Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]



...

por falcao, em 18.11.05
TODO O MUNDO É COMPOSTO DE MUDANÇA


Há pouco menos de três anos, desafiado pelo Luís Marques, Administrador da RTP, comecei a trabalhar no projecto de lançamento de um canal de televisão em sinal aberto, feito em parceria com a sociedade civil, que sucedesse à RTP 2. Foi um projecto empolgante, assumido pela Administração da RTP, que estava incluído nas conclusões do relatório do grupo de trabalho sobre o serviço público de televisão, grupo esse que eu integrei em Junho de 2002. Mas, acima de tudo, foi a concretização de uma ideia provocatória e quase utópica lançada pela Presidente desse grupo, a Helena Vaz da Silva, a quem aqui desejo deixar uma palavra de recordação e saudade.

O projecto arrancou há dois anos, a 4 de Janeiro de 2004, depois de quase um ano de preparação. Foram – sem exagero - tempos fantásticos em que aprendi muitíssimo. Este não foi um projecto pessoal, foi um trabalho de equipa e aí reside a minha convicção de que tem condições para continuar, independentemente de quem o lidera mais directamente.

Quando aceitei este desafio tive claro que, em termos da minha vida profissional, ele devia ter um prazo, suficiente para que o projecto pudesse implantar-se, mas limitado no tempo. Acho o que sempre achei: na vida há muito poucas coisas definitivas. Não sou dos quadros da RTP, vim para aqui numa comissão de serviço que encarei como uma missão, nas exactas condições que tinha anteriormente. Essa missão, para mim, terminou. Fiz o melhor que sabia e devo aqui reconhecer publicamente o apoio que sempre tive do Conselho de Administração desta casa, mesmo nos momentos mais difíceis.

Não há projectos perfeitos e este não é excepção certamente. A equipa que tem trabalhado na 2: procurou, dentro dos meios de que dispunha, garantir o máximo de participação das 75 entidades da sociedade civil que estabeleceram protocolos de parceria connosco, procurou obedecer às directrizes do Contrato de Concessão Especial, nomeadamente na participação efectiva da sociedade civil, centrando a emissão na divulgação do conhecimento, numa programação singular para públicos infantis, cuidada e diversificada, na divulgação das expressões culturais e artísticas nacionais, com particular atenção aos cidadãos com dificuldades acrescidas de comunicação, apostando em ser complementar à RTP 1, o principal canal do serviço público de televisão. Produzimos nestes dois anos cerca de 20 documentários e gravámos uma dezena de óperas, concertos, recitais e bailados produzidos em Portugal. Trabalhámos quase exclusivamente com a produção independente.
Seleccionámos e programámos algumas das melhores séries de ficção e documentários da produção internacional que foram exibidas em Portugal neste período. Não fizemos mais que cumprir a nossa obrigação, dentro das condições orçamentais de que dispunhamos e que aceitámos.

Isto foi possível, nomeadamente, porque a Concessão Especial de Serviço Público permitia uma razoável dose de autonomia e abria um horizonte de evolução a médio prazo. É inteiramente legítimo que o accionista, que é o Estado, pretenda alterar o regime de Concessão existente, integrando a 2: na concessão geral de serviço público e limitando a possibilidade dessa evolução. Acontece, no entanto, que não foi nesse contexto que eu vim trabalhar para este projecto. Não faço juízos de valor, não quero fazer disto um drama, mas também não iludo a questão. Acho que chegou a altura de fazer o balanço e sair, abrindo a possibilidade a que outros desenvolvam o caminho, dentro do novo enquadramento e das novas regras que dentro de meses serão estabelecidas, de acordo com o programa do Governo e com as declarações dos seus responsáveis.

Quando a 2: arrancou obteve pouco mais de 3% de share no primeiro mês. Chegámos ao fim de 2004 com 4,4% de share, uma décima abaixo do objectivo que considerava razoável. Tudo indica que concluiremos este ano por volta dos 5% de share – e isto num horizonte de crescimento da penetração do Cabo. Estamos portanto acima dos objectivos traçados, em linha com o orçamento acordado, e sem alterações na tipologia de programação. Temos uma grelha estável, clara, segmentada por públicos, diversificada, mas arrumada e a cumprir horários. Um estudo divulgado esta semana mostra que a 2: foi o canal de sinal aberto que mais aumentou o tempo médio de visionamento e também o que conseguiu bons índices de fidelização de espectadores.

O meu tempo aqui está a chegar ao fim e isso, sinceramente, faz sentido. Projectos destes – de ruptura – precisam de ideias novas e de pessoas que contribuam permanentemente para alargar o que está feito. O meu sincero desejo é que isso aconteça.

Eu regressarei ao que sempre fiz ao longo dos anos, trabalhar em equipas que desenvolvem projectos – mas não é este nem o tempo nem o lugar para falar desse assunto. Para que não existam inquietações, no entanto, desejo deixar claro que a minha intenção de saída foi comunicada à Administração no dia 30 de Setembro, depois de ter aceite um projecto, que não é de televisão nem de produção audiovisual, e ao qual me dedicarei a partir de Janeiro de 2006.

Na 2: o orçamento para 2006 e respectivo plano de actividades ficaram prontos dentro das orientações decorrentes do plano de reestruturação económica e financeira da RTP, a grelha para 2006 ficou desenhada na totalidade e ficou alinhada para o primeiro trimestre do ano. Estão escolhidas e propostas as aquisições internacionais nas áreas infantis, de documentário e ficção, assim como se encontram em fase de elaboração de contrato as produções nacionais existentes e que continuam, assim como alguns novos documentários.

Uma palavra para o Jorge Wemans, que vai continuar o projecto, nestes dois anos trabalhámos nos projectos de parceria da Fundação Gulbenkian com a 2:. Desejo-lhe as maiores felicidades.


Três notas finais:
Um agradecimento especial às entidades com quem tive a honra e o privilégio de trabalhar ao longo destes três anos e que demonstraram que afinal alguma sociedade civil havia em Portugal. Permitam-me que personalize este agradecimento nos dois Presidentes do Conselho de Acompanhamento – o anterior, Dr. António Gomes de Pinho, e o actual, Dr. Guilherme de Oliveira Martins.

Uma palavra muito sentida de agradecimento às áreas da RTP, auxiliares da programação, das auto-promoções à sonoplastia, do grafismo às compras internacionais, dos estudos de audiências às relações institucionais. Se me esqueci de alguém as minhas desculpas. Uma palavra especial para a Antena 2 da RDP, com quem cedo começámos a fazer coisas em conjunto – ainda ontem isso aconteceu na gravação de um recital do pianista Domingos António.

E a minha última palavra – os últimos são sempre os primeiros - vai para a equipa da 2:, a grelha e preparação de emissão, o marketing, os parceiros e os conteúdos partilhados, os infantis, os musicais, as curtas metragens, a produção e o secretariado. Todos aceitaram vir para este projecto contra ventos e marés, sem benesses nem recompensas – antes pelo contrário por vezes – e todos trabalharam de forma entusiástica nesta ideia. Sem eles e elas, nada disto teria sido feito. Muito obrigado a todos. Conheci aqui bons amigos e levo boas recordações. É tempo de mudar, até porque, citando Camões, todo o mundo é composto de mudança.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:41


Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.



Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2003
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D