Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



...

por falcao, em 07.11.05
O CINEMA SÃO JORGE

Antes de mais uma pequena e pouco edificante história: No final do mandato autárquico do Dr. João Soares, em Lisboa, a Câmara Municipal comprou o Cinema São Jorge a promotores imobiliários, obviamente sem saber o que lhe fazer, que utilização lhe dar. Fez uma obras e pôs lá cinema a exibir. As obras foram de cenário: tinta nas paredes, limpeza geral, máquinas de projectar e sistema de som modernizados. O grosso do problema ficou por resolver: o sistema eléctrico, que é ainda o primitivo e se encontra em situação de risco, as infiltrações na cobertura que agravam o perigo de um curto-circuito, climatização inexistente de facto. Pelo meio há umas pantominices engraçadas: os políticos que obrigaram técnicos a certificar a segurança de sistemas (nomeadamente na área eléctrica) que notoriamente a não tinham, uma programação de cinema ao sabor das disponibilidades das distribuidoras, etc. É claro que a equipa do Cinema era esforçada e tentava fazer o melhor, vendendo a ilusão de que a sala podia funcionar.

O S. Jorge é o exemplo acabado de como as pressões de lobbys e de uma pretensa opinião pública, em nome de uma mística salvaguarda do património e das memórias, podem levar a becos sem saída. Sem estratégia definida, em más condições físicas, o Cinema S. Jorge acabou por fechar, provavelmente tarde demais, em nome de conceitos elementares de segurança, antes que aquilo tudo ardesse a meio de uma cerimónia qualquer. E para o fechar, mesmo com o risco que existia, foi preciso bater o pé e contrariar velhos do restelo.

Temos agora ali a sala. Enorme. A precisar de obras estruturais. Se persistir a mania de fazer do Parque Mayer um cemitério de elefantes (equipamentos culturais, delineados sem cuidar de saber se são necessários), há que pensar seriamente que pode ser o S. Jorge no meio de uma selva de salas. Deve reconstruir-se a sala na sua dimensão original, de cerca de 1100 lugares? O destino principal deve ser a música, ou um centro de audiovisuais – apesar de a Cinemateca estar mesmo ali ao lado? Justifica-se aquele imobilizado para isto? Ou, como durante algum tempo se tentou, faz mais sentido traçar um cadernos de encargos e abrir concurso para concessão da sala a privados, que a mantenham como sala de espectáculos, garantam a sua recuperação e utilização – como é o Coliseu, por exemplo?

O que este assunto traz à baila é a imperiosa necessidade de a Câmara Municipal estudar e decidir que perfil quer dar às salas de espectáculo e equipamentos culturais que possui (em número já excessivo), que não faça mais salas sem saber o que lá vai pôr dentro, como e a que preço e que, sobretudo, não arranje novos compromissos sem resolver os problemas que agora já existem.

COMIDA – Mesmo por trás do Ministério das Finanças, entre o Terreiro
do Paço e a Casa dos Bicos, encontra-se o restaurante Alfândega, na
rua do mesmo nome É um espaço antigo bem recuperado e bem decorado, a criar logo um bom ambiente. À hora de almoço passam por ali os
funcionários das redondezas, o jantar é mais movimentado e
descontraído. As ementas são diferentes nas duas refeições, mais
tradicional na primeira, mais arriscada e diversificada na segunda. Ao
almoço comi um «cozido de Outono», à base de grão, com enchidos de boa
qualidade. O serviço é muito simpático, existem várias opções de
vinho a copo, numa mistura entre valores seguros e boas novidades. As
reservas podem ser feitas pelo 218861683 e a casa fica no nº98 da Rua
da Alfândega. Aberto de segunda a sexta das 10H00 às 02H00 e ao sábado
apenas à noite, a partir das 20H00.

LEITURA – A edição britânica, de Outubro, da revista «Vanity Fair»,
uma das referências do jornalismo de investigação, traz na capa Paris
Hilton, explica como através das suas marcas – de perfumes a uma
cadeia de discotecas - ganhou sete milhões de dólares no ano passado e
porque é que Camille Paglia acha que ela tem apreciável significado
cultural. E a mesma edição volta a analisar o caso Watergate com um
dos seus protagonistas, Carl Bernstein.

BANDA SONORA – «Tender», o disco de estreia de Marta Hugon, feito de standards de jazz, numa interpretação vocal contida e criativa, servida por grandes interpretações de músicos como Filipe Melo no piano, Bernardo Moreira no contrabaixo e André Sousa Machado na bateria. A produção foi do grande Elvis Veiguinha: certeira e eficaz.


BACK TO BASICS – Quem vai a eleições tem que aceitar as regras do jogo democrático. Não pode fazer como Rui Rio e armar-se em tiranete e detentor da verdade por ter tido maioria absoluta.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:38



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.



Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2005
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2004
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2003
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D