Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



COMUNICAR – O PSD está em vias de deixar de ser um partido político para se tornar num fórum de discussão sobre como comunicar. Como bem refere Luís Paixão Martins no seu blog (lpm.blogs.sapo.pt), «é  a comunicação quem organiza a nossa sociedade» e não se pode fugir a isso. Com a devida vénia aqui fica uma citação mais alongada, não seria fácil dizer melhor sobre o tema: « a base eleitoral de um partido político, dos activistas mais fundamentais aos votantes menos firmes, é uma comunidade que precisa de estar permanentemente a ser conduzida pela Comunicação. O que pensa hoje o eleitorado potencial do PSD, incluindo os seus principais activistas, sobre os temas “políticos” das últimas semanas? Quem lhe deu os argumentos para formar um pensamento coerente e dinâmico? Que racional é que ele tem para estruturar uma ideia de alternativa às políticas do Governo (que são devidamente comunicadas)? ». A contenção comunicacional, como LPM afirma, na realidade está a dificultar a criação do “cimento” interno que o PSD precisa para se manter. No meio de tudo isto o que mais me custa é assistir à transformação da política numa mera sucessão de auditorias e de «due dilligencies», rigorosa e desapaixonadamente feitas e apresentadas, em vez de uma actividade de criação de estratégias e tácticas alternativas. 

 


 


SEGURANÇA – No caso da proliferação de acções de crime violento nos últimos tempos acho que é injusto assacar as responsabilidades em exclusivo à actuação do Ministério da Administração Interna. Uma boa parte da culpa e uma grande parte das causas deve ser procurada na actuação do Ministério da Justiça e do sistema judicial em geral, que repetidamente criou ao longo dos anos a noção da impunidade, da suavidade das punições, que tornou vulgar que detidos em flagrante delito fossem soltos no dia a seguir, ou ainda a criação de reformas legislativas que não conseguem ser eficazes no objectivo de combater a criminalidade. E sobre isto tudo muito estranho o silêncio do Ministro da Justiça e do Primeiro Ministro. 

 


 


 


METRO – O Metropolitano de Lisboa está muito contente por ter melhorado os seus resultados operacionais em 2007. Eu, que habito e trabalho em Lisboa, não consigo compreender a impunidade com que o Metropolitano não cumpre prazos das obras e não tem o menor respeito por quem anda na cidade. No prolongamento da linha vermelha a zona do Saldanha a S. Sebastião está completamente esventrada há anos. Depois de várias actualizações de prazo, a placa das obras dizia que elas ficariam concluídas no segundo trimestre de 2008. Vamos quase no fim do terceiro trimestre e tudo continua na mesma. Pior: não há actualização de informação, não há respeito pelos lisboetas, não há decência. A Câmara Municipal de Lisboa não pode multar o Metropolitano pelos transtornos que ele causa?  

 


 


METRO – No site do Metropolitano de Lisboa existe uma grande lenga-lenga sobre o apego da empresa às artes, apresentando um programa de acções culturais nas estações. O site esquece-se de referir as acções que de facto marcam a actuação da empresa nas estações, como a destruição dos painéis de azulejos originais de Maria Keil, feitos na década de 60. Face à destruição foi colocada a questão de saber se seria devida indemnização à autora. Pois a decisão do Metropolitano foi a de que não havia lugar a indemnização porque a autora tinha oferecido a obra, não tendo sido por ela remunerada. É de mim, ou o mundo está ao contrário? O Presidente da Câmara Municipal de Lisboa não quererá instruir o seu representante na Administração do Metropolitano para que estas coisas não aconteçam, ou António Costa prefere esquecer o assunto? 

 


 


RENOVÁVEIS – Imprescindível a leitura do artigo de Nigel Lawson na edição da revista «Time», intitulado «What´s Green And Goes Pop?». A ideia geral é que depois da explosão da bolha da internet e da explosão da bolha do crédito subprime, a próxima bolha a explodir será a dos investimentos nas energias renováveis. Lawson explica como os subsídios governamentais estão a distorcer a paisagem do investimento em energias renováveis, questiona uma série de decisões e práticas, da União Europeia por exemplo, e desmistifica algumas crenças comuns sobre o aquecimento global e a exequibilidade do protocolo de Kyoto. Vale a pena ler e meditar, digitem o nome do autor ou do artigo no site da «Time» (www.time.com ) e chegarão lá com facilidade. 

 


 


MAGNOLIA – Em tempos habituei-me a frequentar um restaurante deste nome perto do Campo Pequeno. O restaurante cresceu para uma mini-cadeia de lojas e abriu há pouco tempo uma delas nas Avenidas Novas. Em duas visitas tive duas decepções: em primeiro lugar no serviço, quer ao balcão, quer na sala – porque é estes restaurantes desprezam o serviço? E depois na confecção e qualidade da comida, nas duas ocasiões, me pareceu bem pouco aliciante. Vou dar ao caso o benefício da dúvida mas no entretanto sugiro aos responsáveis do Magnólia que provem, ali bem perto, os pastéis de massa tenra da Pastelaria Sá, na esquina da Miguel Bombarda com a Conde de Valbom, para perceberem como as coisas devem ser feitas. E já agora, passem a ter Água das Pedras em vez das outras que propõem em alternativa, é irritante limitar as escolhas aos consumidores, sobretudo quando não é para melhor. 

 


 


OUVIR – A banda sonora da semana é mais um disco da colecção «Verve Originals», desta feita «The Ramsey Lewis Trio At The Bohemian Caverns». Gravado nesse bar de Washington em Junho de 1964, este disco inclui, logo a abrir, um medley extraordinário de temas de «West Side Story» e depois versões fantásticas como a que é apresentada de «Fly Me To The Moon».  

 


 


BACK TO BASICS – O silêncio alimenta-se a ele próprio e quanto mais tempo fôr mantido, mais difícil se torna encontrar alguma coisa para dizer – Samuel Johnson 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:10



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.



Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2005
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2004
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2003
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D