Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



...

por falcao, em 09.08.03
NOTICIÁRIO

Uma das coisas que sempre me irritou um pouco é o facto de a generalidade dos media portugueses se contentarem com o que se passa aqui no rectângulo, e, de preferência, com o que acontece em Lisboa e no Porto. Açores e Madeira em geral ficam relegados para calamidades ou arraial político e o interior do país lá surge em momento de desgraça, como nesta leva de incêndios. Dos países africanos de língua portuguesa apenas se sabe de alguma coisa quando há mortes ou golpe de estado. Do resto do mundo, apenas atentados terroristas e catástrofes naturais nos chegam. Essa coisa muito elementar que devia ser a essência do jornalismo - que é reportar, contar o que acontece - deixou de surgir, por via de regra. Aparentemente o critério é o mesmo de uma boa rubrica humorística: «O Homem Que Mordeu O Cão»: ou seja, só interessa o insólito, o invulgar, o não natural, a má notícia, a desgraça. Já repararam que hoje em dia nos nossos media não existe lugar para boas notícias? Esta perversão da realidade, este afastamento de tantos temas e assuntos, leva a que a tendência provinciana latente em Portugal (pelo menos desde o tempo em que Eça de Queiroz a caracterizou) prossiga galopante. Fechados no rectângulo, desinteressamo-nos do que se passa no quotidiano dos outros países, das descobertas, das investigações, das criações. Sobressaltamo-nos com os dramas, somos indiferentes à vida. Um pouco estranho, não é?

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:28



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.



Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D
  235. 2003
  236. J
  237. F
  238. M
  239. A
  240. M
  241. J
  242. J
  243. A
  244. S
  245. O
  246. N
  247. D