Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



...

por falcao, em 22.01.06
A ESQUINA DO RIO 131

MICRO SÉRIE- A cadeia de televisão norte-americana CBS vai lançar no dia 24 de Janeiro uma micro-série de nove episódios, todos com menos de um minuto cada, e que passarão diariamente nos primeiros intervalos de séries célebres como «CSI» ou «Criminal Minds» até ao dia 1 de Fevereiro. A série é integralmente patrocinada pelos automóveis Pontiac, chama-se «The Courier» e estará disponível on line e também em telemóveis. Esta série conta a história de um homem que tenta salvar a mulher, que foi raptada e que para isso passa por aventuras extraordinárias e desafia constantemente a morte. Cada episódio termina com um anúncio do novo Pontiac Torrent.

PUBLICIDADE - Os investimentos publicitários nos Estados Unidos devem aumentar 5,4 por cento em 2006 para um total de 152,3 mil milhões de dólares, com os maiores aumentos a verificarem-se noa canais de televisão latinos, Internet e televisão por cabo. O investimento nas televisões generalistas deve ser de apenas 4,5 por cento, segundo um estudo da TNS Media Intelligence.

O MELHOR DA SEMANA – A programação de sexta-feira passada do Canal 1, em que a RTP mostrou o que é ser serviço público, com uma noite em prime time toda em português e com qualidade: essa grande série que é «Bocage» (que interpretação a de Nicolau Breyner!) e o filme «Milagre Segundo Salomé». E o resultado do dia foi melhor que o de um dos canais privados…Nuno Santos, que dirige o canal, e Maria de São José, que foi responsável pela produção de «Bocage», estão de parabéns.

O PIOR DA SEMANA – Mário Soares a fazer promessas baseado em garantias que invoca terem-lhe sido dadas por um Ministro. No fundo é a confirmação de um darwinismo muito «sui generis» - a evolução de candidato presidencial a porta-voz do executivo.

PRÉMIO INOVAÇÃO – Para o site da candidatura de Cavaco Silva, orientado por Diogo Vasconcelos, afastado da UMIC pelo actual Governo, e que deu um exemplo de acessibilidade na net a pessoas com dificuldades de comunicação acrescidas. E já agora que estou a falar em eleições gostava que as coisas se resolvessem à primeira volta: seria a prova provada de que o país mudou mais depressa que aquilo que os velhos políticos acreditam. Uma vitória de Cavaco no Domingo seria também uma derrota dos velhos do Restelo de várias matizes que por aí abundam.

PARA VER – As exposições da Lisboarte, que arrancam este sábado 21 pelas 16 horas. Dezasseis galerias inauguram exposições em simultâneo com a divulgação de trabalhos artísticos nas áreas da pintura, desenho e fotografia. Informações detalhadas em www.lisboarte.com .

PARA OUVIR – Natasha Bedingfield é uma deslumbrante loura de olhos azuis que canta divinalmente canções pop perfeitas como só alguém oriundo do Reino Unido consegue – veja-se o caso de Robbie Williams. O seu álbum «Unwritten» é um testemunho da vitalidade da música popular e a canção que o tornou notado, «These Words», é um manual de como fazer uma canção, com a ajuda de Byron, Shelley e Keats. Na realidade graças à elegância da sua melodia, nascida dos rythm and blues, Natasha merece mesmo a vossa atenção. Ideal para tirar o ruído que há-de abundar no próximo Domingo eleitoral.

PARA LER – A edição de 9 de Janeiro da «New Yorker», por causa de um artigo e de um portfolio fotográfico, ambos sobre o Furacão Katrina. A reportagem chama-se «Delugeds» e é escrita por Dan Baum e aborda a questão na demora dos alertas e da reacão das autoridades. O portfolio «The Waste Land» é de Robert Polidori e mostra o estado dos locais depois de a água ter desaparecido. São fotografias a cores cuidadas e pensadas, muito elaboradas do ponto de vista da luz, intensas e vividas, furiosamente anti-neutras. Nos antípodas de muita coisa que por aí aparece a querer reivindicar o estatuto de fotografia.

GULODICE – Uma romã, devidamente desmanchada, temperada com mel e canela. É uma sobremesa desta época, um fim de noite fantástico e simples como todas as coisas boas da vida.

UMA PERGUNTINHA – Porque é que o Primeiro Ministro se aborreceu com a revelação sobre os entraves à entrada do MIT em Portugal, feita pelo ex-coordenador do Plano Tecnológico, José Tavares, ao ponto de lhe atirar à cara a sua condição de funcionário público e de frisar que não lhe cabe a ele falar dessas coisas mas sim ao Governo?

BACK TO BASICS – Todos comem e bebem, mas são poucos os que sabem distinguir os sabores (Confúcio).

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:08

...

por falcao, em 14.01.06
CAMPANHA ELEITORAL – Nunca uma campanha custou tanto a passar, nunca foi tão monótona e aborrecida, desde o cinzentismo fundamentalista de Louçã até às birras de Soares – quem anda na campanha dele bem pode escrever um livro no fim para ajudar a perceber as variações de humor, a mania da perseguição, as declarações intempestivas, as acções irreflectidas. Se mais razões não houvesse bastavam estes últimos dias de campanha de Soares para ver o que não faz falta em Belém.

O PAÍS MUDOU – Quando acabar este momento eleitoral algumas pessoas vão perceber que de 1974 para cá o país mudou mesmo, que as realidades antigas são diferentes. Quem hoje tem 30 anos nasceu já depois do fim da ditadura. De forma crescente, nos actos eleitorais dos últimos cinco anos, percebe-se como o voto tem sido flutuante, como já não é certo que exista uma maioria sociológica de esquerda ou de direita. O voto hoje é mais pragmático e menos ideológico – muitos políticos ainda não perceberam isso e não é com chavões antigos que se conseguem vitórias. Basta olhar para as imagens das acções de campanha de Soares: são semelhantes às do PC – uma base de apoio predominantemente envelhecida.

A GUERRA AOS JORNALISTAS – Outro aspecto da mesma questão é guerra aos jornalistas que sectores da esquerda lançaram nesta campanha, pela primeira vez de forma clara. Convém perceber porquê: é que de facto a protecção disfarçada e a simpatia clara que costumam ser mairitárias na comunicação para com a esquerda, também vai mudando. Já se apontam os defeitos à esquerda – coisa dantes impensável, já se mostram maus planos, já se fazem ironias sobre os discursos – tudo matéria que até há poucos anos era reservada apenas à direita. A esse nível melhorou-se o pluralismo: agora já começam a levar todos por igual. É disto que Maria Barroso e Soares se queixam – estavam habituados a serem intocáveis.

SONDAGENS – Mais uma vez, como em anteriores eleições, vale a pena consultar regularmente o blog www.margensdeerro.blogspot.com onde Pedro Magalhães faz regularmente as comparações entre as tendências das várias sondagens, a evolução dos respectivos resultados e salienta as principais linhas de força que se manifestam.

COISA BOA DA SEMANA – A nomeação de Francisco José Viegas para a Casa Fernando Pessoa.

COISA MÁ DA SEMANA – O saneamento de António Lagarto do Teatro Nacional D. Maria II pelos ocupantes do Ministério da Cultura.

ALERTA – A revista «Atlântico» vai mudar e o novo director, Paulo Pinto de Mascarenhas, prepara já algumas surpresas na sua primeira edição, de Fevereiro. A seguir com atenção.

NOVIDADE GOOGLE – Está em testes o novo serviço Google Vídeo (http://video.google.com/) que apresenta filmes, séries, documentários, videoclips, curtas-metragens, filmes experimentais, enfim toda a gente pode enviar e ver imagens.

LER – Todas as semanas na «Briefing» a nova página «brand taboos», da autoria de Carlos Coelho e Paulo Rocha. Em estreia esta semana «o sexo das marcas».

VER – O magnífico documentário de Martin Scorsese, «No Direction Home – Bob Dylan». Todo o percurso de uma das figuras marcantes da música, da escrita e da consciência social do século XX. Baseado numa entrevista recente a Dylan, o filme utiliza muitas imagens de arquivo, assim como depoimentos de contemporâneos do cantor e muiutos minutos de actuações ao vivo de Dylan. Não é só o retrato de uma época e de uma geração, é também o manual de como fazer um bom documentário biográfico. (2xDVD, distribuído pela Paramount, à venda nas lojas FNAC).

COMER – O velho Alfaia no Bairro Alto foi remodelado (bem remodelado, diga-se), mas continua a ser um grande sítio para jantares de amigos. A comida melhorou substancialmente em relação aos idos dos anos 80, o serviço é simpático mesmo em grupos grandes e no meio da confusão. Ao lado há uma garrafeira que explica como a lista dos vinhos é tão bem fornecida – e nesta garrafeira podem beber-se bons vinhos a copo e comer uns petiscos. Travessa da Queimada 18-24, telefone 21 346 12 32.

DECLARAÇÃO DE VOTO – Não será uma surpresa, mas por via das dúvidas, atendendo à conjuntura e ao desenrolar dos factos, mantenho inalterado o meu voto e gosto que ele seja público: que venha Cavaco Silva para a Presidência da República.

BACK TO BASICS – A Política não pode ser a arte de procurar sarilhos mesmo onde eles não existem.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 02:19

...

por falcao, em 14.01.06
LISBOA OUTRA VEZ

Finalmente o resultado eleitoral das autárquicas em Lisboa começou a ter correspondência na gestão da autarquia. Foram precisos três meses para se chegar a um acordo natural, e cuja necessidade era evidente.
O futuro fará a história das pequenas políticas que foram metendo pauzinhos na engrenagem e que dificultaram o que era por demais evidente: a existência natural, à direita, de uma maioria segura e estável.
Como lisboeta esta era uma situação que me arreliava particularmente e não conseguia mesmo perceber a manutenção do desacordo. O que é mais importante: fazer cedências e assegurar um projecto?; ou manter rigidez e desenvolver o imobilismo?.
Uma aliança política pressupõe compromissos, mas se for transparente é melhor – bem melhor – que o governo feito apenas por uma facção. Por isso a entrada do PP e de Maria José Nogueira Pinto para o executivo camarário é uma boa notícia.
Talvez agora se possa começar a desenhar uma estratégia para a cidade, invisível até este momento, para além dos truques da pior velha política que surgiram nestes primeiros meses de mandato.
Nalgumas áreas que me são particularmente caras – como a da Cultura – vejo as declarações programáticas reduzirem-se a anúncios de intenções que apenas satisfazem alguns lóbies numa linha política de cedência a pressões que já caracterizou Amaral Lopes quando foi Secretário de Estado da Cultura. Mas, pior, e mais preocupante, é a manifesta ausência de referências à continuidade de linhas de força estratégicas que vinham dos últimos anos – como o bem sucedido África Festival, que parece ter sido já esquecido. Ainda é cedo para balanços, mas a linha geral que até agora domina é a do espontaneísmo – essa infecciosa manifestação de falta de rumo. Que a coisa se componha é o meu desejo. Sincero.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 02:17

...

por falcao, em 08.01.06
OUTRAS TELEVISÕES
Diferenças ibéricas: aqui ao lado, em Espanha, o ano que passou viu o nascimento de dois novos canais abertos – a Cuatro e a Seis. Em Portugal continua a parecer uma heresia falar-se na possibilidade de, ainda antes do lançamento da Televisão Digital Terrestre, se possibilitar a abertura de novos canais. E o mero licenciamento de canais destinados a plataformas fechadas continua a ser uma dor de cabeça. Só para termos uma ideia de como o mundo anda mais depressa do que a política permite, vejam-se estes dois casos vindos dos Estados Unidos e que irão deixar marcas na forma como a televisão é distribuída e consumida.
Boas notícias no mundo da TV por banda larga: uma empresa norte-americana, o Starz Entertainment Group (SEG), anunciou esta semana o lançamento do Vongo, um serviço de banda larga que permite distribuir filmes e diverso conteúdo vídeo a computadores baseados no sistema Windows, a alguns dispositivos portáteis compatíveis e a aparelhos de televisão. Os assinantes deste novo serviço, que custa 9.9 dolares norte americanos por mês, terão acesso à emissão do canal Starz TV, feita em streaming, e a um catáologo de mais de mil títulos, entre os quais «The Incredibles», «Pulp Fiction», «Annie Hall» e «Dances With The Wolves», entre outros. Existe uma extensa lista de títulos adicionais que podem ser vistos no sistema de pay-per-view (PPV), ao preço de 3.99 dolares cada um. A SEG estabeleceu já um acordo com a Sony para que o Vongo seja um dos parceiros privilegiados do serviço Connect Vídeo que vai ser brevemente lançado. Por outro lado a Microsoft está a trabalhar estreitamente com a SEG para assegurar que a qualidade de imagem obtida com o Vongo seja uma referência.
Do lado da Apple e do admirável mundo novo do iPod, a Walt Disney anunciou que vai alargar o pacote de oferta no iTunes Music Store. Assim passarão a estar disponíveis conteúdos desportivos dos canais ESPN e ABC Sports, assim como conteúdos dos canais ABC News e ABC Family. O ESPN (uma das maiores operações de televisão baseada em todas as formas de desporto) e a ABC Sports são os primeiros fornecedores de conteúdos de desporto a estabelecerem acordo com a iTunes. O material incluirá versões condensadas de grandes acontecimentos desportivos, nomeadamente os grandes jogos de baseball e futebol americano, assim como resumos de provas de desportos radicais, entrevistas com grandes atletas e uma série muito premiada de biografias, lançada pela ESPN sob o título «This Is Sports Center». A iTunes vai também disponibilizar séries infantis da Disney como «Kim Possible» e «The Proud Family», além de clássicos como «Os Três Porquinhos» (de 1935) e «A Tartaruga e a Lebre».. Além de tudo isto a ABC News irá fornecer um serviço de vídeo podcasts (emissão em vídeo expressamente feita para iPod’s», que será financiada por publicidade específica e que incluirá segmentos de programas como «Good Morning America» e «World News Tonight»., assim como de «Money Minute» e «Medical Minute». Recordo que este serviço já incluía o download de séries como «Desperate Housewifes», «Lost» e «Commander In Chief», entre outras, ao preço de 1.99 dolares por episódio.
Mudar a audiência de uma estação de forma radical é possível: Em poucos anos Nancy Tellem, a presidente da CBS Paramount, conseguiu transformar uma estação de público envelhecido e predominantemente rural para a estação norte-americana mais vista pelo público urbano entre os 18 e 49 anos – o segmento demográfico mais apetecido. Receitas? – Segundo Tellem, o fundamental foi permanecer fiel à estratégia traçada que era a de apresentar programas de grande qualidade, com capacidade de atracção de audiências, e construir uma grelha programa a programa, segmento a segmento e noite a noite. Nesta linha incluíram-se sitcoms como «Everybody Loves RFaymond», reality-shows como «Survivor» ou séries como «CSI», «Without A Trace» ou «Cold Case». A estação tem mais programas na lista dos 20 mais vistos nos Estados Unidos que qualquer das suas rivais. Claro que não lhe fizeram cortes de orçamento a meio do plano, claro que a deixaram ter autonomia, claro que não interferiram com o seu trabalho.
BACK TO BASICS: Cá se fazem, cá se pagam – a propósito da Iberdola, EDP e Pina Moura.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:20

...

por falcao, em 01.01.06
REVISÃO DA MATÉRIA DADA

Antes de entrar nas escolhas de 2005, quero deixar um voto para 2006: que em todas as áreas, em todos os sectores, quem decide possa definir de forma clara as prioridades; que a conjuntura não se sobreponha ao médio e longo prazo; que a coragem não se deixe vencer pelo populismo; que a arbitrariedade não se torne no standard da maioria absoluta. Vamos então ao ano que está a terminar.

Comecemos pela música, a portuguesa. Ano pujante, a merecer destaques variados. O primeiro vai para a banda sonora do filme «Alice», composta por Bernardo Sassetti, claramente uma das melhores edições de 2005. Saltando para a área do rock o destaque vai para os Wray Gunn com «eclesiastes 1.11», que este ano teve uma bem merecida internacionalização. No hip hop Boss AC tem a primazia com «Ritmo, Amor e Palavras», uma prova de que alguma da melhor poesia se faz no contexto da música de expressão urbana. O prémio revelação vai para Marta Hugon, com o seu «Tender Trap», um disco de standards de jazz com arranjos subtis, cantados de forma convincente e criativa pela voz de Marta Hugon. Na área da música contemporânea o destaque vai para o colectivo virtual Rocky Marsiano, com o seu «The Pyramid Sessions», que revela um vigor e modernidade que dificilmente encontra paralelo por estas paragens. Finalmente na música clássica o destaque vai inevitavelmente para «Quadros De Uma Exposição» do pianista Domingos António.

Nas músicas mais internacionais escolho momentos variados: No pop destaco o disco «I Am A Bird Now» de Antony And The Johnsons e o regresso de Fiona Apple com «Extrordinary Machine»; no rock, sublinho o segundo disco dos Franz Ferdinand, «You Could Have It So Much Better» e «Guero» de Beck; no hip hop uma chamada de atenção para o inesperado «Think Differently Music - Wu Tang Meets The Indie Culture» dos Wu Tang; na música clássica recordo a «Opera Proibita» de Cecília Bartoli; no jazz escolho colectânea «Get Happy- The Harold Arlen Centennial Celebration» e, entre as edições do ano, o «Flow» de Terence Blanchard.

Por mais voltas que se dê ao texto, um nome incontornável em 2006 é o de José Mourinho. Na edição desta semana da London Review of Books vem uma curiosa recensão de um livro que tenta analisar a razão do êxito de Mourinho como treinador do clube londrino. O livro chama-se «Mourinho: Anatomy Of A Winner», e foi escrito por Patrick Barclay, um jornalista desportivo britânico. Como é que a arrogância natural de Mourinho conseguiu sobreviver numa Grã Bretanha atavicamente pouco dada a atitudes dessas é um dos mistérios que a obra tenta explorar.. Uma pessoa que muito admiro, estimo e aprecio, tem sobre estas matérias uma opinião lapidar. «do desporto à gestão, passando pela política, há uma verdade incontornável: quanto mais se treina, mais sorte se tem».

Para mudar de ares, nas exposições, escolho a fotografia como tema e permito-me destacar três momentos: a retrospectiva de Paulo Nozolino em Serralves, a magnífica (mas mal apresentada) exposição de Joshua Benoliel no contexto da Lisboa Photo, na Cordoaria, e, ainda no contexto da Lisboa Photo, a exposição apresentada na Plataforma Revólver, «Imagens Privadas», comissariada por José Maçãs de Carvalho.

Vou passar quase por cima dos livros – porque esta é a área onde não hão-de faltar balanços. Mas para desassossegar as hostes escolho dois romances. O português, de matriz histórica, é «O Cavaleiro da Águia» de Fernando Campos, uma viagem aos séculos XI e XII da nossa História. Na literatura internacional escolho «Never Let Me Go» (edição portuguesa já disponível, «Nunca Me Deixes»), de Kazuo Ishiguro, um olhar inquieto e perturbador sobre o futuro.

Pois passemos agora à comidinha, à difícil escolha daquele que merece ser considerado como o mais regular, simpático e agradável restaurante de Lisboa durante 2005. Para fazer esta escolha há várias coisas que entram em linha de conta: em primeiro lugar a qualidade da comida, dos ingredientes à confecção; em segundo lugar a criatividade da lista; em terceiro lugar a variedade da garrafeira; em quarto lugar a qualidade do serviço, desde a marcação até à sala; em quarto lugar a relação qualidade-preço. Tendo em linha de conta todas estas variantes não tenho muitas dúvidas em indicar o Restaurante Luca como o que mais merece ser distinguido em 2005. Fica na Rua de Santa Marta 35 ( telefone 21 315 02 12) e se não fosse a dedicação posta pelo seu proprietário em todos os detalhes, a atenção e a simpatia para os clientes, tudo seria diferente. Que o Luca não se estrague é o meu sincero desejo.

Back To Basics: «As pessoas que se gabam de não terem vícios têm muito poucas virtudes» - Abraham Lincoln.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:08

...

por falcao, em 01.01.06
UMA CIDADE DESAPARECIDA

Lisboa vive no ingrato papel de ser simultaneamente a Capital e a cidade dos lisboetas. Na maior parte do tempo, os lisboetas foram derrotados pelo Estado. Existe uma quase fatal oposição entre aquilo que Lisboa deve ser como cidade, e aquilo que o Estado quer de uma Capital. O Estado olha para Lisboa como um território instrumental, parte de uma política, e não como um fim em si próprio. Quem está à frente da autarquia lisboeta deve pensar exactamente o contrário. E deve fazer afirmar a sua posição.
Nos últimos dez anos Lisboa afirmou-se e bateu o pé, ganhando identidade. No entanto, aquilo que se começa a assistir, agora, é que o Estado toma decisões que condicionam – e às vezes prejudicam – Lisboa. O caso da Ota é exemplar do ponto de vista da arbitrariedade centralista de um Ministro das Obras Públicas que tem um código genético autoritário, protegido por um Primeiro Ministro que tem tendência a ler na cartilha do despotismo iluminado.
A Ota surge em nome do «bem-comum», e aos poucos a iniciativa das questões que envolvem Lisboa passa da Praça do Município para S.Bento.
Até no negócio em torno da colecção Berardo o Primeiro Ministro viu vantagens em afastar as outras partes interessadas, chamando a si os louros da decisão, mais uma vez em nome do diáfano «bem comum».
Uma cidade como Lisboa só pode viver com uma estratégia própria, que a compense dos custos de ser Capital, do que isso traz de desconforto – e de prejuízo – aos seus habitantes. Uma cidade como Lisboa não pode ser governada em S. Bento, género alfinete de peito que se leva no fato de cerimónia para as ocasiões especiais.
Em Lisboa as águas andam demasiado paradas. Por este andar estão inquinadas lá mais para o Verão.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:06

Pág. 2/2



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.



Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2005
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2004
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2003
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D