Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



IMG_0689.JPG

SOBRE A IGUALDADE - Caso ainda não tenham notado anda meio mundo aflito com o Regulamento Geral de Protecção de Dados, que é suposto entrar em vigor a 25 de Maio próximo. Abundam os cursos de formação e os pareceres de gabinetes de advogados sobre o assunto, todos a aproveitar o momento e a escassez de tempo, tal como os limpadores de mato aproveitaram as superiores orientações de cortar a eito e depressa. O mais engraçado de tudo é que na semana passada o Conselho de Ministros aprovou que a protecção de dados vem para todos, mas não para as administrações públicas - e isto pelo menos durante os três próximos anos, prazo que pode até ser aumentado. De facto o Governo aprovou no Conselho de Ministros da semana passada uma proposta de lei que prevê a isenção de coimas para o Estado em caso de infração. A ministra da Presidência, Maria Manuel Leitão Marques, sempre atenta à inovação, estimou os custos administrativos com o novo regulamento na ordem de “centenas de milhões” de euros. O argumento utilizado para justificar a excepção prende-se com o critério de utilização dos dados - uma falsidade, já que se sabe que o Estado usa e abusa do cruzamento de dados de cidadãos entre organismos, muitas vezes com duvidosa legitimidade para tal. Era suposto existir um período de transição para as empresas nacionais de 18 meses, que o Estado convenientemente eliminou para poder cobrar mais umas coimas, sublinhando que as PME’s portuguesas têm que cumprir o referido regulamento, mesmo que o Estado o não faça. O Sol não nasce igual para todos, é o que é...

 

SEMANADA - O mesmo Governo que prometeu baixar impostos conseguiu que a carga fiscal atingisse em 2017 o valor mais alto dos últimos 22 anos; na realidade em 2017 a carga fiscal aumentou para 37% do Produto Interno Bruto, face ao peso de 36,6% que tinha na economia em 2016; o Instituto Nacional de Estatística destaca os aumentos da receita dos impostos sobre a produção e importação (6,1%), nomeadamente o Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA), das contribuições sociais (5,1%) e dos impostos sobre o rendimento e património (3,3%); as ajudas do Estado à banca nesta década já custaram 17,1 mil milhões de euros aos contribuintes, quase 9% do PIB; no ano passado os casamentos realizados em Portugal renderam quatro milhões de euros em taxas diversas cobradas pelo Estado; ao analisar o Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI), a Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor (Deco) detectou "cerca de 95 milhões de euros cobrados indevidamente" nos últimos cinco anos; segundo o presidente do conselho de reitores das universidades, Portugal está ao nível da Hungria e da Roménia no investimento no ensino superior; António Costa fez uma acção de propaganda a limpar matas; Rui Rio fez uma acção de propaganda a visitar quartéis de bombeiros; em Portugal uma em cada cinco mulheres consome produtos dietéticos.

 

ARCO DA VELHA - Portugal é o país com maior carga de parcerias público-privadas, cujos custos representam cerca de 10,8% do PIB, cinco vezes mais que a média europeia.

 

image (2).png

FOLHEAR - A edição de abril da revista Monocle dá destaque a Maria de Lourdes Modesto, que apresenta - e bem -  como a mais importante autora portuguesa sobre temas de gastronomia. Trisha Lorenz, a correspondente da revista em Portugal, traça um perfil de Maria de Lourdes Modesto e explica como ao longo da sua vida ela contribuíu para elevar o conhecimento e a compreensão da cozinha tradicional portuguesa. Ao mesmo tempo elucida os leitores sobre algumas das particularidades da comida portuguesa. A conversa passou-se no restaurante Monte Mar, do Guincho, com elogios aos seus filetes de pescada com arroz de berbigão. Na conversa com Trish Lorenz Maria de Lourdes Modesto elogia dois críticos gastronómicos portugueses: o já falecido David Lopes Ramos e Duarte Calvão, do blogue Mesa Marcada. No roteiro da última página da Monocle o Porto surge como uma das cidades em destaque com referências à guesthouse My Home In Porto, à Casa de Chá da Boa Nova e ao café Progresso, entre outros locais. Portugal aparece ainda referido com uma curta nota sobre os azulejos da fábrica Viúva Lamego. Outros artigos a ler: uma entrevista com Angela Ahrendts, que saíu da Burberry para dirigir a cadeia de lojas da Apple; e uma iniciativa austríaca que visa dar projecção internacional aos artistas plásticos do país.

 

image (1).png

VER - Ponto prévio: segunda feira a partir das 19h00  regressa o ciclo de exposições nas montras do British Bar, no Cais do Sodré, organizadas por Pedro Cabrita Reis e que desta vez apresenta Pedro Calapez, Pedro Valdez Cardoso e Fernanda Fragateiro. Passemos a outros temas: um dos locais incontornáveis para quem gosta de ver fotografia é o Foam Fotografiemuseum, de Amsterdão . Mas se lá não puder ir o site está organizado por forma  a dar-lhe uma boa ideia do que está em exposição. Seydou Keita é um fotógrafo do Mali, que viveu entre 1921 e 2001 e que, sobretudo nas décadas de 50 e 60 do século passado, fotografou as pessoas de Bamako, a capital do país, em imagens a preto e branco que transmitem a intensidade dos retratados (na imagem). As pessoas visitavam o estúdio de Keita para serem fotografadas com as suas melhores roupas e penteados. A exposição abre a 5 de Abril e ficará no Foam até 20 de Junho. Entretanto podem sempre descobrir o que lá há para ver em www.foam.org . Dentro de portas há outras sugestões. No MAAT Miguel Palma apresenta obras sobre papel e o argentino Tomás Saraceno mostra na Galeria Oval  “Um Imaginário Termodinâmico”. Na Lisbon Gallery (Praça do Princípe Real 19) está “Polaroid”, uma mostra de 13 projectos de uma nova geração de designers que trabalham em Portugal. No Museu Colecção Berardo está a exposição “Linha, Forma e Cor” que apresenta obras de artistas como Piet Mondrian, Bruce Nauman, Frank Stella, Cy Twombly,  Fernando Calhau, José Pedro Croft, Fernanda Fragateiro, Pedro Cabrita Reis, António Sena e Ângelo de Sousa, entre outros.

 

image (3).png

OUVIR - O trio constituído por Keith Jarrett (piano), Gary Peacock (baixo) e Jack DeJohnette (bateria)  - e que ficou conhecido informalmente como The Standards Trio - separou-se em 2014 depois de uma carreira de mais de 25 anos. Em fevereiro foi publicado um novo disco destes músicos, “After The Fall”, um CD duplo que recupera uma gravação ao vivo inédita, realizada em 1988 em Newark. Acontece que este registo merece ser colocado entre os melhores que o grupo lançou. Aqui estão temas tradicionais do cancioneiro norte-americano, nos quais se nota o vigor da capacidade de improvisação do trio - desde logo na faixa de abertura, “The Masquerade Is Over” que ganha fulgor ao longo de 16 minutos. Aqui estão clássicos como “Moment’s Notice” de Coltrane, “Doxy”, de Sonny Rollins, “Bouncin’With Bud” de Bud Powell, “Scrapple From The Apple” de Charlie Parker ou ainda “Autumn Leaves”, “When I Fall In Love” ou uma versão inesperada de “Santa Claus Is Coming To Town”. Gravado no final de um período de convalescença de Jarrett, e após um hiato de actuações ao vivo de quase dois anos, este álbum evidencia o virtuosismo, a força e a coesão do trio, assim como a sua capacidade de reinterpretar clássicos. O próprio Jarrett sublinha nas notas de capa que “ficou surpreendido pela forma como os três músicos tocaram nesse concerto, depois de um longo período de pausa. Duplo CD ECM, disponível no Spotify.

 

PROVAR - De 5 a 15 de Abril regressa o “Peixe em Lisboa”, que se tem afirmado como o maior evento dedicado à gastronomia do mar realizado em Lisboa, este ano de novo no Pavilhão Carlos Lopes. Nesta 11.ª edição do Peixe em Lisboa estarão presentes reputados  chefes internacionais, com destaque para os responsáveis do Dinner, de Londres, do Il Pagliaccio de Roma, de Ana Ros, considerada Melhor Chefe Feminina do Mundo em 2017 pelo seu trabalho no restaurante Hisa Franko, na zona rural da Eslovénia, Andrew Wong que assinala a estreia da cozinha chinesa no evento e Iván Domínguez, chefe do restaurante Alborada, na Corunha. Entre os portugueses estarão José Avillez, do Restaurante Belcanto,  João Rodrigues do Restaurante Feitoria e também jovens chefes nacionais como João Oliveira e Tiago Bonito, Vasco Coelho, Diogo Noronha e Diogo Rocha. O Peixe em Lisboa 2018 terá ainda dez restaurantes da região de Lisboa que funcionam em permanência, do meio-dia à meia-noite e que se destacam por pratos à base de peixes e mariscos portugueses, com destaque para três estreantes: a Casa do Bacalhau, Loco e Mariscador. Além destes estarão o Arola, o Ibo, o Kanazawa, a Taberna Fina, o Ritz Four Seasons e o Ribamar, de Sesimbra. Este ano se o tempo permitir existem esplanadas, a entrada é 15 euros, os bilhetes estão à venda na Ticketline e há concursos para nomear as melhores pataniscas e pastéis de nata.

 

DIXIT - “A ideia é sempre juntar pessoas” - Manuel Reis

 

GOSTO - O filme “São Jorge”ganhou sete prémios Sophia da Academia Portuguesa de Cinema, entre eles o de melhor realização para Marco Martins e de melhor actor para Nuno Lopes.

 

NÃO GOSTO - Da intenção de a Meo passar a cobrar um euro por cada fatura em papel enviada aos seus clientes.

 

BACK TO BASICS - “Temos a arte para evitar morrermos da verdade” - Nietzsche



Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:15

IMG_0760.JPG

O RELATÓRIO - Soube-se esta semana que o Governo não autorizou o reforço de meios humanos e materiais que lhe foi solicitado em tempo oportuno, e por diversas ocasiões, em relação ao combate aos incêndios, nomeadamente os de Outubro de 2017. Na semana passada, num dos seus habituais comícios parlamentares, o líder da frente de esquerda, António Costa, atirou para o ar que “um dos principais problemas do pais é a péssima qualidade da informação que só acorda para os problemas nas tragédias". Menos de uma semana depois o relatório mostra que afinal o problema está num Governo que nem nas tragédias acorda. Os peritos que elaboraram o relatório são claros: o Governo ordenou a desmobilização de meios, ignorou alertas que indicavam os perigos dessa desmobilização, não acedeu a pedidos de meios humanos e aéreos quando as chamas já lavravam. A razão de ser disto - assim como, por exemplo, dos sucessivos e graves  problemas na saúde - é sempre a mesma: o dinheiro não chega para tudo e quando se trata de escolher entre pagar a presença do PCP e do Bloco no apoio parlamentar ou cuidar dos problemas do país, a escolha recai na manutenção da paz podre dentro da frente de esquerda, através da satisfação das reivindicações corporativas que passaram a ser o seu alimento. Nalgum momento o Presidente da República vai ter que dizer se prefere que existam mais vítimas de catástrofes ou de doenças, ou se quer continuar a permitir a chantagem dessas reivindicações em nome de uma falsa estabilidade.

 

SEMANADA - O relatório sobre os incêndios conhecido esta semana, afirma que entre março e outubro o executivo chumbou total ou parcialmente os sete pedidos apresentados pela Autoridade Nacional de Proteção Civil para que houvesse mais aviões e bombeiros no combate a incêndios; o relatório da comissão técnica independente nomeada pelo Parlamento para avaliar o que aconteceu nos incêndios de outubro arrasou as novas regras publicadas em fevereiro pelo Governo para limpar a floresta perto das casas; numa conferência de imprensa o ministro da Administração Interna recusou pronunciar-se sobre as falhas apontadas ao Estado no relatório independente;  as exportações portuguesas para Luanda caíram 11% desde as eleições em Angola; o arrendamento em Lisboa custa o dobro do resto do país; as casas arrendadas representam apenas 1,4% do parque habitacional português; o novo secretário geral do PSD foi o coordenador do grupo de trabalho do financiamento partidário que andou a funcionar às escondidas da opinião pública; um estudo europeu divulgado esta semana indica que 42% dos jovens portugueses não se identifica com nenhuma religião.

 

ARCO DA VELHA - A Universidade de Coimbra convidou o primeiro-ministro que liderou dois governos cuja política económica nos levou à bancarrota a dar uma aula de economia.

Absinto_CAPA_300dpi.jpg

FOLHEAR - “Um dos poucos divertimentos intelectuais que ainda restam ao que ainda resta de intelectual na humanidade é a leitura de romances policiais” - assim começa um dos escritos de Fernando Pessoa recolhido numa nova edição de uma antologia de textos seus intitulada “Absinto, Ópio, Tabaco e Outros Fumos - um livro de vícios”. Esta antologia foi originalmente organizada e editada  por Manuel S. Fonseca para o livro “As Flores do Mal”, que incluía fotografias de Pedro Norton numa edição de luxo, especial e limitada, com capa em madeira. Agora, Manuel S. Fonseca publica apenas os textos, numa edição mais simples, que é a primeira de uma série de antologias de Pessoa que a Guerra & Paz vai fazer. À laia de introdução Manuel S. Fonseca escreveu “Álvaro do Desassossego” onde percorre os cinco momentos em que os textos estão organizados - Inocência, Êxtase, Confissões, Abandono e Decadência, ou seja, as etapas dos vícios: “Lido seja onde for, no meio da rua, no café ou no quarto, lidos onde se fuma e bebe, estes são poemas  e textos que, pela sua natureza, terão de ser lidos em sobressalto”.

R0000266.jpg

VER - Todas as fotografias podem ser banais mas é o olhar de quem captura as imagens que as torna diferentes umas das outras. Desde sempre a fotografia é encarada como a mais democrática das formas de expressão visual, exactamente pela sua acessibilidade, quer técnica quer formal. Se isto era assim quando a Kodak introduziu a Brownie em 1990 e tornou a fotografia acessível a quase toda a gente, hoje em dia os smartphones, e particularmente o iPhone, foram ainda mais longe e puseram no bolso de cada um de nós uma máquina fotográfica com assinalável qualidade, disponível em qualquer momento e em qualquer lugar. É por isso que me interesso pelas fotografias feitas com smartphones. Esta semana abriu em Lisboa, na Galeria Giefarte uma exposição de fotografias feitas com iPhone, da autoria de Alexandra C (na imagem). Escrevi no texto do catálogo da exposição, que Alexandra C. procura com as suas fotografias coleccionar o mundo e é isso que me fascina nesta exposição - a sinceridade e a diversidade do olhar. Até 30 de Abril na Rua da Arrábida 54, em Lisboa. Outro destaque: em Ponta Delgada, na Galeria Fonseca Macedo, até final de abril, Pauliana Valente Pimentel expõe “O Narcisismo das Pequenas Diferenças”, 27 fotografias realizadas em 2017 durante uma  residência em São Miguel onde centra o seu olhar na observação de um grupo de jovens micaelenses e nas relações que estes mantêm com os locais, e com os costumes da ilha.

image.png

OUVIR - Este disco é uma verdadeira encomenda. No caso o Dublin National Concert Hall, o New York Carnegie Hall e outras instituições encomendaram ao pianista de jazz Brad Mehldau um disco que abordasse a sua interpretação de Bach. O pianista sublinha que este "After Bach" não é um exercício de jazzificação da música de Bach, antes a sua interpretação pessoal - dá-se o caso de as peças aqui tocadas serem parte da obra Das wohltemperierte Klavier (Well-Tempered Clavier) de Joahnn Sebastian Bach, composta em 1722, cuja aprendizagem foi um dos exercícios mais praticados por Mehldau. Os especialistas dizem que esse facto se reflectiu na forma de Brad Mehldau tocar e o próprio anuncia este disco como uma homenagem sua ao que aprendeu graças a esta obra de Bach. Esta está no entanto longe de ser uma versão conservadora, antes introduzindo muito do estilo pessoal do pianista, sobretudo a sua capacidade de improvisação. Aqui estão quatro prelúdios e uma fuga de Well Tempered Clavier, cada uma seguida de uma versão pessoal de Brad, sempre intitulada After Bach. O interessante é notar que os grandes compositores clássicos eram eles próprios, enquanto instrumentistas, grandes improvisadores e é esse espírito que de alguma forma aqui se evoca, para além do que ficou escrito nas pautas que atravessaram os tempos. Brad Mehldau, After Bach, CD Nonesuch, distribuição Warner.

 

PROVAR - Uma das mais interessantes experiências gastronómicas que se pode ter em Lisboa é também um dos casos de referência  no acolhimento a refugiados. Trata-se do restaurante Mezze, onde a comida e o serviço são assegurados por refugiados sírios. Mezze quer dizer refeição com muitos pratos para serem partilhados e a ementa tem vários menus feitos precisamente para partilhar, com preços entre os 11 e os 15 euros. Escolhemos o menu de 15€, que começa com baba ganoush, um puré de beringela assada com tahini e especiarias, que na época da romã pode incluir uns bagos, e que é óptimo para comer à mão com o pão sírio que podemos ver a ser preparado numa banca do mercado ali mesmo ao lado.  Depois, uma salada mista fatoush, com pão árabe estaladiço, antes das meshawi - umas espetadas de frango tenríssimo e muito bem temperado, tudo acompanhado por arroz fumado com pimentos a que o açafrão dá uma cor e sabor intensos. Sem fazer parte deste menu, ainda provámos a moussaka que é diferente daquela a que estamos habituados: beringelas no forno com tomate e especiarias, sem carne. Já não houve estômago para a sobremesa mas de outra vez já se tinha provado a baclava do Mezze, que já ganhou fama. O preço médio anda nos 20€ por pessoa. O Mezze não aceita reservas, é chegar e esperar que vague lugar. A esplanada tem aquecedores e o espaço interior tem uma mesa corrida enorme e algumas mesas para duas pessoas. Para beber há sumo de tamarindo, limonada com hortelã, vinho a copo branco e tinto e alguns vinhos do Alentejo. Resta dizer que o Mezze fica no Mercado de Arroios, rua Ângela Pinto 12, por trás da Almirante Reis, já perto da Alameda.

 

DIXIT - “Dei com uma esplanada inteira a comer os queijinhos frescos com uma colher de café, sem tirar a cinta de plástico, como quem despacha um iogurte” - Miguel Esteves Cardoso, sobre a forma como os turistas lidam com a comida portuguesa.

 

GOSTO - O Hot Clube comemorou 70 anos de existência, contados desde que Luís Villas Boas deu o pontapé de saída na instituição que mais tem feito pela divulgação do jazz.

 

NÃO GOSTO - Dois terços dos hospitais públicos levam mais de 90 dias a pagar as suas dívidas a fornecedores.

 

BACK TO BASICS - “Fiquem longe de pessoas negativas, elas são capazes de inventar um problema para cada solução” - Albert Einstein

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:15

IMG_0667.JPG

A VÃ ILUSÃO - Estamos perigosamente a caminhar para um mundo de fantasia onde o efémero se sobrepõe a qualquer estratégia coerente de salvaguarda do que existe e de desenvolvimento coerente. Vivemos na ilusão da prosperidade com um Estado que só pensa em pagar-se a si próprio sem cuidar das suas funções. A nova austeridade mostra-se nos problemas que existem nos hospitais, na degradação de equipamentos públicos como os caminhos de ferro, nos atrasos em dar condições a que se realizem obras necessárias de manutenção em equipamentos cruciais. Quando a coligação de esquerda se regozija com o que diz ser o fim da austeridade engana-se a si própria e, pior, pretende enganar os incautos. A verdade é que a nova austeridade se faz à conta do não cumprimento das obrigações do Estado, prejudicando toda a sociedade e criando situações de desprezo pelo bem estar e segurança das pessoas. A nova austeridade vive de manter o  peso do Estado mas tirando-lhe os meios de agir - ou seja, tornando-o vazio de sentido. Os efeitos desta política, no médio e longo prazo vão ser terríveis e tudo o que à frente se reparar será bem mais caro do que aquilo que agora se devia fazer. O Governo tem o poder. Sem Glória. Um retrato do Portugal destes dias que correm.

 

SEMANADA - A presença de ecstasy nos esgotos de Lisboa aumentou mais de 40% num ano; nos últimos dez anos 49 produtos portugueses foram retirados do mercado europeu por não terem sido aprovados em testes de segurança; no ano lectivo de 2016/2017 registaram-se 1797 crimes em escolas da área metropolitana de Lisboa, um aumento de 10% em relação ao ano lectivo anterior;  segundo um estudo de opinião divulgado esta semana 70,2% dos adeptos não acredita que exista verdade desportiva no futebol português; segundo a Marktest o número de portugueses que usa aplicações de Instant Messaging quase triplicou nos últimos cinco anos; o preço das casas aumentou 12,8% no ano passado; 800 médicos recém formados não têm vaga para especialidades e está a aumentar o número de jovens médicos que deixam o país para fazer formação especializada no estrangeiro; em 2017 a Segurança Social mandou fechar 133 lares; no passado fim de semana o consumo de eletricidade em Portugal foi assegurado na íntegra por fontes renováveis, sobretudo energia eólica, durante 69 horas seguidas;  desde o início do ano já se verificaram 13 greves, o que dá a média de uma greve por semana e estão anunciadas novas greves de professores, médicos e enfermeiros.

 

ARCO DA VELHA - No Liceu Camões, em, Lisboa, apenas dez professores, num total de 70, aderiram à greve do início desta semana - mas os sindicatos de Mário Nogueira garantiram que a adesão ficou entre os 60 e 70%.

 

_DSC8461.jpg

FOLHEAR - Do panorama editorial português quase tinha desaparecido a figura de uma revista consagrada ao pensamento e ensaio. “Electra”, a nova revista trimestral da Fundação EDP, ganha o seu nome da Grécia antiga e no editorial deste primeiro número, co-assinado pelo seu  director José Manuel dos Santos e pelo subdirector António Soares, apresenta-se como “uma revista que interroga o espírito do tempo, as tendências, as ideias, as imagens, as mitologias que configuram e fazem mover a nossa época”. O estatuto editorial define “Electra” como uma “revista de crítica, pesquisa, ensaio e reflexão cultural” apontando que deve ser “de actualidade, mas de uma actualidade que vai para além da imediatez mediática”.  “Electra” tem duas edições - uma em português e outra em inglês, manifestando assim a sua vontade em ter influência para além das nossas fronteiras. Um dos destaques desta edição inaugural é uma entrevista feita por António Guerreiro a Boris Groys, um professor alemão, actualmente em Nova Iorque, crítico de arte, teórico dos media e filósofo que se tem debruçado sobre as relações entre a arte e a política e entre o artista e a sociedade. Groys estará sábado no MAAT onde proferirá uma conferência sobre “A Arte na Época da Internet”. Com um grafismo minimalista e adequadamente conservador, em conformidade com o tom geral da edição, neste primeiro número de “Electra” destaca-se um ensaio de João Oliveira Duarte sobre o poeta António Franco Alexandre, o portfolio “Rainer Maria Rilke:Klage” de Lourdes Castro e o ensaio “Cada época sonha com a seguinte” de Maria Filomena Molder sobre a citação de Jules Michelet que lhe serviu de inspiração.

 

Sem Título.jpg

VER - O desenho é a raiz de toda a criatividade visual - quer esteja esboçado ou sugerido. Sob a aparência da simplicidade pode ser surpreendente ao conseguir transmitir  ideias complexas ou, em contraste, ao ordenar sucintamente o espaço onde se desenvolve. É isto que acontece com os novos desenhos de Pedro Calapez patentes na exposição “Desenho e Construção”, uma mostra  simultaneamente tranquila e arrebatadora nos vários momentos em que está organizada - as séries “Vagos”, “Variações Num Quadrado” e “Plano Duplo”. “Construir é a acção de organizar linhas, traços ou manchas, numa superfície com a finalidade de criar níveis distintos de intervenção que dialogam entre si” - escreveu Calapez nas suas notas sobre esta exposição. “Cada desenho - sublinhou - só acaba quando as orientações das linhas estão  suficientemente definidas e a mão cansada decide não continuar”. Desenho e construção fica até 20 de Abril, na Galeria João Esteves de Oliveira, Rua Ivens 38. Outras sugestões: na Galeria Monumental (Campo dos Mártires da Pátria 101) Teresa Dias Coelho mostra até 7 de Abril novos desenhos sob o título “Turn Again”. No Porto, na Galeria Municipal, Palácio de Cristal, até 20 de Maio a Fundação EDP apresenta “Germinal”, que expõe obras do núcleo Cabrita Reis que desde o ano passado faz parte da colecção desta Fundação.

image (1).png

OUVIR - David Byrne habituou-nos, nas várias fases da sua carreira, com os Talking Heads e, depois, a solo ou nos diversos projectos em que tem colaborado, a mostrar as suas observações sobre a América, surgindo repetidamente como uma espécie de  barómetro com um humor fino. “American Utopia”, o seu primeiro álbum desde há 14 anos, prossegue esse caminho e, de certa forma, é surpreendente. Como acontece a alguns dos seus contemporâneos, Byrne podia ter seguido o caminho de fazer um álbum de versões ou de imitações de si próprio. Em vez disso atreveu-se a, mais uma vez, surpreender e provocar - quer em palavras quer nos arranjos das dez canções aqui apresentadas, todas feitas a partir de composições originais de Brian Eno às quais Byrne juntou as palavras. “I Dance Like This”, a faixa de abertura, é um regresso ao pop; “It’s Not Dark Up Here” é um manifesto dançante que apela ao optimismo mesmo em tempos negros e “Every Day Is A Miracle”  é uma balada que ganha ritmo à medida que recomenda que se sobreviva aos maus momentos. No final do disco estão dois dos temas mais marcantes, “Doing The Right Thing” e “Everybody’s Coming To My House”, a minha canção preferida, que inclui uma frase que resume todo o sentimento do disco , “We are only tourists in this life”. Ao longo do disco as teclas misturam-se com as guitarras, vozes e percussões, numa explosão de sons hoje em dia rara. Quase nos 66 anos, não se pode dizer que David Byrne esteja sentado na varanda a curtir a reforma. CD Nonesuch, Distribuição Warner.

 

PROVAR - Há pouco mais de um ano surgiu na restauração lisboeta o conceito “Topo” , que deu origem a um grupo que já tem restaurantes no alto de edifícios no Martim Moniz, no Largo do Carmo e agora no CCB, onde antes estava o Bar Terraço. A localização do Topo do CCB é privilegiada, com vista sobre o rio, 40 lugares na sala e, quando estiver melhor tempo, 30 adicionais na esplanada. A cozinha, liderada pelo chef Luis Martins, tem inspiração nacional e propõe ao longo do dia e fim de tarde petiscos diversos. Ao almoço há um menu executivo que por 14 euros propõe couvert, sopa ou sobremesa, o prato do dia e uma bebida. A carta, mudada há poucas semanas, oferece várias possibilidades. Numa recente visita experimentaram-se duas entradas para partilhar: chamuças de coelho bravo com puré de escabeche de cheróvia e peixe espada à madeirense marinado com abacate e acompanhado por chips de batata doce. Ambos muito bem, as chamuças estaladiças e de fritura correcta, o peixe espada com um sabor inesperado. A seguir veio um robalo real com xerém de bivalves e coentros - peixe fresquíssimo e cozinhado no ponto, o xerém a merecer elogios. Para um próxima visita ficará o arroz de javali, castanhas e cogumelos. Nos doces há propostas como pão de ló com creme de ovo, pudim Abade de Priscos e uma mousse de chocolate com flor de sal e azeite. A carta de vinhos não é muito extensa mas oferece boas propostas a preços razoáveis. Telefone 213010524.

 

DIXIT - “O território a que chamamos Portugal é habitado pelo ser humano há um milhão de anos” - Arqueólogo João Zilhão

 

GOSTO - 97,4% dos alunos que participaram nos dois anos do projecto Tablets no Ensino e na Aprendizagem, da Fundação Calouste Gulbenkian, passaram de ano - uma taxa de quase 100% de sucesso escolar.

 

NÃO GOSTO - Cerca de  60% das linhas de comboio estão em mau estado de conservação e condicionam a circulação ferroviária - revela um relatório da Infraestruturas de Portugal.

 

BACK TO BASICS - “O mais importante é nunca desistir” - Stephen Hawking

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:15

IMG_0300.JPG

O REGIME É SURDO, CEGO E MUDO - Por muito complicada que seja a questão dos precários e várias outros assuntos que servem de moedas de troca reivindicativas, de natureza sindical ou do foro das batalhas de costumes politicamente correctos, é espantoso que as duas muletas da frente de esquerda, o Bloco e o PCP, não apontem claramente para os dois sectores que mais precisam de intervenção eficaz: a saúde, vítima de cativações e má gestão neste Governo, laboratório de medidas avulsas de perigosas consequência; e a justiça cuja situação se agrava de dia para dia, e que constitui um foco de descrédito do Estado e de penalizações e prejuízos imensos para os cidadãos. Se somarmos a isto a corrupção endémica no Estado  e o abuso de autoridade de um sistema fiscal que confisca de forma arbitrária, viola impune e descaradamente a privacidade individual e considera os cidadãos culpados até prova em contrário, temos mais dois temas a que nenhum dos partidos presentes no Parlamento dá mostras de querer encarar de frente. A coisa não vem de agora. Temas como os abusos das autoridade tributária ou a corrupção andam de mãos dadas e instalaram-se como fazendo parte do status quo permitido por todos os partidos que estão em S.Bento - esta complacência é o seu bilhete de entrada no hemiciclo. Na verdade o funcionamento e o financiamento capaz da saúde, a eficácia da Justiça, o fim do abuso de autoridade do fisco e o combate à corrupção do Estado são áreas bem mais importantes que devaneios sobre financiamento de partidos ineficazes ou a possibilidade de animais domésticos em restaurantes. Estamos conversados quando o sistema e o regime se preocupam com o acessório e desprezam o essencial.

 

SEMANADA - 84% dos alunos do ensino secundário profissional não seguem para o ensino superior; segundo o presidente da AICEP para que Portugal possa crescer as exportações têm de valer mais de 50% do PIB, quando hoje valem 43% ; o Ministro da Defesa não cumpriu o prazo que ele próprio estabeleceu para entregar um dossier sobre o roubo de material militar Tancos no Parlamento; segundo um organismo europeu Portugal não cumpriu as recomendações anticorrupção, sobretudo nos sectores parlamentar e judicial; os casamentos entre um homem português e uma mulher brasileira são os que menos duram nos matrimónios entre nacionalidades; uma organização internacional afirmou que Portugal é um dos países onde a autorização de residência a estrangeiros regista grande falta de rigor; dos quase 26 mil agregados com carências habitacionais graves, quatro mil pagam renda em casas do Estado; segundo as associações sindicais de polícias a redução de 55% de multas verificada em 2017 deve-se à insatisfação dos guardas; em 2017 os portugueses faltaram a quase dois milhões de consultas nos centros de saúde e hospitais por causa dos custos dos transportes e do preço das taxas moderadoras; já houve 18 quedas de arribas no Algarve desde o início do mau tempo; a frente do Palácio Nacional de Mafra foi interditada à circulação pedonal por risco de queda dos sinos.

 

ARCO DA VELHA - Rui Rio, certamente inspirado pela elevação dos acontecimentos no futebol, decidiu colocar na sua estrutura de governo sombra a Cultura ao lado do Desporto.

 

CAPA nova_africa-300dpi.jpg

FOLHEAR - A 4 de Fevereiro de 1961 e a 15 de Março de 1961 ocorreram em Luanda os primeiros ataques do MPLA e da UPA (União dos Povos de Angola), sinalizando o início da Guerra Colonial. João Céu e Silva, jornalista, conta no romance “Adeus, África” a guerra colonial em Angola desde esses primeiros momentos até que a 10 de Novembro de 1975 as últimas autoridades militares portuguesas abandonaram Luanda no paquete Niassa, horas antes da independência. O romance conta a história do atirador especial Afonso, que vigiava o embarque, e que acabou por não entrar no navio. Escondido durante 11 anos, Afonso sobreviveu à guerra civil de Angola, escondido até ser descoberto e repatriado. Um psiquiatra acompanha-o no regresso, disposto a descobrir a história deste soldado que ficou para trás do Império, esquecido, e que chega a Portugal em 1986, um país que lhe parece completamente estranho. Esta é a segunda edição de “Adeus África”, originalmente publicado em Abril de 2015 e que agora foi relançado. Sub titulado “A História do Soldado Esquecido”, este é o terceiro romance de João Céu e Silva, e aborda a epopeia nunca contada dos militares portuguesas que ficaram nos territórios ultramarinos depois da sua independência. Como disse Francisco José Viegas sobre este livro e a situação que ele aborda, esta á “a verdadeira bússola daqueles acontecimentos”.

 

image.png

VER -  Todos os anos a FNAC promove um prémio de fotografia e em 2017 o vencedor foi Luis Preto, agora exposto na FNAC Chiado, com o trabalho vencedor, “Maciço Antigo” (na imagem) , uma reflexão marcada por retratos intimistas e pelo desgaste da ação do tempo nas arquiteturas e nas populações de lugares isolados de Portugal. No Museu Arpad Szenes-Vieira da Silva, em colaboração com a Fundação EDP, Pedro Gomes apresenta Urbe, até 27 de Maio. Na Travessa da Ermida Adriana Molder apresenta até 29 de Abril “Todas As Fotografias de Ford”. Na Garagem Sul do CCB a exposição de arquitectura “Paris Haussman - Modelo de Cidade”,  mostra o modelo urbano parisiense desenvolvido por Georges-Eugène Haussmann e que foi prefeito de Paris no final do século XIX, impulsionando  uma profunda remodelação da cidade. Na Sociedade Nacional de Belas Artes, até 29 de Março, uma mostra de fotografias a preto e branco da excelente colecção da sociedade de advogados PLMJ. Na Fundação Oriente, de dia 15 até ao início de até Junho, “Um Museu Do Outro Mundo”, uma intervenção que José de Guimarães concebeu especificamente para o local e que tem como ponto de partida o espólio do Museu, em articulação e diálogo com peças da colecção de arte chinesa do artista.

 

BRANCO_ALBUM_DIGITAL.jpg

OUVIR - Gosto de Cristina Branco por ela ser tão inesperada no panorama musical português, sobretudo naquele que nasceu e cresceu ligado ao fado. Cristina Branco aprendeu a tradição mas soube partir para outras paragens e criou o seu próprio espaço - a este nível é a única que se assemelha na presente geração aos grandes nomes que inovaram o Fado ao longo da segunda metade do século XX. Mas não ficou só por aí: ela é talvez o exemplo do que de melhor aconteceu na música popular portuguesa dos últimos anos, até porque teve a coragem de se associar a nomes de várias proveniências que lhe criaram um território musical único entre nós. Neste disco, produzido por Pedro Trigueiro, participam nomes como Luis Severo, Sérgio Godinho, Filipe Sambado, André Henriques, Filho da Mãe, Kalaf Epalanga, Mário Laginha, Luís Severo ou os ex-Ornatos Violeta Nuno Prata e Peixe. Cristina Branco é acompanhada por  Luís Figueiredo (piano e percussão), Bernardo Moreira (contrabaixo) e Bernardo Couto (guitarra portuguesa). Destaco em especial o trabalho de Luis Figueiredo e de Bernardo Couto, que leva a guitarra portuguesa para outros territórios, mostrando como é surpreendente quando se solta das amarras tradicionalistas. CD “Branco”, de Cristina Branco, Edição Universal.

 

PROVAR - Nos últimos anos surgiram dezenas e dezenas de restaurantes que se reclamam de sushi, a maior parte deles  constituindo um sério logro para os clientes (e às vezes uma perigo para a saúde pública). Mas desde 2007 há um restaurante nas Amoreiras que é um exemplo de bom serviço e qualidade num centro comercial. Trata-se do Sushi Café, onde o sushi é pontuado por influências de outras geografias para além da japonesa, embora a carta tenha uma oferta tradicional relevante. Mais importante que os novos e muitas vezes fugazes restaurantes é fundamental apreciar como amadurecem os existentes e como os seus responsáveis evoluem. Nesse aspecto o Sushi Café das Amoreiras é um exemplo - desde a gestão da sala, entregue à experiência de Miguel Morais, à lista criada e frequentemente actualizada pelo chef Daniel Rente. Uma das novidades da carta, muito bem sugerida aliás por Miguel Morais, é o Fish Wakame, que agrupa corvina, atum, salmão, robalo e carapau marinados em óleo de sésamo com um toque de azeite trufado, tudo envolvido em algas, sementes de papoila e um ovo de codorniz cru (que se parte e mistura por cima) Mais uma boa surpresa no Sushi Café Amoreiras.

 

DIXIT - “Para melhorar a qualidade da nossa democracia, e forçar o cartel partidário dominante a um qualquer sistema mais competitivo, temos certamente de mudar o sistema eleitoral” - Nuno Garoupa

 

GOSTO - Obras de Paula Rego estão incluídas na exposição “All Too Human - Bacon, Freud and a century of painting life”, na Tate Britain, em Londres.

 

NÃO GOSTO - A livraria Pó dos Livros, nas Avenidas Novas, em Lisboa vai encerrar - era uma exemplar livraria independente com um serviço excepcional aos clientes.

 

BACK TO BASICS - O principal sinal de corrupção que existe numa sociedade é a ideia de que os fins justificam os meios - Georges Bernanos



Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:05

IMG_0311.jpg

INQUIETUDES - Quando me recordo do que se tem passado nas últimas semanas no domínio das restrições exercidas sobre obras de arte, das clássicas às contemporâneas, fico inquieto. Com base em diversos pretextos quadros clássicos são retirados de exposição em museus prestigiados invocando razões morais, imagens com conteúdos sexuais, mas há muito aceites como expressão artística, são amaldiçoadas, fotografias de alguns dos grandes fotógrafos do século XX são denegridas por mostrarem o corpo humano, e, sobretudo na moda, acusadas de o explorarem. Esta voragem puritana está a viver num crescendo perante a indiferença daqueles que habitualmente se rebelam contra a limitação das formas de expressão e que agora se mostram silenciosos em nome de uma nova forma de correcção política que só tem paralelo nos tempos da inquisição e do fanatismo religioso. Ao mesmo tempo obras que têm mais de carácter provocatório do que de arte foram retiradas da ARCO em Madrid, dando uma notoriedade ao autor de «Presos políticos na Espanha contemporânea» que a sua obra artisticamente não merecia de todo. Já aqui o côro dos habituais protestos se fez ouvir, num ruidoso contraste com o silêncio noutras ocasiões. Mas, como Manuel Villaverde Cabral bem fez notar, nota-se cada vez mais arasteira manifestação das ideologias partidárias que se imiscuem de forma cada vez mais deletéria no mundo da criação artística”. Parece que estamos a remar para trás, dizem-me aqui ao ouvido. E é verdade.

 

SEMANADA - Em Portugal registam-se cinco queixas de plágio por semana; em 2016 a Entidade Reguladora dos Serviços de Águas e Resíduos recebeu cinco mil queixas, a maioria sobre erros de leitura, facturação e cobrança da água; mais de 200 mil jovens portugueses até aos 25 anos não têm qualquer ocupação, não estudam nem trabalham; as dívidas por pagar na área da saúde cresceram 112 milhões de euros em apenas um mês; a Inspecção Geral da saúde detectou hospitais que contratam médicos ilegalmente; a falta de especialistas médicos e tarapeutas ditou o encerramento de 68 camas em unidades de reabilitação; uma instituição europeia acusa Portugal de manter detidos em condições desumanas; os pedidos de asilo a Portugal atingiram em 2017 cerca de 2000, um número recorde;  foram realizados 11 inquéritos sobre violação do segredo de justiça entre 2014 e 2017; peculato e corrupção são os crimes mais frequentes entre os 405 funcionários públicos condenados por ilegalidades em 2017; no ano passado o número de mulheres designadas para cargos de direção superior da Administração Pública foi pela primeira vez maior que o número de homens - 12 mulheres para oito homens; segundo a Marktest, há cerca de 4,7 milhões de portugueses que ouvem rádio - a maioria ouve no carro, um terço ouve em casa e cerca de 15% ouve no local de trabalho; em 2017 os diários generalistas venderam menos 15.831 exemplares por dia e fecharam o ano com uma quebra de circulação de 9%.

 

ARCO DA VELHA - O mesmo Governo que estabeleceu prazos muito apertados para a limpeza das matas anunciou em Outubro que iria participar na gestão do SIRESP e quatro meses passados não deu passos concretos nesse sentido nem cumpriu o seu próprio calendário.

 

Capa_Memorias_300dpi.jpg

FOLHEAR - Raymond Aron foi filósofo, jornalista, professor e politólogo. Nasceu em 1905, morreu em 1983 e as suas memórias constituem uma visita aos principais momentos e ideias do século passado. Já era bem conhecido quando ganhou acrescida notoriedade com  “O Ópio dos Intelectuais”, uma crítica a Sartre, ao marxismo e à intelectualidade francesa, simultaneamente uma crítica ao pensamento unilateral da esquerda e à  sua complacência face à repressão existente nos regimes comunistas - por acaso uma obra que volta a ganhar oportunidade com a sanha politicamente correcta que por aí cresce. As suas “Memórias” são uma reflexão sobre um século de grandes mudanças, desde a ascensão do nazismo à expansão do ideal comunista no pós-Guerra, passando pela a análise da Guerra Fria, as guerras do Vietname e da Argélia, a descolonização francesa e a sua opinião sobre qual foi a verdadeira dimensão do Maio de 68. No fundo estas suas “Memórias” percorrem as ideias mais salientes da sua época: o marxismo, o liberalismo e o existencialismo. Foi colega de universidade de Sartre e conviveu com personalidades como Charles de Gaulle, André Malraux, Henry Kissinger ou Giscard D’Estaing e neste livro traça retratos destas figuras. Para quem gosta de ler sobre as ideias e políticas que moldaram o século XX, as “Memórias” de Raymond Aron acabaram de ser reeditadas, 35 anos depois da sua publicação original, pela Guerra & Paz na sua colecção Grandes Livros, com tradução de Susana Serrão.

 

Personas Excelentíssimas.jpg

VER - João Miguel Barros um advogado que vive entre Macau e Lisboa, tem já um percurso longo ligado à  fotografia. Expõe agora “Photo-Metragens”, uma coleção de 14 pequenas histórias fotográficas para ver “como quem lê um livro de contos”, segundo as palavras do próprio. A exposição, na imagem, que resultou num  livro-catálogo de grande formato, a preto e branco, arranca com “Sentido Único” nos viadutos de Xangai, para nos levar numa viagem que salta entre Lisboa, Banguecoque, a praia dos Salgados, Paris ou Hong Kong. Há visões nocturnas, marés vivas, pontes mágicas e alucinações nesta exposição pensada (e escrita) por João Miguel Barros, patente até 3 de Junho no Museu Berardo. Em simultâneo, promoveu na Galeria 8, no palacete da Fidelidade no Chiado, uma exposição do fotógrafo chinês Yang Yankang, intitulada “O Espelho da Alma” e que tem por tema o Budismo Tibetano e que mostra até 4 de maio 40 fotografias centradas na espiritualidade do Tibete. Num outro registo, uma das melhores fotógrafas portuguesas, Luisa Ferreira, mostra até 30 de Março, no Museu das Vítimas da Inquisição, na Igreja de Santa Maria da Várzea, em Alenquer, o seu mais recente trabalho, “Ao encontro de Damião de Goes, para José Mariano Gago”. As imagens são um testemunho da derradeira investigação do antigo Ministro da Ciência e Tecnologia, dedicada ao humanista português do século XVI: pouco antes da sua morte, em 2015, Mariano Gago convidou Luisa Ferreira para que o acompanhasse a Alenquer, terra natal de Damião de Goes, e aí recolhesse imagens do universo associado ao historiador.

 

image (2).png

OUVIR - Pouca gente se recordará que Laurie Anderson foi a única pessoa que trabalhou como  artista residente para a NASA, no início deste século. Anderson é uma artista visual, realizadora de filmes, autora e intérprete musical e na sua colaboração com a NASA trabalhou com o Kronos Quartet, um grupo de cordas contemporâneo, originário de São Francisco, também colaborador pontual da agência espacial, e ambos construíram uma peça intitulada “The End Of The Moon”. Quer Laurie Anderson quer os músicos do Kronos Quartet têm em comum uma atracção por pensar o futuro e observar de forma crítica o presente. Este “Landfall” começou por ser uma performance executada ao vivo numa digressão até chegar a este ponto - um CD que reúne 30 canções, compostas por Laurie Anderson, uma boa parte delas a evocar o furacão Sandy, com o objectivo de mostrar como a memória humana pode ser mais forte que a destruição provocada pela catástrofe. A combinação da voz de Anderson, com as sonoridades do Kronos Quartet produz um resultado marcante. “Landfall”, Laurie Anderson & Kronos Quartet, CD Nonesuch/Warner, disponível em Portugal.

 

PROVAR - O Pho é um dos pratos mais conhecidos da gastronomia vietnamita e consta de um caldo com noodles, vegetais e carne cortada aos pedaços de vaca ou frango. Como sou fã de sites de receitas dei há pouco tempo com o www.nutricaocompanhia.com , em que a nutricionista Cláudia Cunha propõe um Pho à portuguesa, completamente vegetariano. Os ingredientes, para uma dose individual,  são 200 gr de legumes congelados (feijão-verde, courgette, cebola, cenoura parisiense, cogumelos e brócolos), um novelo de noodles de arroz, um ovo cozido por 7 minutos e coentros. O processo é simples: quando os legumes estiverem quase cozidos em água acrescentam-se os noodles que ao fim de dois ou três minutos estão no ponto e reservam-se legumes e noodles. Depois tempera-se essa água (que vai ser o caldo) com azeite, vinagre de vinho branco e sal. Numa taça mistura-se  tudo e coloca-se o caldo a gosto. Acrescenta-se o ovo que já foi cozido previamente durante 7 minutos, partido ao meio e, para finalizar, colocam-se pedaços de coentros. É uma boa alternativa para as noites frias deste Inverno. Cláudia Cunha é autora de um livro intitulado “Doce Veneno - Plano Detox de 21 dias para se livrar do açúcar” e tem o canal www.youtube.com/nutricaocompanhia  onde vai publicando filmes com as suas receitas e conselhos.

 

DIXIT - “A política é uma actividade altamente lucrativa (...) Dá rendimento, nome e influência. Os partidos devem pagar impostos como toda a gente e como as empresas. E o Estado deve financiar pouco” - António Barreto

 

GOSTO - Vhils, aliás Alexandre Farto, tem uma exposição na Galeria Over The Influence em Los Angeles cuja inauguração foi um êxito de público.

 

NÃO GOSTO - A CP vai vender para sucata locomotivas a vapor raríssimas do início do século XX e diz não ter condições para as conservar nem recuperar.

 

BACK TO BASICS - “Os políticos são a mesma coisa por todo o lado: prometem uma ponte onde nem sequer há um rio” - Nikita Khrushchev.




Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:15


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2005
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2004
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2003
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D