Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



...

por falcao, em 30.08.06
FOGOS – O Director de Informação da RTP escandalizou-se com a opinião de um jornalista, crítico e estudioso de TV, sobre a cobertura feita pelo canal do Estado aos incêndios, que acusou de ser manipulada para benefício da imagem do Governo. Ameaçou o autor das críticas de processos judiciais e garantiu ir recorrer à Entidade Reguladora, que agora pelos vistos é a depositária de queixinhas do concessionário de Serviço Público. Acho extraordinária a reacção: as pressões existem, conheço muita gente que as reconhece, conheço quem lhes resista e vejo quem lhes cede. Pensar que o Governo não interfere no Serviço Público é uma ficção perigosa, não é apenas uma ingenuidade própria de lolitas em busca da inocência perdida. A situação é antiga e está sempre presente ao longo dos anos – com o correr dos tempos foi-se refinando: hoje são sugestões transmitidas, cumplicidades sopradas, desabafos deixados cair – no sítio certo, na circunstância certa, com um objectivo preciso. Eduardo Cintra Torres, o crítico em questão, fez bem em recolher dados, mostrá-los, tornar evidente quais os serviços noticiosos que subalternizaram o noticiário relativo a incêndios; à RTP fica mal a maneira como reage, recorrendo a ameaças para justificar um alinhamento editorial mais próprio do Burkina Faso do que de Portugal.

AUDIOVISUAL – Na semana passada o Governo aprovou o Decreto-Lei que regulamenta medidas relativas ao fomento, ao desenvolvimento e à protecção das artes e actividades cinematográficas e audiovisuais. O comunicado do Conselho de Ministros sobre este assunto salienta que o objectivo do diploma é reforçar as «políticas públicas na área do cinema e do audiovisual, tanto através dos apoios ao desenvolvimento da criatividade e inovação artística no âmbito do ICAM, como através das parceiras com o sector privado e dos incentivos no âmbito do fundo de investimento agora criado, visando o desenvolvimento sustentado do tecido empresarial do sector, constituído nomeadamente por pequenas e médias empresas de produção independente». Palavras, lindas palavras. Assim que li isto perguntei logo à Associação de Produtores Independentes de Televisão (APIT) se conheciam o diploma e o que achavam. Resposta: em 3 de Novembro passado enviaram ao Secretário de Estado da Cultura a sua resposta aos projectos de diploma agora aprovados, mas nunca ninguém depois reagiu nem às sugestões, nem às críticas. Ignoravam o que ficou na versão final. Fui à procura do Diploma aprovado e não encontrei nada. Terei que esperar pela sua publicação em «Diário da República». Do documento enviado pela APIT ao Secretário de Estado destacam-se duas ideias-chave: as propostas mantinham uma situação de privilégio nos apoios ao cinema, área que nos últimos cinco anos recebeu 50 milhões de euros para apoios à produção, traduzidos em obras, na generalidade, de pouco valor criativo, artístico e muito menos económico; e o Governo não fazia um esforço sério para fomentar a consolidação do tecido industrial do audiovisual, uma coisa paradoxal num executivo que olha para plataformas digitais e para a convergência de meios como um dos caminhos do futuro. Este Governo volta pois a acarinhar o mito do artesanatozito pretensamente criativo do cinema português, uma fantasia caríssima e que, com raras excepções, não existe. Vou esperar por ler o texto final, mas o que estava nos projectos era mau, era um retrocesso, era a manutenção de um status quo que é responsável pelo nosso atraso na matéria.

VER – A edição de Setembro da revista «Wallpaper», em pleno processo de celebração dos seus dez anos de vida. A «Wallpaper» tornou-se numa das melhores revistas do final dos anos 90, partindo de um posicionamento centrado no design e na arquitectura. Nesta edição destaque precisamente para a consolidação do design no coleccionismo de arte contemporânea, e para os artigos sobre os novos trabalhos do arquitecto Jean Nouvel em Paris e Minneapolis, um museu em Aomori, no Japão e para o novo projecto de Rem Koolhas (Casa da Música, Porto), desta vez um museu em Seul, Coreia. A finalizar, já que esta semana estamos no audiovisual, uma boa lição para muitos dos que pensam cenários em Portugal, imagens das obras cenográficas para televisão da francesa Marina Gadonneix.

OUVIR – Jazz na Europa FM, 90.4 Lisboa.

CURIOSIDADE – O Café Império, renovado, que abre hoje em Lisboa.

BACK TO BASICS – Negar a evidência dá sempre mau resultado.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:15



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.



Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D
  235. 2003
  236. J
  237. F
  238. M
  239. A
  240. M
  241. J
  242. J
  243. A
  244. S
  245. O
  246. N
  247. D