Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



...

por falcao, em 20.06.05
COINCIDÊNCIAS

Os portugueses são os cidadãos europeus que menos se interessam sobre política, são dos menos informados em termos gerais, dos mais insatisfeitos com a vida que levam, os que têm maior apego à religião e, já agora, aqueles em que o futebol faz parte do conceito nacional de auto-estima por indicação presidencial. À excepção da referência ao futebol, o resto está num estudo do Eurobarómetro sobre Valores Sociais, divulgado esta semana.
Os indíces de abstenção já eram um bom indicador da importância que se atribuía à política – mas este estudo quantifica a coisa: apenas 53% seguem a actividade política, 45% dizem-se completamente desinteressados e apenas 50% se considera informado. Não se pode dizer que o resultado abone a classe política portuguesa nem os media – 31 anos depois do regresso da democracia quase metade do país não a utiliza de facto.
A coisa, no fundo, percebe-se: como se há-de acreditar numa classe política que promete uma coisa nas campanhas eleitorais e faz outra quando chega ao poder? Como se pode acreditar em partidos que são centrais de emprego e centros de conspiração permanentes – já analisaram a elevada rotação dos principais responsáveis de cada partido (nos últimos quatro anos PS e PSD tiveram três responsáveis máximos cada um)? Como se há-de acreditar em orgaõs de comunicação que parecem newsletters de recados da classe política?
Enquadrados por Presidentes da República de comportamento errático, governos instáveis e partidos dissociados dos cidadãos, ainda é sorte que mesmo assim 53% se interessem por política num país onde a proximidade entre eleitores e eleitos é inexistente. O regime não está a funcionar – desta vez é oficial.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:46

...

por falcao, em 16.06.05
O PAVÃO
Mão amiga fez-me chegar às mãos um artigo de António Barreto sobre Manuel Maria Carrilho, publicado no «Público de 14 de Novembro ded 1999, a propósito da demissão, então recentemente ocorrida, de Artur Santos Silva da Porto- Capital da Cultura.

Um Homem Sem Qualidades
Manuel Carrilho, pseudónimo, no Portugal dos anos 90, de ministro da Cultura, é um dos homens mais felizes do país. Viu-se livre de um homem sério, geralmente respeitado, independente, bom profissional e competente: tudo qualidades que o ministro detesta nos outros, mas sobretudo abomina em si próprio. Obteve, após meses de velhacarias, a demissão de Artur Santos Silva. Vai fazer, a partir de agora, o que melhor sabe: comprar. Comprar fiéis, idólatras e servos. Tarefeiros e consciências. Criaturas que o sigam e amem. Gente que, para si, escreva, declame e dance. Câmaras e freguesias. Funcionários e dependentes. Vai comprar o que pode, a fim de tentar fazer, pelo menos, tão mau quanto Lisboa-94. Com um objectivo permanente, uma coerência: aparecer, ser fotografado, inaugurar, dar entrevistas, discursar. Ser visto com "top models" e intelectuais dos "boulevards". É esse o seu programa. Sem densidade política, mas grosso de pensamento, sem modos nem educação, mas atento ao vestuário, este ministro da Cultura sofre de vaidade para além do que clinicamente se conhece.
Carrilho, traiu e desautorizou Guterres. Sonso, venceu o primeiro ministro. Nunca quis Santos Silva na capital da cultura. Nunca quis nada que viesse dele e dos seus colaboradores. Não que tivesse concepções diferentes, coisa de que parece carecer. Mas não suportava a ideia de que a cidade do Porto não se organizasse exclusivamente para sua glória, sua, dele, ministro rasca de governo débil. Por boas ou más razões, Guterres tinha escolhido Santos Silva. À volta deste, tinha-se criado entusiasmo e simpatia. Desde o primeiro dia, o "dandy" da Kultura, com o seu sotaque parisiense suburbano, tinha-se esmerado a fazer a vida negra ao banqueiro que, horror dos horrores, nada pretendia do governo. Fez quanto pôde para atrasar o início dos trabalhos e emperrar a organização. Sabotou, nomeou criaturas suas, tentou controlar, obrigou a cerimónias para se fazer fotografar bem vestido no quartier, desviou dinheiros para o seu orçamento, mandou bobos esganiçados prestar declarações, faltou a compromissos, não cumpriu a palavra dada e não respeitou contratos que assinou. Fez o possível por contrariar a ideia de que uma capital da cultura poderia ser coisa diferente de uma série de manifestações para titilação da burguesia endinheirada. Em menos de um ano, vingou-se do primeiro ministro: liquidou-lhe as escolhas, derrotou a sua orientação. E o primeiro ministro, cada vez mais desinteressado, já sem vocação para obras ou problemas e com uma crescente insensibilidade ao conceito mesmo de serviço público, deixou-se ir na ratoeira que lhe preparou este pavão de província.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:51

...

por falcao, em 16.06.05
ESPELHO MEU
Já leram o artigo de Manuel Maria Carrilho no «Público» de hoje, página 19? As ideias lá contidas resumem-se rapidamente: espelho meu, espelho meu, quem é mais bonito que eu?

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:17

...

por falcao, em 14.06.05
BRANQUEAMENTO
Percebe-se a dôr. Entendem-se as homenagens. Não se compreende o branqueamento. Cunhal queria em Portugal um regime soviético, na versão de uma democracia popular - é esse o projecto escrito no «Rumo À Vitória», que para atingir os seus objectivos preconizava uma «revolução democrática e nacional», táctica que o PCP recuperou no pós 11 de Março. Convém recordar que Cunhal não se demarcou de nenhum dos crimes soviéticos aquando das intervenções na Hungria ou na Checoslováquia - nem tão pouco das perseguições aos intelectuais e dissidentes. Vasco Gonçalves esteve a um passo de atirar o país para os braços de Cunhal e de todos os desvarios. De formas complementares ambos quiseram o poder para cercear liberdades. Pouco tempo depois de ela ter sido recuperada.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:01

...

por falcao, em 14.06.05
INJUSTIÇA
Leio hoje no Público que na sexta-feira passada morreu René Bertholo. Não teve chamadas de capa nem honras de dpoimentos. E, no entanto, foi dos nossos melhores artistas plásticos. Morreu no meio de mortes mais mediáticas: como pode a pintura rivalizar com a política ou a literatura?

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:32

...

por falcao, em 12.06.05
DIFÍCIL DIZER MELHOR
No seu AVIZ Francisco José Viegas faz a síntese perfeita dos últimos dias num post intitulado «Como Se Esperava»:
«1) Sim, quase toda a gente vai criticar José António Saraiva por ter sido entrevistado no Expresso. 2) Sim, Eduardo Prado Coelho correu a defender Manuel Maria Carrilho depois do vídeo da sua candidatura à Câmara de Lisboa; a família é tudo. 3) Sim, passados três meses, Freitas do Amaral já não tem a «unanimidade» atrás de si. 4) Sim, o presidente Sampaio distribuiu mais umas medalhas (nos seus dois mandatos, de qualquer modo, só gastou metade das de Mário Soares, um mãos largas). 4) Sim, a generalidade da imprensa portuguesa continua a pensar que o presidente Lula, coitado, não sabia que o seu próprio partido pagava aos deputados do PP e do PL (e do PTB, bem vistas as coisas) – coitado do Lula, tão coitado. 5) Sim, ainda ninguém sabe como o governo vai cortar na reforma de Luís Campos e Cunha, ou no seu ordenado de ministro.»

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:47

...

por falcao, em 12.06.05
OUVIR – Foi desta que me converti ao iPod. Comprei um dos mini, de 6 GB, e não quero outra coisa. Já meti lá dentro uma dúzia dos meus CD’s mais queridos e encontrei um novo hobby que é fazer listas das minhas canções e músicas preferidas e ir colocando-as na máquina. Agora mesmo estou a ouvir os Byrds – de que tinha saudades sem saber. Finalmente consigo ouvir os meus discos antigos em qualquer altura sem ter que carregar a casa atrás. E vou pondo e tirando as novidades, que dantes mal tinha tempo para ouvir em casa, metade delas descobertas no iTunes, como o novo dos Coldplay.

DESCOBRIR – Os novos trabalhos, pintura sobre papel, de Inez Teixeira continuam a expressar uma visão muito orgânica – mas nesta nova exposição aprofundam esse caminho e criam momentos quase viscerais de enorme impacto. «Cursor» é o título da exposição que fica no Palácio Nacional de Queluz até 21 de Agosto – boa ideia esta de expôr arte contemporãnea em salas tradicionais de palácios e monumentos nacionais, o IPPAR está de parabéns.

COMIDINHA – Aconteceu-me esta semana que redescobri o prazer das coisas simples no Santo António de Alfama, um restaurante no Beco de São Miguel. Local simpático, serviço atento, ambiente de bairro popular. Bons petiscos, boas entradas, preço razoável e uma esplanada agradável. A comandar (bem) as operações está agora um jovem actor, o José Pedro Vasconcelos. Tel. 218 881 328, fecha às terças.

ENSINAR A VER - O Governo da Catalunha vai lançar um programa de educação audiovisual que se destina a ensinar as crianças e os jovens a diferenciar ficção e realidade, onde encontrar informaçãoo, como interpretá-la e analisá-la e também adquirir conceitos referentes às mensagens publicitárias. A experiência vai arrancar em 50 escolas no próximo ano lectivo no ensino infatil, primário e secundário e será transversal a várias disciplinas.

SEM COMENTÁRIOS - A Comissão Europeia aprovou o princípio da concessão de financiamento estatal pela França à criação da CFII, Chaîne Française d’Information Internationale, o canal noticioso que pretende ser a resposta estatal francesa à privada norte-americana CNN. O novo canal será operado em conjunto pela FR 1 (privada, grupo Bouygues) e pela estação pública France Telévision. A declaração oficial da Comissão Europeia considera que «o projecto oferece garantias suficientes contra o risco de distorção da concorrência».

PRINCÍPIOS - Por ocasião da celebração do 25º aniversário da CNN, o seu fundador, Ted Turner, afirmou que a estação devia dedicar-se mais a cobrir o noticiário internacional e a falar do meio ambiente, em vez de privilegiar assuntos triviais e as desgraças e perversões do dia-a-dia. A afirmação foi feita num discurso aos colaboradores da CNN, no qual Turner sublinhou que o seu objectivo era que a CNN fosse uma referência do melhor jornalismo e não da informação tablóide.

AS CRIANÇAS E O DINHEIRO - A Merrill Lynch está a trabalhar em parceria com os produtores norte-americanos e criadores originais da «Rua Sésamo» para desenvolver conteúdos que incutam nas crianças uma percepção mais global do mundo actual e que as ensinem a lidar com questões financeiras. Esta firma de gestão de investimentos atribuíu cinco milhoes de dólares à Sesame Workshop, a produtora do programa, com o objectivo de fomentar a percepção entre as crianças dos cuidados a ter com o dinheiro, abordando questões como a poupança, os juros e o crédito, por exemplo. «Estamos a promover o conhecimento na área financeira, que é uma área decisiva do conhecimento pessoal no mundo contemporâneo» - sublinharam responsáveis do banco.

PAGAR – Cada vez que daqui a uns meses comprar um disco ou um livro, um quinto do que pago irá para o Estado. Na realidade um quinto de tudo o que eu comprar passará a ir para o Estado ladrão. É IVA demais. É um roubo. Em três anos o IVA em Portugal terá subido quatro por cento – e imposto que sobe, já se sabe, não baixa mais. Não há lógica, nem moral. Muito gostava de ver um estudo comparado, de leitura simples, sobre o IVA nos Estados da União Europeia. Em Portugal a maior parte do que ganhamos vai, directa ou indirectamente, para sustentar o Estado – que nem sequer funciona. É uma pouca-vergonha.

BACK TO BASICS – O objectivo da política não é a verdade, nem fazer o bem.

REMATE - Como diz Agustina Bessa-Luís, mais vale gerir o mal do que pregar o bem.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:43

...

por falcao, em 09.06.05
MISTURAS
Nunca é boa ideia misturar futebol com política.E nunca é demais repetir isto.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:26

...

por falcao, em 09.06.05
LULA APODRECIDA
Para os fanáticos da superioridade moral da esquerda uma leitura atenta do escândalo da compra de votos para apoio das medidas do Governo Lula é um bom e educativo passatempo. A esquerda gosta de pôr uma auréola à volta da cabeça e umas asas nas omoplatas. mas vai-se a ver e é tudo fancaria.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:21

...

por falcao, em 09.06.05
O CÍRCULO DEIXOU DE SER QUADRADO
Uma das permissas do programa «A Quadratura do Círculo» era juntar à mesma mesa figuras com clara posição partidária mas com a singularidade de serem livre-pensadores, uns mais fiéis às disciplinas dos respectivos partidos, outros menos. O problema nasceu quando José Magalhães foi substituído por Jorge Coelho. Magalhães e Pacheco Pereira eram os velhos compéres do teatro de revista e, nos tempos iniciais, Nogueira de Brito era a voz da razão que tentava moderar a discussão dos dois (que mais tarde Lobo Xavier soube reinventar). Agora Coelho é apenas o porta voz de uma direcção partidária, usa o programa para fazer propaganda em vez de discutir ideias. E, ainda por cima, sendo cada vez mais evidente que é ele quem de facto manda no PS e estabelece a agenda da governação, no fundo trata-se de dar tempo de antena à direcção política do partido do governo. Todos ficámos a perder com a troca. Coelho rebentou com a quadratura do círculo e tornou-o monotonamente redondo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:57



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.



Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D
  235. 2003
  236. J
  237. F
  238. M
  239. A
  240. M
  241. J
  242. J
  243. A
  244. S
  245. O
  246. N
  247. D