Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



...

por falcao, em 12.05.04
JOGO E ESTUDO

Sérá que os jogos electrónicos têm efeitos positivos no estudo? Um artigo da Wired diz que sim. Excertos:LOS ANGELES -- The conventional wisdom about the video-game industry is that it's all about entertainment. But a group of 350 game designers, educators and government officials think that games can be used as a tool to teach critical thinking, and in the process, improve American education.



To Henry Jenkins, host of the Education Arcade symposium held here before the Electronic Entertainment Expo, the connection is clear. He said he remembers that during the 1996 presidential campaign, he gave his son a Doonesbury election game to play.



"My son, predictably enough, disappeared into his room, never to be seen from again," said Jenkins. "When he came out, my wife and I were watching election coverage on CNN. And he said, 'Oh, I get it, Dole is in New York, Kemp is in Illinois ... they're all in high electoral-value states. And he was suddenly explaining to us something that most Americans didn't figure out until after Florida 2000."



Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:12

...

por falcao, em 12.05.04
PERGUNTAS INOCENTES - 1

Qual deve ser o objectivo estratégico de uma empresa de comunicação?

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:10

...

por falcao, em 12.05.04
PORQUÊ?

Porque é que os Iraquianos estão a reagir como reagem? Ora eleiam lá este artigo da New Yorker, que vale bem a pena conhecer. Excerto:Before the American invasion of Iraq, Dr. Shaker said, only one murder victim arrived at the city morgue each month. This statistic underscores two conditions of Iraqi life under Saddam Hussein: the state had a near-monopoly on killing, and most of the victims of the state disappeared into unmarked mass graves. One unintended effect of Iraq’s liberation from Baathist tyranny has been the widespread dispersal of violence. In occupied Iraq, between fifteen and twenty-five murder victims arrive at the Baghdad morgue daily, most of them with gunshot wounds. Shaker estimated that five cases a week involve Baathists executed in reprisal killings; their families typically retrieve the bodies without informing the police. With barely functioning courts, a weak, ill-trained, and often corrupt new police force, a foreign occupier that has failed to provide security, and a pervasive atmosphere of lawlessness, Iraqis don’t expect the justice that was denied them during the reign of Saddam Hussein to materialize anytime soon.



Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:06

...

por falcao, em 12.05.04
POESIA ENÉRGICA



Impetuoso, o teu corpo é como um rio

Onde o meu se perde.

Se escuto só oiço o teu rumor.

De mim, nem o sinal mais breve.



Imagem dos gestos que tracei,

Irrompe puro e completo.

Por isso, rio foi o nome que lhe dei

E nele o céu fica mais perto.



(Eugénio de Andrade)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:04

...

por falcao, em 11.05.04
E AS FOTOS?

E se as fotografias que o «Daily Mirror» publicou sobre o Iraque fossem falsas? Quem faz a pergunta é o Spectator.

Excerto:Are the Daily Mirror’s torture pictures fakes? Most of my friends, whether anti-war or pro-war, think that they probably are. Such is my own inclination. But let us for a moment try to see things from the point of view of Piers Morgan, the Mirror’s editor. Whatever fine words Nicholas Soames may declaim in the House of Commons, the British army has, in fact, used torture in other civil emergencies. Look at what the Black and Tans did in Ireland before partition. Or the torture and murder of Mau Mau detainees, more strictly by the British prison authorities, at Hola Camp in Kenya. These things have happened. Nor is the depiction of the British squaddie as a public-spirited, gentle-hearted chap necessarily always correct. I have come across quite a few members of Her Majesty’s forces in my travels and, although I yield to no one in my admiration of our army, it cannot be denied that some of them are hard nuts, often recruited in the bleak streets of our northern cities. You would not want to get on the wrong side of these men, though it does not follow, of course, that they would resort to torture.

....

Why had he not previously published these pictures? Perhaps because he was not absolutely sure that they were genuine. And also because he realised that making them public could provoke angry Iraqis into attacking British soldiers. Do not assume that Mr Morgan is a wicked man. Then, last Friday, several British newspapers carried the photographs from Abu Ghraib prison. (Interestingly, the fanatically pro-war Sun did not use any of them, while the pro-war Times and Daily Telegraph tucked them away inside. American newspapers, including even the Washington Post, were initially similarly restrained). When Mr Morgan saw the Abu Ghraib pictures, he evidently persuaded himself that he should run the British ones, for which he had paid an as yet undisclosed sum of money. In the heat of the moment, any lingering doubts about their authenticity were removed. So too were concerns about a possible backlash against British soldiers in Iraq. The Daily Mirror, after all, has been consistently anti-war. And Mr Morgan is in the business of selling newspapers.



Some people may say that even if these photographs are genuine they should not have been published. That is a very difficult argument to sustain. If British soldiers are employing torture, most us would want to be told about it, even if as a consequence other British soldiers were put at risk from retaliation. But are they genuine? As has been pointed out, they have a stagy, contrived feel. The rifle being used to prod the Iraqi prisoner is implausibly clean, and he looks well fed and generally unbattered. What is supposed to be a stream of urine being directed at him resembles the last droplets of water being squeezed from a rather ineffective water pistol. The Daily Mirror has rebutted the suggestion that the soldier’s boots are laced in a way proscribed by the British army, and it has also knocked down the claim that British soldiers in Iraq do not wear floppy hats such as the one in the picture. Nevertheless, many of the anomalies in the photographs have not been satisfactorily explained.



It seems likely they are fakes. If this turns out to be the case, Mr Morgan will obviously have to resign. The trouble is that the damage will have been done, and most Iraqis will not believe the judgment of the British authorities that the pictures are not genuine. It is possible that the Royal Military Police will never establish the truth. One can also imagine Mr Morgan falling back on the defence that the British soldiers were re-enacting an earlier incident which they knew to have happened, and that these pictures, though not recording an exact event, were dramatically correct. This would be a threadbare argument which would convince no one. Either these photographs capture what actually happened, or they do not. There is no intellectually respectable middle way. If they are genuine, Mr Morgan will be celebrated for his decision to publish them. My feeling is that they are probably false, and my guess is that they will be shown to be so. Mr Morgan is a talented journalist who has contributed to the gaiety of Fleet Street. But the lack of judgment that has stalked him throughout his career may have finally caught up with him.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:01

...

por falcao, em 10.05.04
VER

Às vezes basta um olhar. Depois, é preciso coragem para ir ver por detrás do olhar.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:43

...

por falcao, em 10.05.04
A NÃO PERDER

A série de artigos de Carlos Coelho (o Presidente da Brandia) sobre os novos heróis lusitanos, exemplos a seguir nesta terra - todas as sextas no Diário Económico. O artigo desta semana é sobre um bodyboarder português, Manuel Centeno. Excerto: No Circuito Europeu, nos Top-16 mais de metade são portugueses. Há três anos, no Havai nem se sabia onde era Portugal. Hoje, o país é reconhecido como uma potência, pela qualidade dos seus atletas e também das suas praias - um exemplo é a Supertubos, em Peniche, que, segundo a Surf Europe, tem as melhores ondas da Europa.



Os ‘bodyboarders’ portugueses têm uma raça especial, a Portuguesa. Lutam, empenham-se, são elogiados em todo o mundo pela sua cultura, iniciativa, esforço e dedicação, tornaram-se numa referência internacional.



Em termos mundiais, estamos ao nível dos melhores. Em termos europeus, estamos francamente à frente, apoiados apenas pela determinação de nomes como Rui Ferreira, Hugo Pinheiro, Gonçalo Faria, Catarina Sousa e Dora Gomes (campeã europeia), que projectam o nome de Portugal numa modalidade desprezada pelos organismos estatais, mas em que Portugal de facto consegue apresentar resultados concretos bem mais relevantes do que os da maior parte das outras modalidades desportivas.



Apenas Sintra, com o SintraPro, apostou na modalidade, tornando a prova da Praia Grande aquela que apresenta maior premiação em todo o mundo.



Depois dos resultados obtidos, os organismos oficiais deveriam olhar para esta modalidade como uma mais-valia para Portugal, uma marca para o nosso país, até porque explora uma das suas grandes equities, o mar.





Mais detelahes em Portugal Genial

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:10

...

por falcao, em 10.05.04
ESPECTÁCULO

Por muitas voltas que dê não me consigo convencer com aquilo a que se chama informação espectáculo. Tivemos uma overdose dessa brincadeira na passada quarta-feira: uma estava orquestrada e tinha a ver com o jogo do Porto contra o Corunha; a outra foi fruto das circunstãncias e girou à volta da situação de Carlos Cruz. Em ambos os casos exagerou-se para além do suportável. Os repórteres (será bem aplicado este nome?) que estão nestes locais em directo fazem perguntas que, na maioria dos casos, são um manual de asneira. Que interesse tem o percurso da auto-estrada Lisboa-Cascais atrás do carro do advogado de Carlos Cruz? Qual o sentido de entrevistas de rua a perguntar aos adeptos do Corunha qual o resultado que querem?

Quem tivesse de assistir à maioria da informação de quarta-feira passada achava que o mundo se reduzia à situação prisional de Carlos Cruz e ao Futebol. A importante visita de Zapatero a Lisboa foi apagada, os acontecimentos internacionais desapareceram, deixou de se falar dos maus tratos a prisioneiros no Iraque. A leitura dos jornais de quinta-feira de manhã faz um contraste gigantesco com o que a maioria dos telejornais de véspera passaram. Assim a televisão não serve para informar, apenas para deformar a realidade.



OPORTUNIDADE

Algumas peças de faiança feitas a propósito do próximo casamento real em Espanha foram imaginadas e fabricadas por uma empresa portuguesa. Os responsáveis pela real boda escolheram-na pela qualidade da concepção e do fabrico e estão bastante contentes com a escolha que fizeram. Agora imaginem por um instante que se passava o contrário, que era um acontecimento oficial português que se abastecia em Espanha. Não haviam de faltar por aí herdeiros da Padeira de Aljubarrota a gritar contra a invasão, a alertar para os perigos da penetração económica espanhola em Portugal e a denunciar falta de aposta na indústria nacional. Acho que não estou a exagerar: há quem pense que é com a indignação hipócrita que se resolve este problema, em vez de pegar neste exemplo, no das empresas de moldes plásticos ou da GALP para mostrar como se pode expandir para mercados externos.



PRÉMIOS

A revista «Wired» divulgou as suas nomeações anuais em diversas áreas e alguns nomes pouco conhecidos convivem com celebridades. Exemplos: no cinema a escolha foi para Peter Jackson, o neo-zelandês responsável pelos efeitos especiais de «O Senhor dos Anéis»; o prémio «Renegado do Ano» foi para Steve Jobs, o CEO da Apple e da Pixar, por estar a alterar a forma como a era do entretenimento digital se desenvolverá; na literatura a escohida foi Rebecca Solnit pelo livro «River Of Shadows» que conta a evolução da ciência e das descobertas no século XX: na arte o nomeado foi o ex-Talking Head David Byrne pela sua utilização do software Power Point na criação de obras de artes plásticas; na política os destaques foram para Joe Trippi e Scott Heiferman, que na campanha de Howard Dean alteraram a forma de utilizar a internet para organizar campanhas e recolher fundos; na música a «Wired» destacou uma banda, os Flaming Lips pelo seu contributo par alterar a forma como a música chega ao público e suporte gravado, nomeadamente com o álbum «Yoshimi Battles the Pink Robots 5.1»; na televisão o escolhido foi Mike Lazzo, o criador de um slot de animação para adultos na cartoon Network, exibido nos Estados Unidos sob a designação «adult Swim» e que se tornou no programa mais visto no cabo por telespectadores entre os 18 e 34 anos.



DIF

Intitula-se «revista de tendências e guia cultural gratuto». A edição de Abril deste ano é a número 17. Não tenho a menor hesitação em dizer que, graficamente, é a melhor publicação portuguesa actual. A meio caminho entre um catálogo de novidades de marcas e uma informação cuidada sobre áreas como o design, a música e a moda, a DIF (que pode ser encontrada em locais seleccionados) fala constantemente da actividade dos novos criadores portugueses (por exemplo mostra e primeira mão a futura decoração do Lux), tem páginas de publicidade deliciosas, mas tem também boas ideias editorias, como o especial sobre jogos electrónicos da edição de Abril. Um guia-roteiro cuidado e legível e boas páginas de arquitectura, cinema, música e produções de moda fazem da DIF uma revista mesmo diferente – ainda por cima com uma qualidade de impressão invulgar. Podem descobrir mais um pouco em www.difmag.com .

















Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:57

...

por falcao, em 10.05.04
A PARTICIPAÇÃO CÍVICA em Portugal é um problema: as pessoas participam pouco, debatem pouco, não estão habituadas a trabalhar para a comunidade. Depois dos entusiasmos de há 30 anos a participação política nos partidos foi-se rarefazendo e o resultado é um progressivo afastamento dos partidos em relação à sociedade. Se a participação cívica é fraca, a participação política é uma desgraça. Pior ainda, a intervenção política passou a fazer-se por meios ínvios: as pessoas misturam a sua actividade com a expressão da sua opção – o que não quer dizer exprimir a opinião, mas fazer ilegitimamente prevalecer a posição e a opinião política e ideológica no dia a dia das suas actividades, sem para isso terem sido escrutinados pelo voto.



OS POLÍTICOS, em grande parte, ajudam pouco a mudar este estado de coisas. Os partidos foram criando um regimento de indefectíveis, prontos para tudo, e salvo raras excepções preocuparam-se muitíssimo pouco em fazer aumentar a participação. Muitas vezes, também, os políticos no poder são autistas e ouvem só os que lhes são muito próximos. Escudados na retórica, a generalidade dos políticos agita bandeiras em calendários pré-definidos, mistura a realidade com os desejos e não faz uma análise séria das situações. O resultado é que quando chega ao poder começa a dar o dito por não dito, inflecte objectivos, muda estratégias, arrepia caminho. Este triste estilo é a norma.



NESTE PANORAMA, quem tenta cumprir objectivos, quem persiste em efectivar promessas eleitorais, é apelidado de populista; quem consegue manter opções estratégicas é acusado de jogar com os sentimentos do eleitorado; quem cede na negociação é elogiado pelo elevado sentido de responsabilidade demonstrado. Privilegia-se o cinismo e a hipocrisia. A demagogia – prometer o que nunca vai ser feito – é premiada, enquanto o trabalho efectivo é penalizado. Embora não pareça, as coisas estão ao contrário do que deviam ser.



CHAMA-SE POPULISTA a quem tenta cumprir o prometido em campanhas eleitorais através de meios claros e processos transparentes. Usa-se o termo «populista» como se usava o termo «fascista» há uns anos atrás. Todos os que não gostam de reformas nem de mudanças acusam quem as tenta fazer de «populismo». O consenso vacilante é elogiado, a determinação é criticada. Também isto não ajuda a que a política possa viver de reformas e mudanças. Também isto faz com que os que vão apenas flutuando no mar da ineficácia sejam beneficiados.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:56

...

por falcao, em 10.05.04
A AUTORIA



Em política, a autoria é tudo. Algumas propostas de direita são bem aceites pela esquerda se o seu autor lhes fôr simpático e o mesmo acontece a algumas propostas de esquerda. È claro que isto se passa a nível dos lideres partidários e dos fazedores de opinião, de algumas elites que ao longo dos séculos foram desviando o sentido da democracia, o significado efectivo do voto. Para algumas elites a opção do eleitorado não é interessante porque o povo não se sabe proteger – daí que precise de guardiões, de vigilantes, que se propõem velar pelo resultado efectivo das eleições. É o domínio do politicamente correcto e da hipocrisia ideológica, é o poder de elites não sufragadas sobre opções e programas que foram a votos.

Existe um perigo na nossa sociedade que é o do desprezo pelas indicações dadas pelos votos. Há quem não hesite em dizer que não interessa nada se um programa de acção de determinado partido ou político teve a maioria das urnas se, por acaso, as acções a concretizar estão no índex das pequenas inquisições que por aí abundam. A forma como se combate, com expedientes administrativos e processuais, a concretização de políticas votadas tem apenas o efeito de afastar ainda mais os cidadãos do voto, tem o efeito de desacreditar a política – que devia ser a forma privilegiada de acção cívica em vez de uma rotina de habilidades jurídicas avulsas.

A política não se esgota nos partidos nem nos políticos que os representam e por eles se sujeitam aos votos dos cidadãos. Mas – a menos que queiramos um outro regime – também não se faz contra eles. Quem quer mudar de regime?



Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:54



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.



Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2005
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2004
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2003
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D