Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



...

por falcao, em 08.07.07
PORTUGAL – A Europa devia saber o clima que este Governo anda a criar, a forma como desenvolve o papel prepotente do Estado, como estimula a denúncia, como desenvolve o medo por represálias, como se recusa a prestar explicações – o episódio da inviabilização da audição parlamentar de Correa de Campos, para que ele não tivesse que falar sobre o caso da demissão da directora do Centro de Saúde de Vieira do Minho, mostra bem a noção de democracia que o PS pretende aplicar no Parlamento – onde as propostas dos socialistas sobre a reforma da Assembleia da República são um manual de arrogância e prepotência. E lá surge sempre Santos Silva, Ministro dos Assuntos Parlamentares, na linha da frente da limitação da expressão. Sugere-se à oposição a adopção de uma nova palavra de ordem: Santos Silva para a Venezuela, já!


PARQUE MAYER – António Costa lá caíu na tentação de juntar os artistas do costume para fazer o número do Parque Mayer. Aproveitou o embalo folclórico e destapou a careca da tacanhez, atacando o valor e a utilidade de grandes obras de arquitectura, emblemáticas, chamando-lhes desperdícios. Ainda bem que D. Manuel I não era tão pacóvio, ou não teríamos os Jerónimos; ainda bem que D. João I tinha orgulho em afirmar a imagem de Portugal ou não teríamos o Mosteiro da Batalha; ainda bem que D. João V não teve medo em contratar um alemão para fazer o mais importante monumento do barroco português, o Convento de Mafra. Já se percebeu que, com Costa, Lisboa é para ficar uma cidadezinha sem ambiçãozinha, simplezinha e arranjadinha. Ao seu lado o arquitecto Manuel Salgado, impassível, dava-lhe a cobertura estética. Isto vai ser bonito, vai…


CORRER – O Presidente francês Nicolas Sarkozy está a ser alvo de uma campanha de alguns prestigiados intelectuais por causa da sua paixão pelo jogging, que partilha com o Primeiro-Ministro português. O filósofo Alain Finkelkraut insinua que o jogging é de direita, classifica-o como um acto filistino e pouco francês, e recomenda ao Presidente longas caminhadas, que ajudam à reflexão, como é tradição na civilização ocidental. Um analista de comunicação e media, Daniel Schneidermann, diz que as imagens recorrentes de Sarkozy a correr são «uma importante arma de manipulação mediática». Aguarda-se uma tese de Eduardo Prado Coelho sobre a elegância do correr de José Sócrates e uma deliberação da ERC sobre o carácter didático das corridinhas socráticas…


TELEJORNAIS – Na segunda feira, dia da reunião do Conselho Geral e de Supervisão do BCP, preparei-me para saber o que se tinha passado pelos telejornais das 22h00, na RTP 2 e na SIC Notícias. Eis que a RTP 2 abriu com uma cerimónia propagandística do Governo (uns novos fundos europeus), que no dia seguinte pouco destaque mereceram nos jornais; depois avançou para uma notícia sindical e outros faits-divers – a notícia sobre o BCP chegou finalmente quase meia hora depois do início, já no final do Jornal; na SIC Notícias foi a reunião do BCP a abrir o Jornal, e para além da informação factual estavam em estúdio convidados, especialistas, para comentar o sucedido. Como o alvo de ambos os Jornais é semelhante, qual a justificação para semelhante diferença de critérios editoriais?


EXEMPLO – Aqui os nossos vizinhos espanhóis, que não perdem tempo, nomearam o português Sérgio Mah para comissariar a Photo España, que já é uma das mais importantes mostras de fotografia europeias. A curiosidade é que Sérgio Mah ganhou notoriedade internacional com a bienal Lisboa Photo, que dirigiu até que esse coveiro da cultura lisboeta, que dá pelo nome de Amaral Lopes, a extinguiu para substituir por uns festivalecos de cinema digital que este ano foram um belo insucesso. A vida é assim: ficamos nós a perder, os espanhóis a ganhar, e o Amaral a assobiar para o ar…


COMER – Campo de Ourique está cheio de bons e simples restaurantes. Um deles, com grelhados de eleição, é a Parreirinha do Minho, na Rua Francisco Metrass 47. A morcela com legumes é fantástica, os grelhados de peixe e carne são exemplares. O ambiente é familiar, o vinho da casa é honesto. Teel. 21 396 90 28


OUVIR – O jazz que o Estoril Jazz oferece entre 6 a 15 de Julho no Auditório do Parque Palmela. Destaque para Buster Williams dia 6, Dave Holland dia 7, Joshua Redman dia 13 e uma formação dirigida pelo pianis Cyrus Chestnut, Jazz At The Philarmonic Revisited, no dia 15, a encerrar mais esta edição do festival que Duarte Mendonça continua a proporcionar.


LER – A mais recente edição da revista «Fast Company» - belos artigos sobre a criatividade na China e como a Disney se reinventou graças à parceria que estabeleceu com a Apple no iPod vídeo.


BACK TO BASICS – «É flagrante e constante a insistência governamental em proibir, travar, limitar, burocratizar…» - Francisco Pinto Balsemão.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:48

...

por falcao, em 04.07.07
ORA DIGAM LÁ SENHORES CANDIDATOS
(publicado no «Meia Hora»)

Gostava que os candidatos à Câmara Municipal de Lisboa se pronunciassem sobre a transformação de parte do CCB no Museu Berardo – seria bastante educativo do ponto de vista do esclarecimento das respectivas propostas em matéria de política cultural. De facto nada tão eficaz como analisar um facto concreto para podermos ver quais as diferenças de posicionamento e de propostas.

Vamos por partes: o Centro de Exposições do CCB deixou de existir (até deixou de figurar no site da instituição) e foi cedido à colecção Berardo. Sem entrar nas polémicas sobre o negócio que o Estado entendeu proporcionar ao Comendador Berardo, este assunto coloca em primeiro plano a necessidade de a utilização dos equipamentos culturais nacionais, existentes em Lisboa, serem geridos em consenso com a Autarquia. Na realidade parece-me evidente que o Estado tem responsabilidades para com a cidade, sendo que a cidade deve também assumir algumas responsabilidades nesses equipamentos.

Os equipamentos culturais de Lisboa são fundamentais para os seus habitantes mas também são um instrumento estruturante da política de atracção de turismo interno e externo, uma área que cada vez assume maior relevância não só para a captação de receitas, como para a projecção internacional da imagem da cidade.

Ao desarticular o Centro de Exposições do CCB, o Governo acabou com o único equipamento na zona sul do país que fazia - de raiz- exposições retrospectivas de grandes artistas portugueses contemporâneos, que dedicava espaço certo à fotografia e à arquitectura e que trazia exposições internacionais temáticas. Para não puxar demais pela memória recordo as exposições de Júlio Pomar e de Jorge Martins, ou ainda as exposições do BES Photo e do World Press Photo, ou ainda as mostras de Mies Van der Rohe e, noutro plano, de Frida Kahlo. É disto que vamos sentir a falta daqui a algum tempo e é sobre estas questões que gostava de ouvir os senhores candidatos: É legítimo acabar com o Centro de Exposições do CCB? Devia ter sido escolhido outro local para instalar a colecção Berardo, como por exemplo o Pavilhão de Portugal?

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:13

...

por falcao, em 03.07.07
EQUÍVOCO – Quando as coisas se fazem à pressa eleva-se o risco da asneira – esta frase está a começar a ser uma descrição recorrente do estilo de governação socratiano. O que se passou no CCB veio mostrar a precipitação da decisão de impor um corpo estranho à instituição e de acabar com a programação autónoma da área de exposições, para lá colocar, a qualquer custo, a colecção Berardo. Percebe-se agora que, como muita gente disse na altura, tinha feito muito mais sentido autonomizá-la, instalá-la em edifício próprio, como o Pavilhão de Portugal, que vai acabar por ser palco de mostras menores e eventos variados, desvirtuando a natureza da sua concepção arquitectónica. O custo não seria muito diferente, as vantagens seriam várias e ainda se está a tempo de avançar nesse sentido, desde que se pense em vez de se ceder aos caprichos do Comendador Berardo, que melhor faria em não se comportar como uma imitação riquíssima de Alberto João Jardim, ao passear arrogância e ignorar a primeira das lições da arte que colecciona – o poder da diferença e da diversidade face às imposições.


DISPARATES – Na inauguração da Colecção Berardo no CCB a distraída Ministra da Cultura disse no seu enfadonho discurso que assim se podiam ver aquelas obras pela primeira vez, esquecendo-se que muitas delas foram passando por Sintra, no Museu de Arte Moderna, ao longo dos últimos anos. Mas mais infeliz ainda foi a descoberta do Primeiro Ministro, ao referir que agora já não era necessário ir ao estrangeiro para ver arte contemporânea – esquecendo-se levianamente do papel de referência, em termos internacionais, que a Fundação de Serralves tem tido neste campo. Enfim, distracções de quem aprendeu à pressa.


OUVIR – A norueguesa Silje Nergaard está num ponto de intersecção entre a pop e o jazz vocal, um pouco como Joni Mitchell há uns anos atrás. É Silje que compõe as suas próprias canções, com a colaboração de Mike McGurk nas palavras, é ela ainda a responsável por boa parte dos arranjos e pela produção, e o disco conta com uma conjunto de sólidos músicos suecos e noruegueses, saídos da dinâmica cena jazzistica dos países nórdicos. Destaco os temas «Darkness Out Of Blue», «Wasteland», «Before You Called Me Yours», «Let Me Be Troubled» e o deliciosamente simples «What Might Have Been» onde a voz de Silje mostra bem a subtileza de entoações que coloca na interpretação. CD Universal Music.


LER – A mais recente edição da revista «Egoísta» é, mais uma vez, um objecto de colecção, desta vez dedicado à Arte. Logo de início um belo desenho de Henrique Cayatte, seguido de uma tripla página de ilustração de Rodrigo Saias que parece quase uma instalação colocada no meio da revista. De registar os portfolios de David Lynch, Pedro Proença, Jordi Burch, António Paixão e, sobretudo, mais uma vez, Pedro Cláudio. Muito visual, esta edição da «Egoísta», conta com um texto curiosíssimo de António Mega Ferreira, meio ficção-meio ensaio, intitulado «Why Is This Art?», absolutamente imperdível e muito adequado ao tempo presente.


PROVAR – Boas surpresas num restaurante recente, Masstige, nas Avenidas Novas. O Masstige faz parte de uma nova geração de casas que é, no bom sentido, a sucessão natural da moda dos snack-bares dos anos 70. Há vários casos destes em Lisboa, por acaso mais dois só na zona das Avenidas Novas e têm alguns pontos comuns: uma aposta no design e na arquitectura, uma ementa simples mas com alguns toques de criatividade, boa música ambiente, preços acessíveis, serviço informal mas simpático. Como a casa se apresenta como restaurante-bar, à noite por vezes há um DJ em funções. Da lista do almoço fazem parte boas saladas e massas simpáticas, além de propostas de raiz bem portuguesa como um delicado folhado de alheira sobre arroz de espargos. Masstige, Av. Barbosa du Bocage 107 A, tel. 21 794 11 48.


NAVEGAR – Mais um blogue do universo da LPM, desta vez com o título ROC – Revisora Oficial de Conteúdos, da autoria de Teresa Loureiro, uma colaboradora de Luís Paixão Martins, que se dedica a pôr ordem na escrita e no português. O blogue, http://blogroc.lpmcom.pt/ tem muitas indicações e ligações bem úteis. É curioso como a LPM está a utilizar a blogosfera, não apenas para espalhar informações sobre a sua actividade, mas também para reflectir e fornecer informações sobre a natureza do trabalho de comunicação e relações públicas, como faz o próprio blogue de Luís Paixão Martins, Lugares Comuns, disponível em http://bloglpm.lpmcom.pt e que tem duas deliciosas áreas, «Mordidelas Silenciosas» e «Estados de Alma».


BACK TO BASICS – «O Cinema português é tão conhecido como o cinema esquimó», António-Pedro Vasconcelos

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:28

Pág. 2/2



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.



Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2003
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D