustível que alimenta a democracia”. Demasiada gente esquece-se disto.

 

IMG_1854.jpg

SOBRE A IMPORTÂNCIA DO POEJO - Eu adoro poejo - o cheiro, o sabor… Há uns meses dedicámos uns vasos a ervas aromáticas. Umas tiveram algum sucesso de crescimento, outras nem tanto. Mas o poejo é o campeão: um vaso a abarrotar. Desde então não nos falta o seu cheiro e sabor. Por isso mesmo fomos experimentar a velha açorda de bacalhau, mas com poejo em vez de coentros. A meio do processo ocorreu-me se um grande amigo que não suporta coentros, suportará poejo. Assunto a investigar. O prato é simples. Escalda-se o bacalhau dois ou trÊs minutos, guarda-se a água onde se preparou e num outro tacho coloca-se gengibre laminado, um pouco de cebola roxa picada  (eu sei, não é o costume, mas fica bom), muito poejo (folhas separadas dos caules e caules cortados em troços) e refoga-se o bacalhau escorrido  da escaldadela, misturando-se bem e em lume branco. Quando a coisa estiver no ponto que desejamos adiciona-se a água usada para o bacalhau e um pão caseiro de véspera, de preferência sem côdea. Mexe-se até se esfarelar para a consistência desejada. No fim colocam-se dois ovos a escalfar por cima no tacho e quando a clara começar a ficar opaca polvilhar tudo com folhas de poejo picadas e serve-se imediatamente. Um clarete refrescado acompanha muito bem - sugiro o da Adega de Penalva.

 

DIXIT - “Comem salsichas toda uma vida, e depois afirmam que não querem uma vacina porque dizem que não sabem o que lá está dentro” - lido no twitter

 

BACK TO BASICS - “Um fanático é alguém que se recusa a mudar de ideias e não aceita mudar de assunto” - Winston Churchill

 

(Publicado no Jornal de Negócios de 20 de Agosto de 2021)



Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:00

R0002444.jpg

LIVRE, O OUTRO CHEGA - A deputada Joacine Katar Moreira, eleita pelo Livre, mas que depois se aborreceu com o partido que a indicou, deu uma entrevista há dias onde arrasou Eusébio, dizendo em tom de crítica que ele “não era a pessoa mais revolucionária” e acusando-o de “nunca ter lutado contra as estruturas”. Como Manuel S. Fonseca bem escreveu na sua “Bica Curta”, da última página do “Correio da Manhã”, “o que subjaz ao que disse Joacine é que só há uma forma, unilateral, de ser negro. Joacine condena o negro a ser revolucionário, a estar contra e de fora.” Para mim Joacine é um Ventura do outro lado do espectro político e o Livre tem momentos em que se lhe assemelha. E é com o Livre que o PS estabeleceu acordos eleitorais autárquicos. Da mesma maneira que há quem se indigne contra alianças com o Chega, que eu condeno, também me indigno com alianças com o Livre, um albergue de teses nascidas de modas ideológicas que no essencial acusam a Europa de todos os desmandos do mundo, incluindo os pilares da civilização. A sua acção quotidiana ignora um princípio que continuo a achar fundamental seguir: a liberdade de cada um acaba onde a de outra pessoa começa. O facto de em Lisboa o PS se ter aliado ao Livre é um sinal destes tempos. O facto de o representante deste partido na lista de Medina, Rui Tavares, estar indigitado como vereador da Cultura caso o PS vença, é dos piores sinais que podia haver. Em múltiplas ocasiões Tavares subscreveu textos onde fez eco e defendeu as teses actualmente politicamente correctas sobre a civilização ocidental. Para essa zona do pensamento político actual há uma arte que deve ser condenada e se possível derrubada. Não é um bom cartão de visita. Quando se vota para a Presidência de uma Câmara, no nosso sistema eleitoral, vota-se também na constituição da vereação que constitui o executivo da autarquia. Assim sendo, convém olhar com atenção para quem está na lista, que experiência tem das áreas que poderá vir a tutelar, que opiniões tem manifestado sobre o assunto. Eu não gostaria que a Cultura na cidade de Lisboa estivesse nas mãos do homem que escolheu Joacine para estar no Parlamento, sabendo muito bem qual era o seu pensamento, que aliás ela nunca escondeu. 

 

SEMANADA - Analisando a crise no PSD, Marques Mendes afirmou que “o mais bem posicionado” como alternativa a Rui Rio, é Paulo Rangel; apenas 36% dos técnicos do Estado recrutados em 2019 têm contrato de trabalho; a Câmara Municipal de Castelo Branco já gastou perto de meio milhão de euros com uma associação de produtores de figo da Índia que apenas teve escassa actividade em 2016 e 2017, empresa que foi criada e dirigida por altos funcionários da autarquia e outras pessoas afectas ao PS local; durante o ano de 2021 e até ao fim do 1º semestre, o actual Presidente da Câmara Municipal de Lisboa compareceu a apenas quatro sessões plenárias da Assembleia Municipal, quer presenciais, quer online, num total de 22;  há mais de três dezenas de concelhos que desde 1976 são geridos pelo mesmo partido, 11 do PSD e PS e 9 do PCP; desde que existem recenseamentos da população, ou seja desde 1864, apenas se registaram quebras populacionais duas vezes; de 1960 para 1970 nos fluxos migratórios para a Europa e agora entre 2011 e 2021, quando se perderam cerca de 200 mil habitantes; há 136 mil desempregados sem subsídio; entre 2019 e 2020 o investimento em investigação e desenvolvimento nas empresas privadas aumentou enquanto caíu no sector público, nomeadamente no ensino superior; metade das queixas feitas à inspecção das polícias é contra agentes da PSP e os casos de agressões têm peso significativo;  Portugal e Lituânia são os únicos países da União Europeia onde ainda não foi implementada a rede 5G.

 

O ARCO DA VELHA - Apesar da existência de uma nova ETAR que custou cinco milhões de euros, os esgotos produzidos por cerca de metade dos habitantes de Beja foram lançados durante dois meses na bacia do Roxo, que abastece de água potável cinco concelhos da região.

 

R0002452.JPG

O FOGO DE CHAFES - Na Casa das Artes, de Tavira, até 20 de Agosto, Rui Chafes apresenta “Travessia”, uma exposição pensada expressamente para o local. Ali está um conjunto de cinco esculturas, realizadas nos últimos  três anos, incluindo uma, a mais recente (pormenor na imagem), contemporânea da nova série de trabalhos que serão apresentados dia 11 de Setembro na próxima exposição de Chafes, “Nada Existe”, que vai decorrer na Galeria Filomena Soares, em Lisboa. Também na Casa das Artes de Tavira, e igualmente até 20 de Agosto, pode também ver  pintura de Ana Vieira Ribeiro e uma muito interessante série de fotografias de Tomás Vieira intitulada “Hedonismo Zero”. Outras sugestões: voltando a Lisboa, até 9 de Setembro, entre a Rua do Açúcar e a Rua do Amorim, passando pelo Largo do Poço do Bispo,  Marvila é uma galeria ao ar livre, com a exposição de obras de artistas plásticos, fotógrafos, ilustradores, designers e músicos, na sexta edição da Poster Mostra que exibe trabalhos de cerca de três dezenas de autores, entre os quais Adolfo Luxúria Canibal, Samuel Úria, Nuno Saraiva, André Carrilho e Ricardo Quaresma, entre outros. A norte a  exposição “Materiais Inflamáveis” mergulha no mundo dos fanzines portugueses para analisar o papel desempenhado pelo punk nas transformações sociais e políticas do Portugal pós-25 de Abril. Está patente no gabinete gráfico do Museu da Cidade do Porto, na Biblioteca Municipal Almeida Garrett, até 15 de Agosto. 

 

_Flor das Águas.jpg

CRIME NO ÁRTICO - Com o verão frescote que temos tido, uns policiais nórdicos vêm mesmo a calhar. Hoje destaco “À Flor das Águas”, de Christoffer Petersen, pseudónimo de um autor que vive no sul da Dinamarca e que durante sete anos esteve na Groenlândia, a maior ilha do mundo, com cerca de 56 mil habitantes, onde se apaixonou pelos costumes e hábitos locais, nessa terra onde o sol é raro, os cães ainda puxam trenós. Há uns anos li um outro romance seu, passado também na Gronelândia, “Um Inverno, Sete Sepulturas”, uma história envolvente. Petersen desenha mistérios e ficamos muitas vezes na dúvida sobre o que é ficção e o que pode ter sido realidade. O herói da nova história continua a ser David Maratse, um detective reformado que arranja maneira de estar sempre por perto quando acontece um crime mais estranho, embora tivesse a ambição de passar uma vida calma e simples, caçando e passeando com os seus cães e trenós pelas estepes geladas. O livro relata o que se passou num barco atracado num fiorde remoto.  Ninguém responde quando Maratse sobe a bordo e começa a chamar por alguém que esteja na embarcação. Uma vez dentro do barco, encontra cinco pessoas, duas mortas e três inconscientes. Enquanto isso, algures numa cabana de montanha, o sexto tripulante procura desesperadamente os diários desaparecidos da expedição a Svartenhuk do famoso meteorologista alemão Alfred Wegener  que podem ser a chave para a exploração de um minério raro e valioso e que está no meio de uma luta pelo controlo de uma empresa mineira. “À Flor da Água” há-de ter continuação - termina com o rapto de uma amiga especial do detective. E uma nova investigação começará. Como diz o autor, “quando a noite do Ártico dura quatro meses, o crime não conhece a sombra”.

 

image.png

MANUAL POP - Jack Antonoff é um produtor com pergaminhos na música norte-americana, premiado com vários Grammys e que trabalhou com nomes como Taylor Swift, Lana D’El Rey, St. Vincent e  Clairo, entre outros. Além desta actividade, Antonoff criou os Bleachers, o nome de uma banda virtual que na realidade é o disfarce para a sua carreira a solo. Jack Antonoff é um praticante exímio do pop com sofisticação e este terceiro álbum que assina sob o nome Bleachers, Take the Sadness Out of Saturday Night”, é prova disso mesmo. Admirador confesso de Springsteen, o Boss faz uma breve aparição na faixa “Chinatown” e um pouco mais adiante é a vez de Lana d’El Rey aparecer em “Secret Life”. Ao todo são dez faixas onde não cabe a monotonia, com arranjos por vezes surpreendentes, cordas abundantes que se entrelaçam com guitarra acústica. “Stop Making This Hurt,” “Don’t Go Dark” and “How Dare You Want More?” , “I Wanna Get Better” e “Don’t Take the Money”. O disco, o terceiro sob o nome Bleachers, é uma demonstração de composição e produção pop. Disponível em streaming.

 

UMA DESCOBERTA EM TAVIRA -  Perto da Igreja do Carmo, na Rua dos Fumeiros de Trás, na parte alta de Tavira, junto ao centro da cidade, fica o restaurante Ti Maria, uma casa de petiscos bem algarvios e com incursões noutras regiões portuguesas. A casa é simpática, o interior está decorado a partir de caixas de madeira de muitas marcas de bons vinhos e objectos diversos - nos períodos de confinamento o proprietário aproveitou para remodelar e melhorar o interior. À chegada, na mesa, estão umas boas azeitonas e um pão que podia ser mais tradicional e guloso. Na lista estão petiscos como cogumelos recheados com alheira de caça e linguiça picante, há um apreciado folhado de queijo de cabra, nozes, espinafres e mel, uma Tapinha do alto de São Brás que consiste em farinheira panada com espinafres, tomate  e maionese de pimentos ou ainda uma tábua de queijos. Este é um sítio para petiscar e foi o que fizémos: muxama da boa para começar, tempura de polvo bem temperada e para rematar atum braseado, envolvido em sementes de sésamo, peça de bom calibre, cozinhado no ponto certo e bem cortado, acompanhado por batata doce frita aos palitos. Dizem que a tempura de biqueirão também dá que falar. Aberto há pouco mais de três anos, o Ti Maria aproveitou - e bem - a situação actual para alargar a esplanada ao longo da parede do restaurante e, em frente, junto à Igreja do Carmo. Mas no interior também se está bem, o serviço é atento e simpático, equipa jovem atenta, eficaz e simpática, excelente lista de vinhos a preços decentes. Reservas pelo telefone 281 403 268.

 

DIXIT - “Não nascem portugueses em número suficiente, os imigrantes não querem cá ficar e os jovens portugueses sonham em ir-se embora” - João Miguel Tavares sobre os resultados do Censos 2021.


BACK TO BASICS - “Tacto é a forma de conseguir fazer vingar uma opinião sem criar inimigos” - Isaac Newton.

 







Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:00

MUITA CONVERSA E POUCA PARRA

por falcao, em 06.08.21

CC422977-D74B-4FC0-8929-A7782A6BC4F4.JPG

ELES FALAM, FALAM... - Tenho para mim que uma das razões para o descrédito cada vez maior dos políticos é a sua falta de capacidade para reconhecerem os erros, a forma como gostam de ocultar o que não conseguiram fazer, a maneira como sorrateiramente varrem para debaixo da mesa as falhas, atrasos, confusões e burocracias que impedem que as coisas funcionem. A maior especialidade dos políticos no activo é a arte de passar no meio de chuva evitando salpicos. Nem sempre foi assim:  já tivemos - e acredito que possamos voltar a ter - políticos sérios, honestos e frontais. Agora, de um lado ao outro do espectro, não se vislumbra nada disso a nível das primeiras figuras da maioria dos partidos e quando se desce no respectivo aparelho partidário a coisa geralmente agrava-se. Basta ver as contradições de ministros, os malabarismos e golpadas de dirigentes. Pior ainda é aquilo que o secretário geral adjunto do PS, José Luís Carneiro, esta semana veio dizer, atacando outros partidos por fazerem críticas ao governo e por procurarem “casos e casinhos”, que não são mais que as fugas à verdade e as manobras de ocultação em que muitos membros do actual executivo têm sido pródigos. Na política portuguesa tornou-se comum anunciar uma coisa que se esquece a seguir, proclamar verbas que depois não são gastas, confundir estratégia com propaganda. O nosso mal, na realidade , é o exemplo que vem de cima: muita conversa e pouca parra. Uma ilusão de ótica, no fundo.

 

SEMANADA - Quase 20% da população de Lisboa é estrangeira; 38% dos portugueses não têm recursos para passar uma semana de férias fora da sua residência habitual e na Europa a percentagem é de 28%; Portugal apenas conseguiu aproveitar 12% dos 102,7 milhões de euros de fundos europeus, que deviam ser geridos pelo Ministério do Planeamento,  destinados a serem aplicados no ambiente, crescimento azul (economia do mar), inovação,  igualdade de género, cultura e cidadãos ativos; o subsídio a cuidadores informais chegou a apenas um quinto dos candidatos; o número de nascimentos registados em Portugal no primeiro semestre de 2021 é o mais baixo dos últimos 33 anos; o Algarve tem agora o dobro dos desempregados ali registados há dois anos; no turismo, foram mais de 101 mil os empregos destruídos, entre o primeiro trimestre de 2021 e o período homólogo de 2020, mas os empregadores afirmam ter dificuldades em recrutar pessoal; o setor privado da saúde já emprega quase tantas pessoas como o SNS; segundo a OCDE 11,4 anos é o tempo que, em média, cada português demoraria a pagar uma casa de 100m2 com o rendimento disponível e sem recorrer a empréstimos; segundo a Centromarca a alimentação e as bebidas foram os sectores que registaram maior crescimento de vendas no primeiro semestre do ano, enquanto os produtos de limpeza caseira e de higiene e beleza observaram uma quebra assinalável.

 

O ARCO DA VELHA -  Na cadeia de Leiria um grupo de reclusos, familiares e funcionários civis utilizou durante meses o automóvel do director do estabelecimento prisional, sem o conhecimento deste, para introduzir droga e telemóveis na prisão, escondidos no forro do guarda lamas do veículo.

 

L9998369 - cópia.jpg

FOTOGRAFIA DE GUERRA - Ao contrário do que aconteceu com outros conflitos do século XX, a guerra colonial portuguesa teve um reduzido registo fotográfico - à excepção de alguns repórteres estrangeiros, poucos, e dos serviços das Forças Armadas portuguesas que tinham essa função documental. No entanto, se compararmos com a guerra do Vietname, para não irmos mais longe, o que existe relativo à guerra na Guiné, Angola ou Moçambique é muito pouco. Augusta Conchiglia, uma repórter italiana entrou clandestinamente em Angola para, com Stefano de Stefani, reportar a luta em curso. Até Setembro desse ano, guiados pelos guerrilheiros do MPLA, percorreram centenas de quilómetros nas zonas libertadas.  É um dos raros registos fotográficos feito do lado dos guerrilheiros e não das Forças Armadas portuguesas. Conchiglia tirou milhares de fotografias, das quais parte foi publicada em 1969 no livro  “Guerra di Popolo in Angola”. Agora uma parte importante desse trabalho pode ser vista na exposição “Augusta Conchiglia nos Trilhos da Frente Leste - Imagens (e Sons) da Luta de Libertação em Angola”, que estará até finais de Dezembro no Museu do Aljube Resistência e Liberdade (Rua de Augusto Rosa 42). Com curadoria de Maria do Carmo Piçarra e José da Costa Ramos, a exposição apresenta imagens do primeiro álbum fotográfico da autoria de alguém exterior às partes do conflito, fotografias que se tornaram símbolos da luta de libertação contra o colonialismo em Angola. Na imagem aqui reproduzida Augusta Conchiglia está ao lado de Iko Carreira, um dos comandantes militares do MPLA mais próximos de Agostinho Neto. Outra sugestão fotográfica, desta vez a norte é a exposição “My Mind is a Cage” de Roger Ballen. Esta exposição foi projectada expressamente para o Centro Português de Fotografia e parte do desejo de Roger Ballen em apresentar uma obra nas distintas celas do edifício da Antiga Cadeia e Tribunal da Relação do Porto,  criando um imaginário em que as celas da Cadeia da Relação surgem como quartos de prisioneiros que albergam as várias séries de imagens do autor. A curadoria é de Ângela Ferreira e a exposição decorre até 10 de Outubro.

 

A Absolvição.jpg

UM POLICIAL DIFERENTE- “A Absolvição” é o terceiro volume da série «DNA», de Yrsa Sigurdardóttir, uma islandesa que tem escrito notáveis policiais. Esta série – iniciada com “O Legado”, teve continuação em  “Abismo” e continua agora com “A Absolvição”. A série, e o livro,  tem como protagonistas o investigador criminal Huldar e a psicóloga Freyja, que neste policial  são chamados a investigar uma morte cujos preliminares violentos foram divulgados numa rede social - o assassino filmou o que fez - e como fez - e enviou o vídeo aos contactos do telemóvel da vítima, via Snapchat. Ninguém compreendia a razão do crime, tanto mais que a vítima, Stella, era tida como uma rapariga boa e encantadora. Ao longo da investigação Huldar e Freya começam a descobrir quem  tivesse sofrido às suas mãos, sendo por ela perseguido, ameaçado e destruído, numa espiral de bullying. O crime repete-se, com outro jovem desaparecido e novo vídeo é  posto a circular da mesma forma - e depois percebe-se que o novo assassinato tem também a ver com bullying. A Absolvição, de Yrsa Sigurdardóttir, é uma história de suspense sobre o lado negro das redes sociais, com um foco intenso no exame do bullying – que inclui problemas de isolamento, suicídio, acompanhamento profissional e inépcia na sua prevenção como a crítica internacional tem referido. Yrsa Sigurdardóttir, 57 anos, vive com a família em Reiquejavique e é diretora de uma das maiores empresas de engenharia da Islândia. Escreve policiais nas suas horas vagas.

 

image.png

PRINCE EM PROTESTO - O novo “Welcome 2 America” é o terceiro álbum póstumo de Prince a surgir desde a sua morte, em 2016, mas é o primeiro que é integralmente constituído por material inédito. Tratam-se de 12 canções, descobertas pelo arquivista do músico, Michael Howe, gravadas em 2010, antes de uma das suas últimas digressões. No entanto nessa digressão, que teve por título “Welcome 2 America”,  Prince não interpretou ao vivo nenhum dos temas deste álbum, que por alguma razão resolveu manter escondido até à sua morte, nunca regravando nenhum desses temas. A gravação, com uma produção ao bom nível a que Prince habituou, incluía além do autor, o baixista Tal Wilkenfeld e o baterista Chris Coleman. O álbum surge como um disco conceptual, em que todas as canções assumem uma atitude de protesto e de crítica, sobre temas que vão de impostos à tecnologia, passando pelo estado da indústria discográfica, drogas ou religião. É algo inédito Prince apresentar-se como um cantor de protesto, mas é isso que o disco mostra. Como “The Guardian” fez notar, este trabalho está longe de ser um registo de referência de Prince e alguma razão há-de ter existido para o próprio o ter mantido na prateleira. A favor do disco joga a coerência musical do trio, que se impõe com uma sonoridade enérgica. Mas de facto o conteúdo, ao longo dos 54 minutos de audição, nunca chega a descolar e muitas vezes mesmo a prestação musical de Prince revela um certo enfado com as palavras que canta - e que escreveu. Prince a abordar temas sociais e políticos é algo estranho e sente-se como ele próprio estava desconfortável. Tratou-se de um desabafo, que ele escondeu. Um trabalho apenas para coleccionadores.


A PROPÓSITO DA ACELGA -    Não gosto muito de restaurantes da moda - mas esta semana fui a um que reconheço ter-me cativado. Trata-se do Memória, em Campo de Ourique. O Memória trabalha sobre a cozinha italiana, mas com competência e boa matéria prima. O sítio é agradável, com um amplo espaço ao ar livre, um pátio interno do prédio onde está localizado. Além das entradas costumeiras, há uma burrata com presunto e figo, bem temperada, que animou parte da mesa onde eu estava, na altura entretido a beber um competente Aperol enquanto havia quem se regalasse com um prosecco. O menu oferece massas frescas com sugestões pouco habituais mas que satisfizeram, como uns pappardelle com ragú de coelho - quem quiser tem esparguete com trufas ou gnocchi de beterraba com acelgas. Há cuidado na escolha de ingredientes mediterrânicos e na combinação de sabores. Na área das pizzas, com massa fina, destaque para a que incorpora presunto e figos com mozzarella fior di latte e para a de anchovas e acelgas com mozzarella de búfala. Há mais de uma dúzia de propostas de pizza, incluindo vegetarianas. Nas sobremesas o tiramisu e a tarte tosca com cerejas deram muito boa conta do recado. A lista de vinhos inclui algumas propostas italianas de várias regiões, a preços decentes - a escolha da mesa recaíu num branco siciliano, Zabú Grillo, que também pode ser servido a copo. Há também vinhos portugueses, entre os quais um bom e inesperado Venâncio da Costa Lima branco. Apesar da casa cheia, o serviço funcionou bem. O Memória fica em Campo de Ourique, Rua 4 de Infantaria 26A, no Jardim da Parada, telefone 210998366.

 

DIXIT -  “Tenho vergonha de ter meia dúzia de cursos em que um estudante com 18 valores não entra. Estamos a torturar os nossos adolescentes com esta competitividade”  - António Cruz Serra, Reitor da Universidade de Lisboa.

 

BACK TO BASICS - “A vantagem de ter má memória é que podemos saborear as coisas boas várias vezes como se fossem novidade” - Friedrich Nietzsche.

 




Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:00

TUDO À ESPERA NÃO SE SABE DO QUÊ

por falcao, em 30.07.21

R0002396.jpg

UM PAÍS PARALISADO - Não me lembro, à excepção do antigamente, de um tempo tão insípido em matéria política como este que atravessamos. Dei comigo a seguir o debate sobre o estado da nação, que decorreu no Parlamento, e a pensar que temos um Governo que só pensa em manter o poder a qualquer custo, de preferência sem nada construir, e uma oposição que desistiu de o conquistar e é efectivamente inexistente. Daqui a uns anos veremos como António Costa imobilizou o país com o único objectivo de manter o poder para si e os seus, e como Rui Rio foi pernicioso, comportando-se como um aliado objectivo do imobilismo atávico do Partido Socialista, não tendo pejo em tornar o PSD cúmplice da ausência de estratégia para o desenvolvimento do país. O espectáculo dado também por estes dias no Parlamento, a propósito do relatório sobre o Novo Banco ou das manobras do PS para impedir a audição do Ministro Cabrita, são mais uns momentos lamentáveis que só servem para desacreditar a política. Não posso deixar de estar de acordo com a deputada Mariana Mortágua quando, a propósito do Novo Banco, ela acusou o PS de não suportar ser criticado. Vivemos num país onde se instalou um clima politicamente pantanoso baseado numa geringonça cada vez mais desarticulada, um país onde o Governo não quer mudar nada e fazer o menos possível, um Governo economicamente sem ambição, que nos colocou na cauda da europa, ultrapassados pelos países de leste numa série de indicadores. Temos uma ausência de protagonistas com energia e competência para provocar uma mudança, não há oposição à vista capaz de criar uma alternativa a este regime de degradação económica,  social e política. Vivemos ao sabor das necessidades conjunturais, condicionados por calendários eleitorais e manobras de bastidores. Há 150 anos Antero de Quental apontou de forma certeira o que caracterizava a nossa decadência e, infelizmente, continua certo no essencial do diagnóstico, adaptado a estes tempos que vivemos: condicionamento da inovação e de reformas do Estado, forte concentração de poder e limitado controle desse poder,  economia com fraco desenvolvimento industrial e reduzido estímulo ao empreendedorismo.

 

SEMANADA - Um relatório da Comissão Europeia tirou Portugal do grupo dos estados fortemente inovadores depois de o país ter caído sete lugares no ranking da inovação; Portugal é um dos poucos países da Europa que ainda não tem rede móvel de 5G;  a mortalidade por Covid-19 em Portugal  é actualmente quase seis vezes superior ao valor médio da UE; José Sócrates publicou um artigo de opinião em defesa de Luís Filipe Vieira e de Joe Berardo; o PS não aceitou as alterações ao relatório sobre o Novo Banco, aprovadas por todos os outros partidos parlamentares, que responsabilizam o Governo e Mário Centeno sobre os termos em que o banco foi vendido; um relatório de um organismo independente divulgado esta semana indica que a gasolina em Portugal é a 5ª mais cara da Europa e a carga fiscal que sobre ela incide significa 60% do seu preço de venda; brasileiros e israelitas são as duas nacionalidades no topo das 149 mil pessoas que obtiveram cartão de cidadão português em 2020; segundo as conclusões preliminares do Censos 2021 a população residente em Portugal encolheu em 214.286 pessoas ao longo da última década, uma queda de 2%, para 10.347.892 e nos últimos dez anos, acentuou-se o padrão de “litoralização e concentração da população junto da capital”, sendo que só o Algarve e Área Metropolitana de Lisboa registaram um crescimento da população e em sentido inverso, o Alentejo registou o “decréscimo mais expressivo”.

 

O ARCO DA VELHA - O PS inviabilizou a ida urgente de Cabrita e de Medina à Assembleia da República, para responderem aos deputados a propósito do relatório sobre os festejos do Sporting.

 

image (1).png

ARTE NA PRAIA - Na Casa da Cultura da Comporta pode ver uma exposição temporária (na imagem) que três galerias brasileiras montaram com 36 artistas contemporâneos brasileiros, como Alexandre da Cunha, Cildo Meireles, Erika Verzutti, Ernesto Neto, Kim Lim, Leonor Antunes ou Tadáskía. Intitulada “O Canto do Bode” a exposição abriu nos últimos dias de junho e mantém-se até ao fim de agosto, com renovação de peças já neste fim de semana. A exposição nasceu da colaboração entre a Fortes d’Aloia & Gabriel, galeria fundada há duas décadas em São Paulo e outras duas galerias igualmente paulistas - a quase cinquentenária  Luísa Strina, e a Sé Galeria, surgida há sete anos.  Outras sugestões, agora viradas para novos artistas portugueses: na Sociedade Nacional de Belas Artes, abriu a exposição de finalistas de Pintura da Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa dos anos 2018-19 e 2019-20. A exposição, que tem curadoria de Elaine Almeida, pode ser vista até 21 de Agosto e apresenta trabalhos de mais de meia centena de novos artistas, como Francisco Timóteo, Beatriz Chagas, João Massano, Bárbara Faden, Clara Bolota ou Hugo Cubo Gonçalves, entre muitos outros. Por último no Projecto Travessa da Ermida pode ver a segunda edição dos prémios de pintura  “alunos da fbaul na ermida”, resultante do protocolo estabelecido entre o Projecto Travessa da Ermida e a Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa, com seis artistas em exposição: Ana Moraes, Lúcia Fernandes, Maria Máximo, Maryam Baydoun, Matheus Novaes e Olavo Costa.

 

image (3).png

A REDEFINIÇÃO DA CULTURA EUROPEIA - “Novo Mundo - Arte Contemporânea no Tempo da Pós-Memória”, de António Pinto Ribeiro, investigador do Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra,  é um livro sobre obras e sobre artistas que praticam diversas linguagens e géneros artísticos - do cinema à música, das artes visuais ao teatro, à dança e à fotografia. Têm em comum memórias que lhes foram transmitidas pelos pais e avós de origem africana, memórias que constituem hoje parte da matéria das suas obras. O livro foi escrito no contexto do projecto de investigação “Memoirs - Filhos do Império e Pós-Memórias Europeias”, O projecto mapeou artistas das segundas e terceiras gerações de afrodescendentes, nomeadamente na Bélgica, em França e Portugal. António Pinto Ribeiro sublinha que estes artistas "redefinem a cultura europeia” e “são os protagonistas de uma visão transnacional das artes, tendo um papel incontornável no cosmopolitismo europeu do século XXI”.  Actualmente, sublinha,  abrangem duas gerações de artistas que protagonizam muito do que é pertinente, ousado, expressivo e crítico nas artes europeias contemporâneas. No livro são apresentados treze artistas de diversas nacionalidades e descendências, desde as realizadora Amalia Escriva ou Margarida Cardoso até ao músico Dino d'Santiago, passando pelo fotógrafo Délio Jasse ou o artista plástico John K. Cobra. 

 

image (2).png

ONDA DE CALOR - Há música para as estações do ano? Esta é uma velha dúvida, muitas vezes suscitada pelas canções de Verão. As baladas estivais foram cedendo caminho a outras músicas, muitas vezes mais ligadas às pistas de dança e aos entardeceres ritmados. Um dos casos que vale a pena conhecer nesta área é a série de trabalhos Astralwerks, editados pela Blue Note. Nas plataformas de streaming já está disponível mais um EP da série,  o “Bluewerks Vol.3: Heat Wave”. Ali estão oito temas, no total com menos de 20 minutos de satisfação garantida. A receita não difere muito dos dois primeiros capítulos desta aventura - pop Lo-Fi, que se desenvolve entre percussões e um instrumental  com influências do jazz. Bluewerks acaba por ser uma colectânea do trabalho de produtores como Maple Syrup, Burrito Brown e Leaf Beach, entre outros. O título da compilação, “Heat Wave”, não esconde ao que vem - sons refrescantes, apesar de um Verão que tarda em chegar. Se os produtores tivessem trabalhado em Portugal e sentissem os incontornáveis ventos das nossas tardes e a frescura que ele traz podia ser que isso também acabasse reflectido na música. O meu destaque vai para “Sunbean”, onde Maple Syrup combina sintetizadores com percussões electrónicas, mas também para o inspirador “Siesta” ou o sereno “Mazinger High”.

 

image.png

A COMIDA -  Hoje em vez de falar de um restaurante ou sugerir uma receita vou falar de uma revista, uma edição muito especial da “Electra”, editada pela Fundação EDP. Este número 13 da revista, é dedicado à Comida: “Os alimentos recuperaram a sua função sagrada. Os res­taurantes são lugares de culto. Os chefs e as suas cozinhas de autor são dos mais famosos ídolos do nosso tempo. As estrelas Michelin têm o prestígio dos títulos nobiliárquicos, das canonizações religiosas, dos prémios literários, dos óscares do cinema ou das taças do desporto”, lê-se no editorial da revista. Destaques: o historiador francês Patrick Rambourg descreve o nascimento do restaurante no século XIX e seu posterior desenvolvimento; “É muito mais difícil ser um expert em Bach do que em cozinha” é o titulo da entrevista de Alexandra Prado Coelho ao sociólogo brasileiro Carlos Alberto Dória; Christopher Kissane, reflecte sobre como a história da alimentação, na Europa, se liga à sua história política; Lisa Abend debruça-se sobre a figura do chef, tal como ela se foi construindo socialmente a partir dos anos 90 do século passado, até atingir a condição de celebridade; Alexandra Prado Coelho, coloca a questão do critério moral na alimentação, e dos valores  que projectamos naquilo que comemos; Carolyn Steel, escreve sobre o mundo como lugar moldado pela alimentação; e o historiador Thomas Macho reflecte sobre o tema da alimentação  a partir da obra cinematográfica de Pasolini. Por último destaco a excelente edição fotográfica deste número: a “Electra” convidou a Agência Magnum a colaborar neste dossier, através de seis dos seus fotógrafos, que, em vários lugares do mundo, criaram imagens originais sobre a alimentação e a comida:  Alex Webb ( EUA), Jacob Aue Sobol (Dinamarca), Cristina de Middel (México), Gueorgui Pinkhassov (Rússias), Martin Parr (Reino Unido),  e Lindokuhle Sobekwa (África do Sul). Mas como nem só de comida vive o ser humano,  no centenário do nascimento de Clarice Lispector, a “Electra” publica um ensaio que desvenda uma face pouco conhecida desta grande escritora brasileira de origem ucraniana: a da sua relação pouco evidente  com a política. 

 

DIXIT - “A mais terrível das impotências não é querer e não poder - é poder e não querer. E é esta impotência que se exibe diariamente à nossa frente” - João Miguel Tavares 

 

BACK TO BASICS - “Um comité é um saco fechado onde se agitam ideias que depois são ignoradas” - Sir Barnett Cocks

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:00

O NOVO CRITÉRIO DE VOTO

por falcao, em 23.07.21

BBDC1EE1-EC6E-4C10-8C43-2F38B0392F5A.JPG

A CAMPANHA AUTÁRQUICA - Daqui a dois meses vamos ter eleições autárquicas. Este ano tudo se passa numa conjuntura inédita: no final de Setembro, quando votarmos, teremos ano e meio de vivência da pandemia de Covid-19 e, pela primeira vez, existe um novo critério de análise do trabalho feito pelos autarcas. Este ano não basta olhar para as obras públicas, para as rotundas ou os jardins. Não basta ver que promessas foram feitas na campanha de há quatro anos e quais as que não foram cumpridas. Não basta ver ilegalidades e atentados à privacidade. Este ano há um critério muito objectivo, que deve ser analisado em cada caso: como é que cada autarca lidou com a pandemia? Foi rápido a tomar decisões e a criar formas de auxílio às populações? É preciso saber se os autarcas tiveram iniciativa própria ou se estiveram à espera de instruções; se alocaram meios rapidamente ou se esperaram por decisões do Governo. Já se sabe que em Lisboa Fernando Medina andou aos zigue-zagues durante tempos demais, à espera que o seu amigo António Costa lhe indicasse o caminho. Esteve desaparecido durante demasiado tempo no início da pandemia. Nas acções e nos meios disponibilizados é enorme o contraste com o que autarcas como Isaltino de Morais em Oeiras ou Carlos Carreiras em Cascais fizeram, reagindo de forma rápida e criativa, disponibilizando recursos humanos e materiais e promovendo desde muito cedo acções concretas. Infelizmente não foi isso que se passou na capital, onde tudo demorou a acontecer. A análise do que se passou em cada local no combate à pandemia e no apoio às populações é a pedra de toque que deve decidir quem tem razões para continuar ou quem não merece mais a confiança dos eleitores. 

 

SEMANADA - Uma sondagem publicada esta semana indica que Rui Rio apenas convence um quarto dos votantes em eleições legislativas; a popularidade de António Costa e de Marcelo Rebelo de Sousa caíu a pique no último mês; outra sondagem indica que 81% dos portugueses desejam uma remodelação do Governo e Eduardo Cabrita é o Ministro cuja saída é mais desejada; no primeiro semestre do ano os portugueses fizeram 4,8 mil milhões de euros de compras em supermercados; um estudo publicado esta semana indica que a pandemia provocou a perda de 16 mil postos de trabalho na área do desporto e a redução de 110 mil praticantes federados; no último mês as faixas etárias mais novas registaram mais de 31 mil casos de COVID-19 e a faixa entre os 0 e 9 anos registou mais casos que a faixa entre 0 e 59 anos; o PS, o BE e o PAN aprovaram facilitar o acesso do Ministério Público a mensagens privadas; o Ministério da Administração Interna divulgou o relatório sobre as celebrações da vitória do Sporting no Campeonato, mas rasurou diversas partes, deixando uma série de questões por esclarecer; 51% das pessoas com doutoramento em Portugal são mulheres; a CP está a suprimir comboios por falta de maquinistas; o relatório da comissão parlamentar ao Novo Banco afirma que a supervisão do Banco de Portugal falhou; a  investigação a Manuel Pinho, que vai ser interrogado dia 30 por suspeitas de corrupção concluiu que o ex-ministro de José Sócrates terá alegadamente recebido 3,57 milhões de euros do Grupo Espírito Santo através de quatro offshores.

 

O ARCO DA VELHA - O carro do Ministro do Ambiente foi sinalizado, no mesmo dia, a mais de 160 km/h numa estrada nacional e a mais de 200 km/h numa auto-estrada, sem luzes de emergência ligadas. Em resposta o Ministro disse que não era ela que ia a conduzir e não se apercebeu. E diz que já recomendou ao seu motorista para não andar em excesso de velocidade.

 

IMG_0785.jpg

A IMAGEM - “Vertigo” é o nome da nova exposição do Centro de Artes Visuais de Coimbra, uma mostra que percorre a colecção, baseada nos Encontros de Fotografia. Com curadoria de Ana Anacleto a exposição fica patente até 12 de Setembro e inclui obras de mais de 60 fotógrafos portugueses e estrangeiros, ilustrativa da que é uma das mais relevantes colecções de fotografia portuguesas, criada graças à iniciativa de Albano da Silva Pereira que lançou e desenvolveu os Encontros de Fotografia de Coimbra. Bernard Plossu, Boyd Webb, Daniel Blaufuks, Edgar Martins, Henri Cartier-Bresson, Inês Gonçalves, Joan Fontcuberta, Jorge Molder, Neal Slavin, Walker Evans, Robert Frank e  Paulo Nozolino são apenas alguns dos nomes representados, assim como António Júlio Duarte cuja imagem, “Ilustração Científica” acompanha esta nota. Permanecendo na fotografia recomendo que até dia 24 vejam os novos trabalhos de José Pedro Cortes na exposição “Corpo Capital” na Galeria Francisco Fino, em Lisboa. Ainda na fotografia, na Faculdade de Belas Artes de Lisboa, mediante marcação prévia, pode ver “Os Arquivos Fotográficos da Década de 30”. A exposição mostra uma colecção preservada pela instituição que abrange imagens de obras de arte, fotografias de trabalhos de alunos e sobretudo cerca 450 fotografias do artista português Eduardo Portugal. Para sair da fotografia uma sugestão final: no atelier-museu Júlio Pomar pode ser vista a exposição “Os Livros de Júlio Pomar”, com curadoria de Mariana Pinto dos Santos. Pomar dizia que arte e literatura são coisas indissociáveis e ao longo da sua vida fez capas de livros, ilustrações para diversas edições e fez obras inspiradas pelas leituras que foi fazendo.

 

Lugares Distantes - Andrew Solomon (1).jpg

VIAJAR NUM LIVRO - Estamos naquele ponto em que nos apetece voltar a viajar, conhecer lugares novos, revisitar preferências, ir à descoberta ou à memória. Mas, como o fim de semana passado infelizmente mostrou, viajar para paragens longínquas, que exijam avião, é ainda um martírio. O efeito combinado da pandemia com o laxismo de empresas como a TAP, a Groundforce e a inoperância do Governo em toda esta questão, produziram um efeito explosivo. De maneira que enquanto as águas não sossegarem, resta-me meter no carro e andar o que puder ou então, enquanto isso não acontece, pegar em literatura de viagens e ir lendo o que não posso fazer. A minha proposta desta semana é “Lugares Distantes”, do norte-americano Andrew Solomon, escritor e psicólogo com vasta obra publicada, nomeadamente, além deste  “Lugares Distantes”, “Um Crime da Solidão”, “Longe da Árvore” e “O Demónio da Depressão”, que recebeu o National Book Award em 2001. Na introdução a “Lugares Distantes”, Francisco José Viegas que coordena a colecção “Terra Incógnita” onde o livro saíu, afirma: “Viajar  é o oposto da depressão. A depressão é enroscar-se para dentro e viajar é abrir-se ao  exterior”, sublinhando que Solomon  “escreve para viajantes que perseguem o espírito de curiosidade e  abundância de desconhecido”. Neste livro Andrew Solomon dá-nos a conhecer as noites em Moscovo em 1991, a violência na Líbia, a obsessão pelo corpo no Brasil, as paisagens e o silêncio da Mongólia, a comida e a arte na China.Termino com uma frase de Andrew Solomon: “Um viajante  não se pode dar com as outras pessoas fingindo ser exatamente como elas são; mas pode  dialogar sobre as suas diferenças, deixando de parte a suposição de que o seu modo de  vida é preferível ao delas”. Boas leituras, boa viagem.

 

image.png

QUANDO O JAZZ VAI AO ROCK - Esta nota de hoje é dedicada aos fãs dos Grateful Dead, esse mítico grupo de rock onde pontificava o grande Jerry Garcia e que criou uma legião de fãs e uma cultura muito própria. Dave McMurray é um saxofonista de jazz com fortes raízes no rock e na pop e que começou a sua carreira nos Was (Not Was), um grupo rock criado na zona de Detroit nos anos 80. Anos mais tarde, Don Was, um dos fundadores do grupo, tornou-se responsável pelo catálogo da Blue Note, uma das mais importantes e históricas editoras de jazz. Agora, Don Was foi buscar McMurray, o saxofonista que com ele tocou tantas vezes. E McMurray, que esteve também ao lado de nomes como B.B.King, Bob Dylan, Iggy Pop, Patti Smith, Albert King ou Herbie Hancock, entre muitos outros, propôs-lhe fazer um disco apenas com versões de temas célebres dos Grateful Dead, em versão marcadamente jazzy. A coisa não é mal pensada - Os Dead foram um dos grupos rock mais dados à improvisação, portanto há pontos de contacto. Assim nasceu “Grateful Deadication”, o álbum agora editado pela Blue Note. McMurray transformou clássicos dos Grateful Dead como “Fire On The Mountain”, “Dark Star”, “Touch Of Grey” (com a colaboração vocal de Herschel Boone)  ou “Franklin’s Tower” e chamou para seu lado Bettye LaVette, Bob Weir e Wolf Bros para uma versão soberba de “Loser”.  Ao todo são dez temas do Grateful Dead, aqui trabalhados de forma inesperada. Disponível nas plataformas de streaming.

 

PETISCOS À BEIRA DA ESTRADA -  Confesso que não conhecia Porto de Mós mas esta semana passei por lá, descobri um castelo de formas e cores inesperadas, li sobre a tão antiga história da vila e gostei da paisagem à volta. Por mero acaso decidi almoçar num restaurante nos arredores da Vila, a Cova da Velha. Uma casa tradicional bem conservada, sala ampla, sóbria e confortável. Ao almoço há uma lista que muda todos os dias e que inclui entradas, sopa  uma das cinco possibilidades de prato principal, uma delas vegetariana, e uma sobremesa. As entradas eram umas boas azeitonas, salada de grão e um queijo fresco temperado com ervas e azeite, devidamente acompanhado por pão caseiro e uma broa bem saborosa. A sopa era de legumes mas decidi embarcar logo no prato principal e escolhi umas espetadinhas de vitela em pau de louro, que vinham acompanhadas por umas batatas aos gomos bem cozinhadas e uma sala de tomate muito bom. Ainda estive hesitante em escolher o misto de peixe frito com arroz de tomate, mas caí na tentação da carne e não me arrependi. As sobremesas vêm num tabuleiro com doces regionais e optei por um leite creme queimado, saboroso e na consistência certa.O vinho, a copo, foi o Arqueiros, da Cooperativa da Batalha, que deu boa conta do recado. O serviço é muito atento e simpático e o Cova da Velha obteve já um primeiro prémio de melhor ementa numas jornadas gastronómicas promovidas pelo município de Porto de Mós. Ao jantar a ementa muda, mais opções de escolha, como uma raia braseada com  arroz de legumes ou umas costeletas de borrego com uma vinagreta de hortelã. Aqui está um restaurante para colocar nos roteiros. Cova da Velha, Rua António Santos Major,1, Porto de Mós. Telefone 244482052.

 

DIXIT - “Eduardo Cabrita continua a ser o grande abcesso político do Governo” - Marques Mendes.

 

BACK TO BASICS - “Cuidem de uma figueira como deve ser e quando envelhecerem poderão sentar-se a descansar à sua sombra” - Charles Dickens

 




Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:00

PERVERSIDADES POUCO DESPORTIVAS

por falcao, em 16.07.21

8233F234-6F1F-40FE-A58F-22D9FBC85C4B.JPG

O FUTEBOL DA POLÍTICA  - A semana passada foi marcada pelo caso das aventuras de Luís Filipe Vieira no Benfica. A justiça, se tiver tempo,  vontade e possibilidade, apurará as culpas que existam. Mas a verdade é que há muito se acumulavam sinais de que alguma coisa não ia bem no Benfica, em geral, e com os negócios de Luís Filipe Vieira em particular. Ora num cenário destes de suspeitas públicas seria natural que os políticos, sobretudo os que estão em exercício de funções, se abstivessem de ser parte activa nos processos eleitorais dos clubes e no envolvimento, directo ou indirecto, na vida dos clubes. Podem ser adeptos sem serem coniventes, no fundo é isso. Na prática a coisa funciona como um mecanismo de troca: eu faço parte da tua comissão de honra de candidatura, tu depois farás da minha ou dirás umas palavras simpáticas a meu respeito. E foi assim que António Costa e Fernando Medina, entre outros, se perfilaram, ufanos, nas falanges Vieiristas. No final do ano passado António Costa integrou a Comissão de Honra de Vieira e confontado com o facto de estar a dar um apoio político a quem já estava sob algemas suspeitas em negócios, afirmou, muito solenemente, que o apoio que dava a Vieira não tinha nada a ver com a sua função, era um apoio a quem entendia ser melhor para a direcção do clube de que é adepto. Ficamos assim a saber que António Costa considerava Luís Filipe Vieira idóneo e muito capaz para gerir o seu clube. Na altura o presidente da associação cívica Transparência e Integridade, João Paulo Batalha, fez esta declaração: “O que fica por perceber é porque o primeiro-ministro e o presidente da Câmara Municipal de Lisboa aceitam este papel. Mas não podemos esquecer que, nas candidaturas de ambos às autárquicas de Lisboa, tiveram o apoio de Vieira.”, acrescentando que este cenário passa “uma mensagem péssima de promiscuidade completa entre política e futebol, desporto que tem estado envolvido em vários casos de corrupção”. Agora, Medina, foi o primeiro a abandonar o barco de Vieira, manifestando a sua total surpresa pelo sucedido. Dá para acreditar nesta gente?

 

SEMANADA - Um quarto dos infectados com Covid-19 não é rastreado; a maioria dos cerca de 19 mil casos de Covid-19 registados em Portugal na semana passada foram detectados em jovens, mas a incidência também aumentou nos mais idosos e havia 18 surtos activos em lares de terceira idade; domingo passado registaram-se 57 internamentos devido a Covid-19, o pior aumento desde 8 de fevereiro; segundo a OCDE a economia portuguesa é das que mais travam na União Europeia com a nova vaga da pandemia; os testes gratuitos ao Covid prometidos pelo Governo estão a falhar no terreno devido a um problema informático do Ministério da Saúde; nos últimos anos foram apreendidos 184 milhões de euros em dinheiro vivo, detectados no decorrer de várias investigações policiais; segundo o Instituto Nacional de Estatística em 2020 apenas 15 dos 308 concelhos do país registaram mais nascimentos do que óbitos e no total registaram-se 84 mil nascimentos e morreram mais de 123 mil pessoas; o antigo responsável da protecção de dados da Câmara Municipal de Lisboa, exonerado por Medina, afirmou que só soube do envio de informação sobre os manifestantes às embaixadas quando lhe chegou uma queixa sobre o assunto, a que deu razão, com conhecimento disso ao gabinete do presidente, solicitando outro procedimento, que nunca foi tomado. 

 

O ARCO DA VELHA -A juíza a quem foi atribuído, por sorteio, o julgamento de José Sócrates e de Carlos Santos Silva declarou-se incompetente e devolveu o processo a Ivo Rosa, que também se declarou incompetente. Em resumo: não se encontra quem queira pegar no caso, cujo julgamento foi por isso mesmo mais uma vez adiado.

IMG_0777.jpg

UMA NOVA COLECÇÃO DE FOTOGRAFIA - O Museu do Neo Realismo, em Vila Franca de Xira, dirigido por Raquel Henriques da Silva, está a organizar uma colecção internacional de fotografia, com orientação de Jorge Calado, colecção que  leva o título “A Família Humana”, uma evocação da mítica  exposição “The Family Of Man”, que em 1955 abriu as portas do Museum Of Modern Art em Nova Iorque à fotografia, pela mão de Edward Steichen. “A Família Humana”, do Museu do neo Realismo, está centrada em obras dos anos 50 e 60 e conta já com imagens de 175 artistas de 25 nacionalidades, que fotografaram 60 países nos cinco continentes. Na primeira exposição desta colecção, que agora pode ser vista no Museu até final de Maio de 2022, mostra-se cerca de um terço da colecção. Na imagem está a fotografia do cartaz da exposição, realizada por Fons Iannelli no Kentucky em 1946. “Ponham-se duas imagens ao lado uma da outra - num livro ou numa parede - e começa um diálogo. Cabe-nos a nós, leitores e observadores, escutá-lo e entrar na conversa - escreve Jorge Calado na apresentação da exposição de que é curador, sublinhando que “fotografar é decidir o que se mostra e o que se ignora”. O Museu do Neo Realismo fica na Rua Alves Redol 44 em Vila Franca de Xira, encerra às segundas e abre nos outros dias entre as 10 e as 18. 

Capa Plano Atlas_Medio Oriente_300dpi.jpg

O MÉDIO ORIENTE - Este livro é um precioso auxiliar para compreendermos a História do Médio Oriente, a mais escaldante região geográfica de conflitos do mundo contemporâneo. O Atlas Histórico do Médio Oriente, do historiador  Florian Louis e do geógrafo Fabrice Le Goff, leva-nos a um dos berços da nossa civilização, palco de criações humanas que viriam a tornar-se universais, da agricultura à escrita, passando pelo monoteísmo. O livro reúne mais de cem mapas e documentos que sublinham as realidades plurais deste centro nevrálgico da geoestratégia mundial desde 12 000 a. C. até à actualidade, da Suméria ao Daesh, da invenção da sedentariedade, da agricultura e da cidade à Primavera Árabe, do Egipto faraónico à questão palestina.  O autor começa por explicar que mais do que «berço» da civilização, o Médio Oriente foi «leito conjugal» da civilização, tendo em conta que se assumiu como um ponto de confluência de povos, culturas e influências que permitiram revolucionar a Humanidade. Esse destino singular, defende Florian Louis, deve-se sobretudo à posição de charneira daquele lugar em relação aos continentes africano, asiático e europeu e aos mares mediterrâneo e vermelho. Para o autor «o Médio Oriente não é um facto natural, mas sim cultural. Não é um dado anterior à história da qual foi palco, mas o resultado desta.” A edição é da Guerra & Paz. 

 

image.png

GIPSY JAZZ  CONTEMPORÂNEO - Há sonoridades que ficam na memória. Ainda me lembro da primeira vez que ouvi o resultado do encontro entre o grande guitarrista romeno Django Reinhardt e o violinista francês Stéphane Grapelli. Foi assim que nasceu aquilo a que se viria a chamar Gipsy Jazz. Fresca, arrebatadora, ritmada, a chamar à dança e ao encontro dos corpos, a sonoridade de Django e Stéphane marcou gerações de músicos que foram continuando esse percurso. Um deles é Fapy Lafertin, um romeno que aprendeu a tocar guitarra aos cinco anos e que hoje já tem vários discos gravados, quer em quinteto, quer em quarteto, como este novo “Atlântico”. Os seus três companheiros nesta aventura, sobretudo o violinista Alexandre Trípodi, acompanham-no na perfeição. Lafertin é um virtuoso que usa a sua técnica para interpretar com emoção, percorrendo neste álbum paisagens musicais de várias geografias. Mas quando faz estas incursões, tem um cuidado especial em evitar clichês ou virtuosismos gratuitos. Há uma razão para isto: gerações de músicos romenos absorveram muitos géneros musicais nas suas errâncias pelo mundo e há-de ser essa a razão pela qual o quarteto toca uma valsa húngara, um standard de Cole Porter, uma balada de Sacha Distel ou uma melodia brasileira tocada numa guitarra portuguesa de 12 cordas, tudo sempre com à vontade. Este tema com a guitarra portuguesa chama-se “Pixinguinha em Lisboa” e é arrebatador, assim como o “It’s Allright With Me”, a canção de Cole Porter que teve interpretações de nomes como Frank Sinatra ou Ella Fitzgerald. Os 13 temas de “Atlântico” garantem uma hora de boa música e estão disponíveis nas plataformas de streaming.

 

SOBRE O NOVO FRANGO - Tenho seguido, em matéria de cozinhados, uma rotina baseada em ir fazendo experiências. Recebo umas newsletters com receitas, leio alguns blogs, folheio livros antigos, compro alguns novos sobre cozinhas de vários cantos do mundo e lá vou tendo umas ideias. Tem sido assim desde o primeiro trimestre do ano passado, quando começou a primeira vaga do confinamento. Não me queixo - cozinhar, ir às compras, escolher  e experimentar ingredientes é uma coisa que me descontrai. Só que de vez em quando também apetece ir experimentando coisas do que aparece de novo no mercado do take away. Uma boa experiência recente é o Vira Frangos. O local, na Rua Silva Carvalho 190, tem como oferta principal frango assado, desossado à mão e depois cortado em pedaços, estaladiços. Eu prefiro o que é apenas temperado com limão e sal, mas pode escolher um molho da casa, ou frango borrifado com azeite e salpicado com ervas ou ainda com pedaços de queijo parmesão e trufas. Mas, se preferir comer no próprio restaurante (tem poucas mesas, atenção…) em vez de levar para casa, tem outras possibilidades como o frango com queijo e bacon ou com abacate e iogurte. Para acompanhamento há batatas fritas “tipo leitão”, batatada doce com espinafres e arroz torrado com cebola crocante.  De todos o que escolho é o básico com limão e sal e prefiro ir buscá-lo à loja à hora a que o encomendei em vez de esperar pela Uber, que anda cada vez mais instável na rapidez do serviço. Nota final - quando sobra algum frango ao jantar guardem-no para o dia a seguir, fica muito bem numa salada ligeiramente temperada com pedaços de queijo.

 

DIXIT - “Políticos de todos os partidos iam ao beija mão ao Presidente do Benfica. É difícil respeitar pessoas, que ocupam cargos públicos de responsabilidade (…) mostrarem um desejo sôfrego para serem vistos com Luis Filipe Vieira” - João Marques de Almeida.

 

BACK TO BASICS - “Charme é a forma de conseguir uma resposta sem ter de fazer a pergunta” - Albert Camus

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:00


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.



Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D
  235. 2003
  236. J
  237. F
  238. M
  239. A
  240. M
  241. J
  242. J
  243. A
  244. S
  245. O
  246. N
  247. D