Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



...

por falcao, em 19.02.05
MAIS CERTEZAS, MENOS DÚVIDAS

MADREDEUS – O novo trabalho dos Madredeus, «Faluas do Tejo», é o melhor disco do grupo desde há vários anos e é claramente um dos melhores da sua carreira. A razão é aliás a que mais ligada está à história dos Madredeus: a simplicidade. Este é um disco de arranjos simples, com guitarras simples e encantadoras, com canções simples mas emocionantes. Só a simplicidade consegue ser assim, só a simplicidade consegue este efeito arrebatador, potenciado pela produção sóbria mas marcada de Pedro Ayres de Magalhães. É certo que eu tenho uma paixão por Madredeus – mas há uns anos que achava que havia pouca novidade. As canções que aqui estão neste «Faluas do Tejo» provam o contrário.

GÁS – Um número crescente de casas de Lisboa começa a ter problemas com o abastecimento de gás. Acontece que há uns anos atrás,quando nos obrigaram ao gás natural, a Lisboagás e a Galpenergia se esqueceram de fazer as necessárias substituições e de sublinhar que as canalizações de chumbo, adequadas para o gás húmido anterior, eram desaconselhadas para o novo gás natural, seco, e que, ao fim de poucos anos, o novo combustível provocaria rupturas nas canalizações existentes – mesmo que fossem novas em prédios novos. É isso que está a contecer agora e a dúvida é saber o tamanho da bomba de fugas de gás em que Lisboa se está a transformar. Claro que há uns anos atrás as empresas sabiam bem que devia ter existido uma intervenção de fundo, deviam ter suportado os custos de introdução do novo combustível. Como sempre, à portuguesa e em abuso de posição dominante, quem se vai tramando são os consumidores, que agora se vêem envolvidos num amontoado de companhias relacionadas com a lisboagás, cada uma a querer facturar o máximo que puder à custa de reparações provocadas exclusivamente pela forma como há uns anos atrás as coisas foram feitas.

ESTRANHO – O Compromisso Portugal utiliza sempre uns grafismos muito engraçados, e umas apresentações muito politicamente correctas - género uma no cravo, outra na ferradura. Para conhecer melhor o esforçado trabalho de comparação entre algumas áreas dos programas dos partidos, fui à procura de informação na net sobre as propostas do Compromisso. Peguei no Google, pesquisei, pesquisei, e nada descobri. O muito moderno Compromisso Portugal não surge com um site referenciado, um modesto blog que seja onde os documentos estejam publicados. Não é uma questão de investimento – é de atitude. Como é também uma reveladora questão de atitude que não tenham comparado as propostas em matéria de estratégia de utilização e desenvolvimento da língua e cultura portuguesa dos programas partidários. Quando as visões tacanhas estão corporativamente enraizadas muito dificilmente se dá a volta ao texto. A criatividade não anda por ali. (recebi entretanto a informação que há um site, registado como www.compromissoportugal.com que acolhe o materuial acima referido - mas de facto o google não o apanha nas prioridades).

VOTO – Pela primeira vez há uma campanha organizada para o voto em branco, com cartazes na rua e site na net (www.umrumoparaportugal.com) - é revelador do estado do país, da falência do sistema político e partidário. Num outro prisma é também revelador que haja ainda tanto indeciso, tanta possível transferência de votos. A minha posição está tomada – não quero uma maioria absoluta, irei votar PSD, acho que o reforço do bloco do centro-direita é a única forma de garantir algumas reformas e evitar o desperdício dos sacrifícios feitos. E, já agora, de evitar o pântano do politicamente correcto, das indecisões e dos estudos eternos. Precisamos de mais certezas e de menos dúvidas. Todos nós.

CAMPANHA – Constituição Europeia, União Europeia, Política Europeia, Situação no Médio Oriente, o papel de Portugal no Mundo, a língua e a cultura portuguesas: de nada disto falou nenhum partido durante a campanha eleitoral. Revelador.

PERGUNTA DA SEMANA – Será que Jorge Sampaio consegue dormir bem?

SUGESTÃO – Visitem a discoteca Trem Azul, Rua do Alecrim 21 A. Bela selecção de jazz.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:27



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.



Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2003
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D