Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



...

por falcao, em 16.05.06
NÃO SE ESTRAGAM DUAS CASAS...
Carlos Martins, que em alguns momentos conseguiu ser uma referência no
jazz português, voltou às trapalhadas e misturadas que nos últimos
anos têm afligido a sua carreira e no seu disco «Do Outro Lado»
associa-se a esse expoente do engano musical lusitano que é Carlos do
Carmo. Duas conclusões: 1 - Carlos Martins definitivamente passou-se
para o outro lado; 2- Não se estragam duas casas.
Carlos do Carmo tornou-se notado nos últimos meses por ser o arauto de
um filme propangandistico teoricamente sobre o fado realizado pelo
decadente Carlos Saura e pago pelo erário público, no caso pela
autarquia lisboeta.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:20

...

por falcao, em 16.05.06
O ABC
Paulo Pinto de Mascarenhas regressou em grande com novo blog, ABC que é imperativo ler. E já que lá estão podem sugerir alguns dos links sugeridos, como o do Rodrigo Moita de Deus.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:17

...

por falcao, em 13.05.06
ESPREITAR – O site da revista que ganhou um dos National Magazine Awards norte-americanos, a «Virginia Quarterly Review». Graficamente deslumbrante, os conteúdos vão de artigos sobre ciência a design, passando por literatura, história e filosofia. É editada pela Universidade da Virgínia quatro vezes por ano. Podem levantar a ponta do véu em http://www.vqronline.org/ .


EUROPEIZAR – Por cá o Dia da Europa foi este ano assinalado com guloseimas no velho Martinho da Arcada, no Terreiro do Paço. A vetusta casa que albergou, entre outros, Fernando Pessoa, foi a escolhida em Portugal na iniciativa Café d’Europe. À porta, nesse dia, distribuía-se uma edição especial do «Frankfurter Allgemeine», felizmente escrita em inglês, e que levava em subtítulo «The Europe Journal». Cada um dos membros da União tinha direito a um artigo. Alguns exemplos: a boa aposta da Estónia nas novas tecnologias, a capacidade de integração dos emigrantes na Holanda, uma curiosa experiência de agricultura na Sicília, a florescente actividade artística em Barcelona, o inesperado sucesso de escritores policiais suecos, uma inovadora política social na Dinamarca. E qual o tema escolhido para Portugal? – Os incêncios de verão, num retrato devastador da política florestal e de segurança dos últimos anos. No meio de artigos essencialmente positivos, um retrato negativo do país. Nada de que nos possamos orgulhar.


VER - «Movimentos Perpétuos, cine-tributo a Carlos Paredes» é talvez o melhor dos filmes que Edgar Pêra realizou até hoje. Fruto de um trabalho longo e persistente de edição e pesquisa, baseado na gravação áudio de um recital de Paredes, promovido pelo «Mundo da Canção» no Porto, o filme acaba por ser uma espécie de «o Mundo visto por Carlos Paredes» e é isso que o torna precisamente tão atraente e contemporâneo – e por vezes incómodo. Em exibição no Lusomundo-Vasco da Gama.


VISITAR – A exposição de pintura de Francisco Vidal na VPFcream Arte (Rua da Boavista 84-2º, Lisboa, de terça a sábado das 14 às 19h30, até 17 de Junho). Já agora aproveite para conhecer o novo espaço da VPF, um andar acima, a meio caminho para a Plataforma Revólver. Aí poderá ver obras do acervo da galeria, com destaque para fotografias recentes (e muito interessantes) de José Maçãs de Carvalho, esculturas, vídeos e pinturas de diversos artistas. Mais acima, na Plataforma Revólver, está uma exposição de fotografias de Pedro Loureiro.


OUVIR – Para muitos Pete Seeger é sobretudo o autor de canções de protesto, como «We Shall Overcome», que foi o hino do Movimento pelas Liberdades Cívicas e também dos movimentos contra a guerra no Vietname, nos anos 60, nos Estados Unidos. Mas Seeger foi muito mais que isso, foi essencialmente um talentoso compositor, um divulgador persistente da música folk norte-americana. São suas canções como «Turn, Turn, Turn», «If I Had A Hammer», ou «Where Have All The Flowers Gone». O novo disco de Bruce Springsteen é um tributo a Pete Seeger através de alguns dos seus temas mais ricos do ponto de vista musical, como «Old Dan Tucker», «O Mary Don’t You Weep», «John Henry» ou «Erie Canal». Springsteen inteligentemente recria as composições com arranjos notáveis e de uma fidelidade musical absoluta às raízes do folk norte-americano, num exercício de contenção e criatividade absolutamente exemplares. Para além do CD, esta edição oferece em bónus um DVD sobre o processo de gravação, com algumas interpretações ao vivo. «We Shall Overcome – The Seeger Sessions», Bruce Springsteen, CD e DVD Columbia.


COMIDINHA – Apesar de ser muito elogiada pela generalidade dos críticos gastronómicos da estimada praça, a Quinta de Catralvos (estrada Azeitão-Sesimbra) revela-se na prática bem menos entusiasmante do que aquilo que os bem pensantes locais têm escrito. Eu não sou grande fã dos restaurantes que impingem menus degustação à força e, neste caso, o resultado foi francamente decepcionante em relação à fama que precedia o trabalho do chefe Luís Baena. O serviço foi pouco cuidado, apressado, esquecido (apesar de a sala estar meio vazia). Em suma, não apetece muito lá voltar. Tel. 212197610.


Back To Basics - «Belas palavras e uma aparência insinuante raramente estão associadas à virtude» - Confúcio.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:35

...

por falcao, em 13.05.06
POLÍCIA ATRAPALHA O TRÂNSITO


O trânsito em Lisboa está cada vez mais caótico e isso deve-se em grande parte à complacência da polícia. Vamos a factos: frequentemente vejo polícias a multarem e a prepararem para reboque carros que estão estacionados em contravenção, mas que não empatam o trânsito. Constantemente vejo a polícia a não fazer nada para dissuadir do estacionamento em dupla e em tripla fila. Isto sempre me fez espécie: porque é que a polícia não dissuade o estacionamento que empata o trânsito e persegue males menores? Qual o sentido disto? Dará menos trabalho?

Os locais são conhecidos, mas é nas Avenidas Novas de Lisboa que a coisa se revela mais desesperante, em particular no troço de sentido único da Avenida Miguel Bombarda – onde as quatro faixas teoricamente existentes chegam a estar reduzidas a uma única útil.

Passo por lá todos os dias e nunca vi um polícia a multar, a dissuadir. O mesmo se pode dizer da Avenida João Crisóstomo – que não se consegue fazer sem zigue-zaguear entre os carros estacionados – neste caso a escassas dezenas de metros de uma esquadra policial.

Se a polícia sabe o que se passa, não faz nada e empata recursos noutras operações que se reflectem menos no conforto dos cidadãos, só pode ser porque gosta de atrapalhar o trânsito, gosta que as coisas se compliquem, que as pessoas se enervem, que se criem engarrafamentos.

Chamemos as coisas pelo seu nome: a grande responsável do caos no trânsito na capital é a divisão de trânsito da Polícia de Segurança Pública, incapaz de definir prioridades e de agir com inteligência em vez de espírito persecutório. Um autêntico caso de polícia.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:35

...

por falcao, em 07.05.06
POLÍCIA DE INSEGURANÇA PÚBLICA


Nos últimos seis meses um dos meus filhos foi assaltado duas vezes em plena luz do dia, na Praça do Areeiro, junto à saída do metropolitano. Da última vez dirigiu-se a um polícia, que o mandou ir à esquadra fazer a participação sem perguntar mais nada, sem se interessar sequer pelo sucedido.

Um amigo meu que é entendido nestas coisas de segurança diz que é normal, que o Areeiro é uma zona de risco, como qualquer ponto de cruzamento de diversos meios de transportes públicos.

Pois eu não acho nada disto normal – nem a atitude do polícia, nem que se encare como normal que não se pode andar na rua à luz do dia no centro da cidade sem correr o risco de ser assaltado. É certo que tenho as maiores reservas em relação ao funcionamento da PSP – a sucessão de casos em que elementos dessa polícia aparecem ligados ao crime organizado explica muita da indiferença face à protecção das pessoas.

Tenho as maiores reservas face a uma força policial cujos agentes se preocupam mais com eles próprios do que com as pessoas, que dedicam mais energia a fazer manifestações e greves que a patrulhar as ruas, que mais depressa incomodam cidadãos desprotegidos do que criminosos. A polícia portuguesa continua a ser prepotente contra os cidadãos e cobarde – ou conivente – face aos criminosos.

A responsabilidade disto é, em primeiro lugar, das suas chefias e dos seus comandos que não conseguem pôr de pé um plano mínimo de presença física policial em zonas de risco que sirva de dissuasor, que permitem que Lisboa se esteja a tornar cada vez mais numa selva, com assaltos em sinais vermelhos ou à entrada de parques de estacionamento – como agora acontece com frequência nas Amoreiras, ou no meio de zonas centrais. Todas as cidades que fizeram diminuir a criminalidade usaram a presença física constante dos agentes nas zonas mais problemáticas para garantir maior segurança. Será que os comandos da PSP não sabem quais são as zonas problemáticas de Lisboa? – Provavelmente não – já que manifestamente sabem tão pouco do que se passa dentro da organização que é suposto dirigirem, não admira que ignorem tudo o resto.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:13

...

por falcao, em 07.05.06
LUCROS – A Time Warner anunciou um aumento de lucros de 60 por cento no primeiro trimestre deste ano (o seu melhor de sempre), a Bertelsmann duplicou os lucros obtidos no período homólogo do ano passado e a BSkyB (operador de televisão de satélite britânico) anunciou que este período foi o mais lucrativo da história da companhia. Nem tudo são más notícias.


DEVORAR – A nova edição da revista «Atlântico», até agora a melhor desta nova série. A reter, em vésperas de Congresso do CDS, um muito interessante artigo de Pedro Ferraz da Costa sobre o partido, uma lúcida análise de Rui Ramos sobre «Um Cavaco Desconhecido», as peripécias do périplo africano do Primeiro-Ministro em «Como Esquiar em Angola», Carla Hilário Quevedo (a autora do blog «Bomba Inteligente») a braços com as polémicas em torno do mais recente livro de Margarida Rebelo Pinto e uma nova coluna, «O Engraxador», dedicada por Fernando Sobral à «Cinderella da política cultural da esquerda», Isabel Pires de Lima. Muita e divertida leitura para o fim de semana.


ESPERAR – A partir de 16 de Setembro vai haver um novo jornal semanário nas bancas, aos sábados. Chama-se «Sol» e será dirigido por António José Saraiva, Director do «Expresso» até ao fim do ano passado. Saraiva fez quarta-feira uma minuciosa apresentação do novo jornal e mostrou que nestes meses ele e a sua equipa fizeram bem o trabalho de casa. O projecto aponta para um jornal politicamente influente com mais características populares que é hábito neste tipo de imprensa, e quer ser assumidamente especulativo e interventivo. O «Sol» (logótipo muito bem conseguido de Pedro Proença) tem um grafismo entre o «back to basics» e detalhes interessantes da utilização da cor. A sua revista, «Tabu», promete ser uma boa surpresa. Sob o lema «Um Jornal Como Nunca Se Viu», o «Sol» vai de certeza dar muita dor de cabeça aos responsáveis do já conturbado mundo editorial português.


DESCOBRIR – Um novo magazine sobre artes plásticas, exclusivamente disponível na Internet, ArteCapital, está desde hoje disponível em www.artecapital.net . Dedicado fundamentalmente à arte moderna e contemporânea, a nova publicação on-line permitirá «ver» algumas das exposições patentes em galerias e museus e a ideia é de um conhecido coleccionador e galerista, Victor Pinto da Fonseca.


OUVIR – Serge Gainsbourg (1928-1991) foi uma das poucas personalidades marcantes na cultura popular francesa do século passado. Poeta, cantor, compositor, actor e realizador, Serge Gainsbourg viveu no início da sua carreira das influências de Boris Vian. Ganhou a notoriedade em 1968 graças a «Je T’Aime, Moi Non Plus» - a primeira versão era com Brigitte Bardot, que proibiu a sua edição e foi substituída em todos os sentido por uma jovem inglesa que tinha dado nas vistas numa cena de nu no filme «Blow Up» de Antonioni, Jane Birkin. A partir daí Gainsbourg tornou-se ainda mais radical nas suas provocações: queimou uma nota de 500 francos em directo num programa de televisão, gravou uma versão reggae da Marselhesa e fez-se fotografar quase nu ao lado da sua filha de 14 anos para o vídeo de «Lemon Incest». Escândalos à parte, Gainsbourg foi de facto um grande escritor de canções e «Monsieur Gainsbourg Revisited» é uma homenagem à sua obra. Nesta edição Jane Birkin coloca-se ao lado dos Franz Ferdinand para uma versão de «Sorry Angel», Cat Power e Karen Elson levam a provocação mais longe em «Je T’aime , Moi Non Plus», os Portishead cantam «Un Jour Comme Un Autre», Michael Stipe interpreta «L’Hotel», Tricky atira-se a «Goodbye Emmanuelle», Marianne Faithfull junta-se a Sly & Robbie para «Lola Rastaquore», os Placebo cantam «Ballade de Melody Nelson» e Carla Bruni retoma a tradição com «Cês Petits Riens». O disco, já devem ter percebido a esta hora, é mesmo imperdível. «Monsieur Gainsbourg Revisited», edição e distribuição Universal Music.


SABOREAR – No restaurante do novo Hotel «Aviz», não se come –saboreia-se. O cuidado posto na escolha de ingredientes, na confecção e no empratamento é grande, e as doses são fartas. Há clássicos que vêm do velho «Aviz» (como o Bacalhau à Gomes de Sá), há influências de mentores do projecto (bife raspado à Monjardino), a cozinha portuguesa impera nos pratos do dia, que vêm acompanhados por boas sugestões de vinhos. A sala é muito confortável, o serviço é primoroso, a conta é pesada, mas o prazer é bastante. Reservas pelo telefone 210 402 104, Rua Duque de Palmela 32, ao Marquês do Pombal.


Back To Basics - «Os políticos deviam ler ficção científica em vez de se meterem em cóboiadas e casos de polícia» - Arthur C. Clarke.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:12

...

por falcao, em 02.05.06
ANOTAR - Al Gore reinventou-se e na semana passada foi o orador convidado de uma plateia que juntou as estrelas de Silicon Valley, como os líderes da Apple, Yahoo e Google, entre outros. Num discurso apaixonado de hora e meia, Gore espantou a audiência com a forma como expôs a sua cruzada contra o aquecimento global do planeta. O seu objectivo era conseguir convencer os cérebros de Silicon Valley de que é fundamental descobrir soluções técnicas sólidas para combater o aquecimento global, numa espécia de aliança entre a ecologia, a tecnologia e o capitalismo. Além de estar num autêntico road-show mundial com este discurso, baseado num powerpoint que se está a tornar num mito, Gore e esta sua cruzada são o tema central de um documentário que foi uma das estrelas do Festval de Sundance e que vai ser distribuído agora pela Paramount, «An Inconvenient Truth». Gore – que cedo se deixou de carpir a derrota na campanha presidencial – conseguiu dar completamente a volta à sua actividade e é hoje em dia conselheiro de empresas como a Apple e a Google, impulsionador de um canal de televisão baseado na cidadania, a Current TV e está a concluir um novo livro que será editado ainda este ano.


DESCOBRIR - A revista norte-americana «Wired» detecta esta semana o surgimento de um novo grupo social, os «eco-estetas» e define-os assim: o telhado das suas casas está forrado a painéis solares, na garagem têm um carro com motor híbrido, nos armários têm apenas roupa feita a partir de algodão cultivado segundo os princípios orgânicos da agricultura biológica. O que é facto é que nos Estados Unidos são já um grupo de consumidores significativo, que estão a chamar a atenção, constituindo um mercado que ganha dimensão e que procura cada vez mais produtos que estejam associados à protecção do meio ambiente.


LER - A melhor ideia dos últimos tempos nasceu esta semana no jornal espanhol «El Pais». Trata-se de um novo jornal, autónomo, de distribuição gratuita, o «24 Horas», que tem a particularidade de não ser impresso. É de facto um jornal virtual, que existe apenas na Internet, que tem actualizações constantes, e que pode ser descarregado e impresso para se ler com calma à hora do almoço ou num copo de fim de tarde - «o primeiro jornal gratuito actualizado permanentemente», como anuncia o «El Pais». Este autêntico ovo de Colombo pode ainda por cima ser personalizado: cada leitor define o seu próprio perfil e pode pedir mais artigos relacionados com desporto, ou tecnologias, ou política internacional, ou cultura, ou sociedade. O jornal é feito a partir de artigos do «El Pais», pela redacção do diário madrileno. A distribuição fica facilitada à partida por ser baseada num dos sites mais visitados de Espanha (e da Europa), e a impressão deixa de ser um custo central para ser disseminada pelos leitores que fazem download do ficheiro PDF que se obtém fazendo o download do «24 Horas». O «24 Horas» é patrocinado em exclusivo pela transportadora aérea Iberia. O registo é gratuito, fundamental para se fazer a personalização da edição, mas toda a gente, mesmo os não registados, podem fazer o download. Todas as informações em www.elpais.es .


OUVIR - Sou um fã de canções inspiradas por blues e pelo jazz e, confesso, sou um fã da obra de Harold Arlen, um dos grandes compositores da música popular norte americana, que morreu em 1986. São suas canções como «Over The Rainbow», «One More For The Road», «Come Rain Or Come Shine», «It’s Only A Paper Moon» ou «Stormy Weather». Pois bem, Toots Thielemans, um grande músico de jazz belga que se tornou conhecido pela forma única como toca a harmónica, teve a ideia de juntar algumas das mais marcantes vozes do jazz contemporâneo, fazer novos arranjos das canções de Arlen e juntar tudo num só disco – que apropriadamente se chama «One More For The Road». Ali estão vozes como Jamie Cullum, Till Bronner, Madeleine Peyroux, Silje Nergaard e a grande Oleta Adams que se atira a «Stormy Weather». Um grande disco, CD Verve, distribuído por Universal Music.


EXPERIMENTAR – Os novos vinhos da enóloga Filipa Pato, filha de Luís Pato, «Ensaios». Tanto o branco como o tinto merecem atenção e têm uma belíssima relação qualidade/preço.


BACK TO BASICS – «Ao longo dos anos fui percebendo que um homem inútil é uma vergonha, dois são um escritório de advogados e três ou mais são um parlamento» - John Adams.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:35

Pág. 5/5



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.



Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2005
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2004
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2003
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D