Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



...

por falcao, em 23.07.07
ENCOLHIMENTO - O resultado, nos partidos políticos, das eleições intercalares em Lisboa assemelha-se ao efeito que um programa de máquina de lavar roupa com a temperatura demasiado alta tem nas lãs: encolhimento generalizado. Tal como as lãs que sofrem este tratamento, os partidos políticos correm o risco de deixar de servir, garantidamente ficaram estragados. Pior ainda: as reacções ao longo desta semana vão no sentido das lutas internas, em vez da modificação da forma de fazer política. Quem está a destruir o papel dos partidos são as máquinas do clientelismo partidário e os seus dirigentes, não são os independentes. Os cidadãos querem uma política com causas, não querem uma acção política que parece saída de uma consulta médica: uma folha de receitas para as maleitas. Sugiro que leiam na edição desta semana da revista «Time» o artigo «The New Action Heroes», onde se relata como o Mayor de Nova York, Michael Bloomberg, e o Governador da Califórnia, Arnold Schwarzenegger, passaram por cima do ideário do seu partido – ambos são eleitos pelos republicanos – abraçaram causas que interessam aos cidadãos e puseram em acção medidas que Washington pura e simplesmente nunca implementaria.


CURTO - O PS em Lisboa teve uma vitória de Pirro. Perdeu 20.000 votos entre 2005 e 2007, o seu candidato não conseguiu mobilizar o eleitorado e, apesar os insistentes apelos para obter maioria absoluta, enfrentou a maior abstenção de sempre, o que naturalmente o afectou em primeiro lugar e na prática lhe impediu o objectivo. Acresce que o facto de nestas eleições se ter verificado o maior número de votos brancos e nulos alguma vez registado em Lisboa mostra bem a recusa consciente de parte activa do eleitorado das políticas propostas. Costa venceu, mas não convenceu.


DIGITAL - Na conferência «Os Media da nova geração na era digital», a Comissária europeia para a Sociedade de Informação e Meios de Comunicação, Vivianne Reid, serviu um grande chá ao Ministro Santos Silva, recordando, depois de uma despropositada intervenção do governante, que se deve defender a flexibilização das regras publicitárias nos canais abertos de televisão, que nunca deve existir intervenção estatal em questões editoriais, e que o estado português está a ficar perigosamente atrasado na introdução da Televisão Digital Terrestre.


LER – Em Portugal vivia-se o calor do verão de 1974 quando foi pela primeira vez publicado o livro «Zen E A Arte da manutenção das motocicletas», de Robert M. Pirsig – por isso a sua edição original, nessa época, passou meio despercebida. 25 anos depois o livro foi relançado nos Estados Unidos e agora chega cá. O autor explica que o livro não é bem sobre a filosofia budista nem sobre motocicletas, mas é certo que o tema central é aquilo a que o seu autor chamou de a metafísica da qualidade. Na prática o livro relata uma viagem, feita por duas pessoas que representam dois tipos diferentes de personalidades, um mais interessado no lado espiritual das coisas e outro que se concentra nos detalhes e na forma de funcionamento das coisas. Há quem diga que este é o livro de filosofia mais vendido de sempre e George Steiner comparou Pirsig a Proust. Boa tradução de Fernanda Pinto Rodrigues, editada pela Presença, 420 páginas.


OUVIR – «Lisboa» é uma exemplar compilação de temas e interpretações originais, nascida pela mão do músico Rodrigo Leão e do editor Tiago Faden, que acabaram de criar a editora independente «Lisboa Records». Na terça-feira passada no «Frágil», parte do disco foi apresentado ao vivo e arrisco dizer que se criou um ambiente especial, mostrando como aquele espaço continua a ter uma magia muito própria e merece ser visitado mais vezes. De regresso ao disco destaco os temas «O Estranho Caso do Amante Preguiçoso», de Rui Reininho e Armando Teixeira, «Cidade Tejo» de Rodrigo Leão e Ana Carolina Costa, «Primeira Hora» das Danças Ocultas, «Passagem a Limpo», um poema de Cesariny repescado pelos Naifa e uma imperdível interpretação do clássico «Com Que Voz» por Maria Ana Bobonne e Ricardo Rocha. Curiosidades adicionais: a voz de Cesariny a ler o seu poema «You Are Welcome To Elsinore» sobre um trabalho de sons idealizado por Paulo Abelho, e o «Poema», também de Cesariny, dito por Rogério Samora sobre música de Gabriel Gomes e Rodrigo Leão.


BACK TO BASICS – Debaixo de cada pedra espreita um político, Aristófanes

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:55



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.



Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2003
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D