Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



...

por falcao, em 13.09.05
MARQUE JÁ NA SUA AGENDA
NOITES À DIREITA*
*projecto liberal

SALA DE INVERNO DO TEATRO S. LUÍS
DIA 22 DE SETEMBRO, 20H30.

"A DIREITA E A CULTURA"

ANTÓNIO MEGA FERREIRA. PEDRO MEXIA. RUI RAMOS

Moderador: este que se assina, MANUEL FALCÃO

CONTAMOS COM A INTERVENÇÃO DE TODOS.

Todas as informações, a toda a hora em Direita Liberal

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:32

...

por falcao, em 13.09.05
COMENTÁRIOS
Durante uma semana resolvi abrir a possibilidade de leitores enviarem comentários aos posts. Este blog - e os seus posts - são assinados e o autor é conhecido. Infelizmente verifiquei que a quase totalidade dos comentários era anónina. Não sou fã de denúncias anónimas, mas não me incomodam os insultos nem as calúnias - ao longo dos anos habituei-me a ouvi-los já que eu assino o que escrevo. Não foram os comentários que me eram dirigidos que me fizeram alterar a sua existência e possibilidade - o problema é que terceiras pessoas começaram elas próprias a ser atacadas por anónimos (algumas até pessoas com quem estou em divergência total) e a isso não dou guarida. Quem quiser pode sempre enviar as suas opiniões, assinadas por favor, para aesquinadorio@hotmail.com . Para os anónimos desejo-lhes coragem, para um dia se assumirem.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:22

...

por falcao, em 13.09.05
COMO APRESENTAR NOTÍCIAS
O último número da Spectator tem um interessante artigo sobre os ataques dos trabalhistas a um dos apresentadores de noticiários da BBC, John Humphrys. Como a coisa é muito oportuna por cá, aqui vai, com a devida vénia, a transcrição, autêntico manual de vilanagem que alguns spin-doctores e responsáveis de agências de comunicação praticam - conhecimento muito oportuno na situação portuguesa, aliás:

«The peculiar and very bitter New Labour vendetta against the BBC presenter, John Humphrys, has at last drawn blood. Our government really, really hates the man and it is being aided in its campaign by one or two sycophantic News International journalists and one or two naive or envious souls from within the BBC itself.

For the best part of a decade, New Labour has repeatedly accused the Today presenter of engendering within the listening public a cynical attitude towards politicians. It is, the spin doctors aver, the ‘Humphrys Problem’ and for seven years the Prime Minister has conspicuously avoided being interviewed by the man. That, I suspect, is at the heart of the issue: Labour does not like the relentless and forensic manner in which Humphrys (and, for that matter, Paxman) conducts interviews with government ministers; the refusal to sanction obfuscation and — you have to say — on occasion downright lying. There are some non-aligned journalists who have a degree of sympathy with Labour’s complaints — John Lloyd, for example. But the majority of those who attack the man are very much aligned indeed, such as Tom Baldwin at the Times, a close friend of Alastair Campbell (who these days is himself a Times journalist, of a sort). Within the Corporation, meanwhile, there are those who feel Mr Humphrys has got a bit above his station — the ludicrous former acting chairman of the governors, Lord Ryder, is one such. And as we have seen, there are others.

This last week the Times devoted two pages to an attack on Mr Humphrys, based on comments he is alleged to have made during a light-hearted address to a bunch of public relations executives aboard a cruise ship moored off the coast at Southampton. Short of being stuck in the New Orleans Superdome, I cannot imagine a much worse fate than to be imprisoned on a luxury Narrenschiff with 200 or so bibulous PR monkeys — one hopes Mr Humphrys was well paid for enduring such an appalling ordeal. Anyway, during the course of his unscripted address, the presenter suggested that Gordon Brown tended to come across as a little boring when being interviewed, that John Prescott made people laugh and that politicians who refused to lie would find it difficult to achieve Cabinet status. He also suggested that Andrew Gilligan had been almost entirely correct that the government had ‘sexed up’ intelligence reports about Saddam Hussein’s weapons of mass destruction. I suppose you might consider the first three statements a matter of conjecture, but the last is a simple fact.

Tom Baldwin, naturally, was the conduit for the report, which stuck the boot in not only over the remarks I have quoted above but also over the fact that — heaven forfend — Mr Humphrys used a couple of rude words during his address. Mr Baldwin said rather coyly that the Times had ‘obtained’ a copy of a video made of the speech; in fact it had been passed on to Mr Baldwin by his old mucker Tim Allan, a former No. 10 spin doctor who now runs his own PR firm (but was not on board ship for the speech). Earlier this year Mr Allan was contemplating a return to New Labour spin-doctoring but, in the end, decided against it. Mr Allan’s company, Portland PR, handles an account for a certain Rupert Murdoch and he has been espied within these pages writing articles calling for the privatisation of the BBC. By now you should have an idea of the general agenda and the twin motives of political animosity and commercial gain.

Communications Directors, the firm which hired Mr Humphrys, insists that Tim Allan got his video under false pretences, lied through his teeth to members of its staff and broke a confidentiality agreement by passing the video on to Mr Baldwin. Mr Allan — who may now face legal action as a result — denies these allegations. ‘I have nothing to apologise for,’ he told me. ‘John Humphrys is paid thousands of pounds by the BBC and he runs around the country saying that politicians are lying shits,’ he added, although these were not quite the words used by Mr Humphrys. In any case, I’m not sure what the implication is here; certainly not conflict of interest. If the BBC paid him thousands of pounds and he ran around the country saying that politicians were lovely, would that be OK? One could even argue that Mr Humphrys’s comments were a form of public transparency, albeit a well-remunerated one. But this much is true: John Humphrys is one of the very few presenters whose political allegiance I cannot remotely fathom, despite having known the man as a friend for the best part of 15 years. Elsewhere there are presenters who use the word ‘we’ when referring to New Labour and plenty of others who betray their political leanings (almost exclusively towards the Left) in every loaded question, every sneer and every nuance.

The Times seems now to have disowned Mr Baldwin’s article. In an editorial on Monday it announced that Mr Humphrys’s comments should not be taken seriously and we should simply ‘chuckle’ and move on. Which is a peculiar thing to say about a story to which your newspaper has devoted two whole pages, but there we are. But the Times is in concordance with the rest of Fleet Street, Right and Left — there was no harm in Mr Humphrys’s remarks. And yet the BBC, or some of its management pygmies, has now seen fit publicly to rebuke the man.

It is worth remembering that it was Mr Baldwin who was the lucky recipient of the tape-recording which did for the Conservative MP Howard Flight, shortly before the last election. Mr Flight had been surreptitiously recorded suggesting that tax cuts were not a wholly bad thing and, when Mr Baldwin’s story hit the news-stands, Mr Flight was (illegally, I suspect) deselected on the orders of his party leader, Michael Howard. Mr Flight told me: ‘Tom Baldwin wrote the story; he got the recording. The Labour party did not deny that it had been the source of the tape at the time.’ Indeed, the Labour party put out a statement saying that Howard Flight had been sacked for telling the truth. How’s that for hypocrisy?

It is becoming a familiar mode of attack and one which is entirely fitting for New Labour: hang people when they are revealed to have spoken what they believe to be the truth. Sneak around and get friendly journalists to do your dirty work for you. There are certainly enough journalists willing to do it, although few have been quite so reliable, over the years, as Mr Baldwin.

Meanwhile the BBC, still in its post-Hutton trauma, has reacted with a predictable lack of spine. Both the chairman of the BBC, Michael Grade, and the editor of the Today programme, Kevin Marsh, have demanded to see a ‘full transcript’ of Mr Humphrys’s address. And having done so, they’ve come to exactly the opposite conclusion to the rest of the journalistic world. Is the BBC really so insecure that it needs to make such obeisance to the government?

You assume that with this sort of response, one of these days New Labour will get its wish and Mr Humphrys will be sacked. And we’ll be left listening to presenters who are on altogether more convivial terms with the ministers whom they are interviewing.»

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:47

...

por falcao, em 13.09.05
PARA MUDAR DE TEMA... Descobrir o Google
«The Search» é o título de um livro do jornalista John Battelle. A Wired News dedica-lha o artigo «How Google Got Its Groove On», onde nomeadamente pode ler:

Battelle's book shows how search is pushing technology toward the dream of artificial intelligence. He explains how thousands of small businesses thrive and die by the quirks of search-engine algorithms, and details how an unorganized consortium of nonprofits, bloggers and corporations are rebuilding the Library of Alexandria in a digital, distributed and democratic form.

Battelle, who launched one of the internet's seminal business magazines, The Industry Standard, and co-founded Wired magazine, is certainly qualified to tell the story of how pure search triumphed over bloated portals and in the process revitalized the dream of a revolutionary wired world.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:39

...

por falcao, em 13.09.05
PARA QUE CONSTE
No dia 6 de Maio - há muito tempo portanto - o jornal «Semanário» publicou uma peça onde se referia que eu iria participar e integrar a lista do Prof Carmona Rodrigues à Câmara de Lisboa. Nesse mesmo dia enviei ao Director daquele jornal uma nota que abaixo reproduzo na íntegra, e que foi publicada na edição seguinte do «Semanário», a 13 de Maio. Recordo-a aqui para que algumas almas caridosas que vivem da pequena calúnia tenham bem presente a ordem das coisas:
«O jornal que dirige publicou na sua edição de hoje, página 3, uma peça onde o meu nome é envolvido e onde são feitas afirmações, em relação à minha pessoa, que não correspondem à verdade.
Assim:
- Não estou nem estarei em qualquer lista de candidatos autárquicos;
- Não participei nem participarei em qualquer reunião de definição de estratégias para os próximos actos eleitorais.
Por consequência, em minha casa não se realizou qualquer reunião com a minha presença.
A minha intervenção nos últimos anos tem-se cingindo apenas a questões do fôro de políticas culturais e não tenciono ter qualquer intervenção política, nem em actos eleitorais, nem em quaisquer questões partidárias.
Conheço e estimo o Professor Carmona Rodrigues, mas para além desta estima e amizade não existe mais nenhuma relação – muito menos as conspirativas que apareciam descritas.
Tão pouco comento outras acusações, igualmente falsas, de fonte anónima (que penso no entanto saber quem possa ser, pelo estilo mesquinho e medíocre que o caracteriza).
O tempo se encarregará de demonstrar como a referida peça, pelo menos em relação a mim, não era verdadeira. Mas como o tempo é volátil, peço-lhe que rectifique as informações que sobre mim publicou.
Com os melhores cumprimentos
Manuel Falcão»

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:21

...

por falcao, em 12.09.05
POLÍTICA E POLÍTICOS
Como podem ver alguns dos comentários aos posts mais recentes mostram estranheza pelas posições neles expressas. Eu acho que esses comentários reflectem uma visão clubística da política, um dos males que aflige o nosso sistema. Os partidos políticos não são clubes de futebol e devem ao seu eleitorado, apoiantes e militantes um dever de coerência e constância. Não podem andar aos zigue zagues, mudando de posição sobre os assuntos. E os políticos - os que são líderes pelo menos - devem apontar um caminho e não viver permanentemente à boleia do vento. Um político não é quem se senta numa cadeira à espera que os problemas se resolvam por si. É quem os detecta antes de serem evidentes e os resolve antes de surgirem.
Eu acho que são os partidos e os políticos - apareçam como independentes ou não - que têm permanentemente de mostrar que são merecedores da confiança e apoio das pessoas, e não o contrário. As eleições são o escrutínio dos candidatos - não são um passeio triunfal. Cada voto conquista-se, cada apoio ganha-se: pela coerência das posições, pelo realismo das propostas, pela utilidade dos programas. Quando isto não existe - ou não é evidente - o mais natural é que as coisas comecem a correr mal. Mas isso é porque alguém errou. Numa democracia o problema nunca é de quem vota; é de quem se apresenta a votos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:19

...

por falcao, em 11.09.05
LISBOA – Quanto mais a campanha avança, mais ficam claras as fragilidades de vários candidatos. Da superficialidade de Sá Fernandes à pesporrência de Carrilho, passando pelo voluntarismo sem estratégia de Carmona Rodrigues, já apareceu de tudo. Até agora, salvam-se Maria José Nogueira Pinto e Ruben de Carvalho, claramente os dois candidatos que melhor conhecem Lisboa e que têm ideias mais assentes sobre o assunto – por muito que isto choque os bem pensantes e os funcionários partidários muito politicamente correctos que vão enchendo as restantes campanhas de disparates.

BACK TO BASICS – Quando se diz que sim a tudo, acaba por não se fazer nada.

DEPENDENTES – Um estudo britânico prevê que em 2010 cerca de 65 milhões de pessoas em todo o mundo sejam assinantes de serviços de imagem e televisão para os seus telemóveis e as receitas daí provenientes representarão cerca de 51% do total da facturação das empresas de telecomunicações.

CINÉFILOS – Apesar da crise, o número de portugueses que compram filmes em DVD com regularidade aumentou em cerca de um milhão entre 2004 e 2005, segundo a Marktest. Neste ano cerca de 2 320 000 portugueses com mais de 15 anos compraram um DVD. O comprador tipo vive em Lisboa e Porto, tem entre 18 e 34 anos e é homem.

PALADAR – Integrado no complexo do Casino Estoril, na parte de baixo, de frente para o jardim do Parque do Estoril e o mar, fica o restaurante Estoril Mandarim. Os entendidos dizem que é o melhor restaurante chinês de Portugal e um dos melhores da Europa. Se lá forem esqueçam o que é hábito encontrar na maioria dos restaurantes de origem chinesa que por cá se podem encontrar e preparem-se para descobrir um mundo de sabores subtis e envolventes como no «Dim Sum», ou o ritual do pato à Pequim. A cozinha reivindica a tradição culinária da província de Guangdong e o chefe de mesa é um excelente guia para lhe fazer sugestões de descoberta deste novo mundo. O restaurante tem uma sala ampla com alguns espaços reservados e uma esplanada para os bons dias deste Outono. O telefone é o 214 667 270.

SURPRESA – A primeira vez que ouvi o pianista Domingos António foi há cerca de ano e meio, num recital em que ele participou, numa tarde de fim de semana, no pequeno salão de festas do Liceu Maria Amália em Lisboa. Lembro-me da surpresa que tive perante a intensidade das suas interpretações, da forma como ele fazia soar o piano, mesmo num espaço tão limitado como aquele. Pois acontece que Domingos António gravou agora um disco para a EMI Classics que será editado dentro de semanas. O CD inclui interpretações de peças de Liszt, Beethoven, Mussorgsky (a integral de «Pictures At Na Exhibition») eScriabin. Domingos António, de origens transmontanas, 27 anos, estudou piano durante dez anos no Conservatório de Tchaikovsky, em Moscovo, onde obteve a classificação máxima e conquistou três primeiros prémios. Neste seu primeiro disco consegue fazer passar a mesma energia e emoção que senti quando tive a sorte de o poder ver a tocar ao vivo. Sigam o assunto, este disco vai fazer História.

CLÁSSICO – Já saiu a edição de 2006 do «Borda D’Água». Tem 24 páginas (para abrir com cuidado com uma faquinha afiada), custa 1,25 euros e lá dentro encontra boas recomendações para cada mês, desde a jardinagem ás fases da Lua ou a ditos populares. É um manual de sabedoria tradicional todos os anos lançado pela Editorial Minerva. No habitual texto de contra-capa Pedro Teixeira da Mota fala sobre a situação do país e traça um autêntico guia para o Governo. Se fosse seguido, a coisa podia correr bem melhor por estas bandas.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:36

...

por falcao, em 10.09.05
AUTÁRQUICAS
Esta semana andei um bom bocado por estradas secundárias nos arredores de Lisboa e na zona do Alto Alentejo e Ribatejo. A paisagem é dominada por cartazes de propaganda eleitoral para as autárquicas. Não é só nas cidades que eles aparecem, nas vilas e até em aldeias lá está uma carinha, um slogan, um cartaz. O mais curioso de tudo é que não há dois iguais e só muito dificilmente se conseguem notar semelhanças. Nem no material do mesmo partido se encontram com facilidade identidades gráficas- às vezes até no mesmo distrito. Parece que foi seguido o princípio da descentralização absoluta, o que redunda na maior confusão. Não há imagens comuns, não existe associação de ideias possível, não há linhas de continuidade. E, na esmagadora maioria dos casos, os tipos de letra e os grafismos são pura e simplesmente de mau gosto. Alguns, foleiros mesmo. É a imagem do poder autárquico no seu pior: de mau gosto desde a raiz.
O único ponto comum que encontro – mas isso também se reflecte, por exemplo, em Lisboa – é a péssima qualidade das fotografias dos candidatos. Flash de chapão, caras encenadas demais, brilho por todo o lado, tonalidades alteradas. Enfim, uma galeria de horrores. Longe vão os tempos em que a fotografia era cuidada, em que se faziam retratos em vez de se baterem chapas.
Lisboa apresenta um caso curioso, sobretudo se compararmos com as autárquicas de 2001. Nessa altura João Soares fez uma campanha de frases vagas e abrangentes, muito baseada em si próprio. Em contraponto, Santana Lopes aparecia com cartazes onde a dominante eram a elencagem de problemas, propostas concretas, medidas a tomar. É curioso ver como hoje o candidato de Marques Mendes a Lisboa escolheu o caminho de João Soares, e o candidato do PS escolheu o caminho de Santana Lopes. A ver vamos no que isto dá.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:04

...

por falcao, em 09.09.05
DEMÉRITO
Se tudo correr como até agora o candidato de Marques Mendes à Câmara de Lisboa pode ganhar as eleições na capital. Não será por mérito preóprio, infelizmente; antes por demérito do adversário que lhe está mais próximo nas sondagens, Carrilho. Bem pode o PSD acender umas velinhas para que ninguém leia o programa ou siga a campanha do seu candidato, não vá o diabo tecê-las e alguém acordar.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 07:57

...

por falcao, em 08.09.05
ESTAMOS IMPLODIDOS!
Durante horas o país asistiu atónito ao espectáculo de altíssimas individualidades a acompanharem o Primeiro Ministro no acto de fazer deflagrar uma explosão. Percebeu-se que a explosão tinha demorado oito anos a preparar. Percebeu-se que a técnica usada tem décadas e é corriqueira lá fora. Por cá foi espectáculo. Pour épater le bourgeois...

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:21



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.



Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2003
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D