Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]



...

por falcao, em 05.02.07
DESPUDOR - Da maneira que as informações sobre investigações em curso, sobre buscas domiciliárias e sobre os trâmites do sistema judicial se tornam publicitadas, valia a pena pedir ao senhor Procurador da República para ordenar escutas aos telefones e vigilância aos computadores de agentes, magistrados e juízes, para ver quem anda a fazer o que não deve. Se há justiça, ela deve ser para todos e o Procurador não pode ficar sob a suspeita de deixar utilizar investigações e investigadores como um elemento de pressão na opinião pública nem como arma de contendas políticas - a menos que esteja disposto a continuar as linhas mestras do triste mandato do seu antecessor.


REGISTAR – Este ano a Câmara Municipal de Lisboa acabou com duas bienais – a Lisbon Photo e a Experimenta Design, dois momentos diferentes na vida da cidade, que a valorizavam e projectavam internacionalmente. Mais do que acabar conjunturalmente com uma edição dessas bienais, o gesto da vereação da Cultura da Câmara deita para o caixote de lixo o investimento feito nos últimos anos nestas duas iniciativas, e que ao longo do tempo foi dando os seus frutos. O mais curioso é que o anúncio do fim destas duas bienais coincide com o anúncio de um investimento numa nova iniciativa, uma trienal de arquitectura, para a qual se vai utilizar o Pavilhão de Portugal. Não vejo problema nenhum em criar uma mostra de arqutectura, vejo é com muita desconfiança uma gestão que prefere delapidar investimentos passados e extinguir o que ía bem existindo, apenas para deixar uma obrinha sua. Estas manias persecutórias e este afã de deixar obra arrasando o passado são uma das maiores demonstrações do nosso atávico provincianismo, dos orgulhos pacóvios de paróquia, dos joguinhos de interesses que desprezam o interesse público, que delapidam os investimentos anteriormente realizados com o dinheiro dos contribuintes e que revelam apenas uma completa ausência de estratégia de posicionamento cultural da cidade. A coisa, já agora, é tanto pior quanto é certo que, na segunda metade do ano, Lisboa recebe a presidência da Comunidade Europeia e ninguém parece ter-se preocupado com o assunto.


VER – As fotografias de Annie Leibowitz, num dos mais fantásticos álbuns dos últimos tempos, feito a propósito da exposição que entre 20 de Outubro do ano passado e 21 de Janeiro esteve no Brooklyn Museum, de Nova York: «A Photographer’s Life, 1990-2005». A exposição (e o álbum) traçam paralelos entre o trabalho de Leibowitz para revistas como a «Vanity Fair» e a «Rolling Stone», ao mesmo tempo que mostram o seu percurso pessoal, nomeadamente a relação com a ensaísta Susan Sontag – e a doença que acabou por a derrotar no final de 2004. É curioso contrastar a produção colocada em fotografias de moda e publicidade, com a simplicidade de algumas imagens a preto e branco, muito íntimas, delicadamente pessoais. Leibowitz é uma das grandes retratistas da segunda metade do século XX e uma das fotógrafas que melhor seguiu o mundo do entretenimento, nomeadamente das estrelas do rock e das estrelas do cinema. O álbum foi um delicioso e inesquecível presente que me deram e alivia-me a mágoa de não ter partilhado a exposição propriamente dita. Edição Random House.


OUVIR - É engraçado notar como a estratégia editorial de uma das maiores etiquetas de música clássica – a Deutsche Grammophon – se tem agilizado nos últimos anos. A mudança é curiosa porque incorpora alguns dos truques editoriais da música pop num repertório clássico, em gravações e interpretações com o elevado padrão de qualidade a que a editora habituou o seu público. Depois de em Novembro ter lançado o disco da soprano Anne Netrebko dedicado aos compositores russos, que há semanas lidera o top clássico na Europa central, o disco de estreia da meio-soprano Elina Garanco, «Ária Cantilena», editado em Dezembro (e que inclui uma deliciosa interpretação da «Cantilena» das «Bachinas Brasileiras» de Villa-Lobos, segue carreira similar e obtém críticas elogiosas. A culminar, escassas duas semanas depois do tradicional concerto de Ano Novo de Viena, eis que a Deutsche lançou já no mercado a gravação desse mesmo concerto deste ano, com a Filarmónica de Viena, dirigida por Zubin Mehta, com valsas de Johan e Josef Strauss, incluindo uma interpretação inédita da arrebatadora valsa «Wo die Zitronen bluh’n».


BACK TO BASICS –As leis são como as salsichas, é melhor não querermos saber como são feitas - Otto von Bismark

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:53


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.



Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2005
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2004
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2003
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D