Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]



...

por falcao, em 24.02.07
INSUCESSO - O Governo completou esta semana dois anos de mandato, é certo que apresentou muitos powerpoints e projectos, que divulgou muitas listas de coisas a fazer, mas na verdade poucos planos estão cumpridos, muitos dos itens das listas estão ainda por ser iniciados. Quase que é possível dizer que o Governo fez mais no seu primeiro ano de vida do que no segundo, onde se nota que começou a perder capacidade de concretização. Nestes próximos dois anos a aritmética pré-eleitoral vai começar a interferir nas contas. É inevitável, e no PS não falta – já se viu esta semana – quem vá chamando a atenção para o assunto. A marca que o Primeiro Ministro gostaria de deixar é a de um fazedor – não é certo que o consiga. Tem tido êxito a fazer o que não disse (aumentar os impostos), tem tido pouco sucesso a concretizar o que tem andado a prometer – emprego, obras públicas, diminuição da despesa. A ver vamos se alguma reforma estruturante fica feita.


COBRADOR - Aquilo em que o Governo mais coisas tem feito é na área dos impostos – um dos seus primeiros actos foi ir contra uma promessa eleitoral, de os não aumentar. Aumentou o IVA, diminuíu a competitividade, tornou a vida do comum cidadão mais difícil tornando a carga fiscal maior e mais injustamente distribuída, com o argumento das cobranças atingiu um ponto de invasão da esfera privada de que está a tocar o limite do suportável. O governo tem um apetite devorador sobre impostos e sobre os rendimentos dos cidadãos, mas não mostra a mesma energia a cortar o peso da máquina do Estado. Em matéria de impostos a acção do Governo parece-se com a dos cobradores do fraque – tenho as minhas dúvidas de que seja um bom método.


INVENTOR - Depois de andar meses a fechar serviços de saúde, há no Governo quem comece a sugerir que poderá ser criado um novo imposto exclusivamente para os custos do sistema de saúde. Isto é pôr o mundo ao contrário: os cidadãos aceitam pagar impostos sobre o trabalho para que o Estado lhes forneça algumas coisas básicas – saúde, educação, segurança e justiça. Não é exagero dizer que estas questões básicas são aquelas que o Estado precisamente garante pior. Querer agora inventar impostos sectoriais é roubo à mão armada.


LITIGANTE - Na acção do Governo existe um lado de permanente litigância – esta semana o Ministro da Saúde atacou autarcas simplesmente por não concordarem com ele e se manifestarem publicamente e o Ministro das Obras Públicas veio atacar, de forma violenta, o bastonário da Ordem dos Engenheiros por este ter dito que talvez a Ota não fosse a melhor solução para o novo aeroporto. Um curioso perfil de José Sócrates publicado no «Público» dizia que ele odiava ser contrariado – se calhar está a passar para os seus Ministros esta sua característica.


RESPONDER - Por muito que Alberto João Jardim seja excessivo e desbragado, a verdade é que a sua atitude desta semana veio chamar a atenção para uma coisa: a acção política tem regras básicas e uma delas é não perder a iniciativa e responder aos ataques de forma atingir o adversário. A lógica da acção política de Jardim, ao demitir-se e agir por forma a provocar eleições na Região Autónoma da Madeira, mostra isso mesmo: resposta rápida e firme, marcar agenda, tirar a iniciativa ao adversário, obter apoio popular. De repente, a iniciativa passou a estar do seu lado e não do Governo. É uma lição sobre a forma de fazer política na oposição.


LER – A edição de Fevereiro da revista «Wired» dedicada aos grandes mistérios que continuam a dominar a nossa existência no mundo. De que é feito o universo? Porque é que o corpo-humano não se auto-regenera? Será que o passar do tempo é uma ilusão?


OUVIR – Um belo disco de Harry Connick Jr. Baseado nos sons de New Orleans, nas melodias populares dos velhos bairros. Acompanhado por uma banda de 16 músicos, Connick surpreende pelo gozo que a gravação transmite – e sente-se como os músicos gostaram de a fazer. «Chanson Du Vieux Carré», Harry Connick Jr., edição Marsalis Music, distribuição Universal.


VISITAR – A Garrafeira Internacional, na Rua da Escola Politécnica nºos 15 a 17. Boa selecção de vinhos, preços razoáveis, serviço simpático, petiscos variados para complementar.


BACK TO BASICS –É muito perigoso querer ter razão quando o Governo está errado – Voltaire.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:22


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.



Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2005
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2004
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2003
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D