Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



...

por falcao, em 25.07.05
ESTADOS DE ALMA (1)

As férias são sempre um bom momento para colocar ordem nas ideias e fazer o balanço do que anda à nossa volta. Gosto muito pouco do que vejo. Como tantos outros cidadãos sinto desencanto pela maneira como, ano após ano, o país não muda nem evolui. Na realidade Portugal não está melhor e não é de agora. A persistência na política do betão, a prevalência dos interesses das grandes construtoras – em parte devido à opacidade do sistema de financiamento partidário – e a falta de uma estratégia de desenvolvimento credível e sustentada são paradigmas dos nossos últimos 20 anos. A abundância de dinheiros comunitários criou, durante algum tempo, a ideia de que tudo ía bem. Mas o choque com a realidade começou a aparecer a par do alargamento da União e do cumprimento das regras financeiras da Comunidade Europeia.

Faço parte de uma geração que acreditou que podia contribuir para mudar o país. Em 1976 tive o primeiro choque e o primeiro grande desencanto. Durante anos não quis saber da política e dediquei-me a trabalhar em coisas de que gostava: a fotografia (por onde comecei nos jornais), o jornalismo, a música. Por sorte consegui durante muito tempo que tudo se completasse e funcionasse em conjunto. Na agência noticiosa aprendi a ser parco nas palavras, a evitar adjectivos e a prezar o rigor acima de tudo. Nos jornais aprendi o conceito da edição, nas revistas aproveitei o que sabia de fotografia para as soluções gráficas. Mais tarde fiz parte de equipas que criaram do zero jornais e revistas, alguns – orgulho-me disso – fizeram história na imprensa portuguesa.

Há quinze anos atrás acreditei (voltei a acreditar) que podia haver outra forma de fazer política, que a intervenção de cada um de nós, nas coisas que melhor sabe fazer, podia ser importante para melhorar a sociedade. Dediquei-me a projectos – muitos deles públicos. Aprendi muito nestes anos. Vi a política mais por dentro, percebi a natureza de palavras e acções. Tornei-me progressivamente mais desconfiado. Sei hoje que a mentira – mesmo quando se jura a verdade – é uma constante da política e de políticos. Habituei-me a analisar os dirigentes partidários e os responsáveis de Governos e, salvo raríssimas excepções, constatei que só pensavam neles, nos seus interesses particulares e no poder – ou poderes – que tinham. São seres isolados e egoístas, frios e calculistas. Frequentemente são falsos. Raramente são idealistas apaixonados e desinteressados – hoje em dia já nem se preocupam em usar essas vestes.

Hoje é claro que os partidos não existem para lutar pelo bem comum, mas sim pelo poder de satisfazer as clientelas que asseguram a sua manutenção. Tirando questões conjunturais não vejo diferenças substantivas entre Jorge Coelho e Marques Mendes – por alguma razão o país anda há anos a oscilar entre PS e PSD e não passa da cepa torta. Os partidos portugueses têm um instinto de sobrevivência que se sobrepõe sempre aos princípios que invocam como cartilha.

Provavelmente a minha geração perdeu o desafio de fazer um país novo. Cabe à geração seguinte fazê-lo e não há muito tempo a perder. As notícias mais recentes são preocupantes. Os partidos e os governos não toleram vozes independentes. O que aconteceu nesta semana – e que foi o quadro condensado e acelerado dos seis meses anteriores – mostra como as máquinas partidárias e os grupos de pressão se sobrepõem à razão e à ética.

Sei que este é um texto pessimista: não acredito na capacidade de reforma do sistema político nem dos partidos e constato que os novos políticos que volta e meia entram em cena, na maior parte dos casos, trazem ainda mais vícios que os anteriores. Os que escapam a esta regra duram pouco tempo – deles se diz que não têm sensibilidade política.

A sensibilidade política, caríssimos leitores, é o que de pior existe, é a desculpa para malfeitorias várias e para o estado catastrófico em que nos encontramos. Cada vez mais acredito que sensibilidade política é exactamente aquilo de que não precisamos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:53



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.



Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D
  235. 2003
  236. J
  237. F
  238. M
  239. A
  240. M
  241. J
  242. J
  243. A
  244. S
  245. O
  246. N
  247. D