Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



...

por falcao, em 06.02.08
BOM – O fim do domínio da Administração do Porto de Lisboa na zona ribeirinha do Tejo, mantendo incríveis braços de ferro com a Câmara Municipal e, ao longo de décadas, prejudicando a vida de todos. Para além de tudo o resto, é a prova do peso político de António Costa junto do Governo – e que mostra como mesmo fora do núcleo do Executivo ele continua a ter influência.


MAU – A maneira como José Sócrates defendeu a ASAE reforça a ideia de que para o Primeiro Ministro os fins justificam os meios. Mas é claro que não devemos esquecer que ultimamente aqueles que Sócrates mais defende em público são os que depois mais depressa deixa cair.


PÉSSIMO – José Sócrates classifica de fitas para as televisões as manifestações contra políticas do seu Governo. Presume-se que também ache que são fitas para as televisões as cerimónias de distribuição de computadores e outros festejos em que vai aparecendo por esse país fora.


O MUNDO AO CONTRÁRIO – Lembram-se de quando, há uns anos, Macário Correia dizia que beijar uma mulher que fuma é como lamber um cinzeiro? Recordei-me disto a propósito da notícia de que ele tinha sido constituído arguido num processo por assédio sexual que lhe foi movido por uma funcionária superior da Câmara Municipal de Tavira, a que o feroz anti-tabagista preside. Fiquei com curiosidade de saber se a autora do processo é fumadora.


RUMOR – Será verdade que a pressão feita pela França para cancelar o Paris-Dakar teve sobretudo a ver com a perca de negócios da petrolífera Total na Mauritânia, vencida pelos chineses, que estabeleceram um acordo para comprar grande parte da produção petrolífera daquela país africano, que os franceses também pretendiam? E que a opção pelos chineses, mais do que questões de segurança, ditou a represália do executivo de Paris contra a Mauritânia e que se traduziu no cancelamento da prova?


PETISCAR – Um dos bons sítios das avenidas novas é o tradicional «Grande Elias», um templo dedicado à comida portuguesa, com uma decoração peculiar: na sala de entrada, existe um colorido painel de relógios com as horas de todos os pontos onde Portugal marcou a sua presença no mundo, do Brasil à Índia, passando por África, Macau ou Timor. Para além do apuramento dos pratos (que nesta época incluem a incontornável lampreia), distingue-se a qualidade do serviço e o inesperado de algumas entradas como alcachofras com filetes de anchova sobre cama de salada. Lista de vinhos a preços razoáveis e, sobretudo, um serviço rápido, eficaz e muito, muito simpático. Avenida Elias Garcia 109-11, tel 217975359.


LER – Cada vez mais a revista «Monocle» é uma leitura necessária. Na edição de Fevereiro, um especial sobre comboios (e eu por acaso adoro comboios) com algumas reportagens de viagens em diversos estilos na Turquia, Alemanha e Japão, e um belíssimo artigo sobre as eleições norte-americanas, muito explicadinho, cheio de informação útil, os estados a seguir com maior atenção, os lobbies existentes,, as relações a ter em conta. Um exemplo de excelente jornalismo feito a pensar em acrescer a informação. Vale também a pena ir visitando o site www.monocle.com com boa informação sobre a actividade cultural em diversas cidades e guias cheios de úteis e preciosas indicações. A «Monocle» custa 11 € em Portugal e está disponível nas boas lojas de revistas.


OUVIR – A música de Angola é das mais ricas que se podem encontrar em África. Quis o destino que bem cedo a editora Valentim de Carvalho tivesse actividade na fervilhante Luanda dos anos 60 e 70, recolhendo, descobrindo, gravando e editando os grandes nomes da música popular. Por iniciativa da «Som Livre» e partindo desse catálogo histórico, saiu agora uma exemplar edição, que inclui quatro discos e 100 músicas de artistas dessa época, de Elias dia Kimuezo aos N’Goma Jazz, António Sobrinho, Teta Lando, Africa Show, Sofia Rosa, Campos Neto e Chico Montenegro – só para citar alguns dos nomes históricos, aqui incluídos. Além do mais a edição é acompanhada por um livro cheio de informação sobre a História de Angola, mas também sobre as principais cidades, os idiomas nativos e um vocabulário com os termos mais empregues. A edição foi da responsabilidade de Samuel Lopes e Suzy Lorena e pode ser encontrada nas FNAC.



PERGUNTANDO… O Sr. Nunes que está na ASAE será o mesmo que, ao tempo de Armando Vara no Governo, esteve no Serviço Nacional de Protecção Civil e, mais tarde, na Direcção Geral de Viação? E qual terá sido o balanço da sua passagem por esses sítios?


BACK TO BASICS – «Há qualquer coisa de errado nesta mini-remodelação.Como uma desvalorização monetária que não imprime confiança no novo valor da moeda».(José Medeiros Ferreira, no blogue «bichos carpinteiros»

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:04



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.



Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D
  235. 2003
  236. J
  237. F
  238. M
  239. A
  240. M
  241. J
  242. J
  243. A
  244. S
  245. O
  246. N
  247. D